Anodafe ficha-01

106 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
106
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Anodafe ficha-01

  1. 1. Estimados irmãos e irmãs,a todos vós uma saudação afetuosano Senhor nosso, Jesus Cristo.No último dia 11 de outubro, o SantoPadre, o Papa Bento XVI, presidiu a soleneMissa de abertura do ANO DA FÉ, na Praça de SãoPedro em Roma que se estenderá até a festa deCristo Rei do Universo em novembro do próximoano.Este é um grande acontecimento paratoda a Igreja, pois recorda os 50 anos do iníciodo Concílio Vaticano II e os 20 anos dapublicação do Catecismo da Igreja Católica.Em sua Carta Apostólica em forma deMotu Proprio, intitulada Porta fidei, o Santo Padrediz, na primeira linha, que “A PORTA DA FÉ (cf.At 14,27), que introduz na vida de comunhãocom Deus e permite a entrada na sua Igreja, estásempre aberta para nós. É possível cruzar estelimiar, quando a Palavra de Deus é anunciada eo coração se deixa plasmar pela graça quetransforma” (cf. Porta fidei, 1).O Ano da Fé será para todos nós umconvite para uma autêntica e renovadaconversão ao Senhor (Porta fidei, 6), cujocaminho já iniciamos com o Batismo. Nele, fomossepultados com Cristo na morte para, como Eleressuscitou e renovou a vida, caminhemos nessavida nova (Rm 6,4).A fé que recebemos no Batismo,acontece em nossas vidas através do amor(Gl 5,6) e torna-se um novo critério deentendimento e de ação para a vida de todos.Este amor, que é o amor de Cristo em nossoscorações, nos impele a evangelizar. Nestestempos, como Igreja de Cristo, faz-se necessáriomaior empenho e convicção que efetive umanova evangelização para descobrirmos de novo aalegria de crer e o entusiasmo para comunicar afé.Respondendo ao chamado do SantoPadre, em nossa Arquidiocese, com suasParóquias, Comunidades, Famílias Religiosas,Movimentos, Associações e todas as suas forçasvivas, queremos celebrar este Ano da Fé deforma digna e fecunda.Vamos intensificar nossa reflexão sobre afé, para ajudar todos os que creem no Cristo atornarem mais consciente e revigorarem a suaadesão ao Evangelho, sobretudo neste tempo deprofundas mudanças.Durante este Ano da Fé, teremos muitasoportunidades de confessar a fé no SenhorRessuscitado na nossa catedral e nas igrejas denossa Arquidiocese, nas nossas casas e no meiodas nossas famílias. Isso possibilitará que cadapessoa sinta fortemente a exigência de conhecermelhor e de transmitir às gerações futuras a féque recebemos.Neste Ano da Fé, buscaremos formas defazer publicamente nossa profissão de Fé comrenovada convicção, confiança e esperança.Será também um ano especial e própriopara intensificarmos a celebração da fé na“liturgia, particularmente na Eucaristia, que é «ameta para a qual se encaminha a ação da Igrejae a fonte de onde promana toda a suaforça» (Porta fidei, 9)”.No mundo de hoje, não podemos nosesconder ou esconder o que cremos. Nossa fé,por ser um ato da nossa liberdade, exige assumira responsabilidade social daquilo que seacredita. Nossa profissão de fé é um ato pessoale ao mesmo tempo comunitário.O Ano da Fé será uma ótima ocasiãopara darmos também nosso testemunho cristãoatravés da caridade. O Apóstolo São Paulo noslembra que “Agora permanecem estas trêscoisas: a fé, a esperança e a caridade; mas amaior de todas é a caridade” (1 Cor 13, 13). ... Afé sem a caridade não dá fruto, e a caridade sema fé seria um sentimento constantemente àmercê da dúvida. Fé