SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 37
CINÉTICACINÉTICA
QUÍMICAQUÍMICA
Parte da Química que estuda a velocidade das
reações e os fatores que a influenciam.
Reações QuímicasRápidas Lentas
Moderadas
CINÉTICA QUÍMICA
Reação Rápida
6 NaN3(l) + Fe2O3(s) 3 Na2O(s) + 2 Fe(s) + 9 N2(g)
faísca
uma pastilha
efervescente
  
Quando o combustQuando o combustíívelvel éé
oxidado na câmara deoxidado na câmara de
combustão, libera-se calor,combustão, libera-se calor,
aumentando a energia cinaumentando a energia cinééticatica
de suas molde suas molééculasculas.. Assim queAssim que
os gases quentes sãos gases quentes sã
Reação
Moderada
Decomposição
dos Alimentos
Reação LentaReação Lenta
Formação
do
Petróleo
Formação
de Rochas
Formação
de
ferrugem
REAÇÃO QUÍMICAREAÇÃO QUÍMICA
CONSUMIDOSCONSUMIDOS
PRODUTOSPRODUTOS
FORMADOSFORMADOS
REAGENTESREAGENTES
SÃO SÃO
ENVOLVE
 A rapidez, ou velocidade, de uma reaçãoA rapidez, ou velocidade, de uma reação
química indica a variação da quantidade dequímica indica a variação da quantidade de
reagentes e produtos com o passar doreagentes e produtos com o passar do
tempo.tempo.
 Velocidade média de uma reação (Vm).Velocidade média de uma reação (Vm).
 A velocidade pode ser calculada a partirA velocidade pode ser calculada a partir
da Δ concentração dos reagentes ouda Δ concentração dos reagentes ou
produtos pela Δ tempoprodutos pela Δ tempo..
Assim como na física, a velocidade da reação éa velocidade da reação é
calculada pela expressão:calculada pela expressão:
Condições para que ocorra uma ReaçãoCondições para que ocorra uma Reação
 Os reagentes devem estar em contato.
 Afinidade química entre os reagentes.
 O símbolo [ ] é usado em físico-O símbolo [ ] é usado em físico-
química para demostra concentraçãoquímica para demostra concentração
em mol/L sendo que equivalem aoem mol/L sendo que equivalem ao
símbolosímbolo M.M.
A B
t
[ ]
Fatores que Influenciam aFatores que Influenciam a
Velocidade de uma ReaçãoVelocidade de uma Reação
Concentração.
Energia de ativação.
Temperatura.
Pressão.
Superfície de contato.
Catálise.
CONCENTRAÇÃOCONCENTRAÇÃO
Quanto maior a concentração de partículas dosQuanto maior a concentração de partículas dos
reagentes, maior será o número de colisões efetivasreagentes, maior será o número de colisões efetivas
e consequentemente maior a velocidade da reação.e consequentemente maior a velocidade da reação.
Aumento da concentração dos
reagentes.
Aumento da frequência deAumento da frequência de
colisões entre as moléculas decolisões entre as moléculas de
reagentes.reagentes.
Aumento da rapidez da reação.Aumento da rapidez da reação.
acarretaacarreta
acarretaacarreta
COLISÃO EFICAZCOLISÃO EFICAZ
Colisão eficaz ou efetiva é aquela queColisão eficaz ou efetiva é aquela que
conduz á formação de produtos.conduz á formação de produtos.
Teoria da ColisãoTeoria da Colisão
O2 N2
O-------N
O N
2 NO
Reagentes
Complexo
Ativado
Produtos
Complexo Ativado: estado intermediário formado
entre reagentes e produtos, em cuja estrutura existem
ligações enfraquecidas e formação de novas ligações
O2 N2
O-------N
O N
2 NO
Reagentes
Complexo
Ativado
Produtos
COLISÃO NÃO EFICAZCOLISÃO NÃO EFICAZ
Se as moléculas colidem em posiçõesSe as moléculas colidem em posições
desfavoráveis, não haverá passibilidade de formar odesfavoráveis, não haverá passibilidade de formar o
complexo ativado e, portanto, não acontecerá acomplexo ativado e, portanto, não acontecerá a
formação das moléculas de produtos nessa colisão.formação das moléculas de produtos nessa colisão.
Teoria da ColisãoTeoria da Colisão
Colisão
Desfavorável
Colisão
Desfavorável
eficaz
Não eficaz
I2 + H2
HI + HI
I2 H2
TEORIA DAS COLISÕES:
ENERGIA DE ATIVAÇÃOENERGIA DE ATIVAÇÃO
Energia de ativação (E ) é o valor mínimo de energia que asₐEnergia de ativação (E ) é o valor mínimo de energia que asₐ
moléculas de reagentes devem possuir para que uma colisãomoléculas de reagentes devem possuir para que uma colisão
entre elas seja eficaz. Ela recebe este nome porque reagentes eentre elas seja eficaz. Ela recebe este nome porque reagentes e
produtos passam por uma configuração intermediária que recebeprodutos passam por uma configuração intermediária que recebe
o nome de complexo ativado.o nome de complexo ativado.
QuantoQuanto maiormaior for a energia de ativação,for a energia de ativação, mais lentamais lenta será a reação.será a reação.
Quanto menor
for a energia
de ativação
exigida, maior
a velocidade
da reação.
TEMPERATURATEMPERATURA
O aumento da temperatura aumenta a agitaçãoO aumento da temperatura aumenta a agitação
molecular, aumentando o número de colisões entremolecular, aumentando o número de colisões entre
os reagentes, aumentando velocidade da reação.os reagentes, aumentando velocidade da reação.
PRESSÃO (gases)PRESSÃO (gases)
O aumento da pressão causa uma diminuição doO aumento da pressão causa uma diminuição do
volume ocupado, aumentando o número de choquesvolume ocupado, aumentando o número de choques
