Livro monica lacombe camargo - saúde e beleza

11.073 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
0 comentários
4 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
11.073
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
17
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
334
Comentários
0
Gostaram
4
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Livro monica lacombe camargo - saúde e beleza

  1. 1. Home Index Aloe Frei Romano Alimento ou Medicamento Aloe vera Aloe e Colesterol Abordagem Científica A Aloe vera e a AIDS Aloe e Câncer Agente Coadjuvante Escolher Produtos de Aloe Cultivando a Aloe Vera Aloe e Sistema Imune Fazendo Suco Aloe Importantes Considerações Os Adaptógenos Fator de Proteção Solar Possibilidades de Uso Aloe e Sistemas Orgânicos Aloe no Tempo e no Espaço Testemunhos Yin-Yang das Aloes Aloe Processos Degenerativos *** ALOE VERA Aloe barbadensis Miller Curandeira Silenciosa (Índia) Remédio Harmonioso (China) Elixir da Longevidade (Egípcios) Planta das Queimaduras (Japão) Planta que Cura o Câncer (Brasileiros) Planta das Virtudes Mágicas (Sumérios) Planta Milagrosa (Europa da Idade Média) Fonte da Juventude (Seminoles, da Flórida) Planta Imunomoduladora (Indústria farmacêutica) A Aloe vera, devido ao seu amplo potencial de ação, é uma das plantas mais importantes para a preservação e reconquista da saúde dos humanos e dos animais, devido à abrangência de suas propriedades. 2
  2. 2. Calmante Adaptogênico Cicatrizante Adstringente Condoprotetor Analgésico Desintoxicante Alcalinizante Digestivo Anticolesterolêmico Diurético Antidiabético Enzimático Antienvelhecimento Fungicida Anti-hemorrágico Gastroprotetor Antiinflamatório Hepatoprotetor Antioxidante Hidratante Anti-séptico Imunomodulador Antitumoral Regenerador tissular Alcança as profundas Revitalizante camadas da pele Tonificante Bactericida Vasoprotetor A Aloe Vera e o Câncer (1) Acredito que não existe mais um único Ser vivo, sobre o planeta, que não esteja convivendo com células cancerosas em seu organismo. Porém, enquanto o sistema imune conseguir destruí- las e eliminá-las, impedindo que se aglomerem como tumores, elas não representam problema algum. Isso depende, portanto, do vigor com que o sistema imunológico responde à presença dessas células de comportamento desordenado e que promovem a acidificação do organismo. Os problemas aparecem com a debilitação do sistema imunológico, seja pela subnutrição, deficiência enzimática, exposição a vacinas ou fármacos, que o agridem ou inibem sua ação (ex. antiinflamatórios esteroidais), ou por ser exaurido por constantes focos inflamatórios, infestações microbianas etc. Além do potencial imunoestimulante e enzimático da Aloe vera, o potencial antitumoral de alguns de seus elementos constituintes, como Aloe emodina e Aloe lectinas, faz dela um alimento funcional de ação preventiva e reversiva dos quadros de câncer. Um estudo de laboratório, com ratos com sarcoma-180, verificou sua ação inibitória sobre o crescimento do tumor. Já foi observado que a Alexina B, uma das frações da Aloe Vera, possui propriedades anticancerígena sobre a leucemia linfocítica, e que a Alocitina A atua contra os tumores através do sistema 2
  3. 3. imunológico. Segundo Dr. Danhof, o gel de alguns tipos de aloe têm o poder de desbloquear o fator alpha das necroses tumorais. E um estudo do departamento de epidemiologia da Universidade de Okinawa, no Japão, constatou que a Aloe vera é capaz de prolongar a vida dos pacientes com câncer de pulmão. Observou-se, ainda, que a Aloe vera, ou alguma de suas frações, é capaz de: Quebrar a capa das proteínas das células cancerosas. Proteger a medula das drogas farmacológicas. Promover o encapsulamento dos tecidos cancerosos e deixá-los morrer por inanição, fazendo com que o procedimento cirúrgico de remoção do tumor seja facilitado. Agir contra a leucemia felina com 80% de probabilidade de sucesso. (Em 1991 o Ministério da Agricultura dos USA aprovou o uso do Acemanan - uma fração dos polissacarídeos da Aloe vera, para o tratamento de cachorros e gatos com fibrosarcomas). A Aloe Vera na Quimioterapia e na Radioterapia As surpreendentes propriedades da Aloe vera tem feito com que ela ganhe uma posição preeminente como elemento coadjuvante e potencializador da quimioterapia e da radioterapia. As apreciações sobre essa ação da Aloe vera geralmente recaem sobre seu poder de: Neutralizar os radicais livres Aliviar o mal-estar decorrente dos efeitos colaterais dessas terapia Promover a rápida eliminação das células mortas modulando a ação do sistema imunológico e gerando uma maior mobilidade da linfa. Garantir a integridade da mucosa gastrointestinal e, conseqüentemente, do terreno que determina a sobrevivência e multiplicação da flora intestinal simbiótica. Diminuir a queda dos cabelos caiam e a possibilidade de se desenvolver uma anemia. 2
  4. 4. (1) Corsi MM, Bertelli AA, Gaja G, Fulgenzi A, Ferrero ME. University of Milan, Italy. The therapeutic potential of Aloe vera in tumor-bearing rats. Int J Tissue React. 1998; 20(4): 115. Gribel' NV, Pashinskii VG. Antimetastatic properties of aloe juice. [Article in Russian]Vopr Onkol. 1986; 32(12): 38-40. Jeong HY, Kim JH, Hwang SJ, Rhee DK. Coll. Pharm., Sung Kyun Kwan Univ. Anticancer effect of Aloe on sarcoma 180 in ICR mouse & on human cancer cell lines. Yalhak Hoeji 1994; 38 (3): 311-321. Lee HZ. School of Pharmacy, China Medical College, Taiwan. Protein kinase C involvement in aloe-emodin- and emodin-induced apoptosis in lung carcinoma cell. Br J Pharmacol. 2001 Nov; 134(5): 1093-103. Pecere T, Gazzola MV, Mucignat C, Parolin C, Vecchia FD, Cavaggioni A, Basso G, Diaspro A, Salvato B, Carli M, Palu G. University of Padova, Italy. Aloe-emodin is a new type of anticancer agent with selective activity against neuroectodermal tumors. Cancer Res. 2000 Jun 1; 60(11): 2800-4. Do Livro Saúde & Beleza Forever, de Mônica Lacombe Camargo - Edição Esgotada - A Aloe Vera e o Sistema Imunológico O sistema imune é aquele que responde pela defesa do organismo contra células ou organismos que lhe são estranhos. Isso envolve os glóbulos brancos (leucócitos) e plasmas protéicos especiais (anticorpos). Dentre os glóbulos brancos, os linfócitos talvez sejam os mais importantes. Gerados na Da medula óssea, onde são gerados, dirigem-se à glândula do timo, onde recebem novas especificações, e partem para se alojar nas glândulas linfáticas, cujas maiores concentrações se encontram no pescoço, axilas, virilhas ou atrás dos joelhos. Os neutrófilos e os macrófagos (vocábulo derivado do grego, que significa grande comedor) também fazem parte dos glóbulos brancos. A Fagocitose Diante de qualquer elemento estranho, invasor, o sistema imune libera um exercito de anticorpos, que têm a funções de cobri-lo 2
  5. 5. com uma substância que o torne mais apetitoso à fagocitose. As células T chegam, em seguida, liberando enzimas. O processo da fagocitose inicia-se, então, com os macrógafos liberando uma substância que envolve o elemento alvo para facilitar que ele seja sugado e aprisionado dentro de uma membrana no seu interior, onde serão liberadas substâncias oxidantivas para desintegrar e digerir o prisioneiro. Muitas vezes os fagócitos migram para a superfície do corpo facilitando assim a sua eliminação, como o pus dos ferimentos, dos furúnculos, dos terçóis etc. Através do mecanismo de proteção e limpeza da fagocitose do sistema imune, os elementos invasores e estranhos ao organismo são neutralizados, destruídos e eliminados. A Aloe vera faz com que o potencial de ataque, absorção e eliminação dos fagócitos seja aumentado em até 10 vezes. Na opinião do Dr.Plaskett, esse ação de estimulo e suporte à fagocitose é muito mais importantes à saúde humana e animal do que qualquer outra de suas propriedade, pois abrange um vasto espectro de variantes funcionais. Estudos de 1979 constataram que a Aloe vera tornava os ratos muito mais resistentes às bactérias Klebsiella pneumonia. Em 1985 e 1987, a equipe japonesa do Prof. A. Yagi, ao estudar um grupo de adultos com bronquite asmática, concluiu que os polissacarídeos e as glicoproteínas da Aloe vera estimulavam os neutrófilos à fagocitose, mas que a intensidade dos estímulo respondia à dosagem com que ela era administrada. Em 1989, pesquisadores holandeses observaram que a Aloe vera ativava os leucócitos polimorfonucleares (neutrófilos) e estimulava a produção de anticorpos específicos no organismo humano. Nos animais, verificaram que ela ativava mais especificamente os linfócitos T. No ano seguinte, porém, concluíram que esse potencial de ação dependia de seus componentes de baixo peso molecular, como as frações não glicoprotéicas, não dializáveis, que inibem o vazamento das substâncias letais do interior dos fagócitos e aumenta-lhes a eficiência. Espécies de oxigênio reativo são substâncias letais que os fagócitos utilizam para detonar qualquer coisa que tenham engolido. Na verdade, elas são moléculas de oxigênio negativamente ionizado (O2) ou o peróxido de hidrogênio (H2O2), cuja capacidade de reação química é extremamente agressiva. Conseqüentemente, enquanto seu raio de ação for o interior dos fagócitos, sua atuação detonadora é de uma importância capital ao bom 2
  6. 6. desempenho do sistema imune. Porém, tão logo ela saia desse território, vazando para o meio ambiente celular, ela se tornam extremamente perigosos, pois passam a agir como radicais livres. Uma das maiores descobertas sobre Aloe vera foi de que ela inibem o vazamento das ‘espécies de oxigênio reativo’, zelando para que se mantenham confinadas dentro dos fagócitos e não destruam os tecidos e células vizinhas. O Processo Inflamatório Dependendo da intensidade com que o sistema imune livra o organismo de elementos estranhos, é normal que apareçam quadros inflamatórios agudos. Num primeiro estágio, interromper o processo com a ingestão de antiinflamatórios significa sabotar os mecanismos de desintoxicação e autocura inerentes a todos os organismos vivos. Nas inflamações crônicas, por outro lado, ao mesmo tempo em que os fagócitos limpam o meio ambiente, eles provocam grandes danos devido ao vazamento das ‘espécies de oxigênio reativo’. Enquanto o ciclo vicioso não for interrompido, os tecidos adjacentes vão sendo destruídos gradativamente. Tomando como exemplo da artrite, o que um dia começou como uma inflamação aguda, altamente produtiva e saudável, se transformou em atividade extremamente improdutiva e doentia, pois os fagócitos acabam por perder a capacidade de reterem as substâncias letais e provocar uma maior destruição. Inicialmente atacam as cartilagens para, em seguida, atingirem a estrutura óssea. Como as moléculas de baixa densidade da Aloe vera fortificam os fagócitos, que passam a reter as ‘espécies de oxigênio reativo’ dentro das suas células, pode-se dizer que ela atua de modo indireto e extremamente gentil, para que o ciclo vicioso da cronicidade inflamatória seja interrompido. Conseqüentemente, as células e os tecidos adjacentes são poupados do processo oxidativo-inflamatório. A partir do momento que a Aloe vera recebeu a confirmação científica do seu surpreendente e inigualável poder antiinflamatório, é difícil acreditar que alguém, em sã consciência, continuará fazendo vista grossa à devastação que os antiinfla- matórios sintéticos provocam ao organismo – afinamento da pele, osteoporose; gastrite e úlcera estomacal, lentidão do processo de cicatrização etc. Além de anti-inflamatória e imunomoduladora, o potencial analgésico da Aloe vera é semelhante ao da aspirina. 2
