Transferência da Corte portuguesa D. João VI no Brasil
A Corte no Brasil? <ul><li>Desde o século XVII, o governo de Portugal cogitava, eventualmente, transferir a sede do Impéri...
As ameaças de Napoleão <ul><li>Decretou o  Bloqueio Continental  à Grã-Bretanha: Exigiu que todas as nações européias ader...
Período de incertezas <ul><li>Manter a aliança com a Inglaterra ou enfrentar Napoleão? </li></ul><ul><li>D.João prorrogou ...
<ul><li>Em 20 de outubro de 1807, um Edital declarou oficialmente o fechamento dos portos portugueses a qualquer navio bri...
O Acordo Secreto - 1807 <ul><li>A Inglaterra garantia a segurança da Coroa portuguesa na transferência da família real par...
Os problemas familiares: D. Carlota...
Seu gênio difícil...
E seus interesses políticos....
Comprometiam o casamento...
<ul><li>Napoleão mandou um aviso: </li></ul>
<ul><li>“ Se Portugal não fizer o que eu quero, a Casa de Bragança, dentro de dois meses, deixará de reinar na Europa ” </...
Resposta de D. João <ul><li>Avisou a Strangford (lorde inglês que viveu em Portugal) que iria expulsar os ingleses e confi...
D. João em situação complicada: <ul><li>Os navios ingleses chegaram a foz do Tejo em 14 de novembro com missão duvidosa: <...
Palácio da Ajuda, 24 de novembro <ul><li>D. João recebeu a seguinte notícia de um Jornal francês: </li></ul><ul><li>“ A Ca...
<ul><li>Fuga, uma retirada estratégica ou transferência da corte? </li></ul><ul><li>Lembrar das discussões feitas em sala ...
A saída de Portugal...
 
Últimas palavras aos súditos portugueses:
A viagem para o Brasil
 
 
 
 
O Acordo é cumprido: Tratado de 1808
Tratado de Abertura dos Portos às Nações Amigas <ul><li>1808 </li></ul><ul><li>Representou o fim do Pacto Colonial. </li><...
A Família Real no Brasil <ul><li>Em março de 1808, a família real, acompanhada da corte portuguesa, chegou à cidade do Rio...
A cidade adquire ar imperial <ul><li>Uma verdadeira revolução cultural aconteceu: </li></ul><ul><li>alteração do cotidiano...
<ul><li>Cultura foi estimulada com a criação do Arquivo Central; </li></ul><ul><li>Criação da Imprensa Régia. Mas as idéia...
Pressão Inglesa: Novos tratados
 
 
 
Os Tratados de 1810 <ul><li>D. João concedeu tarifas alfandegárias mais baixas às mercadorias inglesas que eram importadas...
Política Externa de D. João <ul><li>Implantou uma política expansionista. Em 1808, em represália às ameaças francesas, ord...
Rebelião em Pernambuco (1817) <ul><li>Causas: </li></ul><ul><li>Presença maciça de portugueses na colônia desde 1808, e às...
<ul><li>Tais fatos levaram a eclosão de um movimento em março de 1817, que se propagou para outras regiões do nordeste. </...
A inversão de papeis <ul><li>Colônia em clima de euforia, mas em Portugal o ambiente era de amargura e insatisfação da bur...
Insatisfação da burguesia portuguesa : <ul><li>Em 1818, a rainha D. Maria, que sofria de distúrbios mentais, faleceu. Assi...
Revolução do Porto <ul><li>Exigências: </li></ul><ul><li>Retorno imediato de D. João VI para a Europa e a convocação de um...
Como termina essa história...
Muitas coisas irão mudar....
Bibliografia: <ul><li>Imagens: </li></ul><ul><li>SCHWARCZ, Lilia Moritz; Spacca,D. João Carioca: A corte portuguesa chega ...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

A transferência da Corte para o Brasil 1808

12.689 visualizações

Publicada em

0 comentários
7 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
12.689
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
821
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
661
Comentários
0
Gostaram
7
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

