Técnicas de impressão Técnicas Gráficas em Jornalismo   Professor mestre Artur Araujo (araujofamilia@gmail.com)
Antes, alguns lembretes... <ul><li>Hoje é o dia da entrega do exercício sobre capas de revista e jornal. A nota máxima des...
Definindo o conceito: impressão <ul><li>Ato ou efeito de imprimir. Qualquer processo destinado a reproduzir, com ou sem ti...
Processos têm limitações e qualidades <ul><li>Ao se realizar um projeto gráfico, deve-se ter em mente o processo técnico q...
Três categorias de impressão gráfica <ul><li>As reproduções gráficas podem ser obtidas nas máquinas impressoras pelo: </li...
Relevo, plana e funda <ul><li>Os processos de reprodução gráfica se particularizam pela constituição da chapa ou forma. </...
Impressão em relevo <ul><li>O processo tipográfico está fundamentado no relevo, que é o processo clássico e o mais antigo;...
Impressão em relevo – vantagens e inconvenientes <ul><li>a)  É um processo simples e de baixo custo  para pequenas tiragen...
Composição manual, linotipos, monotipos etc <ul><li>Ao processo de impressão em relevo correspondem as chapas com caracter...
Composição manual <ul><li>O compositor reúne um tipo ao outro, formando linhas; coloca uma linha ao lado da outra, formand...
Linotipos <ul><li>O Linotipo compõe e funde  tipos em uma única máquina.  Trata-se de um teclado análogo  ao de uma máquin...
Monotipos <ul><li>Máquina inventada pelo  americano Tolbert Lanston,  em 1877, destinada a compor  e fundir caracteres iso...
Impressão plana <ul><li>Este tipo de impressão provém de suporte em que a imagem é rasa e fica na superfície da chapa ou p...
A litografia <ul><li>Processo de impressão que  utiliza como suporte uma  pedra calcária apropriada.  Hoje em dia, faz-se ...
A litografia hoje <ul><li>A litografia foi o método mais utilizado no século XIX para a impressão de jornais e revistas.  ...
O offset <ul><li>Este processo está baseado na litografia  e  foi descoberto em princípios do século XX . O offset utiliza...
Como funciona o offset <ul><li>O princípio fundamental da máquina se baseia em três cilindros. O superior leva a chapa de ...
 
Vantagens e inconvenientes do offset <ul><li>Falando em termos gerais,  quando as tiragens são curtas, e as ilustrações sã...
<ul><li>A distribuição de tinta é muito mais eficaz nas impressoras offset . </li></ul><ul><li>Os meios-tons ou matrizes q...
Impressão funda <ul><li>Processo de impressão sobre clichês fundos. </li></ul><ul><li>Nesse processo, ao contrário, a part...
Processos de impressão funda <ul><li>Existe uma série de processos que se baseiam na impressão em clichês fundos, que se c...
Rotogravura: como funciona <ul><li>O cilindro superior (1) é o de pressão e o inferior (2) está recoberto por cobre polido...
Rotogravura: vantagens e desvantagens <ul><li>A rotogravura é mais indicada para  grandes tiragens de trabalhos ilustrados...
Rotogravura: vantagens e desvantagens <ul><li>Na impressão por  rotogravura todos os  olhos de tipos  aparecem tramados,  ...
Rotogravura: vantagens e desvantagens <ul><li>Nas impressoras de rotogravura, pode-se empregar papel de classe barata, com...
Retícula e uso de cores na impressão <ul><li>Como na impressão tipográfica todos os pontos em relevo na forma imprimem com...
Retícula de contato e retícula de vidro <ul><li>São usados comumente  dois tipos de retícula :  a de contato  e  a de vidr...
Retículas magenta e cinza <ul><li>A retícula de contato tem esse nome pelo fato de que se põe diretamente em contato, emul...
A escolha da retícula <ul><li>Quanto mais liso for o papel a empregar, tanto mais fina pode ser a retícula e menos se dest...
Retículas para cor <ul><li>Para trabalhos de cor, a retícula mais usada é a de vidro, pois esta pode se movimentar em dive...
Uso da retícula para a cor
Retícula na foto <ul><li>Retícula de 40 linhas por centímetro quadrado aplicada em foto de jornal. </li></ul>
 
Efeito moiré (moarê) <ul><li>Originais já reticulados não são próprios para reproduzir, tendo em conta a necessidade técni...