entre os reagentes, que aumenta sua velocidade.entre os reagentes, que aumenta sua velocidade.
Em reações das quais participam reagentes queEm reações das quais participam reagentes que
se encontra em diferentes fases, a velocidadese encontra em diferentes fases, a velocidade
será maior quanto maior for aserá maior quanto maior for a superfície desuperfície de
contatocontato entre essas fases.entre essas fases.
É o nome dado ao aumento deÉ o nome dado ao aumento de
velocidade provocado pelo catalisador.velocidade provocado pelo catalisador.
CATÁLISECATÁLISE
CATALISADORCATALISADOR
É uma substância que aumenta aÉ uma substância que aumenta a
velocidade da reação, diminuindo avelocidade da reação, diminuindo a
energia de ativação para os reagentesenergia de ativação para os reagentes
atingirem o complexo ativado. Noatingirem o complexo ativado. No
entanto eles não participam da formaçãoentanto eles não participam da formação
do produto, sendo completamentedo produto, sendo completamente
regenerados no final.regenerados no final.
Presença de Catalisador
Sem catalisador
Com catalisador
EEаа
Coordenada de reaçãoCoordenada de reação
CATALIDADORCATALIDADOR
Diminuição da energia de ativaçãoDiminuição da energia de ativação
Aumento da rapidezAumento da rapidez
acarreta
Atua na
CATÁLISE HOMOGENIA E HETEROGÊNEACATÁLISE HOMOGENIA E HETEROGÊNEA
Catálise homogeniaCatálise homogenia é aquela em que oé aquela em que o
catalisador e os reagentes estão em umacatalisador e os reagentes estão em uma
mesma fasemesma fase, formando um sistema, formando um sistema
homogêneo.homogêneo.
Catálise heterogêneaCatálise heterogênea é aquela em que oé aquela em que o
catalisador e os reagentes estão emcatalisador e os reagentes estão em fasesfases
diferentesdiferentes..
LEI CINÉTICALEI CINÉTICA
É a equação que permite calcular a velocidade de uma
reação a partir das concentrações de reagentes. De forma
genérica:
v = k · [X]m
 · [Y]n
Onde:
aX + bY -> produtos
k : constante da velocidade da reação, dependente da
temperatura.
[X] e [Y]: concentração dos reagentes X e Y em mol/L
m e n: são expoentes determinados experimentalmente, e
que recebem o nome de "ordem da reação". Assim:
m: ordem da reação em relação a X
n: ordem da reação em relação a Y
m + n: ordem total da reação
Ordem de uma reação
Chamamos de ordem de uma reação a soma de todos
os expoentes que aparecem na expressão da
velocidade da reação
Chamamos de ordem de uma reação a soma de todos
os expoentes que aparecem na expressão da
velocidade da reação
aA + bB + cC => dD + eE + fF
V = k [A]a
[B]b
[C]γ
Ordem da reação: α + β + γ
Podemos expressar a ordem de uma reação em relação
a um determinado reagente:
Ordem da reação em relação a A = α
Ordem da reação em relação b B = β
Ordem da reação em relação c C = γ
A ordem da reação em relação a um reagente indica a
dependência existente entre a concentração desse
reagente e a velocidade da reação global.
A ordem da reação em relação a um reagente indica a
dependência existente entre a concentração desse
reagente e a velocidade da reação global.
2 H2 + 2 NO => 1 N2 + 2 H2O
V = k [H2] [NO]2
Ordem da reação: 1 +2 = 3 (3ª ordem)
Ordem da reação em relação ao H2: 1ª ordem, v = k [H2]
Ordem da reação em relação ao NO: 2ª ordem, v = k [NO]2
ExperiênciaExperiência [A][A] [B][B] [C][C] Velocidade/molVelocidade/mol
(L.min(L.min-1-1
))
1ª1ª 2 mol/L2 mol/L 3 mol/L3 mol/L 1 mol/L1 mol/L VV11 = 0,5= 0,5
2ª2ª 4 mol/L4 mol/L 3 mol/L3 mol/L 1 mol/L1 mol/L VV22 = 2,0= 2,0
3ª3ª 4 mol/L4 mol/L 6 mol/L6 mol/L 1 mol/L1 mol/L VV33 = 2,0= 2,0
4ª4ª 4 mol/L4 mol/L 6 mol/L6 mol/L 2 mol/L2 mol/L VV44 = 16,0= 16,0
Comparando 1ª e 2ª
v = k [A]2
4 v = k [2 A]2
CONSTANTE DA VELOCIDADECONSTANTE DA VELOCIDADE
REAÇÃOREAÇÃO TEMPERATURATEMPERATURA
Depende da
Teoria da ColisãoTeoria da Colisão
 As moléculas dos reagentes devem colidir entre si
 A colisão deve ocorrer com geometria favorável.
Reação elementar
Reação não-elementar
Reação Elementar
Quando a reação química se desenvolve em uma única
etapa, dizemos que a reação é elementar.
Numa reação elementar, os expoentes a que devem ser
elevadas as concentrações dos reagentes na expressão
da velocidade são os próprios coeficientes dos
reagentes na equação balanceada
1 H3O+
+ 1 OH-
=> 2 H2O
V = k [H3O+
] [OH-
]
Reação Não-Elementar
A etapa lenta é a etapa determinante da velocidade da
reação
Quando a reação se desenvolve em duas ou mais etapas
distintas, a velocidade da reação depende apenas da
velocidade da etapa lenta.
2 H2 + 2 NO => 1 N2 + 2 H2O
Etapa I 1 H2 + 2 NO => 1 N2O + 1 H2O (lenta)
Etapa II 1 H2 + 1 N2O => 1 N2 + 1 H2O (rápida)
Reação Global 2 H2 + 2 NO => 1 N2 + 2 H2O
A velocidade da reação global será determinada pela
velocidade da etapa I
V = k [H2] [NO]2
Cinética Química
Reação Não-Elementar
2 H2 + 2 NO => 1 N2 + 2 H2O
Energiadeativação
Caminho da reação
1 H2 + 2 NO => 1 N2O + 1 H2O 1 H2 + 1 N2O => 1 N2 + 1 H2O
Etapa I Etapa II

