SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 25
Baixar para ler offline
Ofídios do Parque Estadual
Sumaúma, Manaus – Amazonas.
André Girão dos Santos
Orientadora: Dra. Cristina Motta Bührnheim
Manaus, AM.
2015 - 2
Universidade do Estado do Amazonas – UEA
Escola Normal Superior – ENS
Licenciatura em Ciências Biológicas
Introdução
• No Brasil ocorrem 426 espécies de ofídios, sendo 75 peçonhentas
(COSTA e BÉRNILS, 2014).
• Peçonhentas(os) são animais que produzem toxinas e possuem
algum aparato para a sua inoculação, nesse caso, as presas.
• No Brasil existem duas famílias de ofídios que representam algum
tipo de perigo para os humanos.
• Viperidae e Elapidae (BERNARDE, 2009).
• A Viperidae tem como representantes, os gêneros: Bothrops;
Bothriopsis; Bothrocophias; Crotalus; Lachesis (jararacas,
cascavéis e surucucus). Com 9 espécies na Amazônia.
• E a Elapidae, os gêneros: Micrurus; Leptomicrurus (corais-
verdadeiras). Com 18 espécies na Amazônia.
Bothrops atrox – jararaca. Fonte: Lucian Veras
Micrurus spixii – coral-verdadeira. Fonte: Google
imagem.
Viperidae
Elapidae
• Existem outras famílias de ofídios no Brasil, mas que não trazem risco a
saúde humana.
• A Boidae, com os gêneros Boa; Corallus; Epicrates e Eunectes (matam por
constrição), com cinco espécies na Amazônia.
• Colubridae, dividida em sete sub-famílias, mas somente duas sub-famílias
ocorrendo no Brasil: Colibrinae com seguintes gêneros, Chironius;
Dendrophidion; Drymoluber; Mastigodryas; Oxybelis; Rhinobothryum;
Spilotes e Tantilla, tendo 13 espécies na Amazônia. Dipsadinae, com os
gêneros, Apostolepsis; Atractus; Clelia; Dipsas; Drepanoides;
Erythrolamprus; Helicops; Hydrodynastes; Hydrops; Imantodes; Leptodeira;
Leptophis; Liophis; Oxyrhopus; Philodryas; Pseudoboa; Siphlophis;
Taeniophallus; Umbrivaga; Xenodon e Xenopholis, com 36 espécies na
Amazônia.
• Leptotyphlopidae com uma espécie na região de Manaus, Epictia tenella.
• Typhlopidade com uma espécie na região de Manaus, Typhlops reticulatus.
• Anomalepididae com uma espécie na região de Manaus, Typhlophis
squamosus.
• Aniliidae com um gênero e uma espécie existente, Anilius scytale.
Boa constrictor – jiboia. Fonte: Google imagem.
Mastigodryas boddaerti. Fonte: Lucian Veras.
Boidae
Colubridae - Colubrinae
Leptophis ahaetulla. Fonte: Lucian Veras
Epictia tenella. Fonte: Google imagem.
Colubridae - Dipsadinae
Leptotyphlopidae
Typhlops reticulatus. Fonte: Google imagem.
Typhlophis squamosus. Fonte: Google imagem.
Typhlipidae
Anomalepididae
Anilius scytale. Fonte: Google imagem.
Aniliidae
• Em Manaus, na Reserva Adolpho Ducke foram identificadas 66 spp. de
serpentes (Martins, 1998). Mais recentemente, em um fragmento urbano, o
Parque Estadual Sumaúma, Gordo (2006) referiu 2 spp.
• Sabendo disso, é importante conhecer os ofídios que vivem nos parques e
áreas verdes da cidade.
• Sendo feito então um estudo dos ofídios no Parque Estadual Sumaúma,
como único PAREST na região de Manaus, através de uma rápida
amostragem.
Material e Métodos
• Área de estudo:
• O Parque Estadual Sumaúma foi criado através do decreto nº 23.721/03 e
com área de 51 ha e foi redelimitado pela Lei Estadual 3.741/12 para 52,62
ha (Figura 1).
• Está localizado na rua Bacurí, s/n , Bairro Cidade Nova II, Zona Norte de
Manaus – AM.
• É formado por floresta de mata alta, mantendo elementos de floresta
primária, terra firme e a sua vegetação original denominada de ombrófila
densa.
Área total atual do PAREST Sumaúma. Fonte: Google earth.
• Possui uma sede central; uma cozinha; quatro banheiros; um laboratório de
informática; uma biblioteca; uma academia ao ar-livre; e cinco trilhas.
Trilhas do PAREST Sumaúma. Fonte: Kelly Oliveira
• Métodos:
• Foram feitas 12 visitas ao PAREST Sumaúma, nos períodos diurno –
manhã e tarde – (9/10 h até 12 h) (14 h até 17 h) e noturno (18/19 h até 21
h), totalizando 32 horas de amostragem.
• Foi utilizado o método de observação direta, “ad libidum” (DEL-CLARO,
2004).
• Sendo feito registro fotográfico do animal para identificação; captura
utilizando gancho herpetológico; registro das coordenadas geográficas;
medição do indivíduo; medição da temperatura do ambiente; registro do
horário; identificação do terreno (solo, aquático, arbóreo); e lanterna para
focagem noturna.
• Foram seguidas as trilhas que já existem no parque. A cada 10 metros
percorridos, foi feito focagem na mata adjacente da trilha em 20 metros
para esquerda e para a direita da trilha.
• Com os dados coletados, foi feita uma análise para que pudesse se
constatar as condições físicas dos indivíduos capturados.
Quantidade de
indivíduos
coletados
Quantidade de
indivíduos adultos
Desnutrição
Ferimentos ou
amputações
Morto
9 7 Não Não 3
Resultados e Discussão
• Nos 12 dias de amostragem foram feitas seis capturas de ofídios no PAREST
Sumaúma, e três observações pela equipe de AAV’s (Agentes Ambientais
Voluntários), que trabalham no parque.
• Destas nove capturas/observações, foi possível a identificação ao menor
nível taxonômico (espécie), no qual foram identificados cinco espécies de
ofídios.
• Quase todos os espécimes estavam saudáveis e bem alimentados, não fosse
por três indivíduos, uma Boa constrictor e duas de Mastigodryas boddaerti.
• Também foram encontradas duas mudas (ecdise), uma de Boa constrictor
(150 cm) e a outra de algum espécime de Colubridae.
(A) Mastigodryas boddaerti; (B) Mastigodryas boddaerti; (C) Boa contrictor.
(A) Muda de Boa constrictor; (B) Muda de Colubridae.
• As espécies identificadas foram: Boa constrictor – jiboia; Oxybelis fulgidus –
cobra-cipó; Bothrops atrox – jararaca; Mastigodryas boddaerti; e Leptophis
ahaetulla.
Espécie Quantidade de
indivíduos
Localidade espacial Condição
