GRACILIANO RAMOS
Memórias de Cárcere
Autor
• Graciliano Ramos foi um escritor brasileiro.
• Nasceu em Quebrângulo (AL), em 27 de outubro de 1892.
• Suas obras ...
Resumo
• Graciliano Ramos foi preso em março de 1936, acusado de ligação
com o Partido Comunista. Prisão sem processo, mas...
Trecho
• “O mundo se tornava fascista. Num mundo assim, que futuro nos
reservariam? Provavelmente não havia lugar para nós...
Graciliano ramos isa
Graciliano ramos isa
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Graciliano ramos isa

243 visualizações

Publicada em

Graciliano Ramos Língua Portuguesa

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
243
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
3
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Graciliano ramos isa

  1. 1. GRACILIANO RAMOS Memórias de Cárcere
  2. 2. Autor • Graciliano Ramos foi um escritor brasileiro. • Nasceu em Quebrângulo (AL), em 27 de outubro de 1892. • Suas obras além de tratarem de problemas sociais do Nordeste brasileiro, apresentam uma visão crítica das relações humanas, que as tornam de interesse universal. • Morreu no Rio de Janeiro, no dia 20 de março de 1953.
  3. 3. Resumo • Graciliano Ramos foi preso em março de 1936, acusado de ligação com o Partido Comunista. Prisão sem processo, mas que não evitou a deportação do acusado. Dessa experiência resultou a obra Memórias do Cárcere, publicada em 1953. • É uma análise da prepotência que marcou a ditadura Vargas e que, em última análise, marca qualquer ditadura. É um dos depoimentos mais tensos da literatura brasileira.
  4. 4. Trecho • “O mundo se tornava fascista. Num mundo assim, que futuro nos reservariam? Provavelmente não havia lugar para nós, éramos fantasmas, rolaríamos de cárcere em cárcere, findaríamos num campo de concentração. Nenhuma utilidade representávamos na ordem nova. Se nos largassem, vagaríamos tristes, inofensivos e desocupados, farrapos vivos, fantasmas prematuros; desejaríamos enlouquecer, recolhermo-nos ao hospício ou ter coragem de amarrar uma corda ao pescoço e dar o mergulho decisivo. Essas idéias, repetidas, vexavam-me; tanto me embrenhara nelas que me sentia inteiramente perdido.”

×