A transferência da Corte para o Brasil 1808

  1. 1. Transferência da Corte portuguesa D. João VI no Brasil
  2. 2. A Corte no Brasil? <ul><li>Desde o século XVII, o governo de Portugal cogitava, eventualmente, transferir a sede do Império Português para a colônia na América. </li></ul><ul><li>O que determinou esta transferência no século XIX? </li></ul>
  3. 3. As ameaças de Napoleão <ul><li>Decretou o Bloqueio Continental à Grã-Bretanha: Exigiu que todas as nações européias aderissem a ele. Assim, os europeus eram proibidos de manter relações comerciais com os ingleses. </li></ul><ul><li>Portugal não cortou relações comerciais com os ingleses, mas não contavam com um exército forte capaz de enfrentar as tropas francesas. </li></ul>
  4. 4. Período de incertezas <ul><li>Manter a aliança com a Inglaterra ou enfrentar Napoleão? </li></ul><ul><li>D.João prorrogou ao máximo responder a esta questão. </li></ul><ul><li>Tentou enrolar Napoleão ao responder dizendo que aderiria ao Bloqueio Continental, mas não cumpriu as outras ordens de Napoleão: confiscar os bens ingleses, prendê-los e expulsá-los de Portugal. </li></ul>
  5. 5. <ul><li>Em 20 de outubro de 1807, um Edital declarou oficialmente o fechamento dos portos portugueses a qualquer navio britânico. </li></ul><ul><li>PORÉM..... </li></ul><ul><li>Dois dias depois, o Embaixador português em Londres, assinou um Tratado Secreto com os ingleses que reforçou a aliança Portugal e Inglaterra. </li></ul>
  6. 6. O Acordo Secreto - 1807 <ul><li>A Inglaterra garantia a segurança da Coroa portuguesa na transferência da família real para o Brasil, em troca: </li></ul><ul><li>da concessão da Ilha da Madeira para a instalação de uma base naval inglesa; </li></ul><ul><li>da assinatura de tratados de comércio que garantiam privilégios alfandegários para os ingleses; </li></ul><ul><li>um porto livre em Santa Catarina. </li></ul><ul><li>Esse tratado implicou a abertura dos portos do Brasil ao comércio com a Inglaterra. </li></ul>
  7. 7. Os problemas familiares: D. Carlota...
  8. 8. Seu gênio difícil...
  9. 9. E seus interesses políticos....
  10. 10. Comprometiam o casamento...
  11. 11. <ul><li>Napoleão mandou um aviso: </li></ul>
  12. 12. <ul><li>“ Se Portugal não fizer o que eu quero, a Casa de Bragança, dentro de dois meses, deixará de reinar na Europa ” </li></ul>
  13. 13. Resposta de D. João <ul><li>Avisou a Strangford (lorde inglês que viveu em Portugal) que iria expulsar os ingleses e confiscar os seus bens.D. João tentou declarar uma guerra de mentira para francês ver... </li></ul><ul><li>Mas nada que D. João fizesse deteria Napoleão. </li></ul><ul><li>Em 27 de outubro, Portugal foi repartido em três pelo Tratado de Fontainebleau: Etrúria, Espanha e França. Tratado assinado entre Napoleão e D. Fernando VII (rei da Espanha) . </li></ul>
  14. 14. D. João em situação complicada: <ul><li>Os navios ingleses chegaram a foz do Tejo em 14 de novembro com missão duvidosa: </li></ul><ul><li>As ordens que o capitão inglês recebeu foram as seguintes: </li></ul><ul><li>Bombardear Lisboa e capturar a frota, caso o Príncipe Regente se recusasse a ir para o Brasil. </li></ul><ul><li>Ou levá-lo em segurança até o Brasil. </li></ul>
  15. 15. Palácio da Ajuda, 24 de novembro <ul><li>D. João recebeu a seguinte notícia de um Jornal francês: </li></ul><ul><li>“ A Casa de Bragança cessou de reinar” </li></ul><ul><li>Neste momento, D. João resolveu arrumar as malas e mudar com sua Corte para o Brasil... </li></ul>
  16. 16. <ul><li>Fuga, uma retirada estratégica ou transferência da corte? </li></ul><ul><li>Lembrar das discussões feitas em sala </li></ul>
  17. 17. A saída de Portugal...
  18. 19. Últimas palavras aos súditos portugueses:
  19. 20. A viagem para o Brasil
  20. 25. O Acordo é cumprido: Tratado de 1808
  21. 26. Tratado de Abertura dos Portos às Nações Amigas <ul><li>1808 </li></ul><ul><li>Representou o fim do Pacto Colonial. </li></ul><ul><li>Ver a Leitura Complementar pág. 193 </li></ul>
  22. 27. A Família Real no Brasil <ul><li>Em março de 1808, a família real, acompanhada da corte portuguesa, chegou à cidade do Rio de Janeiro. Cerca de 15 mil nobres desembarcaram nesta cidade. </li></ul><ul><li>Os nobres se instalaram nos arredores da cidade, onde construíram novas residências ou ocuparam chácaras de moradores locais. </li></ul>
  23. 28. A cidade adquire ar imperial <ul><li>Uma verdadeira revolução cultural aconteceu: </li></ul><ul><li>alteração do cotidiano e criação de novos hábitos; </li></ul><ul><li>cabeleireiros; costureiras francesas, lojas de roupas, joalherias, chapelarias e tabacarias, entre outras novidades. </li></ul><ul><li>festas na corte e a cerimônia do beija-mão passou a ser um momento importante na cidade do Rio. </li></ul><ul><li>a elite colonial (brasileira) logo tratou de assimilar o estilo da corte. </li></ul>