Provas de impressão <ul><li>Havendo modelos coloridos, necessitam-se duas, três, quatro ou mais cores para sua reprodução ...
Quadricromia: CMYK <ul><li>A quarta cor, geralmente necessária na prática da impressão de policromias, é o preto. Serve pa...
Chapas <ul><li>Para se reproduzir uma ilustração colorida, é feita uma quadricromia ou policromia, que é um conjunto de qu...
Provas de ensaio ou prova progressiva <ul><li>Para se certificar que a impressão destas quatro cores superpostas irá coinc...
Prova do cian Prova do amarelo Prova de gama do verde Prova do magenta Prova de gama do vermelho (amarelo + magenta) Prova...
Monocromia, bicromia, duplex etc <ul><li>Uma cor  - Impressão com uma só cor, podendo ser com tipos ou qualquer espécie de...
Duas cores <ul><li>Duas cores  - Duas impressões em cores separadas, com tipos ou qualquer espécie de clichê. Pode-se supe...
Policromia, duplex etc <ul><li>Três, quatro ou mais cores  - O mesmo princípio de duas cores com acréscimo das demais.  </...
Cálculo de folhas de papel para uma tiragem - 1 <ul><li>Calcule a dimensão da folha de impressão </li></ul><ul><li>Calcule...
<ul><li>Divida o número de páginas da publicação (sempre múltiplo de quatro) pelo número de páginas por folha. O resultado...
Próxima aula: oficina de page maker Aula teórica do dia 22/4: Breve histórico da diagramação no Brasil
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

tg_aula5_2008

4.675 visualizações

Publicada em

Publicada em: Negócios, Design
0 comentários
2 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
4.675
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
74
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
291
Comentários
0
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

tg_aula5_2008

  1. 1. Técnicas de impressão Técnicas Gráficas em Jornalismo Professor mestre Artur Araujo (araujofamilia@gmail.com)
  2. 2. Antes, alguns lembretes... <ul><li>Hoje é o dia da entrega do exercício sobre capas de revista e jornal. A nota máxima desse último é 4 pontos . </li></ul><ul><li>Estamos a 14 dias (apenas 2 semanas) da entrega do trabalho individual sobre publicações. </li></ul><ul><li>Estamos a 35 dias da prova prática. </li></ul>
  3. 3. Definindo o conceito: impressão <ul><li>Ato ou efeito de imprimir. Qualquer processo destinado a reproduzir, com ou sem tinta, num suporte (folha de papel, pano, plástico, metal, madeira etc.), textos e imagens gravados ou moldados em matrizes, adaptadas a prensas de diversos sistemas de pressão (máquina plana, planocilíndrica e rotativa) </li></ul>
  4. 4. Processos têm limitações e qualidades <ul><li>Ao se realizar um projeto gráfico, deve-se ter em mente o processo técnico que será utilizado em sua reprodução. Cada processo tem limitações específicas e todo original (fotografia ou desenho) tem que ser adaptado, a fim de atender convenientemente ao método reprodutivo mais adequado. O projetista e o diagramador devem estar familiarizados com as diversas fases do desenvolvimento dos processos de reprodução gráfica, para poderem tirar o melhor partido de cada trabalho, reproduzindo-o no processo mais indicado. </li></ul>
  5. 5. Três categorias de impressão gráfica <ul><li>As reproduções gráficas podem ser obtidas nas máquinas impressoras pelo: </li></ul><ul><ul><li>contato direto da matriz com o suporte (impressão direta) </li></ul></ul><ul><ul><li>ou por meio de um elemento plástico intermediário , que entra em contato com a matriz e transfere a impressão ao suporte (impressão indireta), </li></ul></ul><ul><ul><li>ou ainda pela transferência de sinais entre um suporte e outro , por processo eletromagnético ou eletrônico (impressão sem contato). </li></ul></ul>
  6. 6. Relevo, plana e funda <ul><li>Os processos de reprodução gráfica se particularizam pela constituição da chapa ou forma. </li></ul>Impressão em relevo Impressão funda Impressão plana
  7. 7. Impressão em relevo <ul><li>O processo tipográfico está fundamentado no relevo, que é o processo clássico e o mais antigo; nele, as partes que imprimem estão em alto relevo, com a figura invertida. </li></ul>
