Plantas medicinais

31.573 visualizações

Publicada em

0 comentários
26 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
31.573
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
837
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1.979
Comentários
0
Gostaram
26
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Plantas medicinais

  1. 1. UNISUL E CURSO DE FARMÁCIA APRESENTAM: PLANTAS MEDICINAIS Acadêmicos do Curso de Farmácia 5º semestreProfs Resp. Simony D. Müller/ Silvana C. Trauthman
  2. 2. PLANTAS MEDICINAIS Maria-sem-vergonha São plantas que possuem propriedades reconhecidas de cura, prevenção ou tratamento sintomático de doenças, validadas em estudos. (ARNOUS et al; 2005).OMS: aquela que adm ao homem ouanimais, por qualquer via ou sobqualquer forma, exerce alguma espéciede ação farmacológica. Calêndula
  3. 3. PLANTAS MEDICINAIS  Histórico;  Importância;  Problemas primários;  Custos;  Expansão do comércio.
  4. 4. OBJETIVOS Conhecer algumas das plantas medicinais mais utilizadas popularmente pelas comunidades dos bairros Dehon e Morrotes, durante as visitas domiciliares realizadas na disciplina de Estágio II; Pesquisar e transmitir para a comunidade riscos e benefícios, forma de preparo, coleta, armazenamento das bplantas medicinais.
  5. 5. Plantas medicinais mais utilizadas popularmente pelas comunidades dos bairros Dehon e Morrotes, durante as visitas domiciliares: 1. Assa-peixe 8. Cáscara sagrada 2. Arnica 9. Cabelo de milho 3. Babosa 10. Pata de vaca 4. Boldo 11. Sene 5. Cana cidreira 12. Gingko biloba (fitoterápico); 6. Espinheira Santa 13. Quebra-pedra 7. Gengibre 14. Guaco
  6. 6. ASSA-PEIXE • Nome científico: Vernonia polyanthes Less • Nome popular: Assa-peixe, chamarrita, assapeixe-branco, cambará-guaçu, cambará-açu, cambará-branco. • Parte utilizada: Folhas (broto). • Indicações: Antiinflamatório; Bronquite; Hipotensor; Estados gripais; Diuréticos. • Posologia: Infusão com 3 colheres de sopa de folha fresca.Sem estudos que confirmem toxicidade
  7. 7. ARNICA • Nome científico: Solidago chilensis Meyen. • Parte utilizada: Flor e rizoma. • Indicações: Antiinflamatória; gastroprotetor; antimicrobiano; cicatrizante. • Posologia: infusão com 1 colher de planta bem picada e fazer compressa.Recomendada para uso externo. Seu extrato é extremamente irritante para a mucosa gástrica. Ref?????;
  8. 8. BABOSA • Nome cientifico: Aloe vera (L.) Burm. F. • Parte utilizada: gel das folhas frescas. • Indicações: Cicatrizante e reconstituinte em lesões térmicas (isquemia, queimaduras), radiativas (queimaduras, dermatites, telangectasia). Emoliente em psoríase, eczemas, dermatites seborréicas, furúnculos. • Posologia: uso tópico do gel 3 vezes ao dia.Doses elevadas podem causar intoxicação aguda, com desmaios, hipotenção e hipotermia (SAAD et al, 2009).
  9. 9. BOLDO • Nome cientifico: Plectranthus barbatus Andr • Nomes Populares: Boldo, boldo- do-chile • Indicações: gastrite, dispesia, úlceras gástricas, litíase biliar, ressaca e cefaléia • Parte utilizada: Folhas. • Posologia: infusão com 3 a 4 folhas, tomar 1 xicara 2 ou 3x diaEm altas doses causa irritação gástrica. Gestação: estudos em animais demonstraram retardo no desenvolvimento e na implantação do embrião. (SAAD et al, 2009)
  10. 10. BOLDO DO CHILE • Nome cientifico: Peumus boldo Molina • Nomes Populares: Boldo, boldo- do-chile; • Indicações: Hepatite, ltíase biliar, colecistite, indigestão, náuseas e vômitos e constipação intestinal; • Parte utilizada: Folhas. • Posologia: Infusão em planta seca de 2 a 5g/dia.Em altas doses podem causar efeitos narcóticos e convulsantes (SAAD et al, 2009).
