SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 24
Baixar para ler offline
Prof. Dra. Andréa dos Guimarães de Carvalho
OBJETIVOS DA AULA
 Ao final desta atividade, você deverá ser capaz de:
- compreender como as palavras /sinais são formadas? – estrutura que
constituem... ;
- reconhecer as partes dessa estrutura que compõem as palavras em
português e dos sinais na Libras e que ao se combinarem essas partes tem-
se a palavra /sinal com significado;
- entender por que formamos palavras/sinais;
- conhecer os processos de formação dos vocábulos em português e de
sinais em Libras;
- reconhecer que a significação de um dado vocábulo pode ser
decomposta em significações mínimas;
– o radical, os afixos, processos derivacionais, flexionais; -
- aprender que há uma classificação hierárquica e um conjunto de regras
bem definidas para o processo de estruturação do vocábulo.
MORFOLOGIA......O QUE É ?
 Estuda a estrutura interna das palavras / sinais e as regras
combinatórias existentes para a forma dessa palavras/sinais,
logo é importante compreender semelhanças e diferenças
quando se trata de línguas com características (UNIDADES
MÍNIMAS COM SIGNIFICADO - MORFEMA):
modalidade oral auditiva – línguas orais ( o+i=“oi”)
modalidade visuo-espacial – línguas de sinais (“oi”+ ENM)
EVOLUÇÃO HISTÓRICA LEXICAL
 Com a AFIRMAÇÃO de que é possível formar palavras
a partir de outras palavras, reconheceu-se a
complexidade dessas unidades, que podem ser
constituídas por um ou mais de um elemento. Assim,
existem palavras indivisíveis (boi) e palavras divisíveis
(cavalaria/caval-a-ria/guarda-chuva). As palavras
constituídas por mais de um elemento, além de
serem divisíveis, são também estruturadas em
camadas que podem atingir vários níveis (AFIXOS).
TANTO NA LIBRAS COMO NO PORTUGUÊS.
NO PORTUGUÊS.....e na Libras....
 Considerando que os vocábulos constituem-se de:
- radical (semantema), que dá a significação básica,
- morfemas/processos derivacionais (prefixos e
sufixos), que formam novas palavras e sinais. Na Libras são
os morfemas sequenciais ;
- Morfemas compostos/composição - que é um processo
que gera novos sinais/palavras pela junção de 2
sinais/palavras (neoplasmos) formando um novo com novo
significado ;
- morfemas/processos flexionais (que também ocorrem
por sufixos ou prefixos – valor gramatical se difere – se
destaca o tempo ), que na Libras são os morfemas
simultâneos e no português, especificam gênero/número nos
nomes e número/pessoa e tempo/modo nos verbos –
podemos determinar a estrutura dos vocábulos em
português:
EXEMPLOS NO PORTUGUÊS.....
Morfologia Simultânea Morfologia Sequencial
Libras( morfema é
criado pela
combinação –
pode ser
produzida de
forma simultânea
ou sequencial
fonológica - dos
parâmetros da
Libras).
CM – Configuração de Mãos
M – Movimento
PA – Ponto de Articulação
OP – orientação da palma
ENM – Expressões ñ manuais.
Ex: PRECISAR, AMAR, BRINCAR
CM – Configuração de Mãos
M – Movimento
PA – Ponto de Articulação
OP – orientação da palma
ENM – Expressões ñ manuais.
Ex: ESTRUTURA, CATÓLICO, GUARDA – CHUVA.
Português (
morfemas são
criados pela
combinação dos
sons e letras - da
fonologia do
português
correspondentes -
que em sequência
– CVC- formam a
palavra
Não existe: impossível entender
uma palavra e até de produzi-la
simultaneamente, mas somente
em sequência.... C-V-C
exemplo a brincadeira da ‘Xuxa’
em que 3 ou 4 pessoas falavam ao
mesmo tempo cada sílaba junto e
a pessoa deveria adivinhar qual a
palavra dita que, em sequência
elas correspondiam.
CVC – consoante – vogal – consoante (sequência
esperada – mas, pode ocorrer exceções por questões
gramaticais ou de empréstimos linguísticos).
A forma da fala em si é sequencial senão não
entenderíamos a palavra em si
MORFOLOGIA SIMULTÂNEA/flexão ? MORFOLOGIA
SEQUENCIAL/derivação e
composição?
combinação de vários elementos
simultaneamente;
Simples afixal (linear), não relacionada a
palavra/sinal livre
Morfemas sobrepostos uns aos
outros;
Morfemas concatenados (uma raiz é
enriquecida com vários mov. e
contornos no espaço);
Construções morfológicas
simultâneas são produzidas;
Produção delimitada; mais motivada
São mais estáveis entre os
sinalizantes (devido - a
convencionalidade entre seus
usuários)
Construção sequencial com variáveis
entre os sinalizantes; mais específica
para cada língua de sinal
Há iconicidade e similaridades universais e
inclui sinais – verbos (concordância,
simles, espaciais...), números
Verbos concordancia (nº pessoal, gênero,
Variação individual considerável (menos
frequente); se volta mais para
compreender o processo de criação de
sinais
Semanticamente coerentes Semanticamente menos coerente;
Ex: cansar, ajudar, entregar, amar Ex: cachorrinho, igreja, papelaria,
menina
MORFEMAS LIVRES......o que é isso?
 Leonard Bloomfield em 1993, tendo em vista o seu
funcionamento na frase, para esse autor, as unidades
formais de uma língua podem ser livres ou presas.
Consideram-se livres as unidades formais que
podem funcionar isoladamente com significado
como comunicação suficiente. São formas
autônomas que sozinhas podem constituir frase,
pois tem sentido completo.
Exemplos: Português – não/sim/Cuidado!
Libras – LADRÃO, SEXO
MORFEMAS PRESOS....o que são?
 No português as formas presas só funcionam ligadas a outras. É o
caso dos afixos e das desinências, como a marca de plural em
praia-s, o prefixo des- em desfazer, a desinência número-pessoal
