Uma publicação da Igreja Batista da Lagoinha1ª Edição: janeiro/2012Transcrição e Copidesque:     Nicibel SilvaRevisão:    ...
Introdução    Há algum tempo, o mundo acompanhou asituação de Sakineh Mohammadi Ashtiani, umamulher viúva iraniana. Ela fo...
segundos ou minutos a pessoa morre. É umamorte cujo sofrimento é extremo e gradual.    Ao percorrer as Escrituras encontra...
Realidadesbíblicas sobre oapedrejamento    Em Mateus, capítulo 21, verso 35, está escrito:“E os lavradores, agarrando os s...
filhos como a galinha ajunta os seus pintinhos de-baixo das asas, e vós não o quisestes!” Lucas 20,verso 6, diz: “Mas, se ...
morrer na cruz por nós. Jesus fazia a vontade da-quele que o enviou, por isso, mais adiante, ape-sar das ameaças de apedre...
e coragem, por causa da sua vida e de sua inte-gridade. Estêvão testemunhou Jesus falando detudo aquilo que o Senhor fez n...
passou e Saulo teve seu encontro com Cristo, e seunome mudado para Paulo. E no livro de Atos en-contramos Paulo, o mesmo q...
muitas vezes; em perigos de rios, em perigos desalteadores, em perigos entre patrícios, em perigosentre gentios, em perigo...
a chama arderá em ti. Porque eu sou o Senhor, teuDeus, o Santo de Israel, o teu Salvador; dei o Egitopor teu resgate e a E...
14
Registros   de novosapedrejamentos    O apedrejamento naquela época era comum.Hoje, para nós, como já mencionei anteriorme...
e ela sofre muitas atrocidades nesses países. Porconta disso, houve um clamor para que ela fosseperdoada. Nesta mensagem, ...
Recebendo      o perdão    Agora, vamos ler essa narrativa gloriosa queestá no evangelho de João, capítulo 8, versos 1ao 1...
templo, e todo o povo ia ter com ele; e, assentado,os ensinava. Os escribas e fariseus trouxeram à suapresença uma mulher ...
Observamos, nesse texto, que Jesus usava desabedoria ao falar, agia conforme o propósitopara o qual o Pai o havia enviado,...
mas Ele permaneceu em silêncio. A natureza dohomem é corrompida; ele tem prazer em ver osofrimento dos outros. Eles deseja...
aos últimos, ficando só Jesus e a mulher no meioonde estava.” (Versos 7 ao 9.) As Escrituras nãodescrevem o que Jesus escr...
de Jesus sendo esmagado, triturado, quebrado,eram as pedras sobre Ele, toda a condenação dahumanidade caiu sobre Jesus ali...
Coração         grato    Quando pensamos em adultério, uma per-gunta que muitas vezes fazemos é que: “Por quesó a mulher e...
veio ao mundo, tudo mudou. Por conta disso,muitas mulheres que conheceram Jesus, o ama-vam intensamente. Elas abandonaram ...
Mas Jesus, inclinando-se, escrevia na terra com odedo.” Os fariseus queriam tentar Jesus. Veja oque diz Mateus 16, verso 1...
o tudo na sua vida, Ele nunca será alguma coisa.Ou Ele é o primeiro ou Ele nunca será o segundo.Ele mesmo disse: “Se algué...
matar e tempo de curar; tempo de derribar e tempode edificar; tempo de chorar e tempo de rir, tempo deprantear e tempo de ...
28
Ele veio para   nos salvar    Mas o que Jesus escrevia na areia? Creio quegrafava no chão os pecados daquelas pessoas,pois...
diabo é quem escreve nas pedras, para triturar,para acusar e atormentar a consciência do ho-mem. Jesus veio para libertar ...
do Senhor lava, o perdão purifica, transforma. Elediz: “Eu, eu mesmo, sou o que apago as tuas trans-gressões por amor de m...
respondeu-lhes: Os sãos não precisam de médico,e sim os doentes; não vim chamar justos, e sim pe-cadores.” (Marcos 2.17.) ...
moído, crucificado na cruz do calvário; pagou umalto preço para que fôssemos justificados. Quan-do olhamos a cruz vemos o ...
34
Considerações   finais    As mãos de Jesus estavam limpas, Ele escolheuperdoar aquela mulher em vez de apedrejá-la. Eleé n...
pessoas como aquela mulher no Irã, acusada deadultério e que estava prestes a ser condenadapor apedrejamento. Devemos orar...
sobre nós, caíram sobre Jesus, porque Ele nos ama,nos perdoa e Ele tem uma nova vida para cada umde nós.    Se você um dia...
“Ó Deus e Pai, obrigado, porque o Senhor en-viou Jesus para ser o nosso Salvador. Que cadavida que o recebe nesta hora, se...
39
40
JESUS TE  AMA E QUER    VOCÊ!    1º PASSO: Deus o ama e tem um planomaravilhoso para sua vida. “Porque Deus amouo mundo de...
