Apresentação jorge e norma 03 10 11

576 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
576
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
73
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Apresentação jorge e norma 03 10 11

  1. 1. CHAPA 2 - IBRAG INTERATIVO DESENVOLVIMENTO COM PARCERIACandidatos:Jorge José de Carvalho (DHE) – DireçãoNorma Albarello (DBV) – Vice-Direção
  2. 2. PROPOSTA DE GESTÃO PARA O IBRAGO IBRAG, a partir das iniciativas pioneiras do Professor Roberto AlcantaraGomes, se tornou um expoente em pesquisa biomédica e biológica, sendoconstituído atualmente por grande número de docentes reconhecidos peloelevado mérito de seus trabalhos, publicados em periódicos com significativosíndices de impacto. Estes pesquisadores, líderes de projetos de pesquisas,contam com a colaboração do seu capacitado e credenciado corpo técnico-administrativo, coordenam trabalhos que possuem importantes parceriasinternas e externas, e têm conquistado recursos em diferentes editais dasagências de fomento.A atuação da última gestão, do Magnífico Reitor Ricardo Vieiralves,combinada às ações estratégicas da Secretaria de Ciência e Tecnologia eFAPERJ no financiamento às Universidades estaduais, possibilitaramvivenciarmos anos prósperos. Os recursos obtidos têm permitido aparelhar oslaboratórios, melhorando a infra-estrutura da Unidade, o que contribui para amelhor formação dos nossos alunos.
  3. 3. Embora o cenário tenha sido bastante favorável, precisamos avançar como umaUnidade coesa e integrada, com a construção de um diálogo respeitoso ecompetente, evitando a centralização autoritária. Fundamentados nas melhoresteorias e práticas administrativas, é preciso interagir internamente com os váriossegmentos da comunidade acadêmica do IBRAG, com os setores daAdministração Central e também com as demais unidades da UERJ. O IBRAGdeve reforçar sua capacidade propositiva na superação das dificuldades,sobretudo estimulando parcerias e considerando as características individuais esetoriais, criando um clima de cooperação construtiva, instrumento fundamentalde planejamento, que otimize as potencialidades individuais acadêmicas, os seusprocessos administrativos, e catalise a criatividade científica e cultural, semsubestimar, no trato pessoal, a importância de um bem estar social eindividual. Ao mesmo tempo, deve haver um esforço maior de atenção ao nossocorpo discente, que tradicionalmente sempre teve excelente desempenho nosprocessos de avaliação de curso.Para atingirmos essas metas, trazemos a seguir algumas considerações:
  4. 4. ELABORAÇÃO DE PLANO DIRETOR ADMINISTRATIVO, ACADÊMICO, TÉCNICO E CIENTÍFICO A elaboração de um plano diretor para o IBRAG deve levar em consideração os desafios atuais e futuros que se impõem para a área acadêmica e que envolvem:a) as atividades didáticas atuais de graduação com maior participação em reuniões com os alunos para diagnóstico dos problemas, e com o retorno do programa de tutoria que a presente gestão não deu continuidade, visando recuperar o conceito de melhor Curso de Biologia pelo ENADE/MEC como sempre tivemos antes de 2008;b) a contínua e crescente geração de conhecimento nas atividades científicas de pesquisa pura e aplicada de seus vários laboratórios;c) a geração de novas tecnologias - a inovação tecnológica, fruto das atividades de pesquisa;d) a geração de patentes, fruto da inovação tecnológica;e) a publicação crescente de artigos em periódicos com índice de impacto alto para melhoria qualitativa (e quantitativa) e do cada vez melhor reconhecimento pela CAPES e da comunidade científica em geral, gerando maior prestígio de seus cursos de pós-graduação e sua produção;f) maior integração com a comunidade interna (resgate dos encontros do IBRAG) – recuperação do diálogo e do bom relacionamento com os docentes e técnicos administrativos – e externa incluindo-se a parceria com a indústria e o comércio, gerando maior valor agregado aos seus produtos inclusive na área cultural e desportiva;
  5. 5. g) a discussão sobre a criação de novas áreas (cursos) de formação de recursoshumanos nas áreas biomédica e biológica, como por exemplo, os cursos de biotecnologia,farmácia e ciências agrárias nos Campi regionais levando em consideração as vocações edemandas locais;h) o desdobramento das atividades de ensino e pesquisa em projetos de extensãouniversitária, promovendo a capacitação de alunos de graduação e permitindo retornomais imediato à sociedade; i) o atendimento a diretrizes governamentais, tais como a atual legislação de acesso aopatrimônio genético e futuras exigências na legislação sobre adequação dos biotérios edas coleções biológicas;j) a discussão da proposta de um rearranjo da estrutura departamental atual, quealguns departamentos consideram necessária para melhor adequação e adaptação desuas atividades;k) a busca de recursos financeiros junto às agências tradicionais e as novas parceriasna indústria, comércio e agentes financeiros, além das secretarias de estado e agências defomento tradicionais. Adicionalmente, promover a maior independência dosdepartamentos na gestão dos recursos financeiros disponibilizados pela UERJ;l) a criação ou aperfeiçoamento das plataformas multiusuárias, inclusive multi-institucionais de equipamentos;m) melhoria das instalações prediais e laboratoriais e revitalização de espaços (HortoBotânico e Biotério Central).