mos em falamos, etc
 Outros exemplos: casa – Ø (indica singular – parte principal - CAS)
casa – s ( indica plural –s, e é uma derivação sufixal com valor
de classe gramatical)
Mas e na Libras ?? Temos exemplos de Faria-Nascimento (2013), de
morfemas livres e morfemas presos no quadro seguinte.....
PROCESSOS
DE
DERIVAÇÃO
NA
LIBRAS
PROCESSOS DE FLEXÃO NA LIBRAS: a flexão é percebida nos movimentos que são
feitos alternando-se, ou não, o ritmo, forma /direção do percurso ou intensificação
do sinal (aspectual – intuição distributiva em que a pessoa corresponde/combina
com o quantificador de pessoa) .
PROCESSOS DE FLEXÃO DE NÚMERO NA LIBRAS: há uma superposição da
estrutura morfológica locação – movimento – locação. Logo, um movimento uma
movimento é sequencial, visualmente, após a raiz. A sequencia é perceptível nos
movimentos que são realizados com forma /direção do percurso ou intensificação
do sinal podendo ter associado ou não p reforço de ENM – depende do
sinalizador).
PROCESSOS DE INCORPORAÇÃO NA LIBRAS: temos a incorporação de números na realização do sinal e a incorporação da negação
(a) por oposição do movimento; b) de forma simultânea com a raiz com acréscimo de uma ENM - lateralização alternada da
cabeça indicando negação e c) com uso do indicador durante ou após a realização do sinal – vai depender do sinal).
PROCESSOS DE INCORPORAÇÃO
número na libras nas unidade lexicais,
na raiz durante a produção do sinal e
estão associados ao tempo, como
HORA e MÊS.
PROCESSOS DE INCORPORAÇÃO da
negação com oposição do movimento
PROCESSOS DE INCORPORAÇÃO da negação com a marcação não manual -
uso de ENM como a lateralização alternada da cabeça para os lados (indicando
negação + lábios rebaixados o sobrancelhas enrugadas) na raiz do sinal.
PROCESSOS DE COMPOSIÇÃO NA LIBRAS: pode ocorrer com perda de um dos
movimentos em um dos sinais quando associados ou se juntam durante a
composição....
PROCESSOS DE COMPOSIÇÃO NA LIBRAS com perda de um dos
movimentos em um dos sinais quando associados ou se juntam
durante a composição....
ANÁLISE MÓRFICA NA LINGUÍSTICA
 Análise mórfica é a depreensão das formas mínimas do
vocábulo mórfico. Por meio dela, procede-se à
descrição dos morfemas, de acordo com uma
significação e uma função elementar que lhes são
atribuídas dentro da significação e da função do
vocábulo na frase. Portanto, para proceder com
segurança à depreensão dos morfemas, é preciso
considerar a sua significação, (1): “Os morfemas são
unidades significativas. Só faz sentido considerar um
segmento de vocábulo como morfema se esse
segmento for significativo, se for responsável por parte
da significação total do vocábulo” (Zanotto, 2006, p.
24).
ANÁLISE MÓRFICA....exemplo
 1) identificar a raiz (menor morfema com significado);
 2) tem afixos? Qual o tipo? (sufixal ou prefixal)
Exemplo no português (na Libras como ?):
Os exemplos mostram que temos um
mesmo radical – livr- – e vários sufixos -
inh(o),-ã(o), -ari(a), -eir(o).
CONCLUSÃO NO PORTUGUÊS...
 Camara Jr. (1.970) traz a reflexão de se repensar nas
falhas que podem surgir na morfologia do português e
que tal falha não está no fato de as gramáticas serem
prescritivas, mas sim no de basearem-se em descrições
inadequadas e falsas. Cabe à linguística descritiva
descrever os padrões em uso nos quais a gramática
normativa possa basear-se, e como exemplo cita as
palavras em uso em nosso cotidiano considerando e
questionando sobre a escolha e competência lexical
adequada ao contexto ---- verbo ≠ substantivo ou
vice-versa.
No português temos os exemplos....
‘in-’ é um morfema usado em português para negar o
conteúdo da palavra que está ao lado. Mas o mesmo é para
‘im-’ e para ‘i-’ (se não aprendemos isso na escola não
saberemos seu real significado de uso ou quando
ouvirmos)....
A. feliz, viável, tratável, digno, calculável, grato...
infeliz, inviável, intratável, indigno, incalculável, ingrato...
B. legal, regular, ...
ilegal, irregular, ...
C. permeável, bebível
impermeável, imbebível
CONCLUSÃO NA LIBRAS......
 Ronice e Faria – Nascimento trazem questionamentos
e argumentos que nos fazem refletir, tais como:
 os morfemas (e, por conseguinte, as palavras) nem
sempre têm a mesma forma, de modo que nem sempre
é possível identificar o mesmo morfema nos seus
diversos contextos de uso (sinal de ‘encontrar’ – se
diferencia nos contextos de uso pelo sinalizante –
aspecto semântico influência no uso).
A morfologia, baseada na competência linguística lexical, questionaria a
relação das palavras de nosso texto acontecimento com acontecer, de ignorância
com ignorar, de assaltante com assaltar e de vigarista com vigário e perguntaria
quem são e que função tem esses elementos acrescentados no final dessas
palavras, tornando-as mais longas, de sentido e comportamento
diferentes. Outra questão seria verificar se esses elementos acrescidos, -ante (-
nte), por exemplo, são recorrentes no vocabulário da língua???: democratizar →
democratizante, absorver → absorvente, ouvir → ouvinte....isso no
português......e dá diferença no momento de escolhas lexicais no momento da
TRADUÇÃO/INTERPRETAÇÃO ORAL.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Políticas públicas de inclusão dos surdos brasileiros a li
Políticas públicas de inclusão dos surdos brasileiros   a liPolíticas públicas de inclusão dos surdos brasileiros   a li
Políticas públicas de inclusão dos surdos brasileiros a liValeria de Oliveira
 
