Só o instinto não chega
MÁRIO CORDEIRO FÉRIAS E PAIS SEPARADOS HISTÓRIA DE GONÇALO M. TAVARES
PARENTALIDADE CONSCIENTE EXE...
2 Pais&ilhos mês2015
www.paisefilhos.pt 3
00
00
sumário
MINDFULNESS
AGOSTO
97
LIFESTYLE
90
HISTÓRIA
88
LER
84
ROTEIRO
82
VIAGEM
78
BELEZA
63
CA...
4 Pais&ilhos agosto2015
editorial Parar… e saborear
A
s férias são o tempo ideal para
quebrar rotinas, experimentar
desaio...
Notícias
6 Pais&ilhos agosto2015
bloco de notas
6 Pais&ilhos
PRÉ-ESCOLAR PARA TODOS
a partir dos quatro anos
A partir do a...
www.paisefilhos.pt 7
Mais instruídas e preparadas proissionalmente do que as gerações
que as precederam, altamente depende...
Notícias
8 Pais&ilhos agosto2015
bloco de notas
A espécie humana está cada vez mais alta e
mais inteligente, revelam os re...
MÃES QUE “SEMEIAM”
bactérias boas nos bebés
Uma nova tendência nos cuidados neonatais, surgida
na Austrália, está a ganhar...
10 Pais&ilhos agosto2015
bloco de notas
A cantora norte-americana Carrie Underwood, mãe de um bebé de quatro meses, viu o
...
www.paisefilhos.pt 11
crónica Porque sim não é resposta
12 Pais&ilhos agosto2015
O
s pais tão depressa reconhecem que a sua infância terá sido m...
www.paisefilhos.pt 13
está assim. Mas se lhe derem um bocadinho de corpo de mãe ou de pai (sem palavras!) a tristeza
delas...
14 Pais&ilhos agosto2015
aquie agora
M
indfulnesséumatécnicade
meditação que nos ajuda a
afastarmos todos os pensa-
mentos...
www.paisefilhos.pt 15
João Palma
“A prática implica
parar e passar do
modo fazer para o
modo estar. Quando
pratico Mindful...
16 Pais&ilhos agosto2015
tema de capa Mindfulness
que as práticas para essas faixas etárias são
muito breves”, esclarece C...
www.paisefilhos.pt 17
18 Pais&ilhos agosto2015
tema de capa Mindfulness
Gonçalo Pereira exempliica algumas das téc-
nicas lúdicas, trabalhadas c...
www.paisefilhos.pt 19
coloquem a intenção de estarem presentes e
conscientes nesse dia; ao longo do dia, faça
várias pausa...
crónica A Sedução do SER
20 Pais&ilhos agosto2015
H
á um par de anos, ao ler num “blogue de mãe” as queixas de uma progeni...
www.paisefilhos.pt 21
Nada é mais
precioso do que
um bebé!
A delicadeza da sua pele, a ternura
do seu sorriso, a intensida...
22 Pais&ilhos agosto2015
Gravidez&parto Grávida no verão
[texto] Teresa Martins [ilustração] Marta Torrão
www.paisefilhos.pt 23
aosolEstar grávida no pico do
verão pode ser cansativo,
mas não é motivo para
desanimar e desistir d...
24 Pais&ilhos agosto2015
Fora de casa, deixe de lado as saladas. Apesar
de muito apetecíveis, nesta altura do ano, é
prefe...
www.paisefilhos.pt 25
são nas veias. Por outro lado, as temperaturas
elevadas favorecem a desidratação e a perda
de minera...
26 Pais&ilhos agosto2015
gravidez&parto Cesariana
[texto] Teresa Martins
humanizar a
A cesariana também pode ser uma exper...
www.paisefilhos.pt 27
“Aqui está o
Francisco”
Rita e o marido
viram o filho
nascer
Ao colo
Enquanto a
cirurgia decorria,
Fr...
28 Pais&ilhos agosto2015
gravidez&parto Cesariana
e privilegiamos muito o relacionamento entre
a mãe e o recém-nascido, pa...
www.paisefilhos.pt 29
Humanizar a cesariana passa, acima de tudo,
por mudar mentalidades e criar condições
logísticas nos ...
crónica Crónicas Umbilicais
30 Pais&ilhos agosto2015
*AutoradoBlogueCocónaFralda.
Sónia
Morais Santos
[jornalista*]
com qu...
www.paisefilhos.pt 31
MÁXIMA ABSORÇÃO DE XIXIS
E FEZES LÍQUIDAS
A fralda Dodot Sensitive oferece o máximo cuidado da Dodot...
[texto] Ana Soia Rodrigues [fotograia] Fotolia
bebés 1000 dias
32 Pais&ilhos agosto2015
a importância
www.paisefilhos.pt 33
dos primeiros
Do momento da conceção
ao final dos dois anos
de idade passam-se
1000 dias. Talvez os m...
34 Pais&ilhos agosto2015
bebés 1000 dias
de outras vitaminas e minerais sempre que se
justiique ou quando a alimentação nã...
www.paisefilhos.pt 35
A qualidade e a harmonia afetivas
são o principal fator de saúde mental
ao longo da vida
são, assim,...
Q
uando se olha para uma mãe com um bebé ao peito, percebe-se que há qualquer
mistério da ordem do milagre no amamentar. P...
www.paisefilhos.pt 37
Muitas coisas podem acordar o seu bebé,
mas uma fralda húmida não será uma delas.
Mais seco mais ráp...
38 Pais&ilhos agosto2015
[texto] Ana Soia Rodrigues [ilustração] Margarida Botelho
crianças Atividades
obrigatório
1
Aqui ...
www.paisefilhos.pt 39
Viajar
As viagens em
família são das
memórias que mais
perduram
Festas populares
Dançar, cantar,
com...
40 Pais&ilhos agosto2015
crianças Atividades
6. Banho com as estrelas
Noverão,ascriançaspassamquasemaistempo
dentro de águ...
www.paisefilhos.pt 41
objetivo para uma poupança familiar anual.
Vai valer a pena!
7. Vamos ao baile?
Esta é a altura das ...
42 Pais&ilhos agosto2015
crónica Ser Pai
e puzzles cor-de-rosa
Enrique
Pinto-Coelho
[jornalista]
A
Ana tem pouco mais de t...
44 Pais&ilhos agosto2015
adolescentes Férias sozinhos
[texto] Soia Castelão [Fotograia] Fotolia
primeiras férias sem
os pa...
www.paisefilhos.pt 45
Para os filhos é uma
aventura, cheia de
expectativas, emoções
e novas experiências.
Para quem fica, es...
Pais & Filhos – Nº 295 Agosto (2015)
Pais & Filhos – Nº 295 Agosto (2015)
Pais & Filhos – Nº 295 Agosto (2015)
Pais & Filhos – Nº 295 Agosto (2015)
Pais & Filhos – Nº 295 Agosto (2015)
Pais & Filhos – Nº 295 Agosto (2015)
Pais & Filhos – Nº 295 Agosto (2015)
Pais & Filhos – Nº 295 Agosto (2015)
Pais & Filhos – Nº 295 Agosto (2015)
Pais & Filhos – Nº 295 Agosto (2015)
Pais & Filhos – Nº 295 Agosto (2015)
Pais & Filhos – Nº 295 Agosto (2015)
Pais & Filhos – Nº 295 Agosto (2015)
Pais & Filhos – Nº 295 Agosto (2015)
Pais & Filhos – Nº 295 Agosto (2015)
Pais & Filhos – Nº 295 Agosto (2015)
Pais & Filhos – Nº 295 Agosto (2015)
Pais & Filhos – Nº 295 Agosto (2015)
Pais & Filhos – Nº 295 Agosto (2015)
Pais & Filhos – Nº 295 Agosto (2015)
Pais & Filhos – Nº 295 Agosto (2015)
Pais & Filhos – Nº 295 Agosto (2015)
Pais & Filhos – Nº 295 Agosto (2015)
Pais & Filhos – Nº 295 Agosto (2015)
Pais & Filhos – Nº 295 Agosto (2015)
Pais & Filhos – Nº 295 Agosto (2015)
Pais & Filhos – Nº 295 Agosto (2015)
Pais & Filhos – Nº 295 Agosto (2015)
Pais & Filhos – Nº 295 Agosto (2015)
Pais & Filhos – Nº 295 Agosto (2015)
Pais & Filhos – Nº 295 Agosto (2015)
Pais & Filhos – Nº 295 Agosto (2015)
Pais & Filhos – Nº 295 Agosto (2015)
Pais & Filhos – Nº 295 Agosto (2015)
Pais & Filhos – Nº 295 Agosto (2015)
Pais & Filhos – Nº 295 Agosto (2015)
Pais & Filhos – Nº 295 Agosto (2015)
Pais & Filhos – Nº 295 Agosto (2015)
Pais & Filhos – Nº 295 Agosto (2015)
Pais & Filhos – Nº 295 Agosto (2015)
Pais & Filhos – Nº 295 Agosto (2015)
Pais & Filhos – Nº 295 Agosto (2015)
Pais & Filhos – Nº 295 Agosto (2015)
Pais & Filhos – Nº 295 Agosto (2015)
Pais & Filhos – Nº 295 Agosto (2015)
Pais & Filhos – Nº 295 Agosto (2015)
Pais & Filhos – Nº 295 Agosto (2015)
Pais & Filhos – Nº 295 Agosto (2015)
Pais & Filhos – Nº 295 Agosto (2015)
Pais & Filhos – Nº 295 Agosto (2015)
Pais & Filhos – Nº 295 Agosto (2015)
Pais & Filhos – Nº 295 Agosto (2015)
Pais & Filhos – Nº 295 Agosto (2015)
Pais & Filhos – Nº 295 Agosto (2015)
Pais & Filhos – Nº 295 Agosto (2015)
Pais & Filhos – Nº 295 Agosto (2015)
Pais & Filhos – Nº 295 Agosto (2015)
Pais & Filhos – Nº 295 Agosto (2015)
Pais & Filhos – Nº 295 Agosto (2015)
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Pais & Filhos – Nº 295 Agosto (2015)

431 visualizações

Publicada em

Revista mensal com os melhores artigos, reportagens e entrevistas na área do desenvolvimento, comportamento e educação das crianças, desde a gravidez até à adolescência.