  6. 6. IDENTIFICAÇÃO DE CADA ÁREA DE AÇÃOPessoalAs ações políticas e administrativas de recursos humanos para o servidor docente seencontram no momento priorizadas e centradas na aprovação dos pedidos de promoçãopara professor associado e o programa de D.E. que envolve também o Prociência (e oaumento das bolsas) que para o IBRAG atende a ampla maioria docente que é qualificadacom doutorado e pós-doutorado.A implantação da promoção para associado e a implantação da D.E. envolvem reajustesalarial. De qualquer maneira se justifica ainda um apoio as discussões sobre reajustesalarial para tornar o salário da UERJ competitivo com as Instituições Federais(universitárias ou não) situadas no RJ.A melhoria das condições de trabalho envolvendo as instalações prediais e o mobiliárioque são ainda questões pendentes de resolução.Uma assessoria administrativa de secretaria deve ser aprimorada com a oferta deserviços competentes para atendimento das demandas e gerenciamento do patrimônio,informática, e dos relatórios de prestações de contas da UERJ e agências de fomento.
  7. 7. A ação junto à COPAD para abertura de mais concursos públicos para suprir as carênciasdocentes tanto na pesquisa e pós-graduação quanto na graduação para atendimentoqualificado da carga didática que é outra demanda dos docentes do IBRAG, que se soma àrealização de concursos para técnicos especializados em equipamentos multiusuários degrande porte.Há também a necessidade de atender aos servidores técnico-administrativos em funçãode suas aspirações diferenciadas, buscando o reconhecimento do valor de suas atividades e ainserção adequada nas diferentes funções. É de grande relevância o fortalecimento dasequipes tanto de caráter administrativo quanto aquelas diretamente voltadas para as atividadesde pesquisas.ProduçãoA produção docente deve considerar o atendimento dos desafios atuais e futuros e considerar:a) o aumento da demanda na formação atual e futura de recursos humanos, inclusive emnovos cursos de graduação;b) discussão da inserção docente na prestação de serviços;c) melhor competitividade nos editais internos (Prociência, D.E., Prof. Associado, Proatec etc.)e externos;d) maior integração com a comunidade científica interna e externa regional, nacional einternacional;e) maior integração com a comunidade produtiva local .
  8. 8. APRESENTAÇÃO DOS CANDIDATOS
  9. 9. Jorge José de CarvalhoProf. Associado - Depto. de Histologia e Embriologia (DHE)http://lattes.cnpq.br/2608779267915272Graduou-se em 1975 como bacharel em Ciências Biológicas pela Universidade doEstado do Rio de Janeiro, com mestrado em Ciências Morfológicas pelo Instituto deCiências Biomédicas da Universidade Federal do Rio de Janeiro (1982) e doutoradoem Histologia pelo Instituto de Ciências Biomédicas da Universidade de São Paulo(1989).Atuou em diferentes atividades de gestão, incluindo a Direção do Instituto de Biologiaem dois períodos (1992-1996 e 2004-2008). Também foi Diretor do Departamento deApoio a Produção Científica e Tecnológica- DEPESQ/ SR2, Coordenador deArticulação Institucional para o Fomento da Sub-Reitoria de Pós-Graduação ePesquisa/SR2 e Coordenador Geral dos Cursos de Pós-Graduação do CentroBiomédico, Chefe do Departamento de Histologia e Embriologia, Representante daUERJ na Rede de Tecnologia do Estado do Rio de Janeiro e Representante da UERJ nasreuniões da Secretaria de Ciência e Tecnologia do Município do Rio de Janeiro.Durante sua atuação à frente do IBRAG, foram alcançadas importantes conquistas,dentre as quais citamos a criação dos Laboratórios Especiais do IBRAG, a abertura devagas e a realização dos concursos de cargos técnico-administrativos, em parceriacom a SRH, e a projeção do curso de graduação em Ciências Biológicas por meio deexcelente desempenho nos exames do ENADE, destacando o IBRAG no cenárioregional e nacional.