2º PASSO: O Homem é pecador e estáseparado de Deus. “Pois todos pecaram e ca-recem da glória de Deus.“ (Rm 3.23b.)   3º PA...
ciso de Ti, confesso-te o meu pecado de estarlonge dos teus caminhos. Abro a porta do meucoração e te recebo como meu únic...
Uma publicação da Igreja Batista da Lagoinha         Gerência de Comunicação Rua Manoel Macedo, 360 - São Cristóvão   CEP:...
Livro "TRANSFORMAÇÃO PELO PERDÃO"
Livro "TRANSFORMAÇÃO PELO PERDÃO"
Livro "TRANSFORMAÇÃO PELO PERDÃO"
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Livro "TRANSFORMAÇÃO PELO PERDÃO"

744 visualizações

Publicada em

Um livro que fala da ação de Deus como PAi nos perdoando e nos ensiando a perdoar.
A vida é muito mais alegre quando usamos essa ferramenta.

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
744
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
13
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Livro "TRANSFORMAÇÃO PELO PERDÃO"

  1. 1. Uma publicação da Igreja Batista da Lagoinha1ª Edição: janeiro/2012Transcrição e Copidesque: Nicibel SilvaRevisão: Thalita DaherCapa e Diagramação: Matheus Freitas
  2. 2. Introdução Há algum tempo, o mundo acompanhou asituação de Sakineh Mohammadi Ashtiani, umamulher viúva iraniana. Ela foi acusada de adulté-rio e estava para ser morta, apedrejada. Pessoasde vários países estavam trabalhando, buscandomilhões de assinaturas para enviar ao presidentedo Irã para que essa mulher alcançasse o perdão,uma nova chance. O apedrejamento é uma dasmortes mais terríveis que podemos imaginar.Não é algo simples, ao contrário, é terrível, por-que acontece pouco a pouco, a tortura é lenta.Não se trata de uma morte em que em poucos 5
  3. 3. segundos ou minutos a pessoa morre. É umamorte cujo sofrimento é extremo e gradual. Ao percorrer as Escrituras encontramos emalguns textos o registro de morte por apedreja-mento. Porém, nos nossos dias, é fato que o ape-drejamento, literalmente falando, não acontecefrequentemente. Existem, no entanto, outros ti-pos de “apedrejamentos”. Só quem sente a dor depalavras e atitudes de outras pessoas “arremes-sadas” sobre si entende o que digo. São espo-sos que “apedrejam” suas esposas, esposas queapedrejam seus maridos, pais que apedrejam osfilhos... Vemos muitas vezes pessoas que vivemmachucadas, feridas, moribundas porque sofre-ram tantos tipos de “apedrejamentos”. Mas o queeu quero mostrar por meio desta mensagem, é oque a Palavra de Deus nos descreve sobre o ape-drejamento na época de Jesus. 6
  4. 4. Realidadesbíblicas sobre oapedrejamento Em Mateus, capítulo 21, verso 35, está escrito:“E os lavradores, agarrando os servos, espancarama um, mataram a outro e a outro apedrejaram.”Mateus 23, verso 37, relata quando Jesus Cristoorava por Jerusalém, Jesus estendeu as mãos eclamou pela nação dizendo: “Jerusalém, Jerusa-lém, que matas os profetas e apedrejas os que teforam enviados! Quantas vezes quis eu reunir teus 7
  5. 5. filhos como a galinha ajunta os seus pintinhos de-baixo das asas, e vós não o quisestes!” Lucas 20,verso 6, diz: “Mas, se dissermos: dos homens, opovo todo nos apedrejará; porque está convicto deser João um profeta.” João capítulo 10, versos 30ao 32, Jesus Cristo mostra ao povo que Ele e o Paisão um, nas obras que Ele fazia, de amor, de mi-sericórdia, de compaixão, de carinho, e perguntaaos religiosos o motivo de desejarem apedrejá-lo: “Eu e o Pai somos um. Novamente, pegaram osjudeus em pedras para lhe atirar. Disse-lhes Jesus:Tenho-vos mostrado muitas obras boas da partedo Pai; por qual delas me apedrejais?” Não era oplano de Deus que Jesus morresse apedrejado,não seriam as pedras que iriam matá-lo porqueo plano de Deus era que Ele morresse na cruz. Noverso 33, diz: “Responderam-lhe os judeus: Não épor obra boa que te apedrejamos, e sim por causada blasfêmia, pois, sendo tu homem, te fazes Deusa ti mesmo.” Eles não compreendiam que o Verbose fez Carne. Mas o Senhor se manteve íntegroporque Ele sabia quem era, Ele sabia que Deus,o Pai, o havia enviado como o Salvador que iria 8