Publicada em: Estilo de vida
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
431
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Pais & Filhos – Nº 295 Agosto (2015)

  1. 1. Só o instinto não chega MÁRIO CORDEIRO FÉRIAS E PAIS SEPARADOS HISTÓRIA DE GONÇALO M. TAVARES PARENTALIDADE CONSCIENTE EXERCÍCIO NA GRAVIDEZ RECEITAS VEGETARIANAS N. 295 agosto 2015 CESARIANA HUMANIZADA O que está a mudar? EDUARDO SÁ Instruções para uma criança feliz VACINAS Sempre em dia A importância dos primeiros 1000 dias COMO COMBATER O CALOR GRÁVIDA NO VERÃO ALIMENTAÇÃO FÉRIASsemospais primeiras 10 IDEIAS para umas férias inesquecíveis as crianças também podem meditar parar HORA DE INCLUIABC das DOENÇAS INFANTIS(Volume 2) www.paisefilhos.pt
  2. 2. 2 Pais&ilhos mês2015
  3. 3. www.paisefilhos.pt 3 00 00 sumário MINDFULNESS AGOSTO 97 LIFESTYLE 90 HISTÓRIA 88 LER 84 ROTEIRO 82 VIAGEM 78 BELEZA 63 CADERNOS 72 RECEITAS 60 SHOPPING Sabe quais são os benefícios desta prática? Crianças e jovens mais atentos e empáticos podem ser mais felizes. edição 295 14 22 32 Grávida no verão Como enfrentar o calor Bebé Os primeiros mil dias 54 38 44 Entrevista Shefali Tsabary Férias inesquecíveis Ideias para fazer uma vez na vida Moda Em viagem Mães como nós Carolina Patrocínio Vacinas Tudo o que deve saber Adolescentes De férias sozinhos 48 Cesariana É possível humanizar 26 CRÓNICAS: 12 Eduardo Sá 20 Mário Cordeiro 3O Sónia Morais Santos 36 Isabel Stilwell 42 Enrique Pinto Coelho 7276 58
  4. 4. 4 Pais&ilhos agosto2015 editorial Parar… e saborear A s férias são o tempo ideal para quebrar rotinas, experimentar desaios e cumprir promessas. E, assim, partir à aventura, fazer descobertas e criar cumplicida- des. Que podem estar ali à mão, sem neces- sidade de percorrer milhares de quilómetros, frequentar resorts de luxo ou programas cul- turais exaustivos. Mais à frente, como inspira- ção, deixamos 10 ideias “simples”, mas muitas mais haverá para testar, repetir ou inventar à “medida” do humor e do destino de cada um. De preferência, simples. Do banho de lua ao passeio-mistério, da dança das cadeiras à festa branca, do concurso de fotograia ao desile de máscaras, do “esconde-esconde” ao “adivinha quem sou…” Ah! E se a viagem for longa não se esqueça de alguns truques “infalíveis” como o jogo das cores, das palavras, dos personagens ou das matrículas... Há momentos especiais – como as férias – que é obrigatório “celebrar” em família. Mesmo que seja de modo simbólico ou fugaz. Porque esque- cer os horários e desfrutar de uma companhia de “luxo” 24 horas por dia é um momento cada vez mais escasso que não convém desperdiçar. E porque o descanso é merecido e retempera- dor (para todos!) e, mais do que isso, capaz de verdadeiros milagres. Com bom senso, alguma imaginação e, sobretudo, boa disposição, verá que é possível passar uns dias, no mínimo, dife- rentes. E torná-los inesquecíveis… para todos. Tempo de férias também é, por excelência, tempo para parar… e – porque não? – pensar. Nos dias alucinantes que correm, com pressões e solicitações constantes, cada vez mais há quem sinta necessidade de abrandar o ritmo e… meditar. Para gerir os pensamentos e de- cifrar as emoções, acalmar a mente e conhe- cer o corpo, eliminar as mágoas do passado e viver as dádivas do presente. Moda ou não, a verdade é que a meditação (e, em particular o mindfulness) parece ter vindo para icar, livran- do-se, aos poucos, do seu cunho meramente esotérico ou místico. Ainal, a “mindfulness revolution” que (talvez na altura surpreendentemente) anunciava a “Time” há pouco mais de um ano parece mesmo estar aí. E a prática com 2500 anos de existên- cia que nos habituámos a associar a monges budistas e a personagens hippies continua a ultrapassar barreiras e a conquistar adeptos no mundo ocidental (por alguma coisa, empre- sas como a Google e a General Mills incluem programas de mindfulness e liderança para os seus funcionários). No meio de toda esta “revolução”, também as crianças começam a ser convidadas a treinar o “poder da mente” e, assim, a tornar-se “me- lhores pessoas”. Porque, também elas, sentem necessidade de abrandar, sentir... e fazer uma coisa de cada vez. Dizem os entendidos que a prática da atenção plena, quando cultivada desde cedo, no início da vida, dará “bons frutos” mais tarde. Dalai Lama garante mesmo “que se todas as crianças com oito anos aprendes- sem meditação, eliminaríamos a violência do mundo numa geração”. Arrojado? Talvez. Na dúvida, experimente abrandar... e saborear o momento. Agora. José Manuel Silva [bastonário da Ordem dos Médicos] “A legislação que concede o direito à amamentação das mulheres levanta alguns problemas e é geradora de algumas desigualdades entre as mulheres” Maria Barroso, in jornal I, Maio de 2015 “Devemos colocar o melhor de nós na formação das mentes dos mais jovens, cabeças que são constantemente perturbadas pela violência dos nossos tempos”. Também as crianças começam a sentir necessidade de abrandar, sentir e fazer uma coisa de cada vez Helena Gatinho [diretora] Eles dizem... Débora, fotografada por Marta Barreiro
  5. 5. Notícias 6 Pais&ilhos agosto2015 bloco de notas 6 Pais&ilhos PRÉ-ESCOLAR PARA TODOS a partir dos quatro anos A partir do ano letivo 2016/2017, as crianças que atinjam os quatro anos terão direito a um lugar na rede de estabelecimentos públicos de ensino pré-escolar. É, assim, estabelecido o regime de escolaridade obrigatória para as crianças e jovens que se encontram em idade escolar, consagrando-se a universalidade da educação pré-escolar para as crianças a partir dos quatro anos de idade. A garantia de ensino pré-escolar público abrangia apenas as crianças a partir dos cinco anos. O Governo tem agora seis meses para implantar as novas normas, o que signiica que as crianças que atinjam os quatro anos no início do ano letivo de 2016/2017 serão as primeiras a beneiciar desta alteração. Os homens já podem desfrutar de um período de 15 dias úteis após o nascimento do bebé, o que traduz um aumento de cinco dias em relação à versão antiga da lei das licenças obrigatórias parentais. Esta alteração ao Código do Trabalho, na prática, signiica que os homens icam em casa três semanas após o parto. Para além do aumento dos dias úteis de licença parental masculina, todas as outras regras são mantidas: o pai deve usufruir da licença nos “30 dias seguintes ao nascimento do ilho”, cinco dos quais “gozados de modo consecutivos imediatamente a seguir” ao nascimento. As alterações agora aprovadas na especialidade necessitam da promulgação do Presidente da República antes de entrarem em vigor. TRÊS SEMANAS DE LICENÇA para pais Sabia que o humor e a boa disposição ajudam as crianças com menos de 18 meses a aprenderem mais depressa? A garantia é dada por psicólogos franceses da Universidade de Descartes. Para os investigadores, a base deste fenómeno pode ser química. “As emoções positivas têm um efeito na libertação de dopaminas e endorfinas a nível cerebral e sabe-se que estes dois compostos influenciam a capacidade de aprendizagem de forma positiva”. Outro bom efeito é o aumento da capacidade de resolução de problemas e da flexibilidade cognitiva. “O riso é um estimulante da aprendizagem”, concluem. O poder do riso FAMÍLIA
  6. 6. www.paisefilhos.pt 7 Mais instruídas e preparadas proissionalmente do que as gerações que as precederam, altamente dependentes das novas tecnologias para funcionar no quotidiano e preparadas para mudanças fundamentais a partir do momento em que nascem os ilhos. Assim são, de acordo com o estudo “Millenial Mums: he Mothers of Invention”, as mulheres que hoje têm entre 25 e 34 anos. O projeto de investigação é da agência de meios Initiative e foi desenvolvida em 19 países. Os dados mostram que 41 por cento das inquiridas já tem ilhos e que 12 por cento planeia vir a ser mãe nos próximos cinco anos. As “Mães Milénio” reconhecem que fazem parte de uma geração mais preparada e mais instruída que todas as anteriores e por isso assumem um papel muito mais exigente perante a vida, quer a nível pessoal, quer a nível proissional. Para quem foi pensado o “Explorar Lisboa”? Para todas as famílias curiosas. Mas também é uma ótima ferramenta para educadores ou uma boa opção para um grupo de amigos. Também vocês, os criadores desta ideia, são “exploradores proissionais”? Podemos dizer que sim! Eu, a Márcia e o Francisco temos esse bichinho explorador connosco. Somos inquietos e queremos passar este gosto aos nossos ilhos, familiares e amigos. Foi assim que nasceu a I Play My City. Como foi o desaio de preparar estes percursos? Muito divertido? Divertimo-nos muito a pesquisar as atividades e a pensar na perspetiva dos mais pequenos, mas também a encontrar conteúdos para que os mais crescidos pudessem participar ativamente. O Explorar Lisboa não é só para crianças.; também nós aprendemos muito. Como pode o “Explorar Lisboa” promover tempo de qualidade para as famílias? O “Explorar Lisboa” é um jogo de equipa. Há espaço para todos. Para os mais crescidos ensinarem canções aos mais pequenos, para descobrirem curiosidades, para fazerem corridas pelos miradouros, parar rirem, para desenharem em conjunto, para tirarem fotos, no fundo para fortalecerem relações e criarem laços. O “Explorar Lisboa” promete criar uma dinâmica de entreajuda e partilha e usa os espaços que nos rodeiam como território de brincadeira e aprendizagem. Maria Baeta [fundadora I Play My City] “MÃES MILÉNIO” Mais instruídas e dependentes das tecnologias Bebés descalços e felizes Os bebés que são deixados descalços tendem a ter melhores experiências de aprendizagem e a serem mais felizes. Para os cientistas da Escola Universitária de Enfermaria, Fisioterapia e Podologia da Universidade Complutense de Madrid, todas as crianças a partir dos sete meses deveriam andar regularmente descalças, já que os pés são uma ferramenta cognitiva importante e, por vezes, mais eficaz que as mãos. O calçado, explicam, impede de receber estímulos físicos e sensoriais, adiciona um peso excessivo, trava os movimentos e pode mesmo causar lesões..
  7. 7. Notícias 8 Pais&ilhos agosto2015 bloco de notas A espécie humana está cada vez mais alta e mais inteligente, revelam os resultados de uma avaliação de mais de 100 estudos realizados em todo o mundo. Na base desta evolução parece estar a riqueza genética que resulta da mistura entre populações e etnias, que é cada vez mais comum. Os investigadores da Universidade de Edimburgo analisaram a saúde e a informação do ADN de mais de 350 mil pessoas, distribuídas entre comunidades urbanas e rurais. A equipa descobriu que uma maior diversidade genética está relacionada com um aumento médio da altura, melhores habilidades cognitivas e níveis mais elevados de educação. O estudo foi publicado na revista “Nature” e foi inanciado pelo Conselho de Investigação Médica do Reino Unido. Mais altos E INTELIGENTES PAIS As vantagens de um marsúpio são evidentes: permite que os pais se movimentem com liberdade, mantendo em simultâneo, o conforto para o bebé. Além de prático e versátil, acompanha o seu crescimento, permitindo manter o contacto próximo e prolongado com os pais de modo a sentir-se mais protegido e seguro. Especialmente nas primeiras semanas de vida, quando mãe e ilho ainda têm presente na memória a relação intensa que viveram durante a gravidez, a utilização do marsúpio revela-se muito importante precisamente pela proximidade que proporciona. Para a mãe, a utilização do marsúpio tem um efeito positivo, imediato e duradouro. Manter o bebé em contacto próximo durante algumas horas, todos os dias, favorece a sua afetividade para cuidar do bebé e aumenta a coniança na sua capacidade de gerir, compreender e satisfazer as necessidades do seu ilho. Também para o pai, o marsúpio torna-se num fabuloso aliado porque permite a proximidade física com o bebé, reforçando assim os laços de cumplicidade e afetividade. Esta experiência produz efeitos positivos para ambos pois um simples passeio torna-se num momento especialmente íntimo e único entre pai e ilho. Durante os primeiros meses, o bebé deverá ser sempre transportado virado para a mãe/pai por ser a posição mais confortável e adequada à sua isionomia e a que protege e apoia a sua cabeça. É sempre importante lembrar que periodicamente se devem fazer pausas, retirando o bebé e pegando-lhe ao colo. Os bebés precisam de mudar de posição com frequência, sobretudo nas primeiras semanas de vida. UM MARSÚPIO PARA FICAREM MAIS JUNTINHOS O observatório Chicco acompanha o desenvolvimento da criança nos primeiros anos de vida, com a colaboração de mães, médicos, especialistas em puericultura, associações e creches, para propor produtos simples e seguros para cada fase do crescimento. www.chicco.pt B Ó Demasiada supervisão adulta limita a necessária exploração de limites. Os receios sobre a insegurança sobrepõem-se, cada vez mais, às “brincadeiras livres” mas, de acordo, com investigadores canadianos, arriscar sem supervisão adulta não só é divertido como importante para o desenvolvimento das crianças e jovens. Os especialistas da Escola de Saúde Pública da Universidade da Colúmbia Britânica garantem que as crianças que são autorizadas a brincar em algumas situações “de risco” apresentam um maior nível de atividade física e ganham competências sociais acrescidas. “Quando não há nenhum adulto por perto, elas aprendem a negociar umas com as outras, a darem- -se bem e a criarem regras próprias, utilizadas para cimentar as redes de amizade”, garante Mariana Brussoni, uma das líderes da pesquisa. A especialista recorda que são este tipo de brincadeiras “que ficam na nossa memória para sempre”. Brincadeiras arriscadas são importantes
