Compras e aquisições de materiais aula 2

448 visualizações

Publicada em

Compras e aquisições de materiais - aula 2

Publicada em: Engenharia
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
448
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
11
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Compras e aquisições de materiais aula 2

  1. 1. OFICIAL DA CONSTRUÇÃO CIVIL (PEDREIRO E M ESTRE DE OBRAS) COM PRAS E AQUISIÇÕES DE M ATERIAIS
  2. 2. INDICE INTRODUÇÃO A ESCOLHA DO TERRENO CARACTERÍSTICAS DO CIMENTO AÇO TIJOLOS CARACTERÍSTICAS ÁGUA FRIA E ÁGUA QUENTE COMO ESCOLHER METAIS PARA SUA CASA TELHADOS E LAJES MATERIAIS DIVERSOS FERRAGENS E METAIS FUNÇÃO DO CONTROLE DE ESTOQUE
  3. 3. AÇO AÇO é uma liga metálica formada essencialmente por ferro e carbono. É vendido em quilos ou barras. Utilizados em obras de superestruturas para execução de pilares, vergas, vigas e lajes.
  4. 4. CLASSIFICAÇÃO DO AÇO AÇO CARBONO AÇO DE ALTA RESISTÊNCIA E BAIXA LIGA AÇOS LIGA TRATADOS TERMICAMENTE
  5. 5. AÇO CARBONO Aço carbono é a composição da liga que confere ao aço o seu nível de resistência mecânica.
  6. 6. AÇO DE ALTA RESISTÊNCIA E BAIXA LIGA Como diz o nome, são aços com baixos teores de liga com altos limites de resistência.
  7. 7. CARACTERÍSTICAS São mais resistentes do que aços carbono São dúcteis Tem boa conformabilidade São soldáveis
  8. 8. AÇOS LIGA TRATADOS TERMICAMENTE Aços estruturais de baixa liga tem melhor endurecibilidade do que os aços carbono, portanto podem apresentar melhor resistência em peças de maiores dimensões.
  9. 9. MADEIRA A madeira é um material produzido a partir do tecido formado pelas plantas lenhosas com funções de sustentação mecânica.
  10. 10. SAIBA ONDE USAR CADA TIPO DE MADEIRA Para a estrutura da casa Para a estrutura da casa, o melhor são as opções de alta densidade. "Em geral, quanto mais pesada, maior a resistência mecânica e a durabilidade“. As espécies nativas têm densidade e resistência altas ao ataque de fungos e cupins.
  11. 11. 1. Cumaru: R$ 3 mil o m³ 2. Jatobá: de R$ 3 500 a R$ 4 mil o m³ 3. Pequiá 4. Roxinho: R$ 2 470 m³ 5. Itaúba: R$ 3 560 o m³ 6. Tatajuba: de R$ 2 310 a R$ 3 080 o m³.
  12. 12. SAIBA ONDE USAR CADA TIPO DE MADEIRA Para o telhado No telhado, garapeira é bem-vinda. "Mas ela deve ficar protegida da chuva, pois apodrece rápido", o cambará é indicado, mas pede atenção. "Seu alburno tem muito amido, alimento de cupim. Por isso, proteja bem a madeira". A cupiúba e o angelim-vermelho, extremamente resistentes, têm o problema do mau cheiro. "o odor diminui, mas na verdade é o olfato que se acostuma".
  13. 13. 7. Garapeira: de R$ 2 350 a R$ 3 mil o m³. 8. Cupiúba: R$ 1 820 o m³ 9. Angelim-pedra: de R$ 2 640 a 3 190 o m³ 10. Cambará: R$ 1 560 o m³ 11. Angelim-vermelho: de R$ 2 mil a R$ 2 500 o m³
  14. 14. OUTROS TIPOS No telhado: maçaranduba, ipê, sucupira. No forro: cedro, ipê, peroba. Nas portas e janelas: cedro, peroba, sucupira, imbuia. Formas de concreto: pinho do paraná, chapa compensado. Unidade de medida : m (metro linear)
  15. 15. COMO COMPRAR MADEIRA LEGAL? Verificar a regularidade da empresa que está vendendo a madeira no Cadastro Técnico Federal; Exigir a nota fiscal para que o comerciante não crie falsos estoques; Exigir o documento legal de origem florestal. É a única forma de garantir que a madeira adquirida não tenha vindo de áreas irregulares.
  16. 16. OUTROS INSUMOS ESSENCIAIS NA OBRAÁgua Azulejo Ladrilhos de cimento Piso cerâmico Mármores e granitos Louças e metais Vidros Impermeabilizantes Telhas Metais
  17. 17. TIJOLOS
  18. 18. INTRODUÇÃO Produto cerâmico, avermelhado, geralmente em forma de paralelepípedo e amplamente usado na construção civil, artesanal ou industrial. É um dos principais materiais de construção. O tijolo tradicional é fabricado com argila e de cor avermelhada devido cozimento e pode ser maciço ou furado. Os tijolos podem ser fabricados ou feitos a partir de argila, argila xistosa, silicato de cálcio ou cimento;a argila é a matéria mais comum.
  19. 19. TIPOS DE TIJOLOS Segundo a massa, os tijolos estão divididos nas seguintes tipologias: Maciço: tipo de tijolo sem espaços vazios. Usado em paredes estreitas de armários, em caixas d'água, caixas de esgoto ou paredes.
  20. 20. TIPOS DE TIJOLOS Furado: É mais leve que o tijolo maciço, mais barato e não sobrecarregam a estrutura.
  21. 21. TIPOS DE TIJOLOS Vazado: É mais leve do que o tijolo furado. Tem furos quadrados e podem ser usados em paredes de divisa sobre estrutura de concreto armado.
  22. 22. TIPOS DE TIJOLOS Tijolos de concreto (Bloco de concreto): Tem maior resistência do que o de barro e pode ser usado sem revestimento.
