1


                                              Topografia

Topografia - deriva das palavras gregas ¨topos¨ (lugar) e ¨g...
2

                                              TOPOLOGIA

Baseia-se na geometria e desenvolve processos auxiliares para ...
3

                                            Erros topográficos

Naturais - temperatura/ vento/ refração/ gravidade/ obs...
4

                                              e/E = d/D

Onde:

e/E é a razão escolhida

D - unidade real ( medida do t...
5

Corrente - constituída de fuzis de aço ou ferro reunidos dois a dois por meio de elos

- distância entre elos de 20 cm
...
6

                                            GONIOMETRIA

É a parte da topografia onde se estuda os instrumentos, método...
7

Esquadro de agrimensor

Pantômetro

Bússolas de pínulas

Grafômetros

Goniômetros de luneta - astronômica - oferece ima...
8

2 - Levantamento por intersecção (coordenadas bipolares) método empregado para pequenas áreas e
relativamente plano.

3...
9

Conservação do solo - Prática de eficiente controle da erosão

O QUE É CONSERVAÇÃO DO SOLO?

É a utilização de métodos ...
10

(chibanca), como à tração animal ou a trator, ambos acoplados ao arado; periodicamente, deve-se retirar
do canal, a te...
11


                                        100 x 3
                        Então: x =                   = 15% de declivi...
12

Hectares    ←→     Tarefas

Alqueires     ←→      Hectares

                                     Braça(b²)            ...
13

1- Duas curvas jamais se cruzam

2-Duas curvas não podem se encontrar e continuar numa só. Neste caso elas estariam su...
14

           Hidráulica e barragem

           Planejamento de uso de solo

          Zootecnia

          Peritagem

  ...
15

A declividade dos taludes tem relação entre a distância vertical e horizontal e o tipo de solo
movimentado.

Corte

- ...
16




ESCOLA AGROTÉCNICA FEDERAL DE CATU-BA




            MÓDULO

                DE

         TOPOGRAFIA




      PRO...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Topografia modulo ii

24.745 visualizações

Publicada em

0 comentários
2 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
24.745
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
5
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
334
Comentários
0
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Topografia modulo ii