  7. 7. A Aloe vera é capaz de prevenir 72% das artrites adjuvantes e causar a sua regressão em 22 a 26% dos casos, com uma dosagem de 150mg/kg por dia, disse Dr. Robert Davis. Em um experimento com animais, constatamos que ela é efetiva na redução de inflamações geradas por uma infinidade de fatores. Como percentual de inibição, observamos uma variação entre 76,9% em relação a gelatina e 22,7% em relação ao dextrano. Na avaliação feita sobre a influência da vitamina C, presente na Aloe, sobre as artrites adjuvantes localizadas, verificamos que ela ajuda a reduzir os edemas, em 80%, e as dores artríticas, embora não tenha sido notada variação alguma sobre a temperatura. A Aloe vera também mostrou ser capaz de inibir, em até 80%, edemas em animais diabéticos que receberam doses de 10 a 100mg/kg. Em outro estudo obtivemos excelentes resultados com a combinação da Aloe Vera e o acetato de hidrocortisona sobre as áreas inflamadas. O alto poder de veiculação da Aloe vera também ficou evidente em relação à vitamina C, ao triptofano e à fenila-lanina, cujas propriedades se assemelham aos esteróides. Compilando todos os nossos experimentos, concluímos que a Aloe Vera inibe as inflamações constringindo os vasos capilares, bloqueando a infiltração dos neutrófilos e freando a produção de radicais livres de oxigênio. Os Polissacarídeos da Aloe Vera No fim dos anos 80, as observações feitas sobre o poder do acemannan – uma das frações do gel da Aloe vera – em aumentar a inter-relação das células T com os monócitos, levaram às primeiras constatações do poder de potencialização que ele exerce sobre o sistema imune. Um outro estudo feito com galinhas, verificou que os polissacarídeos da Aloe vera induzem o aumento da produção de óxido nítrico – um outro elemento letal produzido pelos macrófagos – e um conseqüente aumento na eficácia dos fagócitos. Dentre os inúmeros trabalhos desenvolvidos sobre a fração do acemannan, talvez os dois mais importantes tenham sido os da equipe do Dr. Sheets – Estudos dos Efeitos do Acemannan sobre uma Infecção por Retrovírus: Estabilização Clínica do Vírus Felino que Afeta os Gatos – e o que foi feito em conjunto entre o Animal Medical Hospital de Irving, no Texas, e o College Of Veterinary Medicine, do Texas A&M University, pois o vírus da leucemia felina (FELV- Feline Leukemia Virus) é um retrovirus. As estatísticas da leucemia felina, uma das doenças mais letais entre os gatos domésticos, é de que 40% morrem em menos de quatro semanas e 2
  8. 8. 70%, em oito semanas. Em ambos os estudos, porém, os gatos tiveram um alto grau de recuperação e de sobrevivência. Dr. John C. Pittman, diretor clínico do Hipocrates Health Institute em West Palm Beach, na Flórida, e especialista em desordens do sistema imunológico, é um grande estudioso dos galactomanans (açúcares de cadeias longas) da Aloe barbadensis Miller – planta que, segundo dizem, apresenta a maior concentração de manans acetilados – nomenclatura científica do acemanan, o nome patenteado pelos Laboratórios Carringtons dos EUA. Segundo o Dr. Pittman, o acemanan é a cadeia de manans mais importante para a revitalização do sistema gastrointestinal e imunológico, sistemas que não se pode mais ignorar serem intrinsecamente interligados. Segundo suas observações, a grande maioria das pessoas que apresentam patologias ligadas à deficiência no sistema imunológico (a síndrome de fadiga crônica, a candidase sistêmica, herpes, tuberculose, pneumonia, infecções ligadas ao suposto vírus HIV ou ao já bem conhecido vírus Epstein-Barr etc.) também têm alta incidência de disfunções digestivas, que tanto as fazem sofrer em conseqüência da má digestão. Principais Causas da Má Digestão A ingestão de alimentos incompatíveis à constituição ou à condição do organismo. Falta de nutrientes essenciais ao perfeito desempenho do metabolismo gastrintestinal. Conseqüências da Má Digestão Incapacitado de gerar energia a partir dos alimentos, as células sofrem de subnutrição e os tecidos de degradam, culminando na debilidade dos processos metabólicos e disfunção do corpo. Com os glóbulos vermelhos afetados, as células passam a carecer de nutrientes e oxigênio, o metabolismo diminui, o processo de desintoxicação é desacelerado e o organismo, a qualquer hora pode gerar um quadro agudo ou entrar em colapso. As macromoléculas, resultantes da má digestão, que chegam aos intestinos são submetidas a processos de putrefação, fermentação ou oxidação, gerando o alimento da flora disbiótica e de uma grande variedade de microrganismos patológicos, 2
  9. 9. parasitas e vermes, e um exército de radicais livres, cuja conseqüência é a degradação da mucosa intestinal. Com a integridade da parede dos intestinos corrompida, o caminho para a contaminação do sangue está livre e a responsabilidade da despoluição do organismo passa a ser exclusivamente do sistema imunológico. Enquanto ele der conta do recado, a saúde estará garantida. Quando ele se exaurir... Os Processos de Defesa do Sistema Imunológico contra os Alimentos Mal Digeridos Diante das partículas de alimentos mal digeridos, sobretudo as protéicas, um exército de anticorpos é posto em ação. Uma vez ligados a essas substâncias, os anticorpos fazem apelo aos macrófagos e aos monócitos. As células T, utilizando-se do oxigênio disponível, chegam em seguida liberando enzimas. Inicia- se, então, a fagocitose, para que os elementos estranhos sejam digeridos, degradados, descaracterizados, para então poderem ser eliminados pela linfa. Ou Seja... A qualidade e a quantidade do que ingerimos como alimento determinam nossa capacidade de digestão, assimilação e eliminação. Toda e qualquer deficiência gastrintestinal sobrecarrega o sistema imunológico. Um sistema imunológico obrigado a permanecer em constante atividade metabólica torna-se deficiente, enfraquece, se desgasta, tal qual uma bateria sempre ligada. Uma vez esgotado, deixar-nos totalmente vulneráveis e impotentes perante qualquer elemento intruso ou qualquer transgressão alimentar, por mínima que seja. Nesse contexto, o convívio com a má digestão é uma das principais razões para o enfraquecimento e esgotamento do sistema imunológico do Ser moderno, cuja conseqüência pode ser a Síndrome da Fadiga Crônica, a Síndrome de Crohn, a Síndrome dos Intestinos Irritados ou, até mesmo, a Síndrome da Imuno Deficiência Adquirida (AIDS) em seus diversos graus de manifestação. Como Interromper o Ciclo Vicioso e Revitalizar o Sistema Imunológico 2
  10. 10. Adotar uma higiene alimentar, isto é, uma dieta de alta qualidade e devidamente compatível com a constituição e condição do Ser. Nutrir-se corretamente, para que o processo digestivo não seja vítima da subnutrição do organismo incapaz de produzir os sucos gástricos e as enzimas necessárias à perfeita decomposição dos alimentos. Promover, o quanto antes, a regeneração da mucosa do trato intestinal, a revitalização do sistema imunológico e, pelo menos, uma evacuação diária. O Potencial de Ação da Aloe Vera O gel da Aloe barbadensis Miller, ingerido antes e após as refeições, assim como ao acordar, no fim da manhã, no final da tarde e antes de deitar-se, funciona como um dos suplementos alimentares mais específicos para responder a todos esses quesitos. Suplementação de minerais, seja a nível iônico, através do Plasma Marinho, ou das algas marinhas, também não pode ser negligenciada, pois poucas são as disfunções ou doenças que resistem à sinergia entre esses elementos. Um das epidemias mais em voga, e que tão bem exemplifica a inter-relação do sistema gastrintestinal e imunológico, é a do fungo da Cândida, que provoca a dilaceração da mucosa intestinal e conseqüentes reações alérgicas, erupções cutâneas, corrimento, perturbações digestivas, excesso de mucos e de gazes, hipoglicemia, síndrome da fatiga crônica etc., para “desespero” do sistema imunológico. Estudos laboratoriais, mesmo que baseados em apenas uma das frações dos polissacarídeos do gel da Aloe vera, o acemanan, reconhecem que essa planta tem o potencial de: o aumento do número de anticorpos, através das células B no baço, que ajudam a proteger a medula óssea da toxidade residual dos agentes poluentes – Promover internos (do trato gastrintestinal) e externos (elementos químicos, que nos chegam através dos alimentos, medicamentos e dos produtos de saúde, higiene e beleza). como um facilitador dos macrófagos à captura de qualquer proteína estranhas ao organismo – Atuar alimentos mal digeridos, vírus, fungos, células mortas ou cancerosas, moléculas envelhecidas etc. 2
  11. 11. o aumento do número e do desempenho dos Estimular macrófagos, células T assassinas e monócitos. a presença da flora disbiótica, microrganismos, Inibir vermes, parasitas etc., não apenas no trato gastrintestinal, mas no organismo em geral. as enzimas e os agentes pró-inflamatórios responsáveis pela inflamação e danificação a mucosas gastrintestinal. (Muitos comparam a Aloe Neutralizar vera a um bombeiro que “apaga” rapidamente as inflamações, fazendo desaparecer a sensação de queimação.) a proliferação da flora intestinal simbiótica, levando Induzir em conta as diferentes colônias que residem nas distintas áreas do trato gastrintestinal. os fibroblastos dos quais depende a integridade dos Estimular tecidos – o meio ambiente celular. Diante de tantas benesses vindas desse alimento funcional, muitas clínicas vêm adotando o gel das folhas da Aloe vera como agente de potencialização da ação terapêutica e de neutralização dos efeitos colaterais da quimioterapia e da radioterapia, pois ativando o sistema imunológico e dando melhores condições de trabalho ao sistema linfático, a Aloe vera colabora para a rápida varredura das células já mortas. Dependendo do grau de degenerescência alcançado pelo organismo, sobre tudo nos casos do câncer, recomenda-se cuidados especiais para não se expor a campos de radiação eletromagnéticos ou telúricos que intensificam a debilitação do organismo. Na Alemanha verificou-se que dentre 5000 cancerosos, 92% dormiam sob um cruzamento de linhas de Hartmann, que são ponto de tensão negativa ainda maior. Concluindo, uma das regras fundamentais para a otimização da qualidade de vida é o fortalecimento e o saneamento do sistema e das funções gastrintestinais, como prevenção do desgaste o sistema imunológico, que sempre que posto em descanso e que esteja devidamente nutrido, tende a se recuperar com certa rapidez. Últimas Considerações Mesmo em pequena quantidade, isto é, um mínimo 25ml de gel de Aloe vera duas vezes ao dia – ao despertar e ao deitar-se, já é possível sentir seus benefícios. Mas como ela funciona sob o 2
