SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 24
 Cinética química é a área da química que estuda a velocidade
das reações químicas. Assim como os fatores que influenciam a
velocidade destas reações.
 A velocidade de uma reação é a rapidez com que os reagentes
são consumidos ou rapidez com que os produtos são formados.
Cinética Química
Cinética Química
Fatores que afetam a velocidade de reações
• Existem quatro fatores importantes que afetam as velocidades das
reações:
– o estado físico do reagente,
– as concentrações dos reagentes,
– a temperatura na qual a reação ocorre e
– a presença de um catalisador.
• Objetivo: compreender as reações químicas no nível molecular.
A velocidade média de consumo de um reagente ou formação de
um produto, durante uma reação química, é definida:
Vm = lΔQl / Δt
Onde:
Vm = velocidade da reação em relação ao reagente A ou B ou ao
produto C ou D.
lΔQl = módulo da variação da quantidade de um reagente ou de
um produto
Δ t = intervalo de tempo
Obs.: Q pode ser dado em nr de mols, massa, volume e etc.
Velocidade Média
Exemplo:
A revelação de uma imagem fotográfica em um filme é um processo
controlado pela cinética química do halogeneto de prata por um
revelador. A tabela abaixo mostra o tempo de revelação de um
determinado filme, usando um revelador D-76.
A velocidade média (vm) de revelação, no intervalo de tempo de 7 min a
10 min, é:
Velocidades de reações
Velocidade de reação e a estequiometria
• Para a reação
C4H9Cl(aq) + H2O(l)  C4H9OH(aq) + HCl(aq)
sabemos que
• Em geral, para
aA + bB  cC + dD
É a energia mínima necessária para que uma reação
aconteça.
É a energia necessária para levar os reagentes ao
complexo ativado.
Energia de ativação
é a espécie formada transitoriamente pelas moléculas de
reagentes, como resultado da colisão, antes da formação do(s)
produto (s).
Complexo ativado
Reação exotérmica
Análise dos diagramas
Reação endotérmica
Análise dos diagramas
dD
cC
bB
aA 


Velocidade Instantânea de uma reação elementar
Lei da Velocidade de Guldberg/ Waage
A Velocidade de uma reação química elementar, a uma dada
temperatura, é diretamente proporcional ao produto das
concentrações dos reagentes em mol/L, elevada aos seus
respectivos coeficientes estequiometricos.
b
a
.[B]
k[A]
v 
Onde:
V é a velocidade instantâna da reação;
K é a contante de velocidade
[A] concentração do reagente A em mol/L
[B] concentração do reagente B em mol/L
a e b são os coeficientes estequiometricos
b
a
.[B]
k[A]
v 
A reação A + 2 B  C se processa em uma única etapa. Qual a
velocidade desta reação quando K =0,3 L/mol . min, [A] = 2,0
M e [B] = 3,0 M ?
Exemplo:
Ordem da reação
Os expoentes que constam na lei de velocidade
determinarão a ordem da reação.
No caso da reação genérica:
aA + bB  cC + dD
V= K.[A]a . [B]b
Onde:
a + b é a ordem global da reação
a é a ordem da reação em relação ao reagente A
b é a ordem em relação ao reagente B
.
Reações de primeira ordem
São aquelas em que a velocidade da reação é
diretamente proporcional à concentração de uma única
espécie, elevada à primeira potência.
A  B
V = K.[A]
Ordem da reação
Reações de segunda ordem
São aquelas em que a velocidade da reação é
diretamente proporcional à concentração de uma única espécie
(não necessariamente), elevada á segunda potência, ou de duas
especies elevadas à primeira potência cada uma.
2A  B V = K.[A]2
A + B  C V = K.[A]1.[B]1
Ordem da reação
Etapa lenta da reação determina a velocidade
Normalmente, as reações ocorrem em mais de uma
etapa, e cada uma possui a sua própria lei de velocidade.
No entanto, essas etapas ocorrem com velocidades que
podem ser bem diferentes.
A etapa mais lenta limita a velocidade total da reação e
ela acaba sendo a etapa determinante (limitante) da velocidade.
Se uma reação ocorrer em várias etapas sua velocidade é dada
pela etapa mais lenta.
A + A  A2 (etapa lenta)
A2 + B  A2B (etapa rápida)
2 A + B  A2B (reação global)
A velocidade desta reação será dada por:
v = k . [A]2
Qual a lei da velocidade da reação que ocorre segundo estas
etapas e qual a ordem de reação?
Etapa 1: NO2 + NO2  NO3 + NO (lenta)
Etapa 2: NO3 + CO  NO2 + CO2 (rápida)
Molecularidade
Expressa o número de espécies que participam como
reagentes em uma etapa elementar, formando o complexo
ativado.
Unimolecular
Quando uma reação utiliza uma única espécie para formar o
complexo ativado.
Ordem da reação
Bimolecular
Quando a formação do complexo ativado envolver duas espécies
(iguais ou diferentes)
trimolecular.
Quando envolver três espécies.
Molecularidade
O monóxido de nitrogênio (NO) reage com hidrogênio,
segundo a reação:
2NO +H2  N2O +H2O
Sabendo que a reação se processa em uma única etapa,
determine:
a) Lei da velocidade
b) Ordem da reação
c) Molecularidade
Exemplo:
Determinação experimental da lei da velocidade
Quando uma reação não é elementar, existe um modo
prático para determinar ou confirmar a expressão da lei da
velocidade.
São realizados diversos experimentos variando a
concentração de reagente e verificando a sua influencia na
velocidade.
Se a mudança de concentração de um reagente alterar a
velocidade, este faz parte da equação de velocidade. Caso não
ocorra alteração, significa que esse reagente não faz parte da
equação.
Para a reação 2A+ B C + 3D foram obtidas as seguintes
velocidades iniciais:
(a) Escreva a equação de velocidade da reação
(b) Calcule o valor da constante de velocidade
(c) Calcule a velocidade de consumo de A, quando [A] = 0,100
mol/L e [B] = 0,200 mol/L.
Exemplo:

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a Cinetica Quimica, ENSINO MÉDIO.ppt.pptx

Semelhante a Cinetica Quimica, ENSINO MÉDIO.ppt.pptx (20)

Cinetica quimica
Cinetica quimicaCinetica quimica
Cinetica quimica
 
Cinética química
Cinética químicaCinética química
Cinética química
 
cinticaqumica-141002231720-phpapp. 02.pdf
cinticaqumica-141002231720-phpapp. 02.pdfcinticaqumica-141002231720-phpapp. 02.pdf
cinticaqumica-141002231720-phpapp. 02.pdf
 
Cinética e equilíbrio químico
Cinética e equilíbrio químicoCinética e equilíbrio químico
Cinética e equilíbrio químico
 
Apostila de química 2013 3 col 1 bim.
Apostila de química 2013  3 col  1 bim.Apostila de química 2013  3 col  1 bim.
Apostila de química 2013 3 col 1 bim.
 
cinética quimica
cinética quimicacinética quimica
cinética quimica
 
CINÉTICA QUÍMICA
CINÉTICA QUÍMICACINÉTICA QUÍMICA
CINÉTICA QUÍMICA
 
Relatorio quimica geral_2 - cinetica
Relatorio quimica geral_2 - cineticaRelatorio quimica geral_2 - cinetica
Relatorio quimica geral_2 - cinetica
 
Teoria do Equilibrio
Teoria do EquilibrioTeoria do Equilibrio
Teoria do Equilibrio
 
Ana nery cinética química
Ana nery   cinética químicaAna nery   cinética química
Ana nery cinética química
 
Resumo te rico cin-tica qu-mica.QUIMICA
Resumo te rico cin-tica qu-mica.QUIMICAResumo te rico cin-tica qu-mica.QUIMICA
Resumo te rico cin-tica qu-mica.QUIMICA
 
Cinética Química
Cinética QuímicaCinética Química
Cinética Química
 
Cinética Química
Cinética QuímicaCinética Química
Cinética Química
 
Cinética química
Cinética químicaCinética química
Cinética química
 
Conceitos de cinética química
Conceitos de cinética químicaConceitos de cinética química
Conceitos de cinética química
 
Cinetica quimica trabalho
Cinetica quimica trabalhoCinetica quimica trabalho
Cinetica quimica trabalho
 
Fqe1 exp3 cinetica
Fqe1 exp3 cineticaFqe1 exp3 cinetica
Fqe1 exp3 cinetica
 
Cinetica
CineticaCinetica
Cinetica
 
Cinetica
CineticaCinetica
Cinetica
 
Experimento 8 Cinética química
Experimento 8   Cinética químicaExperimento 8   Cinética química
Experimento 8 Cinética química
 

Último

Bullying - Texto e cruzadinha
Bullying        -     Texto e cruzadinhaBullying        -     Texto e cruzadinha
Bullying - Texto e cruzadinhaMary Alvarenga
 