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Mais procurados (20)

Slides da aula de Química (Manoel) sobre Cinética Química
Slides da aula de Química (Manoel) sobre Cinética QuímicaSlides da aula de Química (Manoel) sobre Cinética Química
Slides da aula de Química (Manoel) sobre Cinética Química
 
Cinética Química - Fisico-química
Cinética Química - Fisico-químicaCinética Química - Fisico-química
Cinética Química - Fisico-química
 
Termoquimica
TermoquimicaTermoquimica
Termoquimica
 
Reações químicas
Reações químicasReações químicas
Reações químicas
 
Termoquímica
TermoquímicaTermoquímica
Termoquímica
 
Soluções
SoluçõesSoluções
Soluções
 
Cinética química
Cinética químicaCinética química
Cinética química
 
Princípio de le châtelier
Princípio de le châtelierPrincípio de le châtelier
Princípio de le châtelier
 
Solubilidade
SolubilidadeSolubilidade
Solubilidade
 
Química Orgânica- Nomenclatura e Hidrocarbonetos
Química Orgânica- Nomenclatura e Hidrocarbonetos Química Orgânica- Nomenclatura e Hidrocarbonetos
Química Orgânica- Nomenclatura e Hidrocarbonetos
 
Termoquímica
TermoquímicaTermoquímica
Termoquímica
 
Equilibrio Químico - Conteúdo completo
Equilibrio Químico - Conteúdo completoEquilibrio Químico - Conteúdo completo
Equilibrio Químico - Conteúdo completo
 
Lei de hess
Lei de hessLei de hess
Lei de hess
 
Soluções e Solubilidade
Soluções e SolubilidadeSoluções e Solubilidade
Soluções e Solubilidade
 
Cinética química
Cinética químicaCinética química
Cinética química
 
1. introdução a química
1. introdução a química1. introdução a química
1. introdução a química
 
Ligacao quimica (introdução)
Ligacao quimica (introdução)Ligacao quimica (introdução)
Ligacao quimica (introdução)
 
hidrocarbonetos
hidrocarbonetoshidrocarbonetos
hidrocarbonetos
 
Cinética Química
Cinética QuímicaCinética Química
Cinética Química
 
Aula 1 Elementos SubstâNcias E Misturas2
Aula 1   Elementos SubstâNcias E Misturas2Aula 1   Elementos SubstâNcias E Misturas2
Aula 1 Elementos SubstâNcias E Misturas2
 

Destaque

Academia de historia militar Aspt Chicaiza William
Academia de historia militar Aspt Chicaiza WilliamAcademia de historia militar Aspt Chicaiza William
Academia de historia militar Aspt Chicaiza Williamzantytaz
 
Practica PowerPoint- Sistemas de Informacion Jurídica.
Practica PowerPoint- Sistemas de Informacion Jurídica.Practica PowerPoint- Sistemas de Informacion Jurídica.
Practica PowerPoint- Sistemas de Informacion Jurídica.gutierrezm49
 
Proyectos
ProyectosProyectos
ProyectosAl Bert
 
1512 kirk douglas-(menudospeques.net)
1512 kirk douglas-(menudospeques.net)1512 kirk douglas-(menudospeques.net)
1512 kirk douglas-(menudospeques.net)Menudos Peques
 
Scrum na pratica, para developers
Scrum na pratica, para developersScrum na pratica, para developers
Scrum na pratica, para developersComunidade NetPonto
 
Disipador de calor daniela
Disipador de calor   danielaDisipador de calor   daniela
Disipador de calor danielaDaniela Noriega
 
Inför likvärdig beskatning av bostäder
Inför likvärdig beskatning av bostäderInför likvärdig beskatning av bostäder
Inför likvärdig beskatning av bostäderPeter Johansson
 
Orçamento empresarial no sienge o planejamento financeiro como ferramenta est...
Orçamento empresarial no sienge o planejamento financeiro como ferramenta est...Orçamento empresarial no sienge o planejamento financeiro como ferramenta est...
Orçamento empresarial no sienge o planejamento financeiro como ferramenta est...Sienge
 