e caridade reclamam-semutuamente, de tal modo que uma consente àoutra realizar o seu caminho. (Porta fidei, 14).Encerro estas linhas com as palavras queo Santo Padre utilizou: “...Que «a Palavra doSenhor avance e seja glorificada» (2 Ts 3, 1)!Possa este Ano da Fé tornar cada vez mais firmea relação com Cristo Senhor, dado que só n’Eletemos a certeza para olhar o futuro e a garantiadum amor autêntico e duradouro” (cf. Porta fidei,15).Que a Mãe de Deus, proclamada felizporque acreditou (cf. Lc 1,45), venerada emnosso Brasil com o título de Nossa Senhora daConceição Aparecida, nos inspire e nos ajudepara sermos fiéis discípulos missionários.Campinas, 12 de outubro de 2012,na Solenidade de Nossa Senhora Aparecida.Dom Airton José dos SantosArcebispo Metropolitano de CampinasAPRESENTAÇÃOAno da Fé : 2012 - 2013Palavra do ArcebispoARQUIDIOCESEDECAMPINAS:ANODAFÉ:CATECISMODAIGREJACATÓLICA1
  2. 2. FICHAS DE ESTUDOEste material foi organizado para servirde auxílio aos fieis da Arquidiocese de Campinascongregados nas paróquias e comunidades,pastorais e organismos, movimentos e novascomunidades, e todos os que se interessam emaprofundar a fé abraçada no batismo.O subsídio consiste em breves reflexões,em forma de fichas, sobre um tema especificoque poderá ser aprofundado, pessoalmente ouem grupo, através das orientações contidas nosrespectivos textos.Estas fichas de estudo e reflexão serãoigualmente divulgadas semanalmente (todasegunda-feira, a partir de 15 de outubro de 2012)através do Boletim Linha Direta (campanha de e-mails) e publicadas no site da arquidiocese(www.arquidiocesecampinas.com), possibilitandoa impressão e, consequentemente, a discussãopresencial nas comunidades, ou através doscanais interativos digitais.ORIENTAÇÕES PARA OS ENCONTROSSugestões para os encontros em grupo:Ambientação: preparar o ambiente dareunião para que seja acolhedor e favoreça aparticipação de todos.Oração: iniciar e terminar cada encontrocom uma oração, respeitando as especificidadesda espiritualidade e carisma dos vários grupos.Leitura: de maneira espontânea e quefavoreça a participação de todos, fazer a leiturado tema dividindo-o entre os presentes.Partilha: ao final da leitura proporcionarum momento de conversa e reflexão sobre otema.Propósito de Vida: o último item de cadatema é uma provação e sugestão para algunsgestos e ações concretas.INDULGÊNCIA PLENÁRIASua Santidade o Papa Bento XVIconcedeu o dom da Indulgência Plenária aos fiéispor ocasião do Ano da Fé, sempre de acordocom normas estabelecidas pela PenitenciariaApostólica.As disposições estabelecidas para seobter as Indugências Plenárias são válidas apartir de 11 de outubro de 2012 e vão até 24 denovembro de 2013.Poderão obtê-la, todos os fiéisverdadeiramente arrependidos, que tenhamexpiado os próprios pecados com a penitênciasacramental e elevado orações segundo asintenções do Sumo Pontífice:- toda vez que participarem de pelomenos três momentos de pregações durante asSantas Missões, ou de pelo menos três liçõessobre as Atas do Concílio Vaticano II e sobre osArtigos do Catecismo da Igreja Católica, emqualquer igreja ou local idôneo;- toda vez que visitarem em forma deperegrinação uma Basílica Papal, umacatacumba cristã, uma Igreja Catedral, um localsagrado designado pelo Ordinário do lugar para oAno da Fé, e ali participarem de alguma funçãosagrada ou se detiverem para um tempo derecolhimento, concluindo com a oração do