  12. 12. binômio dose-resposta, em caso de qualquer disfunção ou doença mais grave, a dose devem variar entre 30 e 60ml quatro vezes ao dia. O suco do gel de Aloe vera é para ser primeiramente apreciado como um tônico para o sistema imune, um depurativo para os intestinos e um agente revitalizante dos tecidos da pele e das estruturas internas. Dependendo do grau de degenerescência em que o organismo se encontra, sobre tudo nos casos do câncer, o paciente não deve se expor a campos de radiação eletromagnéticos ou telúricos, que debilitam o sistema imune. Dentre 5000 casos de câncer, na Alemanha, foi constatado que 92% dos pacientes dormiam sob um cruzamento de linhas de Hartmann – ponto de tensão das energias telúricas, ou simplesmente eletromagnéticas, extremamente negativas às células. A prevenção contra o desgaste o sistema imune exige o saneamento diário do sistema gastrintestinal. É normal perder o apetite quando se adoece, pois o repouso do sistema digestivo se reflete no fortalecimento do sistema imune e na intensificação do processo de autocura. Por isso a prática do jejum é o método mais antigo e universal de desintoxicação e fortalecimento do organismo. A História do Dr. David Wheeler No fim do verão de 1994 eu quase morri. Meu sistema imunológico estava destruído pelos remédios que havia tomado contra parasitas. Apareceram tumores no meu pescoço e sangue nas fezes. A artrite era extremamente dolorosa. Estava infestado pela Cândida. O processo de digestão e de eliminação estava em péssimo estado. Eu vivia exausto. Eu me sentia entre a vida e a morte sem quase poder me levantar mais da cama. Foi quando descobri a Aloe vera a Costa Rica, com a qual hoje trabalho. Os resultados manifestaram-se desde a primeira dose. Em poucos dias eu já estava nadando com meus filhos. Todos os meus sintomas haviam diminuído pelo menos 80%. Inicialmente tomei uma dosagem terapêutica que foi num crescente durante seis semanas, para depois decrescer gradativamente durante quatro meses, até atingir a dose mínima de manutenção diária. Eu me recuperei totalmente e voltei a trabalhar 60hs/semana. A partir de então tenho estudado a recuperação do sistema imunológico através de suplementos alimentares e tornou-se óbvio para mim que programas de suplementação alimentar são 2
  13. 13. muito mais efetivos do que se ingerirmos um ou apenas alguns suplementos em vez de fazer o programa completo. Texto escrito por Mônica Lacombe Camargo Difusão Auto-Ecologia Aloe Vera – Fator de Proteção Solar Os melanócitos são células responsáveis pela produção do pigmento melanina, que dá o tom à pele. A concentração de melanócitos, de 1000 a mais de 2000 por mm2, não é relacionada às raças. O que diferencia a coloração da pele é a quantidade de melanina produzida pelos melanócitos e a natureza da granulação do pigmento. Uma das razões pela qual a luz solar promove o bronzeamento da pele é porque ela aumenta a atividade dos melanócitos, fazendo- os produzir mais melanina. Porém, esses mesmos melanócitos são os responsáveis pela produção do melanoma – nome científico do câncer de pele. Isso porque, os melanócitos, quando danificados pelo excesso de radiação ultravioleta, sofrem vários tipos de mutação, dentre as quais o melanoma. A Luz Solar Os três tipos de raios solares chegam à Terra Infravermelha sentido através do calor. Luz visível detectado pelos olhos. Ultravioleta ativa o metabolismo celular da pele. Os Raios Ultravioletas 2
  14. 14. Responde por 99% da radiação solar ao nível UVA (315 à 400 nm) do mar. Principal responsável pelo bronzeamento. Estudos mostram que ele ou “Luz Negra” pode ser tão perigoso à saúde da pele quanto as UVB. Muitos acreditam ser o único responsável UVB (280 à 315 nm) pelas queimaduras, envelhecimento e câncer de pele. Filtrado pela atmosfera, teoricamente nunca UVC (100 à 280 nm) chaga à superfície da Terra. Uma das características da radiação ultravioleta é a intensidade do seu reflexo segundo a superfície onde esteja batendo. Conseqüentemente, dependendo do ambiente, podemos ficar expostos a uma carga extra de radiações. A superfície da neve, por exemplo, reflete 90% dos raios ultravioletas enquanto a da areia reflete 20%. Por isso é mais fácil sofrermos queimaduras solares quando se esquia em um dia de sol do que na beira da praia. O Vidro, por sua vez, é um dos melhores absorventes desses raios. Por isso ele protege da queimadura solar. O Bronzeado como Proteção Natural da Pele O bronzeamento acontece em conseqüência da pigmentação da melanina produzida pelos melanócitos estimulados pelos raios ultravioletas. O que poucos sabem é que essa pigmentação celular absorve os raios ultravioletas. Por isso, o bronzeado é o modo natural dos melanócitos serem protegidos da agressão da radiação solar. O processo do bronzeamento, porém, é lento e impossível de ser adquirido em um só dia. Os melanócitos precisam se estimulados pelos raios solares por pequenos períodos, antes que o bronzeamento, realmente protetor, seja adquirido. A Pigmentação da Pele como Agente Protetor De acordo com a pigmentação da pele, as diferentes raças têm graus de proteção natural variados. Quanto mais escuro o tom da pele, mais melanina e, conseqüentemente maior proteção contra a produção de células cancerosas na pele. 2
  15. 15. Pigmentos Produzidos pelos Melanócitos responsável pela pigmentação marron. O excesso de brancura na pele, dos cabelos e dos cílios dos Eumelanina albinos vem da ausência da enzima tirosinase, sem a qual a melanina não pode ser produzida. responsável pela pigmentação amarela e vermelha, Faeomelanin predomina nas pessoas louras e ruivas, o que a explica a dificuldade que têm de se bronzear e a maior incidência de melanomas. O Mecanismo do Bronzeamento O mecanismo pelo qual os melanócitos são ativados inicia-se na glândula pituitária, que é conectada aos nervos óticos. Extremamente sensível à luz, a pituitária quando estimulada produz um hormônio que ativa os melanócitos. Proteger os olhos com óculos escuros diminui a produção desse hormônio e torna o processo do bronzeamento mais lento. Conseqüentemente, o uso de óculos escuros torna a pessoa mais vulnerável à queimadura solar. As Queimaduras Solares Queimaduras de sol refletem o grau com que os melanócitos foram danificados pela radiação ultravioleta enquanto que o grau de sensibilidade da pele aos raios solares depende do grau de proteção da melanina retida pelos melanócitos. O ciclo definido da queimadura solar (eritema) Começa a se manifestar quatro horas após os melanócitos terem sido danificados. Atinge o máximo de vermelhidão e dor entre as primeiras oito e vinte quatro horas. Em casos extremos, forma bolhas. 2
  16. 16. Além da vermelhidão, ardência e descamação da pele, a queimadura provoca graves conseqüências oxidativas ao atingir os melanócitos e provocar a danificação do seu DNA, que tanto pode gerar células com pigmentação mais escura (manchas senis) como o desenvolvimento de melanomas (câncer da pele). Os Protetores Solares Os protetores solares funcionam basicamente de duas maneiras: bloqueando ou absorvendo os raios ultravioletas. (Um dos bloqueadores mais tradicional entre os banhistas é o creme opaco à base de óxido de zinco.) A absorção dos raios ultravioletas se dá de maneira semelhante a ação da melatonina. O PABA (para-aminobenzoico) é o elemento mais utilizado para absorver os UVB. Mas também existem os cinamatos, que absorvem os UVB, as benzofenonas, que absorvem os UVA e os andranilatos, que absorvem tanto os UVB e como os UVA. O Fator de Proteção Solar (FPS) da Aloe Vera Todos os bronzeadores vêm rotulados com seu FPS - Fator de Proteção Solar. Esse indicador é o fator de multiplicação decimal indicativo do tempo, não da intensidade, que a pele se mantém protegida contra a queimadura solar. Devido à qualidade da pigmentação dos melanócitos, cada pessoa tem uma tolerância diferente ao sol. Se a pele resiste 10 minutos à exposição ao sol antes de começar a sofrer qualquer tipo de queimadura, com um protetor solar de FPS 10 sua pele estará protegida do sol por 100 minutos. Uma vez determinados quantos minutos tal pessoa pode ficar exposta ao sol, antes que a pele comece a queimar, divide-se esse valor pelo tempo que queira se expor ao sol. O resultado dessa divisão é o FPS mais adequado para tal pessoa. Para saber o valor do FPS necessário ao indivíduo, cuja pele pode ficar desprotegida sob o sol por até 30 minutos, sem sofrer qualquer queimadura, é preciso dividir os minutos que ele pretende se expor ao sol pelo número de minutos que sua pele resiste, naturalmente, à radiação solar. Para 5 horas (300 2
  17. 17. minutos), por exemplo, ele vai precisar usar um protetor de FPS 10. Mas para apenas 2 horas (120 minutos), ele não precisa de protetor com um FPS superior a 4. Conclusão, protetores com FPS 20, 30 ou 40 não protegem a pele de forma mais intensa, apenas têm ação mais prolongada. E quanto mais alto o FPS, a tendência é do protetor ser constituído de elementos químicos mais fortes que, certamente, acabarão por afetar a saúde da pele e do organismo. Fato que talvez explique o aumento do câncer de pele nas crianças. A Aloe Vera como Fator de Proteção Solar A Aloe vera é um fator de proteção indispensável os indivíduos de pele sensível, como os muito brancos, os bebês e os idosos, que se expõem direta ou indiretamente à luz solar. Para a Pele Protetores solares à base de no mínimo 30% do gel de Aloe vera, conjugam dois fatores extremamente importantes para a proteção da pele exposta ao sol: • Aceleram o bronzeamento – a proteção mais natural e eficaz da pele. • Contribuem com um FPS natural, que pode variar de 10 e 15, dependendo das condições do plantio e dos processos de extração e estabilização a que a planta tenha sido submetida. Para os Olhos Não são poucos os casos de pessoas que perderam a visão esquiando na neve em dias ensolarados. Utilizada como colírio, ou acrescida a algum outro, a Aloe vera também promove a proteção dos olhos, sobretudo a dos mais claros, contra a agressão da radiação solar. Há quase 10 anos, desde que uma senhora me contou haver se livrado de uma catarata já avançada e de um constante acúmulo de cera no ouvido pingando o gel de Aloe vera filtrado, venho utilizo-o como colírio. Apesar dos olhos arderem por uns 20 segundos, sinto que isso lhes faz muito bem. 2