Varanasi (Benares), Uttar Pradesh, India
Varanasi (Benares), Uttar Pradesh, IndiaVaranasi (Benares), Uttar Pradesh, India
Varanasi (Benares), Uttar Pradesh, Indiaguimera
 
Actividades tema 7
Actividades tema 7Actividades tema 7
Actividades tema 7JGL79
 
So Near Yet so Far: Why Utilities Need to Re-energize Their Digital Customer ...
So Near Yet so Far: Why Utilities Need to Re-energize Their Digital Customer ...So Near Yet so Far: Why Utilities Need to Re-energize Their Digital Customer ...
So Near Yet so Far: Why Utilities Need to Re-energize Their Digital Customer ...Capgemini
 
Guia de Sobrevivência do Vegano
Guia de Sobrevivência do VeganoGuia de Sobrevivência do Vegano
Guia de Sobrevivência do VeganoJuliana Moreira
 

Destaque (20)

Academia de historia militar Aspt Chicaiza William
Academia de historia militar Aspt Chicaiza WilliamAcademia de historia militar Aspt Chicaiza William
Academia de historia militar Aspt Chicaiza William
 
Breve historia de españa siglo xx 2
Breve historia de españa siglo xx  2 Breve historia de españa siglo xx  2
Breve historia de españa siglo xx 2
 
Global Young Scientists Summit 2014 # 1
Global Young Scientists Summit 2014 # 1Global Young Scientists Summit 2014 # 1
Global Young Scientists Summit 2014 # 1
 
Practica PowerPoint- Sistemas de Informacion Jurídica.
Practica PowerPoint- Sistemas de Informacion Jurídica.Practica PowerPoint- Sistemas de Informacion Jurídica.
Practica PowerPoint- Sistemas de Informacion Jurídica.
 
Proyectos
ProyectosProyectos
Proyectos
 
Presentación biodiversidad
Presentación biodiversidadPresentación biodiversidad
Presentación biodiversidad
 
Manual da epociências
Manual da epociênciasManual da epociências
Manual da epociências
 
1512 kirk douglas-(menudospeques.net)
1512 kirk douglas-(menudospeques.net)1512 kirk douglas-(menudospeques.net)
1512 kirk douglas-(menudospeques.net)
 
Scrum na pratica, para developers
Scrum na pratica, para developersScrum na pratica, para developers
Scrum na pratica, para developers
 
Disipador de calor daniela
Disipador de calor   danielaDisipador de calor   daniela
Disipador de calor daniela
 
Trabajo aplicativo 2
Trabajo aplicativo 2Trabajo aplicativo 2
Trabajo aplicativo 2
 
Inför likvärdig beskatning av bostäder
Inför likvärdig beskatning av bostäderInför likvärdig beskatning av bostäder
Inför likvärdig beskatning av bostäder
 
Culinaria CaiçAra
Culinaria CaiçAraCulinaria CaiçAra
Culinaria CaiçAra
 
Orçamento empresarial no sienge o planejamento financeiro como ferramenta est...
Orçamento empresarial no sienge o planejamento financeiro como ferramenta est...Orçamento empresarial no sienge o planejamento financeiro como ferramenta est...
Orçamento empresarial no sienge o planejamento financeiro como ferramenta est...
 
Biorremediacao
BiorremediacaoBiorremediacao
Biorremediacao
 
Varanasi (Benares), Uttar Pradesh, India
Varanasi (Benares), Uttar Pradesh, IndiaVaranasi (Benares), Uttar Pradesh, India
Varanasi (Benares), Uttar Pradesh, India
 
Actividades tema 7
Actividades tema 7Actividades tema 7
Actividades tema 7
 
MIGUEL ÁNGEL BLANCO: LA FUERZA DE LA MEMORIA
MIGUEL ÁNGEL BLANCO: LA FUERZA DE LA MEMORIAMIGUEL ÁNGEL BLANCO: LA FUERZA DE LA MEMORIA
MIGUEL ÁNGEL BLANCO: LA FUERZA DE LA MEMORIA
 
So Near Yet so Far: Why Utilities Need to Re-energize Their Digital Customer ...
So Near Yet so Far: Why Utilities Need to Re-energize Their Digital Customer ...So Near Yet so Far: Why Utilities Need to Re-energize Their Digital Customer ...
So Near Yet so Far: Why Utilities Need to Re-energize Their Digital Customer ...
 
Guia de Sobrevivência do Vegano
Guia de Sobrevivência do VeganoGuia de Sobrevivência do Vegano
Guia de Sobrevivência do Vegano
 

Semelhante a cinética quimica

Cinética química professora estela
Cinética química professora estelaCinética química professora estela
Cinética química professora estelaEstela Oliveira
 
Cinética e equilíbrio químico
Cinética e equilíbrio químicoCinética e equilíbrio químico
Cinética e equilíbrio químicoMarilena Meira
 
apresentação de Cinetica Quimica turma do terceiro ano
apresentação de Cinetica Quimica turma do terceiro anoapresentação de Cinetica Quimica turma do terceiro ano
apresentação de Cinetica Quimica turma do terceiro anoIgorAngel1
 
