Populismo 1946 1964

6.563 visualizações

Publicada em

CSB 2011

0 comentários
4 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
6.563
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
175
Comentários
0
Gostaram
4
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Populismo 1946 1964

  1. 1. Fase do Populismo (1946 a 1964)
  2. 2. <ul><li>Governo DUTRA (1946/50) </li></ul><ul><li>. Constituição de 1946: </li></ul><ul><li>5ª / promulgada / liberal / democrática / qüinqüênio </li></ul><ul><li>. Reflexos da “Guerra Fria&quot;: </li></ul><ul><li>PCB ilegal (1947) / Rompimento com a URSS / Arrocho Salarial </li></ul><ul><li>. Plano S.AL.T.E. (saúde, alimentação, transporte e energia) </li></ul><ul><li>. Eleições de 1950 (segunda derrota de Eduardo Gomes, dessa vez para Vargas) </li></ul>
  3. 3. <ul><li>2º Governo de VARGAS (1951/54) </li></ul><ul><li>. Nacionalismo Econômico (PETROBRÁS, BNDE) </li></ul><ul><li>. Medidas Trabalhistas - João Goulart, ministro do trabalho, aumentou o salário mínimo </li></ul><ul><li>. Oposições a Vargas: </li></ul><ul><li>Capital Estrangeiro - contra o nacionalismo econômico </li></ul><ul><li>Setores Conservadores - contra o comunismo e a intervenção estatal na economia </li></ul><ul><li>. Pressões crescentes contra o governo </li></ul><ul><li>. Crise Político-Institucional: </li></ul><ul><li>Oposição no Congresso / Carlos Lacerda da UDN (Tribuna da Imprensa) </li></ul><ul><li>. Agosto de 1954 (Agravamento da Crise): </li></ul><ul><li>Crime da Rua Toneleiros / Inquérito comprometedor </li></ul><ul><li>Pressões para a renúncia / SUICÍDIO </li></ul><ul><li>. Difícil Sucessão: </li></ul><ul><li>Café Filho (saiu por doença) / Carlos Luz (derrubado pelo exército) / Nereu Ramos (governou até a posse de JK) </li></ul>
  4. 4. <ul><li>Governo JUSCELINO KUBITSCHEK (1956/61) </li></ul><ul><li>. Plano de Metas: Progresso - “50 anos em 5” / Meta síntese - Brasília </li></ul><ul><li>. Vinda das Multinacionais / Bens de Consumo Duráveis (ex. Indústria Automobilística) </li></ul><ul><li>. Para atrair investimentos estrangeiros obras de infra-estrutura: </li></ul><ul><li>estradas, comunicações, eletricidade, combustíveis </li></ul><ul><li>. Resultados do governo JK: </li></ul><ul><li>Crescimento x Pobreza / Disparidades Regionais (SUDENE-1959) </li></ul><ul><li>Miséria > Êxodo Rural </li></ul>
  5. 5. <ul><li>Governo JÂNIO QUADROS (1961) </li></ul><ul><li>. Plataforma Moralizante (vassourinha) </li></ul><ul><li>. Personalismo / Atitudes Contraditórias </li></ul><ul><li>. Oposição dos conservadores </li></ul><ul><li>. Tentou obter apoio popular ameaçando a renúncia </li></ul><ul><li>. Fracassou, renunciando em agosto de 1961 </li></ul><ul><li>. Grave Crise Sucessória: </li></ul><ul><li>Difícil posse de “Jango”, rejeitado pelos conservadores </li></ul><ul><li>Apoiado por Brizola (campanha pela legalidade) / Solução parlamentarista </li></ul>
  6. 6. <ul><li>Governo JOÃO GOULART (1961/64) </li></ul><ul><li>. Plebiscito em 1963: fim do parlamentarismo e volta do presidencialismo </li></ul><ul><li>. Plano Trienal – Fracassou </li></ul><ul><li>. Crise Político-Econômica / Pressões da esquerda pelas “reformas de base” </li></ul><ul><li>. Oposição conspirava / Março de 1964: </li></ul><ul><li>Comício - Central do Brasil / “Marcha da família com Deus pela Democracia” </li></ul><ul><li>Sublevação de Marinheiros </li></ul><ul><li>31 de março - Golpe de militar (equivocadamente chamado de “Revolução de 64”) </li></ul>
  7. 8. Carta-Testamento: (Trecho) <ul><li>Mais uma vez, as forças e os interesses contra o povo coordenaram-se novamente e se desencadeiam sobre mim. Não me acusam, insultam; não me combatem, caluniam e não me dão direito de defesa. (...) Tenho lutado mês a mês, dia a dia, hora a hora, resistindo a uma pressão constante, incessante, tudo suportando em silêncio, tudo esquecendo, renunciando a mim mesmo, para defender o povo que agora se queda desamparado. Nada mais posso vos dar a não ser meu sangue. Se as aves de rapina querem o sangue de alguém, querem continuar sugando o povo brasileiro, eu ofereço em holocausto a minha vida. (...) Lutei contra a espoliação do Brasil. Lutei contra a espoliação do povo. Tenho lutado de peito aberto. O ódio, as infâmias, a calúnia não abateram meu ânimo. Eu vos dei a minha vida. Agora ofereço a minha morte. Nada receio. Serenamente dou o primeiro passo no caminho da eternidade e saio da vida para entrar na História.&quot; </li></ul>

×