  8. 8. MÃES QUE “SEMEIAM” bactérias boas nos bebés Uma nova tendência nos cuidados neonatais, surgida na Austrália, está a ganhar cada vez mais adeptos, embora o número de críticos seja tão grande como o de defensores. Trata-se de realizar o “seeding” (ou “semear”, em tradução livre) ao bebé nascido por cesariana. E como é que isso se faz? Expondo o recém-nascido que não teve oportunidade de passar pelo canal de parto, às bactérias boas presentes no luido vaginal da mãe. Dizem os adeptos que assim é possível fazer a colonização bacteriana necessária ao aumento da imunidade. Há muito que é sabido que os bebés nascidos de parto vaginal recebem cerca de 300 bactérias boas à medida que percorrem o caminho até ao exterior. E são essas bactérias que os ajudam a defenderem-se de muitos microrganismos prejudiciais. Os que nascem via cesariana são privados desta exposição. As australianas solicitam o “seeding” nos primeiros minutos de vida, através de um esfregaço vaginal que é passado nos lábios, face e corpo do bebé. PUB Quem dá voltas à cabeça para ocupar as crianças durante o verão pode ir já preparando a agenda para mais uma semana. De acordo com informação divulgada pelo Ministério da Educação, no próximo ano letivo as escolas estão autorizadas a abrir entre os dias 15 e 21 de setembro. Isto significa sete dias a mais de “férias grandes”. De acordo com o calendário estabelecido pelo ministério, o primeiro período começa entre os dias 15 e 21 de setembro e termina a 17 de dezembro. O segundo vai de quatro de janeiro de 2016 a 18 de março. E o terceiro período de quatro de abril a três de junho (para os 9.º, 11.º e 12.º anos), nove de junho (do 1.º ao 8.º anos e também 10.º ano), um de julho (pré- escolar) e 12 de julho (4.º e 6.º anos). Mais uma semana de férias FAMÍLIA
  9. 9. 10 Pais&ilhos agosto2015 bloco de notas A cantora norte-americana Carrie Underwood, mãe de um bebé de quatro meses, viu o carro acabado de estacionar trancar automaticamente as portas com o filho no interior e, após várias tentativas, acabou por ter que partir um dos vidros para entrar. O site “Today” lançou entretanto uma campanha com dicas para evitar este tipo de situações: Sempre que o bebé viajar no banco traseiro coloque um brinquedo, o saco das fraldas ou outro objeto pessoal no banco dianteiro. Isto servirá como um ‘lembrete’ do pequeno passageiro, que poderá ser novo demais para se manifestar ou estar a dormir. Se o problema não for esquecimento mas sim um veículo trancado chame de imediato o 112, mesmo que, entretanto, o bebé seja retirado do interior. O golpe de calor e/ou a desidratação podem acontecer muito rapidamente. Enquanto espera por socorro, cubra os vidros com uma peça de roupa ou outro material que sirva de barreira aos raios solares, travando o aumento da temperatura no interior. Se perceber o bebé assustado ou com sinais de prostração, quebre uma das janelas. O bebé ficou no carro! O que fazer? É comum durante o período de férias as famílias fazerem viagens mais longas de carro, para ir para a praia, para o campo ou para o local onde vão passar alguns dias. Nestes dias, de grande animação, parece que nada pode correr mal. Mas, para que tal aconteça tenha em conta o seguinte: Todas as crianças e adultos devem utilizar o cinto de segurança bem colocado e sem folgas. As crianças, até pelo menos 1,35m de altura, devem usar também uma cadeirinha adequada à sua idade, tamanho e peso, bem instalada no automóvel. As bagagens devem ser bem acondicionadas pois, em caso de acidente, os objetos soltos podem causar lesões graves nos passageiros. Se não couberem na bagageira ou no porta-luvas, prenda-as com os cintos de segurança livres. Transporte os animais em caixas próprias, na bagageira ou presos com o cinto, com sistemas adequados. Faça paragens frequentes. Escolha locais afastados do trânsito e tire as crianças das cadeirinhas para mudarem de posição, descansarem, brincarem, etc. Dê-lhes água para evitar que desidratem. Em caso de avaria ou acidente vista o colete refletor antes de sair do carro. Comece por ligar as luzes de perigo (quatro piscas) e colocar o triângulo de sinalização e ligue para o 112 ou para a polícia. Verifique se há feridos, ajude-os a manter a calma e evite mexer-lhes até chegar o socorro. Não retire os passageiros do automóvel e mantenha as crianças nas cadeirinhas exceto se este estiver num local de risco ou houver possibilidade de um incêndio. APSI – Associação para a Promoção da Segurança Infantil www.facebook.com/apsi.org.pt www.apsi.org.pt | apsi@apsi.org.pt | 21 884 41 00 Viagens em família DICAS DE SEGURANÇA Falta de dilatação, cordão umbilical enrolado no pescoço, cesariana prévia e bacia estreita. Nenhum destes motivos é considerado, pela Federação Brasileira das Associações de Ginecologia e Obstetrícia, como justiicativos, à partida, para a realização de uma cesariana. De acordo com James Cadidé, da Comissão de Parto daquela instituição, só existem duas indicações absolutas para o parto cirúrgico: a desproporção céfalo-pélvica e a apresentação prévia da placenta. A desproporção ocorre aquando a ossatura da bacia da mãe é incompatível com a da cabeça do bebé ou em casos em que o bebé tem a cabeça maior que a regra, devido a problemas de saúde como hidrocefalia ou diabetes. No caso da apresentação prévia da placenta, o parto normal não acontece devido à “tampagem” do canal de parto. De acordo com James Cadidé há ainda indicações relativas para a cesariana, ou seja, dependem da avaliação do médico, como: sofrimento fetal quando a mulher não tem dilatação completa, descolamento prematuro de placenta, placenta prévia com sangramento intenso, distocia (complicações que atrapalham ou impedem a passagem do bebé), herpes vaginal ativa (por conta do risco de desenvolver cegueira no bebé) e mãe portadora de HIV. PARTO CESARIANAS apenas em dois casos foi o aumento de criançs nscids em Portugal entre janeiro e junho de 2015 2,8%
  10. 10. www.paisefilhos.pt 11
  11. 11. crónica Porque sim não é resposta 12 Pais&ilhos agosto2015 O s pais tão depressa reconhecem que a sua infância terá sido mais livre, mais amiga do brincar, menos atolada em compromissos e mais feliz como, ao mesmo tempo que não fazem tanto como deviam para replicarem essa “fórmula de sucesso”, repetem (de forma exaustiva) que quase tudo seria diferente na relação com os seus ilhos se eles nascessem equipados com manuais de instruções. Não serão estes pais escolarizados tentadoramente tecnocráticos? E se ainda hoje guardam a infância como um período feliz, isso deve-se ao bom manual de instruções que os seus pais seguiram a preceito ou ao modo como tiveram tempo para ser crianças, com a ajuda preciosa que isso representa para cicatrizar trapalhadas e engendrar paixão pela vida e engenho para crescer? Seja como for, se a desculpa passa por não haver um “manual de instruções”, vamos lá imaginar um, mais ou menos clandestino, para que não haja mais desculpas... 1. Nunca estamos preparados para ser pais. As crianças dão imenso trabalho. Só crescemos com elas quando somos obrigados a crescer. E nada é fácil para os pais. 2. Nunca se educa só por instinto (materno ou paterno). Mas quando se educa “by de book” todas as crianças se estragam. 3. As crianças precisam de tempo para crescer. E precisam de (muitas) oportunidades para aprenderem a ser crianças! 4. Todas as crianças são inteligentes. E se, hoje, elas parecem mais espertas, é porque os pais, quando os ilhos são pequeninos, as estragaram muito menos. 5. Todas as crianças saudáveis são de ideias ixas e são teimosas. A teimosia depende, de forma direta, do modo como elas sentem que o pai ou a mãe ora se zangam, como deviam, ora hesitam e se encolhem, quando se trata de lhes dizer: “Não!”. São, portanto, precisos ritmos, regras e rotinas coerentes e constantes para crescer. 6. Todas as crianças sabem o que querem. Se o não manifestam, e são certinhas, é porque têm medo de contrariar os pais. Já aquelas que parecem ter uma “personalidade forte” estão a transformar-se, contra a vontade de todos, em chefes da família. E isso só lhes faz mal! 7. Todas as crianças precisam de brincar duas horas, todos os dias, depois do jardim de infância ou da escola. Brincar é tempo livre! Tempo gerido por elas, sob o olhar atento de um dos pais ou dos avós. 8. Os brinquedos não têm sexo. Não é a forma como os rapazes brincam com bonecas ou as raparigas com carrinhos que estraga as crianças na sua relação com a identidade. Mas o modo como o pai e a mãe se dão como modelos, com equívocos (levando a que nem sempre apeteça, quando se cresce, ser como eles), ajuda a isso. 9. Todas as crianças precisam de correr, de falar alto, de se mexer e de imaginar. Transformar vídeos, telefones, tablets ou computadores em babysitters, todos os dias e a todas as horas, faz mal à saúde das crianças. 10. Para serem felizes, as crianças precisam de estar tristes. Crianças que podem estar tristes são crianças mais seguras. 11. Sempre que uma criança está triste, os pais estão proibidos de perguntar porque é que ela Para serem felizes, as crianças precisam de estar tristes. Crianças que podem estar tristes são crianças mais seguras Manual de instruçõesEduardo Sá [psicólogo] para uma criança feliz
  12. 12. www.paisefilhos.pt 13 está assim. Mas se lhe derem um bocadinho de corpo de mãe ou de pai (sem palavras!) a tristeza delas leva a que cresçam melhor. 12. As crianças não crescem felizes à margem da autoridade dos pais. Os pais saudáveis dão com uma mão e exigem com a outra. Não explicam todas as regras nem as justiicam, mas exigem em função dos exemplos que dão. Sem nunca falarem demais! 13. As crianças felizes têm nas birras o “último grito” duma “prova de vida”. Signiica que têm pais atentos mas que não são nem ameaçadores nem tirânicos. Por mais que uma birra não possa ter muito mais de 10 minutos! 14. Crianças felizes não se transformam em metas curriculares para os seus pais. 15. A família ensina mais que a escola e brincar é tão indispensável como aprender. Logo, crianças que, para além da escola, se desdobram em atividades extra-curriculares e trabalham das oito às oito, crescem infelizes e com pouca amizade pelo conhecimento. 16. Crianças felizes ligam orgulho, esperança e humildade. São valorizadas por aquilo que fazem bem, são corrigidas sempre que se enganam e repreendidas logo que não tentam. 17. As crianças não são o melhor do mundo, para os pais, se as relações amorosas adultas, que eles tiverem, viverem, unicamente, à sombra delas. 18. As crianças precisam de mãe e de pai para crescer. Pais que convivam, mesmo que não coabitem. E ganham se os sentirem, diariamente, atentos e participativos. 19. O pai e a mãe não estão sempre de acordo. E isso torna as crianças mais saudáveis! O desacordo dos pais está para o seu crescimento como o contraditório para o exercício da justiça. 20. As madrastas ou os padrastos, quando os há, nunca são tios! São segundos pais! Devem, portanto, dar colo, exercer a autoridade e promover a autonomia como só os bons pais sabem fazer! 21. Os avós devem “estragar” as crianças com mimos. Quanto mais os avós interpelam os pais, mais as crianças crescem saudáveis. 22. Os bons pais estão autorizados a não se zangarem um com o outro à frente das crianças! Por mais que isso não adiante quase nada. Na medida em que, por maiores que sejam os seus cuidados, as crianças nunca deixem de sentir se eles estarão ligados um ao outro, amuados ou, até, birrentos. 23. Os bons pais não se desautorizam um ao outro, diante das crianças. Se bem que elas reconheçam que, sempre que a mãe e o pai discordam, a propósito delas e seja acerca do que for, é impossível que alguém ique indiferente. 24. Os bons pais erram! Esganiçam-se, têm “ataques de nervos” e “passam-se”! Tirando os pais que fazem de Dupont e Dupond, e aqueles que nunca se enganam e raramente têm dúvidas, todos os os outros são bons pais! Sobretudo, quando assumem, com lealdade, que aprendem sempre que se reconhecem num erro. 25. Os bons pais adoram os ilhos e adoram estar sem eles! Mas os bons pais não podem viver os seus tempos sequestrados pelos tempos dos ilhos. Pais que namoram todos os dias são melhores pais! Pais que coniam os ilhos à guarda dos avós ou dos tios, uma vez por mês, ao im de semana, amam-nos mais! 26. Os bons pais reconhecem que, todos os dias, há 200 minutos, que separam as crianças da felicidade: 30 minutos de ilho único de mãe ou de pai, depois da escola; 120 minutos para brincar, todos os dias; 30 minutos para jantar, sem televisão; 20 minutos para namorar com a vida e para contar uma história, antes de adormecer. 27. Crianças felizes gerem cabeça, coração, corpo e alma; pais, irmãos, avós, tios e amigos; escola e brincar. Têm dores, têm medos, têm sonhos e projetos. E tudo isso ao mesmo tempo! Mas não são felizes se precisarem de ser “as melhores do mundo”. Para serem felizes, basta que sejam um bocadinho do melhor que há no mundo para quem só lhes quer bem. Os bons pais erram! Esganiçam-se, têm “ataques de nervos” e “passam-se”! Tirando os pais que fazem de Dupont e Dupond, e aqueles que nunca se enganam e raramente têm dúvidas, todos os os outros são bons pais!