Pai-Nosso, o Credo, as invocações a Nossa Senhorae, de acordo com o caso, aos Santos Apóstolosou Padroeiros;- toda vez que, nos dias determinadospelo Ordinário do lugar para o Ano da Fé, emalgum local sagrado participarem de uma solenecelebração eucarística ou da Liturgia das Horas,acrescentando a Profissão de Fé em qualquerforma legítima;- um dia livremente escolhido, durante oAno da Fé, para a visita do batistério ou de outrolugar no qual receberam o sacramento doBatismo, se renovarem as promessas batismaisem qualquer fórmula legítima.Aos idosos, doentes e a todos os que pormotivos legítimos não puderem sair de casa,concede-se de igual modo a Indulgência plenárianas condições de costume se, unidos com oespírito e com o pensamento aos fiéis presentes,especialmente nos momentos em que aspalavras do Pontífice ou dos Bispos Diocesanosforem transmitidas pela televisão ou pelo rádio,recitarem na própria casa ou onde estiverem oPai-Nosso, o Credo e outras orações conformesàs finalidades do Ano da Fé, oferecendo seussofrimentos ou as dificuldades da própria vida.Distribuição Interna e GratuitaOrganizado e publicado por Setor ImprensaARQUIDIOCESE DE CAMPINASRua Lumen Christi, 02, Jardim das Paineiras13092-320, Campinas, SP, BrasilTel. +55 (19) 3794.4650asscom@arquidiocesecampinas.comwww.arquidiocesecampinas.comINTRODUÇÃOCatecismo da Igreja CatólicaFichas de Estudo e ReflexãoARQUIDIOCESEDECAMPINAS:ANODAFÉ:CATECISMODAIGREJACATÓLICA2
  3. 3. ORAÇÃOSenhor, eu creio; eu quero crer em Ti. EuTe louvo pelo dom da fé e reconheço que estouainda longe de ter a mesma fé de Abraão e Sara,de Tobit, de tantos profetas e reis; e o quantosonho em experimentar também a mesma fé daVirgem Maria.Renova em mim o dom da fé recebido noBatismo, confirmado na Crisma e reanimado emcada Eucaristia. Que eu viva alicerçado na TuaPalavra e que por ela me sinta exortado àfidelidade.Diante de tua presença, professo quecreio, mas aumenta a minha fé.Senhor, faze que minha fé seja total, semreservas; que ela penetre no meu pensamento ena minha maneira de julgar as coisas divinas eas coisas humanasSenhor, faze que minha fé seja livre,quero aceitar livremente Tua vontade com todasas renúncias e deveres que ela comporta.Senhor, Tu dissestes que felizes são osque crêem sem ter visto. Dá-me a graça de crer,mesmo nos momentos em que não vejo caminhoou solução, reconhecendo que Tu és o caminhoe solução, sempre!Senhor, faze que minha fé seja forte. Queeu possa caminhar sobre ás águas revoltas e emTeu Nome eu possa remover montanhas; dá-mea fé que não vacila, que é garantia de vida eternae que proclama Teu poder, agindo, curando elibertando.Que eu não tema a oposição daquelesque contestam a fé, a atacam, a recusam e anegam; mas que minha fé se fortifique naexperiência íntima da verdade, que ela resista aodesgaste da crítica, que ela ultrapasse asdificuldades cotidianas.Dá-me a cada dia a graça de pronunciarTeu Nome com a fé que não só alimenta a minhaesperança, mas que já vê acontecer; que époder. Que eu permaneça com os olhos fixos noTeu coração traspassado, para que, Te vendo, eureceba a salvação e a anuncie a todos.Senhor, faze que minha fé seja alegre,que ela dê paz e alegria à minha alma, que elame torne disponível para rezar a Deus e paraconversar com os irmãos.Senhor, fazer que minha fé seja atuante eque seja também contínua busca de Ti, umcontínuo testemunho, um contínuo alimento deesperança.Senhor, faze