SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 26
Baixar para ler offline
TERAPIA FAMILIAR SISTÊMICA
Profa Marcela Hiluany
“O ancestral de toda ação é um
pensamento”
Ralph Waldo Emerson, Ensaios, Primeira Série, 1941
Então....
começemos por pensar ...
O que é família?
Significado de Família segundo o Dicionário on line. Disponível em
https://www.dicio.com.br/familia/
Grupo das pessoas que compartilham a mesma casa, especialmente os pais, filhos, irmãos
etc.
Pessoas que possuem relação de parentesco.
Pessoas cujas relações foram estabelecidas pelo casamento, por filiação ou pelo processo
de adoção.
Grupo de pessoas que compartilham os mesmos antepassados.
[Figurado] Grupo de indivíduos ligados por hábitos, costumes, comportamentos ou
interesses oriundos de um mesmo local.
Grupo de indivíduos com qualidades ou particularidades semelhantes.
ONU está preocupada com projeto de lei que define conceito de família...
ONU no Brasil disse estar acompanhando “com preocupação” a tramitação, no Congresso
Nacional, da Proposição Legislativa que institui o Estatuto da Família (PL 6583/2013),
especialmente quanto ao conceito de família e “seus impactos para o exercício dos direitos
humanos”.
Citando tratados internacionais, a ONU disse por meio de uma nota ser importante assegurar
que outros arranjos familiares, além do formado por casal heteroafetivo, também sejam
igualmente protegidos como parte dos esforços para eliminar a discriminação. Entre os
demais arranjos, a Organização citou o unipessoal, casal com filhos, casal sem filhos,
mulher/homem sem cônjuge e com filhos, casais homoafetivos com ou sem filhos.
“Negar a existência destas composições familiares diversas, para além de violar os tratados
internacionais, representa uma involução legislativa”, disse a ONU por meio do comunicado.
Disponível em https://ibdfam.jusbrasil.com.br/noticias/249307663/onu-esta-preocupada-com-projeto-de-lei-
que-define-conceito-de-familia
Então....
começemos por pensar nas famílias...
Então....
começemos por pensar nas famílias...
Então....
começemos por pensar nas famílias...
Então....
começemos por pensar nas famílias...
Então....
Pense na sua família...
TERAPIA FAMILIAR SISTÊMICA
Unidade 1 | O pensamento sistêmico: novo paradigma da ciência, teoria e prática
1.1 – Pensamento sistêmico
1.2 - Escolas de terapia familiar: do surgimento às
escolas de 1ª e 2ª ordem
1.3 - Terapias narrativas e práticas psicossociais
Unidade 2 | O estudo das famílias, seus contextos e redes sociais
2.1 - A família em estudo
2.2 - Contextos e eventos que afetam a vida familiar
2.3 - Redes sociais e famílias
Unidade 3 | Terapia familiar na prática
3.1 - Ferramentas clínicas
3.2 - Compreendendo a família
3.3 - Trabalhando com a família
Unidade 4 | O profissional como parte do sistema terapêutico
4.1 - Postura profissional
4.2 - Etapas e cuidados
4.3 - Modalidades de terapias sistêmicas
1.1 PENSAMENTO SISTÊMICO
Comecemos pelo entendimento sobre PARADIGMA
Paradigma Científico: “toda a constelação de crenças, valores,
técnicas, etc..., partilhadas pelos membros de uma comunidade
determinada”. Kuhn (1998, p. 218)
Paradigma Social: um conjunto de entendimentos, valores,
compreensões e ações compartilhadas por um determinado
grupo, formatando assim uma visão singular da realidade que
constitui a maneira de organizar uma comunidade. Capra
(2000)
1.1 PENSAMENTO SISTÊMICO
Comecemos pelo entendimento sobre PARADIGMA
Paradeigma, do grego – significa modelo, padrão
A questão dos paradigmas
Filme de Joel Barker
Disponível em
https://www.youtube.com/watch?v=vod2O3TF-L4
1.1 PENSAMENTO SISTÊMICO
1. Reflita sobre a forma como se sentiu quando teve que iniciar as