  8. 8. Impressão em relevo – vantagens e inconvenientes <ul><li>a) É um processo simples e de baixo custo para pequenas tiragens. </li></ul><ul><li>b) Os trabalhos feitos somente com tipos móveis são mais baratos de produzir. </li></ul><ul><li>c) O processo é bastante utilizado para o acabamento de figuras em relevo e para a impressão a quente (hotstamping) . </li></ul><ul><li>d) Quando se emprega a tipografia, a impressão demora mais a começar , por causa do tempo necessário para se pôr a prensa a ponto para imprimir. </li></ul><ul><li>e) As máquinas tipográficas são bem mais lentas que as impressoras offset e de rotogravura . </li></ul><ul><li>Os meios-tons não ficam bem impressos sobre papel de acabamento rugoso, quando se emprega a impressão tipográfica. </li></ul>
  9. 9. Composição manual, linotipos, monotipos etc <ul><li>Ao processo de impressão em relevo correspondem as chapas com caracteres tipográficos, chapas com linha de linotipo ou monotipo, com clichês de traço ou reticulados, gravados por processos fotoquímicos sobre zinco ou cobre; gravura em madeira (xilogravura) e gravura em linóleo, sempre com a figura gravada invertida, e de modo que uma vez entintadas e prensadas contra o papel, fiquem certas na folha impressa. </li></ul>
  10. 10. Composição manual <ul><li>O compositor reúne um tipo ao outro, formando linhas; coloca uma linha ao lado da outra, formando trechos, dos quais resultam páginas. </li></ul>
  11. 11. Linotipos <ul><li>O Linotipo compõe e funde tipos em uma única máquina. Trata-se de um teclado análogo ao de uma máquina de escrever, mas que contém 90 teclas, e de um armazém que inclui 90 canais ligados às 90 teclas. Em cada canal encontra-se um certo número de matrizes de cobre correspondentes a letras, algarismos, sinais, etc. Ao sinal enviado pelo teclado, as matrizes descem para se dispor no componedor. Quando a linha está terminada, este componedor vem colocar-se em frente a um cadinho por onde corre chumbo em fusão. </li></ul>
  12. 12. Monotipos <ul><li>Máquina inventada pelo americano Tolbert Lanston, em 1877, destinada a compor e fundir caracteres isolados. Separando, de início, as operações em duas fases: o teclado e a composição e fundição, abandonou a idéia da fundição de linha e adotou a de fundição celular. Consta a monotipo de duas unidades distintas e separadas. O teclado e o aparelho de compor e fundir. </li></ul>
  13. 13. Impressão plana <ul><li>Este tipo de impressão provém de suporte em que a imagem é rasa e fica na superfície da chapa ou pedra. Compreende, mais comumente, a litografia e o offset. </li></ul>Impressão plana
  14. 14. A litografia <ul><li>Processo de impressão que utiliza como suporte uma pedra calcária apropriada. Hoje em dia, faz-se litografia sobre pedra, ou sobre zinco ; nos dois casos, a técnica é a mesma. Foi Aluísio Senefelder quem inventou a litografia, no ano de 1796 . </li></ul><ul><li>A litografia baseia-se, principalmente, na propriedade que tem a água de repelir a tinta graxosa . </li></ul>
  15. 15. A litografia hoje <ul><li>A litografia foi o método mais utilizado no século XIX para a impressão de jornais e revistas. </li></ul><ul><li>Atualmente, com o desenvolvimento de novas técnicas, não é mais empregado em escala industrial. Basicamente, são os artistas plásticos os que mais usam o sistema. </li></ul><ul><li>A impressão offset é a herdeira das conquistas obtidas pela técnica litográfica. </li></ul>
  16. 16. O offset <ul><li>Este processo está baseado na litografia e foi descoberto em princípios do século XX . O offset utiliza os mesmos princípios físicos da litografia ou seja a repulsão água/óleo. Utiliza-se uma chapa de alumínio granulada . Esta granulação é proporcional à dimensão da molécula de água. O processo de preparação desta matriz se dá através do processo fotográfico onde a chapa recoberta de fotopolímero (camada plástica sensível à luz) é exposta a uma fonte de luz ultravioleta e em seguida processada por reveladores químicos. </li></ul>
