SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 59
Baixar para ler offline
HISTÓRIA DAS PLANTAS
• Mesopotâmia: 50.000 anos: Uso de plantas medicinais:
mulheres: agricultura e pecuária.
• Civilizações antigas: chinesa e indiana (há 5.000 anos);
• As rotas das expedições: Cristovão Colombo; Marco
Polo; Carlos Magno; Alexandre Magno e a rainha de Sabá.
• Construção das pirâmides (Egito Antigo) e nas longas
marchas: era obrigatório o uso diário de alho.
• Shen Nung: fundador da medicina chinesa: 2.698 a.C:
Tratado escrito “Cânone da Ervas”: descrevia 252 plantas.
• Egito: mumificação: mirra, canela, entre outras.
Papiros de Ebers: 1550 a.C: 500 plantas e 800 receitas.
• Salsa e o Louro eram plantas sagradas, simbolizando
triunfo e ressurreição.
• Bíblia: hissopo (família do orégano); alcaparra; açafrão;
hortelã; cominho; coentro; mostarda; alho-poró; mirra;
cebola e alho.
• Antiguidade: escravo comprava sua liberdade por ½ kg
de pimenta.
• Canela: poderoso germicida: conservante.
• Coentro: anti-séptico e ação contra gases.
• Noz moscada: cólicas renais, anti-séptica, digestão e evita
formação de gases.
• “Arábia da Fortuna”: Arábia Saudita: monopólio de
especiarias.
• Portugueses: contribuiu para a diversificação e abundância
na Europa: África, Ásia e Américas.
• Brasil: Cabral: fitoterapia reinava.
• Séc. XIX: surge os medicamentos sintéticos (síntese AAS)
• Final do séc. XX: ressurge a utilização das plantas
medicinais.
• Pesquisa SOS FARMA: 400 famílias: 91,9% se auto-
medicavam com ervas e 46,6% as cultivavam.
“As plantas brasileiras não apenas
curam: fazem milagres”
(Von Martius, botânico alemão)
“Uma planta pode conter várias
substâncias diferentes, a descoberta de
uma só delas pode ser mais importante
para a humanidade do que a de uma
galáxia.”
Sérgio Franceschini Filho
MEDICINAIS
PLANTAS MEDICINAIS
• São vegetais que depois de
colhidos, frescos ou não, são
usados de imediato ou não, no
tratamento de qualquer doença.
• Exemplos:
Babosa
Hortelã Guaco
Camomila
NOME CIENTÍFICO
COMO DAR NOMES ÀS PLANTAS?
• Cada espécie deve ter um nome
científico que obedece às normas do
Código Internacional de
Nomenclatura Botânica, iniciado por
Linnaeus.
• O nome científico é um binômio
escrito em latim ou em palavras
latinizadas.
Exemplo: Babosa
Aloe vera
Aloe vera
 A primeira palavra corresponde ao gênero e deve ser
escrita em letra inicial maiúscula.
 A segunda palavra corresponde à espécie e deve ser
escrita em letra inicial minúscula.
 Quando não conhecemos a espécie, usamos o termo
“spp”.
 Por exemplo: a Mentha spp pode ser a Mentha
arvensis e a Mentha piperita.
 O nome científico deve estar em itálico, negrito ou
grifado.
NOME POPULARNOME POPULAR
• Nomes populares são regionais.
• Uma mesma planta pode receber vários nomes
populares, de acordo com a região.
• Ex.: Guaco
Científico: Mikania glomerata Spreng.
Populares: Guaco, erva-das-serpentes, uaco,
cipó-catinga, cipó-sucuriju, erva-cobre e erva-
de-cobra.
DROGA VEGETAL
• É uma planta medicinal ou suas partes, após
o processo de colheita, estabilização e
secagem, podendo ser íntegra, rasurada,
triturada ou pulverizada.
• Derivado de droga vegetal são produtos de
extração da matéria prima vegetal, tais
como: extrato, tintura, óleo, cera, suco e
outros.
COMPOSIÇÃO QUÍMICA
• São substâncias que compõem e dão características
à planta.
Exemplos:
Camomila: óleo essencial contendo
camazuleno, matricina, bisabol
(antiinflamatório), flavonóides e colina.
Capim-santo: óleo essencial contendo
geraniol, citral (antiespasmódico,
antimicrobiano, inseticida e repelente),
mirceno (analgésico), cimbopogonol,
limoneno, dipenteno e outros.
PRINCÍPIOS ATIVOS
• São compostos que conferem ação terapêutica às
plantas medicinais. Todas as plantas sintetizam,
acumulam ou depositam substâncias representadas
pelos compostos químicos ou grupos de compostos
químicos, as quais constituem os princípios ativos.
• Os principais princípios ativos são: ácidos
orgânicos; alcalóides; antraquinonas; compostos
fenólicos; compostos inorgânicos; cumarinas;
flavonóides; glicosídeos; mucilagens; óleos
essenciais; saponinas; substâncias amargas;
taninos.
ALCALÓIDES
• Atuam no sistema nervoso central (calmante,
sedativo, estimulante, anestésico,
analgésicos). Alguns podem ser cancerígenos
e outros antitumorais.
• Ex.: Cafeína do café e guaraná, teobromina
do cacau, pilocarpina do jaborandi, etc.
Café Guaraná Cacau
MUCILAGENS
• Cicatrizante, antiinflamatório, laxativo,
expectorante e antiespasmódico.
Ex.:
babosa confrei
FLAVONÓIDES
• Antiinflamatórios, fortalecem os vasos
capilares, antiescleróticos, antidematoso,
dilatador de coronárias, espasmolítico,
antihepatotóxico, colerético e antimicrobiano.
Ex.:
Camomila
Estévia
Carqueja Guaco
TANINOS
• Adstringentes e antimicrobianos
(antidiarréico). Precipitam proteínas.
Ex.:
Barbatimão
Goiabeira
ÓLEOS ESSENCIAIS
• Bactericida, antivirótico, cicatrizante,
analgésico, relaxante, expectorante e
antiespasmódico.
• Ex.: mentol nas hortelãs, timol no
tomilho e alecrim, ascaridol na erva-de-
santa-maria.
TomilhoHortelã Erva-de-santa-maria
TOXICIDADETOXICIDADE
“Se não fizer bem, mal também não faz.”“Se não fizer bem, mal também não faz.”
• Deve-se tomar muito cuidado com as ervas tóxicas, pois se utilizadas semDeve-se tomar muito cuidado com as ervas tóxicas, pois se utilizadas sem
critérios poderão produzir efeitos indesejáveis, como intoxicações moderadas oucritérios poderão produzir efeitos indesejáveis, como intoxicações moderadas ou
fortes, irritações nas mucosas ou na pele, alergias e outros efeitos colaterais.fortes, irritações nas mucosas ou na pele, alergias e outros efeitos colaterais.
• ExemploExemplo 1: canela, alecrim, boldo, louro, arruda e babosa.1: canela, alecrim, boldo, louro, arruda e babosa.
Não deve ser usadas por mulheres grávidas porque provocam aborto.Não deve ser usadas por mulheres grávidas porque provocam aborto.
• ExemploExemplo 2: arnica.2: arnica.
É muito tóxica e irritante das mucosas, por isso não deve ser ingerida.É muito tóxica e irritante das mucosas, por isso não deve ser ingerida.
Boldo
Arnica Flor de arnica
Arruda
Exemplo 3: ginko biloba.
É um anticoagulante do sangue.
Exemplo 4: Funcho.
É um convulsivante acima de 20g/L.
CONCENTRAÇÃO DE PRINCÍPIOS
ATIVOS
• A concentração de princípio ativo varia conforme a época e
maturação ou crescimento da erva.
Exemplos:
• Folhas: usar as folhas adultas e viçosas e o melhor período é
antes da floração até o término da mesma.
• Talos: colhidos da mesma forma e com os mesmos cuidados
aplicados as folhas.
• Cascas: usar as cascas de plantas adultas principalmente durante
a floração da planta.
• Raiz: após o término da floração.
O horário da colheita também é importante:
* No caso das folhas e flores: deve ser feita pela
manhã, depois da evaporação do orvalho e em dia de
sol, de preferência sem vento.
* No caso das raízes: deve ser feita no finalzinho da
tarde.
Obs. 1: Evitar colheitas na chuva ou logo após a
mesma.
Obs. 2: As plantas aromáticas devem ser colhidas no
final da tarde, pois é o período em que há maior
concentração de princípios ativos.
FORMA DE UTILIZAÇÃO
• As principais formas de uso são:
a) infusão
b) chá tradicional - tisana
c) decocção
d) maceração
e) extratos
f) unguento
g) cataplasma
h) tintura
i) vinhos medicinais
j) xarope
k) suco fresco
INFUSÃO
• É usado quando se querem retirar os princípios ativos
de um vegetal aromático, através de um leve
cozimento, para tanto basta derramarmos água
fervente sobre o vegetal desejado, tampar e deixar
em infusão pelo período de 15 a 20 minutos,
podendo ser ingerido quente ou frio.
• Exemplo: infusão da camomila.
CHÁ TRADICIONAL – TISANA
• É usado para retirar os princípios ativos, quando estes
apresentam características aromáticas.
• Preparo: coloca-se água no fogo, quando entrar em
ebulição, coloca-se os vegetais frescos, lavados e
picados na água, desligando-se posteriormente o fogo.
Abafa-se e deixe esfriar.
Exemplo: chá de hortelã.
DECOCÇÃO
• A finalidade é a mesma da infusão, porém o processo é
usado para partes mais duras como casca ou raiz.
• Preparo: colocar as ervas numa vasilha, despejar água
fria, levar ao fogo para o cozimento, deixando ferver
por cinco ou dez minutos e em casos de partes mais
endurecidas até trinta minutos. Após o cozimento,
retirar do fogo e abafar por mais alguns minutos.
MACERAÇÃO
• Ao contrário do que muita gente pensa macerar não é
“macetar”. É um processo feito a frio, usando água, álcool,
vinagre, vinho, glicerina ou outro líquido extrativo, deixando
que a extração do princípio ativo ocorra naturalmente por
um tempo determinado.
• Exemplos: vinho, licores
XAROPE
• É a preparação de uso prolongado, usado principalmente
para doenças da garganta, pulmão e brônquios.
• O xarope medicamentoso deve ser preparado da seguinte
maneira: dissolve-se 850 gramas de açúcar em 450
mililitros de água potável e quente, aquece-se até a
diluição e obtendo-se um ponto de fio entre os dedos.
Sempre atingindo um litro da mistura. Pode-se adicionar
chá da erva ou tintura vegetal.
SUCO FRESCO
• Este é um processo para ser usado de imediato. Pode ser
feito de duas maneiras:
• Primeira: quando temos frutos maduros e moles, basta para
tal espremê-los em um pano.
• Segunda: quando temos outros tipos de frutos, folhas ou
mesmo flores e sementes. Usa-se o liquidificador ou mesmo
pilão de socar alho. Podem ser diluídos ou não em água.
A HORA CERTA DE TOMAR
UM CHÁ
• Como cada uma das Plantas Medicinais tem uma ação
característica, devemos sempre tomar alguns cuidados, como
nunca tomar à noite chás com plantas que sejam estimulantes
do sistema nervoso central ou tônico, pois estes podem
atrapalhar o seu sono.
• Ao levantar-se prefira os tônicos e estimulantes para enfrentar o
seu dia de trabalho, logo podemos tomar chás de alecrim,
canela, gengibre e tomilho.
• No horário do almoço, indica-se os digestivos como:
camomila, erva-doce, manjericão, hortelã e boldo.
• A tarde prefira os menos calmantes como: hortelã, sálvia e
erva-doce.
• Ao jantar indica-se para uma boa noite de sono relaxante:
capim limão, melissa, casca de maçã e camomila.
ETAPAS DE CULTIVO
ADUBAÇÃOADUBAÇÃO
• Uma adubação equilibrada proporcionará plantas
resistentes a pragas e doenças.
• O uso de agrotóxico é desaconselhado para evitar
alterações das propriedades das plantas.
• Observar as características de cada planta.
• Ter água de boa qualidade em abundância e disponível.
• Ter boa incidência de sol.
• Observar o espaçamento entre linhas. Recomenda-se
30cmx30cm.
• As terras das sementeiras devem ser bem fofas e as
sementes devem ser cobertas com areia bem fina e
peneirada.
PLANTIOPLANTIO
DICAS PARA CULTIVO
1) As plantas medicinais em geral precisam de 5