Cinetica Quimica, ENSINO MÉDIO.ppt.pptx
Cinetica Quimica, ENSINO MÉDIO.ppt.pptxCinetica Quimica, ENSINO MÉDIO.ppt.pptx
Cinetica Quimica, ENSINO MÉDIO.ppt.pptxMistaelPantojaLeao
 
Relatorio quimica geral_2 - cinetica
Relatorio quimica geral_2 - cineticaRelatorio quimica geral_2 - cinetica
Relatorio quimica geral_2 - cineticaÍngrede Silva
 
cinticaqumica-141002231720-phpapp. 02.pdf
cinticaqumica-141002231720-phpapp. 02.pdfcinticaqumica-141002231720-phpapp. 02.pdf
cinticaqumica-141002231720-phpapp. 02.pdfMariaCeclia811680
 
Resumo te rico cin-tica qu-mica.QUIMICA
Resumo te rico cin-tica qu-mica.QUIMICAResumo te rico cin-tica qu-mica.QUIMICA
Resumo te rico cin-tica qu-mica.QUIMICAcolegioexpansao
 
Base da química analitica – módulo 2
Base  da química analitica – módulo 2Base  da química analitica – módulo 2
Base da química analitica – módulo 2Adrianne Mendonça
 
Cinética química
Cinética químicaCinética química
Cinética químicakirkfc
 
Cinética química
Cinética químicaCinética química
Cinética químicakirkfc
 
Reacções químicas
Reacções químicasReacções químicas
Reacções químicascatarina1982
 
CINÉTICA QUÍMICA
CINÉTICA QUÍMICACINÉTICA QUÍMICA
CINÉTICA QUÍMICAeglailima
 

Semelhante a cinética quimica (20)

Cinética química professora estela
Cinética química professora estelaCinética química professora estela
Cinética química professora estela
 
Cinética e equilíbrio químico
Cinética e equilíbrio químicoCinética e equilíbrio químico
Cinética e equilíbrio químico
 
apresentação de Cinetica Quimica turma do terceiro ano
apresentação de Cinetica Quimica turma do terceiro anoapresentação de Cinetica Quimica turma do terceiro ano
apresentação de Cinetica Quimica turma do terceiro ano
 
Cinetica Quimica, ENSINO MÉDIO.ppt.pptx
Cinetica Quimica, ENSINO MÉDIO.ppt.pptxCinetica Quimica, ENSINO MÉDIO.ppt.pptx
Cinetica Quimica, ENSINO MÉDIO.ppt.pptx
 
Cinética
CinéticaCinética
Cinética
 
cinetica quimica ok.ppt
cinetica quimica ok.pptcinetica quimica ok.ppt
cinetica quimica ok.ppt
 
Relatorio quimica geral_2 - cinetica
Relatorio quimica geral_2 - cineticaRelatorio quimica geral_2 - cinetica
Relatorio quimica geral_2 - cinetica
 
Apostila de química 2013 3 col 1 bim.
Apostila de química 2013  3 col  1 bim.Apostila de química 2013  3 col  1 bim.
Apostila de química 2013 3 col 1 bim.
 
Cinética química
Cinética químicaCinética química
Cinética química
 
cinticaqumica-141002231720-phpapp. 02.pdf
cinticaqumica-141002231720-phpapp. 02.pdfcinticaqumica-141002231720-phpapp. 02.pdf
cinticaqumica-141002231720-phpapp. 02.pdf
 
Resumo te rico cin-tica qu-mica.QUIMICA
Resumo te rico cin-tica qu-mica.QUIMICAResumo te rico cin-tica qu-mica.QUIMICA
Resumo te rico cin-tica qu-mica.QUIMICA
 
Teoria do Equilibrio
Teoria do EquilibrioTeoria do Equilibrio
Teoria do Equilibrio
 
Base da química analitica – módulo 2
Base  da química analitica – módulo 2Base  da química analitica – módulo 2
Base da química analitica – módulo 2
 
Cinética química aula 02
Cinética química   aula 02Cinética química   aula 02
Cinética química aula 02
 
Cinética química
Cinética químicaCinética química
Cinética química
 
Cinética química
Cinética químicaCinética química
Cinética química
 
Cinética química
Cinética químicaCinética química
Cinética química
 
Reacções químicas
Reacções químicasReacções químicas
Reacções químicas
 
Slide - Química.pptx
Slide - Química.pptxSlide - Química.pptx
Slide - Química.pptx
 
CINÉTICA QUÍMICA
CINÉTICA QUÍMICACINÉTICA QUÍMICA
CINÉTICA QUÍMICA
 

Mais de Jordana De Oliveira Silva (7)

Valor
ValorValor
Valor
 
Queimaduras
QueimadurasQueimaduras
Queimaduras
 
Biologia Diversidade e Reprodução das Plantas
Biologia Diversidade e Reprodução das Plantas Biologia Diversidade e Reprodução das Plantas
Biologia Diversidade e Reprodução das Plantas
 
Física condutor em equilíbrio eletrostático e blindagem eletrostática
Física condutor em equilíbrio eletrostático e blindagem eletrostática Física condutor em equilíbrio eletrostático e blindagem eletrostática
Física condutor em equilíbrio eletrostático e blindagem eletrostática
 
Biologia
BiologiaBiologia
Biologia
 
Biologio
BiologioBiologio
Biologio
 
Apresentaçao de biologia
Apresentaçao de biologiaApresentaçao de biologia
Apresentaçao de biologia
 

Último

cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdfcartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdfIedaGoethe
 
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdf
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdfUFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdf
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdfManuais Formação
 
A experiência amorosa e a reflexão sobre o Amor.pptx
A experiência amorosa e a reflexão sobre o Amor.pptxA experiência amorosa e a reflexão sobre o Amor.pptx
A experiência amorosa e a reflexão sobre o Amor.pptxfabiolalopesmartins1
 
ALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolares
ALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolaresALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolares
ALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolaresLilianPiola
 
Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029
Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029
Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029Centro Jacques Delors
 
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfDIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfIedaGoethe
 
Programa de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades MotorasPrograma de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades MotorasCassio Meira Jr.
 