  18. 18. Protetor Solar à Base de Aloe Vera Protetores à base de água, e não à prova d'água, têm que ser repostos com freqüência, tanto sobre o corpo que transpira intensamente como após ser molhado. Se a pele ficar ressecada, o protetor também precisa ser aplicado novamente. Caso a pele sofra queimaduras, por descuido ou economia do produto, os protetores à base de pelo menos 30% de Aloe vera também devem prevenia formação de bolhas e agir como analgésico, antiinflamatório, imunomodulador e acelerar a regeneração capilar. Texto de Mônica Lacombe Camargo Difusâo Auto-Economia A Aloe Vera e o Colesterol Estudos mostram a ação normativa que Aloe vera tem sobre os níveis de colesterol, triglicerídeos e fosfolipídios que, uma vez oxidados, se precipitam formando depósitos de gorduras nas artérias médias e grandes, como as coronárias. Comparados ao grupo de controle, os camundongos, cuja alimentação com alto teor de colesterol foi acrescida dos polissacarídeos (glucomanan) da Aloe vera, tiveram: Aumento nos níveis do colesterol HDL (o 'bom' colesterol). Diminuição do total de colesterol, triglicerídeos, fosfolipídios e ácidos graxos não-esterificados. A conclusão dos pesquisadores foi de que a Aloe vera promove o metabolismo das gorduras e ajuda a diminuir o risco de doenças coronarianas. (1) Em uma outra pesquisa, Triton (fator de aumento de lipídios no sangue) foi administrado a dois grupos de macacos. Adicionalmente, a um grupo foi dado Aloe vera e a outro o tradicional clofibrate (fármaco que, atuando sobre o fígado, diminui a produção de triglicerídeos e do "mau" colesterol). Os resultados alcançados se encontram no quadro ao lado. (2) Macacos tratados Macacos tratados Parâmetro com Aloe vera com Clofibrate 2
  19. 19. -61,7% Total de colesterol -47,6% -37,8% Triglicerídeos -50,0% -51,2% Fosfolipídios -41,7% Ácidos graxos não- -45,4% -23,9% esterificados Uma outra investigação foi desenvolvida pelo Dr. Agarwal, durante cinco anos, na Índia, junto a 5.000 pacientes que sofriam de angina peitoral - dor no peito por insuficiência de oxigênio no coração. À dieta normal foi pedido apenas que acrescentassem o suco do gel de Aloe vera e mais um quilo de pão feito com fibras de "isabgol" - casca de um grão típico do local. Os resultados, mostrando que esses dois ingredientes foram suficientes para que tais pessoas continuassem vivas e sem seqüela alguma dos efeitos secundários negativos típicos da doença, foram apresentados ao International College of Angiology de 1984. As mudanças foram significativas em relação ao: Metabolismo dos Lipídios Aumento do nível do "bom" colesterol HDL. Diminuição do total do colesterol e dos triglicerídeos. Metabolismo dos Carboidratos: Diminuição do nível de açúcar do sangue dos diabéticos, mesmo após as refeições. (3) A ação antioxidante e hipocolesterolêmica da Aloe vera no fígado foi foco de pesquisa de um grupo coreano que verificou: Aumento da atividade das enzimas antioxidantes superoxido dismutase (SOD) e catalase no fígado. Redução dos níveis de hidroperóxido de fosfatidilcolina hepática Redução de até 30% nos níveis de colesterol no fígado dos animais mais idosos. A conclusão dos pesquisadores foi de que a Aloe vera tem ação 2
  20. 20. antioxidante contra a peroxidação dos lipídios e seu consumo ao longo da vida promove a redução dos níveis de colesterol no fígado e das lesões provocadas pelos radicais livres. (4) REFERÊNCIAS: (1) Joshi S., Dixit V.P. Hypolipidema effect of Aloe barbadensis (Aloe fraction I) in cholesterol-fed rats. I.: Lipid and lipoprotein metabolism. Proc Nat Acad Sci India, Sect B (Biol Sci) 56: 339-342, 1986. (2) Dixit V.P., Joshi S. Effect Of Aloe Barbadensis and clofibrate on serum lipids in Triton- induced hyperlipidemia in Presbyter entellus entellus monkeys. Indain J Med Res 78:417- 421, 1983. (3) Agarwal O. P. Prevention of atheromatous heart disease. Angiology 36: 485-492, 1985. (4) Lim BO, Seong NS, Choue RW, Kim JD, Lee HY, Kim SY, Yu BP, Jeon TI, Park DK. Graduate School of East-West Medical Science, Kyung Hee University, 1 Hoeki-Dong, Dongdaemoon-Ku, Korea. Efficacy of dietary aloe vera supplementation on hepatic cholesterol and oxidative status in aged rats. J Nutr Sci Vitaminol (Tokyo). 2003 Aug;49(4):292-6. Do Livro Saúde & Beleza Forever, de Mônica Lacombe Camargo - Edição Esgotada - Aloe Vera Agente Coadjuvante dos Processos Terapêuticos O uso da Aloe vera no tratamento de doenças será o passo mais importante na história da humanidade. Declaração do Dr. H. R. McDaniel, patologista e pesquisador do Dallas-Fort Worth Medical Center Perdendo o caráter mítico perante os olhos da ciência, a Aloe vera vem conquis-tando muitos profissionais da saúde, enquanto agente de potencialização para todos os tipos de tratamento, pois promove a eliminação das homotoxinas alojadas nos tecidos conjuntivos e regenera a integridade dos mesmos - fatores determinantes ao êxito de qualquer prática terapêutica. Lembro, porém, que o estímulo ao desalojamento das toxinas gera 2
  21. 21. a necessidade de igualmente se providenciar a imediata neutralização e eliminação das mesmas antes que elas alcancem a corrente sangüínea como resíduos ácidos ou que se alojem em algum outro tecido. Isso significa que o status nutricional dos pacientes precisa ser otimizado, dando-se ênfase às enzimas antioxidantes, co enzimas (vitaminas) e co-fatores enzimáticos (minerais), e que as células do sistema imunitário precisam ser estimuladas para que o habitat celular se mantenha livre de qualquer toxina ou elemento estranho que venha a prejudicar a nutrição celular e a retardar seu processo de autocura e reconquista da saúde, que é o objetivo de toda a terapia. Que se esclareça que a Aloe vera jamais substituirá a higiene alimentar e que os melhores resultados terapêuticos serão sempre alcançados por aqueles conscientes dos cuidados auto- ecológicos que devem ter consigo mesmos. Isso significa atenção com a qualidade do que se ingere, inala, toca a pele, com os pensamentos, emoções que são gerados pelo próprio Ser e como se responde aos fatores de estresse do dia-a-dia, pois de acordo com o neurologista Candace Pert: Toda mudança de humor é acompanhado por uma cachoeira de "moléculas de emoções" - hormônios e neurotransmissores - que fluem através do corpo afetando todas as células. Essa é uma das citações do livro Stress a Seu Favor (ed. Ágora, 2003), de Susan Andrews, monja, psicóloga, antropóloga, expert em biopsicologia ou psiconeuroimunologia - estudo da biologia do comportamento e processos mentais desenvolvido pelo Instituto de Medicina Corpo-Mente da Universidade de Harvard. Cada célula humana tem cerca de um milhão de receptores para as substâncias bioquímicas. Respostas negativas a qualquer fator de estresse promovem um aumento de até 40 % de cortisol - homônio, cujo excesso é tóxico ao organismo. Eleva a pressão arterial. Afeta as células do hipocampus, prejudicando a memória e os processos cognitivos. Provoca quadros de depressão, que normalmente resultam de uma batalha mental exaustiva. As emoções negativas são acompanhadas por uma sopa bioquímica tóxica. Por isso, quando estamos tristes, nosso fígado também está triste e nossa pele idem. As emoções positivas mobilizam um coquetel de hormônios e neurotransmissores benéficos para a saúde. As relações afetivas estimulam, por exemplo, a produção do hormônio ocitocina, que reduz os níveis de cortisol e a pressão arterial. Por isso, segundo 2
  22. 22. a pesquisa desenvolvida por uma seguradora americana, diz Susan, quando a esposa beija o marido antes dele partir para o trabalho, sua expectativa de vida aumenta cinco anos. E a dela também. O interessante é que a simples ingestão do gel de Aloe vera faz com que, em questão de minutos, o campo energético de qualquer pessoa ou animal seja positivamente alterado e energeticamente equilibrado - fato documentado pela fotografia kirlian. O potencial de regeneração, desintoxicação e hidratação tissular do gel da Aloe vera já seriam suficientes para ele fosse protocolado como elemento coadjuvantes de todos os procedimentos terapêuticos. Por isso aqueles que assim o fazem, alcançam resultados muito superiores e mais duradouros. Como o principal objetivo das terapias complementares é, essencialmente, estimular a autodesintoxicação, auto- regeneração e autocura do organismo, não resta dúvida de que a Aloe vera é o alimento funcional, por excelência, que serve de suporte e potencialização a todas elas. Nas terapias em que o paciente assume uma atitude passiva, como no caso da massoterapia, acupuntura ou Reiki, por exemplo, a auto-administração da Aloe vera proposta pelo terapeuta tem ainda a função de dar ao paciente um papel ativo no seu processo de revitalização e autocura, ao mesmo tempo que reparte com ele a responsabilidade pelo sucesso do tratamento. Isso significa que, além da ação que o gel da Aloe vera exerce sobre o corpo físico e energético do paciente, no tocante ao seu inconsciente, o ato de se auto-adminis-trar o suco três, quatro ou cinco vezes ao dia (o Aloe vera é um alimento que funciona sob o binômio dose-resposta), também atuará como fator de reforço sobre a parte que lhe cabe no processo de otimização da sua saúde. Assim, em decorrência dos melhores resultados obtidos ao longo do processo terapêutico, tanto o paciente quanto o terapeuta sentir-se-ão enormemente gratificados e agradecidos pelo resultado dos esforços conjuntamente despendidos. É ainda preciso que todos saibam que mesmo em caso de problemas superficiais da pele ou mucosas, a ação sistêmica do gel da Aloe vera é muito mais eficaz do que sua ação local. Estudos laboratoriais demostraram que a regeneração tissular dos animais que ingeriram a Aloe vera foi mais rápida do que naqueles que seu uso foi limitado à aplicação tópica no local do corte. Por isso, a ingestão do seu gel jamais deve ser negligenciada mesmo por aqueles com problemas de pele. Por último, convido a todos, e em especial os cirurgiões, dematologistas e socor-ristas, para uma apreciação das fotos na 2
