SlideShare uma empresa Scribd logo

Aula intertextualidade.pptx

Estudo

1 de 33
Baixar para ler offline
Aula intertextualidade.pptx
não são indiferentes uns aos
Os enunciados
outros, nem auto-suficientes; são mutuamente
conscientes e refletem um ao outro. Cada enunciado é
pleno de ecos e reverberações de outros
enunciados, com os quais se relaciona pela comunhão
da esfera da comunicação verbal [...]. Cada enunciado
refuta, confirma, complementa e depende dos outros;
pressupõe que já são conhecidos, e de alguma forma
os leva em conta.
reverberação – repercussão.
refutar – contestar, contradizer.
Bakhtin. Mikhail. Estética da criação verbal. 2ª ed.
São Paulo: Martins Fontes, 1997
O texto redistribui a língua. Uma das vias dessa
reconstrução é a de permutar textos,
existiriam ou existem ao redor do
que
texto
considerado, e, por fim, dentro dele mesmo; todo
texto é um intertexto; outros textos estão
presentes nele, em níveis variáveis, sob formas
mais ou menos reconhecíveis.
Barthes (1974, apud Koch, 2007)
● Intertextualidade Estrutural
Consiste no emprego de modelos pré-existentes para
a produção de textos.
• Receita 🢥 enumeração de ingredientes+ preparo;
• Gibi 🢥 sequência de quadrinhos com falas de
personagens em balões;
•Soneto 🢥 poema composto por dois quartetos e
dois tercetos.
● Intertextualidade Temática
Consiste na abordagem de um mesmo assunto.
•Uma tela que retrate uma paisagem marinha e um
texto que descreva uma paisagem marinha;
• Um filme e a crítica do filme;
• Dois romances que tratem o mesmo tema.
● Intertextualidade Referencial
Consiste na citação de outros textos ou na alusão a
eles.
•Freud denominando a inclinação erótica de
um filho pela mãe de “Complexo de
Édipo”, numa referência à tragédia grega.

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a Aula intertextualidade.pptx

Introdução ao estudo da literatura
Introdução ao estudo da literaturaIntrodução ao estudo da literatura
Introdução ao estudo da literaturaFlavio Maia Custodio
 
27207.pptx
27207.pptx27207.pptx
27207.pptxRecyda1
 
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, segunda aula de cábulas
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, segunda aula de cábulasApresentação para décimo segundo ano de 2016 7, segunda aula de cábulas
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, segunda aula de cábulasluisprista
 
Figuras de linguagem
Figuras de linguagemFiguras de linguagem
Figuras de linguagemISJ
 
Figuras de linguagem
Figuras de linguagemFiguras de linguagem
Figuras de linguagemISJ
 
Figuras de linguagem
Figuras de linguagemFiguras de linguagem
Figuras de linguagemrecursostec
 
Figuras de Linguagem
Figuras de LinguagemFiguras de Linguagem
Figuras de LinguagemDaniele Silva
 
Intertextualidade eproinfo _
Intertextualidade eproinfo _Intertextualidade eproinfo _
Intertextualidade eproinfo _Daniel Venâncio
 
Figuras de linguagem
Figuras de linguagemFiguras de linguagem
Figuras de linguagemMarta Morais
 
INTERTEXTUALIDADE
INTERTEXTUALIDADEINTERTEXTUALIDADE
INTERTEXTUALIDADECris Damian
 
Cefet/Coltec - Extensivo - Aula 23 figuras de linguagem
Cefet/Coltec - Extensivo - Aula 23  figuras de linguagemCefet/Coltec - Extensivo - Aula 23  figuras de linguagem
Cefet/Coltec - Extensivo - Aula 23 figuras de linguagemProfFernandaBraga
 
Roland barthes o prazer do texto
Roland barthes   o prazer do textoRoland barthes   o prazer do texto
Roland barthes o prazer do textoAndré Mirian
 
Habilidade 16 figuras de linguagem
Habilidade 16 figuras de linguagemHabilidade 16 figuras de linguagem
Habilidade 16 figuras de linguagempaulomonteiropimpao
 

Semelhante a Aula intertextualidade.pptx (20)

Intertextualidade
IntertextualidadeIntertextualidade
Intertextualidade
 
Figuras de Linguagem
Figuras de LinguagemFiguras de Linguagem
Figuras de Linguagem
 
