Campo visual treinamento

7.772 visualizações

Publicada em

Treinamento sobre campo visual - o que é, para que serve, como fazer, . Utilizando o campimetro Humphrey HFA II 745

Publicada em: Educação
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
7.772
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
82
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
65
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Campo visual treinamento

  1. 1. CAMPO VISUAL NO GLAUCOMA Telma JustaCentro Visual Valter Justa www.telmajusta.com www.centrovisual.com.br
  2. 2. CAMPO VISUAL DE UM OLHO: TODO O ESPAÇO QUE PODE SER VISTO QUANDO DE OLHA FIXO PARA DETERMINADO PONTO www.telmajusta.com
  3. 3.  PERIMETRIA: possibilidade de se medir o campo visual em uma superfície curva, que mantém o ângulo visual constante independente do local pesquisado. www.telmajusta.com
  4. 4. HISTÓRICO 1945: Perímetros de projeção (ex:Goldman) 1970: Perímetros automáticos www.telmajusta.com
  5. 5. GOLDMANN HUMPHREY www.telmajusta.com
  6. 6.  PERIMETRIA AUTOMATIZADA :  Permite a realização da perimetria estática de uma maneira altamente reprodutível PERÍMETROS MAIS UTILIZADOS :  Octopus ( Interzeag, Suiça )  Humphrey ( Humphrey Instruments, EUA). HUMPHREY www.telmajusta.com
  7. 7. Importância do Campo Visual Diagnóstico de doenças como glaucoma, doenças neurológicas, ptose palpebral. Acompanhamento. www.telmajusta.com
  8. 8. INICIANDO O EXAME Encaminhamento – história clínica Refração, acuidade visual, tamanho da pupila Ajuste do aparelho e da sala: iluminação da cúpula, estratégias, tamanho dos estímulos, iluminação da sala, conforto. Explicações ao paciente www.telmajusta.com
  9. 9. Durante o Exame Observar se o paciente está atento ou sonolento Observar fixação Observar se ele compreendeu as explicações www.telmajusta.com
  10. 10. Nossos Aparelhos Humphrey HFA  Perimetria acromática e azul amarela Humphrey Matrix  perimetria de Frequência Dobrada www.telmajusta.com
  11. 11.  CONCEITOS BÁSICOS Estímulos luminosos ( unidade relativa de luminância: decibel dB)  Quanto maior o limiar de sensibilidade de um ponto, maior a sua expressão numérica em decibéis.  Quanto maior o número em decibéis de um ponto, menor a intensidade do estímulo luminoso correspondente naquela localidade. Tamanho do estímulo Distância entre os pontos pesquisados www.telmajusta.com
  12. 12. ESTRATÉGIAS – Humphrey HFA II SITA E SITA FASTPeriférico 60-4 60 pontos centrais ptoseCentral 30-2 76 30 centrais, pontos a Programa mais cada 6° utilizadoCentral 24-2 54 24 centrais, estendendo- Muito utilizado se a 30 nasalmente em glaucoma e pontos a cada 6° pacientes idososCentral 10-2 68 10 centrais, pontos a Pacientes com cada 2° ilhota centralMácula 16 4° centrais Acometimento área de fixação www.telmajusta.com
  13. 13. Humphrey Matrix Screening N-30 24-2 www.telmajusta.com
  14. 14. CENTRAL 10-2 MACULARCENTRAL 24-2 www.telmajusta.com