  6. 6. morrer na cruz por nós. Jesus fazia a vontade da-quele que o enviou, por isso, mais adiante, ape-sar das ameaças de apedrejamento, Ele se enca-minha para ressuscitar Lázaro, em João 11, nosversos 5 ao 8: “Ora, amava Jesus a Marta, e a suairmã, e a Lázaro. Quando, pois, soube que Lázaroestava doente, ainda se demorou dois dias no lugaronde estava. Depois, disse aos seus discípulos: Va-mos outra vez para a Judeia. Disseram-lhe os dis-cípulos: Mestre, ainda agora os judeus procuravamapedrejar-te, e voltas para lá?” Muitas passagens bíblicas tratam a respeitode apedrejamento. Em Atos capítulo 5, vemosque os apóstolos foram presos, mas o Senhoros libertou. Quando porém, pregavam a Pala-vra ao povo, novamente o capital e os guardasos levaram cativos, mas aqueles, tiveram medode serem apedrejados pelo povo. “Nisto, indo ocapitão e os guardas, os trouxeram sem violência,porque temiam ser apedrejados pelo povo” (Verso26). Já no capítulo 7, encontramos a história deEstêvão, um homem que faz o nosso coração sequebrantar tendo em vista seu testemunho de fé 9
  7. 7. e coragem, por causa da sua vida e de sua inte-gridade. Estêvão testemunhou Jesus falando detudo aquilo que o Senhor fez na vida dele. E logodepois foi morto por apedrejamento. “Ouvindo eles isto, enfureciam-se no seu coraçãoe rilhavam os dentes contra ele. Mas Estêvão, cheio doEspírito Santo, fitou os olhos no céu e viu a glória deDeus e Jesus, que estava à sua direita, e disse: Eis quevejo os céus abertos e o Filho do Homem, em pé à des-tra de Deus. Eles, porém, clamando em alta voz, tapa-ram os ouvidos e, unânimes, arremeteram contra ele.E, lançando-o fora da cidade, o apedrejaram. As tes-temunhas deixaram suas vestes aos pés de um jovemchamado Saulo. E apedrejavam Estêvão, que invoca-va e dizia: Senhor Jesus, recebe o meu espírito! Então,ajoelhando-se, clamou em alta voz: Senhor, não lhesimputes este pecado! Com estas palavras, adormeceu.E Saulo consentia na sua morte.” (Atos 7.54-60.) Saulo presenciou o apedrejamento de Estêvão,pois seu coração estava cheio de ódio daquelesque professavam a fé em Jesus Cristo. Mas Estêvão,mesmo diante da morte, clamava ao Senhor dizen-do: “Jesus, não lhes imputes este pecado.” O tempo 10
  8. 8. passou e Saulo teve seu encontro com Cristo, e seunome mudado para Paulo. E no livro de Atos en-contramos Paulo, o mesmo que estava presente namorte de Estêvão, dessa vez sendo ameaçado deapedrejamento. “E, como surgisse um tumulto dosgentios e judeus, associados com as suas autoridades,para os ultrajar e apedrejar, sabendo-o eles, fugirampara Listra e Derbe, cidades da Licaônia e circunvizi-nhança, onde anunciaram o evangelho.” (Atos 14.5-7.) Até aquele momento Paulo apenas sofrera ame-aças de apedrejamento, mas em Atos 14, versos 19e 20, ele é apedrejado: “Sobrevieram, porém, judeusde Antioquia e Icônio e, instigando as multidões e ape-drejando a Paulo, arrastaram-no para fora da cidade,dando-o por morto. Rodeando-o, porém, os discípu-los, levantou-se e entrou na cidade. No dia seguinte,partiu, com Barnabé, para Derbe.” Paulo sofreu esse apedrejamento e muitos ou-tros tipos de tribulação. Em 2 Coríntios, capítulo 11,ele conta seu testemunho: “Fui três vezes fustigado com varas; uma vezapedrejado; em naufrágio, três vezes; uma noite eum dia passei na voragem do mar. Em jornadas, 11
  9. 9. muitas vezes; em perigos de rios, em perigos desalteadores, em perigos entre patrícios, em perigosentre gentios, em perigos na cidade, em perigos nodeserto, em perigos no mar, em perigos entre falsosirmãos; em trabalhos e fadigas, em vigílias, muitasvezes; em fome e sede, em jejuns, muitas vezes. Emfrio e nudez.” (Versos 25-27.) Às vezes as pessoas acreditam que por que re-ceberam Jesus como Senhor e Salvador de suasvidas não terão mais tribulações. Mas Jesus mes-mo disse: “[...] No mundo, passais por aflições; mastende bom ânimo; eu venci o mundo.” (João 16.33.)Muitas vezes passaremos por momentos comoPaulo passou. Não sofreremos um apedrejamen-to da mesma forma que ele sofreu, no entanto,teremos aflições. E o Senhor assim como estevecom Paulo, livrando-o da morte, Ele é conosco.Quando temos o Senhor os problemas e as tri-bulações ficam pequenas diante da grandezado nosso Deus. Na Palavra de Deus está escritoque: “Quando passares pelas águas, eu serei con-tigo; quando, pelos rios, eles não te submergirão;quando passares pelo fogo, não te queimarás, nem 12
