Naturezaeculturaemsaúdemental:
Conhecimentos sobre plantas medicinais
no CAPS II deVitória da Conquista
Mentha arvensis (v...
2
3
Organização:
Patrícia Baier Krepsky
Tutora no PET-Saúde até dezembro de 2013
Professora no Instituto Multidisciplinar em...
4
Sumário
Introdução.........................................................................................................
5
Introdução
Esta cartilha foi construída com base em discussões entre usuários e profissionais do Centro de
Atenção Psico...
6
● Outros nomes populares: Hortelã
miúdo, hortelã rasteiro(10)
, hortelã de
tempero, hortelã comum(8)
.
●Nomecientífico: ...
7
● Outros nomes populares: Menta, hor-
telã-japonesa, menta-inglesa.
● Nome científico: Menthaarvensis.
● Descrição: Erva...
8
● Outros nomes populares: Levante, ele-
vante, hortelã-silvestre(8)
.
● Nome científico: Mentha sp.
● Descrição: Erva ar...
9
● Outros nomes populares: Poejinho(10)
,
poejo das hortas(8)
.
● Nome científico: Mentha pulegium.
● Descrição: Erva ras...
10
● Outros nomes populares: Hortelã-gran-
de, hortelã-graúda, malvariço(6,13)
.
● Nome cientifíco: Plectranthusamboinicus...
11
- Hortelã grosso: O mais importante, por-
que libera a água, indicado para gripe e dor
de barriga(10)
● Precauções: Se ...
12
● Outros nomes populares: Alfava-
ca-cravo(13)
, tioiô, cravinho(10)
, alfava-
ca grande(12)
, alfavacão(11,12,13)
.
● ...
13
● Outros nomes populares: Alfavaca(6,11)
● Nome científico: Ocimum basilicum
● Descrição: Folhas com margens serradas.
...
14
● Nome científico: Mikania glomerata
● Descrição: Trepadeira. As folhas têm
cerca de 10 a 15 cm de comprimento, são
lis...
15
● Outros nomes populares: Erva-de-santa-ma-
ria(5,8,14)
, mastruço, matruz, mentruz, quenopodio(5)
.
● Nome científico:...
16
● Nome científico: Erva lanceta, arnica
silvestre(11,14)
● Nome científico: Solidagomicroglossa.
● Descrição: Erva eret...
17
● Nome científico: Aloe vera.
● Sinônimo do nome científico: Aloe barbadensis(9)
● Descrição: Tem folhas grossas e sucu...
18
Fonte:http://www.aloepluslanzarote.es/museo?___store=pt
Receita de suco verde:
Picar folhas verdes escuras, como couve....
19
Referências
1. ALONSO, Jorge. Fitomedicina: Curso para profissionais da área da saúde. São Paulo: Phar-
mabooks, 2008.
...
Nature and culture in mental health: knowledge about medicinal plants a psychosocial care center II on a municipality of B...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Nature and culture in mental health: knowledge about medicinal plants a psychosocial care center II on a municipality of Bahia state, Brazil

611 visualizações

Publicada em

This booklet has been prepared based on discussions between users and professionals of the Center for Psychosocial Care II (CAPS II), along with students and professor at the Federal University of Bahia, Vitória da Conquista county, state of Bahia, Brazil plants.
For a year and a half have been conducted seven meetings plants. Participants sitting in a circle, exchanged knowledge: open space for listening experiences on how to prepare and use of medicinal, food and cosmetics plants. Precautions and forms of cultivation It was also discussed, as well as the sensations evoked by odors and flavors.

Publicada em: Saúde
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
611
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
5
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Nature and culture in mental health: knowledge about medicinal plants a psychosocial care center II on a municipality of Bahia state, Brazil

  1. 1. Naturezaeculturaemsaúdemental: Conhecimentos sobre plantas medicinais no CAPS II deVitória da Conquista Mentha arvensis (vique)
  2. 2. 2
  3. 3. 3 Organização: Patrícia Baier Krepsky Tutora no PET-Saúde até dezembro de 2013 Professora no Instituto Multidisciplinar em Saúde Universidade Federal da Bahia Péricles Norberto Matos Médico no CAPS II até maio de 2014 Prefeitura Municipal de Vitória da Conquista Tamyla Farias Preceptora no PET-Saúde de 2012 a 2014 Farmacêutica no CAPS II Prefeitura Municipal de Vitória da Conquista Diagramação e projeto gráfico: Adriana Baier Krepsky Bacharel em Publicidade e Propaganda - FURB - Blumenau ⁄ SC Ano de publicação: 2015 Apoio: Programa de Educação pelo Trabalho para a Saúde (PET-Saúde), 2012-2014 Este trabalho está licenciado sob uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional. Para ver uma cópia desta licença, visite http://creativecommons.org/licenses/by/4.0/.