  23. 23. seção "Aloe na Veterinária", para que vejam realmente do que o gel da Aloe vera é capaz. Acupuntura - Do-In - Balanceamento Muscular Reflexologia - Yoga - Tai-Chi - Qi Gong Osteopatia craniana (crânio sacro) Para as terapias e práticas que atuam mais específicamente sobre os níveis energéticos, a saúde e integridade dos tecidos conjuntivos são fundamentais à revitalização das forças vitais e ao restabelecimento e manutenção da harmonia da unidade corpórea. Quanto mais perfeitas forem as estruturas das fibras protéicas e maior o grau de hidratação e limpeza da substancia fundamental, melhores as respostas do organismo aos estímulos recebidos. O corpo nada mais é do que um grande circuito bioeletromagnético. Os órgãos, vibrando em diferentes freqüências, têm como denominador comum os tecidos conjuntivos que, segundo Pischinger (capítulo I), é o "orgão" mais importante para a manutenção da sincronicidade e harmonia (equilíbrio homeostásico) do organismo - objetivo dessas práticas e terapias. Todas elas são baseadas na estimulação de determinados pontos, músculos ou áreas do corpo, através dos quais algumas delas, como a acupuntura e a reflexologia, podem até detectar desordens imperceptíveis a outros métodos de diagnóstico, como a de órgãos com diferentes níveis de intoxicação e desequilíbrios energéticos, em vias de desenvolverem quadros patológicos. Com o terapeuta ou os movimentos físicos estimulando o desbloqueio de toxinas, a Aloe Vera, como elemento coadjuvante, promove a varredura do que for deslocado, facilitando a absorção da linfa e estimulando a ação das células imunitárias, potencializando o trabalho do profissional ou da própria pessoa. É preciso evitar que as toxinas, uma vez desalojadas, fiquem perambulando pelos tecidos como resíduos ácidos ou radicais livres, promovendo novos focos de inflamação, infecção ou deterioração tissular e impedindo o reequilíbrio homeostásico do qual dependem os processos de autocura e reconquista da saúde - objetivo do terapeuta, do paciente ou do praticante. Alopatia 2
  24. 24. Profissionais da saúde cientes da atoxidade do gel da Aloe vera e dos resultados obtidos por uma série de pesquisas científicas já efetuadas, ao prescrevê-la como suplemento alimentar, logo se surpreendem com seu potencial antiinflamatório, desintoxicante, hidratante, imunomodulador, regenerador, tônico. Por isso a cada dia aumenta o número de receituários propondo a Aloe vera como elemento de apoio a uma grande diversidade de tratamentos alopáticos, onde ela tem a função de potencializar seus aspectos positivos e neutralizar seus efeitos colaterais negativos, sempre indesejáveis, imponderáveis e, em certos casos, devastadores. No caso da radioterapia, por exemplo, a Aloe vera ajuda a reduzir a queda dos cabelos e a náusea. Aromaterapia - Aurosoma - Florais Homeopatia - Prana - Reiki Todas essas terapias que funcionam através do sistema de comunicação entre as moléculas de água dependem da perfeita hidratação e despoluição da substância fundamental dos tecidos conjuntivos. O poder de hidratação e desintoxicação do gel da Aloe vera já é, portanto, suficiente para que todos os profissionais dessas áreas se interessem por tê-lo como agente coadjuvante e potencializador em seus protocolos para que se alcancem resultados ainda mais surpreendentes. Cirurgia Aos cirurgiões fica fácil distinguir os pacientes que fazem uso regular do suco do gel da Aloe vera daqueles que não o fazem. A cirurgia dos primeiros é sempre mais "limpa", pois o sangue se coagula normalmente. As possibilidades de inflamação e infecção são imensamente reduzidas. O processo de regeneração tissular é indubitavelmente acelerado e muito mais perfeito, podendo não deixar nem mesmo vislumbres de cicatriz. Dermatologia Os dermatologistas são os profissionais da saúde que estão mais se beneficiando da Aloe vera como agente bactericida e regenerador da pele, tenha sido ela afetada por agentes químicos ou não. Em muitos casos, porém, problemas de pele refletem problemas ou disfunções digestivas ou do trato gastrintestinal. Por isso, todo o dermatologiasta deveria ter interesse em prescrever a ingestão do gel da Aloe vera como alimento de suporte e potencialização do seu protocolo médico. Enema - Colonterapia (Irrigação do cólon) - Implante. 2
  25. 25. Enema e irrigação do cólon são terapias arrojadas que promovem a limpeza do intestino grosso tendo a água como ferramenta. A ingestão ou implante do gel do Aloe vera tem o trato gastrintestinal como primeira área de ação direta. É, portanto, óbvio o interesse que terapeutas e pacientes têm em utilizá-lo como agente de potencialização dos resultados dessas modalidades terapêuticas. O enema objetiva, essencialmente, a desobstrução do cólon (última parte dos intestinos) através da eliminação das fezes. A colonterapia já vai mais além, pois promove a reidratação das fezes ressecadas retidas na parede dos intestinos, provocando uma limpeza mais profunda e eficiente do cólon. Como o gel da Aloe vera também faz esse trabalho de reidratação, melhores resultados são alcançados quando alguns dias antes da colonterapia o organismo é preparado pela ingestão gel quando o trato gastrintestinal está o mais vazio possível - pela manhã, três horas ou mais após as refeições, e obviamente após cada sessão. Implante é o procedimento terapêutico em que uma pequena quantidade de alguma substância é introduzida - implantada - no reto. Por ser em quantidade pequena, tem maior facilidade de retenção e maiores chances de atuar diretamente sobre a mucosa do cólon e de ser absorvida por ela. Essa é uma ótima maneira de se terminar uma sessão de enema ou de colonterapia. Assim sendo, se essa substância for o gel da Aloe vera, seu contato direto do com a mucosa do cólon intensifica sua ação sobre: As áreas inflamadas e sobre suas prováveis causas. Promovendo a eliminação de xenobióticos, das células mortas, cancerosas e fragmentos celulares. Os microorganismos patológicos (bactérias, fungos, vermes e parasitas) porventura presentes no cólon, tirando-lhes a possibilidade de sobrevivência ao promover mudanças no meio ambiente local. As fezes ressecadas na parede do cólon, pois quanto mais reidratadas mais facilmente são eliminadas, potencializando os resultados da sessão de enemas ou de colonterapia. A musculatura dos intestinos, que acabando de sofrer forte dilatação devido à pressão da água, precisa ser tonificada. Esse cuidado a não deve ser negligenciado, já que o paciente pode ficar com os movimentos peristálticos prejudicados pelo excesso de 2
  26. 26. pressão, mesmo que imperceptível, durante o processo terapêutico. Os tecidos da parede dos intestinos, regenerando a integridade da mucosa, atuando diretamente sobre o sistema nervoso entérico que regula o peristaltismo e sobre o sistema imunitário que nos defende do mundo externo, no caso as fezes e os microrganismos. Fisioterapia - Hidroginástica - Massoterapia Osteopatia - Pilates - Quiropraxia - RPG Rolfing - Técnica Alexander Todos os problemas de ordem estrutural ou são de causa externa, como trauma-tismos e lesões, ou resultam da deterioração metabólica, com 99% de chance de estarem relacionados à desequilíbrios metabólicos devido à intolerâncias alimentares, poluição do organismo, deficiências enzimáticas e nutricionais. Ação da Aloe Vera em Problemas de Causa Externa Agente analgésico, antiinflamatório e antiedêmico. Promotora da regeneração tissular. Veículo e agente de potencialização de outras substâncias igualmente positivas à situação. Ação da Aloe Vera em Problemas de Ordem InternaExterna Antiinflamatório atóxico sem gerar efeitos colaterais adversos como os medicamentos do gênero que, inclusive, impedem a regeneração dos tecidos. Enzimático e antioxidante de alta potência, promovendo uma melhor digestão e combatendo os processos inflamatórios. Desintoxicante - promove a remoção dos resíduos metabólicos (lixo ácido), como o ácido láctico (principal causa das dores musculares), e tudo o mais que promova o estresse oxidativo, principal causa da destruição das cartilagens, tendões, ligamentos etc. Hidratante - fator número um do rejuvenecimento tissular. 2
  27. 27. Tônico e revitalizante do metabolismo celular e dos sistemas circulatório, gastrintestinal, hepático, imunitário, respiratório e urinário. Tão logo produtos à base do seu gel são utilizados, qualquer fisioterapeuta ou praticante de técnicas afins, que esteja em busca de enriquecer sua prática clínica, se surpreende com o aumento de respostas positivas ao seu trabalho terapêutico. Meus pacientes estão mantendo por mais tempo o alinhamento que lhes proporciono com o meu trabalho. Seus níveis energéticos também aumen-taram. Eles não ficam mais doentes com tanta freqüência e o que é mais importante a meu ver, estão muito mais saudáveis. Eu penso que todos devem tomar suco de Aloe vera, diz Dr. F.C., quiroprático de Clearwater (Flórida). Fitoterapia - Ortomolecular A ingestão do gel da Aloe vera intensifica o potencial nutricional e terapêutico dos fitoterápicos e nutracêuticos, pois promove a hidratação e limpeza da substância fundamental, liberando o caminho que eles precisam percorrer até alcançarem as membranas celulares e por elas serem assimilados. Paralelamente, contribuindo para o aumento do status nutricional do organismo, otimizam o processo terapêutico. Herboristeria A herboristeria, que se baseia nos efeitos biomédicos específicos da interação das células vivas com os componentes ativos das plantas, sempre reconheceu a Aloe Vera como uma das mais importantes do reino vegetal. Para essa ciência, o fator mais importante são os constituintes ativos das plantas, mesmo que em baixa concentração, e não a quantidade de nutracêuticos nelas existentes. No caso da Aloe vera, os elementos que mais se destacam são a aloína da "baba", que existe entre a casca e a polpa, assim como as enzimas e determinados polissacarídeos do seu gel. Iridologia A iridologia é um método de diagnóstico baseado no fato de que o micro e o macrocosmos se refletem um no outro. Assim, através das modificações apresentadas na íris dos olhos é possível saber 2