  11. 11. CANA CIDREIRA • Nome cientifico: Cymbopogon citratus Stapf., • Nomes populares: capim-limão, cana de cheiro, cana do brejo. • Parte utilizada: Folha. • Indicações: Calmante, Analgésica e Antiespasmódica. • Posologia: Infusão de 4 xicaras de folhas picadas, tomar aSem estudos que confirme intoxicação vontade.
  12. 12. IDENTIFICAR CORRETAMENTE AS PLANTAS Citronela Capim-cidreiraAinda é muito comum a confusão entre a citronela e o capim-cidreira.Embora a aparência seja realmente muito próxima, dá para diferenciá-laspelo aroma: o capim-limão apresenta um cheiro mais suave, que lembra olimão; enquanto o aroma da citronela é bem intenso (lembra eucalipto).
  13. 13. ESPINHEIRA SANTA • Nome científico: Maytenus officinalis Mabb. • Parte usada: folhas • Indicações: Úlceras gástricas e duodenais, gastrites. Digestão lenta. Constipação intestinal. Cicatrizante (em uso externo). • Contra indicações: a espinheira santa é uma planta abortiva, e durante a lactação diminui a secreção de leite. • Interações: A administração concomitante de espinheira-santa com bebidas alcoólicas não é recomendada. • Posologia: Infusão de 5g para cada xicara, tomar 3 x dia.Sem estudos que confirme intoxicação
  14. 14. GENGIBRE • Nome cientifico: Zingiber officinale Roscoe • Indicações: Gripes, resfriados, bronquites. Irritação e inflamação da garganta, rouquidão. Digestão lenta, plenitude pós- prandial, gastrites e epigastralgias, flatulência, refluxo gastresofágico. • Parte Utilizada: Rizoma. • Posologia: Decocção, cozinhar por 10 minutos uma colher de chá de rizoma triturada em uma xicara de chá de água.Sem estudos que confirme intoxicação
  15. 15. CÁSCARA SAGRADA • Nome cientifico: Rhamnus purshiana • Indicações: corrigi a obstipação intestinal, através de uma ação laxativa e do aumento do tônus do cólon. Produz uma excitação intestinal leve, regulando o peristaltismo. • Parte Utilizada: Cascas do caule e dos ramos além das raízes.
  16. 16. GUACO • Nome Cientifico: Mikania glomerata Spreng. • Parte utilizada: folhas. • Indicações: antiasmática, antiespasmódica, antigripal, antiinflamatória, antimicrobiana, calmante e expectorante. • Posologia: Infusão com 4 a 6 folhas para uma xicara de água fervente. Tomar uma xicara 2 a 3x/dia.Sem estudos que confirme intoxicação
  17. 17. QUEBRA-PEDRA • Nome cientifico: Phyllanthus niruri L. • Parte utilizada: Todas as partes da planta. • Indicações: Litíase renal e cólica nefrética. Hepatite B. • Contra indicações: gravidez e amamentação. • Posologia: Infusão de 30 a 40g de planta fresca. Tomar uma xicara 3x/dia.