  4. 4. 4 Sumário Introdução........................................................................................................................................................................ 5 Hortelãzinho.................................................................................................................................................................... 6 Vique................................................................................................................................................................................... 7 Alevante............................................................................................................................................................................. 8 Poejo................................................................................................................................................................................... 9 Hortelã-grosso...............................................................................................................................................................10 Quioiô...............................................................................................................................................................................12 Manjericão.......................................................................................................................................................................13 Guaco................................................................................................................................................................................14 Mastruz.............................................................................................................................................................................15 Arnica................................................................................................................................................................................16 Babosa..............................................................................................................................................................................17 Suco Verde.......................................................................................................................................................................18 Referências......................................................................................................................................................................19
  5. 5. 5 Introdução Esta cartilha foi construída com base em discussões entre usuários e profissionais do Centro de Atenção Psicossocial II (CAPS II), juntamente com estudantes e professora da UFBA, campus de Vitória da Conquista, BA. Em um ano e meio foram realizados sete encontros em sala de oficina. Os participantes, senta- dos em roda, trocaram conhecimentos: espaço aberto para a escuta de experiências sobre formas de preparo e uso de espécies medicinais, alimentares e cosméticas. Precauções e formas de culti- vo também foram debatidas e relatadas as sensações despertadas pelos odores e sabores. Muito interesse foi demonstrado por preparações que possam minimizar os efeitos adversos hepáticos, estomacais e intestinais de medicamentos convencionais. Destaque foi dado também às preparações que atuam em problemas respiratórios, comuns na região de Vitória da Conquista devido ao frio e mudanças bruscas de temperatura. Para a construção desta cartilha, além das experiências, especialmente dos usuários, foram em- pregadas referências técnico-científicas e populares, citadas no decorrer do texto. Pretendemos valorizar o conhecimento dos usuários, diminuindo os estigmas sociais; além de favorecer a integração entre os participantes, contribuindo para o processo terapêutico e gerar materiais, como esta cartilha, que possam contribuir para o uso coerente, de acordo com a reali- dade local e conhecimentos bem estabelecidos, de plantas medicinais recém colhidas ou secas. Durante os encontros, muitos assuntos emergiram, demonstrando o conhecimento e interesse dos participantes. Iniciamos com as espécies de Mentha, cultivadas na horta do CAPS II, o que levou à curiosidade sobre métodos de extração de óleos voláteis, que por sua vez contribuiu para incluirmos nas oficinas o tema óleos fixos na saúde humana, como ômega 3 e 6. Assuntos estes não abordados nesta cartilha. O hortelã-grosso foi sugerido a partir de discussão sobre xaropes, sendo realizada oficina sobre preparo destes remédios caseiros. Ao final de cada encontro, geral- mente definiam-se os temas para o próximo. Os usuários demonstraram conhecer a importância da dose correta, da higienização e de ou- tros cuidados com plantas medicinais, desde o cultivo até o modo de usar. Contradições foram apontadas e debatidas no grupo. Foram momentos de troca entre experiências de usuários e profissionais, entre uso popular e tradicional, entre experiências sentidas e conhecimentos siste- matizados em literatura da área de plantas medicinais. As espécies discutidas foram algumas daquelas cultivadas na horta do CAPS II. A horta é local de desenvolvimento de uma das oficinas oferecidas como parte do projeto terapêutico de usuários. Na horta, trabalha-se com adubação orgânica, sem uso de herbicidas, fungicidas e outros agrotó- xicos, com o objetivo de manter a qualidade do material vegetal(8) . Vivenciamos possibilidades de relação e aprendizado em um CAPS II, crescemos continuamen- te no ato do fazer, relacionando teoria e prática.