Introdução ao estudo da literatura
Introdução ao estudo da literaturaIntrodução ao estudo da literatura
Introdução ao estudo da literatura
 
27207.pptx
27207.pptx27207.pptx
27207.pptx
 
27207.pptx
27207.pptx27207.pptx
27207.pptx
 
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, segunda aula de cábulas
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, segunda aula de cábulasApresentação para décimo segundo ano de 2016 7, segunda aula de cábulas
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, segunda aula de cábulas
 
Figuras de Linguagem
Figuras de LinguagemFiguras de Linguagem
Figuras de Linguagem
 
Figuras de linguagem
Figuras de linguagemFiguras de linguagem
Figuras de linguagem
 
Figuras de linguagem
Figuras de linguagemFiguras de linguagem
Figuras de linguagem
 
Material do cursinho
Material do cursinhoMaterial do cursinho
Material do cursinho
 
Figuras de linguagem
Figuras de linguagemFiguras de linguagem
Figuras de linguagem
 
Figuras de Linguagem
Figuras de LinguagemFiguras de Linguagem
Figuras de Linguagem
 
Intertextualidade eproinfo _
Intertextualidade eproinfo _Intertextualidade eproinfo _
Intertextualidade eproinfo _
 
Figuras de linguagem
Figuras de linguagemFiguras de linguagem
Figuras de linguagem
 
INTERTEXTUALIDADE
INTERTEXTUALIDADEINTERTEXTUALIDADE
INTERTEXTUALIDADE
 
Cefet/Coltec - Extensivo - Aula 23 figuras de linguagem
Cefet/Coltec - Extensivo - Aula 23  figuras de linguagemCefet/Coltec - Extensivo - Aula 23  figuras de linguagem
Cefet/Coltec - Extensivo - Aula 23 figuras de linguagem
 
Roland barthes o prazer do texto
Roland barthes   o prazer do textoRoland barthes   o prazer do texto
Roland barthes o prazer do texto
 
Habilidade 16 figuras de linguagem
Habilidade 16 figuras de linguagemHabilidade 16 figuras de linguagem
Habilidade 16 figuras de linguagem
 
Intertextualidade
IntertextualidadeIntertextualidade
Intertextualidade
 
Intertextualidade
IntertextualidadeIntertextualidade
Intertextualidade
 

Mais de CAMILACRISTINASILVAB

Livro, leitura, educação, aprendizado...
Livro, leitura, educação, aprendizado...Livro, leitura, educação, aprendizado...
Livro, leitura, educação, aprendizado...CAMILACRISTINASILVAB
 
Ciranda da leitura. Educação. informação. leitura.
Ciranda da leitura. Educação. informação. leitura.Ciranda da leitura. Educação. informação. leitura.
Ciranda da leitura. Educação. informação. leitura.CAMILACRISTINASILVAB
 
intertextualidade-oficial-170430014312 (1)2.pdf
intertextualidade-oficial-170430014312 (1)2.pdfintertextualidade-oficial-170430014312 (1)2.pdf
intertextualidade-oficial-170430014312 (1)2.pdfCAMILACRISTINASILVAB
 
Revisão de literatura para o ENEM.pptx
Revisão de literatura para o ENEM.pptxRevisão de literatura para o ENEM.pptx
Revisão de literatura para o ENEM.pptxCAMILACRISTINASILVAB
 
Oxítona, paroxítona e proparoxítona.pptx
Oxítona, paroxítona e proparoxítona.pptxOxítona, paroxítona e proparoxítona.pptx
Oxítona, paroxítona e proparoxítona.pptxCAMILACRISTINASILVAB
 
oracoes-subordinadas-adverbiais (3º ano).ppt
oracoes-subordinadas-adverbiais (3º ano).pptoracoes-subordinadas-adverbiais (3º ano).ppt
oracoes-subordinadas-adverbiais (3º ano).pptCAMILACRISTINASILVAB
 

Mais de CAMILACRISTINASILVAB (19)

Livro, leitura, educação, aprendizado...
Livro, leitura, educação, aprendizado...Livro, leitura, educação, aprendizado...
Livro, leitura, educação, aprendizado...
 