  1. 1. 1 Topografia Topografia - deriva das palavras gregas ¨topos¨ (lugar) e ¨graphen¨ (descrever), o que significa, a descrição exata e minuciosa de um lugar. Superfície topográfica - superfície do relevo continental Superfície batimetrica - superfície do relevo submerso as águas oceânicas Geodésia - estuda e se preocupa com a descrição da forma e tamanho da terra. A topografia se limita a descrição de áreas restritas da superfície da terra ( área descrita por um raio de 25 a 30 km onde o erro devido à curvatura da terra é muito pequeno ) Esta área tem a finalidade de indicar a transição entre topografia e geodésia (300.000 alqueires paulista ). A topografia tem por finalidade representar graficamente, através de projeção ortogonal cotada, uma porção limitada da superfície da terra. A projeção ortogonal, no plano horizontal, recebe o nome de planta. A projeção resultante, em termos geodésicos, recebe o nome de mapa ou carta . Mapa - município Carta - país De acordo com o objetivo a topografia divide-se: Topometria Planimetria Auxiliares Goniologia Altimetria Taqueometria Topologia Fotogrametria - Área e terrestre Topometria (PLANIMETRIA) Estuda as grandezas lineares e angulares no plano horizontal. Topometria (ALTIMETRIA) Estuda as grandezas (medidas) lineares e angulares na vertical e em planos que contêm a vertical.
  2. 2. 2 TOPOLOGIA Baseia-se na geometria e desenvolve processos auxiliares para a topometria. Sua principal aplicação está na representação cartográfica do terreno pelas curvas de nível. TAQUEOMETRIA Através de resolução de triângulos retângulos, possibilita medições verticais em regiões montanhosas (medidas indiretas), de distâncias e nível dando origem às plantas planialtimetricas. FOTOGRAMETRIA Permite avaliação tanto através de fotos terrestres como através de fotos aéreas (aerofotogrametria). Constitui método para representar a área e relevo do terreno de grandes extensões. As grandezas medidas num levantamento topográfico podem ser: a) LINEARES b) ANGULARES Grandezas lineares Distâncias horizontais (DH) Distâncias verticais (DV) Distâncias inclinadas (DI) Para levantamentos planialtimétricos, essas são as grandezas principais. Quando se deseja medir a distância inclinada AB precisa-se conhecer o ângulo de inclinação “i” Para isso pode-se utilizar o aparelho chamado clinômetro. Grandezas Angulares a) ângulos horizontais - azimute , rumo e goniométricos (âng). entre alinhamentos e deflexão) b) ângulos verticais – inclinação ou de altura, Zenital, Nadiral, Ângulos horizontais - são aqueles que se medem como se estivessem projetados em um plano horizontal (ex: canto do terreno). Ângulos verticais - São aqueles que as linhas do terreno formam com o plano do horizonte. Podem ser: ascendentes ou descendentes
  3. 3. 3 Erros topográficos Naturais - temperatura/ vento/ refração/ gravidade/ obstáculo Instrumentais - imperfeição do instrumento Pessoais - visão do operador Classificação dos erros - Enganos Constante ou sistemático Acidentais Engano - tem origem na mente do observador. Ex: erro na leitura da mira, no vernier, etc. Constante - erro devido à temperatura, curvatura da corrente ou trena, etc. Acidentais - erros devido à imperfeição da vista ou outros defeitos. Escala Escala é a relação ou razão que se estabelece entre a distância gráfica e a distância natural Classificação das escalas A) Escala Natural B) Escala de Redução C) Escala de Ampliação Escala Numérica Escala Gráfica A representação gráfica de uma escala numérica é chamada escala gráfica; sua utilização se torna evidente quando colocada em local apropriado, junto ao desenho, pois, nos casos de reprodução deste, acompanha a ampliação ou reprodução realizadas, o que se verifica quando da dilatação ou retração do papel no qual o desenho foi realizado. Na representação gráfica podemos observar a escala indicada por diversas maneiras: 1 : 100 ou 1/ 100 Fórmula da escala - desenvolvida por regra de três simples.
  4. 4. 4 e/E = d/D Onde: e/E é a razão escolhida D - unidade real ( medida do terreno) d - unidade de desenho ( medida a ser colocado no papel) Quatro dicas de ESCALA pra nunca mais esquecer. 1) 2) 3) 4) Exemplos: 1 – Quanto possuirá, na realidade, uma porta que aparece no desenho com 0,080 m na escala de 1:25? 2 – Um aeroporto de 1.200m de comprimento foi desenhado em papel com 96mm, determine a escala. 3 – Um terreno mede 35 m de comprimento, foi desenhado na escala de 1:100. Com quantos milímetros aparece na distância gráfica? Planimetria A medida da distância entre dois pontos, em topografia, corresponde à medida da distância horizontal entre estes dois pontos. Estas medidas ( grandezas lineares ) podem ser medidas - Diretamente - quando o aparelho ( instrumento ) pode ser aplicado no terreno Indiretamente ou estadimétrica - quando se obtêm o valor da distância com auxílio de cálculos trigonométricos. MATERIAIS UTILIZADOS NA MEDIDA DIRETA. Os instrumentos utilizados para medição direta chamam-se diastímetros - Trena - graduadas em metros, decímetros e centímetros comprimento variável até 50 m ( mais usado de 20 m ) Fitas de aço - lamina de aço inoxidável graduadas em metros e decímetros comprimento de 20 a 100 m
  5. 5. 5 Corrente - constituída de fuzis de aço ou ferro reunidos dois a dois por meio de elos - distância entre elos de 20 cm - a cada 2 m há um pendente metálico - comprimento mais comum de 20 m Piquetes - feitos em madeira - roliços - quadrado Apontados em uma extremidade e aparados na outra extremidade - medem 15 a 30 cm - devem ficar 3 a 5 cm para fora da superfície do terreno Estacas ou testemunhas - utilizados ao lado dos piquetes - tem a finalidade facilitar a localização do piquete - deve ter em seu corpo o n. da ordem - deve apresentar 50 cm para fora da superfície do terreno Balizas - hastes de madeira ou ferro - formato arredondado ou sextavado - servem para materializar a ordenada vertical (facilitar a leitura de outro ponto) - pintada com gomos de 50 cm alternados nas cores vermelho e branco - a ponta que se coloca sobre o piquete é munida de uma ponteira de aço Fichas - ferro ou aço - com formato curvo na ponta superior e pontiagudo na parte inferior - medem 35 cm mais ou menos - são utilizados para controlar o n. de trenadas ou correntadas Fontes de erros cometidos na medição direta - catenária - é a curvatura do diastímetro devido ao seu peso - tensão - é a força praticada pelo medidor nas extremidades dos diastímetros - temperatura - é a dilatação devido ao calor no diastímetro - desvio vertical - é um erro cometido quando o diastímetro não é colocado em nível (acumulativo) - Desvio lateral - é um erro cometido quando o balizamento não é observado com precisão. A extremidade do diastímetro fica fora de alinhamento (acumulativo) - falta de precisão - quando o instrumento está fora das especificações. MEDIÇÃO DE ÂNGULOS POR MEIO DE DIASTÍMETROS Para que se conheça o valor de um ângulo, deve-se determinar os lados do triângulo que contenha o ângulo, aplicando a lei dos co-senos. b2 = a2+ c2 - 2ac x cos ß
  6. 6. 6 GONIOMETRIA É a parte da topografia onde se estuda os instrumentos, métodos e processos utilizado na avaliação de ângulos. Todo instrumento utilizado para medir ângulos chama-se goniômetro. A parte especializada do goniômetro para avaliação de ângulo chama-se limbo, que é um círculo graduado em graus. Os goniômetros podem ter dois tipos de limbo - os que medem ângulos horizontais - os que medem ângulos verticais ou zenitais Ângulos horizontais - são aqueles que a direção do alinhamento se faz com o meridiano magnético, meridiano verdadeiro ou ainda uma linha de referência arbitrária. Meridiano magnético - corresponde à direção indicada pela agulha magnética. Meridiano geográfico, astronômico ou verdadeiro - corresponde à direção indicada pela linha que passa pelos pólos. Ângulos verticais ou zenitais - são aqueles que a direção do alinhamento se faz com o plano horizontal. Rumo - é o menor ângulo que o alinhamento faz com a direção norte-sul, sendo contado a partir da ponta norte ou ponta sul como origem e não passa de 90 graus. Os rumos podem ser: Nordeste NE Noroeste NW Sudoeste SW Sudeste SE Azimute - é o ângulo que o alinhamento faz com a direção norte-sul iniciando pela ponta norte. São contados de 0 a 360 graus e são chamados de: Azimute à direita (sentido horário) Azimute à esquerda (sentido anti-horário) Os goniômetros podem ser classificados quanto ao órgão de visada Goniômetros de visada direta - alidade de pínulas
  7. 7. 7 Esquadro de agrimensor Pantômetro Bússolas de pínulas Grafômetros Goniômetros de luneta - astronômica - oferece imagem invertida (aparelhos modernos) - terrestre -oferece imagem direta - bússolas - americana - (para rumos) - francesa - (para azimutes) - bússolas de círculo móvel - teodolitos - de leitura direta de ângulos. - prismáticos - auto redutores permitem avaliar distâncias Teodolitos - são goniômetros que medem ângulos horizontais e verticais. Quando acumula função de medir oticamente as distâncias, são denominados taqueômetros. Miras São réguas graduadas pelo sistema decimal e aplicadas em topografia para medir distâncias horizontais e verticais. Costumam ser de madeira com 3 a 4 metros de comprimento por 8 cm de largura. Os modelos são - de dobradiça - de encaixe As miras são graduadas em metros, decímetros e centímetros. Os metros são em algarismo romano. Os decímetros por cores alternadas vermelhas e brancas e os centímetros por divisões pretas e brancas. Métodos de levantamentos planimétricos 1 - Levantamento por irradiação (coordenadas polares) método empregada para pequenas áreas e relativamente plana.
  8. 8. 8 2 - Levantamento por intersecção (coordenadas bipolares) método empregado para pequenas áreas e relativamente plano. 3 - Levantamento por caminhamento é o levantamento mais utilizado na prática empregado para áreas Relativamente grandes e acidentadas. ALTIMETRIA (HIPSOMETRIA) Têm por finalidade a medida da diferença de nível entre dois ou mais pontos no terreno. Através da altimetria pode-se estudar o relevo do terreno. Referência de nível Qualquer medida realizada deve ser referenciada a uma superfície de comparação, no caso denominada referência de nível (RN). Esta referência pode ser uma superfície qualquer ou o nível do mar. Altitude ou cota Quando a diferença de nível é referida a uma superfície qualquer recebe o nome de cota. Quando a diferença de nível é referida a superfície do mar recebe o nome de altitude. Nível aparente e nível real (verdadeiro) Quando a referência de nível é uma superfície qualquer tem nível aparente. Quando a referência de nível é o mar temos o nível real ou verdadeiro. Nível real (verdadeiro) Obtido através da diferença de pressão atmosférica Aparelhos - barômetro Aneróides (altímetro) - não são usados em topografia, pois suas graduações mínimas são de 10 metros. Nível aparente Nivelamento trigonométrico - clinômetros Teodolitos Nivelamento geométrico Nivelamento com bolha bipartida
  9. 9. 9 Conservação do solo - Prática de eficiente controle da erosão O QUE É CONSERVAÇÃO DO SOLO? É a utilização de métodos adequados de manejo e uso do solo, que permitem mantê-lo produtivo de geração a geração, por evitar o seu esgotamento ou deterioração, provocados por fatores naturais e/ou introduzidos pelo próprio homem. O QUE É EROSÃO? É o resultado da ação acelerada da chuva ou do vento, desagregando e transportando as partículas do solo para outras localidades, causando, conseqüentemente, poluição e assoreamento às fontes d'água. QUAL É A PRIMEIRA PRÁTICA OU TECNOLOGIA PARA CONTROLAR A EROSÃO? É a curva de nível. O QUE É CURVA DE NÍVEL? É uma linha traçada na superfície do solo, unindo os pontos de mesma altura, seguindo-se o nível do terreno em sentido contrário ao caminho das águas da chuva ou da irrigação. QUAIS OS INSTRUMENTOS UTILIZADOS PARA TRAÇAR AS CURVAS DE NÍVEL? Os principais são: teodolito, nível de luneta, nível de mangueira ou de pedreiro e pé-de-galinha; os de manuseio mais simples são o nível de mangueira e o pé-de-galinha. DEPOIS DE TRAÇAR AS CURVAS DE NÍVEL, COMO DEVE SE FAZER O PLANTIO? O plantio e todas as operações agrícolas devem ser feitos seguindo-se o traçado das curvas de nível. QUAIS AS OUTRAS PRÁTICAS DE CONSERVAÇÃO DO SOLO EXISTENTES E COMO SÃO UTILIZADAS? Dentre as práticas simples de conservação do solo que apresentam fácil execução e baixo custo, podemos citar: • renques de vegetação permanente ou barreira viva - são faixas de vegetação permanente, plantadas em curva de nível, com largura de dois metros, fracionando-se o terreno em espaços menores, de acordo com a declividade do terreno e a textura do solo; • cordões em contorno ou terraços de base estreita - são constituídos de um canal (sulco) e um camalhão, feitos em curva de nível e distanciados de acordo com a declividade do terreno e a textura do solo, podendo ser construídos tanto manualmente
  10. 10. 10 (chibanca), como à tração animal ou a trator, ambos acoplados ao arado; periodicamente, deve-se retirar do canal, a terra proveniente do assoreamento; • canais escoadouros - são canais construídos, preferencialmente, nos drenos naturais, córregos ou riachos, devendo ser protegidos com plantas ou restos de culturas; sua finalidade é escoar o excesso de água proveniente dos cordões em contorno ou terraços, conduzindo-a para locais onde não haja risco de ocorrer erosão; • rotação de culturas - consiste em plantar alternadamente numa mesma área, culturas diferentes e que possuam sistemas radiculares localizados a profundidades distintas; é importante fazer o plano de rotação, de acordo com a capacidade de uso ou da aptidão agrícola do solo; • cobertura morta - corresponde a uma camada grossa, com 15 cm de espessura, aproximadamente, feita à base de vegetais, inclusive restos de culturas, com a finalidade de proteger o solo contra a erosão e ervas daninhas, conservar a sua umidade, melhorar a sua fertilidade e mantê-lo a uma temperatura adequada; • adubação verde - corresponde ao plantio de leguminosas, com o objetivo de incorporá-las ao solo como adubo verde, na sua fase de maturação; as leguminosas mais utilizadas são a mucuna-preta, o feijão-de-porco, o feijão guandu e o lab-lab; • plantio direto - é o sistema de plantio em que a semente é colocada diretamente num solo que tenha sido revolvido o mínimo possível; neste sistema, são fundamentais e imprescindíveis as operações de aplicação de herbicidas e distribuição dos restolhos da cultura anterior. O QUE É DECLIVIDADE E COMO SE DETERMINA? É a inclinação da superfície do terreno ou do solo, em relação à linha horizontal, usualmente expressa em percentagem; é determinada pela distância e a altura entre o ponto mais baixo e o mais alto do terreno, extrapolando-se para a distância de 100 metros, conforme exemplo: - diferença da altura entre os pontos baixo e alto – 3m - distância entre os pontos baixo e alto – 20m Com esses dados, arma-se a seguinte operação: em 20m de distância – 3m de desnível em 100m de distância – x
  11. 11. 11 100 x 3 Então: x = = 15% de declividade 20 O QUE É TEXTURA DO SOLO E COMO SE DETERMINA? Corresponde às proporções relativas das frações de areia, silte e argila do solo e pode ser determinada pelo tato, esfregando-se o solo molhado com os dedos; se houver predominância de argila (material fino), a textura é argilosa; se houver predominância de areia (matéria grossa), a textura é arenosa e se não houver predominância de nenhum dos dois materiais, tem-se uma textura média. Medidas de superfície – Unidades de medidas agrárias Superfície: É uma grandeza com duas dimensões. Área: É a medida dessa grandeza Unidades de medidas lineares (metro) Unidade básica de medida de área ( m²) Múltiplos Unidade Básica Submúltiplos Leituras de medidas a) 4,32 m² b) 325,03 dam² c) 4,0051 k m² d) 0,0003 m² e) 0,034002 h m² f) 22,310 m² Medidas Agrárias MÚLTIPLO UNIDADE BÁSICA SUBMÚLTIPLO Medidas antigas de superfície Palmo Vara Braça Transformação de medidas. Tarefa varia de 7b x 7b até 50b x 50b Tarefa baiana 30b x 30b Tarefa sergipana 25b x 25b