aulas on line devido a pandemia
2. Tente identificar outros momentos em que ficou incomodado
com mudanças na sua vida no último ano?
3. Tente identificar como ficou incomodado com algo novo
apresentado pela sociedade, divulgado pela redes e mídias sociais
4. O que nos impede de aceitar novas idéias?
1.1 PENSAMENTO SISTÊMICO
Paradigmas na Idade Média
Antiguidade até meados do século XV
Paradigmas na Idade Moderna
Século XV ao final século XIX
Paradigmas na Pós-Modernidade
Desde o século XX
1.1 PENSAMENTO SISTÊMICO
Paradigmas
na Idade
Média
Paradigma religioso
Método - divino
Os fenômenos eram reconhecidos sobre o enfoque do divino
Os princípios e valores referiam-se a vida em comunidade
(pequenas e dependentes entre si para sobrevivência)
a vida em comunidade, lembrando que, na época, as
comunidades eram pequenas, unidas e relacionavam os
fenômenos materiais
1.1 PENSAMENTO SISTÊMICO
Paradigmas
na
Modernida
de
Paradigma Cientifico
Entramos na era dos descobrimentos, ampliamos o mundo então
conhecido
O método é a ciência e o tripé do conhecimento é:
Simplicidade ( isolamento do objeto)
Estabilidade (verdades para tudo e todos)
Objetividade (entende com neutralidade a existência do
observador/pesquisador)
1.1 PENSAMENTO SISTÊMICO
Paradigmas
na
Modernida
de
Paradigma Cientifico
Entramos na era dos descobrimentos, ampliamos o mundo então
conhecido
O método é a ciência e o tripé do conhecimento é:
Simplicidade ( isolamento do objeto)
Estabilidade (verdades para tudo e todos)
Objetividade (entende com neutralidade a existência do
observador/pesquisador)
1.1 PENSAMENTO SISTÊMICO
Paradigmas
na Pós-
Modernida
de
Paradigma da Relatividade
Saímos da era do ser e entramos na era do estar
O método é o questionamento e o tripé é transformado em:
Complexidade ( interpelações dos objetos)
Intabilidade (verdades são contestadas o tempo todo)
Subjetividade (o observador/pesquisador interfere no
conhecimento)
1.1 PENSAMENTO SISTÊMICO
Paradigmas
na Pós-
Modernida
de
1.1 PENSAMENTO SISTÊMICO
Paradigmas
na Pós-
Modernida
de
1.1 PENSAMENTO SISTÊMICO
O que denominamos atualmente de paradigma sistêmico:
Não existe uma verdade absoluta e universal.
O todo é maior que a soma das partes isoladas.
O observador influencia no fenômeno observado.
O conhecimento é construído socialmente e intermediado pela
linguagem.
1.1 PENSAMENTO SISTÊMICO
O que denominamos atualmente de paradigma sistêmico:
O conhecimento é acessível a quem se dispuser ao diálogo, à
intersubjetividade e à conversação, levando em conta a
complexidade do mundo em que vivemos.
Conhecer é buscar significados que possam ser compartilhados.
Não é possível uma representação do mundo como espelho da
natureza.
1.1 PENSAMENTO SISTÊMICO
Saímos do UNIverso e entramos no MULTIverso.
Deixamos de fazer afirmações e passamos a fazer perguntas
Os critérios para validação de um conhecimento não mais se
baseiam na lei da ciência apenas mas se apoiam no diálogo,
consenso e na ética.
1.1 PENSAMENTO SISTÊMICO
Assim, segundo Boff (1997, p. 95),
“a ética nos possibilita a ousadia de assumir,
com responsabilidade, novas posturas, de
projetar novos valores, não por modismo, mas
como serviço a moradia humana”.
Ética (duradoura e abrangente)
Moral (temporária, localizada, variável)
Referência Bibliográfica
Cortela, Mario Sergio. Barros Filho, Clovis de. Ética e vergonha na cara. SP. Editora Papirus.
2014
Myers, David G. Psicologia Social.10ª ed. SP. Artmed. 2014
CABRAL, João Francisco Pereira. As ideias de Michel de Montaigne. Disponível em:
https://brasilescola.uol.com.br/filosofia/as-ideias-michel-montaigne.htm. Acesso em 08 de julho de
2019.

