SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 7
Baixar para ler offline
1    Projeto de pesquisa: o que é e como se faz




    PROJETO DE PESQUISA: O QUE É E COMO SE FAZ

                                                                                   Ronaldo Martins

                            projeto. 1. Idéia que se forma de executar ou realizar algo, no futuro;
                            plano, intento, desígnio. 2. Empreendimento a ser realizado dentro de
                            determinado esquema: projeto administrativo; projetos educacionais. 3.
                            Redação ou esboço preparatório ou provisório de um texto: projeto de
                            estatuto; projeto de tese. 4. Esboço ou risco de obra a se realizar; plano:
                            projeto de cenário. (FERREIRA, A. B. H. Novo Aurélio. Rio de Janeiro: Nova
                            Fronteira, 1992).




            Como indica o próprio dicionário, projeto é um plano, uma projeção, um olhar que se
    debruça sobre o que está por vir, uma carta de intenções, a proposição de um esquema, de
    um roteiro que se pretende seguir para que seja atingido um determinado fim. É uma
    tentativa de antecipar e planejar o futuro, de organizá-lo e controlá-lo. É utilizado como
    estratégia para assegurar que as intervenções (futuras) sejam bem-sucedidas, na medida em
    que permite a consideração, cuidadosa, de todas as variáveis que poderão interferir na
    execução de uma determinada tarefa. Ações previamente projetadas, planejadas, tendem a
    ser mais suscetíveis ao sucesso, porque terão sido convenientemente ensaiadas. Não seremos
    pegos de surpresa pelas eventualidades; estaremos preparados.
            Projetos há de todos os tipos. Na medida em que todo planejamento acaba
    redundando em um projeto, haverá projetos de pesquisa, de desenvolvimento, de
    intervenção pedagógica, de ação social, etc. Neste texto será explorado apenas um tipo de
    projeto: o projeto de pesquisa.
             Todo projeto de pesquisa tem, por objetivo, descobrir alguma coisa. Neste sentido,
    os projetos de pesquisa diferem, por exemplo, dos projetos de desenvolvimento, que têm por
    finalidade inventar (criar) alguma coisa, ou dos projetos de intervenção social, que têm por
    finalidade operar algum tipo de transformação na comunidade abordada. O projeto de
    pesquisa é elaborado, portanto, por aquele que está na posição de quem ainda não sabe e
    que deseja descobrir. O sujeito do projeto de pesquisa é, sobretudo, o curioso, que quer
    descobrir regularidades, encontrar explicações, testar hipóteses, experimentar alternativas.
    Como subproduto de sua pesquisa, pode até mesmo chegar a desenvolver alguma coisa; mas
    seu objetivo principal é apenas construir o próprio conhecimento. Os demais projetos estão
    primariamente interessados na possibilidade de aplicação do conhecimento, de criação de um
    produto, de construção de uma técnica. Podem, evidentemente, produzir, como efeito
    colateral, um novo conhecimento, mas seu objetivo é mais prático, mais imediato, mais
    material. Os outros projetos não são elaborados por quem ainda não sabe, mas por quem já
    sabe e quer, agora, aplicar (praticar) o saber.
             Considere, por exemplo, o problema da poluição dos rios. Um projeto de pesquisa
    pode querer descobrir, entre outros, a causa dessa poluição, os efeitos dessa poluição, as
    características dessa poluição, etc. Um projeto de desenvolvimento sobre o mesmo tema
    teria finalidades mais práticas: tentaria resolver o problema da poluição aplicando essa ou
    aquela técnica específica. Obviamente, há uma intensa relação entre pesquisa e
    desenvolvimento. Sem pesquisa prévia, não haverá desenvolvimento algum (como tratar a
    poluição se não conhecemos suas causas?); sem a perspectiva de desenvolvimento, a pesquisa
    pode não ter nenhuma utilidade (de que adianta saber que a causa da poluição é o próprio
    homem se o homem não pode ser objeto de um projeto de desenvolvimento - à exceção,
2    Projeto de pesquisa: o que é e como se faz


    evidentemente, dos projetos de natureza educacional - ?). Veja, portanto, que as fronteiras
    entre pesquisa e desenvolvimento são, na maior parte das vezes, artificiais, porque um não
    resistirá sem o outro. Mas adotemos, por ora, essa distinção, para fins puramente didáticos.


    Como se faz um projeto?

            Um projeto não começa pelo texto. O texto é apenas o resultado de um longo
    processo de análise e reflexão. Antes de começar a redigir o projeto, procure seguir os passos
    que são apresentados abaixo.


    Primeiro passo: encontrar um problema


            Para se fazer um projeto, é preciso, em primeiro lugar, encontrar um problema. Se
    não houver nenhum problema a resolver, não haverá por que elaborarmos um projeto. A
    intervenção no futuro somente se justifica pela existência de um problema no presente.
            O problema será sempre uma pergunta, uma interrogação, cuja resposta constituirá o
    objetivo do projeto. Há, neste sentido, dois tipos de problema: os que comportam apenas
    uma de duas respostas (sim ou não), e os que comportam muitas respostas: a), b), c), d), e),
    etc. Os problemas do primeiro tipo são mais recomendáveis para trabalhos de conclusão de
    curso e pesquisas de iniciação científica; os de segundo tipo são consideravelmente mais
    complexos, e merecem ser evitados por pesquisadores iniciantes.
           Veja um exemplo:



                           Problema do primeiro tipo (duas respostas):
                                  As mulheres falam mais que os homens?
                                         ( ) sim        ( ) não

                           Problema do segundo tipo (mais de duas respostas):
                                 Quem fala mais?
                                         ( ) as crianças de ambos os sexos
                                         ( ) os adolescentes do sexo masculino
                                         ( ) os adolescentes do sexo feminino
                                         ( ) homens adultos do sexo masculino
                                         ( ) etc.




       Cuidado! Não confunda problema com tema. O problema é uma pergunta, o tema é

    !  apenas uma palavra ou expressão. No caso acima, veja que o tema seria "linguagem e
       sexo" ou algo parecido. O problema deve ser formulado como uma oração interrogativa,
    com sujeito e predicado.

