Estratégias de Redes Sociais

3.687 visualizações

Publicada em

Palestra sobre Estratégias de Redes Sociais mostrando conceitos, métodos e algumas aplicações de redes sociais. Quais as ferramentas são utilizadas na implementação de estratégias de redes sociais.

Publicada em: Negócios
0 comentários
2 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
3.687
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
60
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
144
Comentários
0
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Estratégias de Redes Sociais

  1. 1. Estratégias de Redes Sociais<br />Prof. Dr. Paulo de Tarso Costa de Sousa<br />II Encontro Acadêmico Intercursos da FACITEC<br />17 a 21 de maio de 2010 <br />1<br />
  2. 2. Em geral quando falamos em redes sociais pensamos em...<br />2<br />
  3. 3. 3<br />Mas uma rede social<br />é mais<br />Do que isso<br />
  4. 4. 4<br />PARA SE TER UMA REDE BASTA TER...<br />UM OBJETIVO...<br />E, PRINCIPALMENTE, PESSOAS<br />
  5. 5. Ou seja, as redes estão em todo lugar...<br />5<br />
  6. 6. Por que Rede Social é estratégica?<br />As redes sociais movimentam o mundo<br />Possibilitam as empresas se enxergarem e enxergarem o ambiente externo<br />Não se pode mais pensar apenas na eficiência operacional<br />Permite se aproximar do cliente<br />Colaboração e conhecimento<br />Confiança<br />6<br />
  7. 7. O ambiente das redes sociais <br />7<br />Resposta de Rotina<br />Resposta Modular<br />Resposta Adaptada<br />Externo<br />Externo<br />Externo<br />Interno<br />Interno<br />Interno<br />Fonte: Cross, Liedtka e Weiss (2005) - Adaptado<br />Inovação<br />manutenção<br />
  8. 8. Histórico<br />Teoria de Sistemas<br />Ludwig vonBertalanffy – 1947 a 1968 (primeiras idéias remontam décadas de 20 e 30)<br />Capital Social<br />Lyda Johnson Hanifan (década de 20) e Jane Jacobs (década de 60)<br />Sociologia e Ciência Política<br />Redes Sociais<br />Jakob Levy Moreno (1930)<br />Sociometria<br />Antropologia, Sociologia e Psicologia<br />8<br />
  9. 9. Capital Social<br />Capital social é um conjunto de recursos reais ou potenciais resultantes do fato de pertencer, há muito tempo e de modo mais ou menos institucionalizado, a redes de relações de conhecimento e reconhecimento mútuos.<br />BOURDIEU, Pierre. Le capital social: notes provisoires. In: Actes de la recherche en sciences sociales, v.31, p.2-3. 1980.<br />9<br />
  10. 10. Capital Social<br />Capital social é definido pela sua função. Não é uma única entidade (entity), mas uma variedade de entidades tendo duas características em comum: elas são uma forma de estrutura social e facilitam algumas ações dos indivíduos que se encontram dentro desta estrutura social. <br />COLEMAN, James. Foundations of Social Theory. Cambridge, Massachussets, Harvard University Press, 1990.<br />10<br />
  11. 11. Capital Social<br />Refere-se a aspectos da organização social, tais como redes, normas e confiança, que facilitam a coordenação e a cooperação para benefício mútuo.<br />PUTNAM, Robert. Bowling Alone: America’s Declining Social Capital. In Journal of Democracy, janeiro, volume 6, n° 1, pp. 65-78. 1995<br />11<br />
  12. 12. Capital Social<br />Capital social refere-se a um conjunto de recursos acessíveis a indivíduos ou grupos enquanto são de uma rede de conhecimento mútuo. Esta rede é uma estrutura social e tem aspectos (relações, normas e confiança) que ajudam a desenvolver a coordenação e a cooperação e a produzir benefícios comuns. <br />ROBINSON, David (org.). (2002), Building Social Capital. Wellington (Nova Zelândia): Institute of Policy Studies, Voctoria University of Wellington, 85p.<br />12<br />