Boa constrictor 1 Solo Morto
Oxybelis fulgidus 1 Árvore Vivo
Bothrops atrox 3 Solo Vivo
Mastigodryas boddaerti 3 Solo Vivo/Morto∗
Leptophis ahaetulla 1 Árvore Vivo
* Um espécime de Mastigodryas boddaerti encontrado morto e outro espécime que morreu após a
captura.
• O número de espécies e quantidade de indivíduos é bem promissor, ainda mais se
comparado a outro trabalho feito no PAREST Sumaúma de caracterização biológica.
• Que difere em quantidade de espécies encontradas, cinco espécies em 2015, contra
duas espécies (Bothrops atrox e Micrurus spixii) em 2006.
• O fato de não ter sido encontrado um único espécime de Micrurus spixii, pode ser
por motivo de predação (cães, gatos ou outros), ou a falta de chuva.
• A maioria dos indivíduos foram encontrados nos arredores da sede central, o que
pode indicar falta de alimento no parque, um alto índice de poluição no parque, ou
ainda, por ser mais fácil a visualização dos ofídios.
• Foram encontradas uma Mastigodryas boddaerti e uma Bothrops atrox no mesmo
local, e o primeiro espécime estaca com sangue e o olho esquerdo quase todo fora
da órbita ocular, o que indica predação por parte do Bothrops atrox (ofiofagia)
(TURCI 2009).
(A) Boa constrictor; (B) Leptophis ahaetulla; (C) Oxybelis fulgidus; (D)
Mastigodryas boddaerti; (E) Bothrops atrox.
Pontos onde foram encontrados os espécimes. Pontos verdes: Encontrados
durante o trabalho; Pontos vermelhos: Encontrados pelos AAVs.
Data Horário Coordenadas Geográficas Temperatura do
Ambiente
Espécie/Tamanho (cm) Localidade
espacial/Condição
Latitude Longitude
03/09/15 09:02 S 03º 02’ 05.3” W 059º 58’ 54.4” 34.2ºC Boa constrictor / 150 cm Solo/Morta
16/10/15 12:00 S 03º 02’ 05.8” W 059º 58’ 56.6” 34ºC Oxybelis fulgidus / 135 cm Árvore/Viva
24/10/15 09:57 S 03º 02’ 08.4” W 059º 58’ 46.5” 30°C Bothrops atrox / 110 cm Solo/Viva
07/11/15 17:05 S 03º 02’ 06.0” W 059º 58’ 58.3” 34.5ºC Mastigodryas boddaerti / 90 cm Solo/Viva
07/11/15 17:31 S 03º 02’ 06.0” W 059º 58’ 58.3” 34.5ºC Bothrops atrox / 110 cm Solo/Viva
21/11/15 12:00 S 03º 02’ 05.7” W 059º 58’ 54.4” 34ºC Mastigodryas boddaerti / 65 cm Solo/Morta
- - S 03º 01’ 59.9” W 059º 58’ 47.3” - Bothrops atrox Solo/Viva
- - S 03º 02’ 01.8” W 059º 58’ 59.9” - Leptophis ahaetulla Árvore/Viva
- - S 03º 02’ 01.1” W 059º 59’ 00.1” - Mastigodryas boddaerti Solo/Viva
Considerações Finais e Recomendações
• O PAREST Sumaúma mostra-se com grande potencial para trabalhos
científicos, porém existem alguns empecilhos, como: pontes deterioradas, muita
poluição nos igarapés e na mata do parque, trilhas mexidas pelos morados dos
arredores, pouca quantidade de guias, e falta de recursos (bebedouro, papel-
higienico, entre outros).
• Existem também a fragmentação do parque, para a construção da continuação
da Av. Timbiras, e também será feito um corte de 600 metros de extensão por
5/7 metros de largura, para a tubulação de agua pluviais dessa nova parte da
Av. Timbiras.
• O Shopping Sumaúma joga seus afluentes para dentro do parque, sem que
haja o devido cuidado para tal, o que influencia na contaminação dos igarapés
do parque.
Efluente oriundo do Shopping Sumaúma. Fonte: Lucian Veras.
Poluição de resíduos sólidos em um dos igarapés do parque. Fonte: Lucian Veras
• O que se busca então é a melhoria do Parque Estadual Sumaúma e a
abertura do parque para o público em geral, para que o parque tenha a sua
finalidade alcançada.
Referências• BERNARDE, P. S. Acidentes Ofídicos. Apostila. UFAC, 2009,p. 26.
• COSTA, H. C.; BÉRNILS, R. S. Répteis brasileiros: Lista de espécies. Herpetologia Brasileira, v. 3, n. 3, p. 74-84, 2014.
• DEL-CLARO, K. Comportamento animal: uma introdução à ecologia comportamental. Jundiaí: Livraria Conceito, p. 132, 2004.
• FONTES, T. A.; RIBEIRO, K. C. C. Parque Estadual Sumaúma em Manaus: Considerações sobre a Educação Ambiental e sua utilização para a
conservação do local. Revista Eletrônica Aboré, p. 91 – 106, 2010.
• FRAGA, R. de; LIMA, A. P.; PRUDENTE, A. L. C. da; MAGNUSSON, W. E. Guia de cobras da região de Manaus: Amazônia Central. Manaus: Editora
Inpa, p. 303, 2013.
• GORDO, M. Caracterização Biológica do Parque Estadual Sumaúma. Manaus: Universidade Federal do Amazonas, Relatório Técnico, p. 42, 2006.
• MARTINS, M.; OLIVEIRA, M. E. História natural das cobras nas florestas da região de Manaus, Amazônia central, Brasil. Herpetological Natural
History, v. 6, n. 2, p. 78 – 150, 1998.
• MOURA, V. M. de; MOURÃO, R. S. V.; SANTOS, M. C dos. Acidentes ofídicos na Região Norte do Brasil e o uso de espécies vegetais como tratamento
alternativo e complementar à soroterapia. Scientia Amazonia, v.4, n.1, p. 73-84, 2015.
• NAVARRETE, L. F. S.; LÓPEZ-JOHNSTON, J. C.; DÁVILA, A. B. Guía de las serpientes de Venezuela: biologia, venenos, conservación y listado
de especies. Caracas: Zoocriadero Ecopets, p. 103, 2009.
• SANTOS, M. C. dos; MARTINS, M.; BOECHAT, A. L.; SÁ-NETO, R. P. de; OLIVEIRA, M. E. de. Serpentes de interesse médico da Amazônia:
biologia, venenos e tratamento de acidentes. Manaus: Universidade do Amazonas, p. 70,1995.
• SDS - CEUC. Rede de conservação Amazonas. FERREIRA, N. C. D.; MACEDO, D.; FORSBERG, M. C (Eds.). The Gordon and Betty Moore
Foundation. p. 103, 2009.
• TURCI, L. C. B., ALBUQUERQUE, S., BERNARDE, P. S. & MIRANDA, D. B. Uso do hábitat, atividade e comportamento de Bothriopsis bilineatus e de
Bothrops atrox (Serpentes: Viperidae) na floresta do Rio Moa, Acre – Brasil. Biota Neotrop., v. 9, n. 3, p. 197 – 206, 2009.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Guia de identificação de gêneros de formigas
Guia de identificação de gêneros de formigasGuia de identificação de gêneros de formigas
Guia de identificação de gêneros de formigasAndre Benedito
 