  17. 17. Como funciona o offset <ul><li>O princípio fundamental da máquina se baseia em três cilindros. O superior leva a chapa de alumínio com a imagem, o intermediário é recoberto por uma capa de borracha e o inferior exerce a pressão; entre os dois últimos passa a folha de papel. Os pequenos rolos laterais são molhadores e os superiores de entintagem. A chapa leva ao direito a imagem a imprimir, esta é transferida invertida à borracha que imprime o papel. </li></ul>
  18. 19. Vantagens e inconvenientes do offset <ul><li>Falando em termos gerais, quando as tiragens são curtas, e as ilustrações são muitas, o melhor processo é o de litografia offset. </li></ul><ul><li>As matrizes de offset são bem mais rápidas de serem preparadas. </li></ul><ul><li>Os desenhos a lápis (crayons) e os que têm pontilhados e vinhetas delicadas se imprimem melhor por offset . </li></ul><ul><li>Despende-se menos tempo em pôr as impressoras de offset a ponto de imprimir, em comparação com as impressoras de tipografia. </li></ul><ul><li>Os impressos reticulados, com fios ou quadrículas, são melhor obtidos quando se imprime em offset; em tipografia existe certa tendência dos filetes a embutir no papel, o que faz com que as pontas das resmas ou pilhas de impressos se enrolem para cima. Além disso, em offset pode-se fazer com que as riscas ou filetes se unam perfeitamente, o que é muito difícil em tipografia. </li></ul>
  19. 20. <ul><li>A distribuição de tinta é muito mais eficaz nas impressoras offset . </li></ul><ul><li>Os meios-tons ou matrizes que tenham vários matizes de tons cinzas se podem imprimir em papel rugoso . Isso não se pode fazer bem em tipografia. </li></ul><ul><li>Imprime com grande finura de minúcias sobre qualquer classe de papel , tanto sobre papel de superfície absorvente ou não. Por outro lado, por utilização do cilindro de borracha, é possível empregar papéis de baixa qualidade, acetinados ou não, para tiragem de chapados ou reticulados. Convém, entretanto, acrescentar que como em todos os processos de impressão, a qualidade de uma tiragem em offset depende em grande parte do papel empregado . </li></ul>Vantagens e inconvenientes do offset
  20. 21. Impressão funda <ul><li>Processo de impressão sobre clichês fundos. </li></ul><ul><li>Nesse processo, ao contrário, a parte que imprime e justamente a que é cavada na superfície da pedra ou da chapa de cobre, aço ou latão, com buril ou por ação do ácido. </li></ul><ul><li>Nesse tipo de impressão, a tinta é transmitida através de sulcos ou ocos das chapas que, depois de entintadas, são limpas convenientemente nas partes não gravadas, e a tinta que ficou nos ocos é transportada por pressão à superfície do papel. </li></ul>Impressão funda
  21. 22. Processos de impressão funda <ul><li>Existe uma série de processos que se baseiam na impressão em clichês fundos, que se chama calcografia (a arte de gravar em oco no cobre). Compreende as gravuras manuais a buril, as variedades técnicas de águas-fortes , a heliogravura e a rotogravura . Hoje em dia, prevalece a rotogravura ; os outros processos calcográficos são praticados quase que somente por artistas especializados ou para a produção de títulos, ações, moeda e outros impressos de segurança. </li></ul>
  22. 23. Rotogravura: como funciona <ul><li>O cilindro superior (1) é o de pressão e o inferior (2) está recoberto por cobre polido, no qual está gravada a imagem. A base (3) é o tanque de tinta. A folha (4) é impressa ao passar entre os dois cilindros, gravado e de pressão. A impressão pode ser feita sobre papel em folhas ou bobina. </li></ul>
  23. 24. Rotogravura: vantagens e desvantagens <ul><li>A rotogravura é mais indicada para grandes tiragens de trabalhos ilustrados . </li></ul><ul><li>Os cilindros impressores da rotogravura podem produzir mais de um milhão de impressões , muito mais do que se consegue com as matrizes de outros processos. </li></ul><ul><li>Na rotogravura perde-se os detalhes finos; mas dá-se aos meios-tons maior realce do que qualquer outro processo . A trama das ilustrações gravadas não é tão aparente como as que se vêem nos outros processos. </li></ul>