  10. 10. a chama arderá em ti. Porque eu sou o Senhor, teuDeus, o Santo de Israel, o teu Salvador; dei o Egitopor teu resgate e a Etiópia e Sebá, por ti.” (Isaías43.2-3.) Precisamos ter esse grau de entendimen-to, de que o Senhor peleja por nós. 13
  11. 11. 14
  12. 12. Registros de novosapedrejamentos O apedrejamento naquela época era comum.Hoje, para nós, como já mencionei anteriormen-te, há outros tipos de apedrejamento. No entan-to, para Sakineh Mohammadi Ashtiani, aquelamulher iraniana, havia uma possibilidade de sermorta dessa maneira, isso por que nos paísesmuçulmanos ainda existe essa prática tão terrí-vel de morte. Há uma desvalorização da mulher 15
  13. 13. e ela sofre muitas atrocidades nesses países. Porconta disso, houve um clamor para que ela fosseperdoada. Nesta mensagem, para além das ocor-rências bíblicas de apedrejamento, o objetivoprincipal é falar também sobre o perdão de Jesus,um ato que transforma vidas, livrando até mes-mo da morte. Como veremos no texto de João8, a partir do verso primeiro, o qual relata sobreuma mulher que cometera adultério e foi levadapor escribas e fariseus até Jesus, para ser apedre-jada. Nesse texto, Jesus é questionado e testado,mas contrariando a astúcia daqueles homens, Elecom sabedoria diz: “[...] Aquele que dentre vós esti-ver sem pecado seja o primeiro que lhe atire pedra.”(João 8.7.) Surpreendentemente esses homensforam se retirando e ficaram somente Jesus e amulher. E de maneira maravilhosa Jesus lhe con-cedeu o perdão. 16
  14. 14. Recebendo o perdão Agora, vamos ler essa narrativa gloriosa queestá no evangelho de João, capítulo 8, versos 1ao 11, a qual conta sobre uma mulher que tinhatudo para ser apedrejada, mas recebeu o perdãodo único que poderia condená-la, pois não havianele pecado algum, mas Ele disse: “Eu tambémnão te condeno, vai e não peques mais.” “Jesus, entretanto, foi para o monte das Oli-veiras. De madrugada, voltou novamente para o 17
  15. 15. templo, e todo o povo ia ter com ele; e, assentado,os ensinava. Os escribas e fariseus trouxeram à suapresença uma mulher surpreendida em adultério e,fazendo-a ficar de pé no meio de todos, disserama Jesus: Mestre, esta mulher foi apanhada em fla-grante adultério. E na Lei nos mandou Moisés quetais mulheres sejam apedrejadas; tu, pois, que di-zes? Isto diziam eles tentando-o, para terem de queo acusar. Mas Jesus, inclinando-se, escrevia na terracom o dedo. Como insistissem na pergunta, Jesusse levantou e lhes disse: Aquele que dentre vós esti-ver sem pecado seja o primeiro que lhe atire pedra.E, tornando a inclinar-se, continuou a escrever nochão. Mas, ouvindo eles esta resposta e acusadospela própria consciência, foram-se retirando umpor um, a começar pelos mais velhos até aos úl-timos, ficando só Jesus e a mulher no meio ondeestava. Erguendo-se Jesus e não vendo a ninguémmais além da mulher, perguntou-lhe: Mulher, ondeestão aqueles teus acusadores? Ninguém te conde-nou? Respondeu ela: Ninguém, Senhor! Então, lhedisse Jesus: Nem eu tampouco te condeno; vai e napeques mais.” (João 8.1-11.) 18
  16. 16. Observamos, nesse texto, que Jesus usava desabedoria ao falar, agia conforme o propósitopara o qual o Pai o havia enviado, ou seja, Jesusveio para trazer salvação, perdão, amor e compai-xão aos perdidos. Não era o timbre de voz dele,não era a composição gramatical das palavras deJesus. Era o que Ele falava, a maneira como falavaque ministrava cura, perdão e salvação aos per-didos. Diz o texto que Jesus foi para o monte dasOliveiras. Porém, a noite voltou ao templo, ondeensinava o povo, pessoas que iam até Ele porquetinham sede, queriam ouvir mais de Deus. O queé muito real na nossa vida é que precisamos deDeus, nossa alma anseia por Ele, e Jesus como umímã atraía as pessoas a Ele, elas se maravilhavamcom as palavras dele. Nos versos 3 e 4, diz que “osescribas e os fariseus trouxeram à sua presença umamulher surpreendida em adultério, e fazendo-a ficarde pé no meio de todos. Disseram a Jesus: Mestre,esta mulher foi apanhada em flagrante adultério.”Quando os escribas e fariseus chegaram arras-tando aquela mulher, eles questionavam Jesus, 19