  13. 13. 14 Pais&ilhos agosto2015 aquie agora M indfulnesséumatécnicade meditação que nos ajuda a afastarmos todos os pensa- mentosqueestãoaomesmo tempo na nossa mente e a concentrarmo-nosnaquiloqueestamosafazer no momento presente”. Quem o diz é Catarina, uma criança com apenas 11 anos, que frequen- tou o curso Mindfulness para Jovens, no Cen- tro BudaDharma, em Lisboa. Catarina gostava muitode“continuaraaprenderMindfulnessna aquiescola, porque ia ajudar-nos a ter mais sucesso, a diminuir o stresse dos exames, a estarmos menos ansiosos e a icarmos mais tranquilos e concentrados”. Mesmo com poucas sessões, reconhece que já sentiu resultados: “Quando estava a preparar-me para os exames do sexto ano, pratiquei Mindfulness antes de estudar. Normalmente sou distraída e desconcentrada e aprendi a focar-me mais e até descobri que tenho muito mais memória do que pensava!” O desejo de Catarina já é realidade num nú- mero crescente de escolas em todo o mundo, que reconhecem os benefícios da introdução desta prática desde cedo. Carla Martins, doutorada em Psicologia e com formaçãonaáreadeMindfulnessparacrianças Prática diária Cerca de 15/20 minutos durante oito semanas. Aí começa a transformação Mindfulness. Já ouviu falar? É uma prática budista ancestral que a ciência veio agora validar. Os benefícios para as crianças são surpreendentes. Vale a pena parar e ler com atenção… plena. [texto] Ana Soia Rodrigues [fotograia] Marta Barreiro tema de capa Mindfulness
  14. 14. www.paisefilhos.pt 15 João Palma “A prática implica parar e passar do modo fazer para o modo estar. Quando pratico Mindfulness eu crio uma âncora, se não a minha mente andava dispersa. A minha âncora é o corpo, a respiração e os cinco sentidos”. eadolescentes,destacaasprincipaisvantagens estudadas:“Ascriançasquecompletamospro- gramas de Mindfulness demonstram maior capacidadedeatenção;menoransiedadeemais capacidade de se manterem calmos; aumento da consciência do seu corpo, pensamentos e emoções, o que melhora a capacidade de ges- tão emocional e mental perante situações de stresse e desaio; melhoria nas relações inter- pessoais com aumento da compaixão, genti- leza, paciência, controlo de impulsos reativos e redução do bullying; aumento da sua função executiva, associada ao desempenho cognitivo e sucesso escolar”. EmPortugal,CarlaMartinsconseguiuesteano levar a cabo uma intervenção piloto de oito semanas, num colégio privado em Braga, com crianças do primeiro ciclo. Mas reconhece que ainda é muito difícil a abordagem às escolas portuguesas. João Palma fez a sua formação em Mindfulness in Schools no Reino Unido e partilha essa diiculdade, junto das escolas de Lisboa. “A maior parte das pessoas nem nunca ouviu falar de Mindfulness, não sabem o que é. É mesmo desbravar terreno!” Obrigado, ciência GonçaloPereirapraticaMindfulnesshá20anos e é com um prazer enorme que assiste à expan- sãodestaprática.“OMindfulnesséumaprática com 2500 anos. A ciência acabou por ser o seu grande trampolim e a razão por estar a ser tão bemaceite.Agora,atéoparlamentobritânicojá medita!”Nosúltimostempos,forampublicados mais de 3000 estudos cientíicos sobre o tema, tornando-o uma questão de massas. É tema de capa de revistas e jornais como a TIME, Huington Post, Forbes, New York Times, he Economist. É um dos benefícios laborais da Google, do Facebook e até do Exército dos Es- Autoconhecimento A criança ganha a consciência de si própria Treino O Mindfulness treina o foco, a atenção e a regulação emocional
  15. 15. 16 Pais&ilhos agosto2015 tema de capa Mindfulness que as práticas para essas faixas etárias são muito breves”, esclarece Carla Martins. “Mas a plasticidade dos seus cérebros e a rapidez com que ganham bons hábitos é incrível!”, reforça Gonçalo Pereira. E acrescenta: “Se a criança for exposta a este treino mental desde cedo, vai beneiciá-la para o resto da vida”. Ana Feijó Cunha tem observado, na prática, os bons hábitos que o seu ilho Manuel, de 14 anos, ganhou com o Mindfulness. “Aprendeu a estar atento aos sinais da sua agitação, apren- deu que pode gerir essa informação e antecipar algumasreações,evitandoalgumas‘explosões’, aprendeu que é possível aproveitar o presente de outra forma e a fazer certas tarefas com consciência do momento. Isso traz-lhe uma imensa calma. Noto o meu ilho muito mais atento ao que se está a passar no ‘agora’, o que lhe dá capacidade para poder decidir como vai querer agir e noto que a sua reação é menos ‘aparatosa’ e mais reletida”. O que é Jon Kabat-Zinn, diretor executivo do Centro de Mindfulness na Medicina, Saúde e Sociedade da Universidade de Massachusetts e um dos maiores responsáveis pela emergência deste movimentonoOcidente,descreveMindfulness como “a consciência que surge ao prestarmos atençãodedeterminadamaneira:depropósito, no momento presente e sem julgamento”. Emportuguês,Mindfulnessquerdizer“atenção plena”. Parece simples? É simples, mas não é fácil. “A nossa tendência é estarmos sempre a projetar o que vamos fazer ou presos no que aconteceu”, resume João Palma. “Costumo apresentar a ideia às crianças com um ensinamento do mestre do ilme Panda Kung Fu, que elas tanto gostam: ‘Ontem é história; amanhã é mistério; o presente é uma prenda’”.Echamaaatençãoparaalgumasideias feitas: “Aprender a meditar não é aprender a relaxar. É uma tomada de consciência de nós próprios, dos nossos pensamentos, emoções e comportamentos”. ou tentarem ver-se livre dessas emoções desagradáveis. O Mindfulness ajuda as crianças a sentir e aceitar essas emoções, o que lhes permite acalmar a mente e o corpo, deixando um espaço para compreenderem melhor essa pressão e escolherem outras formas de gerir o seu stresse. O Mindfulness desenvolve a atenção plena, que ajuda a criança a compreender os outros e o mundo que a rodeia, incluindo as suas relações com os amigos, família e colegas. À medida que se vão conhecendo melhor, a forma como compreendem os outros e o mundo naturalmente evolui e isso aumenta a sua felicidade. O ensino de Mindfulness nas escolas devia ser obrigatório? Sim. Eu falo do ensino de um novo ABC: atenção, equilíbrio [balance] e compaixão. Através do Mindfulness desenvolvem-se estas capacidades e aplicamo-las no que dizemos, no que fazemos e na forma como nos relacionamos com os outros. Quando vamos ao ginásio, desenvolvemos os nossos músculos. Esses músculos mais fortes ajudam-nos em muitos aspetos da nossa vida e não apenas nos exercícios de ginástica. Da mesma forma, a atenção, o equilíbrio e a compaixão que aprendemos no Mindfulness ajudam- -nos em todas as nossas capacidades académicas, sociais e emocionais. É possível termos uma “criança mindful” numa “família não mindful”? Sim, mas para a mudança ser mesmo efetiva, a melhor forma é trabalhar com toda a família. As crianças aprendem pelo exemplo, pelo que o melhor conselho que podemos dar aos pais é eles começarem pela sua própria prática de Mindfulness. A partir daí, tudo fluirá. As crianças vão notar que estamos mais calmos, mais regulados, mais atentos e felizes e vão aprender a partir do nosso exemplo. A pioneira Susan Greenland Susan Greenland, em conjunto com a Universidade de Los Angeles, desenvolveu um programa pioneiro de Mindfulness para crianças a partir dos quatro anos. As práticas são adaptadas à idade das crianças e a aprendizagem é baseada em exercícios, canções, jogos e fábulas Susan Greenland, considerada a pioneira mundial no ensino de Mindfulness para Crianças, deixa alguns conselhos aos leitores da Pais&filhos. As crianças nunca estiveram sob tanta pressão. Como pode o Mindfulness ajudá-las a serem mais felizes? Além da pressão, as crianças estão a sentir emoções fortes e difíceis. Os adultos têm a tendência de ignorar tadosUnidos.Épraticadoemhospitais,prisões e escolas de liderança. Naturalmente, surgiu a vontade de antecipar o seu ensino também às crianças e jovens. “Todas as formações indicam como possível idade de início os quatro anos, pois já têm o mínimo de funções cognitivas para fazerem a aprendizagem do Mindfulness. Mas claro “Ontem é história, amanhã é mistério, o presente é uma prenda”
  16. 16. www.paisefilhos.pt 17
  17. 17. 18 Pais&ilhos agosto2015 tema de capa Mindfulness Gonçalo Pereira exempliica algumas das téc- nicas lúdicas, trabalhadas com os mais novos. “Uma é o ‘Fofboc’, que lhes pede para se senta- rem, pararem e sentirem muito bem os pés no chão, o rabo na cadeira, as costas mais direitas e sentirem a respiração”. Outra que eles adoram é o “exercício do Malte- ser: têm que o cheirar, tocar, ouvi-lo, pô-lo na boca e sentirem o sabor, estando o tempo todo com a atenção focada no que sentem quando o estão a comer”. Uma mais “difícil” é pensarem em si próprios com muita bondade, querendo que estejam mesmo bem e felizes. Depois têm de pensar na mesma forma em relação a um amigo e, por im, relativamente a uma pessoa de quem não gostam muito. “Nos Estados Unidos, já dizem que a compaixão é o novo Mindfulness, porque os programas estão a dar cada vez mais ênfase a este lado relacional. É uma ideia importante que se passa à criança: o cuidar da felicidade do outro traz-lhe muito mais felicidade do que se se preocupasse ape- nas com a sua”. Prática é essencial Se há área em que a teoria não basta, é esta. “Só praticando é que sentimos efeitos. Não há outra hipótese!”, defende João Palma, convicto. E explica: “Está comprovado que uma prática diária de cerca de 15 minutos, ao longo de oito semanas, começa a trazer alguma transfor- mação”. Por isso, após as sessões, as crianças costumam ter sempre “trabalhos de casa”. “Na sessão seguinte tiramos dúvidas, percebemos se izeram ou não os exercícios e, se os boico- taram, qual foi a razão”. Carla Martins destaca as vantagens de toda a família estar envolvida. “Tudo pode ser otimi- zado se, no contexto familiar, os pais também praticarem. Dessa forma, após as sessões, há uma presença constante a motivar a imple- mentação e o desenvolvimento contínuo dessa forma de estar”. É o caso da família de Ilda Ferraz: “Inscrevi o nosso ilho João, após ter realizado com o meu marido um curso. Ganhei a convicção – baseada na minha própria experiência e na do pai – de que o Mindfulness é uma ferramenta poderosa para reduzir a ansiedade, aumentar o foco, incrementar a autoconsciência e o au- toconhecimento, promovendo relações intra e interpessoais mais gratiicantes. É o caminho paraobemestar,comanoçãodequeasrespos- tas estão no nosso interior e não em qualquer forma de estimulação/aquisição exterior”. Mas com uma oferta de cursos ainda escassa, como podem os pais, que não vivem nem em Lisboa nem no Porto, entrar neste universo do Mindfulness? Carla Martins deixa algumas dicas. “Sente-se num jardim e sintam o cheiro. Pergunte ao seu ilho ‘O que estás a notar?’; quando nos sentamos à mesa, reparar bem em todas as cores que estão no prato e sentir com calma o sabor de cada uma; antes de saírem de casa façam uma respiração em conjunto, Carla Martins “Com o MIndfulness, percebemos que nós não somos os nossos pensamentos. Os pensamentos vão surgindo como nuvens no céu: eles vêm e vão. O que torna um pensamento real é quando nos agarramos a ele” A melhor forma das crianças aprenderem é pelo exemplo. Por isso aventure-se e tente descobrir um pouco mais Novas ferramentas As crianças aprendem a responder de forma mais criativa a situações de agressividade Lado relacional Os programas de Mindfulness dão ênfase ao lado da bondade e da compaixão
  18. 18. www.paisefilhos.pt 19 coloquem a intenção de estarem presentes e conscientes nesse dia; ao longo do dia, faça várias pausas e vá perguntando ao seu ilho: ‘Como te estás a sentir?’; em momentos de agi- tação, pergunte-lhe: ‘Qual é a tua lorpreferida? Como é que fazemos para a cheirar? Inspira profundo, profundo e agora muito lentamente vamos expirar pela boca’. Tudo isto são exercí- cios de Mindfulness!” Abrandar e saborear Na própria forma de exercer a paternidade, é possível um toque de atenção plena. Carla Naumburg, autora do livro “Parenting in the Present Moment”, levanta o véu. Abrandar, sa- borear e fazer uma coisa de cada vez. Três con- selhossábios.Quandoabrandamos,enraizando a nossa presença no momento, a interação com os ilhos é mais agradável e luida. Observar e saborear a presença dos ilhos, mesmo que seja algo rotineiro, pode ser retemperador. Notar as diferenças na forma como brincam, sorriem, falam… porque cada momento é único e irre- petível. Treinar a capacidade de fazer apenas umacoisadecadaveztrazresultados.Seestiver a dar banho ao seu ilho, foque a sua atenção nessa ação. Não espreite para o telemóvel para ver se tem mensagens… Também no Mindfulness, a melhor forma das crianças aprenderem é pelo exemplo, por isso aventure-se e tente descobrir um pouco mais. Se coniar nas palavras de Dalai Lama – “Se for ensinada meditação às crianças de oito anos, iremos eliminar a violência do mundo numa geração” – vale a pena o desaio. PUB