Atividade de ciencias 3 7 ano - 1° bim - 2013
Atividade de ciencias 3    7 ano - 1° bim - 2013Atividade de ciencias 3    7 ano - 1° bim - 2013
Atividade de ciencias 3 7 ano - 1° bim - 2013Luciano Mendes
 
Guia de borboletas frugívoras da reserva ducke
Guia de borboletas frugívoras da reserva duckeGuia de borboletas frugívoras da reserva ducke
Guia de borboletas frugívoras da reserva duckeAndre Benedito
 
Metodologia fauna faz. salto
Metodologia fauna faz. saltoMetodologia fauna faz. salto
Metodologia fauna faz. saltoEquipe_NGA
 
Techniques for Sampling Vertebrates
Techniques for Sampling VertebratesTechniques for Sampling Vertebrates
Techniques for Sampling VertebratesDiogo Provete
 
Guia de sapos da reserva ducke amazônia central
Guia de sapos da reserva ducke   amazônia centralGuia de sapos da reserva ducke   amazônia central
Guia de sapos da reserva ducke amazônia centralAndre Benedito
 
Semiótica das Cores na Canaricultura - O Canarímetro 2020
Semiótica das Cores na Canaricultura - O Canarímetro 2020Semiótica das Cores na Canaricultura - O Canarímetro 2020
Semiótica das Cores na Canaricultura - O Canarímetro 2020Barçante L. C.
 
Preparação de esqueletos de pequenos e médios animais mantendo
Preparação de esqueletos de pequenos e médios animais mantendoPreparação de esqueletos de pequenos e médios animais mantendo
Preparação de esqueletos de pequenos e médios animais mantendoElismmelo55
 
PredaçãO De Pequenos MamíFeros Por Suindara (Tyto Alba)
PredaçãO De Pequenos MamíFeros Por Suindara (Tyto Alba)PredaçãO De Pequenos MamíFeros Por Suindara (Tyto Alba)
PredaçãO De Pequenos MamíFeros Por Suindara (Tyto Alba)guest599576
 
Fauna do solo zoologia agricola
Fauna do solo zoologia agricolaFauna do solo zoologia agricola
Fauna do solo zoologia agricolaUFRA-Capanema
 
Scientific american brasil janeiro 2016
Scientific american brasil   janeiro 2016Scientific american brasil   janeiro 2016
Scientific american brasil janeiro 2016Ariovaldo Cunha
 
Atividade de Ciências IV bimestre 7º ano
Atividade de Ciências IV  bimestre    7º anoAtividade de Ciências IV  bimestre    7º ano
Atividade de Ciências IV bimestre 7º anoMary Alvarenga
 
Guia de sapos da reserva adolpho ducke, amazonia central 2006
Guia de sapos da reserva adolpho ducke, amazonia central 2006Guia de sapos da reserva adolpho ducke, amazonia central 2006
Guia de sapos da reserva adolpho ducke, amazonia central 2006Coonass
 
Guia de samambaias e licófitas da rebio uatumã – amazônia central
Guia de samambaias e licófitas da rebio uatumã – amazônia centralGuia de samambaias e licófitas da rebio uatumã – amazônia central
Guia de samambaias e licófitas da rebio uatumã – amazônia centralAndre Benedito
 
Guia de lagartos da reserva ducke
Guia de lagartos da reserva duckeGuia de lagartos da reserva ducke
Guia de lagartos da reserva duckeAndre Benedito
 
Atividade avaliativa de ciênicias 2º bimestre 1 tati
Atividade avaliativa de ciênicias 2º bimestre  1 tatiAtividade avaliativa de ciênicias 2º bimestre  1 tati
Atividade avaliativa de ciênicias 2º bimestre 1 tatiELIANE BRAVO
 