horas de sol por dia para terem um bom
desenvolvimento.
2) Devemos afofar e adubar os vasos a cada mês e
regar sempre que o solo estiver seco.
3) As plantas medicinais gostam de solo
relativamente úmido. Existe um método de
verificação, basta introduzir o dedo no solo, e este
deve entrar com facilidade.
4) Quando for plantada em vasos devemos adubá-las
com composto orgânico, húmus, a cada 40 dias; em
canteiros, a cada 90 dias.
PRAGAS E DOENÇASPRAGAS E DOENÇAS
• Nunca use qualquer tipo de agrotóxico, pois são rapidamente
absorvidos pelas plantas, tornando-as impróprias para o
consumo, além de alterar o sabor.
• Sempre que puder use associações benéficas, como:
– Manjerona: melhora o aroma das plantas.
– Catinga-de-mulata: seu aroma afasta insetos voadores.
– Hortelã: pode ser plantada como bordadura.
– Funcho e Losna: não devem ser plantadas perto de nenhuma
outra planta.
– Alfavaca: seu cheiro repele moscas e mosquitos. Não deve
ser plantada perto da arruda.
– Tomilho: seu cheiro mantém afastada a borboleta da couve.
– Mil-folhas: serve como bordadura aumentando a produção
de óleos essenciais quando plantadas perto de ervas
aromáticas
COMBATE DE PRAGAS COMCOMBATE DE PRAGAS COM
SOLUÇÕES NATURAISSOLUÇÕES NATURAIS
Alguns métodos naturais, embora sem ter
100% de eficácia, têm trazido bons resultados
no combate de pragas, tais como:
• Pulgões: use cinco dentes de alho amassados
em 1 litro de água, deixe descansar por oito
dias. Dilua com cinco litros de água e
pulverize as plantas, repetindo por três dias
seguidos.
• Fungos: fazer o chá de 40 gramas de flores de
camomila em 1 litro de água, esfriar e pulverizar.
Não obtendo resultado, a planta deve ser
arrancada e queimada, substituindo-a por outra.
• Lagartas: usar um infusão de 10cm de fumo de
corda macerado em 1 litro de água por 24 horas,
pulverizar e só utilizar as plantas depois de 15
dias.
• Formigas tipo saúva: plantar mudas de hortelã
pimenta junto aos canteiro. Tem ação repelente.
Triturar carvão ou cinzas de madeira e jogar ao
redor dos canteiros. Repelente.
As grandes vantagens de você ter o vegetal fresco em
sua casa são de ser sempre o verdadeiro, isento de
agrotóxicos, fungos e microorganismos.
Dicas para a colheita:
1. Quando colhemos flor ou folha, estas devem ser
recolhidas antes do desenvolvimento das flores.
2. Se forem somente flores estas devem ser recolhidas
antes de sua maturação total.
3. Se forem frutos, colha-os no seu início de maturação.
4. Caso seja a raiz, esta deve ser colhida no inverno,
quando existe uma maior concentração de princípios
ativos.
5. Colhem-se sempre pela manhã em dia ensolarado, desde
que não tenha chovido no dia anterior. Solo seco.
COLHEITA
6. Não usar nunca plantas que se encontra em beira
de estrada, pois podem estar contaminadas por
produtos químicos emitidos por automóveis.
7. Tenha o cuidado de colher a planta sem a
contaminação de terra.
8. Não misturar plantas de espécies diferentes.
9. Deve-se selecionar plantas saudáveis, sem
manchas e livre de insetos e fungos.
10.As cascas devem ser colhidas antes da floração.
11. As sementes devem ser colhidas bem secas, isto
é percebido quando elas começam a caírem do
vegetal.
• As folhas depois de colhidas podem ser colocadas sobre
jornais em lugar arejado e sem incidência do sol direto.
• As folhas devem ser viradas periodicamente para que
sequem igualmente.
• Usa-se também o varal. Os ramos devem ser montados
em maços e pendurados pela parte do ramo, ficando com
as folhas para baixo, em um varal de barbante para que
haja uma maior concentração de princípios ativos.
• As raízes devem ser raspadas para livrarem-se de
resíduos de terra e picadas em pedaços pequenos para
secarem mais facilmente e ficarem livres de fungos.
SECAGEM
ESTOCAGEM
• Todo vegetal depois de seco deve ser colocado
principalmente em sacos de papel ou em potes de
vidro, não se deve colocar em sacos plásticos,
pois qualquer umidade pode gerar fungos.
• Na sua maioria os vegetais devem ser
consumidos no prazo de seis meses.
• Todos os sacos ou vidros devem receber etiqueta
com o nome do vegetal e o dia da estocagem.
PLANTAS
MEDICINAIS E SUA
AÇÃO NO
PLANTAS ANTIDIARRÉICAS
• Plantas usadas para parar a diarréia.
• Exemplos:
1. Abóbora: usa-se a polpa cozida.
2. Arroz: maceração dos grãos crus por 6 horas
ou a água do arroz cozido.
3. Goiaba, Jabuticaba e Tamarindo: princípio
ativo: tanino. Usa-se infusão de folhas ou cascas do
caule.
PLANTAS CARMINATIVAS
• São plantas que ajudam a eliminar os gases.
Exemplos:
1. Anis – Erva-doce: princípio ativo: anetol. Usa-se o chá três
vezes ao dia.
2 . Camomila: princípio ativo: azuleno. Usa-se o chá três vezes ao
dia.
3. Canela do ceilão: princípio ativo: óleo essencial: aldeído
cinâmico. Usa-se chá três vezes ao dia.
4. Erva cidreira capim e Melissa: princípio ativo: óleo essencial:
citral. Usa-se três vezes ao dia.
Anis Camomila Canela Melissa
PLANTAS ANTIEMÉTICAS
• São plantas que amenizam o vômito.
Exemplos:
1. Hortelã: princípio ativo: óleo essencial: mentol.
Usa-se chá das folhas e flores, três vezes ao dia.
2. Noz moscada: princípio ativo: óleo essencial:
miristicina. Usa-se chá das sementes de uma a duas vezes
ao dia.
Hortelã Noz moscada
PLANTAS LAXATIVAS
• São plantas que aumentam o trânsito intestinal.
Exemplos:
1. Ameixa: princípio ativo: glicosídeos antraquinônicos:
quercetina. Deixa-se o fruto de molho em um copo com água
de um dia para o outro.
2. Babosa: princípio ativo: glicosídeos antraquinônicos:
áloe emolina. Use o suco da folha com água em jejum.
3. Beterraba: princípio ativos: fibras. Usa-se uma raiz
cozida nas refeições.
4. Figo:princípio ativo: mucilagens. Ferver o fruto
maduro e deixar em repouso durante a noite. Tomar em
jejum.
Ameixa Babosa Beterraba Figo
PLANTAS EMÉTICAS
• São plantas que provocam vômito eliminando o conteúdo
alimentar do estômago.
Exemplos:
1. Losna: componente absintina é um bloqueador do
S.N.C com poder acumulativo, pode causar convulsões e
alucinações. É abortivo em qualquer dosagem.
2. Louro: princípio ativo: óleo essencial: cineol e
princípios amargos. 2g em um copo de água.
Losna Louro
PLANTAS DIGESTIVAS
• São plantas usadas para acelerar o processo de digestão.
• Exemplos:
1. Abacate: princípio ativo: óleo fixo, mucilagens e
enzimas digestivas. Comer a polpa dos frutos após as
refeições.
2. Abacaxi: princípio ativo: enzima digestiva: bromelina.
Comer a fruta após as refeições. A bromelina facilita a
digestão das gorduras.
3. Boldo: princípios ativos: amargos e terpenos. Suco
fresco das folhas.
Abacate Abacaxi Boldo
PLANTAS DIGESTIVAS
4. Hortelã: princípio ativo: óleo essencial: mentol. Chá
das folhas e flores.
5. Mamão: princípio ativo: enzima digestiva: papaína.
Ingerir a polpa do fruto após as refeições.
6. Salsa: princípio ativo: óleo essencial: apiol e dilapiol.
Chá das folhas após as refeições.
Hortelã Mamão Salsa
PLANTAS COLAGOGAS E
COLERÉTICAS
• São plantas que ajudam o fígado e a vesícula a ter um bom
funcionamento.
Exemplos:
1. Alcachofra: princípio ativo: glico-alcalóide: cinarina.
Chá da folha três vezes ao dia.
2. Boldo: princípios ativos: amargos e terpenos. Suco
fresco das folhas.
3. Carqueja: princípio ativo: substâncias amargas e óleos
essenciais: pinenos e carquejol. Chá das folhas após as
refeições.
Alcachofra Carqueja
PLANTAS DIURÉTICAS
• Plantas que auxiliam na eliminação de urina.
Exemplos:
1. Abacateiro: princípio ativo: óleo essencial: D.
perseitol. Usa-se o chá das folhas, duas vezes ao dia.
2. Aipo: princípio ativo: apiina. Usa-se infusão das
folhas, três vezes ao dia.
3. Avenca: princípios amargos: capilarina. Usa-se
infusão das folhas, três vezes ao dia.
4. Milho: princípios ativos: saponinas, tanino, ácido
palmítico. Usa-se infusão das estigmas, três vezes ao dia.
Abacate Aipo Avenca Cabelo de Milho
PLANTAS ANTITUSSÍGENOS E
EMOLIENTES
• São plantas que atuam nos problemas respiratórios.
Exemplos:
1. Agrião: princípios ativos óleo essencial, glicosídeos.
Usa-se suco fresco de toda a planta com mel, três vezes ao dia.
2. Abacaxi: princípio ativo: enzima: bromelina usado na
síntese de produtos antiasmáticos). Usa-se xarope do fruto.
3. Cebola: princípio ativo: óleo essencial: alicina.
Excelente expectorante e bactericida potente. Usa-se xarope
dos bulbos.
Agrião Abacaxi Cebola
PLANTAS ANTITUSSÍGENOS E
EMOLIENTES
4. Eucalipto: princípio ativo: óleo essencial: cineol ou
eucaliptol. Usa-se xarope das folhas.
5. Guaco: princípio ativo: ácido mikânico e a cumarina.
Usa-se xarope das folhas, três vezes ao dia.
6. Gengibre: princípios ativos: óleo essencial:
zingiberens. Melhora a digestão e mascara o gosto de peixe
cru. Usa-se xarope dos rizomas.
7. Poejo: princípio ativo: óleo essencial: puligona e
mentona.
Eucalipto Guaco Gengibre Poejo
PLANTAS GALACTAGOGAS
• São plantas usadas para aumentar a produção de leite.
Exemplos:
1. Algodoeiro: princípio ativo: acetovanilona, betaina e
fitosterois. Usa-se a decocção das sementes.
2. Funcho: princípio ativo: óleo essencial: anetol e
fencona. Usa-se chá dos frutos.
3. Manga: princípio ativo: óleo essencial: α e β terpeno;
ácido anacárdico; anacardiol e cardol. Usa-se infusão das
folhas, uma hora antes de amamentar.
Algodoeiro Funcho Manga
PLANTAS SEDATIVAS
• São plantas que ajudam como sedativos brandos.
Exemplos:
1. Melissa: princípio ativo: óleo essencial: citral.
Macera-se as folhas em vodka ou o chá das folhas frescas.
2. Maracujá: princípio ativo: alcalóides (armano, armina
e armolo) glicosídeos, flavonóides e taninos. Usa-se chá das
folhas picadas.
Melissa Maracujá
PLANTAS
HIPOGLICEMIANTES
• São plantas que ajudam no tratamento do diabetes.
Exemplos:
1. Jambo, Jambolão e Pata de vaca: princípio ativo:
aminoácidos hipoglicinas A e B. Usa-se infusão das folhas,
três vezes ao dia.
Jambo Jambolão Pata de vaca
PLANTAS PARA ÚLCERAS
• Plantas usadas no tratamento de úlceras pépticas.
Exemplos:
1. Couve: princípio ativo: vitamina U (Brasinina). Usa-
se o suco das folhas frescas, depois das refeições.
2. Espinheira santa: princípio ativo: óleo essencial,
tanino, ácido clorogênico e amirina. Usa-se a infusão das
folhas, três vezes ao dia.
3. Repolho: princípio ativo: vitamina U (brasinina).
Usa-se suco das folhas frescas, após as refeições.
Couve Espinheira santa Repolho
PLANTAS USADAS EM
QUEIMADURAS SOLARES
• São plantas com alto poder cicatrizante.
Exemplos:
1. Babosa: princípio ativo: mucilagens refrescantes e
Áloe emolina (recuperadora de tecido epitelial). Usa-se o
suco fresco das folhas, aplicar sobre os locais irritados
pelos raios de sol.
2. Goiabeira: princípio ativo: tanino (vaso constritor
periférico) O tanino ajuda a coagular as proteínas da pele.
Usa-se infusão das folhas ou cascas do lenho, aplica-se
sobre a pele irritada.
BabosaGoiabeira