  19. 19. crónica A Sedução do SER 20 Pais&ilhos agosto2015 H á um par de anos, ao ler num “blogue de mãe” as queixas de uma progenitora divorciada sobre o facto de a ilha ir passar 15 dias de férias com o pai, senti que algo estava errado, quando, os comentários eram praticamente todos no sentido de “como é que deixas?”, “eu se fosse a ti, proibia e pronto!” ou ainda “mas por que raio é que ele leva a tua ilha durante duas semanas?”. Fiquei perplexo, apesar de estar habituado a quase tudo. Acredito que para essa mãe (como para o pai da criança), a ausência da ilha fosse dura e dolorosa. Segundo entendi, a repartição do tempo beneiciava a mãe, num esquema (já serôdio em termos conceptuais) de “para o pai, um im-de-semana de 15 em 15 dias e uma quarta-feira na outra semana”, mas (talvez por isso) ela deixava percetível que “não iria aguentar”. Ela, mãe. Da criança pouco ou nada se falava. Compreendo os desabafos de uma mulher que tem sentimentos e que resolve partilhá-los com a blogosfera. Sei que é difícil a gestão das férias quando o casal está divorciado e a criança ica duas semanas (ou mais) com um e com o outro. Mas o que me chocou, neste caso, foi a ideia de que, para a blogger e para as comentaristas, o interesse da criança era algo secundário porque se sobrepunha “o direito da mãe a estar com a criança”. E com o pai? Por acaso esta criança até o tinha… Acredito que, para a mãe (habituada a ter o ilho num esquema obsoleto, antiquado e que não responde às necessidades da criança) fosse difícil aguentar 15 dias de ausência. A legislação atual, que veio estabelecer novos conceitos, em 2008, com um salto qualitativo bem grande, airma claramente que a criança tem dois progenitores e que a história de que as mães são mais importantes do que os pais (ou vice-versa) é, desculpem a crueza das palavras, uma grande treta. Desde sempre, as crianças precisam de pai e de mãe, de um modo efetivo e afetivo, designadamente nas férias, em que a relação entre pais e ilhos pode ser mais livre, mais autêntica e mais solidária. Há ainda juízes e procuradores que consideram que “os pais apenas os fazem e as mães é que os aturam”. Não é por ser homem que considero esta visão das coisas absolutamente dantesca, cientiicamente errada e socialmente inaceitável. Os pais, pelo menos muitos deles, são pais “de corpo inteiro”, dadivosos, amam os ilhos, sacriicam-se por eles, levantam-se durante a noite para os acalmar quando de um sonho mau, adormecem-nos contando histórias, dão mimo, estimulam o crescimento, aligem-se quando adoecem, estão presentes nas consultas, desde as ecograias até à vigilância da saúde infantil. Sendo claro que pais e mães têm ambos direitos e deveres iguais perante os ilhos, é ainda mais claro que as crianças têm o direito de ter um pai e uma mãe e de estar com eles. É conveniente, pois, que pais e mães se entendam, ultrapassem as suas angústias, “lambam as feridas”, não transportem para a criança as suas inseguranças e assumam que os ilhos serão tanto mais felizes quanto os pais se entenderem. Quanto ao resto, é altura de acabar com visões dicotómicas, maniqueístas ou que conduzem a um descarte de um dos progenitores, numa verdadeira alienação parental. Salvo casos extremos, do foro da Justiça ou por desinteresse de um pai ou de uma mãe (que também as há) as crianças merecem viver em responsabilidade parental conjunta e residência partilhada... incluindo nas férias. Morreu a Drª Maria Barroso, mas não morreu uma “primeira-dama”. Tal figura não existe em Portugal. Morreu uma cidadã exemplar, uma Mulher, uma Senhora, uma Dama, isso sim, com a qual tive a honra e o privilégio de partilhar ideias, preocupações, ideais e projectos. E amizade, uma grande amizade pessoal. Bem-Haja Drª Maria de Jesus, por tudo o que promoveu de bom nos que consigo aprenderam. É altura de acabar com visões dicotómicas, maniqueístas ou que conduzem a um descarte de um dos progenitores FériasMário Cordeiro [pediatra] e pais divorciados
  20. 20. www.paisefilhos.pt 21 Nada é mais precioso do que um bebé! A delicadeza da sua pele, a ternura do seu sorriso, a intensidade das suas emoções e olhar inocente, despertam Para uma necessidade diária de Foi a pensar nesta necessidade que, com o compromisso de complementares, para momentos A B I O L O G I A A O S E R V I Ç O D A P E D I A T R I A
  21. 21. 22 Pais&ilhos agosto2015 Gravidez&parto Grávida no verão [texto] Teresa Martins [ilustração] Marta Torrão
  22. 22. www.paisefilhos.pt 23 aosolEstar grávida no pico do verão pode ser cansativo, mas não é motivo para desanimar e desistir das tão merecidas férias. Damos-lhe algumas dicas para sobreviver ao calor e aproveitar melhor estes dias de descanso. O calor aperta e a sua silhueta mostra uma barriga enorme, pesada, imprópria para gran- desaventuras,desvariosounoi- tadas. Passar o mês de agosto grávida, sobretudo se for o terceiro trimestre, pode não ser a situação ideal, mas também não tem de ser um drama. O calor não é o melhor amigodagrávida,maséumajanelaabertapara dias (e noites) bastante agradáveis: pense nos vestidos leves e frescos, nos pés descalços, nas esplanadas ao im do dia, nas sestas ao ar livre, na boa disposição das pessoas à sua volta e, acima de tudo, no tempo disponível para na- morar, descansar e retemperar energias. Tudo o que precisa antes de receber nos braços o seu bebé. O resto pode ser contornado com alguns cuidados, paciência e imaginação. de barriga Chegar ao destino Férias de verão são quase sempre sinónimo de viagem.Deaviãooudecarro,paraoestrangeiro oucádentro,nãohánadamaisanimadordoque saber que vamos sair do nosso ambiente e da nossarotinaporalgumtempo.Estargrávidanão é impedimento para viajar, mas requer alguns cuidados. Apesar de não existirem contraindi- caçõesparaandardeavião,amaioriadascom- panhias aéreas tem uma política de restrição a partir da 32ª semana de gravidez para evitar o risco de parto prematuro durante o voo. Nas viagens de carro, o melhor é fazer paragens de dez minutos a cada duas horas para “esticar as pernas” e caminhar um pouco. Mesmo que não se lembre desta “regra”, é natural que a sua bexiga lhe recorde que é preciso parar amiúde, sobretudo quando a barriga já pesa! É impor- tante colocar o cinto de segurança de forma correta para não exercer demasiada pressão na barriga (a parte inferior do cinto abaixo do abdómen e a parte diagonal entre o peito). Se puder, passe a tarefa de conduzir e instale-se O calor não é o melhor amigo da grávida, mas é um janela aberta para dias (e noites) bastante agradáveis Andar de avião A maioria das companhias aéreas tem uma política de restrição a partir da 32ª semana de gravidez
  23. 23. 24 Pais&ilhos agosto2015 Fora de casa, deixe de lado as saladas. Apesar de muito apetecíveis, nesta altura do ano, é preferível não arriscar confortavelmente no banco ao lado. Peça ao condutor alguma contenção no acelerador e aproveite para relaxar, conversar e apreciar a paisagem. Cuidados com a alimentação Tal como no resto do ano, é importante manter uma alimentação equilibrada e saudável no verão. Por si e pelo bebé. Opte por peixe e carne grelhados, mas tenha em atenção que estes devem ser sempre bem passados, para evitar intoxicações e infeções alimentares. Se izer refeições fora de casa, deixe de lado as saladas. Apesar de muito apetecíveis nesta altura do ano, é preferível não arriscar, sobretudo se não forimuneàtoxoplasmose.Quemdizsalada,diz também gaspachos e fruta com casca. Opteporlegumescozidos,frutasdescascadase deixeassaladaseosgaspachosparaasrefeições feitas em casa, onde tem a certeza de que as verduras são muito bem lavadas. Assim, pode icar descansada em relação à toxoplasmose e tambémevitaoriscodeintoxicaçõesalimenta- res, que, na gravidez, podem ter consequências mais sérias. Esqueça os molhos, como a maionese, e preira temperar as saladas e os legumes com azeite. É importante ter atenção ao aumento de peso e respeitar as “proibições” ditadas pelo seu mé- dico, sobretudo se sofrer de diabetes gesta- Nascer no verão pode ser vantajoso para os bebés: as investigações realizadas nesta área mostram que as crianças nascidas em agosto e setembro são mais altas e têm uma estrutura óssea maior do que as nascidas na primavera e no inverno. Isto porque as mães receberam um maior aporte de vitamina D, através da exposição ao sol, durante o último trimestre de gravidez. Além disso, estes recém-nascidos estão menos expostos aos vírus típicos dos meses frios, pelo que adoecem menos no início de vida. A asma também parece ser menos prevalente nas crianças nascidas nos meses quentes: durante o outono e o inverno, a tendência é passar mais tempo em casa, com as janelas fechadas e o aquecimento ligado, o que faz com que o bebé esteja mais exposto a alergénios. Benefícios para o bebé Gravidez&parto Grávida no verão cional. Nesse caso, não facilite. Mas se o peso não for um problema de maior, então também haverálugarparaumououtropecado.Ainal,as fériastambémsãodeliciosasporisso.Etambém aqui,podefazerescolhasinteligentes.Evite,por exemplo, os gelados de nata, muito calóricos, e opte pelos de iogurte. Regra geral, são feitos à base de iogurte natural magro e, por isso, têm poucas calorias. Opte pelos simples, sem toppings! Para a praia, o melhor é levar fruta fresca, bem lavada e água, muita água. Evite os refrigerantes e não abuse dos sumos naturais: apesar de saudáveis, contêm açúcar e, por isso, não convém exagerar. Pele nutrida e bem protegida É natural que a pele ique mais seca durante a gravidez, um problema que se acentua ainda mais se aumentar o número de banhos por dia por causa do calor e da transpiração. Mas com um bom creme hidratante e mais aplicações por dia consegue devolver à sua pele a sensa- ção de conforto e elasticidade. Se puder, use cremes especíicos para as zonas mais críticas: antiestrias para a barriga, coxas e peito. Na praia, na piscina, no campo ou cidade, a regra número um é proteger a pele do sol. Use e abuse do protetor solar (com um índice de proteção elevado). Evite as horas mais peri- gosas (entre as 11h e as 16h) e não se exponha durante muito tempo. O ideal seria alternar 15 minutos ao sol com 15 minutos à sombra. Não se esqueça de reforçar o protetor solar, sobretudo na barriga e no rosto (para evitar o aparecimento de manchas). Também é im- portante proteger a cabeça e, hoje em dia, já não há desculpa para não usar chapéu ou boné porque existem modelos para todos os gostos. Guerra à retenção de líquidos Se tem tendência para ter as pernas inchadas e pesadas, esta é uma época complicada, pois o calor agrava a retenção de líquidos e a pres-
  24. 24. www.paisefilhos.pt 25 são nas veias. Por outro lado, as temperaturas elevadas favorecem a desidratação e a perda de minerais, o que potencia o aparecimento de cãibras. O mesmo acontece com as varizes: o verão não ajuda, sobretudo se já estiver no último trimestre de gestação. Mas é possível atenuar os incómodos. Caminhar é uma boa estratégia. Se está de férias na praia, aproveite o início ou o im do diaparafazerlongospasseiosàbeira-mar.Além de ser relaxante, ajuda a aliviar os sintomas. Hidratar também é fundamental: beba muita água e evite refrigerantes e bebidas gaseiica- das. Aumente também o consumo de frutas e verduras. Outra opção para atenuar o inchaço e a sensa- ção de peso nas pernas é a massagem. E não precisa de gastar dinheiro em terapeutas: pode pedir ao marido que lhe faça esse miminho, uma vez por dia. Para intensiicar o efeito da massagem pode usar um gel apropriado, que deixa uma sen- sação de frescura e leveza. À noite, e durante a sesta (se a izer), durma com as pernas um pouco elevadas (cerca de 20 centímetros). Duches tépidos Comocaloreasalteraçõeshormonaisénatural que transpire mais. Para não se sentir descon- fortável, opte por duches tépidos frequentes, (lembre-se de hidratar muito bem a pele após o banho). Se está no último trimestre de gravi- dez, evite os banhos de imersão, porque existe o risco de não detetar uma possível rutura da bolsa de águas. No inal da gestação, o colo do útero começa a abrir e, por isso, também são de evitar os mergulhos nas piscinas públicas, já que o risco de infeção aumenta. Uma boa forma de se re- frescar frequentemente é usar um spray de água termal. Na praia ou em casa, ajudam a evitar a sensação de pele ressequida. Pode até colocar o spray no frigoríico para reforçar a sensação de frescura. Estes sprays podem ser grandes aliados nas noites muito quentes em que é difícil adormecer. Bonita e muito confortável Esqueça os quilos a mais, não pense na silhueta que perdeu, ignore a roupa que não lhe serve. Concentre-senalindabarrigaquecarregaenos olhares e sorrisos que recebe na rua (não há quemresistaàgraciosidadedeumagrávida).Na verdade, vai ter saudades da sua barriga mais cedodoqueimagina.Porisso,maisvaleexibi-la com orgulho. Opte por roupas leves, frescas, de tecidos naturais (algodão, linho, seda…) e luidas. É essencial que se sinta confortável. Evite roupa muito justa. Os vestidos amplos, curtos ou compridos, são uma boa opção para estaalturaeajudamasuportarosdiasquentes. Provavelmente, não lhe apetece gastar muito dinheiroemroupaquesóvaiusardurantesdois ou três meses, mas também não precisa: peça algumas roupas emprestadas às suas amigas que tiveram ilhos recentemente. Assim, até tem desculpa para um telefonema e dois dedos de conversa. Além da roupa, também é importante escolher calçado confortável. Invista numas sandálias cómodas e ponha de lado os saltos altos… pelo menos por agora. O conforto deve ser a sua prioridade máxima. Caminhadas Longos passeios à beira-mar ajudam na luta contra a retenção de líquidos nas pernas