  6. 6. 6 ● Outros nomes populares: Hortelã miúdo, hortelã rasteiro(10) , hortelã de tempero, hortelã comum(8) . ●Nomecientífico: Menthasp(3,8) . ● Descrição: Erva com folhas ovais, aroma forte e característico de hortelã(10) . As flores, quando aparecem, são pequenas, tem colo- ração lilás clara ou azulada e localizam-se nas pontas da planta, em formato de espiga. Cau- les violáceos(8,10) . A espécie pode florescer em Vitória da Conquista(10) . ● Sensações relatadas por usuários: A sen- sação de frescor pode ir até o sentimento, traz tranquilidade e leveza, lembra o aconchego da infância. Após o preparo, permanece chei- ro agradável na casa(10) . ● Cultivo: O hortelãzinho passa a ter desen- volvimento ruim quando permanece muitos meses no mesmo local. Portanto, é adequada a prática de troca do local de cultivo. É uma espécie que precisa de umidade. Quando o sol está mais forte, é necessário molhar mais. Quando os dias estão mais frescos, não se devemolharmuito(10) .Precisadeluzsolardire- taparasedesenvolverede12horasdesolpor dia para florescer(8) , mas em Vitória da Con- quista os locais mais apropriados são à meia sombra devido à alta intensidade da radiação solar e baixa umidade do ar. Podem-se fazer mudasapartirdepedaçosdaplantacomcau- les e raízes, devem ser retiradas as folhas em excesso. Estas informações podem ser usadas também para o cultivo de vique (Mentha ar- vensis) e alevante (Mentha sp)(10) . ●Parteusada: Folhas. ● Observações: Trata-se de uma planta bas- tante segura. ● Precauções: Não usar no nariz de bebês e crianças pequenas, pois pode causar falta de ar(6) .Quandoadministradoànoiteoupormui- to tempo, pode causar insônia(8) . Modo de usar e indicações: ● Bater no liquidificador junto com frutas: Man- ga, abacaxi ou limão, como refrescante(10) . ● Adicionado a molhos para saladas conferem frescor, especialmente no verão(10) . ● Como tempero para quibe, frango, carne de boi e carne de porco(10) . ● O chá fraco preparado por infusão, ou seja, abafado, pode ser usado em casos de dor de barriga e gripe em crianças(10) . ● Para adultos, o chá preparado por infusão pode ser empregado em casos de cólicas mens- truais e gases. Deve-se desligar a água quando começar a ferver e abafar colocando uma tampa sobre a xícara(10) . ● Com poejo e hortelã-grosso, faz parte da com- posição de xaropes caseiros(10) . ● Na forma de banho, o hortelãzinho deve ser preparado em água por infusão e depois diluído em bacia ou balde(10) . Hortelãzinho Fonte:hortadoCAPSII,juntocom hortelã-grossoeoutrasplantas Fonte:http://flowers.la.coocan.jp/Lamiaceae/ Mentha%20spicata.htm 
  7. 7. 7 ● Outros nomes populares: Menta, hor- telã-japonesa, menta-inglesa. ● Nome científico: Menthaarvensis. ● Descrição: Erva com 30 a 60 cm de altu- ra, com folhas ovais ou pontudas, levemen- te recortadas, com flores esbranquiçadas e forte cheiro de menta, lembrando o cheiro de balas de menta(8) . ● Parte usada: Folhas. ● Sensação relatada pelos usuários: Disposição(10) . ● Cultivo: Informações semelhantes ao descrito para o hortelãzinho. Na horta do CAPS II, foi uma das espécies que mais se desenvolveu(10) . ● Precauções: Devido ao alto teor de mentol, a inalação não deve ser aplicada em excesso, pois pode provocar paralisia respiratória, especialmente em crianças. Não usar o óleo para inalação em crianças pequenas. ● Observações: Não tem a mesma compo- sição dos remédios da marca Vick® . Modo de usar e indicações: ● Para dor de estômago, azia, tratamen- to de acidez estomacal, inclusive causada pelo uso crônico de medicamentos. Nes- tes casos, pode-se usar o sumo diluído em água. Amassar as folhas de um ramo até obter o sumo, adicionar água fria, coar e beber. Não tomar junto com alimentos e não parar de usar os medicamentos pres- critos para problemas de estômago. Usar por 15 dias(10) . ● Má digestão; cólicas causadas por gases intestinais(10) , pois auxilia na expulsão dos gases(8) , inclusive para crianças. ● Gripe, descongestionante nasal, calman- te, dor de cabeça(10) . - O chá abafado (infuso), é empregado em ca- sos de vômitos. Tomar 2 a 3 xícaras por dia(8) . - Como descongestionante nasal, usar a planta in natura, esmagá-la para liberar mais o cheiro(8) . Ou fazer inalação com o abafado (infuso)(10) . - Como refrescante: Bater com sorvete de creme; fazer picolé juntamente com suco de maracujá ou abacaxi; outra opção é bater com água em liquidificador, coar e retornar o sumo ao liquidificador e bater com leite(10) . - Como um dos componentes do suco ver- de, pelo cheiro e refrescância(10) . - O vique pode ser usado em associação com outras plantas, como o hortelã-gros- so, na forma de xarope, para tosse(10) . En- tretanto, a preparação não pode ser fervi- da após adição do vique, pois trata-se de planta frágil e com cheiro; se for fervida por muito tempo, substâncias importan- tes serão perdidas. Vique Foto:GrahamCalow Fonte:http://www.naturespot.org.uk/species/corn-mint