Curso de libras_-_graciele
Curso de libras_-_gracieleCurso de libras_-_graciele
Curso de libras_-_gracieleDaniele Silva
 
Fonologia de libras - andrea
Fonologia de libras - andreaFonologia de libras - andrea
Fonologia de libras - andreaandrea giovanella
 
LIBRAS AULA 2: As línguas de sinais: sua importância para os Surdos
LIBRAS AULA 2: As línguas de sinais: sua importância para os SurdosLIBRAS AULA 2: As línguas de sinais: sua importância para os Surdos
LIBRAS AULA 2: As línguas de sinais: sua importância para os Surdosprofamiriamnavarro
 
LIBRAS - Língua Brasileira de Sinais
LIBRAS - Língua Brasileira de SinaisLIBRAS - Língua Brasileira de Sinais
LIBRAS - Língua Brasileira de SinaisLene Reis
 
3o slide linha do tempo na historia da educacao de surdos
3o slide   linha do tempo na historia da educacao de surdos3o slide   linha do tempo na historia da educacao de surdos
3o slide linha do tempo na historia da educacao de surdosJean Rodrigo
 
Marcos bagno preconceito lingüístico
Marcos bagno   preconceito lingüísticoMarcos bagno   preconceito lingüístico
Marcos bagno preconceito lingüísticoMariana Correia
 
Gabarito instrutor de libras
Gabarito   instrutor de librasGabarito   instrutor de libras
Gabarito instrutor de librassecseduc
 
Os discursos sobre a surdes e o discurso dos surdos
Os discursos sobre a surdes e o discurso dos surdosOs discursos sobre a surdes e o discurso dos surdos
Os discursos sobre a surdes e o discurso dos surdospoponapolitica
 
A educação de surdos no mundo
A educação de surdos no mundoA educação de surdos no mundo
A educação de surdos no mundoMaryanne Monteiro
 
Fundamentos da educaaao_de_surdos_1354887964
Fundamentos da educaaao_de_surdos_1354887964Fundamentos da educaaao_de_surdos_1354887964
Fundamentos da educaaao_de_surdos_1354887964Ivan Machado
 
Gabarito intérprete de libras
Gabarito   intérprete de librasGabarito   intérprete de libras
Gabarito intérprete de librassecseduc
 
LIBRAS AULA 4: Legislação sobre Libras
LIBRAS AULA 4: Legislação sobre LibrasLIBRAS AULA 4: Legislação sobre Libras
LIBRAS AULA 4: Legislação sobre Librasprofamiriamnavarro
 

Mais procurados (20)

Libras online1
Libras online1Libras online1
Libras online1
 
Políticas públicas de inclusão dos surdos brasileiros a li
Políticas públicas de inclusão dos surdos brasileiros   a liPolíticas públicas de inclusão dos surdos brasileiros   a li
Políticas públicas de inclusão dos surdos brasileiros a li
 
Curso de libras_-_graciele
Curso de libras_-_gracieleCurso de libras_-_graciele
Curso de libras_-_graciele
 
