Período Regencial: Revolta dos Malês

1.791 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.791
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
5
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
49
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Período Regencial: Revolta dos Malês

  1. 1. REVOLTA DOS MALÊS BRASIL IMPERIAL (1835)
  2. 2. PANORAMA GERAL  Quando: 25 de janeiro de 1835.  Onde: Salvador, Bahia.  Quem: Negros muçulmanos.  Principais Líderes: Pacífico Licutã, Manuel Calafate e Luis Sanim.  Por quê: Contra a escravidão e a intolerância religiosa.  Ideais: Fim da escravidão, implantação de uma república islâmica e
  3. 3. ANTECEDENTES  Economia açucareira em crise;  Proibição de manifestações religiosas em Salvador;  Destruição da mesquita da “Vitória”;  Prisão de dois chefes religiosos pelas autoridades.
  4. 4. O CONFLITO  O plano era tomar as ruas de Salvador. Invadiriam os engenhos de açúcar e libertariam os escravos. Arrecadaram dinheiro e compraram armas para os combates. O plano do movimento foi todo escrito em árabe.  Denunciaram a revolta e na noite de 24 de janeiro de 1835 houve confrontos entre a polícia e os revoltosos. A revolta foi controlada com rapidez.  As condenações foram a pena de morte para os principais líderes, trabalhos forçados, fuzilamentos e açoites. De acordo com o historiador João José Reis: “durante o levante, seus seguidores ocuparam as ruas usando roupas islâmicas e amuletos contendo passagens do Alcorão, sob cuja proteção acreditavam estar de corpo fechado contra as balas e as espadas dos soldados”.
  5. 5. Carta particular  “No dia 25 do corrente aconteceu nesta cidade uma insurreição de pretos, que felizmente falhou. Descobriu-se, então, que os Nagôs trabalhavam há muito tempo nela, pois se achou uma casa de reunião, onde foi apreendida grande quantidade de livros, e outros papéis escritos por eles com caracteres Arábicos, dos quais por falta de tradutor ignora-se o conteúdo. Segundo o que se pode averiguar, a insurreição deveria arrebentar pelas 4 horas da manhã, horário em que aqui saem os escravos para o serviço, a fim de poderem todos reunirem-se. [...]”  “Avalia agora por aqui o risco que corremos com semelhante gente, e o que ainda poderemos sofrer um dia, se não tivermos sempre a mais rigorosa cautela. A Cidade tem-se conservado em alarme até agora, não que razoavelmente se deva esperar alguma cousa por hora; porém o povo naturalmente espantadiço nestas crises, assusta-se a cada momento de qualquer coisa, e põe tudo em confusão. Ainda agora (8 horas da noite) escrevendo esta carta fui interrompido, pelo povo que amotinou-se a ponto de atirarem às vedetas, de que resultou o ferimento de um soldado. ”  Bahia, 27 de janeiro de 1835
  6. 6. CONSEQUÊNCIAS  Aumentou o medo de rebeliões de escravos em todas as províncias.  Isso fez com que os senhores passassem a agir de forma mais rigorosa com os escravos e, em Salvador, os africanos foram proibidos de circular à noite pelas ruas e de praticar as suas cerimônias religiosas. CURIOSIDADE  Uma das técnicas de luta usadas na Revolta dos Malês foi a capoeira.

×