           Tema = linguagem e sexo
           Problema = As mulheres falam mais que os homens?
3    Projeto de pesquisa: o que é e como se faz


    Segundo passo: justificar o problema


            Todo projeto será apoiado/financiado por alguém, a quem será preciso convencer da
    pertinência/relevância do projeto. Ora submetemos projetos a agências de fomento, públicas
    ou privadas, para obtenção de bolsas e recursos; ora submetemos a instituições de ensino e
    pesquisa, para ingresso em cursos de pós-graduação ou para o desenvolvimento de trabalhos
    de maior fôlego, como as monografias de conclusão de curso. Em todos os casos, os projetos
    passam por uma avaliação. Só são desenvolvidos os projetos aprovados, e por isso é
    importante que o projeto seja persuasivo e convincente, ou seja, que justifique sua própria
    existência. É preciso, pois, apresentar a nosso interlocutor os benefícios advindos da
    realização da proposta. Os benefícios podem ser sociais, caso haja repercussões comunitárias
    positivas advindas do desenvolvimento da pesquisa, com conclusões que possam ser
    mobilizadas por outros projetos que acarretem transformações sociais relevantes; e os
    benefícios podem ser teóricos, caso o projeto, que pode envolver áreas mais próximas da
    pesquisa básica, venha a subsidiar outros trabalhos e outras investigações, contribuindo para
    o avanço da ciência.




                        Tema = linguagem e sexo
                        Problema = As mulheres falam mais que os homens?
                        Justificativas sociais: as conclusões da pesquisa podem
                        contribuir para a reorganização dos papéis sociais de
                        homens e mulheres.
                        Justificativas teóricas: as conclusões da pesquisa podem
                        auxiliar para a caracterização dos mecanismos de
                        funcionamento da linguagem humana.




    Terceiro passo: delimitar o problema


             Verificado o problema, é preciso saturá-lo, ou seja, preencher todas as lacunas
    necessárias para que o problema possa ser estudado de uma perspectiva científica. É
    importante observar que nem todos os problemas estão "prontos" para a investigação
    científica. É preciso eliminar, da formulação do problema, as ambigüidades, as imprecisões,
    os pontos vagos e os sujeitos à controvérsia. Esta parte da pesquisa é normalmente conhecida
    como delimitação do problema. Para delimitar um problema, procure torná-lo o mais
    específico possível.
            No exemplo acima, observe que o problema está ainda muito vago. O que é, por
    exemplo, "falar mais" no enunciado da questão? É usar mais palavras para dizer as mesmas
    coisas? É falar por mais tempo numa mesma situação de fala? É falar mais durante todo o dia,
    independentemente da situação de fala? O que é "falar mais" e como se avalia isso? Observe
    que as ambigüidades permeiam toda a formulação. Fala-se, por exemplo, em "crianças",
    "adolescentes", "adultos". Quando termina a infância e começa a adolescência, e quando
    termina a adolescência e começa a vida adulta? Um indivíduo de 11 anos seria definido como
    "criança" ou como "adolescente"? E um de 18 anos? Para que o problema possa ser investigado
    é preciso que seja reformulado de forma a evitar todos esses problemas.
4    Projeto de pesquisa: o que é e como se faz




            Problema original: As mulheres falam mais que os homens?

             Problema delimitado: Dada uma mesma situação de fala, as mulheres de 20 anos
            usam mais ou menos palavras que os homens de mesma idade?


    Quarto passo: formular a(s) hipótese(s)


            Delimitado o problema, é preciso estudá-lo. Saber o que já se disse a respeito do
    assunto, que soluções já foram propostas para sua resolução. É importante não reinventar a
    roda. A ciência avança, principalmente, porque os cientistas e pesquisadores aproveitam os
    dados de pesquisa uns dos outros. Sem o estudo do problema – e a leitura da literatura
    específica – as hipóteses correm o risco de ser muito ingênuas, e de desconsiderar variáveis
    que serão muito importantes no processo de solução. Esta parte da elaboração do projeto é
    árdua: envolve disciplina, o enfrentamento de textos difíceis (alguns em língua estrangeira),
    entrevistas com profissionais da área, freqüência a congressos e eventos científicos (onde os
    resultados das pesquisas são expostos), etc. Depois de todo esse esforço de revisão
    bibliográfica, chega-se então a uma provável explicação (solução) para o problema. Essa
    explicação (ou solução) é a hipótese. A hipótese é, pois, uma tentativa de resposta para a
    pergunta anunciada no problema. Mas cuidado: pode ser que não haja apenas uma hipótese,
    mas várias hipóteses diferentes. Neste caso, será preciso delimitar melhor o problema, para
    que se possa investigar uma hipótese de cada vez.


             Problema: Dada uma mesma situação de fala, as mulheres de 20 anos usam mais ou
            menos palavras que os homens de mesma idade?
             Hipótese 1: Sim, as mulheres usam mais palavras que os homens.
             Hipótese 2: Não, as mulheres não usam mais palavras que os homens.
             Hipótese 3: Não, mulheres e homens não se diferenciam pelo número de palavras
            empregadas em uma mesma situação de fala.


    Quinto passo: definir dos objetivos


             Definida a hipótese (ou conjunto de hipóteses), cabe definir o que pode efetivamente
    ser investigado. O recenseamento das hipóteses permitirá percebermos que os problemas, em
    geral, são muito complexos, e envolvem inúmeras variáveis intervenientes. Normalmente, não
    teremos condições de testar e controlar todas as variáveis, nem tempo suficiente para
    resolvermos toda a questão. Será importante, pois, restringir o problema original a algo que
    possa ser realmente explorado. Se nosso problema admite várias hipóteses, será o caso de
    determinarmos com quais delas trabalharemos, já que muito dificilmente poderemos
    trabalhar com todas ao mesmo tempo. Nesta etapa, definimos os objetivos do projeto, aonde
    queremos chegar. É importante observar que os projetos, em regra, têm dois tipos de
    objetivos: os objetivos específicos, de curto prazo, que são aqueles que podem ser
    alcançados durante o tempo de duração do projeto (normalmente 12 meses), e os objetivos
    gerais, de longo prazo, que são aqueles alcançáveis em um tempo maior, e que dependem
    geralmente de outras iniciativas além do projeto propriamente dito.