Fonologia de libras - andrea
Fonologia de libras - andreaFonologia de libras - andrea
Fonologia de libras - andrea
 
LIBRAS AULA 2: As línguas de sinais: sua importância para os Surdos
LIBRAS AULA 2: As línguas de sinais: sua importância para os SurdosLIBRAS AULA 2: As línguas de sinais: sua importância para os Surdos
LIBRAS AULA 2: As línguas de sinais: sua importância para os Surdos
 
LIBRAS - Língua Brasileira de Sinais
LIBRAS - Língua Brasileira de SinaisLIBRAS - Língua Brasileira de Sinais
LIBRAS - Língua Brasileira de Sinais
 
3o slide linha do tempo na historia da educacao de surdos
3o slide   linha do tempo na historia da educacao de surdos3o slide   linha do tempo na historia da educacao de surdos
3o slide linha do tempo na historia da educacao de surdos
 
Marcos bagno preconceito lingüístico
Marcos bagno   preconceito lingüísticoMarcos bagno   preconceito lingüístico
Marcos bagno preconceito lingüístico
 
1. cumprimentos
1. cumprimentos1. cumprimentos
1. cumprimentos
 
Curso De Libras 1 Aula
Curso De Libras 1 AulaCurso De Libras 1 Aula
Curso De Libras 1 Aula
 
Língua Brasileira de Sinais - LIBRAS - Aspectos Linguísticos
Língua Brasileira de Sinais - LIBRAS - Aspectos LinguísticosLíngua Brasileira de Sinais - LIBRAS - Aspectos Linguísticos
Língua Brasileira de Sinais - LIBRAS - Aspectos Linguísticos
 
Gabarito instrutor de libras
Gabarito   instrutor de librasGabarito   instrutor de libras
Gabarito instrutor de libras
 
LIBRAS - AULA 3
LIBRAS - AULA 3LIBRAS - AULA 3
LIBRAS - AULA 3
 
Os discursos sobre a surdes e o discurso dos surdos
Os discursos sobre a surdes e o discurso dos surdosOs discursos sobre a surdes e o discurso dos surdos
Os discursos sobre a surdes e o discurso dos surdos
 
Slide libras (1)
Slide libras (1)Slide libras (1)
Slide libras (1)
 
A educação de surdos no mundo
A educação de surdos no mundoA educação de surdos no mundo
A educação de surdos no mundo
 
Projeto Libras
Projeto LibrasProjeto Libras
Projeto Libras
 
Fundamentos da educaaao_de_surdos_1354887964
Fundamentos da educaaao_de_surdos_1354887964Fundamentos da educaaao_de_surdos_1354887964
Fundamentos da educaaao_de_surdos_1354887964
 
Gabarito intérprete de libras
Gabarito   intérprete de librasGabarito   intérprete de libras
Gabarito intérprete de libras
 
LIBRAS AULA 4: Legislação sobre Libras
LIBRAS AULA 4: Legislação sobre LibrasLIBRAS AULA 4: Legislação sobre Libras
LIBRAS AULA 4: Legislação sobre Libras
 

Semelhante a Formação de palavras na Libras e no Português

PRIL_MORFOLOGIA DO PORTUGUÊS.pptx
PRIL_MORFOLOGIA DO PORTUGUÊS.pptxPRIL_MORFOLOGIA DO PORTUGUÊS.pptx
PRIL_MORFOLOGIA DO PORTUGUÊS.pptxSônia Guedes
 
PRIL_MORFOLOGIA DO PORTUGUÊS.pptx
PRIL_MORFOLOGIA DO PORTUGUÊS.pptxPRIL_MORFOLOGIA DO PORTUGUÊS.pptx
PRIL_MORFOLOGIA DO PORTUGUÊS.pptxSônia Guedes
 
BASE NACIONAL CURRICULAR E ALFABETIZAÇÃO
BASE NACIONAL CURRICULAR E  ALFABETIZAÇÃOBASE NACIONAL CURRICULAR E  ALFABETIZAÇÃO
BASE NACIONAL CURRICULAR E ALFABETIZAÇÃOSupervisoPiaget
 
Guia impresso-texto-basico-unidade-3
Guia impresso-texto-basico-unidade-3Guia impresso-texto-basico-unidade-3
Guia impresso-texto-basico-unidade-3Paula Aparecida Alves
 
tecnica da descricao linguistica.pdf
tecnica da descricao linguistica.pdftecnica da descricao linguistica.pdf
tecnica da descricao linguistica.pdfMICHELLE653154
 
Qual a ordem correta para estudar português_ - Português Prático.docx
Qual a ordem correta para estudar português_ - Português Prático.docxQual a ordem correta para estudar português_ - Português Prático.docx
Qual a ordem correta para estudar português_ - Português Prático.docxMarildeAlvesdaSilva
 
Aula 2 verbos
Aula 2   verbosAula 2   verbos
Aula 2 verbosJ M
 
Linguística saussure 2
Linguística   saussure 2Linguística   saussure 2
Linguística saussure 2jairobaiano
 
