mini seminário 'Em busca da qualidade de vida'

604 visualizações

Publicada em

como a política influencia em nossa qualidade de vida, e no meio ambiente em que vivemos

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
604
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
9
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

mini seminário 'Em busca da qualidade de vida'

  1. 1. Em busca da Qualidade de Vida Diante de um cenário de escassez de recursos naturais, é preciso muita capacidade de organização política para conciliar interesses diversos.
  2. 2. Abordagem: qualidade de vida e cidadania  Quantos ainda vivem sem condições mínimas de conforto, sujeitos a habitações que parecem improvisadas mas que são, na verdade, a obra possível, como as favelas e os cortiços?  Quantos aspiram ingressar ao reino do consumo, gerando mais pressão dos recursos naturais não renováveis?  Quantos já estão privados de recursos básicos à reprodução adequada da vida humana, como água doce/potável?  Quantos ainda vivem em áreas consideradas de risco à vida humana?
  3. 3. Qualidade de vida e sustentabilidade Os bens materiais e os alimentos necessários à reprodução da vida humana vêm do ambiente, seja ele natural ou produzido. Por isso é preciso dispor de um ambiente que permita reprodução da base material atual e para gerações futuras, considerando que elas podem optar pela alteração radical do modelo em vigor. Wagner Costa Ribeiro, 1991.
  4. 4. Surgimento e matrizes do ambientalismo  A ampla maioria dos estudiosos reconhece que foi apenas a partir da revolução industrial que a inquietação ganhou algum sentido prático, embora se tenha levado alguns séculos para ser implementado em um sistemas de leis que regule a ação humana, como acabou ocorrendo no século XX. O Movimento ambientalista pode ser identificado como um dos fatores principais nessa tarefa. As primeiras leis ambientais surgiram na segunda metade do século XIX a partir da reinvindicação dos chamados protecionistas ingleses, ou seja, aqueles que desejavam proteger espécies da extinção, em especial as preferidas pelos caçadores ingleses.
  5. 5. Diversas correntes do ambientalismo a partir de 1960  Preservacionistas e conservacionistas  Radicais ou ecologistas profundos  Ecoterroristas Desenvolvimentistas  Ecocapitalistas
  6. 6. Por ocasião da Conferência das Nações Unidas para o Meio Ambiente e Desenvolvimento, realizada no Rio de Janeiro em 1992, houve uma importante fusão entre os ambientalistas e os movimentos sociais. Como resultado, na reunião do Rio propôs-se a Agenda XXI, um plano de ação para melhorar as condições ambientais do planeta pautado na correção do consumo exagerado de países ricos e na distribuição dos recursos deles aos países em desenvolvimento, como maneira de combater a pobreza.
  7. 7. No Brasil, a organização ambientalista ganhou forma na década de 1950. Em 1955 foi criada a União Protetora do Ambiente Natural (Upan), sendo a primeira organização claramente ambientalista. Em seguida surgiu a Fundação Brasileira para Conservação da Natureza (FBCN) em 1958. Ambos do conservadorismo. Na década de 1970, ações voltadas à proteção ambiental, como a preocupação com o uso indeterminado de defensivos agrícolas e com a poluição do ar, passaram a compor a pauta das associações. Nos anos 80, uma grande mobilização culminou com o movimento pela Constituinte, em 1988, incluía temas ambientais na Constituição Federal. Inúmeras associações foram criadas para temas específicos, incorporando demandas externas, organizações transnacionais, como o Greenpeace. Está inaugurada a fase atual do ambientalismo brasileiro, marcado pelo profissionalismo de seus militantes.
  8. 8. Pode-se associar o ambientalismo em suas diversas matrizes com a luta pela cidadania. Ao proporem das condições naturais, seja preservando-as, colaborando para construir um mundo mais equilibrado na apropriação dos recursos naturais. Isso denominamos cidadania ambiental. A legislação ambiental brasileira é tida como uma das mais interessantes do mundo, apesar de não ser devidamente aplicada.
  9. 9. Cidadania e Qualidade de Vida  A devastação de diversos ambientes naturais é apenas uma das consequências de um modelo de reprodução da vida.  Uso da base material da existência é extremamente desigual. Dados do Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente, indicam que um terço da população mundial consome hoje cerca de dois terços de toda energia gerada e dos recursos naturais do planeta.  Um dos aspectos mais importantes da relação entre cidadania e ambiente é a desigualdade ao acesso e uso da base material da existência.  As crises do petróleo do inicio da década de 70, apesar de suas implicações econômicas e financeiras, contribuíram para difundir na opinião pública a ideia de que recursos naturais vitais ao funcionamento do capitalismo podem faltar.
  10. 10.  O PIB brasileiro chegou a oitava posição mundial de 1980 e as atividades industriais e de serviços predominam na economia há décadas.  Para definir o IDH, são consideráveis variáveis como a expectativa de vida; os anos de estudo, que são divididos em fundamental, médio e superior; e a capacidade de compra, definida pelo dólar PPC (paridade de poder de compra), que expressa o consumo de bens e serviços em diferentes países e segundo os preços praticados neles.  Problemas ambientais no campo: inúmeras comunidades rurais passaram a produzir materiais para o consumo capitalista. E a crescente urbanização da população mundial. Isso implica manter um estilo de vida que possa prover a base material da existência, incluindo a produção de alimentos e de abrigo, assim como roupa e habitação.
  11. 11. Definição de poluição A poluição é definida na legislação brasileira (Lei 6.938/81, Art.3, III) como a “...degradação da qualidade ambiental...” que direta ou indiretamente prejudiquem a saúde, segurança e o bem-estar da população, que criem condições adversas às atividades sociais e econômicas, que afetem desfavoravelmente a biota, as condições estéticas ou sanitárias do ambiente ou que lancem matérias ou energia em desacordo com os padrões estabelecidos.
  12. 12. Vários tipos de poluição  Poluição sonora  Poluição visual  Poluição atmosférica  Poluição da água  Poluição do solo  Poluição nuclear
  13. 13. Reduzir a poluição é hoje uma das principais preocupações da maioria dos países do mundo. Visando essa redução, a tarefa não é fácil, pois exige uma ação internacional concertada (recorde-se que a poluição não conhece fronteiras), enormes investimentos e a intervenção ativa de todos os cidadãos, em geral, e das empresas, em particular. Por exemplo:  Instalação nas fábricas de dispositivos (catalisadores) que retenham os fumos e os gases, podendo estes ser até reutilizados como fontes energéticas. De acordo com o princípio de que "deve pagar quem polui", esta medida tem já carácter obrigatório em vários países industrializados, relativamente a muitas indústrias;  Utilização de tecnologias alternativas, ou seja, de tecnologias diferentes que reduzam o consumo de energia, tornem a indústria menos poluidora (tecnologias limpas) e valorizem os resíduos;  Aplicação de catalisadores em todos os automóveis novos, de modo a diminuir o máximo de emissão de fumos e gases e a redução da quantidade de chumbo e enxofre nos combustíveis (gasolina, gasóleo). Pensa-se que estas medidas reduzirão entre 70% e 90% a poluição do ar provocada pelos veículos motorizados;  Obrigatoriedade de inspeções periódicas a todos os tipos de veículos automóveis no que respeita aos níveis de poluição atmosférica (nomeadamente a emissão de fumos) e sonora (especialmente sobre o nível de ruído dos tubos de escape), como já acontece em muitos países;  Substituição de alguns produtos químicos industriais perigosos, como, por exemplo, os que têm levado à destruição da camada do ozono.
  14. 14. Sustentabilidade e cidadania. Algumas atitudes que podem contribuir com o desenvolvimento sustentável através de uma postura cidadã  A sustentabilidade como conjunto de valores: é o compromisso de assumir uma atitude responsável e transparente em suas relações com a sociedade, empresas, governo, etc. Valores morais e éticos são essenciais no exercício da cidadania.  A sustentabilidade como postura estratégica: é preciso ter uma mente cidadã nos negócios realizados pelo ser humano para realizar uma ação social estratégica.  A sustentabilidade como estratégia para se relacionar: ao se relacionar com o próximo estrategicamente através de uma postura que enfoque cidadania, contribui-se com os ditames do desenvolvimento sustentável.  A Sustentabilidade e o marketing pessoal: realizar a sua valorização enquanto ser humano é ótimo na sua vida pessoal e profissional, entretanto, para contribuir com a sustentabilidade, não se deve esquecer da postura cidadã.
  15. 15.  A sustentabilidade e a sua reputação: como consequência positiva do tópico acima, você será melhor visto em sua comunidade como uma pessoa que procura fazer seus próprios negócios e leva sua vida de maneira digna e respeita o meio ambiente.  A sustentabilidade como estratégia de inserção em sua comunidade: através de uma postura contributiva e cidadã, o caminho para ganhar a confiança de sua comunidade, a fim de pleitear mudanças, se torna mais simples.  A sustentabilidade e o desenvolvimento comunitário: advém do tópico anterior. Com a inserção na comunidade, você pode se tornar um agente e um catalisador de mudanças, promovendo o desenvolvimento social local e articulando parcerias com o Governo, Terceiro Setor e empresas para alcançar os objetivos comuns.  A cidadania para o incentivo local de ações sustentáveis: tendo uma postura cidadã em sua comunidade, é possível que as pessoas ao seu redor se motivem a adotar as mesmas posturas que você em prol do bem comum.
  16. 16. O que define a qualidade de vida?  O que determina a qualidade de vida é uma condição histórica e social. Ao julgar quais seriam os elementos indicadores de uma boa qualidade de vida a resposta dada por determinada pessoa, indiscutivelmente, virá impregnada por estes fatores sócio históricos, embora nem sempre conscientes e explicitados. Neste sentido, Schaff (1967: 71) aponta que: “O homem nasce numa determinada sociedade, sob determinadas condições sociais e inter-humanas que ele próprio não escolhe; são elas o resultado da atividade de gerações anteriores [e] a opinião do que é bom ou mau, do que é digno ou não, quer dizer, o determinado sistema de valores, é dado socialmente, igualmente como o conhecimento do mundo, que é determinado pelo desenvolvimento histórico da sociedade. As condições sociais formam, com a ajuda da consciência social vigente, o indivíduo humano, que nasce e se desenvolve numa sociedade. É neste sentido que as condições criam o indivíduo” [Grifos do autor].
  17. 17. Docente: Adriana Paiva. Discentes: Leliane Araújo, Lívio Libório, Suellen Vitória, Viviane Ferreira, Waldenis Santos e Wellington Junior.

×