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptxAula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptxBiancaNogueira42
 
A Arte de Escrever Poemas - Dia das Mães
A Arte de Escrever Poemas - Dia das MãesA Arte de Escrever Poemas - Dia das Mães
A Arte de Escrever Poemas - Dia das MãesMary Alvarenga
 
Modelos de Desenvolvimento Motor - Gallahue, Newell e Tani
Modelos de Desenvolvimento Motor - Gallahue, Newell e TaniModelos de Desenvolvimento Motor - Gallahue, Newell e Tani
Modelos de Desenvolvimento Motor - Gallahue, Newell e TaniCassio Meira Jr.
 
Grupo Tribalhista - Música Velha Infância (cruzadinha e caça palavras)
Grupo Tribalhista - Música Velha Infância (cruzadinha e caça palavras)Grupo Tribalhista - Música Velha Infância (cruzadinha e caça palavras)
Grupo Tribalhista - Música Velha Infância (cruzadinha e caça palavras)Mary Alvarenga
 
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024Jeanoliveira597523
 
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfCultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfaulasgege
 
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
Bullying - Texto e cruzadinha
Bullying        -     Texto e cruzadinhaBullying        -     Texto e cruzadinha
Bullying - Texto e cruzadinhaMary Alvarenga
 
Slides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptx
Slides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptxSlides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptx
Slides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
trabalho wanda rocha ditadura
trabalho wanda rocha ditaduratrabalho wanda rocha ditadura
trabalho wanda rocha ditaduraAdryan Luiz
 

Último (20)

cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdfcartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
 
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdf
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdfUFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdf
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdf
 
A experiência amorosa e a reflexão sobre o Amor.pptx
A experiência amorosa e a reflexão sobre o Amor.pptxA experiência amorosa e a reflexão sobre o Amor.pptx
A experiência amorosa e a reflexão sobre o Amor.pptx
 
Em tempo de Quaresma .
Em tempo de Quaresma                            .Em tempo de Quaresma                            .
Em tempo de Quaresma .
 
ALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolares
ALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolaresALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolares
ALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolares
 
Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029
Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029
Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029
 
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfDIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
 
Programa de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades MotorasPrograma de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades Motoras
 
XI OLIMPÍADAS DA LÍNGUA PORTUGUESA -
XI OLIMPÍADAS DA LÍNGUA PORTUGUESA      -XI OLIMPÍADAS DA LÍNGUA PORTUGUESA      -
XI OLIMPÍADAS DA LÍNGUA PORTUGUESA -
 
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptxAula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
 
A Arte de Escrever Poemas - Dia das Mães
A Arte de Escrever Poemas - Dia das MãesA Arte de Escrever Poemas - Dia das Mães
A Arte de Escrever Poemas - Dia das Mães
 
Modelos de Desenvolvimento Motor - Gallahue, Newell e Tani
Modelos de Desenvolvimento Motor - Gallahue, Newell e TaniModelos de Desenvolvimento Motor - Gallahue, Newell e Tani
Modelos de Desenvolvimento Motor - Gallahue, Newell e Tani
 
Grupo Tribalhista - Música Velha Infância (cruzadinha e caça palavras)
Grupo Tribalhista - Música Velha Infância (cruzadinha e caça palavras)Grupo Tribalhista - Música Velha Infância (cruzadinha e caça palavras)
Grupo Tribalhista - Música Velha Infância (cruzadinha e caça palavras)
 
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
 
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfCultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
 
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
Bullying - Texto e cruzadinha
Bullying        -     Texto e cruzadinhaBullying        -     Texto e cruzadinha
Bullying - Texto e cruzadinha
 
Slides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptx
Slides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptxSlides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptx
Slides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptx
 
trabalho wanda rocha ditadura
trabalho wanda rocha ditaduratrabalho wanda rocha ditadura
trabalho wanda rocha ditadura
 