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Slides Lição 4, Betel, Ordenança quanto à contribuição financeira, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, Betel, Ordenança quanto à contribuição financeira, 2Tr24.pptxSlides Lição 4, Betel, Ordenança quanto à contribuição financeira, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, Betel, Ordenança quanto à contribuição financeira, 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Slides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptx
Slides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptxSlides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptx
Slides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
“Sobrou pra mim” - Conto de Ruth Rocha.pptx
“Sobrou pra mim” - Conto de Ruth Rocha.pptx“Sobrou pra mim” - Conto de Ruth Rocha.pptx
“Sobrou pra mim” - Conto de Ruth Rocha.pptxthaisamaral9365923
 
Slides 1 - O gênero textual entrevista.pptx
Slides 1 - O gênero textual entrevista.pptxSlides 1 - O gênero textual entrevista.pptx
Slides 1 - O gênero textual entrevista.pptxSilvana Silva
 
Bullying - Atividade com caça- palavras
Bullying   - Atividade com  caça- palavrasBullying   - Atividade com  caça- palavras
Bullying - Atividade com caça- palavrasMary Alvarenga
 
ALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolares
ALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolaresALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolares
ALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolaresLilianPiola
 
CRÔNICAS DE UMA TURMA - TURMA DE 9ºANO - EASB
CRÔNICAS DE UMA TURMA - TURMA DE 9ºANO - EASBCRÔNICAS DE UMA TURMA - TURMA DE 9ºANO - EASB
CRÔNICAS DE UMA TURMA - TURMA DE 9ºANO - EASBAline Santana
 
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdfSimulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdfEditoraEnovus
 
02. Informática - Windows 10 apostila completa.pdf
02. Informática - Windows 10 apostila completa.pdf02. Informática - Windows 10 apostila completa.pdf
02. Informática - Windows 10 apostila completa.pdfJorge Andrade
 
Regência Nominal e Verbal português .pdf
Regência Nominal e Verbal português .pdfRegência Nominal e Verbal português .pdf
Regência Nominal e Verbal português .pdfmirandadudu08
 
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdfGuia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdfEyshilaKelly1
 
Época Realista y la obra de Madame Bovary.
Época Realista y la obra de Madame Bovary.Época Realista y la obra de Madame Bovary.
Época Realista y la obra de Madame Bovary.keislayyovera123
 
AD2 DIDÁTICA.KARINEROZA.SHAYANNE.BINC.ROBERTA.pptx
AD2 DIDÁTICA.KARINEROZA.SHAYANNE.BINC.ROBERTA.pptxAD2 DIDÁTICA.KARINEROZA.SHAYANNE.BINC.ROBERTA.pptx
AD2 DIDÁTICA.KARINEROZA.SHAYANNE.BINC.ROBERTA.pptxkarinedarozabatista
 
Gerenciando a Aprendizagem Organizacional
Gerenciando a Aprendizagem OrganizacionalGerenciando a Aprendizagem Organizacional
Gerenciando a Aprendizagem OrganizacionalJacqueline Cerqueira
 
Aula - 1º Ano - Émile Durkheim - Um dos clássicos da sociologia
Aula - 1º Ano - Émile Durkheim - Um dos clássicos da sociologiaAula - 1º Ano - Émile Durkheim - Um dos clássicos da sociologia
Aula - 1º Ano - Émile Durkheim - Um dos clássicos da sociologiaaulasgege
 
Grupo Tribalhista - Música Velha Infância (cruzadinha e caça palavras)
Grupo Tribalhista - Música Velha Infância (cruzadinha e caça palavras)Grupo Tribalhista - Música Velha Infância (cruzadinha e caça palavras)
Grupo Tribalhista - Música Velha Infância (cruzadinha e caça palavras)Mary Alvarenga
 
Cenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicas
Cenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicasCenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicas
Cenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicasRosalina Simão Nunes
 
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveAula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveaulasgege
 

Último (20)

Bullying - Texto e cruzadinha
Bullying        -     Texto e cruzadinhaBullying        -     Texto e cruzadinha
Bullying - Texto e cruzadinha
 
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
 
Slides Lição 4, Betel, Ordenança quanto à contribuição financeira, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, Betel, Ordenança quanto à contribuição financeira, 2Tr24.pptxSlides Lição 4, Betel, Ordenança quanto à contribuição financeira, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, Betel, Ordenança quanto à contribuição financeira, 2Tr24.pptx
 
Slides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptx
Slides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptxSlides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptx
Slides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptx
 
