Resumo desenvolvido por:
Prof. Michel Goulart
http://historiadigital.org
http://twitter.com/profmichel
Copyright © Todos o...
Algumas considerações
 As informações aqui contidas estão adaptadas, especialmente, para
alunos do ensino fundamental, mé...
Antecedentes
 Feudalismo foi um tipo de organização política, social e econômica
que caracterizou a Europa em boa parte d...
Renascimento Comercial
 Na Idade Média, a partir do século IV, mais de 90% da população da Europa
passou a viver no campo...
Renascimento Urbano
 À medida que o comércio se expandia, iam surgindo cidades exatamente nos
locais onde as feiras eram ...
As corporações de ofício
 A expansão do comércio e o crescimento das cidades trouxeram conflitos. As
terras da cidade per...
A vida nas cidades
 Se por um lado as cidades ofereciam uma alternativa à vida dura e
fechada nos feudos, por outro havia...
As monarquias nacionais
 Durante quase toda a Idade Média não existiam países, como conhecemos
hoje. O processo de formaç...
A guerra dos cem anos
 Tanto na França, quanto na Inglaterra, formaram-se monarquias nacionais que
passaram a governar es...
A peste negra
 O sistema agrícola feudal era incapaz de fornecer alimento para toda a
população europeia. Além disso, fat...
As revoltas camponesas
 As guerras, fome, doenças e epidemias fez com que houvesse uma diminuição
da população europeia. ...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Crisedofeudalismo 120308153223-phpapp01

1.021 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.021
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
21
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Crisedofeudalismo 120308153223-phpapp01