  25. 25. 26 Pais&ilhos agosto2015 gravidez&parto Cesariana [texto] Teresa Martins humanizar a A cesariana também pode ser uma experiência gratificante e não são necessários muitos esforços para minimizar a agressividade do ambiente cirúrgico. F lornasceuhátrêsanos,decesariana, numhospitalprivado,nasequência deumainduçãoàs40semanasque terminou em sofrimento fetal. As memórias que a mãe, Rita Gonçal- ves, guarda desse momento são “boas – ainal nasceu a minha ilha, certo? – mas estão longe do maravilhoso. Foi tudo muito mecanizado, não tive qualquer contacto com ela até entrar norecobro.Sóentãoapudecheirar,tocar,beijar e inalmente, dar de mamar”. Há cinco meses, Ritafoimãepelasegundaveze,apesardeFran- cisco também ter nascido de cesariana, viveu umaexperiênciacompletamentediferente.“Foi maravilhoso, não podia ter sido mais perfeito: paiàcabeceira,anestesistaaolado,enfermeiras a sorrir, só momentos felizes e boas energias para receber o meu ilho”, relembra. “Sempre, mas sempre com toques, com aconchegos, preocupação em saber se estava bem. Todos se apresentavam – ‘Olá, eu sou a enfermeira Soia, sou eu que vou receber o Francisco assim que vier ao mundo!’; ‘Olá, eu sou a pediatra que vai observar o rapagão’ – todos estavam comigo, tenho plena certeza disso. Eu e o meu bebé éra- mosaspessoasmaisimportantesdaquelasala. Mais ninguém!”. Minutos antes de Francisco nascer, o pano que impede a mãe de observar cesariana a cirurgia foi baixado para Rita ver o seu bebé a vir ao mundo. “A anestesista levantou-me a cabeçaeascostasedisse‘AquiestáoFrancisco! Este é o vosso ilho!’ e nesse preciso momento vejo rasgar a bolsa e o nosso ilho a nascer”, conta,emocionada.“Aquelasalatornou-seuma sala tão, mas tão familiar, que nos fez esquecer que de uma cirurgia se tratava...”. Enquanto a cirurgia decorria, Francisco foi colocado em cima da mãe e no instante em que ouviu a sua voz parou de chorar. “Nunca esquecerei esse momento.Nuncasentinadaassim.Aquelemo- mento foi só nosso e todos os que lá estavam izeram questão de o mostrar”. Francisco nasceu no Hospital dos Lusíadas, onde há um cuidado extremo para que as ce- sarianassejammaishumanizadasepermitam recriar, dentro do possível, a experiência de um parto normal. Porque nem todas as grávidas conseguem (ou desejam) ter um parto vaginal, mas merecem igualmente viver um momento inesquecível e gratiicante, sentindo-se apoia- das,acarinhadase,acimadetudo,respeitadas. “Quandoàindicaçãoparacesariana,estamosa fugiràquiloqueéoparto‘normal’.Nóstentamos quenestassituações,quenãosãonaturais,haja também alguns cuidados, nomeadamente no que diz respeito ao acompanhamento da mãe, Rita Gonçalves Os dois filhos de Rita nasceram de cesariana, mas o último parto foi completamente diferente do primeiro: “Não podia ter sido mais perfeito”
  26. 26. www.paisefilhos.pt 27 “Aqui está o Francisco” Rita e o marido viram o filho nascer Ao colo Enquanto a cirurgia decorria, Francisco foi colocado em cima da mãe
  27. 27. 28 Pais&ilhos agosto2015 gravidez&parto Cesariana e privilegiamos muito o relacionamento entre a mãe e o recém-nascido, para que seja feito de imediato,talcomonumpartoespontâneo”,ex- plicaAntónioFonseca,coordenadordaUnidade de Ginecologia e Obstetrícia daquele hospital, sublinhando que “tirando os casos em que há algum tipo de complicação com a mãe ou com o bebé, tudo se passa naturalmente como se o parto tivesse sido normal: o pai está sempre ao ladodagrávida,damostemponalaqueaçãodo cordão (não tem de ser imediata), o bebé ica em contacto pele a pele com a mãe...”. Por outro lado, adianta, “procuramos criar todo o apoio e suporte familiar, dentro de uma estrutura hospitalar, que é sempre agressiva. Tentamos minimizar o fosso entre o hospital e oambientedecasa.Temsidoumapreocupação nossaedetodososproissionaisquetrabalham aqui, envolvermos o mais possível o casal, pro- movendo a intervenção da família, para que a mãe se sinta apoiada”. Foi assim que Rita Gonçalves se sentiu e, por isso,garante“nãopoderiaterhavidopartomais humanizadodoqueomeueemmomentoalgum me senti menos participativa. Fui mãe naquele momento, o meu ilho nasceu e eu renasci com ele. Em pleno e mais feliz que nunca”. Mudar mentalidades Ahumanizaçãodopartotemsidoumapreocu- paçãocrescentedasmaternidadesnosúltimos anos, mas são raros os hospitais públicos onde o pai pode estar presente quando é realizada umacesariana.Asnormasrelativasaestaques- tão deixam ao critério das diferentes unidades essa possibilidade, mas pouco tem sido feito para alterar os procedimentos instalados. Há poucas semanas chegou ao Parlamento uma petiçãoparaqueospaispossamassistiracesa- rianas.Assinadapormaisdeduasmilpessoas, em pouco mais de uma semana, esta petição pretendeacabarcomaquiloqueconsiderauma “lagrante injustiça”. Se os pais podem assistir ao nascimento dos ilhos por cesariana num hospital privado, por que razão não o podem fazer na quase totalidade dos públicos? Soia Serrano, obstetra no Hospital de Faro, refere que a justiicação para que os pais não possamassistirnaquelaunidade,àsemelhança do que acontece na maioria, prende-se com o facto de se tratar de “uma cirurgia feita num bloco operatório, com risco de infeção, sendo a presença do pai um fator de risco”. Além disso, “as condições físicas do bloco nem sem- pre permitem ter mais elementos na sala, e um nascimento por cesariana tem mais risco de complicações e de ser ‘impressionante’ – está muito longe da magia do parto natural”. Contudo, sublinha, nos casos em que os hos- pitais “tenham condições físicas para permitir a presença do pai na sala operatória durante a cesariana, se a situação o permitir e se casal o desejar, era ótimo o pai poder icar à cabeceira damãe,respeitandoascondiçõeshigieno-sani- táriasnecessárias.Destaforma,poderiaassistir aonascimentodoilhoevê-lopelaprimeiravez ao mesmo tempo que a mãe”. Ainda assim, Soia Serrano lembra que “as cesarianas não ocorrem todas pelos mesmos motivoseémuitodiferentefazerumacesariana programadaporumbebéestarpélvico,emque há tempo para todos os procedimentos serem realizadoscomtranquilidade,ouumacesariana emergente quando há um sofrimento fetal e é preciso fazer o parto o mais rapidamente pos- sível para salvar a vida do bebé”. Soia Serrano No Hospital de Faro, onde exerce obstetrícia, não é possível os pais assistirem a cesarianas. Porque “nao há condições físicas” e existe um risco aumentado de infeção António Fonseca O coordenador da Unidade de Ginecologia e Obstetrícia do Hospital dos Lusíadas explica que, se não houver complicações, tudo decorre como se de um parto normal se tratasse Marta Clemente teve dois partos e duas experiências completamente diferentes: um parto normal há seis anos e uma cesariana, há poucos meses, no Hospital dos Lusíadas. “Comparando os dois, prefiro o primeiro em termos físicos, mas definitivamente o segundo no que respeita à humanização. Permitiram que tocássemos na nossa filha assim que nasceu e que ficássemos sempre juntas”. Segundos depois de ter nascido, a bebé foi colocada em cima da mãe: “Desviaram a camisa do hospital que tinha vestida e ela foi logo colocada, só com fralda, ao meu lado, apoiada no meu braço. Ficámos assim mais de três horas”. Marta, que teve o marido sempre ao lado, ficou deliciada a observar a sua filha instintivamente à procura da mama para se alimentar. “Ajudei-a a encontrar o caminho e ela começou a mamar. Depois aninhou-se e adormeceu”. Só quando saiu do recobro é que a bebé foi vestida. “Confesso que, como não tinham feito o mesmo com a mais velha, achava estranho não a vestirem. Só pensava que, como nasceu maior do que se esperava, a roupa não lhe servia. Uma enfermeira é que me explicou que promovem o contacto pele a pele”. Marta admite que a recuperação deste parto foi mais difícil do que do primeiro (parto vaginal), mas não se sente “menos mãe” pelo facto da segunda filha “ter nascido através de uma intervenção cirúrgica”. “Ficámos mais de três horas pele com pele”
  28. 28. www.paisefilhos.pt 29 Humanizar a cesariana passa, acima de tudo, por mudar mentalidades e criar condições logísticas nos hospitais Faltam condições físicas No Hospital Garcia de Orta, em Almada, “o espaço físico e a localização dos blocos ope- ratórios não reúne as condições para permitir a presença do pai na cesariana”, explica Ester Casal, diretora adjunta do serviço de obstetrí- cia, justiicando que “a acessibilidade ao bloco deve ser feita por um circuito diferente do dos proissionais de saúde e em condições que não condicionemriscosdeinfeção”.Porestemotivo, “sem obras de fundo, não vejo condições para que tal seja possível”. Outro aspeto da humanização da cesariana que ainda não é assegurado neste hospital é o contacto pele a pele entre a mãe e o recém- -nascido: “É difícil porque a temperatura dos blocos é muito instável, está muitas vezes frio e o berçário está localizado fora do bloco ope- ratório”. Só depois de vestido é que o bebé volta para perto da mãe. Na opinião de Soia Serrano, este contacto pele a pele poderá ser “perfeitamente possível, deixando o bebé no peito da mãe e cobrindo-o com lençóis aquecidos (como já se faz no parto vaginal)”. Nesta posição, defende, “o bebé não vai interferir com o prosseguir da cirurgia.” Fi- nalmente, acrescenta a obstetra – referindo-se ao que poderia ser feito para amenizar a frieza das cesarianas – “se a sala operatória assim o permitir, o bebé pode ser examinado pelo pe- diatra e vestido no mesmo local da cesariana, não saindo assim do campo de visão dos pais, e eventualmentepermitindoaopaiparticiparno processo.”Istonumasituaçãoprogramadaede baixorisco,porquenumaemergênciaocenário mudaradicalmente.Éprecisosalvaramãeouo bebé, em muito poucos minutos (cerca de oito) e não há tempo a perder. No cenário ideal, sem situações de risco nem complicações, o pai também é uma igura de pesonoparto:aquelemomento“éacontinuidade de um vínculo relacional que foi estabelecido há muito, de uma experiência que foi vivida ao longodenovemeses,entreopai,amãeeobebé”, defendeAntónioFonseca.Porisso,defendeque, acimadetudo,paraquesejapossívelhumanizar a cesariana na maioria dos hospitais “é preciso umaaberturadementalidadesecriarcondições logísticas”.“Nãoéprecisofazernadadeextraor- dinário”, mas é necessário “envolver o pai neste processo”. É esse o caminho. Pele com pele O frio do bloco operatório não tem de ser um obstáculo para o bebé ficar ao colo da mãe Pai presente O parto é a continuidade de um vínculo relacional estabelecido há muito O parto do Francisco registado pelo pai e também pela médica anestesista
  29. 29. crónica Crónicas Umbilicais 30 Pais&ilhos agosto2015 *AutoradoBlogueCocónaFralda. Sónia Morais Santos [jornalista*] com quatro ilhos F ui uma semana de férias para Paris com os meus quatro ilhos. Dois dias na Disney, como não podia deixar de ser, e três dias pela cidade do amor. Não é por nada mas acho que entre tudo o que viram e experimentaram talvez o que os tenha marcado mais tenham sido as nossas loucas viagens de metro. Sim, é porventura estranho que, da cidade Luz, eles retenham sobretudo as trevas do metropolitano. A explicação é simples. Imaginem um casal com quatro crianças. Uma delas dentro de um carrinho. Agora imaginem as carruagens a abarrotar, pessoas encostadas às portas como sardinhas em lata. E nós, em equilíbrio instável (sim, porque mesmo quando o bebé seguia ao colo nunca ninguém nos deu o lugar), a contar cabeças e a torcer para conseguirmos sair todos na próxima estação. Os próprios túneis do metro tinham “grandes” aventuras. Corredores enormes onde eles corriam (e nós a pedir que se mantivessem por perto), escadarias que obrigavam a força de braços para transportar o Mateus no carrinho, escadas rolantes onde era preciso estar de olho na Madalena e no carro do bebé, o fosso do metro à beira do qual os do meio brincavam, como se tivesse um íman. Mas, claro, Paris é Paris e eles nunca esquecem a Torre Eifel (os mais velhos já a conheciam, de outra incursão pela cidade), o Arco do Triunfo, os Champs Elysées, e todos os pontos fortes da capital francesa (que são muitos). Quando voltei, houve muita gente a perguntar como conseguimos. Como é que temos “coragem” de viajar com quatro crianças? E eu respondo: como assim, coragem? Para começo de conversa, não são quatro crianças pequenas. O Manel já tem 13 anos e, por isso, já ajuda a carregar malas, carrinhos, já pega no irmão, já olha pelos outros, já está naturalmente atento aos mais pequenos, sem que seja preciso dizer-lhe alguma coisa (é a consequência de se ter vários irmãos). O Martim também já tem dez anos, ou seja, não falamos de um bebezinho que chore para comer ou para fazer xixi de meia em meia hora. Feitas as contas, temos 50 por cento de miúdos crescidos e 50 por cento de crianças efetivas. Mas a Madalena, como senhorita que é, porta-se geralmente muito bem, exceção para uma ou outra choradeira por querer alguma coisa que não lhe demos. E o Mateus... bom, o Mateus calhou ser o bebé mais ixe do mundo, sempre bem onde quer que o ponhamos. Viajar com crianças, de resto, não tem muito que saber. É prepará-los com antecedência para as longas caminhadas, explicar que os almoços podem bem ser às quatro da tarde e em andamento, não ser demasiado stressado com coisa alguma, e pronto, a coisa faz-se bem. Se calhar se fôssemos do género certinho, unhas cortadas todas as quartas-feiras, jantar impreterivelmente às 19h e tudo na cama às 20h45 estava tudo tramado. Como não somos, nas férias temos a natural tendência para deixar rolar sem dramas. Não tomou banho? Paciência. Olha, são cinco da tarde e ainda só comemos um pão e duas peças de fruta? Azarinho, reforçamos o jantar. Agora estamos de malas aviadas para Marraquexe. Algumas amigas olham-me como se fosse choné! Marraquexe? Com as crianças todas? Até o bebé? E se ele tem uma dor de barriga? Ora essa! Qual é o problema? Porventura não há bebés em Marrocos? Minhas pessoas, as crianças não são de cristal. No dia em que perceberem isso – acreditem nesta quase-anciã – vão todos ser mais felizes. Boas viagens! Viajar com crianças não tem muito que saber. É prepará-los com antecedência para as longas caminhadas, explicar que os almoços podem ser às quatro da tarde e não ser stressado Viajar