cinética quimica

  • 2. Parte da Química que estuda a velocidade das reações e os fatores que a influenciam. Reações QuímicasRápidas Lentas Moderadas CINÉTICA QUÍMICA
  • 3. Reação Rápida 6 NaN3(l) + Fe2O3(s) 3 Na2O(s) + 2 Fe(s) + 9 N2(g) faísca uma pastilha efervescente    Quando o combustQuando o combustíívelvel éé oxidado na câmara deoxidado na câmara de combustão, libera-se calor,combustão, libera-se calor, aumentando a energia cinaumentando a energia cinééticatica de suas molde suas molééculasculas.. Assim queAssim que os gases quentes sãos gases quentes sã
  • 7.  A rapidez, ou velocidade, de uma reaçãoA rapidez, ou velocidade, de uma reação química indica a variação da quantidade dequímica indica a variação da quantidade de reagentes e produtos com o passar doreagentes e produtos com o passar do tempo.tempo.  Velocidade média de uma reação (Vm).Velocidade média de uma reação (Vm).  A velocidade pode ser calculada a partirA velocidade pode ser calculada a partir da Δ concentração dos reagentes ouda Δ concentração dos reagentes ou produtos pela Δ tempoprodutos pela Δ tempo..
  • 8. Assim como na física, a velocidade da reação éa velocidade da reação é calculada pela expressão:calculada pela expressão:
  • 9. Condições para que ocorra uma ReaçãoCondições para que ocorra uma Reação  Os reagentes devem estar em contato.  Afinidade química entre os reagentes.
  • 10.  O símbolo [ ] é usado em físico-O símbolo [ ] é usado em físico- química para demostra concentraçãoquímica para demostra concentração em mol/L sendo que equivalem aoem mol/L sendo que equivalem ao símbolosímbolo M.M. A B t [ ]
  • 11. Fatores que Influenciam aFatores que Influenciam a Velocidade de uma ReaçãoVelocidade de uma Reação Concentração. Energia de ativação. Temperatura. Pressão. Superfície de contato. Catálise.
  • 12. CONCENTRAÇÃOCONCENTRAÇÃO Quanto maior a concentração de partículas dosQuanto maior a concentração de partículas dos reagentes, maior será o número de colisões efetivasreagentes, maior será o número de colisões efetivas e consequentemente maior a velocidade da reação.e consequentemente maior a velocidade da reação. Aumento da concentração dos reagentes. Aumento da frequência deAumento da frequência de colisões entre as moléculas decolisões entre as moléculas de reagentes.reagentes. Aumento da rapidez da reação.Aumento da rapidez da reação. acarretaacarreta acarretaacarreta
  • 13. COLISÃO EFICAZCOLISÃO EFICAZ Colisão eficaz ou efetiva é aquela queColisão eficaz ou efetiva é aquela que conduz á formação de produtos.conduz á formação de produtos.
  • 14. Teoria da ColisãoTeoria da Colisão O2 N2 O-------N O N 2 NO Reagentes Complexo Ativado Produtos
  • 15. Complexo Ativado: estado intermediário formado entre reagentes e produtos, em cuja estrutura existem ligações enfraquecidas e formação de novas ligações O2 N2 O-------N O N 2 NO Reagentes Complexo Ativado Produtos
  • 16. COLISÃO NÃO EFICAZCOLISÃO NÃO EFICAZ Se as moléculas colidem em posiçõesSe as moléculas colidem em posições desfavoráveis, não haverá passibilidade de formar odesfavoráveis, não haverá passibilidade de formar o complexo ativado e, portanto, não acontecerá acomplexo ativado e, portanto, não acontecerá a formação das moléculas de produtos nessa colisão.formação das moléculas de produtos nessa colisão.
  • 17. Teoria da ColisãoTeoria da Colisão Colisão Desfavorável Colisão Desfavorável
  • 18. eficaz Não eficaz I2 + H2 HI + HI I2 H2 TEORIA DAS COLISÕES:
  • 19. ENERGIA DE ATIVAÇÃOENERGIA DE ATIVAÇÃO Energia de ativação (E ) é o valor mínimo de energia que asₐEnergia de ativação (E ) é o valor mínimo de energia que asₐ moléculas de reagentes devem possuir para que uma colisãomoléculas de reagentes devem possuir para que uma colisão entre elas seja eficaz. Ela recebe este nome porque reagentes eentre elas seja eficaz. Ela recebe este nome porque reagentes e produtos passam por uma configuração intermediária que recebeprodutos passam por uma configuração intermediária que recebe o nome de complexo ativado.o nome de complexo ativado. QuantoQuanto maiormaior for a energia de ativação,for a energia de ativação, mais lentamais lenta será a reação.será a reação.
  • 20. Quanto menor for a energia de ativação exigida, maior a velocidade da reação.
  • 21. TEMPERATURATEMPERATURA O aumento da temperatura aumenta a agitaçãoO aumento da temperatura aumenta a agitação molecular, aumentando o número de colisões entremolecular, aumentando o número de colisões entre os reagentes, aumentando velocidade da reação.os reagentes, aumentando velocidade da reação. PRESSÃO (gases)PRESSÃO (gases) O aumento da pressão causa uma diminuição doO aumento da pressão causa uma diminuição do volume ocupado, aumentando o número de choquesvolume ocupado, aumentando o número de choques entre os reagentes, que aumenta sua velocidade.entre os reagentes, que aumenta sua velocidade.
