Marabaixo, dança afrodescendente

3.267 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
3.267
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
21
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Marabaixo, dança afrodescendente

  1. 1. Marabaixo, DançaAfrodescendente: “palavramundo” e condição de “ser mais” para os afro-amapaenses. Piedade Lino Videira Apresentação do Ciclo de Seminários do Estágio Supervisionado IV: Atividades socioeducativas Graduandos: Luiz Siqueira Elaine Teles
  2. 2. Objetivos do textoArticular a categoria analítica de “ser mais”, desenvolvida porPaulo Freire com o estudo de mestrado realizado pela autora. Marabaixo, dança afrodescendente: significando a identidade étnica do negro amapaense.
  3. 3. Dança MarabaixoDança Dramática e Religiosa de Cortejo Afrodescendente.Compreendida no contexto de relações sócio-histórico-culturaiselaborada pela comunidade do bairro do Laguinho, emMacapá, capital do Estado de Amapá.Busca-se utilizar os conhecimentos deste, para fins educacionaispois é, segundo Videira (2006, p. 209): “[...] uma forma de pensamento social e afirmação da identidade étnica dos sujeitos que dela participam.”
  4. 4. Perspectivas pedagógicasBusca-se trabalhar pedagogicamente nos diversos ambienteseducacionais a “leitura de mundo” dos participantes daDança, e este momento como uma alternativa para oseducandos afrodescendentes se perceberem “dentro de umarelação dialógica e multiétnica” dadas por experiênciasindividuais e coletivas. (VIDEIRA, 2006)
  5. 5. Essa ação pedagógica busca desenvolver “[...] a afirmaçãopositiva de sua autoestima, autoconhecimento, solidariedade, respeito, e afirmação de valores pessoais, culturais, religiosose históricos de si e dos outros, ou seja, uma vocação antológicado ser humano e de ser mais (FREIRE, 2001) respeitando a si eaos outros que se/lhe assemelham e não lhe assemelhammutualmente.” (VIDEIRA, 2006, p. 2009)
  6. 6. Ser maisO desenvolvimento da consciência crítica quepossibilita a inserção dos seres humanos comosujeitos no processo histórico.
  7. 7. Leitura de mundo e da palavra.A leitura de mundo possibilita a decifração cada vez maiscrítica da ou das “situações-limites”, além das quais se acha o“inédito viável”Leitura da palavra reside nos conhecimentos apreendidos nomodelo de educação formal.
  8. 8. Dança e superação da educação bancaria:valorizando os saberes populares também.“[...] já ocorreram enumeras mudanças didáticas, deconteúdos, pedagógicas, na relação professor e aluno, mas aconcepção que ainda vigora em nossa cultura escolar é a‘bancária’, na qual a educação é o ato de depositar, transferir etransmitir valores segundo os quais o educador é o queeduca, sabe, pensa, diz a palavra, disciplina, opta e prescreve suaopção, atua, escolhe o conteúdo programático, indica aautoridade do saber com sua autoridade funcional, oposta àliberdade dos educandos, em que o educador, finalmente, é osujeito do processo e os educandos meros objetos.
  9. 9. Dança e superação da educação bancaria:valorizando os saberes populares também.O Marabaixo, possibilita assim uma educação profundamentevinculada à história e às matrizes culturais diversificadas quefazem parte da identidade “local”, bem como nacional, e permitea confluência dos saberes populares propiciando aos alunos odesenvolvimento do respeito e valorização positiva dasdiferenças.

×