  8. 8. 8 ● Outros nomes populares: Levante, ele- vante, hortelã-silvestre(8) . ● Nome científico: Mentha sp. ● Descrição: Erva aromática baixa, de ra- mos finos, geralmente rastejantes, caule verde ou arroxeado(8) ; folhas em formato levemente pontiagudo. Não floresce na re- gião de Vitória da Conquista(10) . ● Cultivo: Informações semelhantes ao descrito para o hortelãzinho. ● Parte usada: Folhas ● Sensações relatadas pelos usuários: Cheiro delicioso, é revigorante(10) . Modo de usar e indicações: ● Deixar em álcool de cereais durante uma se- mana; para cheirar em casos de dor de cabe- ça; pode ser passado no peito e costas(10) . ● Na forma banho para bebês que apresen- tam tosse. Usar o chá abafado (infuso) diluído na água do banho(10) . Alevante Fonte:hortadoCAPSII,juntocomhortelã-grossoeoutrasplantas Fotos: Patrícia Baier Krepsky. Fonte: horta do CAPS II em março de 2015
  9. 9. 9 ● Outros nomes populares: Poejinho(10) , poejo das hortas(8) . ● Nome científico: Mentha pulegium. ● Descrição: Erva rasteira, com cerca de 10 cm de altura, folhas pequenas com borda lisa, flores pequenas cor violeta claro reunidas em grupos. ● Informações sobre o cultivo: Em Vi- tória da Conquista, é necessário molhar o solo todos os dias, ou cultivar a meia sombra, especialmente no verão, fican- do mais viçoso nesta condição, o que foi observado durante o cultivo no CAPS II. As mudas podem ser obtidas a partir de uma parte da planta contendo caules, poucas folhas e raízes; se necessário, de- vem ser retiradas as folhas em excesso. Recomenda-se o cultivo suspenso para evitar contaminação com o solo, ou co- brir o solo com plantas secas (cobertura morta). A cada seis meses plantar em lo- cal novo. ● Parte usada: Toda a planta(8) , partes aéreas(2) ● Precauções: Possui efeitos tóxicos em altas doses(6,8) . Para crianças acima de dois anos, usar o chá bem fraquinho. Pode provocar broncoconstrição (falta de ar) em crianças quando usado em ex- cesso(11) . Pode causar problemas no fíga- do se usado em altas doses ou por tempo prolongado(2) . Não se recomenda o uso em grávidas(2) , principalmente nos três primeiros meses de gestação(10) . ● Observações: Se a tosse persistir, pro- curar auxílio médico. Modo de usar e indicações: ● Chá por infusão(6) , ou seja, abafado; ou xaro- pe(10) ; como expectorante(2,8) em casos de res- friado, gripe e tosse(10) . ● O infuso pode ser usado em casos de indi- gestão(8) e dor de cabeça(6) . ● Para o preparo de infusão, adicionar um co- lher de sobremesa das folhas secas em uma xícara(2) , adicionar água quente e cobrir com um prato. Esperar 15 minutos antes de tomar o chá. ● Utilizar 1 xícara de chá 2 a 3 vezes ao dia du- rante ou após refeições(2) . ● Pode ser usado também como estimulante do apetite, espasmos gastrointestinais (dor de barriga), cálculos biliares (pedra na vesícula) e colecistite (inflamação da vesícula)(2) . Poejo Fonte: http://www.elicriso.it/it/piante_aromatiche/menta/ Fonte: http://www.onlineplantguide.com/Plant-Details/3533/
  10. 10. 10 ● Outros nomes populares: Hortelã-gran- de, hortelã-graúda, malvariço(6,13) . ● Nome cientifíco: Plectranthusamboinicus. ● Sinôminos do nome científico: Coleusam- boinicus,Plectranthusaromaticus,Coleusaromaticos(9,13) . ● Descrição: Erva grande com cerca de 40 cm a 1 metro de altura, folhas triangulares, com bordo recortado, muito quebradiça, flores azuladas ou róseas clara, em forma de espiga(13) . ● Cultivo: Em Vitória da Conquista, é necessário molhar o solo todos os dias, especialmente no verão(10) . Floresce ape- nas em climas amenos(13) . Nesta cidade, a espécie floresce(10) . As mudas podem ser obtidas por estaquia(13) , a partir de uma parte da planta contendo