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a 2. TER FAMILIAR SIST-Introdução ao Sistêmico.pdf

A evolução, multideterminação e processo grupal- psicologia social1
A evolução, multideterminação e processo grupal- psicologia social1A evolução, multideterminação e processo grupal- psicologia social1
A evolução, multideterminação e processo grupal- psicologia social1
Daniele Rubim
 
Herculano pires obsessão - o passe - a doutrinação
Herculano pires   obsessão - o passe - a doutrinaçãoHerculano pires   obsessão - o passe - a doutrinação
Herculano pires obsessão - o passe - a doutrinação
EWALDO DE SOUZA
 
ANAIS: COLÓQUIO INTERNACIONAL INTERFACES DO IMAGINÁRIO: EDUCAÇÃO, CINEMA E RE...
ANAIS: COLÓQUIO INTERNACIONAL INTERFACES DO IMAGINÁRIO: EDUCAÇÃO, CINEMA E RE...ANAIS: COLÓQUIO INTERNACIONAL INTERFACES DO IMAGINÁRIO: EDUCAÇÃO, CINEMA E RE...
ANAIS: COLÓQUIO INTERNACIONAL INTERFACES DO IMAGINÁRIO: EDUCAÇÃO, CINEMA E RE...
DafianaCarlos
 
Relatório final de pesquisa
Relatório final de pesquisaRelatório final de pesquisa
Relatório final de pesquisa
Romario Sousa
 
Aula-5-processo-de-socializacao-e-instituicoes-sociais.pptx
Aula-5-processo-de-socializacao-e-instituicoes-sociais.pptxAula-5-processo-de-socializacao-e-instituicoes-sociais.pptx
Aula-5-processo-de-socializacao-e-instituicoes-sociais.pptx
ssuser132405
 
Aula de revisão de conteúdo – 7º ano
Aula de revisão de conteúdo – 7º anoAula de revisão de conteúdo – 7º ano
Aula de revisão de conteúdo – 7º ano
roberto mosca junior
 

Semelhante a 2. TER FAMILIAR SIST-Introdução ao Sistêmico.pdf (20)

Sociologia - Durkheim
Sociologia - Durkheim  Sociologia - Durkheim
Sociologia - Durkheim
 
Abordagens sociopolíticas da educação
Abordagens sociopolíticas da educaçãoAbordagens sociopolíticas da educação
Abordagens sociopolíticas da educação
 
Da necessidade de um pensamento complexo
Da necessidade de um pensamento complexoDa necessidade de um pensamento complexo
Da necessidade de um pensamento complexo
 
Introduzindo a sociologia.ppt
Introduzindo a sociologia.pptIntroduzindo a sociologia.ppt
Introduzindo a sociologia.ppt
 
A evolução, multideterminação e processo grupal- psicologia social1
A evolução, multideterminação e processo grupal- psicologia social1A evolução, multideterminação e processo grupal- psicologia social1
A evolução, multideterminação e processo grupal- psicologia social1
 
Cultura e sociedade
Cultura e sociedadeCultura e sociedade
Cultura e sociedade
 
Cultura e sociedade
Cultura e sociedadeCultura e sociedade
Cultura e sociedade
 
Cultura e sociedade
Cultura e sociedadeCultura e sociedade
Cultura e sociedade
 
Jonh Dewey
Jonh DeweyJonh Dewey
Jonh Dewey
 
Herculano pires obsessão - o passe - a doutrinação
Herculano pires   obsessão - o passe - a doutrinaçãoHerculano pires   obsessão - o passe - a doutrinação
Herculano pires obsessão - o passe - a doutrinação
 
ANAIS: COLÓQUIO INTERNACIONAL INTERFACES DO IMAGINÁRIO: EDUCAÇÃO, CINEMA E RE...
ANAIS: COLÓQUIO INTERNACIONAL INTERFACES DO IMAGINÁRIO: EDUCAÇÃO, CINEMA E RE...ANAIS: COLÓQUIO INTERNACIONAL INTERFACES DO IMAGINÁRIO: EDUCAÇÃO, CINEMA E RE...
ANAIS: COLÓQUIO INTERNACIONAL INTERFACES DO IMAGINÁRIO: EDUCAÇÃO, CINEMA E RE...
 