Ano 2 pnaic 3º encontro blog2
Ano 2 pnaic 3º encontro blog2Ano 2 pnaic 3º encontro blog2
Ano 2 pnaic 3º encontro blog2miesbella
 
Conhecimento fonológico e a escrita inicial
Conhecimento fonológico e a escrita inicialConhecimento fonológico e a escrita inicial
Conhecimento fonológico e a escrita inicialAna Vogeley
 
Hipóteses Alfabética.pptx
Hipóteses Alfabética.pptxHipóteses Alfabética.pptx
Hipóteses Alfabética.pptxEdileneBarbosa18
 

Semelhante a Formação de palavras na Libras e no Português (20)

Morfologia
MorfologiaMorfologia
Morfologia
 
Libras
Libras Libras
Libras
 
PRIL_MORFOLOGIA DO PORTUGUÊS.pptx
PRIL_MORFOLOGIA DO PORTUGUÊS.pptxPRIL_MORFOLOGIA DO PORTUGUÊS.pptx
PRIL_MORFOLOGIA DO PORTUGUÊS.pptx
 
PRIL_MORFOLOGIA DO PORTUGUÊS.pptx
PRIL_MORFOLOGIA DO PORTUGUÊS.pptxPRIL_MORFOLOGIA DO PORTUGUÊS.pptx
PRIL_MORFOLOGIA DO PORTUGUÊS.pptx
 
BASE NACIONAL CURRICULAR E ALFABETIZAÇÃO
BASE NACIONAL CURRICULAR E  ALFABETIZAÇÃOBASE NACIONAL CURRICULAR E  ALFABETIZAÇÃO
BASE NACIONAL CURRICULAR E ALFABETIZAÇÃO
 
Curso libras online
Curso libras onlineCurso libras online
Curso libras online
 
Verbo
VerboVerbo
Verbo
 
Estudo mórfico dos verbos
Estudo mórfico dos verbosEstudo mórfico dos verbos
Estudo mórfico dos verbos
 
Guia impresso-texto-basico-unidade-3
Guia impresso-texto-basico-unidade-3Guia impresso-texto-basico-unidade-3
Guia impresso-texto-basico-unidade-3
 
tecnica da descricao linguistica.pdf
tecnica da descricao linguistica.pdftecnica da descricao linguistica.pdf
tecnica da descricao linguistica.pdf
 
Qual a ordem correta para estudar português_ - Português Prático.docx
Qual a ordem correta para estudar português_ - Português Prático.docxQual a ordem correta para estudar português_ - Português Prático.docx
Qual a ordem correta para estudar português_ - Português Prático.docx
 
Morfologia morfema
Morfologia   morfemaMorfologia   morfema
Morfologia morfema
 
Morfologia morfema
Morfologia   morfemaMorfologia   morfema
Morfologia morfema
 
Aula 2 verbos
Aula 2   verbosAula 2   verbos
Aula 2 verbos
 
Libras
Libras Libras
Libras
 
Linguística saussure 2
Linguística   saussure 2Linguística   saussure 2
Linguística saussure 2
 
Reflexoesling
ReflexoeslingReflexoesling
Reflexoesling
 
Ano 2 pnaic 3º encontro blog2
Ano 2 pnaic 3º encontro blog2Ano 2 pnaic 3º encontro blog2
Ano 2 pnaic 3º encontro blog2
 
Conhecimento fonológico e a escrita inicial
Conhecimento fonológico e a escrita inicialConhecimento fonológico e a escrita inicial
Conhecimento fonológico e a escrita inicial
 
Hipóteses Alfabética.pptx
Hipóteses Alfabética.pptxHipóteses Alfabética.pptx
Hipóteses Alfabética.pptx
 

Último

Ler e compreender 7º ano - Aula 7 - 1º Bimestre
Ler e compreender 7º ano -  Aula 7 - 1º BimestreLer e compreender 7º ano -  Aula 7 - 1º Bimestre
Ler e compreender 7º ano - Aula 7 - 1º BimestreProfaCintiaDosSantos
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbyasminlarissa371
 
HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24pdf
HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24pdfHORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24pdf
HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24pdfSandra Pratas
 
Algumas Curiosidades do uso da Matemática na escrita Phyton
Algumas Curiosidades do uso da Matemática na escrita PhytonAlgumas Curiosidades do uso da Matemática na escrita Phyton
Algumas Curiosidades do uso da Matemática na escrita PhytonRosiniaGonalves
 
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxSlides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terraSistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terraBiblioteca UCS
 
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...Unidad de Espiritualidad Eudista
 
NOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOM
NOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOMNOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOM
NOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOMHenrique Pontes
 
Modelos Evolutivos em História das Religiões
Modelos Evolutivos em História das ReligiõesModelos Evolutivos em História das Religiões
Modelos Evolutivos em História das ReligiõesGilbraz Aragão
 
PARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdf
PARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdfPARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdf
PARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdfceajajacu
 
Pizza_literaria.pdf projeto de literatura
Pizza_literaria.pdf projeto de literaturaPizza_literaria.pdf projeto de literatura
Pizza_literaria.pdf projeto de literaturagomescostamma
 