  30. 30. www.paisefilhos.pt 31 MÁXIMA ABSORÇÃO DE XIXIS E FEZES LÍQUIDAS A fralda Dodot Sensitive oferece o máximo cuidado da Dodot para a delicada pele do recém nascido. Com tecnologias especiais: INDICADOR DE HUMIDADE CORTE ESPECIAL NA ZONA DO UMBIGO TECIDO EXTRA SUAVE 1 2 3 Agora até TAMANHO
  31. 31. [texto] Ana Soia Rodrigues [fotograia] Fotolia bebés 1000 dias 32 Pais&ilhos agosto2015 a importância
  32. 32. www.paisefilhos.pt 33 dos primeiros Do momento da conceção ao final dos dois anos de idade passam-se 1000 dias. Talvez os mais importantes da vida do seu bebé. Saiba porquê. O s primeiros 1000 dias de vida incluem os nove me- ses de gravidez e os dois primeiros anos de vida do bebé. “Trata-se de uma fase crítica de plasticidade, em que o organismo tem a capacidade de se adaptar de acordo com o ambiente que o rodeia”, esclarece a pediatra Rute Neves. E destaca: “A epigené- tica, área cientíica relativamente recente, permitiu-nos perceber como é que, apesar de herdarmos o código genético dos nossos pais, a forma como os nossos genes se expressam depende do ambiente em que vivemos nos primeiros anos. Assim, os nossos hábitos de vida nestes primeiros 1000 dias deixam marcas irreversíveis no ‘software’ do nosso organismo”. Uma correta nutrição e a criação de um vín- culo emocional forte parecem ser, assim, o melhor seguro de saúde física e mental, nas mãos de todos os pais. Aqui icam alguns cuidados essenciais a seguir. Helena Canário “Quanto mais variada for a alimentação do bebé, mais predisposição vai ter para ser um adulto saudável. Os pais devem dar o exemplo, serem pacientes, insistirem e não desistirem” Estudos indicam que uma correta nutrição e um vínculo emocional forte parecem ser o melhor seguro de saúde física e mental 1000 dias Uma correta nutrição neste período contribui paraumestadodesaúdenavidaadulta,jáque inluencia, não só, o desenvolvimento psico- motor, como constitui um fator de proteção para doenças como a obesidade, síndrome metabólico, doença cardiovascular e doença alérgica, entre outras. É ainda fundamental paraacriaçãodehábitosalimentaressaudáveis, jáqueaexperiênciacomdiferentessaborestem início na vida fetal e os hábitos alimentares se deinem essencialmente durante os primeiros dois anos de vida. “Para mim, os princípios básicos são acima de tudo moderação e bom senso”, defende a nutricionista Helena Canário. E ajuda-nos a destacar os princípios básicos a serem seguidos. Alimentação rica Duranteagravidez,deve-seterumaalimentação diversiicadaesemexcessosourestriçõesexces- sivas.“Émuitoimportantequeamãetenhauma alimentação rica em nutrientes, procurando manterumequilíbrioentreascaloriasqueingere eaenergiaquedespende.Estaédeterminanteno ganhodepesoduranteagestaçãomastambém seiráreletirnodesenvolvimentoecrescimento, bem como no peso que o bebé terá ao nascer. A grávida deve dar preferência ao consumo de legumes e frutas, tendo sempre atenção à sua proveniência e consumindo-os sempre bem la- vados. Deve consumir diariamente fontes de proteínasanimais(carne,peixe,ovos,leiteede- rivados)combinadascomasproteínasvegetais (leguminosasecereais)semprebemcozinhados. Açúcares reinados e alimentos processados devemserevitados.Éfundamentalfazersuple- mentaçãodeferro,ácidofólico,iodo,bemcomo
  33. 33. 34 Pais&ilhos agosto2015 bebés 1000 dias de outras vitaminas e minerais sempre que se justiique ou quando a alimentação não for suicientemente equilibrada e o proissional de saúde o recomende”. Até aos quatro/seis meses, a amamentação em exclusivo é preferencial. O leite materno contém os nutrientes essenciais e faz face às necessidades nutricionais do bebé. É o ali- mento completo e de excelência para esta fase. No caso de a mãe não poder (ou não querer) amamentar deve consultar o seu médico para que este possa recomendar um leite infantil que melhor se adapte ao seu bebé. “No último ano tem-se investido muito em investigação nesta área e já foram desenvolvidas fórmulas muito semelhantes (essencialmente no que diz respeito ao conteúdo de proteínas) ao leite materno,fórmulasessasquediminuemorisco de desenvolver alergias, promovem uma lora intestinal saudável e previnem o rápido ganho de peso devido ao seu baixo teor proteico”, destaca Helena Canário. A diversiicação alimentar deve ser feita de forma gradual e é necessária alguma persis- tência para que o bebé se adapte à nova forma dealimentação,bemcomoàsnovastexturase sabores. Durante esta fase é importante intro- duziroslegumes(atravésdaofertadeumpuré) queirátreinaropaladardobebéparaumnovo sabor, preferir fruta à sobremesa (crua, ralada ouesmagada)ealimentosricosemferro,como a carne, o peixe, ou uma papa infantil. É nesta idade que se criam hábitos que vão ajudar a deinir as escolhas e padrões alimentares das crianças no futuro, pelo que a dieta deve ser desde logo diversiicada, sem excesso de pro- teína, açúcares ou gorduras saturadas. Helena Canário destaca: “Quanto mais variada for a alimentação do bebé, mais predisposição vai ter para ser um adulto saudável. Estudos comprovam que as crianças que ingerem mais legumes e vegetais em pequenos são aquelas que mais consomem estes alimentos quando maisvelhos”.Ospaisdevemdar,acimadetudo, o exemplo aos mais pequenos, ser pacientes, insistirem, persistirem e não desistirem. Vinculação “Estes 1000 dias são um tempo fundador para odesenvolvimentodacriançaedascaracterís- ticas da sua personalidade individual futura. Em particular durante o primeiro ano de vida, estabelecem-se as bases da vida relacional e afetiva que irão determinar o seu percurso”, resume a psicóloga Margarida Fornelos. E reforça: “O desenvolvimento é um processo relacionalesocial,queseiniciaprecocemente, ainda antes do nascimento, a partir da rela- ção que se constrói entre a mãe e o bebé, mas que inclui o pai, irmãos e família alargada. As bases da individualidade constroem-se a partir do sentimento de coniança em si e no seu meio, pela experiência de continuidade dos afetos”. A qualidade e a harmonia afetivas Rute Neves “A forma como os nossos genes se expressam depende do ambiente em que vivemos nos primeiros anos. Os hábitos de vida nestes primeiros dias deixam marcas irreversíveis no ‘software’ do nosso organismo” Margarida Fornelos “Durante o primeiro ano de vida, estabelecem-se as bases da vida relacional e afetiva que irão determinar o percurso de vida da criança” A dieta deve ser diversificada, sem excesso de proteínas, açúcares ou gorduras saturadas
  34. 34. www.paisefilhos.pt 35 A qualidade e a harmonia afetivas são o principal fator de saúde mental ao longo da vida são, assim, o principal fator de saúde mental ao longo da vida, por isso, nestes 1000 dias, abuse dos mimos ao seu bebé. Até aos três meses a tarefa principal do desen- volvimento é a regulação dos ritmos alimen- tares e de sono/vigília, pelo que os pais devem estarespecialmenteatentosparaconseguirem interpretar os sinais do bebé e, assim, presta- rem os cuidados necessários. “A partir dos três meses, estabelecem-se os padrões individuais de vinculação. O período sensível para a vin- culação parece situar-se entre os três e os 12 meses, com um máximo entre os quatro e os seis meses”. Uma vinculação segura é funda- mental para o desenvolvimento da coniança e autoestima.“Écombasenessarelaçãoprimária e na sua qualidade, que as crianças poderão estabeleceroutrasrelaçõescomoutraspessoas signiicativas no seu meio familiar e social”. A experiência de vinculação segura na infância promove a autoestima, a autonomia e um fun- cionamento social adaptado. Ao longo destes 1000 dias, todos os esforços para criar-se um clima de afeto, intimidade e conhecimento mútuo serão recompensados. Como conclui a pediatra Rute Neves, “a forma como alimentamos física e emocionalmente os bebés neste período é essencial para que as crianças de hoje se transformem em adultos saudáveis e felizes no futuro”. A pediatra Rute Neves responde. “Sem dúvida, pois ficam marcados nos nossos genes. Dou alguns exemplos de erros frequentes que muitas vezes são feitos com as melhores das intenções. 1. Durante a gravidez é habitual que a mulher que já é obesa tente ganhar muito pouco peso. Sabemos hoje que a gravidez não é um momento para restrições. Obviamente que esta mulher deve aumentar menos de peso durante a gravidez que uma mulher magra, mas a restrição nutricional excessiva vai aumentar ainda mais o risco do seu filho sofrer de excesso de peso. 2. Ainda durante a gravidez é muito frequente as mulheres evitarem alguns alimentos por medo que os seus filhos venham a sofrer de alergias. No entanto, não há qualquer evidência que o consumo de alimentos potencialmente alergénicos aumente o risco de alergia nos filhos. Este tipo de restrições podem mesmo resultar em desequilíbrios nutricionais, tanto para a mulher como para o filho. 3. Já após o nascimento é frequente as mães acharem que têm pouco leite. O controlo da necessidade de suplementar o aleitamento materno com uma fórmula infantil deve ser sempre feito com base na pesagem da criança. Uma criança que aumente bem de peso é uma criança que recebe leite materno suficiente. 4. Após a diversificação alimentar, um dos erros mais frequentes é pensar na criança como se fosse um adulto pequeno. Na tentativa de prevenir que a criança seja obesa, alguns pais limitam o aporte de gordura e hidratos de carbono. A questão é que, ao contrário dos adultos, os estudos têm demonstrado que nesta fase da vida é essencialmente o excesso de proteína que está associada ao risco de obesidade a curto e longo prazo”. Erros nesta fase têm consequências para sempre? 1000 dias Incluem os nove meses de gravidez e os dois primeiros anos de vida do bebé Exercício É muito importante estimular a atividade física desde cedo
  35. 35. Q uando se olha para uma mãe com um bebé ao peito, percebe-se que há qualquer mistério da ordem do milagre no amamentar. Percebe-se que aquela mãe e aquele ilho estão unidos por laços tão fortes, que quase formam um escudo invisível que os protege e isola num mundo só deles. Qualquer coisa que vai muito para além de alimentar o mais pequenino. As avós sabem-no bem. Aqueles momentos em que o nosso bebé parava de mamar, para nos olhar nos olhos, sorrindo, partiu-nos o coração, ou melhor dito, encheu-o de uma paixão tão explosiva, que nada antes ou depois se lhe compara. Decidida- mente não se esquece. Não admira que agora, remetidas ao papel de observadoras, sintam ciúmes, como todos os outros que olham de fora esta relação tão potente, de que não fazem parte. Não admira que cada uma de nós, à sua maneira, e quase sem consciência do que nos move, acabe por tentar boicotar esta unidade sagrada. Numa conissão pública admito que talvez seja por isso que dou por mim a louvar os benefícios das mamadas de quatro em quatro horas, como se ao transformá-las em pequeno-almoço, almoço, lanche e jantar, e vá lá, uma ceia, esteja a reduzir este momento ao “valor” de uma refeição, e nada mais do que isso. E quantas vezes suspeito da generosidade com que sugiro que a Ana tire leite e prepare biberões, para poder sair sem a ilha, a pretexto de lhe dar mais liberdade, quando ela nunca a pediu. Nem dela sentiu falta. As gémeas, por seu lado, bombardeiam a relação intensa que passa perante os seus olhos, como podem. A Madalena, mais esporadicamente, tão maternal ela própria, agarrando-se nos momentos de insegurança ao seu próprio “ó-ó” e chucha, e respondendo a quem lhe pergunta quando os vai deixar, com um sábio “Quando estiver preparada!”, que deixa toda a gente às gargalhadas. A Carminho sofre mais, atirando borda fora todos os sinais exteriores de bebé, mas a cada passo que dá para o mundo dos crescidos, morre de medo de perder o colo da mãe. Encena teatros de uma soisticação espantosa, em que também ela tem uma “ilha” que anda a tiracolo e, claro, mama; também ela tem duas ilhas mais velhas que não gostam nada da quota parte de atenção que perderam. Pergunta à Ana: “As tuas ilhas mais velhas também estão zangadas por brincares menos com elas?” E a Ana, com uma sabedoria que me orgulha tanto, responde: “Ah, se calhar estão! Como é que a senhora faz para que não iquem zangadas?”. Ao que a Carminho/Senhora Mãe que passeia a boneca/ilha numa mochila colocada ao peito, responde: “Sento-me no chão e, com uma mão dou de mamar, e com a outra brinco com elas.” Como se fosse tão simples aplicá-la. Pobresmães,aquemninguémdeixaempazparagozaremestemilagrequeéveremumbebécrescer, tornar-se mais comunicativo, graças ao seu leite, graças ao seu amor, uma continuação dos nove meses que passou dentro de si, mas agora sob o seu olhar. Mas é graças a tudo isto que a Marta é um bebé sereno e feliz, que ri às gargalhadas quando vê as manas, que sorri para toda a gente e “fala” com quem lhe queira dar uns segundos de atenção. Ao ser o melhor do mundo para alguém, não se fecha sobre si, como anunciam os velhos do Restelo (tantas vezes nós, avós), mas pelo contrário abre-se aos outros, com a segurança de quem é profundamente amado. É bom de ver. crónica Diário de uma avó galinha 36 Pais&ilhos agosto 2015 São tão hábeis. E nós tão fracas. Sempre a trabalhar para o pódio, sempre em discreta competição com os pais, sempre aflitas de perder o lugar no coração dos nossos netos Avós com ciúmesIsabel Stilwell [jornalista] de mães que amamentam
  36. 36. www.paisefilhos.pt 37 Muitas coisas podem acordar o seu bebé, mas uma fralda húmida não será uma delas. Mais seco mais rápido. Porque tem o primeiro dente a nascer ou tem saudades suas. Há muitas razões pelas quais o seu bebé pode acordar de noite, mas com Dodot não será por culpa de uma fralda húmida. Só Dodot fica mais seca em menos tempo, proporcionando até 12 h de secura para uma noite de sono sem interrupções.