Relatório final de pesquisa
Relatório final de pesquisaRelatório final de pesquisa
Relatório final de pesquisa
 
WEBAULAS - Terapia Familiar Sistêmica - Cap 1.pdf
WEBAULAS - Terapia Familiar Sistêmica - Cap 1.pdfWEBAULAS - Terapia Familiar Sistêmica - Cap 1.pdf
WEBAULAS - Terapia Familiar Sistêmica - Cap 1.pdf
 
Cultura e sociedade
Cultura e sociedadeCultura e sociedade
Cultura e sociedade
 
Aula-5-processo-de-socializacao-e-instituicoes-sociais.pptx
Aula-5-processo-de-socializacao-e-instituicoes-sociais.pptxAula-5-processo-de-socializacao-e-instituicoes-sociais.pptx
Aula-5-processo-de-socializacao-e-instituicoes-sociais.pptx
 
Cultivando Consciência Ecológica
Cultivando Consciência EcológicaCultivando Consciência Ecológica
Cultivando Consciência Ecológica
 
O conhecimento filosófico
O conhecimento filosóficoO conhecimento filosófico
O conhecimento filosófico
 
Educação e Regras de Ética
Educação e Regras de ÉticaEducação e Regras de Ética
Educação e Regras de Ética
 
Fundamentos de Sociologia Unidade I
Fundamentos de Sociologia Unidade IFundamentos de Sociologia Unidade I
Fundamentos de Sociologia Unidade I
 
Aula de revisão de conteúdo – 7º ano
Aula de revisão de conteúdo – 7º anoAula de revisão de conteúdo – 7º ano
Aula de revisão de conteúdo – 7º ano
 

Último

ATLAS DE FOTOGRAMETRIA FORENSE - EEPHCFMUSP .pdf
ATLAS DE FOTOGRAMETRIA FORENSE - EEPHCFMUSP .pdfATLAS DE FOTOGRAMETRIA FORENSE - EEPHCFMUSP .pdf
ATLAS DE FOTOGRAMETRIA FORENSE - EEPHCFMUSP .pdf
WendelldaLuz
 

Último (8)

aula de Me enxergou na minha tormenta Me livrou em meus problemas Transformou...
aula de Me enxergou na minha tormenta Me livrou em meus problemas Transformou...aula de Me enxergou na minha tormenta Me livrou em meus problemas Transformou...
aula de Me enxergou na minha tormenta Me livrou em meus problemas Transformou...
 
ATIVIDADE 1 - FSCE - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II - 52_2024.pdf
ATIVIDADE 1 - FSCE - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II - 52_2024.pdfATIVIDADE 1 - FSCE - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II - 52_2024.pdf
ATIVIDADE 1 - FSCE - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II - 52_2024.pdf
 
Slides-trabalho-biossegurança em hospitais.pptx
Slides-trabalho-biossegurança em hospitais.pptxSlides-trabalho-biossegurança em hospitais.pptx
Slides-trabalho-biossegurança em hospitais.pptx
 
Protocolo Zero Rugas - formato digital01
Protocolo Zero Rugas - formato digital01Protocolo Zero Rugas - formato digital01
Protocolo Zero Rugas - formato digital01
 
anemia ferropriva e megaloblástica FINAL.pptx
anemia ferropriva e megaloblástica FINAL.pptxanemia ferropriva e megaloblástica FINAL.pptx
anemia ferropriva e megaloblástica FINAL.pptx
 
Humanização na Enfermagem: o que é e qual a importância?
Humanização na Enfermagem: o que é e qual a importância?Humanização na Enfermagem: o que é e qual a importância?
Humanização na Enfermagem: o que é e qual a importância?
 