  10. 10. Membro da comissão para implantação do Centro de Tecnologia de Meio Ambiente –CETEMA, do Campus Regional de Friburgo/ UERJ, Membro do grupo de trabalho daComissão de Ética em Pesquisa com Animais da UERJ-COEPA/UERJ, Membro do Conselhode Coordenação e Planejamento do Hospital Universitário Pedro Ernesto (CCPHUPE),Membro do grupo de trabalho para a realização das obras do Prédio de laboratórios doIBRAG e FCM (“Celulão”).Membro do grupo de trabalho para elaboração do projeto políticopedagógico para os cursos de Biotecnologia e Ciência Farmacêutica no Campus Regional deResende, Membro de comitê PIBIC, CECAD, PROCIÊNCIA e PROATEC.Atua na graduação do Instituto de Biologia desde 1976 coordenando a disciplina Histologia eEmbriologia para os Cursos da Área Biomédica e nos cursos de pós-graduação em BiologiaHumana e Experimental (PGBHEx) e Fisiopatologia Clinica e Experimental (CLINEX) daUERJ. Possui várias orientações de bacharelado, mestrado e doutorado.Coordenou e participou como membro de equipe de vários projetos contemplados em editaisde natureza multidisciplinar. Vale destacar sua atuação junto à Secretaria de Ciência eTecnologia do estado do Rio de Janeiro para a concessão para a UERJ do Microscópio deVarredura Confocal a Laser, obtido em projeto coordenado pela Profa. Dra. Verônica MariaMorandi da Silva.Coordena o Laboratório de Microscopia Elêtronica (LABMEL) e o Laboratório de Ultraestruturae Biologia Tecidual, mantendo colaboração científica com diferentes departamentos doIBRAG, tais como os Departamentos de Anatomia(DAN), Zoologia (DZ), Ciências Fisiológicas(DCF), Farmacologia e Psicobiologia (DFP), Biofísica e Biometria (DBB), Ensino de Ciências eBiologia (DECB). Colabora também com os Setores de Parasitologia, Ortopedia eDermatologia da Faculdade de Ciências Médicas (FCM).
  11. 11. Ainda na área da pesquisa científica, atua como parecerista ad-hoc da FundaçãoCarlos Chagas Filho de Amparo Pesquisa do Estado do Rio de Janeiro-FAPERJ,do Programa de Professor Visitante da Universidade do Estado do Rio de Janeiroe de periódicos da área biomédica.Obteve a concessão e a manutenção de contas SIDES para todos osDepartamentos do IBRAG, conquistadas graças às solicitações feitas junto àAdministração Central da UERJ, bem como a criação em parceria com a FCM deum setor de manutenção localizado no Campus Biomédico para atendimento àsdemandas do IBRAG e FCM; também a parceria com o Instituto de Química e aDINFO, para instalação e atendimento aos alunos, do Laboratório de Informáticano térreo do PHLC, além da melhoria de espaços do PHLC que compreendeu areforma do revestimento do teto do 2° andar, climatização do laboratório demicroscopia, sala 223, e adequação da secretaria do CEDERJ.Contato:Laboratório de Microscopia Eletrônica (LABMEL) e de Ultraestrutura e Biologia Tecidual.Departamento de Histologia e Embriologia do IBRAG.Avenida Professor Manoel de Abreu, nº 444, 3° andar, Pavilhão Américo Piquet Carneiro.Maracanã. CEP. 20550-170 - Rio de Janeiro, RJ - BrasilTelefone: (21) 28688035, 28688368 e Fax: (21) 28688411.email: carvalho@uerj.br ; jjcarv@gmail.com