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...azulassessoria9
 
A área de ciências da religião no brasil 2023.ppsx
A área de ciências da religião no brasil  2023.ppsxA área de ciências da religião no brasil  2023.ppsx
A área de ciências da religião no brasil 2023.ppsxGilbraz Aragão
 
PROPUESTA DE LOGO PARA EL DISTRITO DE MOCHUMI, LLENO DE HISTORIA 200 AÑOS DE ...
PROPUESTA DE LOGO PARA EL DISTRITO DE MOCHUMI, LLENO DE HISTORIA 200 AÑOS DE ...PROPUESTA DE LOGO PARA EL DISTRITO DE MOCHUMI, LLENO DE HISTORIA 200 AÑOS DE ...
PROPUESTA DE LOGO PARA EL DISTRITO DE MOCHUMI, LLENO DE HISTORIA 200 AÑOS DE ...MANUELJESUSVENTURASA
 
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...azulassessoria9
 
Jogo de Revisão Primeira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Primeira  Série (Primeiro Trimestre)Jogo de Revisão Primeira  Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Primeira Série (Primeiro Trimestre)Paula Meyer Piagentini
 
atividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetizaçãoatividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetizaçãodanielagracia9
 
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoGametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoCelianeOliveira8
 
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdfO Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdfQueleLiberato
 

Último (20)

Ler e compreender 7º ano - Aula 7 - 1º Bimestre
Ler e compreender 7º ano -  Aula 7 - 1º BimestreLer e compreender 7º ano -  Aula 7 - 1º Bimestre
Ler e compreender 7º ano - Aula 7 - 1º Bimestre
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
 
HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24pdf
HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24pdfHORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24pdf
HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24pdf
 
“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE” _
“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE”       _“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE”       _
“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE” _
 
Algumas Curiosidades do uso da Matemática na escrita Phyton
Algumas Curiosidades do uso da Matemática na escrita PhytonAlgumas Curiosidades do uso da Matemática na escrita Phyton
Algumas Curiosidades do uso da Matemática na escrita Phyton
 
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxSlides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
 
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terraSistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
 
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
 
NOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOM
NOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOMNOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOM
NOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOM
 
Modelos Evolutivos em História das Religiões
Modelos Evolutivos em História das ReligiõesModelos Evolutivos em História das Religiões
Modelos Evolutivos em História das Religiões
 
PARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdf
PARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdfPARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdf
PARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdf
 
Pizza_literaria.pdf projeto de literatura
Pizza_literaria.pdf projeto de literaturaPizza_literaria.pdf projeto de literatura
Pizza_literaria.pdf projeto de literatura
 
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
 
A área de ciências da religião no brasil 2023.ppsx
A área de ciências da religião no brasil  2023.ppsxA área de ciências da religião no brasil  2023.ppsx
A área de ciências da religião no brasil 2023.ppsx
 
PROPUESTA DE LOGO PARA EL DISTRITO DE MOCHUMI, LLENO DE HISTORIA 200 AÑOS DE ...
PROPUESTA DE LOGO PARA EL DISTRITO DE MOCHUMI, LLENO DE HISTORIA 200 AÑOS DE ...PROPUESTA DE LOGO PARA EL DISTRITO DE MOCHUMI, LLENO DE HISTORIA 200 AÑOS DE ...
PROPUESTA DE LOGO PARA EL DISTRITO DE MOCHUMI, LLENO DE HISTORIA 200 AÑOS DE ...
 
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
 
Jogo de Revisão Primeira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Primeira  Série (Primeiro Trimestre)Jogo de Revisão Primeira  Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Primeira Série (Primeiro Trimestre)
 
atividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetizaçãoatividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetização
 
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoGametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
 
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdfO Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
 