  17. 17. mas Ele permaneceu em silêncio. A natureza dohomem é corrompida; ele tem prazer em ver osofrimento dos outros. Eles desejavam em seuscorações que aquela mulher fosse apedrejada. Eaqueles homens pararam diante de Jesus espe-rando uma resposta dele. Diziam eles: “Na lei nosmandou Moisés que tais mulheres sejam apedreja-das; tu, pois, que dizes?” Mas Jesus inclinando-se,escrevia no chão. Não sabemos mais nada sobreessa mulher, a Bíblia não relata o nome dela, nema idade ou o grau de beleza. Diz apenas, umamulher, quem sabe encolhida, arranhada por tersido arrastada, machucada, ferida, com medo, ocoração acelerado, a agonia da expectativa de serapedrejada. Ela olhava aquele espetáculo, quemsabe até mesmo lia o que Jesus escrevia no chão.“Como insistissem na pergunta, Jesus se levantou elhes disse: Aquele que dentre vós estiver sem peca-do seja o primeiro que lhe atire pedra.” E sem dizermais nada, tornando a inclinar-se, continuou aescrever no chão. “Mas ouvindo eles esta respostae acusados pela própria consciência, foram-se reti-rando um por um, a começar pelos mais velhos até 20
  18. 18. aos últimos, ficando só Jesus e a mulher no meioonde estava.” (Versos 7 ao 9.) As Escrituras nãodescrevem o que Jesus escrevia no chão, masaquilo que Ele escrevia talvez tenha trazido luz àconsciência daqueles homens, lembranças. Umpor um foi se retirando começando pelos maisvelhos que poderiam ter um histórico maior, atémesmo pecados acumulados, e o que Jesus es-crevia no chão, trazia luz, compreensão e todosforam embora. Ficaram somente Jesus e a mu-lher. “Erguendo-se Jesus e não vendo a ninguémmais além da mulher, perguntou-lhe: Mulher, ondeestão aqueles teus acusadores? Ninguém te conde-nou? Respondeu ela: Ninguém, Senhor! Então, lhedisse Jesus: Nem eu tampouco te condeno; vai enão peques mais.” (Versos 10 e 11) Jesus não disseque absolvia aquela mulher dos pecados que elacometera, Ele disse apenas: “Eu te perdoo”. Ale-luia! É algo tão maravilhoso o perdão de Jesus,pois ao dizer “eu te perdoo” Ele assumiu o lugardela. As pedras que cairiam sobre aquela mulher,iriam cair agora sobre Ele, na cruz do calvário. Asimagens que vemos no filme “A Paixão de Cristo”, 21
  19. 19. de Jesus sendo esmagado, triturado, quebrado,eram as pedras sobre Ele, toda a condenação dahumanidade caiu sobre Jesus ali na cruz. Ao libe-rar aquela mulher Ele estava dizendo: “Eu assumoo seu lugar.” Ele não estava simplesmente liberan-do a mulher, mas trocando de lugar com ela. 22
  20. 20. Coração grato Quando pensamos em adultério, uma per-gunta que muitas vezes fazemos é que: “Por quesó a mulher e não também o homem?” A mulhernão adulterou sozinha. Mas existe uma culturahumana de desvalorização da mulher. Entretan-to, por meio da fé cristã a mulher alcançou umnível de dignidade. Antes da fé cristã, ela eraapenas um objeto, uma propriedade. Antes davinda de Jesus somente as mulheres sofriam asconsequências do adultério. Mas quando Jesus 23
  21. 21. veio ao mundo, tudo mudou. Por conta disso,muitas mulheres que conheceram Jesus, o ama-vam intensamente. Elas abandonaram o pecadoe serviam Jesus. E até nos dias atuais, na vida daigreja, as mulheres são colaboradoras. São elasque muitas vezes oram e intercedem pela Igre-ja. Transformaram-se em verdadeiras guardiãsem suas casas. Elas é que estão doando a vida,sem medo. Quando Jesus foi crucificado e morto,foram as mulheres que se dirigiram ao túmulo,arriscando as próprias vidas para ungi-lo. Os ho-mens são mais suscetíveis a abandonarem a fé.Já as mulheres normalmente, permanecem nafé apesar das dificuldades. Essas, normalmente,nunca esquecem o que Jesus fez. Que o Senhorpossa conceder a nós homens essa compreensãoque o nosso coração deve ser grato. Quando Je-sus Cristo curou os dez leprosos, apenas um vol-tou para glorificá-lo (Lucas 17.11-19). Se fossemdez mulheres, certamente as dez voltariam. Quehaja em nós, homens, esse despertar. Voltando ao texto, em João 8, verso 6 diz: “Istodiziam eles tentando-o, para terem de que acusar. 24