  24. 25. Rotogravura: vantagens e desvantagens <ul><li>Na impressão por rotogravura todos os olhos de tipos aparecem tramados, o que faz com que se os vejam mais grossos e com bordos dentados. Isto torna difícil o emprego de tipos. </li></ul><ul><li>As impressoras de rotogravura imprimem em várias superfícies além do papel, tais com plástico e papéis laminados. </li></ul>
  25. 26. Rotogravura: vantagens e desvantagens <ul><li>Nas impressoras de rotogravura, pode-se empregar papel de classe barata, comparada com a classe de papel que se emprega nas impressoras de tipografia e offset. </li></ul><ul><li>As impressoras de rotogravura têm velocidade mais alta, e muitas delas imprimem a um mesmo tempo quatro ou cinco cores em ambas as faces da folha de papel (ou bobina contínua), quando passa pela impressora. </li></ul>
  26. 27. Retícula e uso de cores na impressão <ul><li>Como na impressão tipográfica todos os pontos em relevo na forma imprimem com a mesma intensidade de tinta, é necessário obter o efeito das tonalidades intermediárias por meio de ilusão ótica: a retícula . Composta de vários pontinhos de tamanho variado correspondentes aos diversos valores de luz, a retícula produz assim nas retinas do observador a impressão do conjunto . </li></ul>
  27. 28. Retícula de contato e retícula de vidro <ul><li>São usados comumente dois tipos de retícula : a de contato e a de vidro . A retícula de contato de meio tom consiste de uma trama de pontinhos sobre uma base de filme. Existem retículas de contato de diferentes graus de trama, desde 50 até 300 pontinhos por polegada quadrada. </li></ul>
  28. 29. Retículas magenta e cinza <ul><li>A retícula de contato tem esse nome pelo fato de que se põe diretamente em contato, emulsão com emulsão, com o filme na câmara. A magenta e a cinza são as retículas de contato mais freqüentes. A magenta é constituída por pontos coloridos de cor vermelha azulada, com centro opaco . É apropriada para reprodução em branco e preto , e podem-se obter, com ela, efeitos especiais sob certas condições de luz. A cinza pode empregar-se para branco e preto ou para cores. </li></ul>
  29. 30. A escolha da retícula <ul><li>Quanto mais liso for o papel a empregar, tanto mais fina pode ser a retícula e menos se destaca no impresso. Quanto mais áspero for o papel e menos uniforme sua superfície, tanto mais grossa deve ser a retícula escolhida , para não causar borrões ou claros no impresso. </li></ul><ul><li>Há certos papéis duros, nos quais as autotipias, apesar de suficiente altura dos pontos, deixam impressões fracas, em conseqüência de a retícula ser fina em demasia, em relação ao papel. Nem sempre a retícula fina é, por isso, a mais própria . Muitas vezes retículas grossas serão mais favoráveis e convenientes à natureza do papel e às condições mecânicas. </li></ul>
  30. 31. Retículas para cor <ul><li>Para trabalhos de cor, a retícula mais usada é a de vidro, pois esta pode se movimentar em diversas inclinações. Para se fazer uma reprodução a quatro cores, usa-se a retícula de cristal e se faz girar ligeiramente para cada cor que se vai reproduzir, de forma que os pontos da trama de diferentes cores não cobrirão diretamente a outra cor. As inclinações da retícula são as seguintes: amarelo 0°, vermelho 15°, preto 45°, azul 75° . Com essas cores obtêm-se resultados muito bons de reprodução. Uma perfeita reprodução, porém, exige mais duas cores , a rosa e o azul claro; nesses casos, usam-se as seguintes inclinações: amarelo 0°, rosa 75° (inclinação de azul), azul claro 15° (inclinação de vermelho), vermelho 15°, azul 75° e preto 45°. </li></ul>
  31. 32. Uso da retícula para a cor
  32. 33. Retícula na foto <ul><li>Retícula de 40 linhas por centímetro quadrado aplicada em foto de jornal. </li></ul>
  33. 35. Efeito moiré (moarê) <ul><li>Originais já reticulados não são próprios para reproduzir, tendo em conta a necessidade técnica de sobrepor-lhe nova retícula para poder copiá-la. A dificuldade de se ajustar a retícula da máquina com a retícula já existente no original ocasiona, quase sempre, o fenômeno conhecido como &quot;moirée&quot;, pontos cruziformes ou outras figuras geométricas que se manifestam pela impressão de uma retícula sobre a outra na mesma inclinação. </li></ul>