  18. 18. CABELO DE MILHO • Nome Cientifico: Zea mays L. • Indicações: Cistite, uretrite, litíase renal e diurético. • Parte utilizada: estigmas secos.Sem estudos que confirme intoxicação
  19. 19. SENE • Nome científico: Cassia occidentalis (L.) Indicações: Constipação por inércia intestinal. Hemorróida, fissura renal, purgativo. • Parte utilizada: Folíolo. • Posologia: Infusão de 1 a 2g de folhas por xicara/dia. • Contra-indicações: Gravidez, aleitamento, enterite, apendicite, cistite, obstrução intestinal e dores. Não é recomendado para crianças.Doses superiores a 8g provocam colicas severas , náuseas e vômitos. Tem ação tóxica nos rins em crianças (SAAD et al, 2009)
  20. 20. PATA DE VACA • Nome científico: Bauhinia forficata Link • Nome popular: Pata-de-vaca, unha- de-vaca, • Indicações: Diabetes melito tipo II • Posologia: Planta seca: 2 a 5g/dia. • Interações medicamentosas: Potencializa insulina e medicamentos antidiabéticos.Sem estudos que confirme intoxicação
  21. 21. GINGKO BILOBA (Fitoterápico) • Nome científico: Ginkgo biloba L. • Indicações do Ginkgo biloba: Para otimizar a memória.No tratamento de zumbidos e vertigens. • Parte utilizada: folhas. • Efeitos colaterais: o contato com a parte externa da semente e com a casca da árvore pode causar náuseas e dermatites de origem alérgica.É bastante seguro e bem tolerada, porem é contraindicado na gravidez ou lactação por falta de dados(SAAD et al, 2009)
  22. 22. GINGKO BILOBA (Fitoterápico)É um dos 10 fitoterápicos mais prescritos no Brasil.É BOM SABER SOBRE AS INTERÁCÕES DESTE FÁRMACO:
  23. 23. CUIDADO!!1. ARNICA Conforme Resolução RE nº 89, de 162. BABOSA de março de 2004 essas plantas devem ser usada somente por via tópica.3. CONFREI4. CALÊNDULA
  24. 24. Arnica Babosa Calêndula Confrei
  25. 25. É IMPORTANTE SABER:• “NATURAL”;• O uso de uma planta não deve ser repetido continuadamente por mais de 30 dias;• Erros na identificação da espécie;• Uso de quantidade excessivas de determinadas plantas;• Preparo e do uso inadequado.
  26. 26. PREPARO DAS PLANTAS1. Cultivo;2. Coleta;3. Armazenagem;4. Preparo;5. Quantidades;6. Tempo.
  27. 27. CULTIVO O melhor é desenvolver uma horta de plantas medicinais e aí cultivar as plantas básicas de cada área, segundo a pesquisa de dados (etnobotânica) realizada previamente. - Selecionar espécie; - Local; - Solo; http://www.ccs.ufpb.br/pet-farmacia/dezmand.htm
  28. 28. COLETA• Não coletar plantas na beira de rios, • As cascas devem ser retiradas córregos poluídos e nem na margem de apenas de um dos lados da planta. estradas; • Coletar nas melhores horas, como• Quando coletar folhas não arrancar durante a manhã, após secar o todas de um galho apenas, orvalho ou no final da tarde; desprezando folhas furadas, mofadas, etc... • Pesquisar a estação propicia para se fazer a coleta. http://www.ccs.ufpb.br/pet-farmacia/dezmand.htm
  29. 29. SECAGEM E ARMAZENAMENTO• Flores e folhas, devem ser colocadas à sombra para secar em local ventilado, limpo e em camadas finas. Três a cinco dias são suficientes. Outro método é pendurar os galhos de flores e folhas em um varal, até que sequem.• As cascas, devem ser lavadas com água corrente ligeiramente raspadas para retirar a superfície impregnada de poeira, lodo ou insetos e depois devem ser colocadas ao sol para secar.• Raízes, devem ser lavadas e colocadas para secar.• Sementes, devem ser colhidas de frutos maduros e sadios, limpos por peneiração ou lavagem e secas ao sol. São as partes vegetais que apresentam maior durabilidade. http://www.ccs.ufpb.br/pet-farmacia/dezmand.htm
  30. 30. PREPARO É preciso CONHECER a planta e saber quais as partes que são utilizadas: raiz, entrecasca, folhas, planta inteira, frutos e sementes. Existem diferentes métodos de preparar as plantas, como: Infusão, decocção, etc. Evite o uso de vasilhas de ferro, alumínio, cobre ou plástico; dê preferência avasilha de vidro (que possa ser levada ao fogo), porcelana ou barro. É importante também saber a quantidade da planta a usar no preparo. http://www.ccs.ufpb.br/pet-farmacia/dezmand.htm
  31. 31. INFUSÃO• Modo de preparo Despejar água fervente sobre as ervas secas ou frescas, cobrir, deixar descansar por 10 minutos depois coar.DECOCÇÃO• Modo de preparo Deixar cozinhar por mais ou menos 10 minutos as partes das plantas secas ou frescas em água depois coar.