  22. 22. Mas Jesus, inclinando-se, escrevia na terra com odedo.” Os fariseus queriam tentar Jesus. Veja oque diz Mateus 16, verso 1: “Aproximando-se osfariseus e os saduceus, tentando-o, pediram-lheque lhes mostrasse um sinal vindo do céu.” Elesestavam sempre buscando tentar Jesus. AgoraMateus, capítulo 19, verso 3: “Vieram a ele algunsfariseus e o experimentaram, perguntando: É líci-to ao marido repudiar a sua mulher por qualquermotivo?” E assim como Jesus era tentado, nóstambém estamos sujeitos a tentação. E somostentados muitas vezes, quando levamos nossa féa sério, quando assumimos que somos cristãos elevamos a nossa fé até as últimas consequências.Quando temos um compromisso com Deus, esta-mos sujeitos a sofrer tentação. A preocupação dodiabo é com aqueles que estão servindo a Deus,aqueles que têm o Senhor como modelo a ser se-guido. Aqueles que assumem a fé em Jesus sãocomo uma ameaça para as trevas. Mas por quê?Porque são pessoas que jorram amor e misericór-dia, são comprometidas com o reino de Deus. Je-sus é o centro de suas vidas. Porque se Ele não for 25
  23. 23. o tudo na sua vida, Ele nunca será alguma coisa.Ou Ele é o primeiro ou Ele nunca será o segundo.Ele mesmo disse: “Se alguém quer vir após mim, asi mesmo se negue, tome a sua cruz e siga-me.” Acruz é o símbolo de morte, é a paixão que queimaem nosso coração por fazer a vontade de Deus. Oque verdadeiramente importa é o Senhor. Tudo que Jesus faz é segundo a vontade do Pai.Ele não agia segundo a vontade dos homens e os fa-riseus não se agradavam disso e por inveja tentavamencontrar algum motivo para o acusar, testando-ocom perguntas capciosas. E diz o texto que Jesusinclinando-se escrevia na terra com o dedo. A sabe-doria de Jesus vinha do próprio Deus, Ele sabia a horade falar e a hora de calar. Percebendo a intenção da-queles homens, Jesus permaneceu em silêncio. EmEclesiastes 3, versos 1 ao 8, temos uma revelação deque há um tempo para cada propósito, leia este tex-to glorioso: “Tudo tem o seu tempo determinado, e há tem-po para todo propósito debaixo do céu: Há tem-po de nascer e tempo de morrer; tempo de plantare tempo de arrancar o que se plantou; tempo de 26
  24. 24. matar e tempo de curar; tempo de derribar e tempode edificar; tempo de chorar e tempo de rir, tempo deprantear e tempo de saltar de alegria; tempo de espa-lhar pedras e tempo de ajuntar pedras; tempo de abra-çar e tempo de afastar-se de abraçar; tempo de buscare tempo de perder; tempo de guardar e tempo de deitarfora; tempo de rasgar e tempo de coser; tempo de es-tar calado e tempo de falar; tempo de amar e tempode aborrecer; tempo de guerra e tempo de paz.” (Grifomeu.) “Tempo de estar calado e tempo de falar.” Preci-samos aprender com Jesus, saber a hora de falar e ahora de calar. A mulher que possui marido incréduloprecisa testemunhar Jesus sem palavras. Ela levará omarido a Jesus sem dizer coisa alguma, apenas pelotestemunho de vida, pela integridade, pelo carinho,pela compaixão. E o marido que tem esposa incrédu-la, também precisa dar um testemunho de amor, decompaixão. O melhor testemunho é a atitude, é vivera vida de Deus. Isso não significa que marido e espo-sa, não possam conversar. Não é isso. Mas as atitudes,o testemunho da vida pautada na Palavra de Deusfará toda diferença. Isso é algo tão forte, tão glorioso. 27
  25. 25. 28
  26. 26. Ele veio para nos salvar Mas o que Jesus escrevia na areia? Creio quegrafava no chão os pecados daquelas pessoas,pois no momento em que escrevia, eles tiveramconsciência dos próprios pecados. Jesus escreviana areia, porque o vento apagava, assim comotodos os nossos pecados são apagados quan-do o confessamos ao Senhor. “[...] Pois perdoareias suas iniquidades e dos seus pecados jamais melembrarei.” (Jeremias 31.34.) Jesus não veio paracondenar, para acusar, Ele veio para nos salvar. O 29
  27. 27. diabo é quem escreve nas pedras, para triturar,para acusar e atormentar a consciência do ho-mem. Jesus veio para libertar a nossa mente detoda acusação. “Agora, pois, já nenhuma condena-ção há para os que estão em Cristo Jesus” (Roma-nos 8.1), que não andam segundo a carne, massegundo o Espírito. Quando Jesus derramou seusangue na cruz do calvário, Ele levou sobre si asnossas iniquidades. O castigo que nos traz a pazestava sobre Ele. Fomos lavados e remidos. Nãohá mais acusação sobre a nossa vida, pois Jesusnos justificou. O nosso passado ficou para trás,porque o mais importante é o que somos agora,justificados pelo sangue de Jesus. O Senhor nospresenteou com a dádiva do perdão. “E, assimse alguém está em Cristo, é nova criatura; as coi-sas antigas já passaram; eis que se fizeram novas.”(2 Coríntios 5.17.) No momento em que aquela mulher se levan-tou perdoada pelo Senhor, no instante em queEle disse: “Mulher eu não te condeno, eu te perdoo”,ela saiu dali limpa, justificada e aos olhos de Deusera tão pura, quanto a virgem Maria. O perdão 30
  28. 28. do Senhor lava, o perdão purifica, transforma. Elediz: “Eu, eu mesmo, sou o que apago as tuas trans-gressões por amor de mim e dos teus pecados nãome lembro.” (Isaías 43.25.) Nada se compara aoamor de Jesus por nós. E é por causa desse amorque tudo muda quando uma pessoa aceita Jesuscomo Senhor e Salvador. O perdão vem, o amordele enche os corações e muda vidas. Só Jesus,querido, tem o poder de mudar a história e trans-formar vidas. “Porquanto Deus enviou o seu Filhoao mundo, não para que julgasse o mundo, maspara que o mundo fosse salvo por ele.” (João 3.17.) Em João capítulo 18, verso 36 diz a respeito doreino de Deus: “Respondeu Jesus: o meu reino nãoé deste mundo. Se o meu reino fosse deste mundo,os meus ministros se empenhariam por mim, paraque não fosse entregue aos judeus; mas agora omeu reino não é daqui.” Lucas 9.56 diz: “Pois o Fi-lho do Homem não veio para destruir as almas doshomens, mas para salvá-las. E seguiram para outraaldeia.” Amado(a), Jesus não veio ao mundo tra-zendo pedras nas mãos. Ele trouxe amor, perdão,compaixão. Ele mesmo disse: “Tendo ouvido isto, 31
  29. 29. respondeu-lhes: Os sãos não precisam de médico,e sim os doentes; não vim chamar justos, e sim pe-cadores.” (Marcos 2.17.) Entretanto, os escribase fariseus queriam que Jesus também estivessecom pedras nas mãos, pronto para lapidar aque-la mulher. Mas Ele disse: “O Filho do Homem nãoveio para destruir as almas dos homens, mas parasalvá-las.” O ministério de Jesus não era ser juiz,mas Ele veio ao mundo trazer perdão, salvaçãoa humanidade. Mas para isso é preciso crer emJesus como Senhor e Salvador. Como está escrito:“Quem crer e for batizado será salvo; quem, porém,não crer será condenado.” (Marcos 16.16.) Em Mateus capítulo 21, versos 28 ao 31, Jesusconta uma parábola, dizendo que os publicanose meretrizes entrarão no reino de Deus, pois elescreram no que João Batista anunciava, mas osanciãos e sacerdotes não creram. Os religiososda época tinham os corações endurecidos e nãoreceberam bem os ensinamentos de Jesus e acre-ditaram que podiam manipular as atitudes dele.Mas Jesus é Deus. Ele e o Pai são um. O propó-sito de Jesus não é condenar, mas salvar. Ele foi 32
  30. 30. moído, crucificado na cruz do calvário; pagou umalto preço para que fôssemos justificados. Quan-do olhamos a cruz vemos o amor do Pai pela nos-sa vida. “Por que Deus amou o mundo de tal ma-neira que deu o seu Filho unigênito, para que todoo que nele crê não pereça, mas tenha a vida eter-na.” (João 3.16.) Jesus é o nosso modelo. “Antes,sede uns para com os outros benignos, compassi-vos, perdoando-vos uns aos outros, como tambémDeus, em Cristo, vos perdoou.” (Efésios 4.32.) Issonão significa que vamos imitar o Senhor, crian-do outro Planeta, mas perdoando como Ele per-doou, amando como Ele amou, porque o amorDele foi derramado em nosso coração. 33
  31. 31. 34
  32. 32. Considerações finais As mãos de Jesus estavam limpas, Ele escolheuperdoar aquela mulher em vez de apedrejá-la. Eleé nosso exemplo a ser seguido. Que nossas mãosnão estejam cheias de pedras, que possamos usá-las para levantar o caído, acariciar o abandonado.Vamos nos alegrar com os que se alegram e cho-rar com os que choram (Romanos 12.15.) Esse é onosso chamado como Igreja, termos comunhãouns com os outros. A vontade do Senhor é quesejamos bênção, que possamos orar pela vida de 35