caules, poucas folhas; se necessário, devem ser retiradas as folhas em excesso. Pode ser cultivada ao sol. Replantar quando as folhas fica- rem amareladas. ● Conservação: Para conservar o xarope, utiliza-se um pote de vidro que deve ser fervido antes do uso, por 10 minutos. Essa fervura serve para evitar a contaminação do xarope. O xarope deve ser consumido em até 8 dias. Para garantir a conservação, pode-se colocar cravo-da-índia dentro do xarope. A rapadura em grande quantida- de, abacaxi e beterraba, também servem para ajudar na conservação(10) . Ao invés de aquecer, a mistura pode ser deixada em re- pouso durante uma noite. ● Função de cada planta nos xaropes: - Hortelãzinho e vique: Utilizados pelo sa- bor e sensação de refrescância(10) - Agrião e/ou guaco: Expectoração(10) - Poejo: Expectoração, resfriado e rou- quidão(10) Modo de usar e indicações: ● Preparar chá por infusão ou xarope, com açúcar mascavo ou rapadura ralada(10), para tosse(3,10 13) , gripes e resfriados(10) . ● Para preparo do xarope, rasuram-se as fo- lhas, amassando-as e apertando-as bem até extrair o sumo. Depois, mistura-se rapadura ralada com o sumo em uma panela. Leva-se ao fogo por 2 minutos. A rapadura pode ser substituída pelo mel, neste caso não deve ser fervido. Coa-se(10) . Hortelã-grosso Fonte:http://www.hortomedicinaldohu.ufsc.br/planta.php?id=171 Fonte: http://nl.wikipedia.org/wiki/Vijf-in-een-kruid#/media/ File:Starr_071024-0027_Plectranthus_amboinicus.jpg)
  11. 11. 11 - Hortelã grosso: O mais importante, por- que libera a água, indicado para gripe e dor de barriga(10) ● Precauções: Se a tosse persistir, procurar auxílio médico. ●Observações: ______________________ ___________________________________ ___________________________________ ___________________________________ ___________________________________ ___________________________________ ● Um modo bastante popular em Vitória da Conquista de se preparar o xarope caseiro é intercalar camadas de hortelã-grosso e ou- tras espécies medicinais (poejo, hortelãzinho, guaco, agrião) e açúcar em uma panela. Man- ter em fogo baixo, em banho-maria, com a panela tampada. À medida em que as plantas são aquecidas, é liberada água juntamente com os componentes ativos das plantas. Se for usado mel, não aquecê-lo, mas misturá-lo após o preparo. Recomendamos substituição do açúcar por açúcar mascavo ou rapadu- ra ralada, muito mais saudáveis. Além disso, lembramos que diabéticos não podem inge- rir xaropes contendo açúcar, açúcar mascavo, rapadura ou mel. Neste caso, recomenda-se o uso do chá ou sumo(10) . ● Outra receita: Misturar em panela com água poejo, hortelã-grosso, capim-da-lapa, açúcar e ferver por poucos minutos. Deixar no sereno para esfriar. Manter em geladeira para conservar. Retirar da geladeira antes de usar. O capim-da-lapa é também denomina- do capim-santo e o nome científico é Cym- bopogon citratus(10) . ● Ainda sobre misturas de espécies, foi des- crita a seguinte foma de preparo de xaropes: Forra-se o fundo de uma panela com rapadu- ra ralada. As folhas de hortelã-grosso devem cobrir a rapadura. Por cima, coloca-se outra camada de rapadura ralada e, sobre a rapadu- ra, uma camada de folhas de vique. Todas as folhas são adicionadas sempre intercalando uma camada de folhas e uma de rapadura. É recomendado deixar o sistema montado na panela descansando por cerca de 1 hora. Ha- verá a liberação de água que vem das folhas, principalmente do hortelã grosso. Depois de deixar em repouso, leva-se a panela ao fogo em banho-maria até engrossar. Coa-se(10) . ● A beterraba e o abacaxi também foram des- critos como espécies empregadas em casos de tosse. Para o preparo do xarope, corta-se a beterraba e o abacaxi em fatias, coloca-se açúcar por cima. Mantém-se no sereno até o dia seguinte. Usar o líquido que se forma(10) .Foto:Felipe S. B. Paiva Fonte: horta do CAPS II em março de 2015