  28. 28. em que condição se encontra cada órgão do corpo. Por ser uma prática naturopática, a tendência é da maioria dos iridologistas serem naturopatas, nutricionistas ou herboristas. Na experiência do Dr. Plaskett, profundo conhecedor da iridologia, diante das rápidas mudanças registradas na íris dos pacientes que passam a fazer uso diário da Aloe Vera, ela se destaca como um alimento funcional da mais alta potência. Linfoterapia - Drenagem Linfática Embora não caiba estender o assunto, é importante se ter uma noção mínima sobre o sistema linfático devido ao seu grau de envolvimento com o sistema imunitário. A linfa é um liquido viscoso, rico em macromoléculas de proteínas, ácidos graxos e inúmeras células do sistema imunitário - linfócitos, granulócitos, eritrócitos e macrófagos. Através de uma rede de vasos capilares, recebe os líquidos intersticiais da substância fundamental dos tecidos conjuntivos com tudo que tenha que ser eliminado do organismo - fragmentos celulares, bactérias, células cancerosas, tecidos necrosados e todo o lixo ácido, seja ele oriundo do metabolismo celular ou resíduos químicos provenientes da poluição ambiental, medicamentos, alimentos, materiais de limpeza, higiene e beleza etc. A linfa funciona em circuito fechado com o sangue e os líquidos intersticiais Seu volume é em torno de 10 litros, metade dos quais é drenado do fígado, órgão que recebe cerca de 1.450 ml/min de sangue venoso com inúmeros xenobióticos (toxinas). Para impedir o retorno da linfa, os vasos linfáticos são formados por válvulas de estruturas extremamente frágeis, facilmente destruídas, mas com grande capacidade de regeneração tão logo os fibroblastos sejam estimulados e as enzimas e matéria-prima se encontrem disponíveis. Os vasos linfáticos atravessam pelo menos um dos 400 gânglios linfáticos (linfonodos), dispostos em cadeia ao longo do percurso da linfa. Desses, uns 160 estão concentrados na região do pescoço e outros tantos nas axilas, virilhas e atrás dos joelhos. Além deles terem uma estrutura específica à filtragem da linfa, são verdadeiros reservatórios de linfócitos. Os linfócitos têm a função de identificar, através de anticorpos, e eliminar, pela fagocitose, os elementos estranhos ao organismo. Quando preciso, eles se deslocam através da linfa, da corrente 2
  29. 29. sangüínea e da substância fundamental até alcançarem o tecido cuja estrutura tenha sido rompida, machucada, que esteja em processo de inflamação, infecção ou degradação. O timo e o baço também fazem parte do sistema linfático. O timo "educa" os lifócitos T a distinguirem com precisão as células próprias ao organismo daquelas dos elementos estranhos. Por isso sua disfunção está na raiz das doenças auto-imunes. O sistema linfático é, portanto, o principal responsável pela limpeza e desintoxicação do organismo. Mas, diferente do sangue, a linfa não tem um coração que impulcione a sua circulação, o que significa que sua circulação depende dos movimentos físicos da respiração, do andar, do levantar e abaixar, ou da contração da pele exposta ao frio e da sua expansão quando exposta ao calor ou ainda de qualquer tipo de ajuda externa, como agentes tópicos de estimulação, como faz o Aloe Heat Lotion, por exemplo, ou como a drenagem linfática. O aumento da viscosidade da linfa, devido à desidratação dos tecidos, mudanças do pH, excesso de gordura e toxinas, também dificulta, obviamente, sua circulação. Por isso a hidratação, despoluição e equilíbrio homeostásico do organismo são fundamentais à sua circulação. Por isso as propriedades hidratante, enzimáticas, imunomoduladora e regeneradora tissular do gel da Aloe vera têm muito a contribuir para o êxito da linfoterapia, da drenagem linfática ou qualquer outra prática que visa promover a desintoxicação do organismo. Naturopatia Dentro dos conceitos que regem a naturopatia ocidental, mesmo os naturopatas mais ortodoxos têm reconhecido o potencial da Aloe Vera sobre os sistemas imunitário, gastrintestinal e epitelial. Por isso, inúmeros são os profissionais da saúde nesta área que vêm estimulando seus pacientes a adotarem essa planta como fiel escudeira para a preservação e reconquista da saúde. Nutrologia A alcalinização dos líquidos extracelulares é indispensável ao equilíbrio homeostásico do organismo. A Aloe Vera destaca-se por ser um agente tônico, hidratante e de desintoxicação de origem natural, atóxico e por não deixar resíduos ácidos, mas alcalinos, embora tenha sabor ácido e um pH em torno de 4,5, como o limão. O suco da Aloe Vera, mesmo ingerido em quantidades 2
  30. 30. relativamente pequenas, é capaz de induzir mudanças significativas no comportamento metabólico celular. A intensidade e rapidez com que atua, entretanto, depende da quantidade e freqüência com que é utilizada. Os nutricionistas já conscientes do papel de educadores que lhes cabe e do quanto o Ser contemporâneo necessita estimular seu metabolismo celular e sistema imunitário, têm promovido a adoção do suco do gel da Aloe vera como fator de enriquecimento alimentar junto a seus pacientes. Nos regimes que têm por objetivo promover a desintoxicação do organismo e a criação de um meio ambiente incompatível aos microrganismos patológicos e aos quadros inflamatórios e infecciosos, não é exagero afirmar que a Aloe Vera é presença obrigatória diante dos resultados clínicos que vêm sendo obtidos. Segundo as declarações da Drª G. Glandale, nutricionista da Califórnia: Nos últimos 17 anos tenho usado a nutrição como fator terapêutico. No passado, eu já havia escutado e lido sobre os benefícios da Aloe Vera, mas não havia observado resultados consistentes com os produtos então disponíveis no mercado. Depois de estudar a diferença entre as muitas marcas existentes optei por uma que me pareceu confiável. A partir daí, comecei a obter os mesmos resultados apresentados pela literatura especializada, em relação ao sistema gastrintestinal e imunitário dos pacientes que passaram a usar o suco do gel de Aloe Vera. Odontologia Embora a ação tópica do gel da Aloe vera ser cantada em prosa e verso por profissionais dessa área que a utilizam, como é o caso do Dr. Timothy E. Moore, lembro mais uma vez a experiência desenvolvida em laboratório que mostrou que a regeneração tissular dos animais que ingeriram a Aloe vera foi mais rápida do que naqueles que seu uso foi limitado à aplicação tópica no local do corte. Esse estudo é de altíssima importância, pois demonstra que sua ação sistêmica é superior à sua ação tópica. Por isso, em qualquer caso de dilaceração tissular sua ingestão não deve ser negligenciada. Veterinária - Amantes dos Animais 2
  31. 31. Aos veterinários e amantes dos animais recomendo uma visita à página Aloe na Veterinária, cujas fotos fazem com que ninguém mais duvide do que o gel da Aloe vera é capaz. Conclusão A documentação do processo de regeneração tissular promovido pelo gel da Aloe vera através das fotos disponibilizadas no site poderá suscitar em muitos até mesmo o sentimento de indignação devido ao fato de suas propriedades antiinflamatória, antiinfecciosa, antitumoral, regeneradora tissular etc. não serem exaltadas nas escolas de medicina. Conseqüentemente, os profissionais da saúde que por ali passam ignoram sua ação em prol da preservação e reconquista da saúde dos humanos e dos animais. A tendência, porém, é de que a cada dia aumente o número de seus usuários e, oxalá, de cirurgiões, dentistas, dermatologistas, clínicos, terapeutas, veterinários etc. a protocolarem a Aloe vera como agente de suporte e potencialização de suas metodologias terapêuticas, pois ela só tem a enriquecê-las. E como ultima consideração volto a afirmar que jamais devemos subestimar a ação interna da Aloe vera, mesmo em casos de problemas externos (ex. ferimentos e queimaduras). Primeiro porque só através da corrente sangüínea ela atingirá todas as células do corpo. Segundo porque mesmo que apenas uma área do organismo seja atingida, o equilíbrio de sua unidade é afetado. Ou será que o conhecimento dos princípios da inter-relação sistêmica, cuja realidade já foi desvendada e demonstrada pela física quântica, ainda é ignorado por aqueles que se dedicam a promover a saúde do organismo dos seres humanos ou dos animais? REFERÊNCIAS: (1) www.aloeforeverbrasil.com.br/fotokirlian.htm (2) Davis RH, Leitner MG, Russo JM, Byrne ME. Wound healing. Oral and topical activity of Aloe vera. J Am Podiatr Med Assoc. 1989 Nov; 79(11): 559-62. (3) Davis RH, Leitner MG, Russo JM, Byrne ME. Wound healing. Oral and topical activity of Aloe vera. J Am Podiatr Med Assoc. 1989 Nov; 79(11): 559-62. Do Livro Saúde & Beleza Forever, de Mônica Lacombe Camargo - Edição Esgotada - 2
  32. 32. Fazendo o Suco de Aloe Vera O suco de Aloe Vera produzido por qualquer empresa não tem a pretensão de ser melhor do que o gel extraído diretamente das folhas da Aloe vera. O que elas fazem é: Disponibilizar o gel da Aloe vera a todos que não tenham acesso à planta com folhas maturadas de, no mínimo, três anos. Proporcionar a todos o uso diário do seu gel seja através de bebida ou de produtos para uso tópico. Se um dos objetivos do uso da Aloe é a estimulação do sistema imune, as folhas devem ser da espécie barbadensis Miller. As folhas colhidas por ocasião da lua cheia são mais energizadas e mais “cheias”, se comparadas às da lua nova, quando a energia e a água estão polarizadas pelas raízes. Recomenda-se não retirar as folhas da planta mãe durante ou imediatamente após as chuvas. Duas Maneiras de se Fazer o Suco da Folha de Aloe Ambos devem ser guardados devidamente tampados na parte de baixo do refrigerador, idealmente não mais do que uns 20 dias. Receita # 1 A receita divulgada por Frei Romano Zago, através das congregações católicas não só no Brasil como também mundo a fora, é a mais conhecida. Bater no liquidificador: - Duas ou três folhas de Aloe - 500gr de mel - 2 colheres de sopa de uma bebida destilada, como Brandy ou cachaça. Essa mistura de Aloe com mel é bastante usada na Índia em casos 2
  33. 33. de anemia, má digestão e problemas hepáticos. O mel e o álcool sempre foram utilizados como agentes de preservação e veículo de princípios ativos das plantas e substâncias animais. Sobre o uso dessa bebida, Frei Romano é enfático ao recomendar que: Ela deve ser ingerida em pequenas doses diárias, geralmente uma colher de sopa ao despertar e outra antes de deitar- se. A cada 10 dias, fazer uma pausa de 10 dias, mantendo esse ritmo até que o processo da autocura seja alcançado. Em caráter preventivo, fazer um tratamento de 10 dias a cada mudança de estação. É importante seguir essas recomendações, uma vez que o excesso de fibras da casca da folha pode apresentar algum perigo aos que têm tendências à diverticulite ou qualquer outro tipo de estreitamento nos intestinos. Depois que entre a casca e a polpa encontra-se uma grande concentração de aloína – um forte princípio ativo de efeito laxativo que pode irritar os intestinos, provocar hemorragia ou o abortos se ultrapassar os limites de tolerância da pessoa. Receita # 2 A outra maneira é bater apenas o gel da polpa da folha da Aloe, sem a casca, juntamente com 500 unidades de vitamina C para cada 250ml de gel. Isso impedirá que ele se oxide e fermente em pouco tempo. Do Livro Saúde & Beleza Forever, de Mônica Lacombe Camargo - Edição Esgotada - Possibilidades de Uso do Gel de Aloe Vera Abscesso Nervo ciático Acne Eczema Neurastenia Afta Edema Olhos Aids Empolação Osteoartrite Alergia Enjôo em geral Otite 2
