Cordel Peteca

15.638 visualizações

Publicada em

Cordel produzido pelos alunos da EMEIF Madre Tereza de Calcutá (Fortaleza/CE) em ocasião do PETECA (nov/2009).

Publicada em: Educação
1 comentário
3 gostaram
Estatísticas
Notas
Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
15.638
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
7
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
160
Comentários
1
Gostaram
3
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Cordel Peteca

  1. 1. Autores: Autores: Teresa, Andressa, Catarina, Gleiciane (sa tarde); Carlos,Renato, Ranieri(sa manhã,L,e,,gerardo Carvalho (prof. (f~." ••••• PRroRll) /0':._ . • E:.~~~ PrOKrama -de- Ed-lLIIcàção'contra â· Ex:plora<;5~ SIM 11MBALHO INFANTIL NÃO Literatura de Cordel Fortaleza (CE), 23/11/09.Capa:cartilha Prog. Peteca
  2. 2. PETECA SIM TRABALHO INFANTIL NÃO . Autores: Teresa, Andressa, Catarina, Gleiciane (sa tarde]; Carlas, Renato, Ranieri(Samanhã) e Gerardo Carvalho (proL Pardal) o trabalho não foi feito Pra criança e ado~escente Narrador A criança é pra estudar E brincar no meio. da gente. Está na Constituição Trabalhar é exploração É uma atitude imprudente! Vamos contar uma história Para gravar na cachola É a história de Manuzim Narrador E seu amigo da escola O nome dele é Zé'Duda Menino esperto que estuda E gosta de jogar bola 1
  3. 3. A"'professora da escola Narrador Já éstá se preocupando Com as faltas do Manuiim Às aulas de vez em quando. Com a ausência dele na sala Zé Duda abre a boca e fala: Manuzim tá trabalhando. o que é que vamos fazer Pra falar com Manuzim E dizer que trabalhar ProF Pra ele é muito ruim. Porque ele vai se cansar Não vai pra escola estudar E terá um triste fim! Zé Duda foi procurar O Manuzim sem amigo Narrador Pra ouvir as suas razões E alertá-Io do perigo Pois criança que trabalha Seu estudo se atrapalha E a ignorância é o castigo. 2
  4. 4. Narrador: Zé Duda diz: Manuzim Z. Duda - Por que você tem faltado? Narrador Manuzim triste responde: - Porque tenho trabalhado Manuzim Meu pai me manda vender Para um dinheiridho ter Ele está desempregado! Narrador Zé Duda então lhe responde: - Amigo vou te contar: Z. Duda Os meus pais do mesmo jeito Também estão sem trabalho Mas dizem sempre: meu filho Você terá o seu brilho Nunca deixe de estudar. Manuzim vamos embora Z. Duda Tedho muito o que fazer rnda vou à biblioteca Pesquisar pro meu dever. Vamos amigo Zé'Duda Manuzim • Você tem tempo e estuda Eu vou pra esquma vender. 3 . ______ .__ ._~_, __ ~ . 0.0._ . ---0 ._ • •. ~_
  5. 5. Pois se eu chego lá em casa Manuzim E uns trocados não levar Levo uma bronca danada E chego até a apanhar" E papai ainda obriga Ir à aula e sempre briga Se nota baixa tirar. Narrador Assim não dá diz Zé Duda Para o amigo Manuzim Manuzim Manuzim disse: meu pai É de saúde ruim. Mesmo assim ele não deve Z. Duda A fazer o que se atreve Que é tratar um filho assim. Nesta hora foi chegando Antonio o Procurador Narrador Do Trabalho e foi falando Do assunto que ele é doutor Todo mundo vai escutar O que ele,val falar Pra ficar conhecedor! 4 -- .-- ."- - - _.
  6. 6. Toda criança tem sonhos Que devem se realizar Procurador: E também tem o dever De ir pra escola estudar.- Pra cumprir esta função Só tem mesmo a educação Para o mundo melhorar. o Estatuto da Criança E do Adolescente diz: Procurador 14 a 16 anos Trabalha como aprendiz Menor que 14 anos Não pode ter esses planos Senão não será feliz! Todo trabalho infantil Não combina com saúde ~·fe"'·· Procurador A criança e o adolescente Não vão ter sua juventude. Só a escola e a educação '. É Que serãp. a solução .A. ~'~?"1-. _ .v ••••. • Para mudar de atitude. 6
  7. 7. Todo trabalho infantil Nós devemos combater Parra que nossos'direitos Procurador Possamos fazer valer. Pois em vez de trabalhar Nós temos é que ;estudar E também ter um lazer. Criança vai trabalhar Para ganhar o seU pão Procurador Mas isso só vai mudar Através da educação. Tirar o menino d~ rua Ela ainda continua Sendo a única solução. ! Pra terminar esta:histórÍa Digo aqui esta verdade Procurador Só podemos transformar Esta triste realidade. Cada faça sua parte Só assim é que se reparte A responsabilidade 7
  8. 8. Programa de Educação contra a Exploração do Trabalho da Criança e do Adolescente ~eali.zação: .SeCRET.A.R.lA. "lVItiNICfPAL DE EDUC::A.ÇÃO· SeCR.ET.A.Ft.IA. ExeCUTiv.A. REGION:A.L IV Parceria: .. .IIIPT -:1:01,..- • . ,-o - Mr.,t, •• .-f •• Publico do "" b•• ••••o<l'''.~ ••rl:o q ••. •.•• U.••• U•••••.•.••• Tro.t •••lt'oo _ .,..,.R•••t~ do f •• ·~·SECReTA.RI..A.. D.A. EOUC.A.çÃO " GOVERNO DO ESTADO DO CE.A..R..Á. Fim - nov./2009
  9. 9. Apoio: Centro Cultural dos Cordelistas do Nordeste - CECORDEL VISITE NOSSO SITE: www.cecordeI.cjb.net ! BANCA NACIONAL DO CORDEL . Largo dos Correios - Centro - Fortaleza(CE) o AUTORES: Teresa, Andr,essa, Catarina, Gleiciane (Si série tarde); Carlos, Renato, Ranieri (sa série manhã) -- Profl Mirian ~ Gerardo Cmyalho (prof. Pardal)) Poeta, cordelista,escritor, bacharel em jornalismo; Professor, radiali,sta Educador de trânsito; Vice-diretor da Escola Municipal Madre Tereza de •Calcutá -SER IV!Voluntário da Associação Missão Tremembé Autor de mais de 60 títulos de cordel, abord!qldo temas ligados ã natureza e defesa da vida. Galgou vários prêmios como cordelista e trovador. pardalcordel@yahoo.com.br ';~fj~~~~lltA~--~;,·i~~,~~l_·,~ ,

×