ApresentaçãO 1 PrincíPios BáSicos Do RaciocíNio GeolóGico (Parte 2)

3.052 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação, Tecnologia, Turismo
0 comentários
9 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
3.052
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
21
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
9
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

ApresentaçãO 1 PrincíPios BáSicos Do RaciocíNio GeolóGico (Parte 2)

  1. 1. Siccar point - Escócia 10º ANO - GEOLOGIA Princípios básicos do raciocínio geológico
  2. 2. Charles Lyell (1797 – 1975) 2 Nuno Correia 08/09
  3. 3. 3  A coexistência entre o catastrofismo e o Uniformitarismo não foi pacífica.  Seria Charles Lyell, um discípulo de Hutton, na sua obra Princípios de Geologia, quem verdadeiramente lutou contra as ideias catastrofistas baseadas em acontecimentos excepcionais, tais como o dilúvio bíblico. Nuno Correia 08/09
  4. 4. 4 O estudo de determinados fenómenos geológicos (e.g. sismos) demonstraram que a Terra comporta acontecimentos graduais e catastróficos e que, para o mesmo fenómeno, podem coexistir aspectos graduais (como a acumulação lenta de energia – antes do sismo – e a ruptura superficial quasi-instantânea, originando a libertação de energia responsável pelos efeitos provocados). Nuno Correia 08/09
  5. 5. 5  O Uniformitarismo e o Catastrofismo são teorias opostas que têm dois princípios que não compartilham, mas que seguem um outro: o do actualismo. Nuno Correia 08/09
  6. 6. 6  Ao contrário do que Hutton e Lyell pensavam, e apesar dos muitos processos geológicos aparentarem decorrer de forma cíclica, a sua intensidade não é uma variável que se mantenha constante ao longo do tempo (e.g. a acumulação da energia nas falhas, a expansão dos fundos oceânicos, a erosão costeira, a actividade vulcânica). Nuno Correia 08/09
  7. 7. 7  Integrando as duas componentes do tempo geológico, a ciclicidade e a direccionalidade, os ciclos geológicos não podem ser vistos como a roupa numa máquina de lavar em que se vê constantemente o mesmo andar à volta, como é frequentemente ilustrado o ciclo das rochas nos manuais escolares, mas como ciclos de matéria sujeitos a mudanças espaço-temporais, sujeitos a interrupções (e.g. riftes abortados), e integrados e interligados com outros ciclos através de fluxos de matéria e energia que perpassam os subsistemas do grande Sistema Dinâmico que é o planeta Terra. Nuno Correia 08/09
  8. 8. 8 Importância da obra de Lyell Nuno Correia 08/09
  9. 9. 9  A teoria da evolução das espécies, publicada por Charles Darwin na obra A Evolução das Espécies, cujo pensamento foi fortemente influenciado pelas ideias de Lyell, foi confirmada através do estudo dos fósseis. Nuno Correia 08/09
  10. 10. 10  Este estudo mostrou que as espécies animais e vegetais se sucederam, ao longo dos tempos geológicos, de modo tranquilo e gradual. Verifica-se, assim, a aplicação do Uniformitarismo a estudos biológico Biblioteca de Shrewsbury . UK Nuno Correia 08/09
  11. 11. 11 Importância de Darwin no pensamento Geológico Nuno Correia 08/09
  12. 12. 12 O evolucionismo é o princípio orientador da construção do conhecimento geológico mais recente Nuno Correia 08/09
  13. 13. 13  Hoje, na investigação geológica conjugam-se o princípio do evolucionismo com o princípio dos ciclos (baseado no princípio do Uniformitarismo em sentido lato), considerando que, apesar de os fenómenos geológicos não serem nem repetíveis nem reversíveis, os sistemas em que decorrem apesar de complexos mantêm algumas similitudes. E evoluem, sendo que essa evolução até pode não ser constante. Nuno Correia 08/09
  14. 14. 14 A Geologia como área científica, face aos problemas que lhe são inerentes e às novas teorias unificadoras do conhecimento da Terra, adquiriu formas de raciocínio, métodos e princípios orientadores, que a tornam na disciplina sintética e fornecedora de uma visão global e particular do planeta Terra. Nuno Correia 08/09

×