Ciranda da leitura. Educação. informação. leitura.
Ciranda da leitura. Educação. informação. leitura.Ciranda da leitura. Educação. informação. leitura.
Ciranda da leitura. Educação. informação. leitura.
 
Concordância verbal.pdf
Concordância verbal.pdfConcordância verbal.pdf
Concordância verbal.pdf
 
ENEM-AULÃO- Com tema.pptx
ENEM-AULÃO- Com tema.pptxENEM-AULÃO- Com tema.pptx
ENEM-AULÃO- Com tema.pptx
 
FUNÇÃO DA LINGUAGEM 2.pptx
FUNÇÃO DA LINGUAGEM 2.pptxFUNÇÃO DA LINGUAGEM 2.pptx
FUNÇÃO DA LINGUAGEM 2.pptx
 
intertextualidade-oficial-170430014312 (1)2.pdf
intertextualidade-oficial-170430014312 (1)2.pdfintertextualidade-oficial-170430014312 (1)2.pdf
intertextualidade-oficial-170430014312 (1)2.pdf
 
Passo a Passo ENEM.pptx
Passo a Passo ENEM.pptxPasso a Passo ENEM.pptx
Passo a Passo ENEM.pptx
 
Acentuação - 2.pptx
Acentuação  - 2.pptxAcentuação  - 2.pptx
Acentuação - 2.pptx
 
Modernismo - 1ª Geração.docx
Modernismo - 1ª Geração.docxModernismo - 1ª Geração.docx
Modernismo - 1ª Geração.docx
 
Acentuação - 2.pptx
Acentuação  - 2.pptxAcentuação  - 2.pptx
Acentuação - 2.pptx
 
Revisão de literatura para o ENEM.pptx
Revisão de literatura para o ENEM.pptxRevisão de literatura para o ENEM.pptx
Revisão de literatura para o ENEM.pptx
 
esquentaenem.pptx
esquentaenem.pptxesquentaenem.pptx
esquentaenem.pptx
 
Revisão de redação - ENEM.pptx
Revisão de redação - ENEM.pptxRevisão de redação - ENEM.pptx
Revisão de redação - ENEM.pptx
 
Oxítona, paroxítona e proparoxítona.pptx
Oxítona, paroxítona e proparoxítona.pptxOxítona, paroxítona e proparoxítona.pptx
Oxítona, paroxítona e proparoxítona.pptx
 
ENEM-AULÃO- Com tema.pptx
ENEM-AULÃO- Com tema.pptxENEM-AULÃO- Com tema.pptx
ENEM-AULÃO- Com tema.pptx
 
Redação - Enem.pptx
Redação - Enem.pptxRedação - Enem.pptx
Redação - Enem.pptx
 
oracoes-subordinadas-adverbiais (3º ano).ppt
oracoes-subordinadas-adverbiais (3º ano).pptoracoes-subordinadas-adverbiais (3º ano).ppt
oracoes-subordinadas-adverbiais (3º ano).ppt
 
FUNÇÕES DA LINGUAGEM (1).ppt
FUNÇÕES DA LINGUAGEM (1).pptFUNÇÕES DA LINGUAGEM (1).ppt
FUNÇÕES DA LINGUAGEM (1).ppt
 
Colocação Pronominal.ppt
Colocação Pronominal.pptColocação Pronominal.ppt
Colocação Pronominal.ppt
 