Guia de palmeiras da br 319
Guia de palmeiras da br 319Guia de palmeiras da br 319
Guia de palmeiras da br 319Andre Benedito
 

Mais procurados (20)

Guia de identificação de gêneros de formigas
Guia de identificação de gêneros de formigasGuia de identificação de gêneros de formigas
Guia de identificação de gêneros de formigas
 
Atividade de ciencias 3 7 ano - 1° bim - 2013
Atividade de ciencias 3    7 ano - 1° bim - 2013Atividade de ciencias 3    7 ano - 1° bim - 2013
Atividade de ciencias 3 7 ano - 1° bim - 2013
 
Guia de borboletas frugívoras da reserva ducke
Guia de borboletas frugívoras da reserva duckeGuia de borboletas frugívoras da reserva ducke
Guia de borboletas frugívoras da reserva ducke
 
Metodologia fauna faz. salto
Metodologia fauna faz. saltoMetodologia fauna faz. salto
Metodologia fauna faz. salto
 
Techniques for Sampling Vertebrates
Techniques for Sampling VertebratesTechniques for Sampling Vertebrates
Techniques for Sampling Vertebrates
 
Guia de sapos da reserva ducke amazônia central
Guia de sapos da reserva ducke   amazônia centralGuia de sapos da reserva ducke   amazônia central
Guia de sapos da reserva ducke amazônia central
 
Semiótica das Cores na Canaricultura - O Canarímetro 2020
Semiótica das Cores na Canaricultura - O Canarímetro 2020Semiótica das Cores na Canaricultura - O Canarímetro 2020
Semiótica das Cores na Canaricultura - O Canarímetro 2020
 
Estudo levantamento-fauna-respectivos-metodos
Estudo levantamento-fauna-respectivos-metodosEstudo levantamento-fauna-respectivos-metodos
Estudo levantamento-fauna-respectivos-metodos
 
Preparação de esqueletos de pequenos e médios animais mantendo
Preparação de esqueletos de pequenos e médios animais mantendoPreparação de esqueletos de pequenos e médios animais mantendo
Preparação de esqueletos de pequenos e médios animais mantendo
 
PredaçãO De Pequenos MamíFeros Por Suindara (Tyto Alba)
PredaçãO De Pequenos MamíFeros Por Suindara (Tyto Alba)PredaçãO De Pequenos MamíFeros Por Suindara (Tyto Alba)
PredaçãO De Pequenos MamíFeros Por Suindara (Tyto Alba)
 
Fauna do solo zoologia agricola
Fauna do solo zoologia agricolaFauna do solo zoologia agricola
Fauna do solo zoologia agricola
 
Scientific american brasil janeiro 2016
Scientific american brasil   janeiro 2016Scientific american brasil   janeiro 2016
Scientific american brasil janeiro 2016
 
Atividade de Ciências IV bimestre 7º ano
Atividade de Ciências IV  bimestre    7º anoAtividade de Ciências IV  bimestre    7º ano
Atividade de Ciências IV bimestre 7º ano
 
Guia de sapos da reserva adolpho ducke, amazonia central 2006
Guia de sapos da reserva adolpho ducke, amazonia central 2006Guia de sapos da reserva adolpho ducke, amazonia central 2006
Guia de sapos da reserva adolpho ducke, amazonia central 2006
 
Guia de samambaias e licófitas da rebio uatumã – amazônia central
Guia de samambaias e licófitas da rebio uatumã – amazônia centralGuia de samambaias e licófitas da rebio uatumã – amazônia central
Guia de samambaias e licófitas da rebio uatumã – amazônia central
 
Apresentação projeto Iguanodectes rachovii
Apresentação projeto Iguanodectes rachoviiApresentação projeto Iguanodectes rachovii
Apresentação projeto Iguanodectes rachovii
 
18
1818
18
 
Guia de lagartos da reserva ducke
Guia de lagartos da reserva duckeGuia de lagartos da reserva ducke
Guia de lagartos da reserva ducke
 
Atividade avaliativa de ciênicias 2º bimestre 1 tati
Atividade avaliativa de ciênicias 2º bimestre  1 tatiAtividade avaliativa de ciênicias 2º bimestre  1 tati
Atividade avaliativa de ciênicias 2º bimestre 1 tati
 
Guia de palmeiras da br 319
Guia de palmeiras da br 319Guia de palmeiras da br 319
Guia de palmeiras da br 319
 

Semelhante a Ofídios do Parque Estadual Sumaúma, Manaus - Amazonas.ppt

A malacofauna terrestre do distrito de Vai Volta
A malacofauna terrestre do distrito de Vai VoltaA malacofauna terrestre do distrito de Vai Volta
A malacofauna terrestre do distrito de Vai VoltaAmanda Oliveira
 
Ofídios do Parque Estadual Sumaúma, Manaus - Amazonas
Ofídios do Parque Estadual Sumaúma, Manaus - AmazonasOfídios do Parque Estadual Sumaúma, Manaus - Amazonas
Ofídios do Parque Estadual Sumaúma, Manaus - AmazonasAndré Girão
 
Método de Captura de Artrópodes.pptx
Método de Captura de Artrópodes.pptxMétodo de Captura de Artrópodes.pptx
Método de Captura de Artrópodes.pptxTatianeKlossoski
 
Os anfíbios para o equilíbrio ecológico do ambiente.ppt
Os anfíbios para o equilíbrio ecológico do ambiente.pptOs anfíbios para o equilíbrio ecológico do ambiente.ppt
Os anfíbios para o equilíbrio ecológico do ambiente.pptCamilaSantana300186
 
Censos de Biomassa - Cretácico Inferior do Algarve
Censos de Biomassa - Cretácico Inferior do AlgarveCensos de Biomassa - Cretácico Inferior do Algarve
Censos de Biomassa - Cretácico Inferior do AlgarveGrupodePaleontologia
 