Formação de palavras na Libras e no Português

  • 1. Prof. Dra. Andréa dos Guimarães de Carvalho
  • 2. OBJETIVOS DA AULA  Ao final desta atividade, você deverá ser capaz de: - compreender como as palavras /sinais são formadas? – estrutura que constituem... ; - reconhecer as partes dessa estrutura que compõem as palavras em português e dos sinais na Libras e que ao se combinarem essas partes tem- se a palavra /sinal com significado; - entender por que formamos palavras/sinais; - conhecer os processos de formação dos vocábulos em português e de sinais em Libras; - reconhecer que a significação de um dado vocábulo pode ser decomposta em significações mínimas; – o radical, os afixos, processos derivacionais, flexionais; - - aprender que há uma classificação hierárquica e um conjunto de regras bem definidas para o processo de estruturação do vocábulo.
  • 3. MORFOLOGIA......O QUE É ?  Estuda a estrutura interna das palavras / sinais e as regras combinatórias existentes para a forma dessa palavras/sinais, logo é importante compreender semelhanças e diferenças quando se trata de línguas com características (UNIDADES MÍNIMAS COM SIGNIFICADO - MORFEMA): modalidade oral auditiva – línguas orais ( o+i=“oi”) modalidade visuo-espacial – línguas de sinais (“oi”+ ENM)
  • 4. EVOLUÇÃO HISTÓRICA LEXICAL  Com a AFIRMAÇÃO de que é possível formar palavras a partir de outras palavras, reconheceu-se a complexidade dessas unidades, que podem ser constituídas por um ou mais de um elemento. Assim, existem palavras indivisíveis (boi) e palavras divisíveis (cavalaria/caval-a-ria/guarda-chuva). As palavras constituídas por mais de um elemento, além de serem divisíveis, são também estruturadas em camadas que podem atingir vários níveis (AFIXOS). TANTO NA LIBRAS COMO NO PORTUGUÊS.
  • 5. NO PORTUGUÊS.....e na Libras....  Considerando que os vocábulos constituem-se de: - radical (semantema), que dá a significação básica, - morfemas/processos derivacionais (prefixos e sufixos), que formam novas palavras e sinais. Na Libras são os morfemas sequenciais ; - Morfemas compostos/composição - que é um processo que gera novos sinais/palavras pela junção de 2 sinais/palavras (neoplasmos) formando um novo com novo significado ; - morfemas/processos flexionais (que também ocorrem por sufixos ou prefixos – valor gramatical se difere – se destaca o tempo ), que na Libras são os morfemas simultâneos e no português, especificam gênero/número nos nomes e número/pessoa e tempo/modo nos verbos – podemos determinar a estrutura dos vocábulos em português:
  • 7. Morfologia Simultânea Morfologia Sequencial Libras( morfema é criado pela combinação – pode ser produzida de forma simultânea ou sequencial fonológica - dos parâmetros da Libras). CM – Configuração de Mãos M – Movimento PA – Ponto de Articulação OP – orientação da palma ENM – Expressões ñ manuais. Ex: PRECISAR, AMAR, BRINCAR CM – Configuração de Mãos M – Movimento PA – Ponto de Articulação OP – orientação da palma ENM – Expressões ñ manuais. Ex: ESTRUTURA, CATÓLICO, GUARDA – CHUVA. Português ( morfemas são criados pela combinação dos sons e letras - da fonologia do português correspondentes - que em sequência – CVC- formam a palavra Não existe: impossível entender uma palavra e até de produzi-la simultaneamente, mas somente em sequência.... C-V-C exemplo a brincadeira da ‘Xuxa’ em que 3 ou 4 pessoas falavam ao mesmo tempo cada sílaba junto e a pessoa deveria adivinhar qual a palavra dita que, em sequência elas correspondiam. CVC – consoante – vogal – consoante (sequência esperada – mas, pode ocorrer exceções por questões gramaticais ou de empréstimos linguísticos). A forma da fala em si é sequencial senão não entenderíamos a palavra em si
  • 8. MORFOLOGIA SIMULTÂNEA/flexão ? MORFOLOGIA SEQUENCIAL/derivação e composição? combinação de vários elementos simultaneamente; Simples afixal (linear), não relacionada a palavra/sinal livre Morfemas sobrepostos uns aos outros; Morfemas concatenados (uma raiz é enriquecida com vários mov. e contornos no espaço); Construções morfológicas simultâneas são produzidas; Produção delimitada; mais motivada São mais estáveis entre os sinalizantes (devido - a convencionalidade entre seus usuários) Construção sequencial com variáveis entre os sinalizantes; mais específica para cada língua de sinal Há iconicidade e similaridades universais e inclui sinais – verbos (concordância, simles, espaciais...), números Verbos concordancia (nº pessoal, gênero, Variação individual considerável (menos frequente); se volta mais para compreender o processo de criação de sinais Semanticamente coerentes Semanticamente menos coerente; Ex: cansar, ajudar, entregar, amar Ex: cachorrinho, igreja, papelaria, menina
  • 9. MORFEMAS LIVRES......o que é isso?  Leonard Bloomfield em 1993, tendo em vista o seu funcionamento na frase, para esse autor, as unidades formais de uma língua podem ser livres ou presas. Consideram-se livres as unidades formais que podem funcionar isoladamente com significado como comunicação suficiente. São formas autônomas que sozinhas podem constituir frase, pois tem sentido completo. Exemplos: Português – não/sim/Cuidado! Libras – LADRÃO, SEXO
