Teoria do Conhecimento I - João Luís

330 visualizações

Publicada em

Slides da aula de Filosofia (João Luís) sobre Teoria do Conhecimento I

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
330
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
59
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
5
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Teoria do Conhecimento I - João Luís

  1. 1. Professor João Luís 2º ano
  2. 2.  Quando alguém afirma que conhece alguma coisa, o que está dizendo?
  3. 3.  Precisamos especificar o que está sendo perguntado;  A palavra “conhecer” tem grande variedade de usos.
  4. 4.  A verdade é uma condição necessária para tal conhecimento;  A condição para alguém conhecer algo é: Que isso seja verdade; II. E que essa pessoa acredite nisso. I.
  5. 5.  Podemos então equivaler o conhecimento à crença na verdade?
  6. 6.  Não!  Considere um partida de futebol e um acerto de placar sem análise.  Sorte!
  7. 7.  Como podemos distinguir:  conhecimento verdade? / crença na
  8. 8.  A condição para se considerar a crença na verdade como conhecimento tem relação com a justificativa.  A pessoa que crê na verdade acerca de algo (sorte) não tem uma justificativa razoável;
  9. 9.  Uma pessoa não tem conhecimento a não ser que possa justificar completamente sua crença;  A justificativa e a qualidade da evidência na qual se baseia.
  10. 10.  Uma pessoa pode ter uma boa justificativa para aquilo em que acredita apesar de se basear em alguma posição falsa.
  11. 11.  Exemplo:  A história do motorista, o carro estacionado e o motor.  Nesse caso seria correta a crença do dono;  A sua crença seria igualmente bem justificada;  Todavia, a crença seria baseada numa suposição falsa, levando-o a uma conclusão verdadeira.
  12. 12.  Deve-se exigir não só que alguém tenha uma boa justificativa, mas também que essa justificativa não dependa essencialmente de nenhuma suposição falsa;

×