Aula intertextualidade.pptx

  • 2. não são indiferentes uns aos Os enunciados outros, nem auto-suficientes; são mutuamente conscientes e refletem um ao outro. Cada enunciado é pleno de ecos e reverberações de outros enunciados, com os quais se relaciona pela comunhão da esfera da comunicação verbal [...]. Cada enunciado refuta, confirma, complementa e depende dos outros; pressupõe que já são conhecidos, e de alguma forma os leva em conta. reverberação – repercussão. refutar – contestar, contradizer. Bakhtin. Mikhail. Estética da criação verbal. 2ª ed. São Paulo: Martins Fontes, 1997
  • 3. O texto redistribui a língua. Uma das vias dessa reconstrução é a de permutar textos, existiriam ou existem ao redor do que texto considerado, e, por fim, dentro dele mesmo; todo texto é um intertexto; outros textos estão presentes nele, em níveis variáveis, sob formas mais ou menos reconhecíveis. Barthes (1974, apud Koch, 2007)
  • 4. ● Intertextualidade Estrutural Consiste no emprego de modelos pré-existentes para a produção de textos. • Receita 🢥 enumeração de ingredientes+ preparo; • Gibi 🢥 sequência de quadrinhos com falas de personagens em balões; •Soneto 🢥 poema composto por dois quartetos e dois tercetos.
  • 5. ● Intertextualidade Temática Consiste na abordagem de um mesmo assunto. •Uma tela que retrate uma paisagem marinha e um texto que descreva uma paisagem marinha; • Um filme e a crítica do filme; • Dois romances que tratem o mesmo tema.
  • 6. ● Intertextualidade Referencial Consiste na citação de outros textos ou na alusão a eles. •Freud denominando a inclinação erótica de um filho pela mãe de “Complexo de Édipo”, numa referência à tragédia grega.
  • 7. Epígrafe 🢥 Constitui uma escrita introdutória a outra, normalmente em início de livro ou textos.. Citação 🢥 é uma transcrição do texto alheio, marcada com aspas e serve para fundamentar um argumento. Paráfrase 🢥 é a reprodução do texto do outro com a palavra do autor. Ela não se confunde com o plágio, pois o autor deixa claro sua intenção e a fonte. Paródia 🢥 é uma forma de apropriação que, em lugar de endossar o modelo retomado, rompe com ele, sutil ou abertamente. Ela subverte o texto anterior, visando à ironia, ou à crítica.
  • 8. O grito ,de Edward Munch Homer Jay Simpson Retratando a obra O Grito de Edward original Releitura
  • 9. Paráfrase vem do grego para-phrasis e significa, literalmente, “repetição de uma sentença”. A paráfrase consiste na imitação, ou repetição de um texto com outras palavras, mas sem alterar sua essência. Para produzir-se uma paráfrase é necessário manter-se fiel às ideias do texto original. Paráfrase
  • 10. Paráfrase “Meus olhos brasileiros se fecham saudosos Minha boca procura a „Canção do Exílio‟. Como era mesmo a „Canção do Exílio‟? Eu tão esquecido de minha terra… Ai terra que tem palmeiras Onde canta o sabiá!” Carlos D. de Andrade
  • 11. Paráfrase Paráfrase Camões, Amor é fogo que arde sem se ver.
  • 12. Paródia Mais ousada em seus propósitos, a paródia pode ser considerada uma recriação de caráter contestador. Embora mantenha alguma coisa do significado do texto original, ela constitui um desvio em relação a este. A paródia se caracteriza, sobretudo, pela insubordinação e pela crítica impiedosa.
  • 14. Paródia Uma canção Minha terra não tem palmeiras... E em vez de um mero sabiá, Cantam aves invisíveis Nas palmeiras que não há. Minha terra tem relógios, Cada qual com a sua hora Nos mais diversos instantes... Mas onde o instante de agora? Mas onde a palavra “onde”? Terra ingrata, ingrato filho, Sob os céus da minha terra Eu canto a Canção do Exílio!
  • 15. Constitui uma escrita introdutória a uma outra escrita Epígrafe “... todos lemos a nós e ao mundo à nossa volta para vislumbrar o que somos e onde estamos. Lemos para compreender; ou para começar a compreender. Ler, quase como respirar, é nossa função essencial.” MANGUEL,Alberto. Uma história da leitura. S. Paulo: Companhia da Letras, 1997. Leitura e sociedade Em uma sociedade letrada como a nossa, o texto é uma presença constante em todas as nossas atividades: sejam elas coletivas ou individuais. É por intermédio dos textos que nos relacionamos com os outros, transmitindo conhecimentos, inventando histórias, emitindo opiniões. O mundo no qual vivemos organiza-se a partir de uma ideologia voltada para diferentes linguagens e mídias. A compreensão de cada uma delas é essencial para que possamos interpretá-las e relacioná-las aos fatos do cotidiano.