  13. 13. Capital Social e Redes Sociais<br /> Começa o entendimento de Capital Social e Redes Sociais<br />Capital social [...] normas, valores, instituições e relacionamentos compartilhados que permitem a cooperação dentro ou entre os diferentes grupos sociais.<br />Redes sociais – constrói-se redes, adquire-se capital social – canais pelos quais passam informação e conhecimento.<br />MARTELETO, Regina Maria. Redes e capital social: o enfoque da informação para o desenvolvimento local. Brasília: Revista Ciência da Informação, v.33, n.3, p.41-49, set-dez 2004.<br />13<br />PESSOAS<br />
  14. 14. Para usá-los melhor é preciso...<br />Enxergar o capital social como um ativo<br />Reconhecer que não somos uma ilha<br />A base do relacionamento é a confiança<br />Para compreender o capital social e as redes temos que ter métodos<br />14<br />
  15. 15. Metodologias<br />POST – Groundswell – Charlene Li<br /> Voltada para o ambiente externo às empresas.<br />A Tecnologia da Informação é parte inseparável<br />Não propõe formas de avaliação<br />Capital Social Estratégico<br />Proposta mais abrangente: ambiente interno e externo<br />Independente da tecnologia para seu uso<br />Segue o framework do PDCA (Plan, Do, Check e Act)<br />15<br />
  16. 16. Groundswell - Método<br />POST – Groundswell – Charlene Li<br />People – Pessoas – O que os clientes utilizam?<br />Objectives – Objetivos – Quais são os objetivos da empresa?<br />Strategies - Estratégias<br />Technologies – Tecnologias<br />Método voltado para o uso da Web 2.0<br />16<br />
  17. 17. Groundswell - Objetivos<br />OUVIR - Conhecer a opinião do cliente para ações de marketing e de desenvolvimento de produtos<br />FALAR - Difusão de mensagens sobre a marca e seus produtos.<br />ENERGIZAR - Estabelecer novas conexões por meio de usuários mais comprometidos. Mais relacionado às vendas<br />DAR SUPORTE - Oferecer suporte para a solução de problemas.<br />INTEGRAR – envolver as pessoas de modo que colaborem com o desenvolvimento de produtos<br />17<br />
  18. 18. Capital Social Estratégico<br />Base conceitual da Ciência da Informação, Sociologia e Administração<br />Foco nas redes sociais de forma geral e não nas “redes de TI”<br />Modelo Conceitual<br />Estabelece um guia conceitual para entendimento do Capital Social Estratégico<br />Modelo Processual<br />Propõe um guia para a análise e utilização do Capital Social Estratégico<br />18<br />
  19. 19. 19<br />Planejamento<br />Estratégico<br />Estratégias<br />Organizacionais<br />Objetivos/Funções<br />Ciência da Informação e do Conhecimento<br />Outras áreas do conhecimento<br />Capital Social<br />Outros recursos<br />Informação e Conhecimento<br />Interações Sociais<br />Estruturas Sociais<br />Mobilização <br />Ativos Coletivos<br />Implementação<br />Avaliação<br />Capital Social Estratégico<br />Modelo Conceitual<br />
  20. 20. 20<br />Planejamento Estratégico e Estratégias Organizacionais<br />Diagnóstico<br />Análise do diagnóstico<br />Ativos Coletivos<br />Identificação dos Objetivos / Funções<br />Definição das ações<br />Elementos Estruturais<br />Tipos de Interação<br />Implementação<br />Avaliação<br />Capital Social Estratégico<br />Modelo Processual<br />
  21. 21. 21<br />Análise de Redes Sociais – Aplicações mais comuns<br />Suporte a alianças e parcerias– estabelecer parcerias e alianças entre as organizações.<br />Avaliar a execução de estratégias– em organizações centradas no conhecimento e em que a colaboração é intensiva entre as unidades funcionais.<br />Aprimorar a tomada de decisão da alta administração– necessidade de informações dos outros níveis funcionais para a tomada de decisão adequada a seus objetivos.<br />