  34. 34. Alopecia Enregelamento Pancadas Amidalite Enrijecimento das juntas Pancreatite Anemia Envelhecimento Pedra na vesícula Angina Erisipela Pedra nos rins Ansiedade Erupção cutânea Pele, unhas e cabelos Artrite Esclerodermia Picada de inseto Artrose Esclerose múltipla Pressão alta Asma Esfoladuras Prisão de ventre Assaduras Esofagite Problemas de coluna Azia Efisema Problemas Baixa imunidade Estresse gastrintestinais Bolhas Estrias Problemas hepáticos Bronquite Exantema Problemas na boca Brotoeja Exaustão Problemas renais Bursite Fadiga Problemas Câimbra Falta de energia respiratórios Calosidades Faringite Prostatite Calvície Febre do feno Pruritus da vulvae Câncer Feridas Psoríase Candidíase Fibromialgia Queimadura por Cansaço Fissura anal raio-X/radiação Carência nutricional Flebite Queimadura em geral Caspa Frieira Queratose Catarata Fungos Quimioterapia Cicatrização Furúnculo Rachaduras na pele Cicatrizes Gases Radioterapia Cirrose Gastrite Reações alérgicas Cirurgias Gengivite Resfriados Cistite Glaucoma Retinopatia Colesterol alto Gota Reumatismo Cólicas Gripes Ringworm Colite Hemorróidas Rugas Congestão nasal Hepatite Sarampo Contusões Herpes Sarcoma Cortes Hipertensão Seborréia Degeneração da Hipoglicemia Sinais na pele mácula Impetigo Síndrome da Depressão Incontinência noturna Fadiga Crônica Dermatite Indigestão Síndrome de Crets Descamação da pele Infecções em geral Síndrome de Sjogren Diabetes Inflamações em geral Síndrome dos Diarréia Insônia Intestinos irritados Disenteria Insuficiência arterial Sinusite Disfunções Intoxicação Tendinite hepáticas Irritação na pele Tensão muscular Disfunções renais Irritação nas mucosas Terçol Distensões Juntas inflamadas Tosse Distúrbios do sono Lepra TPM Diverticulite Leucemia Tracoma Doença de Crohn Linchen planus Tuberculose 2
  35. 35. Doença de Hodgkin Linfoma Doença de Lyme Lúpus Tumefação Doenças auto- Má digestão Túnel Carpal imunes Mau humor Ulcerações em geral Doenças do coração Mal-estar Urticária Doenças venéreas Marca senil Vaginite Dor de cabeça Mastite Varizes Dor de dente Mau hálito Verrugas Dor de garganta Menopausa Viroses Dor de ouvido Mordida Vírus de Epstein-Barr Dor nas juntas Dores em geral Do Livro Saúde & Beleza Forever, de Mônica Lacombe Camargo - Edição Esgotada - O Yin-Yang das Aloes Estas considerações sobre o yin-yang das Aloes foram inspiradas em um comentário feito por Frei Romano Zago, no seu livro Câncer tem Cura (Editora Vozes). É verdade que ainda não tive o prazer de conhecer o frei pessoalmente, porém o seu trabalho para salvar não só as almas, mas também tantas vidas humanas, com uma simples receita de Aloe, mel e cachaça, tem que ser louvado. Adorando ser instigada a pensar, ao ler a comparação que Frei Romano fez entre a Aloe vera arborensis e a barbadensis, percebi que uma expressava o extremo yin, enquanto a outra, o extremo yang. Tão óbvio quanto uma é o oposto da outra na forma de se manifestar, também assim deve ser a vertente segundo a qual cada uma se relaciona com o Ser. Em valores absolutos, nenhuma é melhor que a outra e ambas atuam de modo semelhante, do contrário não seriam as mais utilizadas e as que mais têm histórias a contar. Observando-se a aloe barbadensis, a primeira coisa que salta aos olhos é a sua verticalidade; expressão máxima do yang. (Para Rudolf Steiner, filósofo austríaco iniciador da Antroposofia, a verticalização é o máximo da expressão da postura humana que, conseqüentemente, capacita à maior expressão do Eu.) 2
  36. 36. Através desse excesso de yang, a aloe barbadensis está apta a atrair, como uma antena, as energias extremamente sutis (yin) do cosmos. Vindas dos mais longínquos confins do universo, onde certamente encontra-se a essência do Ser, elas são armazenadas na memória de suas moléculas de água (yin). (Penso ser oportuno lembrar aqui que, enquanto no mundo físico os opostos se atraem, ao nível das energias sutis são os semelhantes que se atraem!) Aloe arborensis, por sua vez, com sua expressão horizontalizada, extremamente yin, está mais capacitada a captar e a guardar um máximo de energia solar (yang), armazenada pela sua estrutura mais seca (yang). Esse calor é certamente de grande benefício aos cancerosos, já que ausência de febre lhes é uma forte característica – ou seja, carecem de calor, de energia. E assim mais uma vez vemos todos os caminhos levando a Roma: o logos, nas origens da formatação da matéria, e a psique, no controle da somatização. A passividade (yin) promovendo a receptividade da energia ativa (yang) que gera o processo de autocura, ou a atividade (yang) da procura pelas origens (yin), onde se encontra o modelo do processo da autocura. (Esta era a metodologia dos sacerdotes gregos, que levavam os doentes para os templos onde, por meio de determinadas práticas e durante o sono, os guiavam pelos caminhos da autocura.) Vê-se, pois, que ambas são igualmente potentes, embora auxiliem processos evolutivos bastante diferentes. Mas para encerrar o assunto das duas aloés, enfatizo que a intenção deste livro não é absolutamente apresentar a Aloe como a planta que cura o câncer, nem tampouco como planta para ser utilizada somente em momentos de crise ou algumas vezes por ano. Minha intenção é apresentar o potencial de higienização e prevenção do suco do gel da Aloe barbadensis Miller contra processos degenerativos, inflamações, infecções, grande parte das patologias etc. Do Livro Saúde & Beleza Forever, de Mônica Lacombe Camargo - Edição Esgotada - ALOE VERA 2
  37. 37. Aloe barbadensis Miller ALOE VERA - Uma Planta Com Poder De Cura Transcrição de uma entrevista de Frei Romano Zago (1) ao Jornal Novo Milênio (RS) Após passar 4 anos trabalhando como mestre dos cléricos no Convento da Natividade em Belém (Israel), o Frei Zago retorna ao Brasil passando por Portugal, Suíça e Itália, na sua cruzada divulgando as experiências com Aloe Vera. Podemos afirmar que ela é uma das plantas cultivadas mais perfeitas que encontramos na natureza. Basta dizer que, dos 22 aminoácidos que nosso corpo precisa, ela possui 18. Sem exagero, é uma completa farmácia que Deus pôs gratuitamente à nossa disposição. Mais do que remédio, é um integrador alimentar. Ela fortalece o nosso sistema imunológico enfraquecido. Em outras palavras, reforça as defesas naturais do organismo que, ao longo dos anos, pode ir cedendo por fatores físicos como alimentação errada, cigarros, bebidas...ou psíquicos como frustrações, fracassos... E cedendo as resistências, abre-se caminho à instalação de doenças. A Babosa começa fazendo uma verdadeira varredura no organismo, limpando o sangue. E com o sangue limpo, tudo começa a funcionar bem. Mais ou menos como um carro quando você coloca combustível de boa qualidade. 2
  38. 38. Ela tem curado muitos tipos de câncer. Diria que hoje são milhares de pessoas que se livraram desse pesadelo graças à Babosa. Câncer de: cérebro, pulmão, intestino, garganta, mama, útero, ovário, próstata, rins, pele e leucemia, entre outros. Muitas doenças também foram curadas: alergias, aftas, asma, anemia, cólicas, artroses, queimaduras, insolação, doenças de pele, gangrenas, diabetes, hemorróidas, furúnculos, feridas venerais, infecção da bexiga e dos rins, reumatismo, insônia, icterícia, lepra, dor de ouvidos, dores de cabeça, fígado e estômago, picadas de insetos, próstata, úlceras gástricas, varizes, verrugas e vermes. Para AIDS não tenho conhecimento de cura, mas verificou-se que ela freia e trava o processo do vírus de tal sorte que a pessoa, depois de 3 ou 4 doses, recupera seu organismo, sobretudo o fígado, que é o primeiro órgão a se desmoronar. Em Palermo conheci um rapaz aidético que depois de 3 doses já pôde trabalha, e como enfermeiro num hospital. A Babosa não tem contra indicação. Sua múltipla ação fungicida, bactericida, laxante e diurética só pode beneficiar o organismo. Não destrói nada, ao contrário, repõe o que falta. Durante o tratamento podem ocorrer reações inesperadas porque o organismo está se livrando das toxinas que a pessoa tem dentro de si, então, por exemplo, ela pode ter desarranjo intestinal, coceiras e pequenas manchas na pele, pode ter até bolhas, fezes mais fétidas, urina mais escura, erupções nas pontas dos dedos. Aconselha-se, principalmente aos portadores de câncer, que não suspendam o tratamento porque isso é um bom sinal. É um sintoma ótimo, significa que a Babosa está produzindo seus efeitos. (1) Frei Romano Zago vive em Sarandi (RS) e é o autor do livro Câncer Tem Cura, editora Vozes. Do Livro Saúde & Beleza Forever, de Mônica Lacombe Camargo - Edição Esgotada - Aloe Vera: Uma Abordagem Científica Segundo o Dr.Robert H. Davis, PhD Autor do livro Aloe Vera: A Scientific Approach 2
  39. 39. O Dr. Robert H. Davis, graduado pelo Kings College com PhD na Rutgers Univerity, é autor de duzentos diferentes trabalhos científicos. No seu livro Aloe vera: Uma Abordagem Científica ele esclarece os comos e os porquês da atuação da Aloe vera no organismo. Descreve a sinergia existente entre os seus componentes biologica-mente ativos. Desenvolve o tão ilustrativo "Conceito de Chefe de Orquestra da Aloe" onde apresenta os polissacarídeos como sendo o maestro e os outros agentes bioativos a orquestra. Ele explica como a Aloe vera atua sobre a eliminação das dores, das inflamações e da artrite, assim como o seu grande poder sobre o processo de cicatrização. Seus estudos sobre o Aloe vera iniciaram-se no meio dos anos 70. Durante uma certa experiência em laboratório, à procura de um antiinflamatório natural como alternativa para a cortisona e outros esteróides, foi surpreendido ao verificar os resultados de uma das amostras onde havia utilizado, por engano, o extrato de gel de Aloe vera como elemento de controle. Surpreendeu-se pois jamais havia visto uma substância natural capaz de produzir tais feito. No seu livro, ao expor o resultado de seus 20 anos de pesquisa, declara que "ninguém mais pode dizer que Aloe vera é um mito ou funciona sob efeitos mágicos" porque sua eficacidade enquanto antiinflamatório, cicatrizante e analgésico já foi demonstrada pela curva de dose-resposta. Ele também explica como a Aloe vera atua como um veículo biológico (ou condutor ativo) ao mesmo tempo em que tem uma atividade biológica complementar própria. Demonstra o aumento qualitativo e quantitativo da atividade dos fibroblastos como promotores da cicatrização, inclusive em animais diabéticos. Postula que o Giberelino da Aloe atua como fator de crescimento vital para as células. Questiona a postura médica sobre a AIDS em relação ao HIV ressaltando as propriedades imunomoduladoras da Aloe vera - que ao mesmo tempo que é estimulante para as cicatrizações, é inibidora para as inflamações. Descreve a ação dos esteróides da Aloe vera sobre a artrite reumatóide. Compara a aspirina com a Aloe vera e o potencial sinérgico que existe entre as duas. O Conceito Maestro & Orquestra A Orquestra Uma orquestra sinfônica necessita de instrumentos de corda, madeira, metal, sopro e percussão para formar um conjunto capaz de expressar toda a beleza de uma música. Cada arranjo musical 2