  • 16. Citação É uma transcrição de texto alheio, marcada por aspas. A música Cinema Novo, de Caetano Veloso, faz citações: “O filme quis dizer „Eu sou o samba‟ . A voz do morro rasgou a tela do cinema E começaram a se configurar.”
  • 17. Pastiche Intertextualidade ou plágio Define-se pastiche como obra literária ou artística em que se imita grosseiramente o estilo de outra. Visto algumas vezes como plágio, o pastiche tem sentido pejorativo. Por isso, é necessário ter cuidado ao se estabelecer um diálogo intertextual, para que a falta de criatividade não leve à imitação grotesca.
  • 18. Pastiche Intertextualidade ou plágio Define-se pastiche como obra literária ou artística em que se imita grosseiramente o estilo de outra. Visto algumas vezes como plágio, o pastiche tem sentido pejorativo. Por isso, é necessário ter cuidado ao se estabelecer um diálogo intertextual, para que a falta de criatividade não leve à imitação grotesca.
  • 22. Hipertexto […] a pluralidade de vozes no mesmo espaço discursivo. O visão de hipertexto construtivo Marcuschi “a apoteose seria na da intertexualidade” e da polifonia, uma vez que abre espaço para um número ilimitado de leitores-autores. Vale salientar, contudo, que esses caminhos só podem ser feitos se previstos pelo autor do hipertexto.
  • 26. Não esqueça “[...] do ponto de vista da construção de sentidos, todo texto é perpassado por vozes de diferentes enunciadores, ora concordantes, ora dissonantes, o que faz com que se caracterize o fenômeno da linguagem humana, [...]como essencialmente dialógico e, portanto, polifônico”.
  • 27. Moça com o brinco de pérola Johannes Vermer (1632 - 1675) Margarida com o Brinco de Pérola Ilustradora da Disney Maggie Parr
  • 29. ▷Entre os seguintes ditos populares, qual deles melhor corresponde à figura acima? a) Com perseverança, tudo se alcança. b) Cada macaco no seu galho. c) Nem tudo que balança cai. d) Quem tudo quer, tudo perde. e) Deus ajuda quem cedo madruga. Exercício modelo
  • 30. Exercício modelo COM LICENÇA POÉTICA Quando nasci um anjo esbelto, desses que tocam trombeta, anunciou: vai carregar bandeira. Cargo muito pesado pra mulher, esta espécie ainda envergonhada. Aceito os subterfúgios que me cabem, sem precisar mentir. Não sou tão feia que não possa casar, acho o Rio de Janeiro uma beleza e ora sim, ora não, creio em parto sem dor. Mas o que sinto escrevo. Cumpro a sina. Inauguro linhagens, fundo reinos - dor não é amargura. Minha tristeza não tem pedigree, já a minha vontade da alegria, sua raiz vai ao meu mil avô. Vai ser coxo na vida é maldição pra homem. Mulher é desdobrável. Eu sou. Adélia Prado
  • 31. O poema de Adélia Prado estabelece um diálogo com o Poema de sete faces, de Carlos Drummond de Andrade, do qual, para efeito de análise, foi retirado o seguinte trecho: Quando nasci, um anjo torto desses que vivem na sombra disse: Vai, Carlos! ser "gauche"* na vida. •gauche: palavra da língua francesa, que possui inúmeros significados, dentre os quais os de torto, malfeito, desajeitado. Considere a estrofe a seguir e assinale a opção incorreta. Quando nasci um anjo esbelto, desses que tocam trombeta, anunciou: vai carregar bandeira. Cargo muito pesado pra mulher, esta espécie ainda envergonhada.
  • 32. a)"Cargo muito pesado pra mulher" funciona, na organização do poema, como uma expressão de valor apositivo. b)Em "esta espécie ainda envergonhada", há retomada do termo mulher e atribuição de uma característica a essa figura, construída no discurso do senso comum. c)O uso da expressão "desses" retoma todo e qualquer anjo que toca trombeta. d)A expressão "ainda envergonhada" pode ser interpretada da seguinte maneira: há mulheres que se investem de um lugar de submissão, mas podem romper com essa condição.
  • 33. MARCUSCHI, L. A. & XAVIER A. C. Hipertexto e gêneros digitais: novas formas desconstrução de sentido. 3. ed. São Paulo: Cortez, 2010. SANT'ANNA. Affonso Romano de. Paródia, paráfrase & Cia, 7.ed. São Paulo: Ática, 2000. VILLAÇA, Ingedore Villaça Koch. O texto e a construção dos sentidos.9ª ed. São Paulo: Contexto, 2007. p.59-74 São Paulo: Bakhtin. Mikhail. Estética da criação verbal. 2ª ed. Martins Fontes, 1997 Referências