  • 10. MORFEMAS PRESOS....o que são?  No português as formas presas só funcionam ligadas a outras. É o caso dos afixos e das desinências, como a marca de plural em praia-s, o prefixo des- em desfazer, a desinência número-pessoal mos em falamos, etc  Outros exemplos: casa – Ø (indica singular – parte principal - CAS) casa – s ( indica plural –s, e é uma derivação sufixal com valor de classe gramatical) Mas e na Libras ?? Temos exemplos de Faria-Nascimento (2013), de morfemas livres e morfemas presos no quadro seguinte.....
  • 12. PROCESSOS DE FLEXÃO NA LIBRAS: a flexão é percebida nos movimentos que são feitos alternando-se, ou não, o ritmo, forma /direção do percurso ou intensificação do sinal (aspectual – intuição distributiva em que a pessoa corresponde/combina com o quantificador de pessoa) .
  • 13. PROCESSOS DE FLEXÃO DE NÚMERO NA LIBRAS: há uma superposição da estrutura morfológica locação – movimento – locação. Logo, um movimento uma movimento é sequencial, visualmente, após a raiz. A sequencia é perceptível nos movimentos que são realizados com forma /direção do percurso ou intensificação do sinal podendo ter associado ou não p reforço de ENM – depende do sinalizador).
  • 14. PROCESSOS DE INCORPORAÇÃO NA LIBRAS: temos a incorporação de números na realização do sinal e a incorporação da negação (a) por oposição do movimento; b) de forma simultânea com a raiz com acréscimo de uma ENM - lateralização alternada da cabeça indicando negação e c) com uso do indicador durante ou após a realização do sinal – vai depender do sinal). PROCESSOS DE INCORPORAÇÃO número na libras nas unidade lexicais, na raiz durante a produção do sinal e estão associados ao tempo, como HORA e MÊS. PROCESSOS DE INCORPORAÇÃO da negação com oposição do movimento
  • 15. PROCESSOS DE INCORPORAÇÃO da negação com a marcação não manual - uso de ENM como a lateralização alternada da cabeça para os lados (indicando negação + lábios rebaixados o sobrancelhas enrugadas) na raiz do sinal.
  • 16. PROCESSOS DE COMPOSIÇÃO NA LIBRAS: pode ocorrer com perda de um dos movimentos em um dos sinais quando associados ou se juntam durante a composição....
  • 17. PROCESSOS DE COMPOSIÇÃO NA LIBRAS com perda de um dos movimentos em um dos sinais quando associados ou se juntam durante a composição....
  • 18. ANÁLISE MÓRFICA NA LINGUÍSTICA  Análise mórfica é a depreensão das formas mínimas do vocábulo mórfico. Por meio dela, procede-se à descrição dos morfemas, de acordo com uma significação e uma função elementar que lhes são atribuídas dentro da significação e da função do vocábulo na frase. Portanto, para proceder com segurança à depreensão dos morfemas, é preciso considerar a sua significação, (1): “Os morfemas são unidades significativas. Só faz sentido considerar um segmento de vocábulo como morfema se esse segmento for significativo, se for responsável por parte da significação total do vocábulo” (Zanotto, 2006, p. 24).
  • 19. ANÁLISE MÓRFICA....exemplo  1) identificar a raiz (menor morfema com significado);  2) tem afixos? Qual o tipo? (sufixal ou prefixal) Exemplo no português (na Libras como ?): Os exemplos mostram que temos um mesmo radical – livr- – e vários sufixos - inh(o),-ã(o), -ari(a), -eir(o).
  • 20.
  • 21. CONCLUSÃO NO PORTUGUÊS...  Camara Jr. (1.970) traz a reflexão de se repensar nas falhas que podem surgir na morfologia do português e que tal falha não está no fato de as gramáticas serem prescritivas, mas sim no de basearem-se em descrições inadequadas e falsas. Cabe à linguística descritiva descrever os padrões em uso nos quais a gramática normativa possa basear-se, e como exemplo cita as palavras em uso em nosso cotidiano considerando e questionando sobre a escolha e competência lexical adequada ao contexto ---- verbo ≠ substantivo ou vice-versa.
  • 22. No português temos os exemplos.... ‘in-’ é um morfema usado em português para negar o conteúdo da palavra que está ao lado. Mas o mesmo é para ‘im-’ e para ‘i-’ (se não aprendemos isso na escola não saberemos seu real significado de uso ou quando ouvirmos).... A. feliz, viável, tratável, digno, calculável, grato... infeliz, inviável, intratável, indigno, incalculável, ingrato... B. legal, regular, ... ilegal, irregular, ... C. permeável, bebível impermeável, imbebível
  • 23. CONCLUSÃO NA LIBRAS......  Ronice e Faria – Nascimento trazem questionamentos e argumentos que nos fazem refletir, tais como:  os morfemas (e, por conseguinte, as palavras) nem sempre têm a mesma forma, de modo que nem sempre é possível identificar o mesmo morfema nos seus diversos contextos de uso (sinal de ‘encontrar’ – se diferencia nos contextos de uso pelo sinalizante – aspecto semântico influência no uso).
  • 24. A morfologia, baseada na competência linguística lexical, questionaria a relação das palavras de nosso texto acontecimento com acontecer, de ignorância com ignorar, de assaltante com assaltar e de vigarista com vigário e perguntaria quem são e que função tem esses elementos acrescentados no final dessas palavras, tornando-as mais longas, de sentido e comportamento diferentes. Outra questão seria verificar se esses elementos acrescidos, -ante (- nte), por exemplo, são recorrentes no vocabulário da língua???: democratizar → democratizante, absorver → absorvente, ouvir → ouvinte....isso no português......e dá diferença no momento de escolhas lexicais no momento da TRADUÇÃO/INTERPRETAÇÃO ORAL.