“Sobrou pra mim” - Conto de Ruth Rocha.pptx
“Sobrou pra mim” - Conto de Ruth Rocha.pptx“Sobrou pra mim” - Conto de Ruth Rocha.pptx
“Sobrou pra mim” - Conto de Ruth Rocha.pptx
 
Slides 1 - O gênero textual entrevista.pptx
Slides 1 - O gênero textual entrevista.pptxSlides 1 - O gênero textual entrevista.pptx
Slides 1 - O gênero textual entrevista.pptx
 
Bullying - Atividade com caça- palavras
Bullying   - Atividade com  caça- palavrasBullying   - Atividade com  caça- palavras
Bullying - Atividade com caça- palavras
 
ALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolares
ALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolaresALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolares
ALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolares
 
CRÔNICAS DE UMA TURMA - TURMA DE 9ºANO - EASB
CRÔNICAS DE UMA TURMA - TURMA DE 9ºANO - EASBCRÔNICAS DE UMA TURMA - TURMA DE 9ºANO - EASB
CRÔNICAS DE UMA TURMA - TURMA DE 9ºANO - EASB
 
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdfSimulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
 
02. Informática - Windows 10 apostila completa.pdf
02. Informática - Windows 10 apostila completa.pdf02. Informática - Windows 10 apostila completa.pdf
02. Informática - Windows 10 apostila completa.pdf
 
Regência Nominal e Verbal português .pdf
Regência Nominal e Verbal português .pdfRegência Nominal e Verbal português .pdf
Regência Nominal e Verbal português .pdf
 
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdfGuia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
 
Época Realista y la obra de Madame Bovary.
Época Realista y la obra de Madame Bovary.Época Realista y la obra de Madame Bovary.
Época Realista y la obra de Madame Bovary.
 
AD2 DIDÁTICA.KARINEROZA.SHAYANNE.BINC.ROBERTA.pptx
AD2 DIDÁTICA.KARINEROZA.SHAYANNE.BINC.ROBERTA.pptxAD2 DIDÁTICA.KARINEROZA.SHAYANNE.BINC.ROBERTA.pptx
AD2 DIDÁTICA.KARINEROZA.SHAYANNE.BINC.ROBERTA.pptx
 
Gerenciando a Aprendizagem Organizacional
Gerenciando a Aprendizagem OrganizacionalGerenciando a Aprendizagem Organizacional
Gerenciando a Aprendizagem Organizacional
 
Aula - 1º Ano - Émile Durkheim - Um dos clássicos da sociologia
Aula - 1º Ano - Émile Durkheim - Um dos clássicos da sociologiaAula - 1º Ano - Émile Durkheim - Um dos clássicos da sociologia
Aula - 1º Ano - Émile Durkheim - Um dos clássicos da sociologia
 
Grupo Tribalhista - Música Velha Infância (cruzadinha e caça palavras)
Grupo Tribalhista - Música Velha Infância (cruzadinha e caça palavras)Grupo Tribalhista - Música Velha Infância (cruzadinha e caça palavras)
Grupo Tribalhista - Música Velha Infância (cruzadinha e caça palavras)
 
Cenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicas
Cenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicasCenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicas
Cenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicas
 
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveAula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
 