            Problema: Dada uma mesma situação de fala, as mulheres de 20 anos usam mais ou
            menos palavras que os homens de mesma idade?
            Objetivo específico: Determinar se, em uma mesma sala de aula de um mesmo curso
            universitário de graduação, e numa mesma atividade de paráfrase textual, as alunas
            de 20 alunos usam mais ou menos palavras que os homens de mesma faixa etária.
            Objetivo geral: Investigar se o sexo interfere ou não no comportamento lingüístico.
5    Projeto de pesquisa: o que é e como se faz



    Sexto passo: definir a metodologia


            Definidos os objetivos, será preciso traçar o caminho necessário e suficiente para
    alcançá-los. O que faremos para atingir os objetivos indicados na proposta? Devemos aqui ser
    bastante minuciosos, e indicar cada um dos elementos de processo de verificação: quem
    serão os sujeitos, quais serão os instrumentos, quais serão os procedimentos (e em que ordem
    serão aplicados), quais são os resultados que esperamos obter, como avaliaremos esses
    resultados. A metodologia é uma parte muito importante nesse processo de planejamento,
    porque ela definirá o tempo de duração do projeto (o cronograma) e seu orçamento (o custo).
         É importante observar que, a depender dos objetivos, há vários caminhos (= métodos)
    disponíveis. Nossa pesquisa pode envolver trabalho com humanos (entrevistas, testes,
    experimentos, etc), pode envolver trabalho com animais, pode envolver trabalho com
    materiais, pode envolver tão-somente trabalho bibliográfico, de pesquisa e análise de textos.
    Em cada caso, serão diferentes os caminhos propostos.
          Quando a pesquisa envolve trabalho com humanos ou animais, é necessário que o
    projeto seja aprovado por um comitê de ética em pesquisa vinculado à instituição em que o
    projeto será executado; nos demais casos, a aprovação do comitê de ética é dispensável, a
    menos que o projeto preveja uso de materiais controlados (como urânio enriquecido, por
    exemplo).
          Sempre que o projeto envolver trabalho com humanos, haverá o que chamamos de
    "pesquisa de campo". Ou seja, o pesquisador passará parte de sua pesquisa fora de seu
    gabinete de trabalho, entrevistando, testando ou simplesmente observando seus informantes.
    Projetos desta natureza precisarão especificar qual é a população com que se vai trabalhar,
    como será feita a amostragem dos informantes, qual é a constituição dessa amostra de
    sujeitos, que instrumentos serão utilizados para abordar essa comunidade, e quais serão os
    procedimentos adotados. Projetos de pesquisa estritamente bibliográfica - como ocorre, por
    exemplo, no caso de literatura (a menos, é claro, que se queira colher depoimentos de
    autores e leitores a respeito de uma obra) - não envolvem nenhuma pesquisa de campo, e
    dispensam pois a indicação dos sujeitos informantes.
         Qualquer que seja o caso, os projetos devem estabelecer quais serão os procedimentos
    (os passos) da pesquisa, quais são os resultados esperados e como os resultados alcançados
    serão avaliados. Também será importante distribuir as tarefas no eixo do tempo e, em caso
    de projetos submetidos para financiamento externo, será imprescindível informar também o
    orçamento estimado e, quase sempre, também o cronograma de desembolso orçamentário.


    Sétimo passo: fazer os cálculos e previsões de tempo e gastos


            Escolhido o método, caberá agora estudar seus efeitos sobre o desenvolvimento do
    projeto: de quanto tempo precisaremos para executar o planejado? De quanto dinheiro
    precisaremos? Em uma situação ideal, essas questões seriam subsidiárias, e conseqüência da
    etapa anterior. No entanto, na vida real dos pesquisadores, sabemos que esses horizontes (de
    tempo e dinheiro) são definidos antes mesmo de se começar a pensar sobre o problema, de
    forma que será sempre uma estratégia prudente procurarmos por problemas (e soluções) que,
    por antecipação, possam caber no nosso calendário e no nosso orçamento. Evidentemente, os
    valores absolutos (e os cálculos detalhados) somente poderão ser feitos depois de definida a
    metodologia, mas é importante estar preparado para revisões, cortes, enfim, para o diálogo
    entre essas várias etapas do projeto que acabarão interferindo umas nas outras.
6    Projeto de pesquisa: o que é e como se faz


    Oitavo passo: redigir o projeto


            Se você chegou até aqui cumprindo todas as etapas anteriores, resta-lhe agora a parte
    mais simples de todo o processo: a textualização dessas idéias, ou seja, a transformação
    dessas idéias em texto. Para isso, segue-se um roteiro rápido de como o projeto deve ser
    apresentado e do que deve conter cada uma de suas seções:

        1.   Capa, segundo o modelo disponível no Manual de Apresentação dos Trabalhos
             Acadêmicos

        2.   Folha de rosto, segundo o modelo disponível no Manual de Apresentação dos
             Trabalhos Acadêmicos

        3.   Sumário, segundo o modelo disponível no Manual de Apresentação dos Trabalhos
             Acadêmicos

        4.    Introdução: trata-se de uma seção em que você responde a várias perguntas (de
             forma articulada, formando um texto):

                a.   Qual é o problema que será investigado neste projeto?

                b.   Por que vale a pena investigar esse problema? Será que os outros
                     pesquisadores não encontraram respostas satisfatórias? O problema, apesar do
                     que já se disse (e já se fez) sobre ele, continua um problema, à espera de
                     solução? Que benefícios a realização do projeto trará para a ciência e para a
                     sociedade? Qual é a importância deste projeto?

        5.   Revisão bibliográfica: trata-se de uma seção em que você faz uma resenha técnica de
             textos sobre o problema eleito. O objetivo principal desta seção é responder à
             seguinte pergunta:

                O que é que já se disse sobre esse problema? O que os outros pesquisadores
                (antes de mim) descobriram sobre esse problema?

                Esta parte do texto é que a prova ao interlocutor que você conhece bastante o
                problema que se propõe a investigar, por isso é uma das mais estratégicas do
                texto. Quanto mais referências forem mobilizadas, tanto mais chances o projeto
                terá de ser aprovado. Efetua-se, nesta parte, também a delimitação do problema,
                com a saturação de suas lacunas, e a resolução de suas imprecisões e
                ambigüidades

        6.   Objetivos: nesta seção, que deverá estar estruturada em objetivos gerais e
             específicos, responde a basicamente duas perguntas:

                a.   Objetivos específicos: Quais são os objetivos deste projeto em curto prazo? O
                     que se poderá descobrir durante o tempo de duração do projeto?

                b.   Objetivos gerais: Quais são os objetivos deste projeto em longo prazo? O que
                     este projeto poderá ajudar a descobrir mais adiante?

        7.   Metodologia: Como já indicado, esta seção estará subdividida em vários subitens, a
             saber:

                a.   Sujeitos: caso o projeto preveja a participação de humanos, qual será a
                     população participante? Como será composta a amostra? Por quê?

                b.   Instrumentos: Quais serão as ferramentas que eu utilizarei para desenvolver o
                     meu projeto? Por quê?
7    Projeto de pesquisa: o que é e como se faz



               c.       Procedimentos: Como é que eu vou aplicar o meu projeto (passo a passo,
                        etapa a etapa)? Eu vou fazer o que em primeiro lugar? E depois? E em seguida?

               d.       Resultados Esperados: Que tipo de resultado concreto eu vou obter depois
                        que meu projeto for executado? Eu espero que a hipótese a ser testada seja
                        verdadeira ou falsa? Por quê?

               e.       Avaliação: Como será feita a avaliação dos resultados? Por quê?