Ofidismobernarde 131231223424-phpapp02
Ofidismobernarde 131231223424-phpapp02Ofidismobernarde 131231223424-phpapp02
Ofidismobernarde 131231223424-phpapp02Saulo Gomes
 
Acidentes ofídicos dr. paula bernades
Acidentes ofídicos dr. paula bernadesAcidentes ofídicos dr. paula bernades
Acidentes ofídicos dr. paula bernadesadrianomedico
 
Curso Fea Rodentia Marsupiais [Modo De Compatibilidade]
Curso Fea Rodentia Marsupiais [Modo De Compatibilidade]Curso Fea Rodentia Marsupiais [Modo De Compatibilidade]
Curso Fea Rodentia Marsupiais [Modo De Compatibilidade]gueste55742
 
Ecologia de insetos
Ecologia de insetosEcologia de insetos
Ecologia de insetosLimnos Ufsc
 
Mamíferos de médio e grande porte no parque ecológico quedas do rio bonito
Mamíferos de médio e grande porte no parque ecológico quedas do rio bonitoMamíferos de médio e grande porte no parque ecológico quedas do rio bonito
Mamíferos de médio e grande porte no parque ecológico quedas do rio bonitoKassius Santos
 
Apresentação da família de peixes Poeciliidae e algumas curiosidades. (02-10-13)
Apresentação da família de peixes Poeciliidae e algumas curiosidades. (02-10-13)Apresentação da família de peixes Poeciliidae e algumas curiosidades. (02-10-13)
Apresentação da família de peixes Poeciliidae e algumas curiosidades. (02-10-13)MichelBFP
 
Quando as manchas de habitat são realmente ilhas
Quando as manchas de habitat são realmente ilhasQuando as manchas de habitat são realmente ilhas
Quando as manchas de habitat são realmente ilhas- Arthur Verissimo
 
Chave de identificação anfíbios anuros da vertente de jundiaí da serra do japi
Chave de identificação anfíbios anuros da vertente de jundiaí da serra do japiChave de identificação anfíbios anuros da vertente de jundiaí da serra do japi
Chave de identificação anfíbios anuros da vertente de jundiaí da serra do japiAndre Benedito
 
Abelhas nativas (Hymenoptera: Apidae) em Floresta Ombrófila Densa Submontana ...
Abelhas nativas (Hymenoptera: Apidae) em Floresta Ombrófila Densa Submontana ...Abelhas nativas (Hymenoptera: Apidae) em Floresta Ombrófila Densa Submontana ...
Abelhas nativas (Hymenoptera: Apidae) em Floresta Ombrófila Densa Submontana ...Label-ha
 

Semelhante a Ofídios do Parque Estadual Sumaúma, Manaus - Amazonas.ppt (20)

A malacofauna terrestre do distrito de Vai Volta
A malacofauna terrestre do distrito de Vai VoltaA malacofauna terrestre do distrito de Vai Volta
A malacofauna terrestre do distrito de Vai Volta
 
Ofídios do Parque Estadual Sumaúma, Manaus - Amazonas
Ofídios do Parque Estadual Sumaúma, Manaus - AmazonasOfídios do Parque Estadual Sumaúma, Manaus - Amazonas
Ofídios do Parque Estadual Sumaúma, Manaus - Amazonas
 
Método de Captura de Artrópodes.pptx
Método de Captura de Artrópodes.pptxMétodo de Captura de Artrópodes.pptx
Método de Captura de Artrópodes.pptx
 
Os anfíbios para o equilíbrio ecológico do ambiente.ppt
Os anfíbios para o equilíbrio ecológico do ambiente.pptOs anfíbios para o equilíbrio ecológico do ambiente.ppt
Os anfíbios para o equilíbrio ecológico do ambiente.ppt
 
Censos de Biomassa - Cretácico Inferior do Algarve
Censos de Biomassa - Cretácico Inferior do AlgarveCensos de Biomassa - Cretácico Inferior do Algarve
Censos de Biomassa - Cretácico Inferior do Algarve
 
ACIDENTES OFÍDICOS
ACIDENTES OFÍDICOS ACIDENTES OFÍDICOS
ACIDENTES OFÍDICOS
 
Ofidismobernarde 131231223424-phpapp02
Ofidismobernarde 131231223424-phpapp02Ofidismobernarde 131231223424-phpapp02
Ofidismobernarde 131231223424-phpapp02
 
Acidentes ofídicos dr. paula bernades
Acidentes ofídicos dr. paula bernadesAcidentes ofídicos dr. paula bernades
Acidentes ofídicos dr. paula bernades
 
Curso Fea Rodentia Marsupiais [Modo De Compatibilidade]
Curso Fea Rodentia Marsupiais [Modo De Compatibilidade]Curso Fea Rodentia Marsupiais [Modo De Compatibilidade]
Curso Fea Rodentia Marsupiais [Modo De Compatibilidade]
 
Itapua tripes artigo
Itapua tripes artigoItapua tripes artigo
Itapua tripes artigo
 
Ecologia de insetos
Ecologia de insetosEcologia de insetos
Ecologia de insetos
 
Apresentação1.pptx
Apresentação1.pptxApresentação1.pptx
Apresentação1.pptx
 
Mamíferos de médio e grande porte no parque ecológico quedas do rio bonito
Mamíferos de médio e grande porte no parque ecológico quedas do rio bonitoMamíferos de médio e grande porte no parque ecológico quedas do rio bonito
Mamíferos de médio e grande porte no parque ecológico quedas do rio bonito
 
Anuros
AnurosAnuros
Anuros
 
Apresentação da família de peixes Poeciliidae e algumas curiosidades. (02-10-13)
Apresentação da família de peixes Poeciliidae e algumas curiosidades. (02-10-13)Apresentação da família de peixes Poeciliidae e algumas curiosidades. (02-10-13)
Apresentação da família de peixes Poeciliidae e algumas curiosidades. (02-10-13)
 