  15. 15. RESULTADO IMPRESSO PELOPERÍMETRO- Particularidades. Dados gerais Índices de confiabilidade Gráficos Índices Globais GHT VFI www.telmajusta.com
  16. 16. www.telmajusta.com
  17. 17. Índices de Confiabilidade Perdas de Fixação Falsos Positivos Falsos Negativos www.telmajusta.com
  18. 18. GRÁFICOS GRÁFICO NUMÉRICO www.telmajusta.com
  19. 19. GRÁFICOS GRÁFICOS DE TONS CINZA (GRAY SCALE) www.telmajusta.com
  20. 20. GRÁFICOS TOTAL DEVIATION NUMÉRICO DE PROBABILIDADES www.telmajusta.com
  21. 21. GRÁFICOS PATTERN DEVIATION NUMÉRICO DE PROBABILIDADES www.telmajusta.com
  22. 22. ÍNDICES GLOBAIS MEAN DEVIATION PATTERN STANDARD DEVIATION SHORT -TERM FLUCTUATION CORRECTED PATTERN STANDARD DEVIATION www.telmajusta.com
  23. 23. GHT-GLAUCOMA HEMIFIELD TEST WITHIN NORMAL LIMITS BORDERLINE OUTSIDE NORMAL LIMITS GENERAL REDUCTION OF SENSITIVITY ABNORMALLY HIGH SENSITIVITY www.telmajusta.com
  24. 24. CRITÉRIOS PARA DIAGNÓSTICO DE DEFEITOS GLAUCOMATOS CRITÉRIOS DE CAPRIOLI  Não rigoroso  Moderadamente rigoroso  baixa de sensibilidade de 5 ou mais dB.  Presença de 2 ou mais pontos adjacentes, cada um com baixa de sensibilidade de 10 ou mais dB  Diferenças de sensibilidade de 10 ou mais dB entre pontos siméricos do lado nasa em pelo menos 2 pontos adjacentes  Rigoroso Critérios de Anderson  Gráfico do Pattern Deviation mostrando 3 pontos adjacentes não periféricos com p<5%, sendo que um deles com p<1%.  CPSD com p<5%  GHT – Borderline ou outside normal limits. www.telmajusta.com
  25. 25. DANO LOCALIZADO www.telmajusta.com
  26. 26. Progressãowww.telmajusta.com
  27. 27. Aprendizado www.telmajusta.com
  28. 28. AVANÇOSSWAP ( BLUE YELLOW ) E SITA www.telmajusta.com
  29. 29. AVANÇOS FDT (TECNOLOGIA DE FREQUÊNCIA DOBRADA)
  30. 30. AVANÇOSFDT - TECNOLOGIA DE FREQUÊNCIA DOBRADA www.telmajusta.com
  31. 31. Correlação SITA e FDT www.telmajusta.com
  32. 32. Perda de Campo Visual - neurológico www.telmajusta.com
  33. 33. CAMPOVIS DANO GLAUCOMATOSOUALNOGLAUCOMA www.telmajusta.com
  34. 34. CAMPOVISUALNOGLAUCOMA www.telmajusta.com
  35. 35. CAMPOVISUALNOGLAUCOMA www.telmajusta.com
  36. 36. CAMPOVISUALNOGLAUCOMA www.telmajusta.com
  37. 37. CAMPOVISUALNOGLAUCOMA www.telmajusta.com
  38. 38. CAMPOVISUALNOGLAUCOMA www.telmajusta.com
  39. 39. CAMPOVISUALNOGLAUCOMA www.telmajusta.com
  40. 40. CAMPOVISUALNOGLAUCOMA www.telmajusta.com
  41. 41. CAMPOVISUALNOGLAUCOMA www.telmajusta.com
  42. 42. CAMPOVISUALNOGLAUCOMA www.telmajusta.com
  43. 43. CAMPOVISUALNOGLAUCOMA www.telmajusta.com
  44. 44. CAM DANO DIFUSOPOVI 18SUA 21L 24NOGL REDUÇÃO GERAL DAA SENSIBILIDADEUCOMA www.telmajusta.com
  45. 45. CAMPOVISUALNOGLAUCOMA www.telmajusta.com
  46. 46. CA DANO DIFUSO TÍPICOMPOVISUALNOGLAUCOMA www.telmajusta.com
  47. 47. CA DEFEITO TEMPORALMPOVISUALNOGLAUCOMA www.telmajusta.com
  48. 48. CAM  Correlacionar achadosPO campimétricos com aspecto do disco óptico e retinaVISUALNOGLAUCOMA www.telmajusta.com

×