  22. 22. 22<br />Análise de Redes Sociais – Aplicações mais comuns<br />Integrar redes entre processos-chave– as redes sociais permitem o diagnóstico do fluxo da informação e do conhecimento para as funções críticas dos principais processos da organização. <br />Promover inovação– saber como as equipes estão integrando seus conhecimentos e habilidades e quão efetiva tem sido a disponibilização dessa expertise a outras equipes na organização.<br />
  23. 23. 23<br />Análise de Redes Sociais – Aplicações mais comuns<br />Desenvolver comunidades de prática – descobrir as pessoas-chaves dessas comunidades bem como avaliam sua conectividade. <br />Garantir integração em processos de mudança – levar informações relevantes que garantam a mudança. <br />
  24. 24. 24<br />Conceitos Fundamentais<br />Ator – é uma entidade social. Podem ser indivíduos, organizações, países, agências governamentais, departamentos, etc.<br />Vínculo relacional– ligação de um ator a outro. <br />Avaliação pessoal – amizade, respeito, etc<br />Transferência de recursos<br />Associação e afiliação - clubes<br />Interação - mensagens<br />Movimentação de local ou status – mobilidade social<br />Conexão física – estrada, pontes<br />Relações formais – autoridade<br />Relacionamento biológico - descendência<br />
  25. 25. 25<br />Conceitos Fundamentais<br />Díade – é uma relação estabelecida entre dois atores.<br />Tríade– um subconjunto de 3 atores e suas possíveis ligações. <br />Subgrupo – é qualquer sub-conjunto de atores pertencentes a um grupo e suas respectivas ligações.<br />Grupo – é a coleção de todos os atores e suas ligações sujeitas à medição.<br />
  26. 26. 26<br />Conceitos Fundamentais<br />Relação – é uma coleção de ligações de um determinado tipo entre os membros de um grupo.<br />Rede Social – consiste em um conjunto finito de atores e suas respectivas relações.<br />
  27. 27. 27<br />Dados da Rede<br />Atributos dos atores – dados que indicam características dos atores.<br />Status sócio-econômico, residência, etc.<br /> Renda, localização geográfica, propósito do negócio, etc.<br />Relações – representam uma conexão entre os atores.<br />
  28. 28. 28<br />Dados da Rede<br />Tipos de Relações:<br />Amizade, respeito, etc<br />Compra e venda, etc,<br />Comunicação<br />Interações<br />Troca de cargos<br />Papéis formais<br />Parentesco, entre outras.<br />
  29. 29. 29<br />Medição e Coleta<br />Quantificação relacional<br />Direcional – a ligação possui uma origem e um destino e uma direção;<br />Não-direcional – não há direção no relacionamento entre os atores.<br />Dicotômico – indica a presença ou ausência da relação para cada par de atores.<br />Valorado – indica uma faixa de valores que pode ser atribuída à relação. <br />
  30. 30. 30<br />Medição e Coleta<br />Coleta<br />Questionários<br />Entrevistas<br />Observação<br />Arquivos<br />Experimentos<br />Outras técnicas<br />Coleta longitudinal– coleta dados de uma ou mais relações em determinado espaço de tempo.<br />
  31. 31. 31<br />O que se encontra nas redes sociais?<br />Centralidade– indica a quantidade de ligações que um ator possui. É caracterizada por ligações não-direcionais.<br />Prestígio – também relacionado com a quantidade de ligações, porém, caracterizada por ligações direcionais.<br />
  32. 32. 32<br />O que se encontra nas redes sociais?<br />Transitividade– quando há a passagem para um nó por meio de outro<br />Subgrupos coesos- são grupos de atores onde existem ligações fortes, intensas, diretas, freqüentes ou positivas.<br />
  33. 33. 33<br />O que se encontra nas redes sociais?<br />Redes de afiliação- São as relações pessoais existentes entre os atores. Ocorre nas organizações voluntárias, partidos políticos, encontros, congressos, etc.<br />Posição Social – atores similares na atividade social, ligações e interações<br />Papel Social– padrões de relações obtidas entre atores ou posições.<br />