  37. 37. 38 Pais&ilhos agosto2015 [texto] Ana Soia Rodrigues [ilustração] Margarida Botelho crianças Atividades obrigatório 1 Aqui vai bomba! Piscina sem mergulhos é algo que nãofazsentidonacabeçadascrian- ças(eadultos,jáagora).Comoépos- sívelresistir?Apetecemesmodaras famosas “bombas”, os mergulhos de cabeça, as cambalhotas, os “parafusos”… Mas a verdade é quehojeemdia,namaioriadoshotéisepiscinas públicas, lá está aixado o aviso “Não mergu- lhar”.Paraquemjáfoicriança,sabemosqueesta proibiçãodeviaserproibida.Porisso,investigue e tente encontrar uma piscina onde se possa dar mergulhos à vontade e, já agora, enquanto fazer Há coisas que todas as famílias em férias deviam fazer. Pelo menos uma vez na vida! Não espere mais. Escolha uma das nossas dez propostas e aproveite. É um tempo que não se repete. ainda existem, porque não uma piscina com pranchas? Já são tão raras, que de certeza será um programa sensação. Algumas propostas: piscina oceânica de Oeiras, piscina das termas do Vimeiro, piscina municipal da Vidigueira. 2. Ficar off Nos dias de hoje, este desaio é cada vez mais difícil, mas deveria ser experimentado por todas as famílias, sobretudo em tempo de férias. Pelo menos durante um dia, nenhum dos elementos pode ter acesso a dispositivos eletrónicos. A televisão, as consolas, os tablets
  38. 38. www.paisefilhos.pt 39 Viajar As viagens em família são das memórias que mais perduram Festas populares Dançar, cantar, comprar rifas, andar de carrossel, comer um algodão doce. Quem não gosta? e até os telemóveis icam desligados. Será que conseguem?Seaquestãoforapresentadacomo umdesaiocoletivo,aumentaacompetitividade saudável entre os vários membros. Todos terão que dar asas à criatividade e perceber quão viciados estão. No inal do tempo combinado, vale a pena conversarem sobre as alternativas encontradas, sobre a forma como se sentiram e até fazer algum compromisso de mudança, para ser cumprido após as férias terminarem. 3. Mãos à obra Imagine aqueles inais de dia de maré vazia… A praiaparececrescereaúltimacoisaqueapetece é pensar em ir para casa. Nada melhor do que tentarem fazer em conjunto o maior e melhor castelo de areia de sempre. Com areia húmida, pás, baldes e outros acessórios, dê largas ao construtor que tem em si. Podem também apanhar conchas, pedras, pauzinhos e algas paraadecoração.Sejamambiciososedemorem um bom tempo nesta missão. Juntos, não vão dar pelas horas passar. No inal, a sensação de Desafio: durante um dia, desligar a televisão, as consolas, os tablets e até os telemóveis. Será que conseguem? obra feita vai deixar todos orgulhosos. Mesmo que esteja no “dia of”, pode recorrer à “velha” máquina fotográica e registar esse momento. No regresso, imprima a fotograia em papel e ofereça-a aos seus ilhos para levarem para a escola e mostrarem na sala, no primeiro dia de aulas. 4. Destino diferente Estáestudadoqueaexperiênciadeviajaréuma das que mais perduram na nossa memória. Se for em família, os efeitos secundários positivos sãoclaramentepotenciados.Conhecerumlocal completamentediferentedaqueleemquevivem émuitoenriquecedorparatodos.Paisagensfora do comum, hábitos opostos, outras maneiras de falar ou outras línguas… são ingredientes que transformam um simples passeio em algo memorável. Claro que se tiverem possibilidade de viajar para outros países, como Marrocos, Índia, México, Brasil, a aposta é certamente ganha,masmaisperto,nonossopaís,hátantos destinosaexplorar…EmAveiropodemverruas comcanais,numailhadosAçoressentirocalor daterravulcânica,noGerêstomarbanhonuma cascata, em Monsanto conhecer uma aldeia de silêncio… Planeie com alguma antecedência e leve já um roteiro de coisas diferentes para ver e viver com eles. Vão aprender mais do que em qualquer aula de Estudo do Meio ou História! 5. Divertir, divertir, divertir Numparquedediversões,qualquerumsesente criança. A música, as cores, as atrações… ofe- recem a oportunidade de as famílias passarem algumas horas, simplesmente a… divertir-se. Qualquer família deveria ter o direito de, pelo menos uma vez na vida, visitar um parque destes. Infelizmente, em Portugal, a oferta é quase inexistente. Em Penaiel, encontra-se a Magikland e, na Guia, o Zoomarine. São os exemplos mais aproximados. Mas no país vizinho, já tem várias ofertas muito interes- santes: em Sevilha, a Isla Mágica; em Madrid, o Parque Warner e o Parque de Atracciones; em Barcelona, o Port Aventura. Espreitem os sitesemconjuntoepodeserquefuncionecomo
  39. 39. 40 Pais&ilhos agosto2015 crianças Atividades 6. Banho com as estrelas Noverão,ascriançaspassamquasemaistempo dentro de água do que fora. Mas já experimen- toualgumavezdeixá-lostomarbanhonapraia à noite? Vai ver que a ideia vai ser recebida com um “sim” cheio de entusiasmo. Escolha uma noite de luar, façam um lanche ajantarado e, ao anoitecer, voltem à praia. Sem objetos de valor,nemnecessidadedeprotetorsolar,levem apenas a vontade de uma nova experiência em conjunto. Quando foi a última vez que fez uma coisa pela primeira vez? Nem imagina o poder rejuvenescedorquetem.Opteporumapraiaque tenhaalgumailuminação.Nãoseaventuremse o mar estiver revolto e mantenham-se sempre em zona “com pé”. Entrem na água de mãos dadasemergulhemaomesmotempo.Osilêncio e a dimensão da Natureza que os envolve vão icar na vossa memória. Miúdos e graúdos vão adorar boiar a ver a lua e as estrelas… Se estiverem a Sul, a 29 de agosto, informem-se sobre as praias onde ainda se festeja o “Banho 29”. Este ritual recorda a antiga tradição das populações se deslocarem à praia nesse dia e banharem-seporvoltadameia-noite.Umafesta!
  40. 40. www.paisefilhos.pt 41 objetivo para uma poupança familiar anual. Vai valer a pena! 7. Vamos ao baile? Esta é a altura das festas populares. Não há terra, por mais pequena que seja, que não se alegre, todas as noites, nos meses de julho e agosto.Oquepodeparecerumprogramapara gerações mais velhas, pode tornar-se muito divertidotambémparaosmaisnovos.Àsvezes é a primeira vez que têm a possibilidade de comprarrifas,andardecarrosseloucarrinhos de choque. As músicas alegres e divertidas convidam os pais a dançar e não é todos os diasquesepodedançaremfamília,semmedo de “fazer iguras tristes”. Com o extra de ter- minar a noite com uma gulosa fartura ou um enorme algodão doce. 8.Passeio ao luar Quando os seus ilhos pensarem que o dia já chegou ao im, faça a surpresa de um último programa. Um passeio à noite. Há empresas que organizam caminhadas guiadas para fa- mílias, mas pode arranjar uma solução mais caseira. Se estiver na cidade, escolha um tra- jeto com ciclovias e assim podem também andar de bicicleta. Pode sempre optar por um jardim. Levem as lanternas, um casaco leve e descubram as diferenças que se ouvem, observam e sentem à noite. Visitem um local conhecido por vós durante o dia e vejam o que muda a horas mais tardias. 9. Caça ao tesouro Há milhões de geocaches espalhadas pelo Mundo. O que são geocaches? São peque- nos “tesouros” escondidos, devidamente sinalizados, à espera de serem encontrados. Seja no campo, seja na cidade, é um ótimo divertimento para fazer em família. Quem experimenta, sente-se “viciado”. Em www. geocaching.com, crie uma conta gratuita. Se tiver iPhone ou Android, pode descarre- gar a aplicação oicial. Basta ter um recetor GPS, escolher a caixa que quer encontrar e partir à aventura. Pelo caminho, aproveitem com calma o percurso. Um divertimento para todas as idades. 10. Dormir numa tenda Qual é a criança que não tem o desejo de, pelo menos uma vez na vida, acampar? Não precisa de ir para um parque de campismo, caso a sua família não goste muito do “con- ceito”. O quintal ou o jardim de um amigo servem perfeitamente. Peça uma ou duas tendas emprestadas e faça o gosto aos mais pequenos. Vai ver que também se vai divertir. Sacos cama ou pequenos colchões, lanternas e alguns snacks são o suiciente para uma noite única. Deixe-os estar até tarde a contar histórias assustadoras ou anedotas. No dia seguinte até vão dormir até mais tarde, no conforto da sua cama de sempre. Qualquer família deveria ter o direito de, pelo menos uma vez na vida, visitar um parque de diversões nas férias Acampar Nem que seja no quintal de um amigo, montem as tendas e divirtam-se
  41. 41. 42 Pais&ilhos agosto2015 crónica Ser Pai e puzzles cor-de-rosa Enrique Pinto-Coelho [jornalista] A Ana tem pouco mais de três anos e já come sushi. Tive a sorte de partilhar com ela muitas refeições no último ano, e as vezes que rejeitou um prato contam-se pelos dedos das mãos. Devora cuscuz, raramente diz não à sopa e come todas as sobremesas do mundo; se gostar muito (por exemplo, gelado de chocolate), é incapaz de olhar ou responder aos interlocutores enquanto não tiver dado conta do recado. A Ana é, como costumamos dizer lá em casa, “a rainha da motricidade ina”, porque domina lápis e talheres precoce e magistralmente. Por contraste, o meu ilho Guilherme tem quatro anos e meio e, às vezes, ainda pega mal no garfo, embora a causa esteja menos nele e mais em quem insiste em meter-lhe a comidinha na boca a estas alturas... A Ana parece decalcada da menina de rabo-de-cavalo preto e sorriso esticado que aparece no genérico de “O Meu Vizinho Totoro”, ilme japonês de animação protagonizado por uma espécie de peluche gigante. Ela e o Gui costumam sentar-se a ver o arquivo de “anime” em espanhol, porque ele é bilingue e a Ana não só não desgosta como dá cada vez mais a impressão de compreender tudo o que dizem, apesar de nunca ter aprendido castelhano. De facto, quando é autorizada a ver desenhos animados (ou “bonecos, quero boneeeecos!”, como tende a repetir até à exaustão geral), pouco importa a língua em que se expressam, porque ela papa tudo o que houver. Caso a deixassem, faria maratonas de Mickey Mouse, Jake, Princesa Soia, Doutora Brinquedos e quaisquer outras séries disponíveis, em quaisquer formatos. A Ana adora tirar a roupa e ir a abrir pelo corredor para mostrar a sua nudez, mas detesta vestir-se e foge, vezes sem conta, quando tentamos eniar-lhe umas calças ou umas sapatilhas. A sua cor preferida é o rosa – nada original numa menina, é certo, mas acredito que poucas crianças no mundo levam tão a peito e vestem com tanta convicção as cores de eleição como ela. Recentemente, tornou-se uma máquina de fazer puzzles. Aproveitou, e bem, a coleção semi- -herdada do Gui e agora faz e desfaz, reconstrói e volta a destruir por toda a casa, com os seus dedos inos e hábeis, as imagens fragmentadas dos ícones infantis. Também gosta muito de desenhar, claro – algumas paredes que o digam; de colar adesivos nos móveis e portas; de fazer iguras de plasticina que nascem frescas e brilhantes e morrem escuras e secas, com cabelos e migalhas à mistura; e de icar a olhar-se no espelho, sobretudo se tiver bigodes de leite a seguir ao pequeno-almoço. A Ana e eu tivemos (de vez em quando ainda temos) as nossas desavenças, pequenos e recíprocos problemas de adaptação geralmente ultrapassados sem demasiados esforços. Hoje somos quase inseparáveis. Há uns dias fomos fotografados numa esplanada lisboeta, ao lado de um veado de papelão. Eu estou por baixo, ela a ombros, e na primeira imagem da sequência a minha cara está tapada por uma saia lorida. Na segunda, ambos sorrimos e a saia transforma- -se num turbante sobre o meu cabelo e barba, o que me confere um exótico ar oriental. A foto só tem umas horas, mas já é das minhas preferidas. A Ana foi, porventura, a conquista feminina mais difícil da minha conturbada carreira, e ainda bem: as mais exigentes são, muitas vezes, as mais duradouras. . A Ana parece decalcada da menina de rabo-de-cavalo preto e sorriso esticado que aparece no genérico de “O Meu Vizinho Totoro”, filme japonês de animação Sushi, “anime”
  42. 42. 44 Pais&ilhos agosto2015 adolescentes Férias sozinhos [texto] Soia Castelão [Fotograia] Fotolia primeiras férias sem os pais
  43. 43. www.paisefilhos.pt 45 Para os filhos é uma aventura, cheia de expectativas, emoções e novas experiências. Para quem fica, este voo desacompanhado causa um misto de orgulho – “que grandes!” – e de preocupação – “será que vai correr tudo bem?”. A boa notícia é que quase sempre corre tudo bem. E, no regresso a casa, todos estão mais crescidos. M arianatem“12anosemeio”, como gosta de lembrar, e está a fazer as malas para passar uma semana em Espanha. Cavaleira juvenil federada, vai participar num campo de verão organizado pela sua escola de equitação e por uma congénere na zona de Toledo. É a primeira vez que sai de férias sem os pais ou os avós e a mãe,SandraViana,escondemalapreocupação. “Ela é responsável, vai com algumas amigas e dois professores, acredito que lá existe segu- rança e, principalmente, vai aprender coisas novas e divertir-se. Mas não estou completa- mente descansada. Se fosse possível, ia com ela!”, confessa. Depois de anos de férias em família ou com amigos próximos, chega a altura de dar o passo seguinte: os primeiros dias fora sem pais, avós, tios ou adultos “de todos os dias”, como diz Mariana.Apré-adolescenteestáentusiasmada, “até me pediu para lhe ensinar frases em espa- nhol”, sorri a mãe que, até ao momento, apenas a via sair “no máximo por dois dias, para ir a competições. Já sei que agora vai ser assim, é uma questão de habituação…” admite. Evolução em família “A primeira vez que uma criança ou um jovem vãodefériasforadouniversoprotetordafamília marca o início de uma etapa importante no seu processo de autonomização. Antes desse momento, a exploração e conhecimento do ‘mundo’ eram feitos com a segurança da pre- sença de adultos signiicantes. No momento em que esses adultos não estão presentes, é todo um novo conjunto de desaios que se co- locam”. Quem o airma é o psicólogo Mauro Paulino, para quem esta é uma oportunidade imperdível tanto para os ilhos como para os pais. No caso dos primeiros, estarem mais en- tregues a si mesmos num ambiente estranho “ajuda a aumentar as competências sociais e a perceberqueexistemoutrosmodelosdefuncio- namento de grupo, outras dinâmicas e outros conjuntos de regras e limites para além do seu quotidiano habitual. Também é importante para a aquisição de ferramentas para lidar com a conlitualidade, gerir a frustração e procurar consensos. E é tudo isso que os ajuda a crescer”, refere o mesmo especialista. Já para os adultos, “o tempo em que os ilhos Férias sem os pais são importantes para lidar com a conflitualidade e com a frustração e para procurar consensos. É assim que crescem

×