  12. 12. 12 ● Outros nomes populares: Alfava- ca-cravo(13) , tioiô, cravinho(10) , alfava- ca grande(12) , alfavacão(11,12,13) . ● Nome científico: Ocimumgratissimum. ● Descrição: Subarbusto, que pode atingir até 2,5 metros de altura(13) . As folhas apresentam bordos denta- dos e possuem aroma que lembra o cravo-da-índia (Syzygium aromaticum(8,13) . Suas flores são pequenas, roxo-pá- lidas ou amarelo-esverdeadas, dis- postas na parte terminal(13) . ● Cultivo: Asmudaspodemserobti- das através de sementes secas na pró- pria planta; ou a partir de uma parte do caule(11) , contendo poucas folhas. EmVitória da Conquista, suporta bem sol e calor. Pode ser plantada com poejo e hortelã(11) . ● Partes usadas: Folhas e flores(13) . ● Precauções: Se a tosse persistir, procurar auxílio médico. ● Observações: ____________________________________________________________ __________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________ Modo de usar e indicações: ● Chás por infusão/abafado, em casos de gri- pes, resfriados, tosse, bronquite(4,8,13) , como analgésico e antisséptico. ● Banhos antigripais com o chá bem concen- trado colocado na água do banho(7,10, 13) . ● Bochechos e gargarejos do chá morno, para afecções de boca(13) , como aftas, pelo efeito antisséptico. ● Para frieiras e outras micoses(13) pode ser usado o sumo(8) . Quioiô Fonte: http://www.about-garden.com/se/en/fotoa-Ocimum/ Fonte:http://www.cnip.org.br/banco_img/ Alfavaca%20Cravo/ocimumgratissimum.html
  13. 13. 13 ● Outros nomes populares: Alfavaca(6,11) ● Nome científico: Ocimum basilicum ● Descrição: Folhas com margens serradas. Flores brancas ou violáceas claras, pequenas. ● Cultivo: As mesmas orientações do quioiô. ● Partes usadas: Folhas(6,11) . ● Preucações: Se os sintomas persistirem por mais de duas semanas, procurar auxílio médico. ●Observações: _________________________ ______________________________________ ______________________________________ ______________________________________ ______________________________________ Modo de usar e indicações: ● Em molho de tomate, para ser usado em massas. Preparar a massa e o mo- lho primeiro, adicionar o manjericão apenas ao final, sem ferver, para man- ter o sabor(10) . ● Tintura para tratamento de mico- ses, inclusive de unha, e frieiras. Para preparar a tintura, colocar a planta em contato com álcool de cereais ou cachaça por no mínimo 2 semanas. Pode ser usada durante 1 ano, pois o álcool ajuda na conservação. ● Para frieiras, pode ser usado o sumo. Passar 3 vezes ao dia(8) ● Chá por infusão/abafado para pro- blemas digestivos(6,8) . Tomar uma xíca- ra de chá de 3 em 3 horas(8) ● Chá por infusão/abafado adoçado com mel para problemas das vias res- piratórias(8) , como gripes e resfriados(6) ●Estimulasecreçãodeleitematerno(8,11) Manjericão Fonte: http://www.hortomedicinaldohu.ufsc.br/ planta.php?id=161
  14. 14. 14 ● Nome científico: Mikania glomerata ● Descrição: Trepadeira. As folhas têm cerca de 10 a 15 cm de comprimento, são lisas com formato triangular, sensivelmente lobada, de base arredondada, truncada ou cordada; contêm de 3 a 5 nervuras básicas, oriundas do pecíolo, que mede de 3 a 6 cm de comprimento. Seca, esta folha é fraca- mente aromática e possui sabor aromático. ● Cultivo: As mudas podem ser obtidas por estaquia(7,11) , ou seja, pode-se usar uma parte do caule com poucas folhas e cerca de 20 cm. Desenvolve-se em ma- tas próximas aos rios. Na horta do CAPS II, tem se desenvolvido bem a pleno sol, mas nunca floresceu(10) . Necessita solo úmido(8) . Deve ser protegido contra ven- tos fortes(7) . ● Parte usada: Folhas ou planta florida(8) . ● Observações: Os moradores de Vitória da Conquista geralmente obtêm essa es- pécie a partir de mudas trazidas de ou- tros estados, especialmente São Paulo(10) . Talvez por não se tratar de espécie nativa na Bahia e ser desconhecida pela maioria dos participantes, não houve muita dis- cussão nas oficinas sobre sua importan- cia medicinal. ● Precauções: Pode causar vômitos e diarreia, se usado em excesso(2,8) . Pode interferir na coagulação sanguinea(2) . Em caso de asma, não deixar de usar os remé- dios de farmácia prescritos pelo médico. Mododeusareindicações: ● Na forma de xarope em casos de: Bronquite, tosse e asma(5,7,10) , inclusive em bronquites alérgicas e infeccion- sas(2) , pela ação expectorante(1,2,6,8) e broncodilatadora(6,7,8) ;gripe,resfriado(2,6) , tosse seca, como antialérgico. ● Pode ser empregado o chá preparado por infusão/abafado ou decocção para as mesmas indicações(1) . Neste caso, usar 2 xícaras de cafezinho das folhas picadas em meio litro de água. Tomar 1 xícara 4 vezes ao dia(8) . Ou usar 1 colher de sopa dasfolhassecasparacadaxícara.Etomar 1xícara3vezesaodia(2) . ● Em casos de crises de tosse, pode ser usada a decocção(7,8) . Desligar o fogo quando sentir cheiro de cumarina(7) , ou seja, semelhante ao cheiro de casca de amburana(7) . Guaco Fonte: http://www.hortomedicinaldohu.ufsc.br/ planta.php?id=163