Cinetica Quimica, ENSINO MÉDIO.ppt.pptx

  • 1.
  • 2.  Cinética química é a área da química que estuda a velocidade das reações químicas. Assim como os fatores que influenciam a velocidade destas reações.  A velocidade de uma reação é a rapidez com que os reagentes são consumidos ou rapidez com que os produtos são formados. Cinética Química
  • 3. Cinética Química Fatores que afetam a velocidade de reações • Existem quatro fatores importantes que afetam as velocidades das reações: – o estado físico do reagente, – as concentrações dos reagentes, – a temperatura na qual a reação ocorre e – a presença de um catalisador. • Objetivo: compreender as reações químicas no nível molecular.
  • 4. A velocidade média de consumo de um reagente ou formação de um produto, durante uma reação química, é definida: Vm = lΔQl / Δt Onde: Vm = velocidade da reação em relação ao reagente A ou B ou ao produto C ou D. lΔQl = módulo da variação da quantidade de um reagente ou de um produto Δ t = intervalo de tempo Obs.: Q pode ser dado em nr de mols, massa, volume e etc. Velocidade Média
  • 5. Exemplo: A revelação de uma imagem fotográfica em um filme é um processo controlado pela cinética química do halogeneto de prata por um revelador. A tabela abaixo mostra o tempo de revelação de um determinado filme, usando um revelador D-76. A velocidade média (vm) de revelação, no intervalo de tempo de 7 min a 10 min, é:
  • 6. Velocidades de reações Velocidade de reação e a estequiometria • Para a reação C4H9Cl(aq) + H2O(l)  C4H9OH(aq) + HCl(aq) sabemos que • Em geral, para aA + bB  cC + dD
  • 7. É a energia mínima necessária para que uma reação aconteça. É a energia necessária para levar os reagentes ao complexo ativado. Energia de ativação
  • 8. é a espécie formada transitoriamente pelas moléculas de reagentes, como resultado da colisão, antes da formação do(s) produto (s). Complexo ativado
  • 11. dD cC bB aA    Velocidade Instantânea de uma reação elementar Lei da Velocidade de Guldberg/ Waage A Velocidade de uma reação química elementar, a uma dada temperatura, é diretamente proporcional ao produto das concentrações dos reagentes em mol/L, elevada aos seus respectivos coeficientes estequiometricos. b a .[B] k[A] v 
  • 12. Onde: V é a velocidade instantâna da reação; K é a contante de velocidade [A] concentração do reagente A em mol/L [B] concentração do reagente B em mol/L a e b são os coeficientes estequiometricos b a .[B] k[A] v 
  • 13. A reação A + 2 B  C se processa em uma única etapa. Qual a velocidade desta reação quando K =0,3 L/mol . min, [A] = 2,0 M e [B] = 3,0 M ? Exemplo:
  • 14. Ordem da reação Os expoentes que constam na lei de velocidade determinarão a ordem da reação. No caso da reação genérica: aA + bB  cC + dD V= K.[A]a . [B]b Onde: a + b é a ordem global da reação a é a ordem da reação em relação ao reagente A b é a ordem em relação ao reagente B .
  • 15. Reações de primeira ordem São aquelas em que a velocidade da reação é diretamente proporcional à concentração de uma única espécie, elevada à primeira potência. A  B V = K.[A] Ordem da reação
  • 16. Reações de segunda ordem São aquelas em que a velocidade da reação é diretamente proporcional à concentração de uma única espécie (não necessariamente), elevada á segunda potência, ou de duas especies elevadas à primeira potência cada uma. 2A  B V = K.[A]2 A + B  C V = K.[A]1.[B]1 Ordem da reação
  • 17. Etapa lenta da reação determina a velocidade Normalmente, as reações ocorrem em mais de uma etapa, e cada uma possui a sua própria lei de velocidade. No entanto, essas etapas ocorrem com velocidades que podem ser bem diferentes. A etapa mais lenta limita a velocidade total da reação e ela acaba sendo a etapa determinante (limitante) da velocidade.
  • 18. Se uma reação ocorrer em várias etapas sua velocidade é dada pela etapa mais lenta. A + A  A2 (etapa lenta) A2 + B  A2B (etapa rápida) 2 A + B  A2B (reação global) A velocidade desta reação será dada por: v = k . [A]2
  • 19. Qual a lei da velocidade da reação que ocorre segundo estas etapas e qual a ordem de reação? Etapa 1: NO2 + NO2  NO3 + NO (lenta) Etapa 2: NO3 + CO  NO2 + CO2 (rápida)
  • 20. Molecularidade Expressa o número de espécies que participam como reagentes em uma etapa elementar, formando o complexo ativado. Unimolecular Quando uma reação utiliza uma única espécie para formar o complexo ativado. Ordem da reação
  • 21. Bimolecular Quando a formação do complexo ativado envolver duas espécies (iguais ou diferentes) trimolecular. Quando envolver três espécies. Molecularidade
  • 22. O monóxido de nitrogênio (NO) reage com hidrogênio, segundo a reação: 2NO +H2  N2O +H2O Sabendo que a reação se processa em uma única etapa, determine: a) Lei da velocidade b) Ordem da reação c) Molecularidade Exemplo:
  • 23. Determinação experimental da lei da velocidade Quando uma reação não é elementar, existe um modo prático para determinar ou confirmar a expressão da lei da velocidade. São realizados diversos experimentos variando a concentração de reagente e verificando a sua influencia na velocidade. Se a mudança de concentração de um reagente alterar a velocidade, este faz parte da equação de velocidade. Caso não ocorra alteração, significa que esse reagente não faz parte da equação.
  • 24. Para a reação 2A+ B C + 3D foram obtidas as seguintes velocidades iniciais: (a) Escreva a equação de velocidade da reação (b) Calcule o valor da constante de velocidade (c) Calcule a velocidade de consumo de A, quando [A] = 0,100 mol/L e [B] = 0,200 mol/L. Exemplo: