IMPRESSORA

255 visualizações

Publicada em

IMPRESSORA

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
255
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
4
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
14
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

IMPRESSORA

  1. 1. ri . ' . _~ l . i . ® W rs s_ 'í A A¡ K f! i A V a EDUCAÇÃO E TECNOLOGIA i Impressaras matriciais
  2. 2. l . l xl W 'í A : l l TU _ i7_ EDUCAÇÃO E TECNOLOGIA ã e Um dos primeiros tipos de impressora que o mercado conheceu foi a impressora matricial. Embora esteja cada Vez mais em desuso devido ao surgimento de tecnologias de impressão mais sofisticadas, ainda é possível encontrar impressoras matriciais sendo utilizadas em Vários estabelecimentos, já que se trata de um tipo bastante durável e que possui baixos custos em relação aos seus suprimentos. 't As impressoras matriciais (classificadas em uma categoria Chamada de impressoras de impacto) são baseadas, essencialmente, em dois tipos de tecnologia:
  3. 3. l . l , xl “l . “ , , v y y EDUCAÇAO E TECNOLOGIA / Impressora margarida ° Este tipo de impressora tem funcionamento semelhante às clássicas máquinas de escrever, sendo, atualmente, pouco comum no mercado. ° O dispositivo que equivale à cabeça de impressão contém diversos caracteres em relevo. Este componente se movimenta de acordo com o caractere a ser impresso
  4. 4. [A A_ If ; f , í l f r J l EDUCAÇÃO E TECNOLOGIA Ã Impressora margarida ° Supondo, por exemplo, que , ~' é necessário imprimir a / letra 'A', o referido mecanismo posicionará a parte que contém esta letra _ ç «X / sobre o papel. Para a ” . “no _ › impressão ocorrer, o j? caractere, depois de ' posicionado, pressiona uma " - r fita com tinta contra o papel, em um movimento que lembra vagamente uma batida rápida de martelo.
  5. 5. fl M y, y. y n lí_ y® f. : : E» ~l l FJ, 4-, EDUCAÇÃOETECNOLOGIA / Impressora de agulha ° Este é o tipo mais comum, sendo, portanto, chamado simplesmente de impressora matricial ou, ainda, impressora de matriz de pontos. Neste padrão, a cabeça de impressão possui pequenas agulhas que, sob orientação eletromagnética, vão formando a impressão à medida que empurram a fita de tinta contra o papel
  6. 6. y y y 7 l . 7 y, y, ~ _ I . l y y, y y ® | I y ym_ a *ii A : '77 . ía . É i Ei 7 . i li. .k 77 i i7: EDUCAÇÃO E TECNOLOGIA / Impressora de agulha ° Ou seja, nesta tecnologia, em vez de os caracteres r e' serem formados de uma ~ i v_ , . . _ _AK ' “ -~ unica vez or im acto sao _aiii constituidos por pequenos - _ pontos. A vantagem deste * - A, _ v 55/ / método é que também e possível imprimir imagens e gráficos, embora com certa limitação.
  7. 7. W A : l f J l A_ EDUCAÇÃO E TECNOLOGIA ã ° Por utilizar um esquema de impacto sobre uma fita com tinta (que são baratas e, geralmente, bastante duráveis), as impressoras matriciais não são boas para trabalhar com várias cores, já que, para cada cor, é necessário ter uma fita exclusiva ou, ainda, uma fita que se divide em várias cores. Mesmo assim, a fidelidade das cores é bastante limitada, razão pela qual se convencionou a utilizar apenas a cor preta ou tons de cinza
  8. 8. ® l . l i . EJJÍJK I *ipigllz O O EDUCAÇÃO E TECNOLOGIA ã Esquema interno matricial PINOS CABE DE IMPRESSÃO Original de htIpní-"Iuvxv. tech2u. com. au
  9. 9. W s" AEDIEAÇLOKEFTECNOLOGM: W ° Todavia, as impressoras matriciais se mostram úteis para a impressão de documentos baseados apenas em texto ou que necessitam de cópias. Isso porque o impacto gerado pela cabeça de impressão é suficiente para que seja possível a aplicação de papel carbono, recurso útil, por exemplo, na impressão de passagens de ônibus.
  10. 10. [y yijyi ; f _zj ¡' j( vvI v * Por outro lado, as impressoras matriciais são, em geral, barulhentas e, muitas vezes, lentas, dependendo do tipo de impressão. Isso faz com que seu uso seja inviável em ambientes que exigem silêncio - bibliotecas, por exemplo. Além disso, a qualidade das impressões e limitada, já que elas não conseguem trabalhar com resoluções altas.
  11. 11. fI M y, y. y l If_ y® f. : : a» N I FI 4a EDUCAÇÃOETECNOLOGIA / Impressoras a jato de tinta
  12. 12. fI M y, y. y l . Iíyy. y® f. : : a» N I FI 4a EDUCAÇÃOETECNOLOGIA / ° Ao contrário das matriciais, as impressoras a jato de tinta não são de impacto. A impressão é feita por meio da emissão de centenas de gotículas de tinta (geralmente no tamanho de 3 picolitros) emitidas a partir de minúsculas aberturas existentes na cabeça de impressão.
  13. 13. W j¡ 'f ; f gi! Il í j* *ii J l M_ * Este último componente é posicionado sobre um eixo que o permite se movimentar da esquerda para a direita e vice-versa muito rapidamente. ° Para o processo de impressão em si, as impressoras a jato de tinta contam, basicamente, com três tecnologias:
  14. 14. fI M y, y. y l lê_ y® f. : : a» ~l I FI 4a EDUCAÇÃOETECNOLOGIA / Térmica (Bubble Jet) Nesta tecnologia, uma pequena quantidade de tinta é submetida a uma temperatura muito alta para formar pequenas bolhas. O aquecimento faz com que estas sofram pressão e sejam expelidas pelos orifícios da cabeça de impressão
  15. 15. W A 2 I_ f r _I l * É desta maneira que a tinta chega ao papel. Quando este processo é finalizado, o espaço deixado pela bolha é então preenchido novamente por uma pequena quantidade de tinta e, então, todo o procedimento se repete. Esta tecnologia foi patenteada pela Canon é utilizada por empresas como HP e Lexmark.
  16. 16. f I . ' y, y. v l . l y y, y y ® I I ; f, I i A ('77 . FA AT í 7 i . I . . i li'. .l 77 i EDUCAÇÃO E TECNOLOGIA / Piezo-elétrica ° Esta é uma tecnologia muito utilizada pela Epson. Nela, a cabeça de impressão utiliza um cristal piezo-elétrico na saída de um minúsculo compartimento de tinta. Os cristais piezo-elétricos geram uma pequena quantidade de energia quando recebem uma força física, mas o contrário também ocorrez.
  17. 17. l , .›i. F, , ~'ÉE*Í-ll I = , , a ° se receber uma pequena quantidade de energia elétrica, o cristal se movimenta. Na cabeça de impressão, esta movimentação é utilizada e, quando o cristal volta ao seu lugar, uma pequena quantidade de tinta sai pela abertura existente ali. Por outro lado, pode representar elevado custo de reparo quando a cabeça de impressão se danifica, já que esta geralmente se localiza na impressora e não nos cartuchos de tinta. I . l , Il l
  18. 18. fI M y, y. y l If_ y® f. : : a» ~l I FI 4a EDUCAÇÃOETECNOLOGIA / Esquema ÍHÍQTHQJQÊQ de tinta . s* _rs-_s ' __ . l Í'. A l A ' f** ” -r y w
  19. 19. fI M y, y. y l . Iíyy y® f. : : s» ~l I FI "W*7 EDUCAÇÃOETECNOLOGIA / Impressoras a laser
  20. 20. fl M y, y. y l lí_ y® f: : e» ~l I f, Je EDUCAÇÃOETECNOLOGIA / impressoras a laser r As impressoras a laser também fazem parte da categoria de não impacto e são muito utilizadas no ambiente corporativo, já que oferecem impressões de excelente qualidade, são capazes de imprimir rapidamente, trabalham fazendo pouco barulho e possibilitam volumes altos de impressões associados a custos baixos.
  21. 21. 'l . ' . _, l . l , ® W f I_ 'í A : l l , Ti l _I l _, EDUCAÇÃO E TECNOLOGIA O / ° O funcionamento destas impressoras e semelhante ao das fotocopiadoras (no Brasil, também conhecidas como "máquinas de Xerox", sendo que, na verdade, Xerox é o nome da empresa que popularizou este tipo de dispositivo).
  22. 22. W lj ; aíciçioleíelcnomea W ° As impressoras a laser contam com uma espécie de tambor (ou cilindro) revestido por um material que permite a aplicação de uma carga eletrostática. Supondo, por exemplo, que o logotipo do InfoWester deva ser impresso, um laser "forma" a imagem no tambor deixando os pontos que a representam com carga positiva.
  23. 23. l . l W A : l l , Til _I l A, EDUCAÇÃO E TECNOLOGIA O ° Quando o "molde" da informação a ser impressa é formado, aquela área recebe um material em pó muito fino e pigmentado chamado toner que, por sua vez, tem carga negativa e é distribuído por um rolamento presente em seu recepiente de armazenamento. Isso faz com que o toner seja atraído pelos pontos que formam a imagem a ser impressa, já que estes possuem carga positiva (carga negativa e positiva se atraem, como em um imã).
  24. 24. fl M y, y. y l If_ y® f: : e» -*l I FI Je EDUCAÇÃOETECNOLOGIA / ° No passo seguinte, a folha de papel que recebe a impressão é colocada em contato com o cilindro, mas, antes, recebe carga positiva em uma intensidade maior que a do molde da imagem no tambor. Uma rotação faz com que este último passe por todo o papel, transferindo o toner para ele.
  25. 25. [y , Íjji gl _zj ¡' l vvl y * Por fim, um mecanismo formado por dois cilindros de nome fusor (ou faser, em inglês), revestidos de material que impede a aderência de toner, “joga” calor no papel ao mesmo tempo em que o pressiona (é por isso que o papel quase sempre sai quente da impressora). Desta forma, o toner se fixa no papel e a impressão é concluída.
  26. 26. W lj ; saiçliolsíslcsomes W ° Cabe à impressora então preparar o tambor para a próxima impressão. Para isso, é necessário limpá-lo de eventuais “sobras” de toner não usados na impressão anterior. Em impressoras da marca HP, por exemplo, uma espécie de lâmina remove os resíduos de toner para depositá-los em um recipiente apropriado.
  27. 27. [y , Íjyyi ; f _: [ [' l vvl y ° Apesar de a maioria das impressoras a laser trabalhar apenas com a cor preta, não é difícil encontrar impressoras do tipo que trabalham com cores. Para isso, os fabricantes podem se utilizar de vários métodos, como aplicar um toner de cada cor por vez ou mesmo combinar todas as cores em um recipiente provisório para então aplicá-las de uma só vez no papel.
  28. 28. l n' ly [ r ITX l J l @Í EDUCAÇ " ECNOLOGIA m r___. .a 4# L ll ' Í ' › a ¡ ' í › r › -_ u _ f. : ' / tYE-: Typ: J Gás” °" , e « _ Kgf/ Í- , Í _ . '~__ _ __ _- g' fr' . x ~ E x / ,_ . . Q¡- a _- _ _ s QXT. y V . ': Õ t v' ›. '-: : v . .ç y- . *Â* . l ~ e
  29. 29. fl y, y, y, l . l y, ® [, ,i f zlglg j¡ [[ñj, _il[z_ EDUCAÇ" ECNOLOGIA / 2 - Carregamento do cilindro 3 - "Formando" a imagem a ser impressa 6 - Fixando toner com o usor " 5 - Imprimindo no papel Original de htrrm-. rí-"Is-Ivxscbrai n bel I . comi
  30. 30. [ y y ' l . ' y, y, y l . l y y, y [ ® I ' i f, I %› A . FA ; É [I 7 [ . I . . [ il. .[[ 77 [ EDUCAÇÃO E TECNOLOGIA / Linguagens de descrição de página r Como é que uma impressora consegue reproduzir no papel um material qualquer criado no computador? São gráficos, tabelas, textos de fonte variável, cores, enfim, uma variedade de informações. Isso é possível graças às linguagens de descrição de página (page description language). Trata-se de especificações de comunicação que fazem com que a impressora "saiba" como e o que imprimir. Há várias dessas linguagens, entre elas:
  31. 31. [ y y ' l . ' y, y, y l . l y y, y [ ® I ' i f, I %› A . FA ; É [I 7 [ . I . . [ il. .[[ 77 [ EDUCAÇÃO E TECNOLOGIA / PostScript / ° Esta e tida como a primeira linguagem de descrição de páginas multiplataforma e teve como motivação a linguagem InterPress, da Xerox. Seu surgimento aparentemente se deu no ano de 1985, pelas mãos da empresa Adobe. Uma de suas características é a capacidade de informar o conteúdo a ser impresso de forma vetorial, permitindo o trabalho em impressoras com variadas taxas de dpi.
  32. 32. [y j, l ; l gi[ [l r i* l J l * Após passar por diversas melhorias, o PostScript é utilizado até os dias de hoje, não somente para impressão em papel, mas também para outras aplicações que requerem descrição de páginas.
  33. 33. I . l , l[ W A w l , TH _ E, EDUCAÇÃO E TECNOLOGIA O / a - PCL: sigla para Printer Command Language, e uma linguagem de descrição de páginas desenvolvida pela HP. Sua primeira versão foi criada para trabalhar com impressoras matriciais, portanto, era bastante limitada. Porém, o lançamento de várias outras versões faz o PCL ser usado até nas modernas impressoras de hoje. Esta / linguagem também e capaz de trabalhar com diversas resoluções e transmite as instruções à impressora de forma que esta monte uma imagem linha a linha do material.
  34. 34. W 'í u s¡ l _ E, EDUCAÇÃO E TECNOLOGIA O / 'j - GDI: sigla para Graphics Device Interface, e uma espécie de linguagem criada pela Microsoft para a geração e o envio de informações a dispositivos de saída, entre eles, impressoras. Nela, quase todo o trabalho de "montagem" do conteúdo a ser impresso é feito no próprio sistema operacional, poupando recursos da impressora. Isso faz o GDI ser particularmente interessante às impressoras de uso doméstico. Alguns fabricantes de impressoras utilizam o GDI por meio do sistema Windows Printing System, já que este possibilita melhor gerenciamento da impressão. I . l l[
  35. 35. ,r y , s i . l y , ® EDUCAÇÃO E TECNOLOGIA O V Para baixar e instalar drivers de impressora do site de um fabricante Para baixar drivers compatiieis do site do fabricante oe uma impressora veja primeiro qua? aversão ao itliiicloiis uoce esta executando e procure diniers compativeis. I. Para abrir Informacoes do Sistema_ clique no botão Iniciar' l_ em Todos os Programas, em Acessórios, em Ferramentas do Sistema e, depois em Informações clo Sistema 2. Clique em Resumo do Sistema e analise o Nome do sistema operacional e o Tipo de sistema para descobrir qua¡ versao do Wirclciiiis voce esta executando. : ›. ua para ci site do fabricante da impressora e procure o driver de impressora ccnrpatisijel com sua versão do Wndnruis. . Siga as instruções no site para baiz-: are instalar o ciirei. JL.

×