A fase de d.joão VI

647 visualizações

Publicada em

Trabalho de História Vitória/ES

Publicada em: Turismo, Negócios
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
647
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
20
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

A fase de d.joão VI

  1. 1. A Fase de D.João VI Alunos:Ana Beatriz Alves,Anna Karoliny,Larissa,Thaís Bento,Ramon, Elison,Jéssica e Mayara,2M2.
  2. 2. <ul><li>Nasceu em Lisboa em 13 de maio de 1767. Filho de D. Maria Izabel. Por problemas mentais de sua mãe, passou a governar desde 1792. Em 1818 foi aclamado rei de Portugal, Algarves e Brasil. Foi casado com D. Carlota Joaquina da Espanha. Pai de nove filhos, um deles era Pedro. Faleceu em Lisboa mesmo no dia 10 de março de 1826. </li></ul>Breve Biografia de D. João VI
  3. 3. <ul><li>Naquela época, os grandes mares eram dominados por grandes potências, como a Inglaterra e a França. Portugal tinha uma grande e antiga amizade com os ingleses, relações culturais e comerciais. Napoleão Bonaparte, com seu projeto de expansão territorial, implantou o Bloqueio Continental nos grandes mares, que proibia qualquer país de fazer comércio com a Inglaterra. Os portugueses não cumpriram o tratado e como conseqüência, o país foi invadido por tropas napoleônicas. </li></ul>Razões da vinda da família real para o Brasil
  4. 4. <ul><li>Por não se submeter ao tratado a família real recebeu dos ingleses apoio para fugir para a colônia. Porém, essa vinda pra cá já estava planejada, já que a colônia estava dando muitos lucros com o comércio do pau-brasil, ciclo do ouro, café, cana-de-açúcar e pedras preciosas. Os portugueses temiam que outras nações, como Holanda, França e a própria Inglaterra invadissem o Brasil e que as tropas não conseguissem retalhar o ataque e a invasão holandesa deixou-os ainda mais temerosos. </li></ul>
  5. 5. <ul><li>A viagem foi longa e cansativa e durou cerca de três meses, transportando toda a família real e a Corte para o Brasil. A falta de espaço e de higiene causou nos tripulantes uma epidemia de piolho. Chegaram ao Rio de Janeiro em 7 de janeiro de 1808. </li></ul>A viagem da Corte Portuguesa
  6. 6. <ul><li>Entre as mudanças que ocorreram com a vinda da Família Real para o Brasil destacam-se:
  7. 7. a fundação do primeiro Banco do Brasil, em 1808;
  8. 8. a criação da Imprensa Régia e a autorização para o funcionamento de tipografias e a publicação de jornais também em 1808;
  9. 9. a criação da Academia Real Militar (1810);
  10. 10. a abertura de algumas escolas, entre as quais duas de Medicina – uma na Bahia e outra no Rio de Janeiro;
  11. 11. a instalação de uma fábrica de pólvora e de indústrias de ferro em Minas Gerais e em São Paulo;
  12. 12. a vinda da Missão Artística Francesa em 1816, e a fundação da Academia de Belas-Artes;
  13. 13. a mudança de denominação das unidades territoriais, que deixaram de se chamar &quot;capitanias&quot; e passaram a denominar-se de &quot;províncias&quot; (1821);
  14. 14. a criação da Biblioteca Real (1810), do Jardim Botânico (1811) e do Museu Real (1818), mais tarde Museu Nacional. </li></ul>Mudanças no Colônia
  15. 15. <ul><li>No contexto das negociações do Congresso de Viena, o Brasil foi elevado à condição de Reino dentro do Estado português, que assumiu a designação oficial de Reino Unido de Portugal, Brasil e Algarves em 16 de dezembro de 1815. A carta de lei foi publicada na Gazeta do Rio de Janeiro de 10 de janeiro de 1816, oficializando o ato. O Rio de Janeiro, por conseguinte, subia à categoria de Corte e capital, as antigas capitanias passaram a ser denominadas províncias (hoje, os estados). No mesmo ano, a rainha Maria I morreu e D. João foi coroado rei como João VI. Deu ao Brasil como brasão-de-armas a esfera manuelina com as quinas, encontradas já no século anterior em moedas da África portuguesa (1770). </li></ul>Formação do Reino Unido
  16. 16. <ul><li>D. João VI deixaria o Brasil em 1821. Em agosto de 1820 houvera no Porto uma revolução constitucionalista (revolução liberal portuguesa de 1820). Em setembro de 1820, uma Junta Provisória de Governo obrigou os portugueses a jurarem uma Constituição provisória, até redação de uma constituição definitiva. Em janeiro de 1821, em Portugal, aconteceu a solene instalação das Cortes Gerais, Extraordinárias e Constituintes da Nação Portuguesa , encarregadas de elaborar a constituição.
  17. 17. Em março, as Cortes em Portugal expediram decreto com as bases da constituição política da monarquia . No Rio, outro decreto comunicava o retorno do rei para Portugal. D. João VI partiu para Portugal cinco dias depois, em 16 de abril de 1821, deixando seu primogênito Pedro de Alcântara como Príncipe-Regente do Brasil.
  18. 18. Em 1821, o Brasil elegeu seus representantes, em número de 81, para as Constituintes em Lisboa. </li></ul>Revolução do Porto e retorno de D. João
  19. 19. <ul><li>A separação do Brasil foi informalmente realizada em janeiro de 1822, quando D. Pedro declarou que iria permanecer no Brasil (&quot;Dia do Fico&quot;), com as seguintes palavras: Como é para o bem de todos e felicidade geral da nação, estou pronto: diga ao povo que fico. Agora só tenho a recomendar-vos união e tranqüilidade. Porém, a separação do Brasil se é dada no dia 7 de setembro de 1822, com o &quot;grito do Ipiranga&quot; que foi romantizado, apesar da separação anteriormente . </li></ul>

×