  40. 40. mistura, de forma única, os sons de vários instrumentos em uma mesma tonalidade. Apesar de que quando uma orquestra está se afinando, com cada instrumento a nota musical que lhe seja própria, testemunhamos um verdadeiro caos sonoro, tão logo começam a interagir harmonioso, um som extremamente puro se faz ouvir. Entretanto, o elemento chave de uma orquestra é o maestro que, se for excepcional, saberá utilizar-se da participação e do potencial de cada instrumento, criando uma surpreendente sinergia entre todos. Apesar dessa posição ser importante, o talento dos músicos da orquestra é igualmente relevante para que o resultado final seja um som mágico durante toda a apresentação da orquestra. O Maestro O conceito maestro-orquestra foi desenvolvido para melhor definirmos as relações entre os mais de 200 componentes biologicamente ativos da Aloe vera. Dentre essas, acredita-se serem as moléculas dos polisacarídeos que atuam como o maestro que lidera a sinfonia como fruto da interrelação biológica dos mais de 200 componentes da Aloe vera. As moléculas de polisacarídeo são constituídas por moléculas de manoses ligadas entre si. Como um maestro, os polissacarídeos conseguem modular de diversas maneiras as atividades biológicas de uma infinidade de moléculas que estão à sua volta de modo que, devidamente orquestradas passam a funcionar em perfeita sinergia. A teoria maestro-orquestra tem servido de base a muitas pesquisas e à formulação de novos produtos. Entretanto, pensa-se que é a proteína presa em uma das extremidades da cadeia de polissacarídeos quem direciona o fosfato de manose, preso na outra extremidade, para o receptor dos fibroblastos. E acredita-se ser assim que a produção de colágeno e de proteoglicanos, indispensáveis ao processo de cicatrização, é induzida pela Aloe vera. Simultaneamente, os macrófagos são estimulados a produzirem uma variedade de substâncias com atividades biológicas e a reconhecerem os receptores da superfície de outras células. Outros componentes biológicos da Aloe vera, indiretamente, também ajudam o maestro a induzir respostas biológicas nos receptores celulares. Sugerir, porém, que o maestro, isto é, que os polissacarídeos trabalham isoladamente sem interação alguma com o complexo 2
  41. 41. orgânico ao qual pertencem, é muita pretensão. Não há dúvida que os conhecimentos adquiridos a partir da observação da atividade de elementos isolados da Aloe vera são de grande utilidade. Mas não me parece nada inteligente exaltar uma única substância e reduzir todo o potencial da Aloe vera à sua única existência. (Aqui Dr. Davis está fazendo uma crítica a outras teorias.) Uma das características mais importantes do seu dinamismo sinérgico presente na Aloe vera é que, não importa sob que dosagem, o seu potencial de toxidade é aparentemente nulo. Por outro lado, o que vem se verificando é que a Aloe Vera de imunomoduladora tem a propriedade de reduzir e até mesmo eliminar agentes tóxicos ao organismo. As Funções da Água Qual a função da água dentro da Aloe vera? Como será que os polissacarídeos, o maestro, se comunicam com os mais de 200 ativos biológicos que constituem a orquestrada Aloe vera? Perguntas de grande importância que continuam, praticamente, sem respostas. Sabe-se que a água é um elemento indispensável às atividades orgânicas. A Aloe vera é composta por 99,5% de água e 0,5% de sólidos. Segundo o Dr. Robert Davis, nela a água atua como: Solvente para as moléculas dos polissacarídeos. Meio de comunicação entre os polissacarídeos e os 200 componentes ativos da Aloe facilitada pela polarização das moléculas de água. Uma molécula de água de Aloe vera é constituída por um grande átomo de oxigênio que atrai os elétrons de dois átomos de hidrogênio. Elas funcionam tanto como ativos agentes de dissolução como também participam da formatação de novos complexos moleculares Assim como existem cargas positivas e negativas nas extremidades dessas moléculas de água, todas as moléculas que participam dessa orquestra, incluindo o maestro, também possuem partes polarizadas e partes não polarizadas. As partes polarizadas reagem facilmente com a água. As partes não polarizadas são hidrofóbicas, se esquivam da água. A polaridade negativa das moléculas de água alinhadas com as extremidades positivas das outras moléculas é que formam a 2
  42. 42. conecção entre o maestro e os 200 componentes da orquestra, e vice-versa. A Teoria Yin Yang A teoria yin/yang, utilizada pelas culturas orientais, distingue os princípios ativos e passivos que equilibram o universo e tudo que nele existe. Através da interação dessas duas forças todos os fenômenos se manifestam. Sem fugir à regra, a Aloe vera reflete o equilíbrio de um sistema biológico complexo que, ao mesmo tempo que tem o potencial de inibir as dores, as inflamações etc., também atua como um estimulante para o sistema imunológico, os processos de crescimento celular, a cicatrização etc. O Mecanismo dos Processos Inflamatórios Inflamação é o mecanismo natural de defesa de todo o tecido vivo sempre que sua estrutura é agredida, lesionada, irritada, dilacerada... Do ponto de vista molecular, o mecanismo inflamatório envolve uma complexidade de processos reguladores, mediadores e potencializadores. Mesmo que a natureza dos traumatismos sejam diversas, o processo inflamatório é sempre o mesmo e pode funcionar como um faca de dois gumes mesmo que, a princípio, ele não causa ameaça ao organismo. A inflamação pode ser aguda ou crônica. O mecanismo de uma inflamação aguda, em resposta a uma lesão estrutural, é: Produzir um edema local a partir da liberação imediata de substâncias que atuam sobre os vasos capilares. Em seguida, os neutrófilos (leucócitos polimorfo nucleares), isto é, , movem-se para fora dos vasos capilares em direção à área agredida através da mediação dos leucotrienos. As lisozimas, substância derivada das células inflamadas, modulam o funcionamento dos neutrofilos (PMN). Os neutrófilos, através do aumento de seus metabolismos e do consumo de oxigênio, fagocitam todos os escombros deixados pelo traumatismo. Mesmo assim a área tende a ficar cheia de radicais livres de oxigênio que acabam atacando os lipídios das membranas vizinhas, produzindo um novo estado de inflamação. Por isso, esse 2
  43. 43. ciclo tem que ser interrompido o mais rápido possível para impedir que um processo de inflamação crônica acabe se instalando no local. Um dos problemas gerado pelo uso dos esteróides é que ao mesmo tempo que bloqueiam a inflamação eles retardam o processo da cicatrização, criando espaço para que a inflamação se alastre. As propriedades antiinflamatórias da Aloe vera, diferente dos esteróides, ao mesmo tempo que bloqueiam a inflamação estimulam o crescimento dos fibroblastos e a aceleração da cicatrização. Esse é um dos efeitos mais surpreendentes e 'milagroso' da Aloe vera. Estudos mostraram que só 1% dos esteróides aplicado topicamente penetram o estrato córneo da pele, isto é, 99% fica indisponível e se perde. Verificamos que a Aloe vera é um excelente veículo para os esteróides pois, além de lhes servirem como veículo, participa do processo de cura acrescentando-lhe todos os benefícios de que é capaz. A complexidade dos componentes e a multiplicidade de mecanismos desencadeados pela presença da Aloe vera, faz com que a observação de todas as suas atividades anti-inflamatórias não seja algo simples. São aminoácidos do tipo fenilalanina e triptofano; é o ácido salicílico prevenindo a biosíntese da prostaglandina, o ácido araquidônico reduzindo a vasodilatação e diminuindo os efeitos vasculares da histamina etc. Já o efeito analgésico da Aloe vera tanto se assemelha como potencializa a aspirina. A Aloe vera ao estimular a cicatrização, estimula a produção de anticorpos e a varredura dos radicais livres produzidos pelos neutrófilos. A presença da vitamina C contribui para com a inibição das inflamações neutralizando os radicais livres de oxigênio. A vitamina E, também conhecida por suas propriedades anti-oxidantes, encontra-se igualmente presente na Aloe vera. A verdade é que todos os ativos biológicos da Aloe vera formam uma orquestra que, trabalhando em colaboração com o maestro polissacarídeo, têm valorosos efeitos terapêuticos. Aloe Vera como Veículo Biológico Qualquer elemento que não consegue ser absorvido pelo estrato córneo da pele precisa de um veículo que ajude a sua penetração. Os glucocorticóides e a vitamina C são dois casos típicos. 2
  44. 44. No caso dos glucocorticóides, as propriedades anti-inflamatórias, cicatrizantes e analgésicas da Aloe vera fazem dela um veículo biológico específico pois ao mesmo tempo que veicula a sua penetração, neutraliza os efeitos negativos inerentes a essa substância. A vitamina C, tão importante para a síntese do colágeno, também precisa de auxílio para penetrar a pele. Em doenças como a artrite reumatóide, os níveis de vitamina C são baixíssimos. Apesar de todos os fatores que controlam a absorção da vitamina C ainda não serem conhecidos, já foi verificado o quanto a Aloe vera ajuda a sua penetração dérmica. Com a presença e colaboração da Aloe vera, a dosagem de vários elementos pode ser reduzidas Às atividades biológicas da Aloe vera adiciona-se o potencial sinérgico estabelecido entre os elementos presentes na Aloe vera e os princípios ativos do elemento terapêutico que ela esteja vinculado. Um dos fenômenos da Aloe vera é que ela solubiliza tanto elementos solúveis em água quanto substâncias lipídicas (gordurosas). Essa propriedade faz dela um veículo ainda mais sui generis. A Aloe vera está cada vez mais conhecida como um dos mais importantes veículos biológicos. Conclusão Aloe vera contém polissacarídeos que agem como maestros conduzindo inúmeras atividades biológicas através da orquestração de várias diferentes moléculas ao seu redor. Muitos dos compostos da Aloe vera já foram isolados, identificados e demonstraram possuir fortes princípios ativos assim como um forte potencial sinérgico quando interagindo com o todo. A Teoria Maestro-Orquestra se opõe diametralmente à idéia de que somente um tipo de molécula da Aloe vera, ou seja, os polissacarídeos, seja responsável pelos surpreendentes efeitos benéficos dessa planta, isto é, se opõe à redução do potencial da Aloe vera ao dos polissacarídeos. Não há dúvida de que ainda falta uma maior compreensão sobre a ação sinérgica dos seus vários componentes da Aloe vera para que seja possível uma melhor definirmos da atua sobre o organismo. Essa compreensão, certamente, provocará muitas mudanças em pró do aumento da qualidade de vida dos Seres humanos e dos animais, uma vez que deverá mexer nos conceitos que hoje regem a farmacologia. 2

×