  • 22. Em reações das quais participam reagentes queEm reações das quais participam reagentes que se encontra em diferentes fases, a velocidadese encontra em diferentes fases, a velocidade será maior quanto maior for aserá maior quanto maior for a superfície desuperfície de contatocontato entre essas fases.entre essas fases.
  • 23.
  • 24. É o nome dado ao aumento deÉ o nome dado ao aumento de velocidade provocado pelo catalisador.velocidade provocado pelo catalisador. CATÁLISECATÁLISE CATALISADORCATALISADOR É uma substância que aumenta aÉ uma substância que aumenta a velocidade da reação, diminuindo avelocidade da reação, diminuindo a energia de ativação para os reagentesenergia de ativação para os reagentes atingirem o complexo ativado. Noatingirem o complexo ativado. No entanto eles não participam da formaçãoentanto eles não participam da formação do produto, sendo completamentedo produto, sendo completamente regenerados no final.regenerados no final.
  • 25. Presença de Catalisador Sem catalisador Com catalisador EEаа Coordenada de reaçãoCoordenada de reação
  • 26. CATALIDADORCATALIDADOR Diminuição da energia de ativaçãoDiminuição da energia de ativação Aumento da rapidezAumento da rapidez acarreta Atua na
  • 27. CATÁLISE HOMOGENIA E HETEROGÊNEACATÁLISE HOMOGENIA E HETEROGÊNEA Catálise homogeniaCatálise homogenia é aquela em que oé aquela em que o catalisador e os reagentes estão em umacatalisador e os reagentes estão em uma mesma fasemesma fase, formando um sistema, formando um sistema homogêneo.homogêneo. Catálise heterogêneaCatálise heterogênea é aquela em que oé aquela em que o catalisador e os reagentes estão emcatalisador e os reagentes estão em fasesfases diferentesdiferentes..
  • 28. LEI CINÉTICALEI CINÉTICA É a equação que permite calcular a velocidade de uma reação a partir das concentrações de reagentes. De forma genérica: v = k · [X]m  · [Y]n Onde: aX + bY -> produtos k : constante da velocidade da reação, dependente da temperatura. [X] e [Y]: concentração dos reagentes X e Y em mol/L m e n: são expoentes determinados experimentalmente, e que recebem o nome de "ordem da reação". Assim: m: ordem da reação em relação a X n: ordem da reação em relação a Y m + n: ordem total da reação
  • 29. Ordem de uma reação Chamamos de ordem de uma reação a soma de todos os expoentes que aparecem na expressão da velocidade da reação Chamamos de ordem de uma reação a soma de todos os expoentes que aparecem na expressão da velocidade da reação aA + bB + cC => dD + eE + fF V = k [A]a [B]b [C]γ Ordem da reação: α + β + γ Podemos expressar a ordem de uma reação em relação a um determinado reagente: Ordem da reação em relação a A = α Ordem da reação em relação b B = β Ordem da reação em relação c C = γ
  • 30. A ordem da reação em relação a um reagente indica a dependência existente entre a concentração desse reagente e a velocidade da reação global. A ordem da reação em relação a um reagente indica a dependência existente entre a concentração desse reagente e a velocidade da reação global. 2 H2 + 2 NO => 1 N2 + 2 H2O V = k [H2] [NO]2 Ordem da reação: 1 +2 = 3 (3ª ordem) Ordem da reação em relação ao H2: 1ª ordem, v = k [H2] Ordem da reação em relação ao NO: 2ª ordem, v = k [NO]2
  • 31. ExperiênciaExperiência [A][A] [B][B] [C][C] Velocidade/molVelocidade/mol (L.min(L.min-1-1 )) 1ª1ª 2 mol/L2 mol/L 3 mol/L3 mol/L 1 mol/L1 mol/L VV11 = 0,5= 0,5 2ª2ª 4 mol/L4 mol/L 3 mol/L3 mol/L 1 mol/L1 mol/L VV22 = 2,0= 2,0 3ª3ª 4 mol/L4 mol/L 6 mol/L6 mol/L 1 mol/L1 mol/L VV33 = 2,0= 2,0 4ª4ª 4 mol/L4 mol/L 6 mol/L6 mol/L 2 mol/L2 mol/L VV44 = 16,0= 16,0 Comparando 1ª e 2ª v = k [A]2 4 v = k [2 A]2
  • 32. CONSTANTE DA VELOCIDADECONSTANTE DA VELOCIDADE REAÇÃOREAÇÃO TEMPERATURATEMPERATURA Depende da
  • 33. Teoria da ColisãoTeoria da Colisão  As moléculas dos reagentes devem colidir entre si  A colisão deve ocorrer com geometria favorável. Reação elementar Reação não-elementar
  • 34. Reação Elementar Quando a reação química se desenvolve em uma única etapa, dizemos que a reação é elementar. Numa reação elementar, os expoentes a que devem ser elevadas as concentrações dos reagentes na expressão da velocidade são os próprios coeficientes dos reagentes na equação balanceada 1 H3O+ + 1 OH- => 2 H2O V = k [H3O+ ] [OH- ]
  • 35. Reação Não-Elementar A etapa lenta é a etapa determinante da velocidade da reação Quando a reação se desenvolve em duas ou mais etapas distintas, a velocidade da reação depende apenas da velocidade da etapa lenta.
  • 36. 2 H2 + 2 NO => 1 N2 + 2 H2O Etapa I 1 H2 + 2 NO => 1 N2O + 1 H2O (lenta) Etapa II 1 H2 + 1 N2O => 1 N2 + 1 H2O (rápida) Reação Global 2 H2 + 2 NO => 1 N2 + 2 H2O A velocidade da reação global será determinada pela velocidade da etapa I V = k [H2] [NO]2
  • 37. Cinética Química Reação Não-Elementar 2 H2 + 2 NO => 1 N2 + 2 H2O Energiadeativação Caminho da reação 1 H2 + 2 NO => 1 N2O + 1 H2O 1 H2 + 1 N2O => 1 N2 + 1 H2O Etapa I Etapa II

Notas do Editor

  1. Podemos observar