  33. 33. pessoas como aquela mulher no Irã, acusada deadultério e que estava prestes a ser condenadapor apedrejamento. Devemos orar por essas pes-soas e crer na intervenção do Senhor. Nós somoso melhor que Deus tem. Somos Igreja, nos identi-ficamos com nosso irmão. Precisamos viver comoIgreja , viver o amor do Senhor pelas vidas, ter ocoração aberto, ser um canal de bênção cumprin-do o propósito do Senhor. A mulher de João 8.1-11foi levada até Jesus para ser apedrejada, creio quese Jesus não estivesse ali, ela teria sido morta. Senão houvesse a intervenção do Senhor, ela seriaapedrejada. Jesus podia condená-la, mas o propó-sito do Senhor não é condenar, ao contrário, o alvoDele é o perdão. E é isso que Ele tem para vocêhoje, o perdão. Quando aquela mulher estava sen-do arrastada diante de Jesus, satanás e seus demô-nios viam aquele espetáculo. O que iria acontecerse Ele absolvesse aquela mulher? Ele iria contra aLei de Moisés, e se a condenasse, os romanos esta-riam contra Ele. Mas Ele disse: “Eu te perdoo”. E aodizer isso, assumiu o lugar dela. Da mesma formaacontece conosco, as pedras que deveriam cair 36
  34. 34. sobre nós, caíram sobre Jesus, porque Ele nos ama,nos perdoa e Ele tem uma nova vida para cada umde nós. Se você um dia andou com o Senhor, e por al-gum motivo tentações vieram e você se afastou,agora é o tempo para sua volta. Ou quem sabevocê é alguém que já ouviu tantas vezes do evan-gelho, mas ainda não entregou sua vida a JesusCristo, este é o momento para reconhecer quevocê é pecador, que está perdido e não conseguesalvar a si mesmo. Saiba querido, que Deus man-dou seu Filho unigênito para morrer na cruz emseu lugar. Por isso, nesta hora faça esta oração: “Senhor Jesus, sei que tu estás aqui, que o Se-nhor me ama e perdoa os meus pecados, assimcomo amou e perdoou aquela mulher. Eu agrade-ço porque as pedras que deviam cair sobre mim,caíram sobre o Senhor. Hoje eu reconheço que oSenhor morreu em meu lugar. Recebo do seu per-dão e nesta hora abro o meu coração e o convido,Jesus, entra na minha vida, eu o recebo, como meuSenhor e Salvador. Eu, que estava afastado, hojearrependido eu volto na certeza da reconciliação.” 37
  35. 35. “Ó Deus e Pai, obrigado, porque o Senhor en-viou Jesus para ser o nosso Salvador. Que cadavida que o recebe nesta hora, seja totalmente li-berta de todo poder das trevas, ligamos agora,esse coração, ao teu coração, para que viva a partirde agora, como filho e filha do Senhor. Amém!” Deus abençoe! Márcio Valadão 38
  36. 36. 39
  37. 37. 40
  38. 38. JESUS TE AMA E QUER VOCÊ! 1º PASSO: Deus o ama e tem um planomaravilhoso para sua vida. “Porque Deus amouo mundo de tal maneira que deu o seu Filho unigê-nito, para que todo o que nele crê não pereça, mastenha a vida eterna.“ (Jo 3.16.) 41
  39. 39. 2º PASSO: O Homem é pecador e estáseparado de Deus. “Pois todos pecaram e ca-recem da glória de Deus.“ (Rm 3.23b.) 3º PASSO: Jesus é a resposta de Deus,para o conflito do homem. “Respondeu-lheJesus: Eu sou o caminho, e a verdade, e a vida;ninguém vem ao Pai senão por mim.“ (Jo 14.6.) 4º PASSO: É preciso receber a Jesus emnosso coração. “Mas, a todos quantos o rece-beram, deu-lhes o poder de serem feitos filhosde Deus, a saber, aos que crêem no seu nome.“(Jo 1.12a.) “Se, com tua boca, confessares Jesuscomo Senhor e, em teu coração, creres que Deuso ressuscitou dentre os mortos, será salvo. Porquecom o coração se crê para justiça e com a bocase confessa a respeito da salvação.” (Rm 10.9-10.) 5º PASSO: Você gostaria de receber aCristo em seu coração? Faça essa oraçãode decisão em voz alta: “Senhor Jesus eu pre- 42
  40. 40. ciso de Ti, confesso-te o meu pecado de estarlonge dos teus caminhos. Abro a porta do meucoração e te recebo como meu único Salvadore Senhor. Te agradeço porque me aceita assimcomo eu sou e perdoa o meu pecado. Eu desejoestar sempre dentro dos teus planos para mi-nha vida, amém”. 6º PASSO: Procure uma igreja evangé-lica próxima à sua casa. Nós estamos reunidos na Igreja Batista daLagoinha, à rua Manoel Macedo, 360, bairroSão Cristóvão, Belo Horizonte, MG. Nossa igreja está pronta para lhe acom-panhar neste momento tão importante dasua vida. Nossos principais cultos são realizadosaos domingos, nos horários de 10h, 15h e18h horas. Ficaremos felizes com sua visita! 43
  41. 41. Uma publicação da Igreja Batista da Lagoinha Gerência de Comunicação Rua Manoel Macedo, 360 - São Cristóvão CEP: 31110-440 - Belo Horizonte - MG www.lagoinha.com Twitter: @Lagoinha_com 44

×