R0920 1
R0920 1R0920 1
R0920 1
 
Coleta de formigas
Coleta de formigasColeta de formigas
Coleta de formigas
 
Quando as manchas de habitat são realmente ilhas
Quando as manchas de habitat são realmente ilhasQuando as manchas de habitat são realmente ilhas
Quando as manchas de habitat são realmente ilhas
 
Chave de identificação anfíbios anuros da vertente de jundiaí da serra do japi
Chave de identificação anfíbios anuros da vertente de jundiaí da serra do japiChave de identificação anfíbios anuros da vertente de jundiaí da serra do japi
Chave de identificação anfíbios anuros da vertente de jundiaí da serra do japi
 
Abelhas nativas (Hymenoptera: Apidae) em Floresta Ombrófila Densa Submontana ...
Abelhas nativas (Hymenoptera: Apidae) em Floresta Ombrófila Densa Submontana ...Abelhas nativas (Hymenoptera: Apidae) em Floresta Ombrófila Densa Submontana ...
Abelhas nativas (Hymenoptera: Apidae) em Floresta Ombrófila Densa Submontana ...
 

Último

CRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURA
CRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURACRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURA
CRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURADouglasVasconcelosMa
 
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTREVACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTREIVONETETAVARESRAMOS
 
As variações do uso da palavra "como" no texto
As variações do uso da palavra "como" no  textoAs variações do uso da palavra "como" no  texto
As variações do uso da palavra "como" no textoMariaPauladeSouzaTur
 
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona  - Povos Indigenas BrasileirosMini livro sanfona  - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona - Povos Indigenas BrasileirosMary Alvarenga
 
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxAULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxGislaineDuresCruz
 
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxBaladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxacaciocarmo1
 
Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)Paula Meyer Piagentini
 
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptxFree-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptxkarinasantiago54
 
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLinguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLaseVasconcelos1
 
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptxOrientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptxJMTCS
 
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.azulassessoria9
 
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdfO Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdfQueleLiberato
 
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptxQUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptxAntonioVieira539017
 
Projeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETO
Projeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETOProjeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETO
Projeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETODouglasVasconcelosMa
 
A área de ciências da religião no brasil 2023.ppsx
A área de ciências da religião no brasil  2023.ppsxA área de ciências da religião no brasil  2023.ppsx
A área de ciências da religião no brasil 2023.ppsxGilbraz Aragão
 
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaA Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaFernanda Ledesma
 
atividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetizaçãoatividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetizaçãodanielagracia9
 
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoGametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoCelianeOliveira8
 
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...nexocan937
 
Apreciação crítica -exercícios de escrita
Apreciação crítica -exercícios de escritaApreciação crítica -exercícios de escrita
Apreciação crítica -exercícios de escritaeliana862656
 

Último (20)

CRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURA
CRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURACRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURA
CRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURA
 
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTREVACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
 
As variações do uso da palavra "como" no texto
As variações do uso da palavra "como" no  textoAs variações do uso da palavra "como" no  texto
As variações do uso da palavra "como" no texto
 
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona  - Povos Indigenas BrasileirosMini livro sanfona  - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
 
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxAULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
 
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxBaladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
 
Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)
 
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptxFree-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
 
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLinguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
 
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptxOrientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
 
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
 
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdfO Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
 
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptxQUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
 
Projeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETO
Projeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETOProjeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETO
Projeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETO
 
A área de ciências da religião no brasil 2023.ppsx
A área de ciências da religião no brasil  2023.ppsxA área de ciências da religião no brasil  2023.ppsx
A área de ciências da religião no brasil 2023.ppsx
 
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaA Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
 
atividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetizaçãoatividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetização
 
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoGametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
 
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
 
Apreciação crítica -exercícios de escrita
Apreciação crítica -exercícios de escritaApreciação crítica -exercícios de escrita
Apreciação crítica -exercícios de escrita
 

