Escolha de um problema de pesquisa

279 visualizações

Publicada em

Considerações a respeito do processo de orientação de um novo pesquisador para selecionar um bom problema de pesquisa.

Publicada em: Ciências
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
279
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
6
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Escolha de um problema de pesquisa

  1. 1. Do que voce gosta na ciência? Do que voce gosta na vida fora da ciência? Que momento(s) te levou a se tornar cientista? Qual trabalho científico voce admira?
  2. 2. A premissa deste ensaio é que uma discussão mais completa do nosso tema, incluindo os seus aspectos subjetivos e emocionais, pode enriquecer a nossa ciência, e nosso bem-estar. Uma boa escolha significa que você pode competentemente descobrir novos conhecimentos que você achara fascinantes e que permitirao a auto- expressão.
  3. 3. Escolher um problema eh um ato de carinho Um laboratório é um ambiente de carinho que visa maximizar o potencial dos alunos como cientistas e como seres humanos
  4. 4. Figure 1 The Feasibility-Interest Diagram for Choosing a Project Two axes for choosing scientific problems: feasibility and interest. Uri Alon How To Choose a Good Scientific Problem Molecular Cell, Volume 35, Issue 6, 2009, 726 - 728 http://dx.doi.org/10.1016/j.molcel.2009.09.013
  5. 5. Usar o princípio de Pareto da teoria da otimização. Se o problema A é melhor em ambos os eixos do que o problema B, pode-se apagar B do diagrama. Aplicando este critério para todos os problemas, fica-se apenas com os problemas claramente melhores = situam-se no PARETO FRONT Não há problemas situados em ambos os eixos: viabilidade e interesse.
  6. 6. O primeiro eixo é o da viabilidade: - se um problema é difícil ou fácil, em unidades como o tempo esperado para concluir o projeto. - Este eixo é uma função das capacidades dos pesquisadores e da tecnologia no laboratório. - É importante lembrar que os problemas que são fáceis no papel são muitas vezes difíceis na realidade, e que os problemas que são difíceis no papel são quase impossíveis em realidade.
  7. 7. O segundo eixo é o Interesse: - o aumento do conhecimento esperado do projeto. - Em geral, a ciência valoriza as aventuras profundas em águas desconhecidas. - Os problemas podem ser classificados em termos de distância das margens conhecidas, pelo montante em que aumentam o conhecimento verificável.
  8. 8. Não Tenha Pressa Um erro comum e escolher o primeiro problema que vem à mente. Um projeto típico leva anos. Escolha rápida leva a muita frustração e amargura na nossa profissão. Leva tempo para encontrar um bom problema, e cada semana passada em escolher pode poupar meses ou anos mais tarde.
  9. 9. A subjetividade do eixo Interesse Interesse do departamento X Interesse do pesquisador Ouvir a voz interior: “Se eu fosse a única pessoa do mundo, qual desses problemas eu pesquisaria?” Quais são as perguntas que voltam `a sua mente por varias vezes, por vários meses? Como você se sente ao descrever cada projeto a outra pessoa? Na ciência, quanto mais interessado você estiver no problema, maior a probabilidade de você vir a interessar o seu público.
  10. 10. Auto-expressão Qual é a essência da voz interior? Os projetos que um determinado pesquisador acha interessantes são uma expressão de um filtro pessoal, de uma forma de perceber o mundo. Este filtro está associado a um conjunto de valores: as crenças do que é bom, belo e verdadeiro versus o que é ruim, feio e falso.
  11. 11. Figure 2 The Objective and Nurturing Schemas of Research The nurturing schema includes “the cloud”—a period of time in which basic assumptions break down. Compreender os desvios de rota comuns nos projetos de pesquisa.
  12. 12. Navegar continuamente no desconhecido aumenta a nossa coragem. Deparar-se com aspectos diferentes dos esperados, normalmente mais ricos e estranhos, requer uma mente aberta incomum.
  13. 13. http://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S1097276509006418

×