  34. 34. 34<br />Step-by-Step<br />Passos para a condução e interpretação em uma análise de redes sociais (Cross; Parker, 2004)<br />Identificar grupo estrategicamente importante;<br />Avaliar relações significativas e contestáveis;<br />Analisar os resultados visualmente;<br />Analisar os resultados quantitativamente;<br />Criar sessões de discussão sobre os resultados;<br />Avaliar progresso e efetividade da análise.<br />
  35. 35. E a Web 2.0?<br />Técnicas, arquiteturas e tecnologias combinadas<br />Web 2.0 somos nós mesmos<br />É interatividade e cooperação<br />É uma cauda longa<br />É um lugar de criar relacionamentos<br />É ferramenta....<br />35<br />
  36. 36. Saber o que se quer - Estratégias<br />Agregação de valor para o usuário independente se interno ou externo<br />Como ativar, agregar e ativar o trabalho coletivo, o conhecimento e os sistemas?<br />Quebra de modelo de negócio, de práticas atuais<br />Controle e Medição dos efeitos da rede social<br />36<br />
  37. 37. Estratégias<br />O capital social deve contribuir para a realização das atividades<br />Quais são os pontos de sua rede que podem contribuir para as atividades de sua empresa?<br />Quais são os valores que sustentarão as decisões de sua empresa?<br />Capacitação e educação em redes são necessárias<br />37<br />
  38. 38. E na prática, como isso funciona?<br />Pode-se utilizar dois enfoques:<br /> Do capital social estratégico (conhecer)<br /> Das tecnologias da informação (Web 2.0) (fazer)<br />38<br />
  39. 39. Capital Social Estratégico<br />39<br />
  40. 40. Capital Social Estratégico<br />Rede Ego do ator com maior indegree – Rede de Informação<br />40<br />
  41. 41. Capital Social Estratégico<br />Rede de Informação Geral<br />41<br />
  42. 42. Capital Social Estratégico<br />Rede de Informação Geral<br />42<br />
  43. 43. Capital Social Estratégico<br />Níveis de Intermediação<br />43<br />
  44. 44. Capital Social Estratégico - Resultados<br />Compreender os fatores relacionados com os ativos coletivos – normas, confiança, cultura. <br />Estabelecer maior comunicação e confiança dentro das unidades organizacionais. <br />Melhorar a comunicação interna e externa;<br />Minimizar as distâncias pelo conhecimento das informações e conhecimentos necessários para a realização das atividades de cada unidade organizacional.<br />44<br />
  45. 45. O maior barbeiro do Brasil<br />45<br />
  46. 46. Surpreenda – MasterCard<br />46<br />
  47. 47. Dia do Amigo - Skol<br />47<br />
  48. 48. SouthwestAirlines - Twitter<br />48<br />
  49. 49. Serasa Experian<br />49<br />
  50. 50. LinkedIn - Empregos<br />50<br />
  51. 51. Universidade da Califórnia - Berkeley<br />51<br />
  52. 52. Bradesco<br />52<br />
  53. 53. Boticário<br />53<br />
  54. 54. Marketing<br />Desenvolvimento de produtos<br />Relacionamento com clientes<br />Gestão da informação e do conhecimento<br />Educação e trabalho<br />Sustentabilidade<br />Tecnologias da Informação<br />Mobile<br />54<br />Onde atuar, o que fazer?<br />
  55. 55. Dicas importantes<br />Envolva as pessoas e crie valor para elas<br />Transmita credibilidade ao identificar seus usuários<br />Estabeleça políticas de privacidade<br />Não tenha medo de críticas<br />Não censure os usuários<br />Crie formas de reconhecimento<br />Estabeleça formas de medir os resultados <br />55<br />
  56. 56. OBRIGADO !!!<br />Prof. Dr. Paulo de Tarso Costa de Sousa<br />http://ptarsosousa.blogspot.com<br />http://twitter.com/ptarsosousa<br />ptarsosousa@gmail.com<br />56<br />

×