  1. 1. Resumo desenvolvido por: Prof. Michel Goulart http://historiadigital.org http://twitter.com/profmichel Copyright © Todos os direitos reservados. CRISE DO FEUDALISMO
  2. 2. Algumas considerações  As informações aqui contidas estão adaptadas, especialmente, para alunos do ensino fundamental, médio e pré-vestibulares.  O resumo está vinculado ao História Digital, um blog que oferece conteúdo de história para todos os níveis de ensino, explorando diferentes linguagens e promovendo a acessibilidade.  Os termos em negrito são conceitos importantes que você deve aprender. Ao final desta aula, acesse o quiz e teste os seus conhecimentos.  Você também pode aprender mais assistindo aos vídeos. Visite o blog para conhecer jogos, infográficos, visitas virtuais e muito mais sobre este resumo.  Se houver erros históricos ou problemas nos links, favor relatar no e-mail: contato@historiadigital.org
  3. 3. Antecedentes  Feudalismo foi um tipo de organização política, social e econômica que caracterizou a Europa em boa parte da Idade Média.  O feudo era a unidade de produção do feudalismo e estava sob o domínio de um senhor feudal.  Os camponeses, chamados de servos, estavam ligados à terra. Para viver no feudo, ofereciam sua força de trabalho aos senhores.  Entre os séculos X e XV, ocorreram uma série de transformações na Europa que contribuíram para a crise do feudalismo. Este período também é chamado de Baixa Idade Média.  Dentre estas transformações, podemos destacar o renascimento comercial e urbano, a formação das monarquias nacionais, a guerra dos cem anos, a peste negra e as revoltas camponesas. ATENÇÃO: Para compreender melhor este conteúdo, leia também o resumo sobre o Feudalismo e Absolutismo.
  4. 4. Renascimento Comercial  Na Idade Média, a partir do século IV, mais de 90% da população da Europa passou a viver no campo. As cidades esvaziaram e a produção agrícola predominava nos feudos. O comércio era quase inexistente.  A partir do século X, esta situação começou a mudar. O comércio passou a se intensificar, motivado, especialmente, pelas Cruzadas.  As Cruzadas contribuíram para o restabelecimento das relações entre o Oriente e o Ocidente e para a abertura do Mar Mediterrâneo aos mercadores.  Além disso, com as Cruzadas, a Europa passou a conhecer uma grande quantidade de produtos trazidos do Oriente, como especiarias, sedas e tapetes.  O modo de vida dos mercadores, responsáveis pelo renascimento do comércio, não se baseava na agricultura e na terra, mas no comércio e no dinheiro. Viajavam por rotas comerciais e vendiam produtos em grandes feiras.
  5. 5. Renascimento Urbano  À medida que o comércio se expandia, iam surgindo cidades exatamente nos locais onde as feiras eram realizadas. Isto ficou conhecido como Renascimento Urbano.  Por razões de segurança, os mercadores procuravam realizar as feiras em lugares fortificados ou cercados de muralhas.  Estes locais, chamados de burgos, pertenciam à Igreja ou senhores feudais e garantiam a defesa das feiras. Com o tempo, os mercadores passaram a se estabelecer ali.  Nos burgos, se instalaram oficinas de artesãos: sapateiros, ferreiros, carpinteiros, entre outros. Assim, em volta da primeira fortificação surgia um novo núcleo, também cercado de muralhas.  Os moradores desta segunda zona fortificada chamavam-se burgueses e, posteriormente, passaram a constituir a burguesia. Os burgueses eram homens livres, desvinculados do sistema feudal.
  6. 6. As corporações de ofício  A expansão do comércio e o crescimento das cidades trouxeram conflitos. As terras da cidade pertenciam a senhores feudais ou bispos que desejavam cobrar altos impostos.  Para se proteger destas exigências, os burgueses se uniam em ligas ou corporações, a fim de conquistar para as suas cidades a liberdade necessária.  As corporações passaram a ser as principais organizações das cidades medievais. Inicialmente, havia apenas uma associação que reunia todos os mercadores da cidade.  Mais tarde, porém, foram criadas corporações de ofício, ou guildas, formadas pelos mestres de cada ofício da mesma cidade. Assim, havia corporações de ourives, de peixeiros, carpinteiros, entre outros.  As corporações estabeleciam regras sobre o modo e a duração do trabalho, fixavam os preços dos produtos e os salários. Em muitas cidades, eram tão poderosas que chegaram a construir edifícios para se reunirem.
  7. 7. A vida nas cidades  Se por um lado as cidades ofereciam uma alternativa à vida dura e fechada nos feudos, por outro havia uma série de problemas de infraestrutura e planejamento urbano.  As cidades medievais não ofereciam condições de conforto e higiene, em virtude de seu crescimento desordenado. Este crescimento era limitado somente pelas muralhas.  Como não era possível destruir os muros, e a população aumentava, as casas cresciam para cima, chegando a ter até três andares. A maior parte era de madeira, o que favorecia os incêndios.  Nas cidades não existia calçadas ou sistemas de esgoto. À noite, quase não havia iluminação. As pessoas circulavam pela cidade no meio de animais.
  8. 8. As monarquias nacionais  Durante quase toda a Idade Média não existiam países, como conhecemos hoje. O processo de formação das nações começou no final do século XII e se consolidou entre os séculos XIV e XV. Só então foram criadas línguas e leis nacionais.  A formação das nações ocorreu porque os burgueses, que constituíam a nova classe social da época, sentiam-se prejudicados com o sistema feudal.  O senhor feudal cobrava impostos e taxas por qualquer atividade comercial. A variedade de leis, línguas e moedas atrapalhava o comércio. Além disso, os exércitos feudais saqueavam cidades, pilhavam, destruíam e roubavam.  Para resolver estes problemas, fazia-se necessário um poder centralizado, capaz de pôr fim à desordem, padronizar os impostos, pesos, medidas e moedas. Foi então que os burgueses resolveram se aliar aos reis.  Os burgueses entraram com dinheiro, utilizado pelos reis para organizar exércitos profissionais capazes de impor sua autoridade. Esta aliança deu origem às primeiras nações, chamadas de monarquias nacionais.
  9. 9. A guerra dos cem anos  Tanto na França, quanto na Inglaterra, formaram-se monarquias nacionais que passaram a governar estes países.  No início do século XIV, o rei Eduardo III, da Inglaterra, manifestou a intenção de ocupar o trono francês, pois julgava que era herdeiro deste trono.  Esta ambição acabou levando a um conflito entre os dois países, chamado Guerra dos Cem Anos. Tem esse nome porque, com pequenas interrupções, prolongou-se entre 1337 e 1453, ou seja, mais de um século.  No início, os ingleses conseguiram uma série de vitórias, conquistando a maior parte do território francês. Em 1420, os franceses foram obrigados a assinar o Tratado de Troyes, pelo qual o rei Henrique V passava a ser herdeiro do trono francês.  O rumo da guerra só passou a mudar com o aparecimento da jovem camponesa Joana d’Arc, cuja coragem reanimou o exército francês. Assim, os franceses conquistaram muitas vitórias e, em 1453, expulsaram os ingleses.
  10. 10. A peste negra  O sistema agrícola feudal era incapaz de fornecer alimento para toda a população europeia. Além disso, fatores climáticos, queimadas e guerras provocaram uma grande crise no campo.  O rápido crescimento das cidades medievais, como vimos, trouxe uma série de problemas sociais e urbanos, devido à falta de higiene e ausência de sistema de esgoto.  Entre 1340 e 1350, estes problemas se agravaram no momento em que a Peste Negra se tornou uma das mais graves epidemias a atingir a população da Europa.  Transmitida por ratos, a Peste Negra – ou Peste Bubônica – foi trazida por um navio italiano de Veneza que vinha do Oriente. Mais de um terço da população europeia foi contaminada e morreu.
  11. 11. As revoltas camponesas  As guerras, fome, doenças e epidemias fez com que houvesse uma diminuição da população europeia. Consequente, diminuiu o número de servos trabalhando nos feudos.  A falta de mão-de-obra reforçou a rigidez nas relações entre senhores e servos. Os senhores feudais criavam novas obrigações que reforçassem o vínculo dos camponeses com a terra.  Os camponeses responderam ao aumento de suas obrigações de várias maneiras. Uns simplesmente fugiram dos feudos. Outros, fizeram uma onda de violentos protestos acontecidos ao longo do século XIV.  Na França, estes protestos geraram revoltas conhecidas como jacqueries. O nome vem do fato que os nobre chamavam os camponeses de Jacques Bonhomme, algo como “Zé Ninguém”, em português.  As revoltas se espalharam pela Europa. Entre 1323 e 1328, os camponeses da região de Flandres organizaram uma grande revolta; no ano de 1358 uma nova revolta explodiu na França; e, em 1381, na Inglaterra.

×