UM INTERPRETE DA ALMA HUMANA
 Na história intelectual das escolas filosóficas, o 
Estoicismo romano é do período helenista, no alvorecer 
da era crist...
 Sêneca rompera com essa tradição. Ele desenvolveu 
uma nova abordagem prática de filosofia, que 
compreendia a ética, po...
 Durante sua juventude seu interesse pela filosofia 
começou com o pitagorismo e posteriormente se 
interessou pelo estoi...
 A moral romana ainda não conhecia um equilíbrio tão perfeito; 
e esse equilíbrio nascia num homem que sofria e lutava, q...
 CONSOLAÇÃO A MÁRCIA 
 CONSOLAÇÃO A POLÍBIO 
 A VIDA FELIZ 
 A TRANQÜILIDADE DA ALMA; - A CONSTÂNCIA 
DO SÁBIO; AS REL...
 Aline Nonato, Ana Flavia, Bruna Farias, Rafaela Valeri, 
Larissa Favaro, Maria Caroline e Thaynara Medeiros.
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Sêneca

493 visualizações

Publicada em

a

Publicada em: Arte e fotografia
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
493
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
61
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
46
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Sêneca

  1. 1. UM INTERPRETE DA ALMA HUMANA
  2. 2.  Na história intelectual das escolas filosóficas, o Estoicismo romano é do período helenista, no alvorecer da era cristã, que vai do início dos 300 a.C ao fim do século II d.C, marca o período de diluição entre as fronteiras e a distinção entre povos, difundindo-se para além de Atenas, chegando a Roma. Nos idos de 4 a.C a 65 a.C, Lúcio Aneu Sêneca, nascido em Córdoba (Espanha) estudou Direito em Roma, onde se destacaria como político, preceptor do futuro imperador Nero (37- 68), mais tarde seu conselheiro. A visão de mundo trazida por Sêneca e seus contemporâneos é de caráter pouco abstrato do pensamento da versão romana que até então vigorava, onde as questões sobre a natureza nem sempre aparecem vinculadas à preocupação ética.
  3. 3.  Sêneca rompera com essa tradição. Ele desenvolveu uma nova abordagem prática de filosofia, que compreendia a ética, pois considerava a filosofia um assunto eminentemente prático. Ele percebeu que estava trilhando uma nova concepção a respeito da filosofia, tanto que não hesitava em tomar de outras correntes filosóficas elementos que podiam contribuir para formular um pensamento que ensine a viver bem. Sêneca vai além do materialismo estóico, descobre a consciência como força espiritual e moral, ela é o conhecimento do bem e do mal, originário e ineliminável. E outra descoberta, ainda não pensada pela filosofia grega era a vontade como uma faculdade distinta do conhecimento. Porém, não soube dar um adequado fundamento teórico a essa descoberta.
  4. 4.  Durante sua juventude seu interesse pela filosofia começou com o pitagorismo e posteriormente se interessou pelo estoicismo. Aos 26 anos foi escolhido para preceptor do Imperador Nero. Esteve à frente do império por quase dez anos. Quanto ao agir humano, Sêneca deu grande importância à dimensão ética interior, negou qualquer valor às diferenças sociais e políticas dos homens: todos os homens são iguais enquanto tais. Não havia filósofo estóico que, mais do que ele, tenha-se oposto à instituição da escravidão exaltado o amor e a fraternidade entre os homens. E dedicou-se a observar as questões existenciais que buscavam consolação diante da dor.
  5. 5.  A moral romana ainda não conhecia um equilíbrio tão perfeito; e esse equilíbrio nascia num homem que sofria e lutava, que tirava experiência do pensador e do homem de Estado, sujeito a todas as exigências e conveniências da política; e que todavia sabia elevar-se acima da ruína causada por sanguinários tiranos ou por literatos aduladores. A doutrina moral de Sêneca nasce do amor; e também da dor. É uma contínua tentativa para fortalecer a alma contra as injúrias da sorte e da iniquidade humana; é um Diálogo da Clemência preparação do homem aos combates extremos: deve-se viver entre os próprios bens, entre as coisas mais queridas, como se a todo momento essas pudessem deixar-nos, como se a todo momento a vida mesma viesse a nos faltar. Sêneca se dedicou a observa as dores humanas, o sofrimento, a angústia e a buscar a consolação, a sabedoria, que viessem tranqüilizar as alma infortunadas de temores.
  6. 6.  CONSOLAÇÃO A MÁRCIA  CONSOLAÇÃO A POLÍBIO  A VIDA FELIZ  A TRANQÜILIDADE DA ALMA; - A CONSTÂNCIA DO SÁBIO; AS RELAÇÕES HUMANAS (A amizade, os livros, a filosofia, o sábio e atitude perante a morte).
  7. 7.  Aline Nonato, Ana Flavia, Bruna Farias, Rafaela Valeri, Larissa Favaro, Maria Caroline e Thaynara Medeiros.

×