  34. 36. Provas de impressão <ul><li>Havendo modelos coloridos, necessitam-se duas, três, quatro ou mais cores para sua reprodução fiel, conforme a composição das cores do original. Cada uma das cores básicas requer, neste caso, uma impressão. Para a reprodução de qualquer original em cores naturais necessita-se, teoricamente, das três cores básicas do método subtrativo: amarelo, magenta e cian, de cuja mistura, em proporções convenientes, resultam todas as tonalidades imagináveis até o negro, Pela combinação e mistura das três cores básicas consegue-se a representação de quase todas as tonalidades. </li></ul>
  35. 37. Quadricromia: CMYK <ul><li>A quarta cor, geralmente necessária na prática da impressão de policromias, é o preto. Serve para representar as tonalidades cinzentas neutras, para acentuar as sombras e intensificar os contrastes; e também para áreas negras, nas quais as três cores básicas sobrepostas não dariam suficiente intensidade. Também o efeito colorido da policromia baseia-se numa ilusão ótica. Na realidade, a tricromia só consiste em pontinhos nas três cores básicas: amarelo, magenta e cian. Pela maior ou menor densidade na distribuição, e vistos de certa distância, apresentam à vista humana o quadro colorido. </li></ul>
  36. 38. Chapas <ul><li>Para se reproduzir uma ilustração colorida, é feita uma quadricromia ou policromia, que é um conjunto de quatro gravuras (chapas ou clichês) que imprimem com as cores selecionadas: cian, amarelo, magenta e preto. </li></ul>
  37. 39. Provas de ensaio ou prova progressiva <ul><li>Para se certificar que a impressão destas quatro cores superpostas irá coincidir exatamente com as cores do original, o gravador imprime um jogo de provas, chamadas provas de ensaio. </li></ul><ul><li>São oito provas ordenadas, começando com uma prova do cian, outra do amarelo, seguida de uma primeira prova de conjunto (azul e amarelo) para conferir o resultado, e assim sucessivamente, até chegar às quatro cores da quadricromia. </li></ul>
  38. 40. Prova do cian Prova do amarelo Prova de gama do verde Prova do magenta Prova de gama do vermelho (amarelo + magenta) Prova de gama da tricromia Prova do preto Prova da quadricromia
  39. 41. Monocromia, bicromia, duplex etc <ul><li>Uma cor - Impressão com uma só cor, podendo ser com tipos ou qualquer espécie de clichê. </li></ul>
  40. 42. Duas cores <ul><li>Duas cores - Duas impressões em cores separadas, com tipos ou qualquer espécie de clichê. Pode-se superpor uma cor quando for chapada. </li></ul>
  41. 43. Policromia, duplex etc <ul><li>Três, quatro ou mais cores - O mesmo princípio de duas cores com acréscimo das demais. </li></ul><ul><li>Duplex - Duas impressões com cores afins, sendo uma suave, chapada, servindo de fundo; a outra forte, reticulada, impressa sobre este fundo. O &quot;duplex&quot; deve dar o efeito de uma só cor. </li></ul><ul><li>Bicromia - Duas impressões com escolha livre de cores. Nesta técnica, a separação das cores é feita pelo processo de seleção fotográfica, exigindo clichês reticulados. Com duas cores superpostas, se obtêm três cores com todas as suas tonalidades. </li></ul>
  42. 44. Cálculo de folhas de papel para uma tiragem - 1 <ul><li>Calcule a dimensão da folha de impressão </li></ul><ul><li>Calcule a dimensão da página da publicação </li></ul><ul><li>Divida altura da página pela altura da folha </li></ul><ul><li>Divida a largura da página pela altura da folha </li></ul><ul><li>Multiplique o resultado (número inteiro) pelos dois resultados e multiplique por 2 (frente e verso) </li></ul>
  43. 45. <ul><li>Divida o número de páginas da publicação (sempre múltiplo de quatro) pelo número de páginas por folha. O resultado é o número de folhas necessários para montar todas as páginas da publicação. </li></ul><ul><li>Multiplique o número de folhas pela tiragem. </li></ul><ul><li>O resultado é o número de folhas necessárias. </li></ul><ul><li>Se você dividir por 500, descobrirá o número de resmas necessárias para publicar. </li></ul>Cálculo de folhas de papel para uma tiragem - 2
  44. 46. Próxima aula: oficina de page maker Aula teórica do dia 22/4: Breve histórico da diagramação no Brasil

×