Ofídios do Parque Estadual Sumaúma, Manaus - Amazonas.ppt

  • 1. Ofídios do Parque Estadual Sumaúma, Manaus – Amazonas. André Girão dos Santos Orientadora: Dra. Cristina Motta Bührnheim Manaus, AM. 2015 - 2 Universidade do Estado do Amazonas – UEA Escola Normal Superior – ENS Licenciatura em Ciências Biológicas
  • 2. Introdução • No Brasil ocorrem 426 espécies de ofídios, sendo 75 peçonhentas (COSTA e BÉRNILS, 2014). • Peçonhentas(os) são animais que produzem toxinas e possuem algum aparato para a sua inoculação, nesse caso, as presas. • No Brasil existem duas famílias de ofídios que representam algum tipo de perigo para os humanos. • Viperidae e Elapidae (BERNARDE, 2009). • A Viperidae tem como representantes, os gêneros: Bothrops; Bothriopsis; Bothrocophias; Crotalus; Lachesis (jararacas, cascavéis e surucucus). Com 9 espécies na Amazônia. • E a Elapidae, os gêneros: Micrurus; Leptomicrurus (corais- verdadeiras). Com 18 espécies na Amazônia.
  • 3. Bothrops atrox – jararaca. Fonte: Lucian Veras Micrurus spixii – coral-verdadeira. Fonte: Google imagem. Viperidae Elapidae
  • 4. • Existem outras famílias de ofídios no Brasil, mas que não trazem risco a saúde humana. • A Boidae, com os gêneros Boa; Corallus; Epicrates e Eunectes (matam por constrição), com cinco espécies na Amazônia. • Colubridae, dividida em sete sub-famílias, mas somente duas sub-famílias ocorrendo no Brasil: Colibrinae com seguintes gêneros, Chironius; Dendrophidion; Drymoluber; Mastigodryas; Oxybelis; Rhinobothryum; Spilotes e Tantilla, tendo 13 espécies na Amazônia. Dipsadinae, com os gêneros, Apostolepsis; Atractus; Clelia; Dipsas; Drepanoides; Erythrolamprus; Helicops; Hydrodynastes; Hydrops; Imantodes; Leptodeira; Leptophis; Liophis; Oxyrhopus; Philodryas; Pseudoboa; Siphlophis; Taeniophallus; Umbrivaga; Xenodon e Xenopholis, com 36 espécies na Amazônia. • Leptotyphlopidae com uma espécie na região de Manaus, Epictia tenella. • Typhlopidade com uma espécie na região de Manaus, Typhlops reticulatus. • Anomalepididae com uma espécie na região de Manaus, Typhlophis squamosus. • Aniliidae com um gênero e uma espécie existente, Anilius scytale.
  • 5. Boa constrictor – jiboia. Fonte: Google imagem. Mastigodryas boddaerti. Fonte: Lucian Veras. Boidae Colubridae - Colubrinae
  • 6. Leptophis ahaetulla. Fonte: Lucian Veras Epictia tenella. Fonte: Google imagem. Colubridae - Dipsadinae Leptotyphlopidae
  • 7. Typhlops reticulatus. Fonte: Google imagem. Typhlophis squamosus. Fonte: Google imagem. Typhlipidae Anomalepididae
  • 8. Anilius scytale. Fonte: Google imagem. Aniliidae
  • 9. • Em Manaus, na Reserva Adolpho Ducke foram identificadas 66 spp. de serpentes (Martins, 1998). Mais recentemente, em um fragmento urbano, o Parque Estadual Sumaúma, Gordo (2006) referiu 2 spp. • Sabendo disso, é importante conhecer os ofídios que vivem nos parques e áreas verdes da cidade. • Sendo feito então um estudo dos ofídios no Parque Estadual Sumaúma, como único PAREST na região de Manaus, através de uma rápida amostragem.
  • 10. Material e Métodos • Área de estudo: • O Parque Estadual Sumaúma foi criado através do decreto nº 23.721/03 e com área de 51 ha e foi redelimitado pela Lei Estadual 3.741/12 para 52,62 ha (Figura 1). • Está localizado na rua Bacurí, s/n , Bairro Cidade Nova II, Zona Norte de Manaus – AM. • É formado por floresta de mata alta, mantendo elementos de floresta primária, terra firme e a sua vegetação original denominada de ombrófila densa.
  • 11. Área total atual do PAREST Sumaúma. Fonte: Google earth.
  • 12. • Possui uma sede central; uma cozinha; quatro banheiros; um laboratório de informática; uma biblioteca; uma academia ao ar-livre; e cinco trilhas. Trilhas do PAREST Sumaúma. Fonte: Kelly Oliveira
  • 13. • Métodos: • Foram feitas 12 visitas ao PAREST Sumaúma, nos períodos diurno – manhã e tarde – (9/10 h até 12 h) (14 h até 17 h) e noturno (18/19 h até 21 h), totalizando 32 horas de amostragem. • Foi utilizado o método de observação direta, “ad libidum” (DEL-CLARO, 2004). • Sendo feito registro fotográfico do animal para identificação; captura utilizando gancho herpetológico; registro das coordenadas geográficas; medição do indivíduo; medição da temperatura do ambiente; registro do horário; identificação do terreno (solo, aquático, arbóreo); e lanterna para focagem noturna. • Foram seguidas as trilhas que já existem no parque. A cada 10 metros percorridos, foi feito focagem na mata adjacente da trilha em 20 metros para esquerda e para a direita da trilha.
  • 14. • Com os dados coletados, foi feita uma análise para que pudesse se constatar as condições físicas dos indivíduos capturados. Quantidade de indivíduos coletados Quantidade de indivíduos adultos Desnutrição Ferimentos ou amputações Morto 9 7 Não Não 3
  • 15. Resultados e Discussão • Nos 12 dias de amostragem foram feitas seis capturas de ofídios no PAREST Sumaúma, e três observações pela equipe de AAV’s (Agentes Ambientais Voluntários), que trabalham no parque. • Destas nove capturas/observações, foi possível a identificação ao menor nível taxonômico (espécie), no qual foram identificados cinco espécies de ofídios. • Quase todos os espécimes estavam saudáveis e bem alimentados, não fosse por três indivíduos, uma Boa constrictor e duas de Mastigodryas boddaerti. • Também foram encontradas duas mudas (ecdise), uma de Boa constrictor (150 cm) e a outra de algum espécime de Colubridae.
  • 16. (A) Mastigodryas boddaerti; (B) Mastigodryas boddaerti; (C) Boa contrictor. (A) Muda de Boa constrictor; (B) Muda de Colubridae.