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Alimentação e Ayurveda
Alimentação e AyurvedaAlimentação e Ayurveda
Alimentação e AyurvedaMichele Pó
 
Medicamentos fitoterápicos simplificados
Medicamentos fitoterápicos simplificadosMedicamentos fitoterápicos simplificados
Medicamentos fitoterápicos simplificadosÍtalo Arrais
 
Aula: Introdução a Medicina dos Chás - LASI/UFTM 2015
Aula: Introdução a Medicina dos Chás - LASI/UFTM 2015Aula: Introdução a Medicina dos Chás - LASI/UFTM 2015
Aula: Introdução a Medicina dos Chás - LASI/UFTM 2015Lais Valente
 
Fito modos de preparo , indicação e contra indicação, NATUROPATIA, TERAPIAS N...
Fito modos de preparo , indicação e contra indicação, NATUROPATIA, TERAPIAS N...Fito modos de preparo , indicação e contra indicação, NATUROPATIA, TERAPIAS N...
Fito modos de preparo , indicação e contra indicação, NATUROPATIA, TERAPIAS N...Innap Naturopatia
 
Matriciamento fitoterapicos .ppt
Matriciamento fitoterapicos .ppt Matriciamento fitoterapicos .ppt
Matriciamento fitoterapicos .ppt apemfc
 
Plantas Medicinais
Plantas MedicinaisPlantas Medicinais
Plantas MedicinaisSafia Naser
 
Apresentacao de plantas medicinais
Apresentacao de plantas medicinaisApresentacao de plantas medicinais
Apresentacao de plantas medicinaisDouglas Miranda
 
51 - Plantas Medicinais - EMEF Rui Barbosa
51 - Plantas Medicinais - EMEF Rui Barbosa51 - Plantas Medicinais - EMEF Rui Barbosa
51 - Plantas Medicinais - EMEF Rui BarbosaHaíssa Martins
 
Herbário exsicatas.
Herbário   exsicatas.Herbário   exsicatas.
Herbário exsicatas.Fagner Aquino
 
Plantas medicinais e fitoterápicos na atenção primária à saúde
Plantas medicinais e fitoterápicos na atenção primária à saúdePlantas medicinais e fitoterápicos na atenção primária à saúde
Plantas medicinais e fitoterápicos na atenção primária à saúdehenriquetabosa
 
Plantas medicinais-1-convertido (1)
Plantas medicinais-1-convertido (1)Plantas medicinais-1-convertido (1)
Plantas medicinais-1-convertido (1)cleberkanofre1
 
Ppt etapa 1 introducao_ao_estudo_de_plantas_medicinais_v14_10042017
Ppt etapa 1 introducao_ao_estudo_de_plantas_medicinais_v14_10042017Ppt etapa 1 introducao_ao_estudo_de_plantas_medicinais_v14_10042017
Ppt etapa 1 introducao_ao_estudo_de_plantas_medicinais_v14_10042017sedis-suporte
 
Guia de campo plantas ornamentais
Guia de campo plantas ornamentaisGuia de campo plantas ornamentais
Guia de campo plantas ornamentaisEmerson Silva
 

Mais procurados (20)

Alimentação e Ayurveda
Alimentação e AyurvedaAlimentação e Ayurveda
Alimentação e Ayurveda
 
Medicamentos fitoterápicos simplificados
Medicamentos fitoterápicos simplificadosMedicamentos fitoterápicos simplificados
Medicamentos fitoterápicos simplificados
 
Plantas medicinais
Plantas medicinaisPlantas medicinais
Plantas medicinais
 
Aula: Introdução a Medicina dos Chás - LASI/UFTM 2015
Aula: Introdução a Medicina dos Chás - LASI/UFTM 2015Aula: Introdução a Medicina dos Chás - LASI/UFTM 2015
Aula: Introdução a Medicina dos Chás - LASI/UFTM 2015
 
A homeopatia
A homeopatiaA homeopatia
A homeopatia
 
Fito modos de preparo , indicação e contra indicação, NATUROPATIA, TERAPIAS N...
Fito modos de preparo , indicação e contra indicação, NATUROPATIA, TERAPIAS N...Fito modos de preparo , indicação e contra indicação, NATUROPATIA, TERAPIAS N...
Fito modos de preparo , indicação e contra indicação, NATUROPATIA, TERAPIAS N...
 
Matriciamento fitoterapicos .ppt
Matriciamento fitoterapicos .ppt Matriciamento fitoterapicos .ppt
Matriciamento fitoterapicos .ppt
 
Plantas Medicinais
Plantas MedicinaisPlantas Medicinais
Plantas Medicinais
 
Apresentacao de plantas medicinais
Apresentacao de plantas medicinaisApresentacao de plantas medicinais
Apresentacao de plantas medicinais
 
51 - Plantas Medicinais - EMEF Rui Barbosa
51 - Plantas Medicinais - EMEF Rui Barbosa51 - Plantas Medicinais - EMEF Rui Barbosa
51 - Plantas Medicinais - EMEF Rui Barbosa
 
Fitoterapia racional
Fitoterapia racionalFitoterapia racional
Fitoterapia racional
 
Medicamentos
MedicamentosMedicamentos
Medicamentos
 
Plantas e gravidez
Plantas e gravidezPlantas e gravidez
Plantas e gravidez
 
Farmacologia e definicões
Farmacologia e definicõesFarmacologia e definicões
Farmacologia e definicões
 
Herbário exsicatas.
Herbário   exsicatas.Herbário   exsicatas.
Herbário exsicatas.
 
Plantas medicinais e fitoterápicos na atenção primária à saúde
Plantas medicinais e fitoterápicos na atenção primária à saúdePlantas medicinais e fitoterápicos na atenção primária à saúde
Plantas medicinais e fitoterápicos na atenção primária à saúde
 
Plantas medicinais-1-convertido (1)
Plantas medicinais-1-convertido (1)Plantas medicinais-1-convertido (1)
Plantas medicinais-1-convertido (1)
 
Ppt etapa 1 introducao_ao_estudo_de_plantas_medicinais_v14_10042017
Ppt etapa 1 introducao_ao_estudo_de_plantas_medicinais_v14_10042017Ppt etapa 1 introducao_ao_estudo_de_plantas_medicinais_v14_10042017
Ppt etapa 1 introducao_ao_estudo_de_plantas_medicinais_v14_10042017
 
Antidiabéticos orais
Antidiabéticos oraisAntidiabéticos orais
Antidiabéticos orais
 
Guia de campo plantas ornamentais
Guia de campo plantas ornamentaisGuia de campo plantas ornamentais
Guia de campo plantas ornamentais
 

Destaque

Plantas medicinais
Plantas medicinaisPlantas medicinais
Plantas medicinaisAlan Lima
 
Ervas
ErvasErvas
ErvasJNR
 
Plantas medicinais usadas em infecções respiratórias
Plantas medicinais usadas em infecções respiratóriasPlantas medicinais usadas em infecções respiratórias
Plantas medicinais usadas em infecções respiratóriascomunidadedepraticas
 
Plantas Medicinais
Plantas MedicinaisPlantas Medicinais
Plantas MedicinaisTereza Silva
 
100 chas-e-seus-beneficios-medicinais
100 chas-e-seus-beneficios-medicinais100 chas-e-seus-beneficios-medicinais
100 chas-e-seus-beneficios-medicinaiselohim78
 
As Plantas De Chá
As Plantas De CháAs Plantas De Chá
As Plantas De Cháosbenjamins
 
Plantas medicinais nativas e exóticas
Plantas medicinais nativas e exóticasPlantas medicinais nativas e exóticas
Plantas medicinais nativas e exóticasMarcelo Rigotti
 
Ervas AromáTicas E Medicinais
Ervas AromáTicas E MedicinaisErvas AromáTicas E Medicinais
Ervas AromáTicas E Medicinaisosbenjamins
 
DicionáRio Ilustrado De Jardinagem
DicionáRio Ilustrado De JardinagemDicionáRio Ilustrado De Jardinagem
DicionáRio Ilustrado De JardinagemJNR
 
Parque estadual vila velha
Parque estadual vila velhaParque estadual vila velha
Parque estadual vila velhaBenedito Arruda
 
Estudo de Criação do Parque Estadual da Ponta da Tulha
Estudo de Criação do Parque Estadual da Ponta da TulhaEstudo de Criação do Parque Estadual da Ponta da Tulha
Estudo de Criação do Parque Estadual da Ponta da TulhaSecom Ilhéus
 
Coentro Portugues
Coentro PortuguesCoentro Portugues
Coentro PortuguesSemesul
 
Uma visão panorâmica da questão ambiental
Uma visão panorâmica da questão ambientalUma visão panorâmica da questão ambiental
Uma visão panorâmica da questão ambientalSERGIO DE MELLO QUEIROZ
 
Consultas Públicas - Parque Nacional da Serra da Gandarela
Consultas Públicas - Parque Nacional da Serra da GandarelaConsultas Públicas - Parque Nacional da Serra da Gandarela
Consultas Públicas - Parque Nacional da Serra da GandarelaTerra Brasilis
 

Destaque (18)

Plantas medicinais
Plantas medicinaisPlantas medicinais
Plantas medicinais
 
Plantas nativas
Plantas nativasPlantas nativas
Plantas nativas
 
Ervas
ErvasErvas
Ervas
 
Farmacobotânica parte1
Farmacobotânica parte1Farmacobotânica parte1
Farmacobotânica parte1
 
Plantas medicinais usadas em infecções respiratórias
Plantas medicinais usadas em infecções respiratóriasPlantas medicinais usadas em infecções respiratórias
Plantas medicinais usadas em infecções respiratórias
 
Plantas Medicinais
Plantas MedicinaisPlantas Medicinais
Plantas Medicinais
 
100 chas-e-seus-beneficios-medicinais
100 chas-e-seus-beneficios-medicinais100 chas-e-seus-beneficios-medicinais
100 chas-e-seus-beneficios-medicinais
 
Plantas medicinais
Plantas medicinaisPlantas medicinais
Plantas medicinais
 
As Plantas De Chá
As Plantas De CháAs Plantas De Chá
As Plantas De Chá
 
Plantas medicinais nativas e exóticas
Plantas medicinais nativas e exóticasPlantas medicinais nativas e exóticas
Plantas medicinais nativas e exóticas
 
Ervas AromáTicas E Medicinais
Ervas AromáTicas E MedicinaisErvas AromáTicas E Medicinais
Ervas AromáTicas E Medicinais
 
DicionáRio Ilustrado De Jardinagem
DicionáRio Ilustrado De JardinagemDicionáRio Ilustrado De Jardinagem
DicionáRio Ilustrado De Jardinagem
 
Distribuicao
Distribuicao Distribuicao
Distribuicao
 
Parque estadual vila velha
Parque estadual vila velhaParque estadual vila velha
Parque estadual vila velha
 
Estudo de Criação do Parque Estadual da Ponta da Tulha
Estudo de Criação do Parque Estadual da Ponta da TulhaEstudo de Criação do Parque Estadual da Ponta da Tulha
Estudo de Criação do Parque Estadual da Ponta da Tulha
 
Coentro Portugues
Coentro PortuguesCoentro Portugues
Coentro Portugues
 
Uma visão panorâmica da questão ambiental
Uma visão panorâmica da questão ambientalUma visão panorâmica da questão ambiental
Uma visão panorâmica da questão ambiental
 
Consultas Públicas - Parque Nacional da Serra da Gandarela
Consultas Públicas - Parque Nacional da Serra da GandarelaConsultas Públicas - Parque Nacional da Serra da Gandarela
Consultas Públicas - Parque Nacional da Serra da Gandarela
 

Semelhante a Vida Natural: Horta Medicinal

Calendario medicinal 2b
Calendario medicinal 2bCalendario medicinal 2b
Calendario medicinal 2bzezinhojc
 
A cura pelos remédios caseiros - Guia de ervas e medicina natural
A cura pelos remédios caseiros - Guia de ervas e medicina naturalA cura pelos remédios caseiros - Guia de ervas e medicina natural
A cura pelos remédios caseiros - Guia de ervas e medicina naturalCarlosPereira788
 
A cura pelos remédios caseiros guia de ervas e medicina natural (raunei iam...
A cura pelos remédios caseiros   guia de ervas e medicina natural (raunei iam...A cura pelos remédios caseiros   guia de ervas e medicina natural (raunei iam...
A cura pelos remédios caseiros guia de ervas e medicina natural (raunei iam...Ariovaldo Cunha
 
Guia de Ervas e Medicina Natural - Raunei Iamoni
Guia de Ervas e Medicina Natural - Raunei IamoniGuia de Ervas e Medicina Natural - Raunei Iamoni
Guia de Ervas e Medicina Natural - Raunei IamoniBen Popov
 
A cura pelos remédios caseiros
A cura pelos remédios caseirosA cura pelos remédios caseiros
A cura pelos remédios caseirosJoyce Muzy
 
A_Cura_Pelos_Remedios_Caseiros_Guia_de_E.pdf
A_Cura_Pelos_Remedios_Caseiros_Guia_de_E.pdfA_Cura_Pelos_Remedios_Caseiros_Guia_de_E.pdf
A_Cura_Pelos_Remedios_Caseiros_Guia_de_E.pdfSusanaCastanho2
 
36544490 apostila-de-fitoterapia-lista-de-preparacao-e-usos-de-ervas (1)
36544490 apostila-de-fitoterapia-lista-de-preparacao-e-usos-de-ervas (1)36544490 apostila-de-fitoterapia-lista-de-preparacao-e-usos-de-ervas (1)
36544490 apostila-de-fitoterapia-lista-de-preparacao-e-usos-de-ervas (1)Maria Alves Silva
 
Apostila de-fitoterapia-preparacao-e-usos-de-ervas
Apostila de-fitoterapia-preparacao-e-usos-de-ervasApostila de-fitoterapia-preparacao-e-usos-de-ervas
Apostila de-fitoterapia-preparacao-e-usos-de-ervasGilvanda ribeiro
 
Naturopatia ,Saída de campo, Helga Ribeiro - USAZ
Naturopatia ,Saída de campo,  Helga Ribeiro - USAZNaturopatia ,Saída de campo,  Helga Ribeiro - USAZ
Naturopatia ,Saída de campo, Helga Ribeiro - USAZmluisa56
 
A flora nacional na medicina doméstica vol. 2 - prof. afons balbach
A flora nacional na medicina doméstica   vol. 2 - prof. afons balbachA flora nacional na medicina doméstica   vol. 2 - prof. afons balbach
A flora nacional na medicina doméstica vol. 2 - prof. afons balbachAriovaldo Cunha
 
Alcacuz - Glycyrrhiza glabra L.
Alcacuz - Glycyrrhiza glabra L.Alcacuz - Glycyrrhiza glabra L.
Alcacuz - Glycyrrhiza glabra L.Chá Fit
 
Qualidade de Vida - Remédios Caseiros
Qualidade de Vida - Remédios CaseirosQualidade de Vida - Remédios Caseiros
Qualidade de Vida - Remédios Caseiroskkiril
 
Ervas e Saúde - Manual do Uso
Ervas e Saúde - Manual do UsoErvas e Saúde - Manual do Uso
Ervas e Saúde - Manual do UsoV.X. Carmo
 
ervas - Ervas-de-A-a-Z.pdf
ervas - Ervas-de-A-a-Z.pdfervas - Ervas-de-A-a-Z.pdf
ervas - Ervas-de-A-a-Z.pdfMarisaAssis1
 

Semelhante a Vida Natural: Horta Medicinal (20)

Apresentação1
Apresentação1Apresentação1
Apresentação1
 
Apresentação1
Apresentação1Apresentação1
Apresentação1
 
Calendario medicinal 2b
Calendario medicinal 2bCalendario medicinal 2b
Calendario medicinal 2b
 
A cura pelos remédios caseiros - Guia de ervas e medicina natural
A cura pelos remédios caseiros - Guia de ervas e medicina naturalA cura pelos remédios caseiros - Guia de ervas e medicina natural
A cura pelos remédios caseiros - Guia de ervas e medicina natural
 
Apostila Cha
Apostila ChaApostila Cha
Apostila Cha
 
A cura pelos remédios caseiros guia de ervas e medicina natural (raunei iam...
A cura pelos remédios caseiros   guia de ervas e medicina natural (raunei iam...A cura pelos remédios caseiros   guia de ervas e medicina natural (raunei iam...
A cura pelos remédios caseiros guia de ervas e medicina natural (raunei iam...
 
Guia de Ervas e Medicina Natural - Raunei Iamoni
Guia de Ervas e Medicina Natural - Raunei IamoniGuia de Ervas e Medicina Natural - Raunei Iamoni
Guia de Ervas e Medicina Natural - Raunei Iamoni
 
A cura pelos remédios caseiros
A cura pelos remédios caseirosA cura pelos remédios caseiros
A cura pelos remédios caseiros
 
A_Cura_Pelos_Remedios_Caseiros_Guia_de_E.pdf
A_Cura_Pelos_Remedios_Caseiros_Guia_de_E.pdfA_Cura_Pelos_Remedios_Caseiros_Guia_de_E.pdf
A_Cura_Pelos_Remedios_Caseiros_Guia_de_E.pdf
 
36544490 apostila-de-fitoterapia-lista-de-preparacao-e-usos-de-ervas (1)
36544490 apostila-de-fitoterapia-lista-de-preparacao-e-usos-de-ervas (1)36544490 apostila-de-fitoterapia-lista-de-preparacao-e-usos-de-ervas (1)
36544490 apostila-de-fitoterapia-lista-de-preparacao-e-usos-de-ervas (1)
 
Apostila de-fitoterapia-preparacao-e-usos-de-ervas
Apostila de-fitoterapia-preparacao-e-usos-de-ervasApostila de-fitoterapia-preparacao-e-usos-de-ervas
Apostila de-fitoterapia-preparacao-e-usos-de-ervas
 
Naturopatia ,Saída de campo, Helga Ribeiro - USAZ
Naturopatia ,Saída de campo,  Helga Ribeiro - USAZNaturopatia ,Saída de campo,  Helga Ribeiro - USAZ
Naturopatia ,Saída de campo, Helga Ribeiro - USAZ
 
A flora nacional na medicina doméstica vol. 2 - prof. afons balbach
A flora nacional na medicina doméstica   vol. 2 - prof. afons balbachA flora nacional na medicina doméstica   vol. 2 - prof. afons balbach
A flora nacional na medicina doméstica vol. 2 - prof. afons balbach
 
Alcacuz - Glycyrrhiza glabra L.
Alcacuz - Glycyrrhiza glabra L.Alcacuz - Glycyrrhiza glabra L.
Alcacuz - Glycyrrhiza glabra L.
 
Qualidade de Vida - Remédios Caseiros
Qualidade de Vida - Remédios CaseirosQualidade de Vida - Remédios Caseiros
Qualidade de Vida - Remédios Caseiros
 
Ervas e Saúde - Manual do Uso
Ervas e Saúde - Manual do UsoErvas e Saúde - Manual do Uso
Ervas e Saúde - Manual do Uso
 
O mocho sábio 1
O mocho sábio 1O mocho sábio 1
O mocho sábio 1
 
Fitoterápicos (Farmácia Viva)
Fitoterápicos (Farmácia Viva)Fitoterápicos (Farmácia Viva)
Fitoterápicos (Farmácia Viva)
 
Receitas naturais
Receitas naturaisReceitas naturais
Receitas naturais
 
ervas - Ervas-de-A-a-Z.pdf
ervas - Ervas-de-A-a-Z.pdfervas - Ervas-de-A-a-Z.pdf
ervas - Ervas-de-A-a-Z.pdf
 

Mais de Maria Naves Ribeiro Lopes (6)

Introdução à química orgânica
Introdução à química orgânicaIntrodução à química orgânica
Introdução à química orgânica
 
Funções inorgânicas
Funções inorgânicasFunções inorgânicas
Funções inorgânicas
 
Separação de Misturas 1ºB
Separação de Misturas 1ºBSeparação de Misturas 1ºB
Separação de Misturas 1ºB
 
Separação de Misturas 1ºA
Separação de Misturas 1ºASeparação de Misturas 1ºA
Separação de Misturas 1ºA
 
SeparaçãO De Misturas 1 C
SeparaçãO De Misturas 1 CSeparaçãO De Misturas 1 C
SeparaçãO De Misturas 1 C
 
Aromáticas
AromáticasAromáticas
Aromáticas
 

Último

POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptxPOETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptxJMTCS
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbyasminlarissa371
 
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...Martin M Flynn
 
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaA Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaFernanda Ledesma
 
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.pptTREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.pptAlineSilvaPotuk
 
parte indígena.pptxzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzz
parte indígena.pptxzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzparte indígena.pptxzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzz
parte indígena.pptxzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzAlexandrePereira818171
 
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdfO guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdfErasmo Portavoz
 
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdfPLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdfProfGleide
 
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptxErivaldoLima15
 
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptxEVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptxHenriqueLuciano2
 
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptxRevolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptxHlioMachado1
 
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.HildegardeAngel
 
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZAAVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZAEdioFnaf
 
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptxQUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptxAntonioVieira539017
 
Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?
Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?
Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?MrciaRocha48
 
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileirosMary Alvarenga
 
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptxFree-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptxkarinasantiago54
 
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxSlide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxconcelhovdragons
 
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxDeyvidBriel
 

Último (20)

POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptxPOETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
 
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
 
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaA Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
 
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.pptTREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
 
parte indígena.pptxzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzz
parte indígena.pptxzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzparte indígena.pptxzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzz
parte indígena.pptxzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzz
 
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdfO guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
 
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdfPLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdf
 
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx
 
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptxEVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
 
“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE” _
“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE”       _“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE”       _
“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE” _
 
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptxRevolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
 
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
 
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZAAVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
 
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptxQUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
 
Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?
Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?
Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?
 
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
 
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptxFree-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
 
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxSlide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
 
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
 

Vida Natural: Horta Medicinal

  • 2. • Mesopotâmia: 50.000 anos: Uso de plantas medicinais: mulheres: agricultura e pecuária. • Civilizações antigas: chinesa e indiana (há 5.000 anos); • As rotas das expedições: Cristovão Colombo; Marco Polo; Carlos Magno; Alexandre Magno e a rainha de Sabá. • Construção das pirâmides (Egito Antigo) e nas longas marchas: era obrigatório o uso diário de alho. • Shen Nung: fundador da medicina chinesa: 2.698 a.C: Tratado escrito “Cânone da Ervas”: descrevia 252 plantas. • Egito: mumificação: mirra, canela, entre outras. Papiros de Ebers: 1550 a.C: 500 plantas e 800 receitas.
  • 3. • Salsa e o Louro eram plantas sagradas, simbolizando triunfo e ressurreição. • Bíblia: hissopo (família do orégano); alcaparra; açafrão; hortelã; cominho; coentro; mostarda; alho-poró; mirra; cebola e alho. • Antiguidade: escravo comprava sua liberdade por ½ kg de pimenta. • Canela: poderoso germicida: conservante. • Coentro: anti-séptico e ação contra gases. • Noz moscada: cólicas renais, anti-séptica, digestão e evita formação de gases.
  • 4. • “Arábia da Fortuna”: Arábia Saudita: monopólio de especiarias. • Portugueses: contribuiu para a diversificação e abundância na Europa: África, Ásia e Américas. • Brasil: Cabral: fitoterapia reinava. • Séc. XIX: surge os medicamentos sintéticos (síntese AAS) • Final do séc. XX: ressurge a utilização das plantas medicinais. • Pesquisa SOS FARMA: 400 famílias: 91,9% se auto- medicavam com ervas e 46,6% as cultivavam.
  • 5. “As plantas brasileiras não apenas curam: fazem milagres” (Von Martius, botânico alemão) “Uma planta pode conter várias substâncias diferentes, a descoberta de uma só delas pode ser mais importante para a humanidade do que a de uma galáxia.” Sérgio Franceschini Filho
  • 7. PLANTAS MEDICINAIS • São vegetais que depois de colhidos, frescos ou não, são usados de imediato ou não, no tratamento de qualquer doença. • Exemplos: Babosa Hortelã Guaco Camomila
  • 8. NOME CIENTÍFICO COMO DAR NOMES ÀS PLANTAS? • Cada espécie deve ter um nome científico que obedece às normas do Código Internacional de Nomenclatura Botânica, iniciado por Linnaeus. • O nome científico é um binômio escrito em latim ou em palavras latinizadas. Exemplo: Babosa Aloe vera
  • 9. Aloe vera  A primeira palavra corresponde ao gênero e deve ser escrita em letra inicial maiúscula.  A segunda palavra corresponde à espécie e deve ser escrita em letra inicial minúscula.  Quando não conhecemos a espécie, usamos o termo “spp”.  Por exemplo: a Mentha spp pode ser a Mentha arvensis e a Mentha piperita.  O nome científico deve estar em itálico, negrito ou grifado.
  • 10. NOME POPULARNOME POPULAR • Nomes populares são regionais. • Uma mesma planta pode receber vários nomes populares, de acordo com a região. • Ex.: Guaco Científico: Mikania glomerata Spreng. Populares: Guaco, erva-das-serpentes, uaco, cipó-catinga, cipó-sucuriju, erva-cobre e erva- de-cobra.
  • 11. DROGA VEGETAL • É uma planta medicinal ou suas partes, após o processo de colheita, estabilização e secagem, podendo ser íntegra, rasurada, triturada ou pulverizada. • Derivado de droga vegetal são produtos de extração da matéria prima vegetal, tais como: extrato, tintura, óleo, cera, suco e outros.
  • 12. COMPOSIÇÃO QUÍMICA • São substâncias que compõem e dão características à planta. Exemplos: Camomila: óleo essencial contendo camazuleno, matricina, bisabol (antiinflamatório), flavonóides e colina. Capim-santo: óleo essencial contendo geraniol, citral (antiespasmódico, antimicrobiano, inseticida e repelente), mirceno (analgésico), cimbopogonol, limoneno, dipenteno e outros.
  • 13. PRINCÍPIOS ATIVOS • São compostos que conferem ação terapêutica às plantas medicinais. Todas as plantas sintetizam, acumulam ou depositam substâncias representadas pelos compostos químicos ou grupos de compostos químicos, as quais constituem os princípios ativos. • Os principais princípios ativos são: ácidos orgânicos; alcalóides; antraquinonas; compostos fenólicos; compostos inorgânicos; cumarinas; flavonóides; glicosídeos; mucilagens; óleos essenciais; saponinas; substâncias amargas; taninos.
  • 14. ALCALÓIDES • Atuam no sistema nervoso central (calmante, sedativo, estimulante, anestésico, analgésicos). Alguns podem ser cancerígenos e outros antitumorais. • Ex.: Cafeína do café e guaraná, teobromina do cacau, pilocarpina do jaborandi, etc. Café Guaraná Cacau
  • 15. MUCILAGENS • Cicatrizante, antiinflamatório, laxativo, expectorante e antiespasmódico. Ex.: babosa confrei
  • 16. FLAVONÓIDES • Antiinflamatórios, fortalecem os vasos capilares, antiescleróticos, antidematoso, dilatador de coronárias, espasmolítico, antihepatotóxico, colerético e antimicrobiano. Ex.: Camomila Estévia Carqueja Guaco
  • 17. TANINOS • Adstringentes e antimicrobianos (antidiarréico). Precipitam proteínas. Ex.: Barbatimão Goiabeira
  • 18. ÓLEOS ESSENCIAIS • Bactericida, antivirótico, cicatrizante, analgésico, relaxante, expectorante e antiespasmódico. • Ex.: mentol nas hortelãs, timol no tomilho e alecrim, ascaridol na erva-de- santa-maria. TomilhoHortelã Erva-de-santa-maria
  • 19. TOXICIDADETOXICIDADE “Se não fizer bem, mal também não faz.”“Se não fizer bem, mal também não faz.” • Deve-se tomar muito cuidado com as ervas tóxicas, pois se utilizadas semDeve-se tomar muito cuidado com as ervas tóxicas, pois se utilizadas sem critérios poderão produzir efeitos indesejáveis, como intoxicações moderadas oucritérios poderão produzir efeitos indesejáveis, como intoxicações moderadas ou fortes, irritações nas mucosas ou na pele, alergias e outros efeitos colaterais.fortes, irritações nas mucosas ou na pele, alergias e outros efeitos colaterais. • ExemploExemplo 1: canela, alecrim, boldo, louro, arruda e babosa.1: canela, alecrim, boldo, louro, arruda e babosa. Não deve ser usadas por mulheres grávidas porque provocam aborto.Não deve ser usadas por mulheres grávidas porque provocam aborto. • ExemploExemplo 2: arnica.2: arnica. É muito tóxica e irritante das mucosas, por isso não deve ser ingerida.É muito tóxica e irritante das mucosas, por isso não deve ser ingerida. Boldo Arnica Flor de arnica Arruda
  • 20. Exemplo 3: ginko biloba. É um anticoagulante do sangue. Exemplo 4: Funcho. É um convulsivante acima de 20g/L.
  • 21. CONCENTRAÇÃO DE PRINCÍPIOS ATIVOS • A concentração de princípio ativo varia conforme a época e maturação ou crescimento da erva. Exemplos: • Folhas: usar as folhas adultas e viçosas e o melhor período é antes da floração até o término da mesma. • Talos: colhidos da mesma forma e com os mesmos cuidados aplicados as folhas. • Cascas: usar as cascas de plantas adultas principalmente durante a floração da planta. • Raiz: após o término da floração.
  • 22. O horário da colheita também é importante: * No caso das folhas e flores: deve ser feita pela manhã, depois da evaporação do orvalho e em dia de sol, de preferência sem vento. * No caso das raízes: deve ser feita no finalzinho da tarde. Obs. 1: Evitar colheitas na chuva ou logo após a mesma. Obs. 2: As plantas aromáticas devem ser colhidas no final da tarde, pois é o período em que há maior concentração de princípios ativos.
  • 24. • As principais formas de uso são: a) infusão b) chá tradicional - tisana c) decocção d) maceração e) extratos f) unguento g) cataplasma h) tintura i) vinhos medicinais j) xarope k) suco fresco
  • 25. INFUSÃO • É usado quando se querem retirar os princípios ativos de um vegetal aromático, através de um leve cozimento, para tanto basta derramarmos água fervente sobre o vegetal desejado, tampar e deixar em infusão pelo período de 15 a 20 minutos, podendo ser ingerido quente ou frio. • Exemplo: infusão da camomila.
  • 26. CHÁ TRADICIONAL – TISANA • É usado para retirar os princípios ativos, quando estes apresentam características aromáticas. • Preparo: coloca-se água no fogo, quando entrar em ebulição, coloca-se os vegetais frescos, lavados e picados na água, desligando-se posteriormente o fogo. Abafa-se e deixe esfriar. Exemplo: chá de hortelã.
  • 27. DECOCÇÃO • A finalidade é a mesma da infusão, porém o processo é usado para partes mais duras como casca ou raiz. • Preparo: colocar as ervas numa vasilha, despejar água fria, levar ao fogo para o cozimento, deixando ferver por cinco ou dez minutos e em casos de partes mais endurecidas até trinta minutos. Após o cozimento, retirar do fogo e abafar por mais alguns minutos.
  • 28. MACERAÇÃO • Ao contrário do que muita gente pensa macerar não é “macetar”. É um processo feito a frio, usando água, álcool, vinagre, vinho, glicerina ou outro líquido extrativo, deixando que a extração do princípio ativo ocorra naturalmente por um tempo determinado. • Exemplos: vinho, licores
  • 29. XAROPE • É a preparação de uso prolongado, usado principalmente para doenças da garganta, pulmão e brônquios. • O xarope medicamentoso deve ser preparado da seguinte maneira: dissolve-se 850 gramas de açúcar em 450 mililitros de água potável e quente, aquece-se até a diluição e obtendo-se um ponto de fio entre os dedos. Sempre atingindo um litro da mistura. Pode-se adicionar chá da erva ou tintura vegetal.
  • 30. SUCO FRESCO • Este é um processo para ser usado de imediato. Pode ser feito de duas maneiras: • Primeira: quando temos frutos maduros e moles, basta para tal espremê-los em um pano. • Segunda: quando temos outros tipos de frutos, folhas ou mesmo flores e sementes. Usa-se o liquidificador ou mesmo pilão de socar alho. Podem ser diluídos ou não em água.
  • 31. A HORA CERTA DE TOMAR UM CHÁ • Como cada uma das Plantas Medicinais tem uma ação característica, devemos sempre tomar alguns cuidados, como nunca tomar à noite chás com plantas que sejam estimulantes do sistema nervoso central ou tônico, pois estes podem atrapalhar o seu sono. • Ao levantar-se prefira os tônicos e estimulantes para enfrentar o seu dia de trabalho, logo podemos tomar chás de alecrim, canela, gengibre e tomilho.
  • 32. • No horário do almoço, indica-se os digestivos como: camomila, erva-doce, manjericão, hortelã e boldo. • A tarde prefira os menos calmantes como: hortelã, sálvia e erva-doce. • Ao jantar indica-se para uma boa noite de sono relaxante: capim limão, melissa, casca de maçã e camomila.
  • 34. ADUBAÇÃOADUBAÇÃO • Uma adubação equilibrada proporcionará plantas resistentes a pragas e doenças. • O uso de agrotóxico é desaconselhado para evitar alterações das propriedades das plantas. • Observar as características de cada planta. • Ter água de boa qualidade em abundância e disponível. • Ter boa incidência de sol. • Observar o espaçamento entre linhas. Recomenda-se 30cmx30cm. • As terras das sementeiras devem ser bem fofas e as sementes devem ser cobertas com areia bem fina e peneirada. PLANTIOPLANTIO
  • 35. DICAS PARA CULTIVO 1) As plantas medicinais em geral precisam de 5 horas de sol por dia para terem um bom desenvolvimento. 2) Devemos afofar e adubar os vasos a cada mês e regar sempre que o solo estiver seco. 3) As plantas medicinais gostam de solo relativamente úmido. Existe um método de verificação, basta introduzir o dedo no solo, e este deve entrar com facilidade. 4) Quando for plantada em vasos devemos adubá-las com composto orgânico, húmus, a cada 40 dias; em canteiros, a cada 90 dias.
  • 36. PRAGAS E DOENÇASPRAGAS E DOENÇAS • Nunca use qualquer tipo de agrotóxico, pois são rapidamente absorvidos pelas plantas, tornando-as impróprias para o consumo, além de alterar o sabor. • Sempre que puder use associações benéficas, como: – Manjerona: melhora o aroma das plantas. – Catinga-de-mulata: seu aroma afasta insetos voadores. – Hortelã: pode ser plantada como bordadura. – Funcho e Losna: não devem ser plantadas perto de nenhuma outra planta. – Alfavaca: seu cheiro repele moscas e mosquitos. Não deve ser plantada perto da arruda. – Tomilho: seu cheiro mantém afastada a borboleta da couve. – Mil-folhas: serve como bordadura aumentando a produção de óleos essenciais quando plantadas perto de ervas aromáticas
  • 37. COMBATE DE PRAGAS COMCOMBATE DE PRAGAS COM SOLUÇÕES NATURAISSOLUÇÕES NATURAIS Alguns métodos naturais, embora sem ter 100% de eficácia, têm trazido bons resultados no combate de pragas, tais como: • Pulgões: use cinco dentes de alho amassados em 1 litro de água, deixe descansar por oito dias. Dilua com cinco litros de água e pulverize as plantas, repetindo por três dias seguidos.
  • 38. • Fungos: fazer o chá de 40 gramas de flores de camomila em 1 litro de água, esfriar e pulverizar. Não obtendo resultado, a planta deve ser arrancada e queimada, substituindo-a por outra. • Lagartas: usar um infusão de 10cm de fumo de corda macerado em 1 litro de água por 24 horas, pulverizar e só utilizar as plantas depois de 15 dias. • Formigas tipo saúva: plantar mudas de hortelã pimenta junto aos canteiro. Tem ação repelente. Triturar carvão ou cinzas de madeira e jogar ao redor dos canteiros. Repelente.
  • 39. As grandes vantagens de você ter o vegetal fresco em sua casa são de ser sempre o verdadeiro, isento de agrotóxicos, fungos e microorganismos. Dicas para a colheita: 1. Quando colhemos flor ou folha, estas devem ser recolhidas antes do desenvolvimento das flores. 2. Se forem somente flores estas devem ser recolhidas antes de sua maturação total. 3. Se forem frutos, colha-os no seu início de maturação. 4. Caso seja a raiz, esta deve ser colhida no inverno, quando existe uma maior concentração de princípios ativos. 5. Colhem-se sempre pela manhã em dia ensolarado, desde que não tenha chovido no dia anterior. Solo seco. COLHEITA
  • 40. 6. Não usar nunca plantas que se encontra em beira de estrada, pois podem estar contaminadas por produtos químicos emitidos por automóveis. 7. Tenha o cuidado de colher a planta sem a contaminação de terra. 8. Não misturar plantas de espécies diferentes. 9. Deve-se selecionar plantas saudáveis, sem manchas e livre de insetos e fungos. 10.As cascas devem ser colhidas antes da floração. 11. As sementes devem ser colhidas bem secas, isto é percebido quando elas começam a caírem do vegetal.
  • 41. • As folhas depois de colhidas podem ser colocadas sobre jornais em lugar arejado e sem incidência do sol direto. • As folhas devem ser viradas periodicamente para que sequem igualmente. • Usa-se também o varal. Os ramos devem ser montados em maços e pendurados pela parte do ramo, ficando com as folhas para baixo, em um varal de barbante para que haja uma maior concentração de princípios ativos. • As raízes devem ser raspadas para livrarem-se de resíduos de terra e picadas em pedaços pequenos para secarem mais facilmente e ficarem livres de fungos. SECAGEM
  • 42. ESTOCAGEM • Todo vegetal depois de seco deve ser colocado principalmente em sacos de papel ou em potes de vidro, não se deve colocar em sacos plásticos, pois qualquer umidade pode gerar fungos. • Na sua maioria os vegetais devem ser consumidos no prazo de seis meses. • Todos os sacos ou vidros devem receber etiqueta com o nome do vegetal e o dia da estocagem.
  • 44. PLANTAS ANTIDIARRÉICAS • Plantas usadas para parar a diarréia. • Exemplos: 1. Abóbora: usa-se a polpa cozida. 2. Arroz: maceração dos grãos crus por 6 horas ou a água do arroz cozido. 3. Goiaba, Jabuticaba e Tamarindo: princípio ativo: tanino. Usa-se infusão de folhas ou cascas do caule.
  • 45. PLANTAS CARMINATIVAS • São plantas que ajudam a eliminar os gases. Exemplos: 1. Anis – Erva-doce: princípio ativo: anetol. Usa-se o chá três vezes ao dia. 2 . Camomila: princípio ativo: azuleno. Usa-se o chá três vezes ao dia. 3. Canela do ceilão: princípio ativo: óleo essencial: aldeído cinâmico. Usa-se chá três vezes ao dia. 4. Erva cidreira capim e Melissa: princípio ativo: óleo essencial: citral. Usa-se três vezes ao dia. Anis Camomila Canela Melissa
  • 46. PLANTAS ANTIEMÉTICAS • São plantas que amenizam o vômito. Exemplos: 1. Hortelã: princípio ativo: óleo essencial: mentol. Usa-se chá das folhas e flores, três vezes ao dia. 2. Noz moscada: princípio ativo: óleo essencial: miristicina. Usa-se chá das sementes de uma a duas vezes ao dia. Hortelã Noz moscada
  • 47. PLANTAS LAXATIVAS • São plantas que aumentam o trânsito intestinal. Exemplos: 1. Ameixa: princípio ativo: glicosídeos antraquinônicos: quercetina. Deixa-se o fruto de molho em um copo com água de um dia para o outro. 2. Babosa: princípio ativo: glicosídeos antraquinônicos: áloe emolina. Use o suco da folha com água em jejum. 3. Beterraba: princípio ativos: fibras. Usa-se uma raiz cozida nas refeições. 4. Figo:princípio ativo: mucilagens. Ferver o fruto maduro e deixar em repouso durante a noite. Tomar em jejum. Ameixa Babosa Beterraba Figo
  • 48. PLANTAS EMÉTICAS • São plantas que provocam vômito eliminando o conteúdo alimentar do estômago. Exemplos: 1. Losna: componente absintina é um bloqueador do S.N.C com poder acumulativo, pode causar convulsões e alucinações. É abortivo em qualquer dosagem. 2. Louro: princípio ativo: óleo essencial: cineol e princípios amargos. 2g em um copo de água. Losna Louro
  • 49. PLANTAS DIGESTIVAS • São plantas usadas para acelerar o processo de digestão. • Exemplos: 1. Abacate: princípio ativo: óleo fixo, mucilagens e enzimas digestivas. Comer a polpa dos frutos após as refeições. 2. Abacaxi: princípio ativo: enzima digestiva: bromelina. Comer a fruta após as refeições. A bromelina facilita a digestão das gorduras. 3. Boldo: princípios ativos: amargos e terpenos. Suco fresco das folhas. Abacate Abacaxi Boldo
  • 50. PLANTAS DIGESTIVAS 4. Hortelã: princípio ativo: óleo essencial: mentol. Chá das folhas e flores. 5. Mamão: princípio ativo: enzima digestiva: papaína. Ingerir a polpa do fruto após as refeições. 6. Salsa: princípio ativo: óleo essencial: apiol e dilapiol. Chá das folhas após as refeições. Hortelã Mamão Salsa
  • 51. PLANTAS COLAGOGAS E COLERÉTICAS • São plantas que ajudam o fígado e a vesícula a ter um bom funcionamento. Exemplos: 1. Alcachofra: princípio ativo: glico-alcalóide: cinarina. Chá da folha três vezes ao dia. 2. Boldo: princípios ativos: amargos e terpenos. Suco fresco das folhas. 3. Carqueja: princípio ativo: substâncias amargas e óleos essenciais: pinenos e carquejol. Chá das folhas após as refeições. Alcachofra Carqueja
  • 52. PLANTAS DIURÉTICAS • Plantas que auxiliam na eliminação de urina. Exemplos: 1. Abacateiro: princípio ativo: óleo essencial: D. perseitol. Usa-se o chá das folhas, duas vezes ao dia. 2. Aipo: princípio ativo: apiina. Usa-se infusão das folhas, três vezes ao dia. 3. Avenca: princípios amargos: capilarina. Usa-se infusão das folhas, três vezes ao dia. 4. Milho: princípios ativos: saponinas, tanino, ácido palmítico. Usa-se infusão das estigmas, três vezes ao dia. Abacate Aipo Avenca Cabelo de Milho
  • 53. PLANTAS ANTITUSSÍGENOS E EMOLIENTES • São plantas que atuam nos problemas respiratórios. Exemplos: 1. Agrião: princípios ativos óleo essencial, glicosídeos. Usa-se suco fresco de toda a planta com mel, três vezes ao dia. 2. Abacaxi: princípio ativo: enzima: bromelina usado na síntese de produtos antiasmáticos). Usa-se xarope do fruto. 3. Cebola: princípio ativo: óleo essencial: alicina. Excelente expectorante e bactericida potente. Usa-se xarope dos bulbos. Agrião Abacaxi Cebola
  • 54. PLANTAS ANTITUSSÍGENOS E EMOLIENTES 4. Eucalipto: princípio ativo: óleo essencial: cineol ou eucaliptol. Usa-se xarope das folhas. 5. Guaco: princípio ativo: ácido mikânico e a cumarina. Usa-se xarope das folhas, três vezes ao dia. 6. Gengibre: princípios ativos: óleo essencial: zingiberens. Melhora a digestão e mascara o gosto de peixe cru. Usa-se xarope dos rizomas. 7. Poejo: princípio ativo: óleo essencial: puligona e mentona. Eucalipto Guaco Gengibre Poejo
  • 55. PLANTAS GALACTAGOGAS • São plantas usadas para aumentar a produção de leite. Exemplos: 1. Algodoeiro: princípio ativo: acetovanilona, betaina e fitosterois. Usa-se a decocção das sementes. 2. Funcho: princípio ativo: óleo essencial: anetol e fencona. Usa-se chá dos frutos. 3. Manga: princípio ativo: óleo essencial: α e β terpeno; ácido anacárdico; anacardiol e cardol. Usa-se infusão das folhas, uma hora antes de amamentar. Algodoeiro Funcho Manga
  • 56. PLANTAS SEDATIVAS • São plantas que ajudam como sedativos brandos. Exemplos: 1. Melissa: princípio ativo: óleo essencial: citral. Macera-se as folhas em vodka ou o chá das folhas frescas. 2. Maracujá: princípio ativo: alcalóides (armano, armina e armolo) glicosídeos, flavonóides e taninos. Usa-se chá das folhas picadas. Melissa Maracujá
  • 57. PLANTAS HIPOGLICEMIANTES • São plantas que ajudam no tratamento do diabetes. Exemplos: 1. Jambo, Jambolão e Pata de vaca: princípio ativo: aminoácidos hipoglicinas A e B. Usa-se infusão das folhas, três vezes ao dia. Jambo Jambolão Pata de vaca
  • 58. PLANTAS PARA ÚLCERAS • Plantas usadas no tratamento de úlceras pépticas. Exemplos: 1. Couve: princípio ativo: vitamina U (Brasinina). Usa- se o suco das folhas frescas, depois das refeições. 2. Espinheira santa: princípio ativo: óleo essencial, tanino, ácido clorogênico e amirina. Usa-se a infusão das folhas, três vezes ao dia. 3. Repolho: princípio ativo: vitamina U (brasinina). Usa-se suco das folhas frescas, após as refeições. Couve Espinheira santa Repolho
  • 59. PLANTAS USADAS EM QUEIMADURAS SOLARES • São plantas com alto poder cicatrizante. Exemplos: 1. Babosa: princípio ativo: mucilagens refrescantes e Áloe emolina (recuperadora de tecido epitelial). Usa-se o suco fresco das folhas, aplicar sobre os locais irritados pelos raios de sol. 2. Goiabeira: princípio ativo: tanino (vaso constritor periférico) O tanino ajuda a coagular as proteínas da pele. Usa-se infusão das folhas ou cascas do lenho, aplica-se sobre a pele irritada. BabosaGoiabeira