Treinamento Básico em Primeiros Socorros.ppt
Treinamento Básico em Primeiros Socorros.pptTreinamento Básico em Primeiros Socorros.ppt
Treinamento Básico em Primeiros Socorros.ppt
 
ATLAS DE FOTOGRAMETRIA FORENSE - EEPHCFMUSP .pdf
ATLAS DE FOTOGRAMETRIA FORENSE - EEPHCFMUSP .pdfATLAS DE FOTOGRAMETRIA FORENSE - EEPHCFMUSP .pdf
ATLAS DE FOTOGRAMETRIA FORENSE - EEPHCFMUSP .pdf
 

2. TER FAMILIAR SIST-Introdução ao Sistêmico.pdf

  • 2. “O ancestral de toda ação é um pensamento” Ralph Waldo Emerson, Ensaios, Primeira Série, 1941
  • 3. Então.... começemos por pensar ... O que é família?
  • 4. Significado de Família segundo o Dicionário on line. Disponível em https://www.dicio.com.br/familia/ Grupo das pessoas que compartilham a mesma casa, especialmente os pais, filhos, irmãos etc. Pessoas que possuem relação de parentesco. Pessoas cujas relações foram estabelecidas pelo casamento, por filiação ou pelo processo de adoção. Grupo de pessoas que compartilham os mesmos antepassados. [Figurado] Grupo de indivíduos ligados por hábitos, costumes, comportamentos ou interesses oriundos de um mesmo local. Grupo de indivíduos com qualidades ou particularidades semelhantes.
  • 5. ONU está preocupada com projeto de lei que define conceito de família... ONU no Brasil disse estar acompanhando “com preocupação” a tramitação, no Congresso Nacional, da Proposição Legislativa que institui o Estatuto da Família (PL 6583/2013), especialmente quanto ao conceito de família e “seus impactos para o exercício dos direitos humanos”. Citando tratados internacionais, a ONU disse por meio de uma nota ser importante assegurar que outros arranjos familiares, além do formado por casal heteroafetivo, também sejam igualmente protegidos como parte dos esforços para eliminar a discriminação. Entre os demais arranjos, a Organização citou o unipessoal, casal com filhos, casal sem filhos, mulher/homem sem cônjuge e com filhos, casais homoafetivos com ou sem filhos. “Negar a existência destas composições familiares diversas, para além de violar os tratados internacionais, representa uma involução legislativa”, disse a ONU por meio do comunicado. Disponível em https://ibdfam.jusbrasil.com.br/noticias/249307663/onu-esta-preocupada-com-projeto-de-lei- que-define-conceito-de-familia
  • 10. Então.... Pense na sua família...
  • 11. TERAPIA FAMILIAR SISTÊMICA Unidade 1 | O pensamento sistêmico: novo paradigma da ciência, teoria e prática 1.1 – Pensamento sistêmico 1.2 - Escolas de terapia familiar: do surgimento às escolas de 1ª e 2ª ordem 1.3 - Terapias narrativas e práticas psicossociais Unidade 2 | O estudo das famílias, seus contextos e redes sociais 2.1 - A família em estudo 2.2 - Contextos e eventos que afetam a vida familiar 2.3 - Redes sociais e famílias Unidade 3 | Terapia familiar na prática 3.1 - Ferramentas clínicas 3.2 - Compreendendo a família 3.3 - Trabalhando com a família Unidade 4 | O profissional como parte do sistema terapêutico 4.1 - Postura profissional 4.2 - Etapas e cuidados 4.3 - Modalidades de terapias sistêmicas
  • 12. 1.1 PENSAMENTO SISTÊMICO Comecemos pelo entendimento sobre PARADIGMA Paradigma Científico: “toda a constelação de crenças, valores, técnicas, etc..., partilhadas pelos membros de uma comunidade determinada”. Kuhn (1998, p. 218) Paradigma Social: um conjunto de entendimentos, valores, compreensões e ações compartilhadas por um determinado grupo, formatando assim uma visão singular da realidade que constitui a maneira de organizar uma comunidade. Capra (2000)
  • 13. 1.1 PENSAMENTO SISTÊMICO Comecemos pelo entendimento sobre PARADIGMA Paradeigma, do grego – significa modelo, padrão A questão dos paradigmas Filme de Joel Barker Disponível em https://www.youtube.com/watch?v=vod2O3TF-L4