  • 17. • As espécies identificadas foram: Boa constrictor – jiboia; Oxybelis fulgidus – cobra-cipó; Bothrops atrox – jararaca; Mastigodryas boddaerti; e Leptophis ahaetulla. Espécie Quantidade de indivíduos Localidade espacial Condição Boa constrictor 1 Solo Morto Oxybelis fulgidus 1 Árvore Vivo Bothrops atrox 3 Solo Vivo Mastigodryas boddaerti 3 Solo Vivo/Morto∗ Leptophis ahaetulla 1 Árvore Vivo * Um espécime de Mastigodryas boddaerti encontrado morto e outro espécime que morreu após a captura.
  • 18. • O número de espécies e quantidade de indivíduos é bem promissor, ainda mais se comparado a outro trabalho feito no PAREST Sumaúma de caracterização biológica. • Que difere em quantidade de espécies encontradas, cinco espécies em 2015, contra duas espécies (Bothrops atrox e Micrurus spixii) em 2006. • O fato de não ter sido encontrado um único espécime de Micrurus spixii, pode ser por motivo de predação (cães, gatos ou outros), ou a falta de chuva. • A maioria dos indivíduos foram encontrados nos arredores da sede central, o que pode indicar falta de alimento no parque, um alto índice de poluição no parque, ou ainda, por ser mais fácil a visualização dos ofídios. • Foram encontradas uma Mastigodryas boddaerti e uma Bothrops atrox no mesmo local, e o primeiro espécime estaca com sangue e o olho esquerdo quase todo fora da órbita ocular, o que indica predação por parte do Bothrops atrox (ofiofagia) (TURCI 2009).
  • 19. (A) Boa constrictor; (B) Leptophis ahaetulla; (C) Oxybelis fulgidus; (D) Mastigodryas boddaerti; (E) Bothrops atrox.
  • 20. Pontos onde foram encontrados os espécimes. Pontos verdes: Encontrados durante o trabalho; Pontos vermelhos: Encontrados pelos AAVs.
  • 21. Data Horário Coordenadas Geográficas Temperatura do Ambiente Espécie/Tamanho (cm) Localidade espacial/Condição Latitude Longitude 03/09/15 09:02 S 03º 02’ 05.3” W 059º 58’ 54.4” 34.2ºC Boa constrictor / 150 cm Solo/Morta 16/10/15 12:00 S 03º 02’ 05.8” W 059º 58’ 56.6” 34ºC Oxybelis fulgidus / 135 cm Árvore/Viva 24/10/15 09:57 S 03º 02’ 08.4” W 059º 58’ 46.5” 30°C Bothrops atrox / 110 cm Solo/Viva 07/11/15 17:05 S 03º 02’ 06.0” W 059º 58’ 58.3” 34.5ºC Mastigodryas boddaerti / 90 cm Solo/Viva 07/11/15 17:31 S 03º 02’ 06.0” W 059º 58’ 58.3” 34.5ºC Bothrops atrox / 110 cm Solo/Viva 21/11/15 12:00 S 03º 02’ 05.7” W 059º 58’ 54.4” 34ºC Mastigodryas boddaerti / 65 cm Solo/Morta - - S 03º 01’ 59.9” W 059º 58’ 47.3” - Bothrops atrox Solo/Viva - - S 03º 02’ 01.8” W 059º 58’ 59.9” - Leptophis ahaetulla Árvore/Viva - - S 03º 02’ 01.1” W 059º 59’ 00.1” - Mastigodryas boddaerti Solo/Viva
  • 22. Considerações Finais e Recomendações • O PAREST Sumaúma mostra-se com grande potencial para trabalhos científicos, porém existem alguns empecilhos, como: pontes deterioradas, muita poluição nos igarapés e na mata do parque, trilhas mexidas pelos morados dos arredores, pouca quantidade de guias, e falta de recursos (bebedouro, papel- higienico, entre outros). • Existem também a fragmentação do parque, para a construção da continuação da Av. Timbiras, e também será feito um corte de 600 metros de extensão por 5/7 metros de largura, para a tubulação de agua pluviais dessa nova parte da Av. Timbiras. • O Shopping Sumaúma joga seus afluentes para dentro do parque, sem que haja o devido cuidado para tal, o que influencia na contaminação dos igarapés do parque.
  • 23. Efluente oriundo do Shopping Sumaúma. Fonte: Lucian Veras. Poluição de resíduos sólidos em um dos igarapés do parque. Fonte: Lucian Veras
  • 24. • O que se busca então é a melhoria do Parque Estadual Sumaúma e a abertura do parque para o público em geral, para que o parque tenha a sua finalidade alcançada.
  • 25. Referências• BERNARDE, P. S. Acidentes Ofídicos. Apostila. UFAC, 2009,p. 26. • COSTA, H. C.; BÉRNILS, R. S. Répteis brasileiros: Lista de espécies. Herpetologia Brasileira, v. 3, n. 3, p. 74-84, 2014. • DEL-CLARO, K. Comportamento animal: uma introdução à ecologia comportamental. Jundiaí: Livraria Conceito, p. 132, 2004. • FONTES, T. A.; RIBEIRO, K. C. C. Parque Estadual Sumaúma em Manaus: Considerações sobre a Educação Ambiental e sua utilização para a conservação do local. Revista Eletrônica Aboré, p. 91 – 106, 2010. • FRAGA, R. de; LIMA, A. P.; PRUDENTE, A. L. C. da; MAGNUSSON, W. E. Guia de cobras da região de Manaus: Amazônia Central. Manaus: Editora Inpa, p. 303, 2013. • GORDO, M. Caracterização Biológica do Parque Estadual Sumaúma. Manaus: Universidade Federal do Amazonas, Relatório Técnico, p. 42, 2006. • MARTINS, M.; OLIVEIRA, M. E. História natural das cobras nas florestas da região de Manaus, Amazônia central, Brasil. Herpetological Natural History, v. 6, n. 2, p. 78 – 150, 1998. • MOURA, V. M. de; MOURÃO, R. S. V.; SANTOS, M. C dos. Acidentes ofídicos na Região Norte do Brasil e o uso de espécies vegetais como tratamento alternativo e complementar à soroterapia. Scientia Amazonia, v.4, n.1, p. 73-84, 2015. • NAVARRETE, L. F. S.; LÓPEZ-JOHNSTON, J. C.; DÁVILA, A. B. Guía de las serpientes de Venezuela: biologia, venenos, conservación y listado de especies. Caracas: Zoocriadero Ecopets, p. 103, 2009. • SANTOS, M. C. dos; MARTINS, M.; BOECHAT, A. L.; SÁ-NETO, R. P. de; OLIVEIRA, M. E. de. Serpentes de interesse médico da Amazônia: biologia, venenos e tratamento de acidentes. Manaus: Universidade do Amazonas, p. 70,1995. • SDS - CEUC. Rede de conservação Amazonas. FERREIRA, N. C. D.; MACEDO, D.; FORSBERG, M. C (Eds.). The Gordon and Betty Moore Foundation. p. 103, 2009. • TURCI, L. C. B., ALBUQUERQUE, S., BERNARDE, P. S. & MIRANDA, D. B. Uso do hábitat, atividade e comportamento de Bothriopsis bilineatus e de Bothrops atrox (Serpentes: Viperidae) na floresta do Rio Moa, Acre – Brasil. Biota Neotrop., v. 9, n. 3, p. 197 – 206, 2009.