  15. 15. 15 ● Outros nomes populares: Erva-de-santa-ma- ria(5,8,14) , mastruço, matruz, mentruz, quenopodio(5) . ● Nome científico: Chenopodiumambrosioides. ● Descrição: Erva com até 1 metro de altura(5) , muito ramificada(7,8,14) . Folhas dentadas, sendo menores aquelas dos ramos superiores. Flores muito pequenas, claras(7,14) . Sementes escuras(7,8) com cerca de 1 mm de diâmetro(14) . ● Cultivo: Obtenção de mudas por semeadura, diretamente no campo(14) ou em sementei- ra. Ou ainda por estaquia de caules(5) . ● Parte usada: Partes aéreas com sementes maduras. ● Precauções: Devido à toxicidade do óleo, deve-se evitar o uso de mastruz em crianças menores de dois anos(7,8,14) , pessoas com problemas de audição, gestantes e idosos(7,14) . Em gestantes, não deve ser usado(5) , pois estimula a musculatura uterina(1) . Não usar por mais de duas semanas. Mododeusareindicações: ● Como vermífugo(4,5,7,10,14) : Triturar/ma- cerar/ machucar a planta para obter o sumo. Adicionar leite. Tomar de uma vez paraeliminarvermesintestinais,especial- mente lombriga(3,7,10) . ● Ou bater no liquidificador 1 copo da planta picada com sementes e 2 copos de leite. Tomar 1 copo do suco, 1 vez ao dia, durante 3 dias seguidos(8) . Ou usar 1 vez ao dia e repetir após 10 dias(7) . ● Contusões(4) : Triturar/macerar/machu- car a planta para obter o sumo e aplicá-lo em machucados, feridas, pancadas(7,10) . ● Colocar 1 xícara de cafezinho de vina- gre, 1 colher de sopa de sal, amassar a planta na mistura até obter uma papa. Aplicar sobre o local afetado e enfaixar(8) . Mastruz Fonte: http://www.zimbabweflora.co.zw/speciesdata/ image-display.php?species_id=121950&image_id=8 Fonte: http://www.zimbabweflora.co.zw/speciesdata/ image-display.php?species_id=121950&image_id=8
  16. 16. 16 ● Nome científico: Erva lanceta, arnica silvestre(11,14) ● Nome científico: Solidagomicroglossa. ● Descrição: Erva ereta, pode atingir até 1,20 m de altura(12) . Inflorescências amarelas. ● Cultivo: Pode-se obter mudas por semen- te, ou por plantio da raiz e caule, sendo esta a forma mais utilizada. A planta espalhou-se por um canteiro da horta no CAPS II pela sua grande capacidade de propagação e resistên- cia ao calor(10) . ● Parte usada: Folhas(10) e flores(5,14) . ● Precauções: Apenas uso externo, ou seja, não se pode beber. ● Observações: A arnica tem esse nome popular pois existe outra espécie, a Arnica montana, com o mesmo nome popular. Utili- zada em pomadas, cremes e medicamentos homeopáticos vendidos em farmácias. Modo de usar e indicações: ● Preparar a tintura colocando a arnica no álcool de cereais ou cachaça. Deixar 1 semana até que solte a cor verde ou ama- rela. No momento do uso, embeber um algodão ou gaze com a tintura, passar na região dolorida ou manter o algodão com a tintura na região afetada com o uso de uma compressa. Usar em casos de pancadas, pé torcido(8,10) , inchaço, dor de coluna, hematoma (mancha roxa). Atua em inflamações musculares(12) . ● Pode ser feita compressa quente com o chá bem concentrado. Quando esfriar, embeber nova compressa e colocar no local afetado. ● A tintura ou o chá mais forte pode ser usado para cicatrização de ferimentos. A vantagem do chá é a ausência do ardor causado pelo álcool. ● Pode-se associar com mastruz (Chenopodium ambrosioides) ou com alecrim (Rosmarinus officinalis). Arnica Fonte: http://riquezasdanatureza.ll.eti.br/ Fonte: http://cangucuemcores.blogspot.com. br/2012/03/erva-lanceta-solidago-microglossa-dc.html ● Observações: ________________________ ______________________________________ ______________________________________ ______________________________________