que minha fé seja humilde,que não se fundamente em meu pensamento, enem em meu sentimento; mas que me submetasempre ao Espírito Santo, à tradição e àautoridade do magistério da Igreja.Obrigado Senhor, creio que estás merenovando e já me sinto fortalecido no corpo, noespírito e na alma, porque, como a Virgem Maria,professo "que tudo é possível para aquele quecrê." Amém.PROFISSÃO DE FÉSímbolo Niceno-ConstantinopolitanoCreio em um só Deus, Pai todo-poderoso,criador do céu e da terra, de todas as coisasvisíveis e invisíveis.Creio em um só Senhor, Jesus Cristo,Filho unigênito de Deus, nascido do Pai antes detodos os séculos:Deus de Deus, luz da luz, Deusverdadeiro de Deus verdadeiro, gerado, nãocriado, consubstancial ao Pai; por ele todas ascoisas foram feitas.E por nós, homens, e para a nossasalvação, desceu dos céus: e se encarnou peloEspírito Santo no seio da virgem Maria, e se fezhomem.Também por nós foi crucificado sobPôncio Pilatos; padeceu e foi sepultado.Ressuscitou ao terceiro dia conforme asEscrituras e subiu aos céus,onde está sentado àdireita do Pai.E de novo há de vir em sua glória, parajulgar os vivos e os mortos; e o seu reino nãoterá fim.Creio no Espírito Santo, Senhor que dá avida e procede do Pai e do Filho; e com o Pai e oFilho é adorado e glorificado: ele que falou pelosprofetas.Creio na Igreja, una, santa, católica eapostólica. Professo um só batismo pararemissão dos pecados. E espero a ressurreiçãodos mortos e a vida do mundo que há de vir.Amém.ORAÇÃOPedindo a Graça da FéPapa Paulo VIARQUIDIOCESEDECAMPINAS:ANODAFÉ:CATECISMODAIGREJACATÓLICA3
  4. 4. INTRODUÇÃO:Ao nascer formamos parte de uma família quenos dá o nome e sobrenome; nesta famílianascemos, crescemos e desenvolvemos nossascapacidades naturais. O Batismo produz em nósum segundo nascimento - esta vez para a vidasobrenatural da graça -, que nos faz cristãos enos introduz na grande família da Igreja. Nós,batizados somos e nos chamamos cristãos. Éeste o nosso nome. Como os primeirosdiscípulos de Cristo: Pedro, Tiago, João...,também nós somos discípulos do Senhor.Do mesmo modo que estamos orgulhosos depertencer a nossa família, onde aprendemosmuitas coisas, temos de estar tambémorgulhosos por pertencer à família da Igreja. AIgreja nos ensina também muitas coisas, que, naverdade, são as mais importantes, as únicasverdadeiramente importantes.IDEIAS PRINCIPAIS:1. Para que estamos na terraExistem pessoas que se perguntam para queestão nesta terra, porque nasceram, e nãotiveram ninguém que lhes explicasse. Os cristãos- seguidores de Jesus Cristo - temos a sorte deconhecer estas coisas. Jesus Cristo as pregou ea Igreja as ensina. A doutrina de Jesus Cristo, ouDoutrina Cristã, dá a resposta a estas perguntasfundamentais. E as perguntas fundamentais quenós homens fazemos são: de onde venho, quemsou eu, para onde vou.2. De onde viemosA doutrina cristã diz que Deus criou livremente ohomem para que participe de Sua vida bemaventurada, quer dizer, Sua mesma felicidade.Cada homem foi criado por Deus, com acooperação de seus pais. Por isto, à pergunta deonde viemos, respondemos: viemos de Deus.3. Quem somosDeus não só criou o homem, mas está junto deleem todo tempo e lugar. Deus o chama e o ajudaa encontrá-Lo, quer que O conheça e O ame.Sabemos que fomos criados à imagem esemelhança de Deus, e pelo batismo, nóscristãos somos feitos filhos adotivos de Deus,herdeiros de Sua glória. Portanto, se nosperguntam