  12. 12. Norma AlbarelloProf. Adjunto - Depto. de Biologia Vegetal (DBV)http://lattes.cnpq.br/4767211177616413Graduou-se em Ciências Biológicas pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro, iniciando em1992 suas atividades docentes na Disciplina Fisiologia Vegetal, concomitante ao Mestrado emBotânica pela UFRJ. Passou a integrar o corpo docente do Instituto de Biologia Roberto AlcantaraGomes (IBRAG) em 1997, atuando em diferentes disciplinas de graduação do Departamento deBiologia Vegetal (DBV), tendo participado da proposição de disciplinas eletivas na área deBiotecnologia Vegetal, além de coordenar a disciplina Fisiologia Vegetal. Tem várias orientaçõesde alunos de graduação nas modalidades de Iniciação Científica, Monitoria, Estágio InternoComplementar e Extensão Universitária, além de alunos do Ensino Médio do Instituto Federal deEducação, Ciência e Tecnologia do Rio de Janeiro - IFRJ (antigo CEFETEQ/RJ) e do ProgramaJovens Talentos da FAPERJ. No período de 1999 e 2001, foi Representante do Setor de Botânicado DBAV, integrando a Comissão de Departamentalização deste antigo departamento do IBRAG.Entre 2000 e 2003 integrou a Comissão de Acompanhamento do Ensino em Ciências Biológicasdo IBRAG e o Conselho Executivo do CEADS/SR2. Concluiu em 2005 o Doutoramento emCiências Biológicas pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro.Auxiliou na criação do Laboratório de Biotecnologia de Plantas (Labplan), que está sob suacoordenação e que atualmente integra o Núcleo de Biotecnologia Vegetal da UERJ (NBV). ONBV é resultado da consolidação de um grupo de pesquisa de natureza interdepartamental,reflexo de uma parceria exitosa que alavancou a criação do Programa de Pós-Graduação emBiologia Vegetal, Área de concentração em Conservação e Utilização da Biodiversidade(PGBV/UERJ). O PGBV foi criado em 2008 com Mestrado Acadêmico, nível 4 e teve o Doutoradoaprovado em 2010, sendo recomendado pela CAPES com nível 4.
  13. 13. Atuou como Coordenadora Adjunta do PGBV no biênio 2008-2010, como orientadora demestrado neste período, e de mestrado e doutorado no período atual, tendo ainda participação nacoorientação de alunos de mestrado e doutorado em outros programas de pós-graduação, comoo Programa de Biociências (PPGB/UERJ), de Meio Ambiente (PPGMA/UERJ) e de BiotecnologiaVegetal/UFRJ. É revisora de vários periódicos nacionais e internacionais, além de atuar comoassessora na avaliação de projetos de pesquisa internos da SR2 (PIBIC, Professor Visitante) eexternos (FAPERJ).É Procientista desde 2008, coordenando o projeto “Produção e avaliação de plantas emetabólitos de interesse medicinal obtidos in vivo e in vitro”, com vários colaboradores internos eexternos. Em relação aos colaboradores internos, vale destacar a participação de laboratórios dediferentes Departamentos do IBRAG (Departamento de Biofísica e Biometria, Departamento deBiologia Celular, Departamento de Bioquímica, Departamento de Farmacologia e Psicobiologia) eda FCM (Departamento de Microbiologia, Imunologia e Parasitologia - DMIP). Das colaboraçõesexternas, a parceria com a Fiocruz resultou na participação do grupo num projeto da RedeMalária, desenvolvido como subprograma temático do Programa de Apoio aos Núcleos deExcelência (PRONEX), com auxílio financeiro do CNPq, coordenado pelo Laboratório deImunofarmacologia do IOC/Fiocruz e participação da Universidade Federal do Amazonas (UFAM).Iniciou suas atividades de extensão universitária participando da implantação do projeto"Coopere - Ação de coleta seletiva de papel na UERJ", sob coordenação do Departamento deEngenharia Sanitária e Ambiental, Faculdade de Engenharia, em parceria com a Cooperativa deTrabalhadores da Mangueira. Atendendo a uma solicitação do Ministério da Agricultura, Pecuáriae Abastecimento (MAPA), coordenou a implantação de cursos técnicos e de especialização nosetor de plantas ornamentais e medicinais oferecidos pelo CIAPI (Campus Internacional deAprendizado Politécnico Integrado), Projeto Flora Management, ONG com financiamento dogoverno italiano, envolvendo alunos de graduação e de pós-graduação da UERJ.
