Apresentação para décimo primeiro ano, aula 33

1.268 visualizações

Publicada em

Publicada em: Negócios, Tecnologia
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.268
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
536
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
35
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Apresentação para décimo primeiro ano, aula 33

  1. 2. <ul><li>Cena III (p. 108) </li></ul><ul><li>Na primeira fala, percebemos que Maria acredita que D. Sebastião não morreu e regressará . </li></ul><ul><li>Na sua segunda fala, Maria interroga-se sobre o que leva o pai a mudar de semblante quando se alude ao regresso de D. Sebastião, e nós inferimos por que motivo ocorre essa mudança de estado de espírito: Manuel de Sousa Coutinho associa o regresso de D. Sebastião ao de D. João de Portugal . </li></ul>
  2. 3. <ul><li>Na terceira fala de Maria, é a própria adolescente que, perante o choro da mãe, lhe promete esquecer as alusões sebastianistas / a Alcácer Quibir . </li></ul><ul><li>Na última fala, o aparte de Telmo serve para se nos esclarecer que Maria está doente . [de tuberculose] </li></ul>
  3. 4. <ul><li>Cena IV (109-110) </li></ul><ul><li>Na parte que está na p. 109, Maria revela a sua preocupação por os pais se preocuparem tanto com ela . </li></ul><ul><li>Já na p. 110, Madalena pede-lhe que «pense» menos e, antes, se distraia, como seria natural na sua idade . E, na última fala, a mesma Madalena volta a mostrar-se preocupada por Manuel ainda não ter chegado . </li></ul>
  4. 5. <ul><li>Cena V (110, 111, 112) </li></ul><ul><li>A cena serve para Jorge vir avisar que os governadores ao serviço de Espanha querem sair de Lisboa, alegadamente por causa da peste , e, por isso, quatro deles se vêm instalar na casa de Manuel de Sousa . Isto revolta Maria. Entretanto, ouvindo melhor do que os outros, Maria percebe que o pai está a chegar. </li></ul>
  5. 6. <ul><li>Cena VI (112) </li></ul><ul><li>Um criado, Miranda , confirma a chegada de Manuel. O resto da cena serve para, através de um comentário de Madalena e, sobretudo, de um aparte de Jorge, se acentuar que Maria está doente [tem ouvidos de tísica] . </li></ul>
  6. 7. <ul><li>Cena VII (112-114) </li></ul><ul><li>Pela primeira vez, intervém Manuel de Sousa . Está emocionado e com pressa. Já resolveu que têm de sair da própria casa , antes que cheguem os governadores. Decide também que a família irá para a casa que pertencera a D. João de Portugal . </li></ul>
  7. 8. <ul><li>Cena VIII (114-115) </li></ul><ul><li>Madalena tenta convencer Manuel a desistir da ideia de irem para o palácio de D. João , já que a perspectiva de morar na casa onde vivera com o primeiro marido a deixa em pânico. </li></ul>
  8. 9. <ul><li>Cena IX (115) </li></ul><ul><li>Ficamos a saber que os governadores tinham desembarcado . </li></ul>
  9. 10. <ul><li>Cenas X, XI e XII (116-117) </li></ul><ul><li>Mostra-se-nos a saída da família. Vemos que Manuel resolveu incendiar a casa. Assim que o percebe, Madalena pede que lhe salvem o retrato de Manuel , o que já não foi possível. </li></ul>
  10. 11. <ul><li>Se te despachares antes dos outros, resolve também o ponto 3.2 (p. 118): </li></ul><ul><li>« Há-de saber-se no mundo que ainda há um português em Portugal » </li></ul>
  11. 12. <ul><li>conspícuo = evidente </li></ul><ul><li>reposteiro = </li></ul><ul><li>aspa = X vermelho </li></ul><ul><li>cruz floreteada = [ cfr. as quatro cruzes entre os cinco escudetes] </li></ul>
  12. 13. <ul><li>conspícuo = evidente </li></ul><ul><li>aspa = X vermelho </li></ul><ul><li>cruz floreteada = [ cfr. as quatro cruzes entre os cinco escudetes] </li></ul>
  13. 16. <ul><li>Ir fazendo sempre os tepecês </li></ul><ul><li>Não esquecer publifilme atrasado </li></ul>
  14. 17. <ul><li>Ir trazendo sempre Práticas . </li></ul>
  15. 18. <ul><li>Retoma o início de peça de teatro (que já fui corrigindo ao de leve). Termina o texto e melhora-o. </li></ul>
  16. 19. <ul><li>Não esqueças: </li></ul><ul><li>título </li></ul><ul><li>género (melhorar, especificando mais, esta parte; ver a folha dessa aula) </li></ul><ul><li>personagens (não são apenas as que entram nas duas cenas; são as de toda a peça). </li></ul><ul><ul><li>por vezes, talvez seja bom acrescentar, entre parênteses, a função/profissão da personagem </li></ul></ul>
  17. 20. <ul><li>depois de cena I , cena II , pôr os nomes das personagens intervenientes </li></ul>
  18. 21. <ul><li>é preferível pôr travessão (—) </li></ul><ul><li>a dois pontos (:), </li></ul><ul><li>depois do nome de cada personagem que fala. </li></ul>
  19. 22. <ul><li>No cenário (e nas outras didascálias ), trata-se de informar o encenador ou o cenógrafo, não de aproveitar para fazer narrativa. (Tempo será o Presente do Indicativo.) </li></ul><ul><li>Se te parecer que a cena II começa a ficar esgotada, avança para uma cena III </li></ul>
  20. 23. <ul><li>Ó Manuel, </li></ul><ul><li>Oh , que triste que estou! </li></ul>
  21. 24. <ul><li>!... </li></ul><ul><li>...! </li></ul>
  22. 25. <ul><li>Se já completaste o início da peça, responde ao ponto 2.2 da p. 137 . </li></ul>
  23. 26. <ul><li>Se já completaste o início da peça e já respondeste ao ponto 2.2 da p. 137, responde ao ponto 2.1 da mesma p. 137 . </li></ul>
  24. 27. <ul><li>TPC </li></ul><ul><li>Prepara leitura das Cenas II-XV do Acto Segundo ( Antologia , 123-136); </li></ul><ul><li>em folha solta, responde à pergunta 5.2 da p. 137 (e, claro, nada de copiar por colegas). . </li></ul>

×