       8.   Cronograma. Trata-se da distribuição dos procedimentos (indicados na metodologia)
            no eixo do tempo. É uma tabela na forma seguinte (e isto é apenas um exemplo):

                                                        BIMESTRES
              TAREFAS
                                 01         02         03       04         05          06
                    1
                    2
                    3
                    4
                    5

                        1–   Revisão Bibliográfica
                        2-   Preparação do experimento
                        3-   Aplicação do experimento
                        4–   Análise e interpretação dos dados
                        5–   Redação do relatório

       9.   Custos. Nesta seção você deve discriminar o orçamento para o projeto (indique
            sempre as quantidades, o custo unitário e o custo total). Procure separar os custos em
            quatro seções:

               a.       Material permanente (o que fica depois de               encerrado   o   projeto:
                        computadores, impressoras, móveis, livros, etc.)

               b.       Material de consumo (o que é consumido durante a execução do projeto:
                        tinta, papel, cópias, etc.)

               c.       Recursos humanos (o pagamento dos pesquisadores e assessores técnicos
                        necessários – inclusive com a indicação de viagens, diárias, etc.)

               d.       Infra-estrutura (se você precisar de alguma instalação para a execução do
                        projeto: sala, telefone, etc.)

       10. Referências bibliográficas. Informe aqui os livros que você citou dentro do projeto.



    Nono passo: revisar o projeto


            Não se esqueça de seu projeto será avaliado por terceiros. Da qualidade dele
    depende sua aprovação e a liberação da verba. Tenha cuidado, portanto. Não entregue seu
    texto sem fazer previamente uma boa revisão.

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a Projeto de pesquisa: o que é e como se faz

A importância de trabalhar com projetos
A importância de trabalhar com projetosA importância de trabalhar com projetos
A importância de trabalhar com projetosdalvabambil
 
Trabalhando Com Projeto
Trabalhando Com ProjetoTrabalhando Com Projeto
Trabalhando Com Projetoguest62ad7b
 
Como elaborar um projeto de pesquisa
Como elaborar um projeto de pesquisaComo elaborar um projeto de pesquisa
Como elaborar um projeto de pesquisaDeborah Cattani
 
ApresentaçãO Projeto Vivencial (Valdinei Marcolla)
ApresentaçãO Projeto Vivencial (Valdinei Marcolla)ApresentaçãO Projeto Vivencial (Valdinei Marcolla)
ApresentaçãO Projeto Vivencial (Valdinei Marcolla)gueste72bc2
 
A Biblioteca Escolar e o Trabalho de Projecto
A Biblioteca Escolar e o Trabalho de ProjectoA Biblioteca Escolar e o Trabalho de Projecto
A Biblioteca Escolar e o Trabalho de ProjectoCarlos Pinheiro
 
Gestar 7 Trabalhando Com Projeto
Gestar 7 Trabalhando Com ProjetoGestar 7 Trabalhando Com Projeto
Gestar 7 Trabalhando Com Projetojany clea
 
Gestar 7 Trabalhando Com Projeto
Gestar 7 Trabalhando Com ProjetoGestar 7 Trabalhando Com Projeto
Gestar 7 Trabalhando Com ProjetoMDLSOUZA
 
Apostila do curso de elaboracao de projetos
Apostila do curso de elaboracao de projetosApostila do curso de elaboracao de projetos
Apostila do curso de elaboracao de projetoscleomario7
 
Apostila do curso de elaboracao de projetos
Apostila do curso de elaboracao de projetosApostila do curso de elaboracao de projetos
Apostila do curso de elaboracao de projetoscleomario7
 
2º encontro presencial
2º encontro presencial2º encontro presencial
2º encontro presencialanamariadis
 
Passos da pesquisa.ppt
Passos da pesquisa.pptPassos da pesquisa.ppt
Passos da pesquisa.pptLucovolan
 
Temas ENEM, Dicas de redação.
Temas ENEM, Dicas de redação.Temas ENEM, Dicas de redação.
Temas ENEM, Dicas de redação.Thiago Bro
 

Semelhante a Projeto de pesquisa: o que é e como se faz (20)

Pedagogia De Projetos Curso
Pedagogia De Projetos CursoPedagogia De Projetos Curso
Pedagogia De Projetos Curso
 
Elaboração de projetos
Elaboração de projetosElaboração de projetos
Elaboração de projetos
 
A importância de trabalhar com projetos
A importância de trabalhar com projetosA importância de trabalhar com projetos
A importância de trabalhar com projetos
 
Ma G Mic 17 03 2010
Ma G Mic 17 03 2010Ma G Mic 17 03 2010
Ma G Mic 17 03 2010
 
Trabalhando Com Projeto
Trabalhando Com ProjetoTrabalhando Com Projeto
Trabalhando Com Projeto
 
Como elaborar um projeto de pesquisa
Como elaborar um projeto de pesquisaComo elaborar um projeto de pesquisa
Como elaborar um projeto de pesquisa
 
ApresentaçãO Projeto Vivencial (Valdinei Marcolla)
ApresentaçãO Projeto Vivencial (Valdinei Marcolla)ApresentaçãO Projeto Vivencial (Valdinei Marcolla)
ApresentaçãO Projeto Vivencial (Valdinei Marcolla)
 
A Biblioteca Escolar e o Trabalho de Projecto
A Biblioteca Escolar e o Trabalho de ProjectoA Biblioteca Escolar e o Trabalho de Projecto
A Biblioteca Escolar e o Trabalho de Projecto
 
O que e projeto
O que e projetoO que e projeto
O que e projeto
 
Gestar 7 Trabalhando Com Projeto
Gestar 7 Trabalhando Com ProjetoGestar 7 Trabalhando Com Projeto
Gestar 7 Trabalhando Com Projeto
 
Gestar 7 Trabalhando Com Projeto
Gestar 7 Trabalhando Com ProjetoGestar 7 Trabalhando Com Projeto
Gestar 7 Trabalhando Com Projeto
 
Apostila do curso de elaboracao de projetos
Apostila do curso de elaboracao de projetosApostila do curso de elaboracao de projetos
Apostila do curso de elaboracao de projetos
 
Apostila do curso de elaboracao de projetos
Apostila do curso de elaboracao de projetosApostila do curso de elaboracao de projetos
Apostila do curso de elaboracao de projetos
 
Dissertação Cientifica
Dissertação CientificaDissertação Cientifica
Dissertação Cientifica
 
2º encontro presencial
2º encontro presencial2º encontro presencial
2º encontro presencial
 
Unidade 2
Unidade 2Unidade 2
Unidade 2
 
Apresentação p as salvador do sul
Apresentação p as salvador do sulApresentação p as salvador do sul
Apresentação p as salvador do sul
 
Tema 3a
Tema 3aTema 3a
Tema 3a
 
Passos da pesquisa.ppt
Passos da pesquisa.pptPassos da pesquisa.ppt
Passos da pesquisa.ppt
 
Temas ENEM, Dicas de redação.
Temas ENEM, Dicas de redação.Temas ENEM, Dicas de redação.
Temas ENEM, Dicas de redação.
 

Mais de José Antonio Ferreira da Silva

Producao de texto_no_enem_pre_requisitos_e_temas_possiveis
Producao de texto_no_enem_pre_requisitos_e_temas_possiveisProducao de texto_no_enem_pre_requisitos_e_temas_possiveis
Producao de texto_no_enem_pre_requisitos_e_temas_possiveisJosé Antonio Ferreira da Silva
 

Mais de José Antonio Ferreira da Silva (20)

Gêneros Textuais - Notícia.pptx
Gêneros Textuais - Notícia.pptxGêneros Textuais - Notícia.pptx
Gêneros Textuais - Notícia.pptx
 
Aulão português
Aulão   portuguêsAulão   português
Aulão português
 
Política antiga e medieval aula - 3º ano
Política antiga e medieval   aula  - 3º anoPolítica antiga e medieval   aula  - 3º ano
Política antiga e medieval aula - 3º ano
 
Variação Linguística
Variação LinguísticaVariação Linguística
Variação Linguística
 
Figuras de linguagem
Figuras de linguagemFiguras de linguagem
Figuras de linguagem
 
Bioetica
BioeticaBioetica
Bioetica
 
Modelo para análise dos poemas
Modelo para análise dos poemasModelo para análise dos poemas
Modelo para análise dos poemas
 
Como fazer um Artigo Científico
Como fazer um Artigo CientíficoComo fazer um Artigo Científico
Como fazer um Artigo Científico
 
Palestra sobre psicografia
Palestra sobre psicografiaPalestra sobre psicografia
Palestra sobre psicografia
 
Pratica livro
Pratica livroPratica livro
Pratica livro
 
Coesão
CoesãoCoesão
Coesão
 
Metodologia do ensino
Metodologia do ensinoMetodologia do ensino
Metodologia do ensino
 
Reflexões sobre a aula de português
Reflexões sobre a aula de portuguêsReflexões sobre a aula de português
Reflexões sobre a aula de português
 
Projeto de Pesquisa
Projeto de PesquisaProjeto de Pesquisa
Projeto de Pesquisa
 
Romantismo prosa
Romantismo prosaRomantismo prosa
Romantismo prosa
 
Projeto de Pesquisa - ISEP
Projeto de Pesquisa -  ISEPProjeto de Pesquisa -  ISEP
Projeto de Pesquisa - ISEP
 
Erros dissertativo argumentativo
Erros dissertativo argumentativoErros dissertativo argumentativo
Erros dissertativo argumentativo
 
A estrutura do texto dissertativo
A estrutura do texto dissertativoA estrutura do texto dissertativo
A estrutura do texto dissertativo
 
Paráfrase
ParáfraseParáfrase
Paráfrase
 
Producao de texto_no_enem_pre_requisitos_e_temas_possiveis
Producao de texto_no_enem_pre_requisitos_e_temas_possiveisProducao de texto_no_enem_pre_requisitos_e_temas_possiveis
Producao de texto_no_enem_pre_requisitos_e_temas_possiveis
 

Último

Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terraSistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terraBiblioteca UCS
 
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptxSlides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
atividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetizaçãoatividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetizaçãodanielagracia9
 
A área de ciências da religião no brasil 2023.ppsx
A área de ciências da religião no brasil  2023.ppsxA área de ciências da religião no brasil  2023.ppsx
A área de ciências da religião no brasil 2023.ppsxGilbraz Aragão
 
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxSlides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)Paula Meyer Piagentini
 
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.Paula Meyer Piagentini
 
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...nexocan937
 
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitaçãoSer Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitaçãoJayaneSales1
 
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZAAVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZAEdioFnaf
 
Projeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETO
Projeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETOProjeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETO
Projeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETODouglasVasconcelosMa
 
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxAULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxGislaineDuresCruz
 
CRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURA
CRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURACRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURA
CRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURADouglasVasconcelosMa
 
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptxPOETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptxJMTCS
 
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxSlides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.Paula Meyer Piagentini
 
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.pptTREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.pptAlineSilvaPotuk
 
Prova de Empreendedorismo com gabarito.pptx
Prova de Empreendedorismo com gabarito.pptxProva de Empreendedorismo com gabarito.pptx
Prova de Empreendedorismo com gabarito.pptxJosAurelioGoesChaves
 
As variações do uso da palavra "como" no texto
As variações do uso da palavra "como" no  textoAs variações do uso da palavra "como" no  texto
As variações do uso da palavra "como" no textoMariaPauladeSouzaTur
 
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdfO Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdfQueleLiberato
 

Último (20)

Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terraSistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
 
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptxSlides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
 
atividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetizaçãoatividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetização
 
A área de ciências da religião no brasil 2023.ppsx
A área de ciências da religião no brasil  2023.ppsxA área de ciências da religião no brasil  2023.ppsx
A área de ciências da religião no brasil 2023.ppsx
 
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxSlides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
 
Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)
 
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.
 
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
 
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitaçãoSer Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
 
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZAAVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
 
Projeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETO
Projeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETOProjeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETO
Projeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETO
 
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxAULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
 
CRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURA
CRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURACRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURA
CRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURA
 
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptxPOETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
 
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxSlides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
 
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
 
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.pptTREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
 
Prova de Empreendedorismo com gabarito.pptx
Prova de Empreendedorismo com gabarito.pptxProva de Empreendedorismo com gabarito.pptx
Prova de Empreendedorismo com gabarito.pptx
 
As variações do uso da palavra "como" no texto
As variações do uso da palavra "como" no  textoAs variações do uso da palavra "como" no  texto
As variações do uso da palavra "como" no texto
 
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdfO Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
 

Projeto de pesquisa: o que é e como se faz

  • 1. 1 Projeto de pesquisa: o que é e como se faz PROJETO DE PESQUISA: O QUE É E COMO SE FAZ Ronaldo Martins projeto. 1. Idéia que se forma de executar ou realizar algo, no futuro; plano, intento, desígnio. 2. Empreendimento a ser realizado dentro de determinado esquema: projeto administrativo; projetos educacionais. 3. Redação ou esboço preparatório ou provisório de um texto: projeto de estatuto; projeto de tese. 4. Esboço ou risco de obra a se realizar; plano: projeto de cenário. (FERREIRA, A. B. H. Novo Aurélio. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1992). Como indica o próprio dicionário, projeto é um plano, uma projeção, um olhar que se debruça sobre o que está por vir, uma carta de intenções, a proposição de um esquema, de um roteiro que se pretende seguir para que seja atingido um determinado fim. É uma tentativa de antecipar e planejar o futuro, de organizá-lo e controlá-lo. É utilizado como estratégia para assegurar que as intervenções (futuras) sejam bem-sucedidas, na medida em que permite a consideração, cuidadosa, de todas as variáveis que poderão interferir na execução de uma determinada tarefa. Ações previamente projetadas, planejadas, tendem a ser mais suscetíveis ao sucesso, porque terão sido convenientemente ensaiadas. Não seremos pegos de surpresa pelas eventualidades; estaremos preparados. Projetos há de todos os tipos. Na medida em que todo planejamento acaba redundando em um projeto, haverá projetos de pesquisa, de desenvolvimento, de intervenção pedagógica, de ação social, etc. Neste texto será explorado apenas um tipo de projeto: o projeto de pesquisa. Todo projeto de pesquisa tem, por objetivo, descobrir alguma coisa. Neste sentido, os projetos de pesquisa diferem, por exemplo, dos projetos de desenvolvimento, que têm por finalidade inventar (criar) alguma coisa, ou dos projetos de intervenção social, que têm por finalidade operar algum tipo de transformação na comunidade abordada. O projeto de pesquisa é elaborado, portanto, por aquele que está na posição de quem ainda não sabe e que deseja descobrir. O sujeito do projeto de pesquisa é, sobretudo, o curioso, que quer descobrir regularidades, encontrar explicações, testar hipóteses, experimentar alternativas. Como subproduto de sua pesquisa, pode até mesmo chegar a desenvolver alguma coisa; mas seu objetivo principal é apenas construir o próprio conhecimento. Os demais projetos estão primariamente interessados na possibilidade de aplicação do conhecimento, de criação de um produto, de construção de uma técnica. Podem, evidentemente, produzir, como efeito colateral, um novo conhecimento, mas seu objetivo é mais prático, mais imediato, mais material. Os outros projetos não são elaborados por quem ainda não sabe, mas por quem já sabe e quer, agora, aplicar (praticar) o saber. Considere, por exemplo, o problema da poluição dos rios. Um projeto de pesquisa pode querer descobrir, entre outros, a causa dessa poluição, os efeitos dessa poluição, as características dessa poluição, etc. Um projeto de desenvolvimento sobre o mesmo tema teria finalidades mais práticas: tentaria resolver o problema da poluição aplicando essa ou aquela técnica específica. Obviamente, há uma intensa relação entre pesquisa e desenvolvimento. Sem pesquisa prévia, não haverá desenvolvimento algum (como tratar a poluição se não conhecemos suas causas?); sem a perspectiva de desenvolvimento, a pesquisa pode não ter nenhuma utilidade (de que adianta saber que a causa da poluição é o próprio homem se o homem não pode ser objeto de um projeto de desenvolvimento - à exceção,
  • 2. 2 Projeto de pesquisa: o que é e como se faz evidentemente, dos projetos de natureza educacional - ?). Veja, portanto, que as fronteiras entre pesquisa e desenvolvimento são, na maior parte das vezes, artificiais, porque um não resistirá sem o outro. Mas adotemos, por ora, essa distinção, para fins puramente didáticos. Como se faz um projeto? Um projeto não começa pelo texto. O texto é apenas o resultado de um longo processo de análise e reflexão. Antes de começar a redigir o projeto, procure seguir os passos que são apresentados abaixo. Primeiro passo: encontrar um problema Para se fazer um projeto, é preciso, em primeiro lugar, encontrar um problema. Se não houver nenhum problema a resolver, não haverá por que elaborarmos um projeto. A intervenção no futuro somente se justifica pela existência de um problema no presente. O problema será sempre uma pergunta, uma interrogação, cuja resposta constituirá o objetivo do projeto. Há, neste sentido, dois tipos de problema: os que comportam apenas uma de duas respostas (sim ou não), e os que comportam muitas respostas: a), b), c), d), e), etc. Os problemas do primeiro tipo são mais recomendáveis para trabalhos de conclusão de curso e pesquisas de iniciação científica; os de segundo tipo são consideravelmente mais complexos, e merecem ser evitados por pesquisadores iniciantes. Veja um exemplo: Problema do primeiro tipo (duas respostas): As mulheres falam mais que os homens? ( ) sim ( ) não Problema do segundo tipo (mais de duas respostas): Quem fala mais? ( ) as crianças de ambos os sexos ( ) os adolescentes do sexo masculino ( ) os adolescentes do sexo feminino ( ) homens adultos do sexo masculino ( ) etc. Cuidado! Não confunda problema com tema. O problema é uma pergunta, o tema é ! apenas uma palavra ou expressão. No caso acima, veja que o tema seria "linguagem e sexo" ou algo parecido. O problema deve ser formulado como uma oração interrogativa, com sujeito e predicado. Tema = linguagem e sexo Problema = As mulheres falam mais que os homens?
  • 3. 3 Projeto de pesquisa: o que é e como se faz Segundo passo: justificar o problema Todo projeto será apoiado/financiado por alguém, a quem será preciso convencer da pertinência/relevância do projeto. Ora submetemos projetos a agências de fomento, públicas ou privadas, para obtenção de bolsas e recursos; ora submetemos a instituições de ensino e pesquisa, para ingresso em cursos de pós-graduação ou para o desenvolvimento de trabalhos de maior fôlego, como as monografias de conclusão de curso. Em todos os casos, os projetos passam por uma avaliação. Só são desenvolvidos os projetos aprovados, e por isso é importante que o projeto seja persuasivo e convincente, ou seja, que justifique sua própria existência. É preciso, pois, apresentar a nosso interlocutor os benefícios advindos da realização da proposta. Os benefícios podem ser sociais, caso haja repercussões comunitárias positivas advindas do desenvolvimento da pesquisa, com conclusões que possam ser mobilizadas por outros projetos que acarretem transformações sociais relevantes; e os benefícios podem ser teóricos, caso o projeto, que pode envolver áreas mais próximas da pesquisa básica, venha a subsidiar outros trabalhos e outras investigações, contribuindo para o avanço da ciência. Tema = linguagem e sexo Problema = As mulheres falam mais que os homens? Justificativas sociais: as conclusões da pesquisa podem contribuir para a reorganização dos papéis sociais de homens e mulheres. Justificativas teóricas: as conclusões da pesquisa podem auxiliar para a caracterização dos mecanismos de funcionamento da linguagem humana. Terceiro passo: delimitar o problema Verificado o problema, é preciso saturá-lo, ou seja, preencher todas as lacunas necessárias para que o problema possa ser estudado de uma perspectiva científica. É importante observar que nem todos os problemas estão "prontos" para a investigação científica. É preciso eliminar, da formulação do problema, as ambigüidades, as imprecisões, os pontos vagos e os sujeitos à controvérsia. Esta parte da pesquisa é normalmente conhecida como delimitação do problema. Para delimitar um problema, procure torná-lo o mais específico possível. No exemplo acima, observe que o problema está ainda muito vago. O que é, por exemplo, "falar mais" no enunciado da questão? É usar mais palavras para dizer as mesmas coisas? É falar por mais tempo numa mesma situação de fala? É falar mais durante todo o dia, independentemente da situação de fala? O que é "falar mais" e como se avalia isso? Observe que as ambigüidades permeiam toda a formulação. Fala-se, por exemplo, em "crianças", "adolescentes", "adultos". Quando termina a infância e começa a adolescência, e quando termina a adolescência e começa a vida adulta? Um indivíduo de 11 anos seria definido como "criança" ou como "adolescente"? E um de 18 anos? Para que o problema possa ser investigado é preciso que seja reformulado de forma a evitar todos esses problemas.
  • 4. 4 Projeto de pesquisa: o que é e como se faz Problema original: As mulheres falam mais que os homens? Problema delimitado: Dada uma mesma situação de fala, as mulheres de 20 anos usam mais ou menos palavras que os homens de mesma idade? Quarto passo: formular a(s) hipótese(s) Delimitado o problema, é preciso estudá-lo. Saber o que já se disse a respeito do assunto, que soluções já foram propostas para sua resolução. É importante não reinventar a roda. A ciência avança, principalmente, porque os cientistas e pesquisadores aproveitam os dados de pesquisa uns dos outros. Sem o estudo do problema – e a leitura da literatura específica – as hipóteses correm o risco de ser muito ingênuas, e de desconsiderar variáveis que serão muito importantes no processo de solução. Esta parte da elaboração do projeto é árdua: envolve disciplina, o enfrentamento de textos difíceis (alguns em língua estrangeira), entrevistas com profissionais da área, freqüência a congressos e eventos científicos (onde os resultados das pesquisas são expostos), etc. Depois de todo esse esforço de revisão bibliográfica, chega-se então a uma provável explicação (solução) para o problema. Essa explicação (ou solução) é a hipótese. A hipótese é, pois, uma tentativa de resposta para a pergunta anunciada no problema. Mas cuidado: pode ser que não haja apenas uma hipótese, mas várias hipóteses diferentes. Neste caso, será preciso delimitar melhor o problema, para que se possa investigar uma hipótese de cada vez. Problema: Dada uma mesma situação de fala, as mulheres de 20 anos usam mais ou menos palavras que os homens de mesma idade? Hipótese 1: Sim, as mulheres usam mais palavras que os homens. Hipótese 2: Não, as mulheres não usam mais palavras que os homens. Hipótese 3: Não, mulheres e homens não se diferenciam pelo número de palavras empregadas em uma mesma situação de fala. Quinto passo: definir dos objetivos Definida a hipótese (ou conjunto de hipóteses), cabe definir o que pode efetivamente ser investigado. O recenseamento das hipóteses permitirá percebermos que os problemas, em geral, são muito complexos, e envolvem inúmeras variáveis intervenientes. Normalmente, não teremos condições de testar e controlar todas as variáveis, nem tempo suficiente para resolvermos toda a questão. Será importante, pois, restringir o problema original a algo que possa ser realmente explorado. Se nosso problema admite várias hipóteses, será o caso de determinarmos com quais delas trabalharemos, já que muito dificilmente poderemos trabalhar com todas ao mesmo tempo. Nesta etapa, definimos os objetivos do projeto, aonde queremos chegar. É importante observar que os projetos, em regra, têm dois tipos de objetivos: os objetivos específicos, de curto prazo, que são aqueles que podem ser alcançados durante o tempo de duração do projeto (normalmente 12 meses), e os objetivos gerais, de longo prazo, que são aqueles alcançáveis em um tempo maior, e que dependem geralmente de outras iniciativas além do projeto propriamente dito. Problema: Dada uma mesma situação de fala, as mulheres de 20 anos usam mais ou menos palavras que os homens de mesma idade? Objetivo específico: Determinar se, em uma mesma sala de aula de um mesmo curso universitário de graduação, e numa mesma atividade de paráfrase textual, as alunas de 20 alunos usam mais ou menos palavras que os homens de mesma faixa etária. Objetivo geral: Investigar se o sexo interfere ou não no comportamento lingüístico.