  32. 32. QUANTIDADES / TEMPOÉ importante saber quanto se deve tomarum preparo a base de plantas. Não sepode abusar da dosagem. http://www.ccs.ufpb.br/pet-farmacia/dezmand.htm
  33. 33. ATENÇÃO QUANTO A VALIDADE DAS FORMAS CASEIRASFonte: QUÍMICA NOVA NA ESCOLA, Produção de medicamentos fitoterápicos,Maio de 2000.
  34. 34. 10 Mandamentos para o bom uso das PLANTAS MEDICINAIS• Saber onde coletar; • Como preparar;• Como coletar; • Como usar;• Quando coletar • Quanto usar;• Como secar e conservar; • Conhecer toxicidade;• Que parte da planta utilizar; • Saber identificar. http://www.ccs.ufpb.br/pet-farmacia/dezmand.htm
  35. 35. CONCLUSÃO• Importância da educação da população em saber usar e preparar plantas medicinais;• Profissionais de saúde conhecedores de plantas e dos costumes da população;• Horta Comunitária;• “Farmácia Verde”.
  36. 36. AGRADECIMENTO “NÃO EXISTEMPLANTAS TÓXICAS,EXISTEM PLANTAS UTILIZADAS DEMANEIRA ERRADA” (AlONSO 2008)
  37. 37. OBRIGADO!!
  38. 38. REFERÊNCIAS• OLIVEIRA, Fernando de; AKISUE, Gokithi; AKISUE, Maria Kubota. Farmacognosia. São Paulo: Livr. Atheneu, 1996. 412p.;• Monografias - contendo informações etnofarmacológicas, dados químicos e dados de estudos pré-clínicos e clínicos, realizadas por pesquisadores credenciados pelo CNPq ou equivalente;• SIMÕES, Cláudia Maria Oliveira; SCHENKEL, Eloir Paulo; GOSMANN, Grace. Farmacognosia: da planta ao medicamento. 3. ed. Florianópolis: Ed. da UFSC; Porto Alegre: Ed. UFRGS, 2001. 833 p.• LIMA, Darcy Roberto,. Manual de farmacologia clínica, terapêutica e toxicologia 1994. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 1994. 1116 p.• SAAD, Glaucia de Azevedo; LEDA, Paulo Henrique de Oliveira; SÁ, Ivone Manzali; SEIXLACK, Antonio Carlos de Carvalho. Fitoterapia Contemporânea: Tradição e ciência na prática clínica. Rio de Janeiro: Elsevier, 2009.• LORENZI, Harri; MATOS, F.J. Abreu. Plantas Medicinais no Brasil: Nativas e Exóticas. 2 ed. Nova Odessa, SP: Instituto Plantarum, 2008.• CAGRO Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/cagro/v31n1/v31n1a12.pdf Acesso em: 28 Ago de 2009.• EMBRAPA Disponível em: http://www.agencia.cnptia.embrapa.br/recursos/FLO_Etnob_Cerrado_MGID-0zWHltLEGY.pdf Acesso em: 28 Ago de 2009.
  39. 39. REFERÊNCIAS• CIÊNCIA FARMÁCIA Disponível em: http://serv-bib.fcfar.unesp.br/seer/index.php/Cien_Farm/article/viewFile/354/339 - Acesso em: 28 Ago de 2009.• USP Disponível em: http://ci-67.ciagri.usp.br/pm/ Acesso em: 28 Ago de 2009.• UFMS Disponível em: http://www.ufms.br/horta/plantas_medicinais.htm Acesso em: 28 Ago de 2009.• AGAPEHOLOS Disponível em: http://www.agapeholos.org/Biblio133.htm Acesso em: 28 Ago de 2009.• FARMÁCIA UFG Disponível em: http://www.farmacia.ufg.br/revista/_pdf/vol3_2/artigos/ref_v3_2-2006_p36-41.pdf Acesso em: 28 Ago de 2009.• UER Disponível em: http://www.uerr.edu.br/revistas/remgads/uploads/c881ba82-2317-4bc2.pdf Acesso em: 28 Ago de 2009.• MANDAMENTOS Disponível em: http://www.ccs.ufpb.br/pet-farmacia/dezmand.htm Acesso em: 28 Ago de 2009.• PLANTAS MEDICINAIS Disponível em: http://www.saude.rio.rj.gov.br/media/cuidados_plantas_medicinais Acesso em: 28 Ago de 2009.

×