  23. 23. TIPOS DE TIJOLOS Tijolo ecológico: Proporciona economia, estabilidade estrutural, harmonia e beleza, priorizando o ambiente da casa.
  24. 24. MÁQUINA PARA FABRICAÇÃO DE TIJOLO ECOLÓGICO
  25. 25. APLICAÇÕES DO TIJOLO ECOLÓGICO Fornecimento de tijolos para lojas de material de construção Montagem de lareiras, churrasqueiras, móveis de alvenaria Fornecimento para empreiteiras e construtoras com contrato fechado de produção Murar terrenos baldios Revestir fachadas de casas com plaquetas de revestimento Fornecimento para prefeituras, obras públicas e mutirões Aplicação de pisos internos e externos Construção e venda de casas de vários padrões com ótima margem de lucro.
  26. 26. MATERIAIS HIDRÁULICOS
  27. 27. INTRODUÇÃO De baixo custo para a construção civil, mas de grande impacto para a qualidade e o acabamento da obra. Representa aproximadamente 3% do custo total da obra. Importância de fazer um dimensionamento e um projeto de instalações hidráulicas. Atenção aos principais problemas ocasionados pela execução dos serviços e pelos materiais de baixa qualidade.
  28. 28. Verificar: Pontos de entrada e de saída, tipos de caixa d'água, pontos críticos de pressão de água (chuveiros e descargas).
  29. 29. ÁGUA FRIA E ÁGUA QUENTE
  30. 30. INTRODUÇÃO Água fria: Está em temperatura dada pelas condições do ambiente, conforme NBR 5626. O fornecimento de água ocorre através de uma fonte de abastecimento, por exemplo uma caixa d'água.
  31. 31. INTRODUÇÃO Água quente: Sistema que deve fornecer água contínua, em quantidade suficiente e em temperatura confortável, que garanta segurança aos usuários.
  32. 32. LOUÇAS E M ETAIS
  33. 33. INTRODUÇÃO Acessórios de metais para cozinhas e banheiros; Variáveis modelos e diversos padrões de acabamento; Custos de baixo padrão a elevado padrão. Estilos diversos; Acessórios de controle de temperatura e proteção a queimaduras;
  34. 34. TELHADOS E LAJES
  35. 35. TIPOS DE TELHAS
  36. 36. TIPOS DE TELHAS TELHAS ESPECIFICAÇÃO PORTUGUESA Material: Cerâmica Quantidade: 16 telhas por metro quadrado de telhado Peso: 2,5 Kg por peça ROMANA Material: Cerâmica Quantidade: 16 telhas por metro quadrado de telhado Peso: 2,4 Kg por peça AMERICANA Material: Cerâmica Quantidade: 12 telhas por metro quadrado de telhado Peso: 3,1 Kg por peça FRANCESA Material: Cerâmica Quantidade: 17 telhas por metro quadrado de telhado Peso: 2,4 Kg por peça COLONIAL Material: Cerâmica Quantidade: 26 telhas por metro quadrado de telhado Peso: 2 Kg por peça
  37. 37. ORÇAMENTO CUSTO DIRETO- são os custos que podem ser apropriados diretamente aos produtos, bastando haver uma medida de consumo (quilos de mat. consumido, horas de mão-de-obra utilizada, embalagens utilizadas e, até mesmo, em alguns casos, quantidade de energia consumida). São os custos diretos com relação aos produtos. CUSTO INDIRETO- são os custos que não oferecem condições de serem medidos objetivamente, e qualquer tentativa de alocação destes custos aos produtos tem que ser feita de forma estimada e, muitas vezes arbitrária. Alguns exemplos: aluguel, supervisão da fábrica. Esses são os custos indiretos com relação aos produtos.
  38. 38. M ATERIAIS DIVERSOS
  39. 39. PISOS E AZULEJOS Cuidados na compra: a) Verificar locais de aplicação dos produtos; b) Checar na embalagem o número do lote, cor e tamanho; c) Comprar sempre um pouco mais para reserva (em torno de 5%).
  40. 40. TINTAS Observar local de aplicação; Fazer levantamento da área para comprar a quantidade adequada (profissional especializado); Observar código da cor e a tonalidade da tinta.
  41. 41. LÂMPADAS, LUSTRES E LUMINÁRIAS Observar a indicação da potência no vidro; Observar se a voltagem da lâmpada é compatível com a do local a ser utilizado; Dê preferência a lâmpadas mais econômicas (fluorescentes), principalmente em áreas de grande circulação (cozinhas, AS, garagem, banheiros)
  42. 42. PRODUTOS FORA DE LINHA Atenção a produtos que costumam sair de linha com muita freqüência para caso haja necessidade de reposição. O Barato pode sair caro!!!
  43. 43. CONTROLE DE ESTOQUE
  44. 44. CONTROLE DE ESTOQUE OBJETIVO: Controle/manutenção da quantidade, controle da requisição, alocações para julgamento, pedidos de investigação e contra pedidos, verificação e fiscalização do volume, da qualidade e da rotação dos estoques.
  45. 45. POLÍTICA DE ESTOQUE Determinar o que deve permanecer em estoque; Determinar quanto se deve reabastecer o estoque; Determinar a quantidade de estoque que será necessário para um período pré- determinado; Acionar o departamento de compras para executar a aquisição de estoque; Controlar o estoque em termos de quantidade e valor e fornecer informações sobre sua posição; Identificar e retirar do estoque itens danificados.
  46. 46. FIM

×