  14. 14. Esta atividade levou à criação do projeto de extensão universitária “Capacitação no setor deprodução vegetal”, que recebeu apoio do MAPA e tem bolsa DEPEXT/UERJ. Permitiu ainda acriação do Projeto “Análise e conservação de sementes e mudas de espécies florestais”, aprovadono CETREINA com bolsa EIC, visando ao treinamento do aluno de graduação em CiênciasBiológicas nas metodologias de análise, produção e conservação de sementes e mudas de espéciesflorestais, em laboratórios do MAPA. A colaboração com a Superintendência Federal de Agriculturado Rio de Janeiro, Divisão Técnica do MAPA, resultou na inserção da UERJ na Comissão deSementes e Mudas do Estado do Rio de Janeiro, da qual a Profa. Norma Albarello é membro titular.Além da participação na implantação e coordenação do PGBV em estreita parceria com a Profa.Elisabeth Mansur (DBCel), atuou na chefia do DBV no período de 2006 a 2008 com o Prof. MarceloManzi Marinho (DBV), atual coordenador do PGBV. No seu período de chefia, conseguiu apoio daAdministração Central para fixar na UERJ o Herbarium Bradeanum (HB), um importante acervobotânico com grande inserção no cenário internacional da pesquisa taxonômica, que tem comoDiretor o Prof. Roberto Esteves, docente do DBV e do PGBV. Sua participação em projetos com ainstituição teve início em 1999, quando coordenou junto à Diretoria do HB, o projeto “Estudos davegetação de ambiente terrestre e costeiro em Ilha Grande, RJ”. Atualmente integra a Diretoria doHB como membro do Conselho Fiscal. Em 2008, buscou apoio junto à FAPERJ para as coleçõesbotânicas sob a responsabilidade do DBV (o Herbário da UERJ – HRJ e o HB) e para o HortoBotânico, coordenando o projeto “Conservação, recuperação e implantação de coleções botânicasna UERJ”, contemplado com Auxílio APQ4 - Apoio à Infra-estrutura de Acervos. O projeto derevitalização do Horto Botânico oriundo desta proposta recebeu recentemente recursos da FINEP noâmbito do Edital CT-INFra Proinfra 01/2009, sob Coordenação Geral da Subreitoria de Pós-graduação e Pesquisa/SR2. Esta proposta também integrou o projeto “Apoio à Implantação,Recuperação e Modernização da Infraestrutura para Pesquisa nas Universidades Estaduais do Riode Janeiro” aprovado na FAPERJ (Edital N.º 13/2009) que tinha entre seus objetivos a manutenção erecuperação de coleções botânicas e zoológicas, reunindo pesquisadores de diferentesdepartamentos e unidades.
  15. 15. Coordena desde 2007 o Projeto “Conservação da biodiversidade vegetal em bancos degermoplasma”, criado pela Profa. Cátia Callado, atual coordenadora científica do CEADS. Aproposta, contemplada com bolsa PROATEC, foi estruturada visando atender às coleçõesbotânicas sob a responsabilidade do DBV e também ao compromisso assumido pela UERJcom o governo do Estado, por meio da implantação do Parque Botânico da Ilha Grande. Aexperiência nesta atividade, subsidiou as ações voltadas para a atuação do DBV naelaboração do Plano de Manejo para o Parque Estadual da Ilha Grande, projeto decooperação científica Brasil-Alemanha, resultando no trabalho “Flora e Cobertura Vegetal”,capítulo do livro “O ambiente da Ilha Grande”, In: Bastos, M. & Callado, C. H. (Org.), 2009. Acolaboração em atividades coordenadas pelo CEADS foi ampliada por meio de suaparticipação em diversos projetos que receberam apoio financeiro visando à melhoria daestrutura de ensino e pesquisa deste importante Campus que atende aos quatro CentrosSetoriais da UERJ.Contato:Laboratório de Biotecnologia de Plantas – LabplanNúcleo de Biotecnologia Vegetal/IBRAGUniversidade do Estado do Rio de JaneiroR. São Francisco Xavier, 524. PHLC, sl. 509.CEP: 20.550-013. Maracanã, RJ – Brasil.Tel.: 21 2334-0273email: labplan_uerj@yahoo.com.br

×