quem somos, a resposta é clara: soufilho de Deus.4. Para onde vamosDeus criou o homem para manifestar ecomunicar Sua bondade e amor, de forma quepossa conhecê-Lo e amá-Lo cada dia mais, eassim O sirva livremente nesta vida, gozandodepois com Ele para sempre no céu. Deus querque sejamos felizes aqui na terra e depoiseternamente com Ele no céu. Se nos perguntama nós, cristãos, para onde vamos, a respostatambém é clara: para o céu. Se nãoconseguirmos esta meta, nossa vida será umfracasso.5. Para que existe o homemAgora podemos responder de modo maisexplícito a esta pergunta que deve fazer a simesmo todo homem: para que eu existo? Etemos que dizer de modo absoluto: para darglória a Deus, quer dizer, para manifestar abondade e o amor do Criador. Deus não temoutra razão para criar. O homem é objeto doamor de Deus, e responde a Deus amando-O.Nisto está a felicidade do homem.6. Devemos conhecer a doutrina cristãDevemos conhecer os ensinamentos de JesusCristo, já que é nosso Deus, nosso Mestre, nossoModelo. Seus ensinamentos nos mostram ocaminho para conhecer e amar a Deus, para serfelizes nesta terra e depois eternamente na outra.7. Partes principais da Doutrina CristãA primeira coisa que é preciso saber são asverdades de nossa fé: quem é Deus, quem éJesus Cristo, quem criou o mundo, quem é oEspírito Santo, quem é a Virgem Maria, para queCristo fundou a Igreja, qual o prêmio ou o castigoque nos espera, etc.. Estas coisas nós asconhecemos ao estudar O SÍMBOLO DA FÉ ou oCREDO.Se queremos saber como é celebrada a nossa fécristã, como nos tornamos cristãos, como sealcança o perdão de Deus, de que forma Deusnos ajuda para vencer as dificuldades queencontramos...., tudo isto aprendemos estudandoA LITURGIA e OS SACRAMENTOS.Também necessitamos saber o que Deus querque façamos para ser felizes e fazer felizes osdemais e poder chegar ao céu, como viver emCristo. Vamos aprender estas coisas estudandoA MORAL CRISTÃ nos MANDAMENTOS.É preciso também conhecer o sentido e aimportância da oração em nossa vida; por isto aquarta parte estuda A ORAÇÃO NA VIDACRISTÃ.TEMA 01O Fim do Homem Nesta Terra:Dar Glória a Deus, Conhecê-lo e Amá-loARQUIDIOCESEDECAMPINAS:ANODAFÉ:CATECISMODAIGREJACATÓLICA4
  5. 5. • Material baseado no livro "Curso deCatequesis" do Editorial Palavra,Espanha, de autoria de Jayme Pujoll eJesus Sanches Biela, traduzido para oportuguês por Dom Antônio Carlos RossiKeller.• Catecismo da Igreja Católica, promulgadopelo Beato João Paulo II em 1992.• Compêndio do catecismo da IgrejaCatólica, promulgado pelo Papa BentoXVI em 2005.• Carta Apostólica do Papa Bento XVI sobforma de "Motu Proprio" Porta fidei com aqual se proclama o Ano da Fé, 11 deoutubro de 2011.• Nota com indicações pastorais para oAno da Fé, Santa Sé, 6 de janeiro de2012.• Decreto da Penitenciaria Apostólica como qual se concedem indulgências porocasião do Ano da Fé,14 de setembro de2012.Arcebispo MetropolitanoDom Airton José dos SantosDireçãoPadre Rodrigo Catini FlaibamEditora ChefeBárbara Beraquet, MTb 37.454Jornalista e RepórterWilson Antonio Cassanti, MTb 32.422ApoioMariana IgnácioMaristela DominguesNathália TrindadeJoão do Carmo CostaRua Lumen Christi, 02, Jardim das Paineiras13092-320, Campinas, SP, BrasilTel. +55 (19) 3794.4650asscom@arquidiocesecampinas.comwww.arquidiocesecampinas.comFONTESBibliografiaARQUIDIOCESEDECAMPINAS:ANODAFÉ:CATECISMODAIGREJACATÓLICA104SETOR IMPRENSAArquidiocese de Campinas

×