  12. 12. 12 Hectares ←→ Tarefas Alqueires ←→ Hectares Braça(b²) metro( m²) Hectare(ha) 25 b x 25b (tarefa sergipana) = 625 b² 3.025 m² 0,3025ha 30b x 30b (tarefa baiana) = 50b x 25b = 50b x 50b (Minas) = 75b x 50b = 75b x 75b (alq. Do Norte) = 80b x 80b = 100b x 25b = 100b x 25b = 100b x 50b (alq.paulista) = 100b x 75b = 100b x 100b (Minas-Rio-Goias) Alq.geométrico 150b x 100b = 200b x 100b (alq. Baiano) = 200b x 200b (alqueirão- sul da Bahia norte de Minas) = Curva de Nível Linha sinuosa que liga pontos do terreno de mesma cota. Esta linha é dada pela intersecção de planos horizontais com a superfície do terreno. Estes planos horizontais são paralelos e eqüidistantes e a distância entre os dois planos é chamada de eqüidistância vertical. O valor da eqüidistância vertical varia de acordo com a precisão requerida. Geralmente se usa o valor de 1,00 metro sendo que, quanto menor o valor, melhor será a precisão. Características das curvas de nível
  13. 13. 13 1- Duas curvas jamais se cruzam 2-Duas curvas não podem se encontrar e continuar numa só. Neste caso elas estariam superpostas e para isso acontecer, deveria haver um plano vertical, o que não ocorre na natureza. 3- Quando as curvas de nível estão muito afastadas uma das outras significa que o terreno é levemente inclinado. Quando as curvas estão muito próximas uma das outras, significa que o terreno é fortemente inclinado. 4- Uma curva de nível não pode desaparecer repentinamente. 5- Curvas de nível tendem a ter um certo paralelismo. 6- Curvas de nível cruzam cursos dágua. MÉTODOS DE LEVANTAMENTO PLANIALTIMÉTRICO 1- Levantamento por quadriculação do terreno É o processo mais exato e também trabalhoso. Recomendado para movimentação de terra, edificação, irrigação, construção de barragem. 2- Levantamento por interpolação Mais rápida exigindo maior atenção. 3- Levantamento taqueométrico Utilizado em áreas extensas, adequadas para projetos agropecuários. 4- Levantamento pelas secções transversais Utilizado em terrenos com forma de uma faixa estreita e longa 5- Levantamento fotogramétrico Utilizado para grandes extensões: barragens e agropecuários Utilização da planta planialtimétrica Engenharia Locação de estradas Eletrificação rural Terraplenagem
  14. 14. 14 Hidráulica e barragem Planejamento de uso de solo Zootecnia Peritagem Arquitetura edificação Planejamento Paisagismo Implantação Urbanismo higiene de habitação Classes de declive de solo A < 3% - declividade fraca B - 3 - 6% - declividade moderada C - 6 - 12% -declividade moderada a forte D - 12 - 20% - declividade forte E - 20 - 40% - declividade muito forte F > 40% - declividade extremamente forte Terraplenagem (mudança da configuração do terreno) Tipos de serviços de terraplenagem 1- corte e aterros (scraper, laminas) 2- nivelação ( motoniveladora ) 3- compactação ( pé de carneiro ) Taludes São superfícies resultantes de corte e aterro
  15. 15. 15 A declividade dos taludes tem relação entre a distância vertical e horizontal e o tipo de solo movimentado. Corte - rocha dura 1.0 : 5.0 - terreno compacto c/ revest. 1.0 : 1.5 - terreno resistência média s/ revest. 1.0 : 1.0 - terreno frouxo 1.25 : 1.0 aterro - terreno compacto (argiloso) 1.0 : 1.0 - terreno resistência média 2.0 : 1.0 - terreno frouxo ( não se faz ) Calculo da densidade de plantio Sistema de alinhamento para plantio. a) Quadrado b) Retângulo c) Triângulo d) Quincôncio e) Fileira dupla f) Em curva de nível
  16. 16. 16 ESCOLA AGROTÉCNICA FEDERAL DE CATU-BA MÓDULO DE TOPOGRAFIA PROF. RENATO MASCARENHAS ENGº AGRÔNOMO CATU -BA

×