  • 5. 5 Projeto de pesquisa: o que é e como se faz Sexto passo: definir a metodologia Definidos os objetivos, será preciso traçar o caminho necessário e suficiente para alcançá-los. O que faremos para atingir os objetivos indicados na proposta? Devemos aqui ser bastante minuciosos, e indicar cada um dos elementos de processo de verificação: quem serão os sujeitos, quais serão os instrumentos, quais serão os procedimentos (e em que ordem serão aplicados), quais são os resultados que esperamos obter, como avaliaremos esses resultados. A metodologia é uma parte muito importante nesse processo de planejamento, porque ela definirá o tempo de duração do projeto (o cronograma) e seu orçamento (o custo). É importante observar que, a depender dos objetivos, há vários caminhos (= métodos) disponíveis. Nossa pesquisa pode envolver trabalho com humanos (entrevistas, testes, experimentos, etc), pode envolver trabalho com animais, pode envolver trabalho com materiais, pode envolver tão-somente trabalho bibliográfico, de pesquisa e análise de textos. Em cada caso, serão diferentes os caminhos propostos. Quando a pesquisa envolve trabalho com humanos ou animais, é necessário que o projeto seja aprovado por um comitê de ética em pesquisa vinculado à instituição em que o projeto será executado; nos demais casos, a aprovação do comitê de ética é dispensável, a menos que o projeto preveja uso de materiais controlados (como urânio enriquecido, por exemplo). Sempre que o projeto envolver trabalho com humanos, haverá o que chamamos de "pesquisa de campo". Ou seja, o pesquisador passará parte de sua pesquisa fora de seu gabinete de trabalho, entrevistando, testando ou simplesmente observando seus informantes. Projetos desta natureza precisarão especificar qual é a população com que se vai trabalhar, como será feita a amostragem dos informantes, qual é a constituição dessa amostra de sujeitos, que instrumentos serão utilizados para abordar essa comunidade, e quais serão os procedimentos adotados. Projetos de pesquisa estritamente bibliográfica - como ocorre, por exemplo, no caso de literatura (a menos, é claro, que se queira colher depoimentos de autores e leitores a respeito de uma obra) - não envolvem nenhuma pesquisa de campo, e dispensam pois a indicação dos sujeitos informantes. Qualquer que seja o caso, os projetos devem estabelecer quais serão os procedimentos (os passos) da pesquisa, quais são os resultados esperados e como os resultados alcançados serão avaliados. Também será importante distribuir as tarefas no eixo do tempo e, em caso de projetos submetidos para financiamento externo, será imprescindível informar também o orçamento estimado e, quase sempre, também o cronograma de desembolso orçamentário. Sétimo passo: fazer os cálculos e previsões de tempo e gastos Escolhido o método, caberá agora estudar seus efeitos sobre o desenvolvimento do projeto: de quanto tempo precisaremos para executar o planejado? De quanto dinheiro precisaremos? Em uma situação ideal, essas questões seriam subsidiárias, e conseqüência da etapa anterior. No entanto, na vida real dos pesquisadores, sabemos que esses horizontes (de tempo e dinheiro) são definidos antes mesmo de se começar a pensar sobre o problema, de forma que será sempre uma estratégia prudente procurarmos por problemas (e soluções) que, por antecipação, possam caber no nosso calendário e no nosso orçamento. Evidentemente, os valores absolutos (e os cálculos detalhados) somente poderão ser feitos depois de definida a metodologia, mas é importante estar preparado para revisões, cortes, enfim, para o diálogo entre essas várias etapas do projeto que acabarão interferindo umas nas outras.
  • 6. 6 Projeto de pesquisa: o que é e como se faz Oitavo passo: redigir o projeto Se você chegou até aqui cumprindo todas as etapas anteriores, resta-lhe agora a parte mais simples de todo o processo: a textualização dessas idéias, ou seja, a transformação dessas idéias em texto. Para isso, segue-se um roteiro rápido de como o projeto deve ser apresentado e do que deve conter cada uma de suas seções: 1. Capa, segundo o modelo disponível no Manual de Apresentação dos Trabalhos Acadêmicos 2. Folha de rosto, segundo o modelo disponível no Manual de Apresentação dos Trabalhos Acadêmicos 3. Sumário, segundo o modelo disponível no Manual de Apresentação dos Trabalhos Acadêmicos 4. Introdução: trata-se de uma seção em que você responde a várias perguntas (de forma articulada, formando um texto): a. Qual é o problema que será investigado neste projeto? b. Por que vale a pena investigar esse problema? Será que os outros pesquisadores não encontraram respostas satisfatórias? O problema, apesar do que já se disse (e já se fez) sobre ele, continua um problema, à espera de solução? Que benefícios a realização do projeto trará para a ciência e para a sociedade? Qual é a importância deste projeto? 5. Revisão bibliográfica: trata-se de uma seção em que você faz uma resenha técnica de textos sobre o problema eleito. O objetivo principal desta seção é responder à seguinte pergunta: O que é que já se disse sobre esse problema? O que os outros pesquisadores (antes de mim) descobriram sobre esse problema? Esta parte do texto é que a prova ao interlocutor que você conhece bastante o problema que se propõe a investigar, por isso é uma das mais estratégicas do texto. Quanto mais referências forem mobilizadas, tanto mais chances o projeto terá de ser aprovado. Efetua-se, nesta parte, também a delimitação do problema, com a saturação de suas lacunas, e a resolução de suas imprecisões e ambigüidades 6. Objetivos: nesta seção, que deverá estar estruturada em objetivos gerais e específicos, responde a basicamente duas perguntas: a. Objetivos específicos: Quais são os objetivos deste projeto em curto prazo? O que se poderá descobrir durante o tempo de duração do projeto? b. Objetivos gerais: Quais são os objetivos deste projeto em longo prazo? O que este projeto poderá ajudar a descobrir mais adiante? 7. Metodologia: Como já indicado, esta seção estará subdividida em vários subitens, a saber: a. Sujeitos: caso o projeto preveja a participação de humanos, qual será a população participante? Como será composta a amostra? Por quê? b. Instrumentos: Quais serão as ferramentas que eu utilizarei para desenvolver o meu projeto? Por quê?
  • 7. 7 Projeto de pesquisa: o que é e como se faz c. Procedimentos: Como é que eu vou aplicar o meu projeto (passo a passo, etapa a etapa)? Eu vou fazer o que em primeiro lugar? E depois? E em seguida? d. Resultados Esperados: Que tipo de resultado concreto eu vou obter depois que meu projeto for executado? Eu espero que a hipótese a ser testada seja verdadeira ou falsa? Por quê? e. Avaliação: Como será feita a avaliação dos resultados? Por quê? 8. Cronograma. Trata-se da distribuição dos procedimentos (indicados na metodologia) no eixo do tempo. É uma tabela na forma seguinte (e isto é apenas um exemplo): BIMESTRES TAREFAS 01 02 03 04 05 06 1 2 3 4 5 1– Revisão Bibliográfica 2- Preparação do experimento 3- Aplicação do experimento 4– Análise e interpretação dos dados 5– Redação do relatório 9. Custos. Nesta seção você deve discriminar o orçamento para o projeto (indique sempre as quantidades, o custo unitário e o custo total). Procure separar os custos em quatro seções: a. Material permanente (o que fica depois de encerrado o projeto: computadores, impressoras, móveis, livros, etc.) b. Material de consumo (o que é consumido durante a execução do projeto: tinta, papel, cópias, etc.) c. Recursos humanos (o pagamento dos pesquisadores e assessores técnicos necessários – inclusive com a indicação de viagens, diárias, etc.) d. Infra-estrutura (se você precisar de alguma instalação para a execução do projeto: sala, telefone, etc.) 10. Referências bibliográficas. Informe aqui os livros que você citou dentro do projeto. Nono passo: revisar o projeto Não se esqueça de seu projeto será avaliado por terceiros. Da qualidade dele depende sua aprovação e a liberação da verba. Tenha cuidado, portanto. Não entregue seu texto sem fazer previamente uma boa revisão.