  24. 29. <ul><li>Cultura foi estimulada com a criação do Arquivo Central; </li></ul><ul><li>Criação da Imprensa Régia. Mas as idéias iluministas foram proibidas de serem divulgadas no Brasil; </li></ul><ul><li>Criação do observatório econômico e do Jardim Botânico e a Biblioteca Nacional </li></ul><ul><li>Criação do Banco do Brasil e da Casa da Moeda; </li></ul><ul><li>Melhorias no sistema de limpeza urbana. </li></ul><ul><li>Presença dos viajantes: pintores franceses importantes vieram para o Brasil. Ver o item dos viajantes no capítulo . </li></ul>
  25. 30. Pressão Inglesa: Novos tratados
  26. 34. Os Tratados de 1810 <ul><li>D. João concedeu tarifas alfandegárias mais baixas às mercadorias inglesas que eram importadas pelo Brasil (15% para eles, 16% para os produtos portugueses e 24% para as outras nações) </li></ul><ul><li>Outra cláusula: Exigência do fim do Extinção do tráfico negreiro. </li></ul><ul><li>Os tratados favoreciam os ingleses e prejudicavam a economia portuguesa e, em longo prazo, a brasileira. </li></ul>
  27. 35. Política Externa de D. João <ul><li>Implantou uma política expansionista. Em 1808, em represália às ameaças francesas, ordenou a invasão da Guiana Francesa. </li></ul><ul><li>Em 1816, determinou a ocupação da Banda Oriental do Uruguai (região do Rio da Prata), incorporando-a, mais tarde, ao Brasil com o nome de Província Cisplatina. </li></ul><ul><li>Elevação do Brasil a Reino Unido a Portugal e Algarves. Com isso o Congresso de Viena reconhecia Brasil como sede do governo português, e não apenas uma colônia. </li></ul>
  28. 36. Rebelião em Pernambuco (1817) <ul><li>Causas: </li></ul><ul><li>Presença maciça de portugueses na colônia desde 1808, e às regalias por eles conquistadas; </li></ul><ul><li>Os mazombos, elite local, questionavam as cobranças, imposições e altos impostos. </li></ul><ul><li>Queda dos preços do algodão e do açúcar no mercado internacional e a seca que assolou o nordeste em 1816; </li></ul><ul><li>Tudo isso significou muita insatisfação, principalmente por D. João não mostrava preocupação com situação nordestina; </li></ul>
  29. 37. <ul><li>Tais fatos levaram a eclosão de um movimento em março de 1817, que se propagou para outras regiões do nordeste. </li></ul><ul><li>Movimento de caráter separatista, proclamou a república e instituiu um governo provisório, cujos princípios eram a liberdade de consciência, de imprensa e de culto. </li></ul><ul><li>Vários confrontos ocorreram entre os rebeldes e as forças oficiais e, em maio de 1817, os rebeldes foram dominados e punidos com prisões e execuções. </li></ul>
  30. 38. A inversão de papeis <ul><li>Colônia em clima de euforia, mas em Portugal o ambiente era de amargura e insatisfação da burguesia lusitana, uma vez que Portugal estava sendo governada por um Conselho inglês que prestava contas a D. João. </li></ul><ul><li>Inversão de papéis: </li></ul><ul><li>Portugal – colônia </li></ul><ul><li>Brasil- metrópole </li></ul>
  31. 39. Insatisfação da burguesia portuguesa : <ul><li>Em 1818, a rainha D. Maria, que sofria de distúrbios mentais, faleceu. Assim, o príncipe regente recebeu o título de D. João VI. </li></ul><ul><li>Elite portuguesa, influenciada pelas idéias iluministas que rondavam a Europa, mobilizou-se para lutar pelo fim do absolutismo, e deu início ao movimento que ficou conhecido como Revolução do Porto (1820); </li></ul>
  32. 40. Revolução do Porto <ul><li>Exigências: </li></ul><ul><li>Retorno imediato de D. João VI para a Europa e a convocação de uma Assembleia Nacional Constituinte (elaborar uma Constituição). </li></ul><ul><li>As idéias revolucionárias se espalharam por Portugal e com o apoio popular formaram um governo provisório que convocou as Cortes (parlamento português). </li></ul><ul><li>Apesar de não ter intenção de deixar o Brasil, D. João VI foi obrigado a deixá-lo e voltar para Portugal em abril de 1821. </li></ul><ul><li>Deixou seu filho Pedro, a quem nomeou príncipe regente no Brasil. </li></ul>
  33. 41. Como termina essa história...
  34. 42. Muitas coisas irão mudar....
  35. 43. Bibliografia: <ul><li>Imagens: </li></ul><ul><li>SCHWARCZ, Lilia Moritz; Spacca,D. João Carioca: A corte portuguesa chega ao Brasil. São Paulo: Companhia das Letras, 2007. </li></ul><ul><li>Texto: </li></ul><ul><li>BRAICK. Patricia. História das Cavernas ao Terceiro Milênio. São Paulo: Editora Moderna, 2006. </li></ul><ul><li>GOMES: Laurentino. 1808. São Paulo: Editora Planeta do Brasil, 2007. </li></ul><ul><li>WILCKEN ,Patrick. Império à deriva. São Paulo: Editora Objetiva, 2005 . </li></ul><ul><li>SCHWARCZ, Lilia Moritz; Spacca,D. João Carioca: A corte portuguesa chega ao Brasil. São Paulo: Companhia das Letras, 2007. </li></ul>

×