  • 14. 1.1 PENSAMENTO SISTÊMICO 1. Reflita sobre a forma como se sentiu quando teve que iniciar as aulas on line devido a pandemia 2. Tente identificar outros momentos em que ficou incomodado com mudanças na sua vida no último ano? 3. Tente identificar como ficou incomodado com algo novo apresentado pela sociedade, divulgado pela redes e mídias sociais 4. O que nos impede de aceitar novas idéias?
  • 15. 1.1 PENSAMENTO SISTÊMICO Paradigmas na Idade Média Antiguidade até meados do século XV Paradigmas na Idade Moderna Século XV ao final século XIX Paradigmas na Pós-Modernidade Desde o século XX
  • 16. 1.1 PENSAMENTO SISTÊMICO Paradigmas na Idade Média Paradigma religioso Método - divino Os fenômenos eram reconhecidos sobre o enfoque do divino Os princípios e valores referiam-se a vida em comunidade (pequenas e dependentes entre si para sobrevivência) a vida em comunidade, lembrando que, na época, as comunidades eram pequenas, unidas e relacionavam os fenômenos materiais
  • 17. 1.1 PENSAMENTO SISTÊMICO Paradigmas na Modernida de Paradigma Cientifico Entramos na era dos descobrimentos, ampliamos o mundo então conhecido O método é a ciência e o tripé do conhecimento é: Simplicidade ( isolamento do objeto) Estabilidade (verdades para tudo e todos) Objetividade (entende com neutralidade a existência do observador/pesquisador)
  • 18. 1.1 PENSAMENTO SISTÊMICO Paradigmas na Modernida de Paradigma Cientifico Entramos na era dos descobrimentos, ampliamos o mundo então conhecido O método é a ciência e o tripé do conhecimento é: Simplicidade ( isolamento do objeto) Estabilidade (verdades para tudo e todos) Objetividade (entende com neutralidade a existência do observador/pesquisador)
  • 19. 1.1 PENSAMENTO SISTÊMICO Paradigmas na Pós- Modernida de Paradigma da Relatividade Saímos da era do ser e entramos na era do estar O método é o questionamento e o tripé é transformado em: Complexidade ( interpelações dos objetos) Intabilidade (verdades são contestadas o tempo todo) Subjetividade (o observador/pesquisador interfere no conhecimento)
  • 22. 1.1 PENSAMENTO SISTÊMICO O que denominamos atualmente de paradigma sistêmico: Não existe uma verdade absoluta e universal. O todo é maior que a soma das partes isoladas. O observador influencia no fenômeno observado. O conhecimento é construído socialmente e intermediado pela linguagem.
  • 23. 1.1 PENSAMENTO SISTÊMICO O que denominamos atualmente de paradigma sistêmico: O conhecimento é acessível a quem se dispuser ao diálogo, à intersubjetividade e à conversação, levando em conta a complexidade do mundo em que vivemos. Conhecer é buscar significados que possam ser compartilhados. Não é possível uma representação do mundo como espelho da natureza.
  • 24. 1.1 PENSAMENTO SISTÊMICO Saímos do UNIverso e entramos no MULTIverso. Deixamos de fazer afirmações e passamos a fazer perguntas Os critérios para validação de um conhecimento não mais se baseiam na lei da ciência apenas mas se apoiam no diálogo, consenso e na ética.
  • 25. 1.1 PENSAMENTO SISTÊMICO Assim, segundo Boff (1997, p. 95), “a ética nos possibilita a ousadia de assumir, com responsabilidade, novas posturas, de projetar novos valores, não por modismo, mas como serviço a moradia humana”. Ética (duradoura e abrangente) Moral (temporária, localizada, variável)
  • 26. Referência Bibliográfica Cortela, Mario Sergio. Barros Filho, Clovis de. Ética e vergonha na cara. SP. Editora Papirus. 2014 Myers, David G. Psicologia Social.10ª ed. SP. Artmed. 2014 CABRAL, João Francisco Pereira. As ideias de Michel de Montaigne. Disponível em: https://brasilescola.uol.com.br/filosofia/as-ideias-michel-montaigne.htm. Acesso em 08 de julho de 2019.