  17. 17. 17 ● Nome científico: Aloe vera. ● Sinônimo do nome científico: Aloe barbadensis(9) ● Descrição: Tem folhas grossas e suculentas, grandes, presas em caule muito curto. Quando cortadas, deixam escoar um suco viscoso, amare- lado e muito amargo(7) . ● Cultivo: Podem ser obtidas mudas a partir dos brotos que nascem da própria planta(3,10) . Prefere solos arenosos(8) . Desenvolve-se bem no semi-árido nordestino(3) . ● Parte usada: Parte interna das folhas. ● Precauções: Não usar a parte externa das folhas, ou seja, a parte verde e o líquido ama- relo, para beber, pois causa grave nefrite aguda (inflamação nos rins)(5,7) e perda de mi- nerais(3) . Gestantes não devem usá-la(5) , pois estimula musculatura do útero(3) . Em casos de hemorroidas, não beber(3) . Apenas usar o gel transparente. Mododeusareindicações: ● Retirar o gel da babosa, usar apenas o gel como cicatrizante(1,3,5,7) em casos de ferimentos e queimaduras(3,6) para auxiliar a regeneração da pele. ● Pode ser usado para hidratar o cabelo, usando apenas o gel batido ou não, ou misturar o gel com creme para cabelos. Passar no cabelo, deixar 15 minutos e en- xaguar(10) . ● Parahemorróidas(5,10) inflamadas,cortar um pedaço do gel em formato de supo- sitório e aplicar diretamente no ânus(3,7,10) . ● Paragastrite,usarumpequenopedaço do gel com cerca de 1 cm (sem a parte verde e sem o líquido amarelo) puro ou batido com suco(10) . Babosa Fonte: http://moganblog.com/?p=1306 Fonte:http://pt.wikihow.com/Preparar-Suco-de-Aloe-Vera Fonte: http://portuguese.alibaba.com/product-free/fresh -aloe-vera-leaves-yellow-flower--124663828.html
  18. 18. 18 Fonte:http://www.aloepluslanzarote.es/museo?___store=pt Receita de suco verde: Picar folhas verdes escuras, como couve. Adicionar ervas como vique, horlelãzinho e suco de limão. Completar com quantidade suficiente de água filtrada ou fervida para bater em liquidificador e obter o suco(10) . ● Função de cada planta: - Hortelãzinho e/ou vique: Sabor e sensação de refrescância(10) . - Folhas verdes escuras: Prevenção; proble- mas como câncer, auxílio no tratamento de doenças reumáticas e hipertensão(10) . ● Observações: ________________________ ______________________________________ ______________________________________ ______________________________________ ______________________________________ SucoVerde
  19. 19. 19 Referências 1. ALONSO, Jorge. Fitomedicina: Curso para profissionais da área da saúde. São Paulo: Phar- mabooks, 2008. 2. BRASIL. Resolução no 10, de 9 de março de 2010. Dispõe sobre a notificação de drogas vegetais junto à Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA) e dá outras providências. 3. CARRICONDE, Celerino; MORAES, Diana; FRITSCHEN, Maren von; CARSOZO, Euclides Lara. Plan- tas medicinais & plantas alimentícias. Olinda: Centro Nordestino de Medicina Popular, 1996. Volume I. 4. COIMBRA, Raul. Notas em Fitoterapia: Catálogo dos dados principais sobre plantas utilizadas em Medicina e Farmácia. Rio de Janeiro: Edição de Carlos Silva Araújo, 1942. 5. CORREA, Anderson Domingues; BATISTA, Rodrigo Siqueira; QUINTAS, Luis Eduardo M. Plantas medicinais: Do cultivo à terapêutica. 7a edição. Ed. Vozes, 2008. 6. HOLETZ, Fabíola Barbiéri; HOJDA, Patrícia; SOUZA, Wesley Maurício de (org.). Cadernos peda- gógicos: Plantas medicinais e tóxicas. Curitiba: Universidade Federal do Paraná, 1998. 7. MATOS, Francisco de abreu. Farmácias Vivas: Sistema de utilização de plantas medicinais pro- jetado para pequenas comunidades. 4. edição. Fortaleza: Ed. da Universidade Federal do Ceará, 2002. 8. MARTINS, Ernane Ronie; CASTRO, Daniel Melo de; CATELLANI, Débora Cristina; DIAS, Jaqueline Evangelista. Plantas Medicinais. 5. reimpressão. Viçosa: Ed. da Universidade Federal de Viçosa, 2003. 9. MISSOURI BOTANICAL GARDEN. Tropicos. Disponível em: <http://www.tropicos.org/> Acesso em: 27/08/2014. 10. PARTICIPANTES DA OFICINAS: Usuários, profissionais, professores e estudantes. Oficina de Plantas Medicinais do CAPS II. 2013. 11. RIBEIRO, Paulo Guilherme Ferreira; DINIZ, Rui Cépil. Plantas aromáticas e medicinais: Cultivo e utilização. Londrina: Instituto Agronômico do Paraná. 2008. 12. SACRAMENTO, Henriqueta Tereza do. Plantas que dão vida: Benefícios das ervas medicinais para a saúde. Vitória: Grafitusa, 2011. 13. SIMIONATO, César Paulo; ROSA, Shirley Catarina; WOSNY, Antônio de Miranda. Horto didático de plantas medicinais do HU. 2011. Disponível em: <http://www.hortomedicinaldohu.ufsc.br/> Acesso em: 27/08/2014. 14. SIMÕES, Claúdia Maria Oliveira; MENTZ, Lilian Auler; SCHNKEL, Eloir Paulo; IRGANG, Bruno Edi- gar; STEHMANN, João Renato. Plantas da medicina popular no Rio Grande do Sul. 5. ed. Porto Alegre: Ed. da Universidade, Universidade Federal do Rio Grande do SUL, 1998.

×