Empreendedorismo e inovação: Caso LabTools

658 visualizações

Publicada em

Apresentação da disciplina de Empreendedorismo e Inovação do Mestrado da FEA-RP/USP sobre o caso de empreendedorismo empresarial

Publicada em: Educação
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
658
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
9
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide
  • Falar da questão da profissão
  • Falar do paradoxo: Por quê ele não empreendeu logo de início? Falar q talvez seja reflexo do meio (economia) – Deixa par falar do Interacionismo Simbólico. Meio do indivídio pode ser chamado de variáveis exógenas
  • Empreendedorismo e inovação: Caso LabTools

    1. 1. Nelso EmpreendeThaís n e InovM. Flávio Gleiso n
    2. 2. PRODUÇÃO DEFUMO SOUZA CRUZAGENDAPerfil do EmpreendedorA LabtoolsEmpreendedorismoO produtoInfluência de geraçõesFracasso
    3. 3. João F. Borin
    4. 4. Perfil doEMPREENDEDOR MsC, PhD e Post-Doc - Quimico Calouro de Adm - FEARP/USP Pai empresário - Interesse por empresas 1º Produto (abortado): Dosímetro 2º Produto (atual) : Deionizador IONLESS (idéia de um amigo) Cenário político-econômico o levou para a Pós-Graduação (1994)
    5. 5. 2° Produto (atual)DEIONIZADOR IONLESSIdeal p/ substituir destiladores;Fixado na parede, não ocupa espaço nabancada;Menor custo de água produzida da categoria;Operação totalmente automatizada;Osmose reversa e eletrodeionização
    6. 6. LABTOOLSIncubada na SUPERA OBJETIVOS: Desenvolver, Fabricar e Comercializar purificadores de água de grande capacidade de produção diária para água tipo II Mercado: laboratórios, indústrias, universidades, farmácias etc. RH: 4 profissionais 4º ano de operação, 1º no azul
    7. 7. Determinantes doEMPREENDEDORISMONÍVEL DE EMPREENDEDORISMO : relação entreperspectiva do mercado e demandaDifíci comparar Ativ. Empreend.entre países – Não há defin.ÚnicaMOTIVOS:Psicológicos ÉtnicosSociais PolíticosEconômicos DemográficosAmbientais
    8. 8. Determinantes doEMPREENDEDORISMOPOTENCIAL ESTIMULADO - economias com crescimentomoderado aliada à alto nível de desempregoPREJUDICA: economias de escopo e escalaESTIMULA: graus de incerteza do mercado(políticas públicas)
    9. 9. Influência dosPAISMenaghan e Parcel (1995)Relação entre experiência de trabalho dos pais e comportamento das criançasDyer (1992); Fairlieand Robb (2005)Empresários com Mãe e/ou Pai autônomo Família: Loja de produtos alimentícios Figura do Pai: admirado como empreendedor
    10. 10. Influência entreGERAÇÕESMead (1934) - Interacionismo SimbólicoPessoas agem em relação às coisas baseando-se no significado que estastenham para elas. Significados - resultam da interação social (família, amigos etc.) e são modificados pela interpretação da pessoa Borin Vida Acadêmica X Empreender
    11. 11. Escolha daCARREIRADick & Rallis (1991) – Teoria da Escolha ProfissionalInfluencia das expectativas dos socializadores e interpretação exp. passadas Família: Pai empreendedor (Comércio)Dyer (1992) Apoio de pessoas importantes influencia a intenção empresarial Amigos: Muitos não acreditavam / apoiavam de verdadeAjzens (2002) – Intenção Empreendedora influenciada por apoio familiar Apoio da esposa
    12. 12. OTIMISMO x INSUCESSOHayward et al. (2006) - Otimismo em excesso Explorar uma oportunidade / Criação de empresas propícias ao insucesso Excesso de otimismo pode levar o empreendedor a tomar decisões de maneira heurística (Eeconomia de tempo p/ tomar decisões) Fraser e Greene (2006) Empresários inicialmente muito otimistas e possíveis contribuições p/ fechamento do negócio
    13. 13. OTIMISMO x INSUCESSOGimeno et al. (1997 ) - Sobrevivencia de um negócio Quando passa por um insucesso a sobrevivência é moldada pelo limiarde desempenho pessoal do próprio dono (quanto o empresário acreditano seu negócio “otimismo”) Empresários aprendem com o fracasso (existem exceções) DESISTIR? Borin CONTINUAR?
    14. 14. Aprendendo com oFRACASSOSitkin (1992) Falhar pode facilitar a aprendizagem incentivando o indivíduo a realizar uma post-mortem para entender o que levou ao fracasso Falhar pode encorajar empresários a serem mais realistas sobre as suas próprias competências e expectativas em relação ao empreendimentoShepherd (2003) Experiência de fracasso pode ser um evento muito traumático para o empreendedor, gerando emoções negativas e interferência na aprendizagem
    15. 15. Aprendendo com o Custos doFRACASSO FRACASSO 6 esferas de significativa influência Financeira (perda de capital) Emocional (comprometimento / stress) Psicológica (pressão – investidores, família, funcionários etc.) Social (relacionamentos, estigma de “fracassado”) Profissional (aceitação do mercado em período pós-fracasso) Empreendedora (propensão ao risco pós- fracasso)
    16. 16. RECUPERAÇÃOProcesso gradual de “cura” - cada um tem seu tempo...Recuperação - 3 componentes interligados deaprendizagem Hiato inicial - Empreendedor psicologicamente remove a si mesmo com o fracasso, a fim de curar; Reflexão crítica- Empreendedor se envolve em uma tentativa determinada e consciente fazer sentido do fracasso Ação reflexiva - Empreendedor tenta seguir em frente com o fracasso e buscar outras oportunidades.
    17. 17. RESSURGIMENTOVocê mesmo (habilidades, atitudes, crenças)O empreendimento (forças, fraquezas, razões p/ o fracasso)Redes / relações (natureza e gestão dosrelacionamentos)Gestão do negócio (gerência e controle)
    18. 18. VISÕES DIFERENTES EUA UK: Fracasso faz Visão de que há parte do um estigma ligado sucesso ao fracasso Empreendedores que passaram por um fracasso são mais preparados para os desafios da “vida empreendedora” do que aqueles que só passaram por sucessos ou que ainda não experimentaram as realidades “intensas” do processo empreendedor
    19. 19. Sempre meinteressei pela áreade negóciosFicava louco paraver comofuncionava empresa uma João Francisco Borin
    20. 20. REFERÊNCIASCope, J., Entrepreneurial learning from failure: An interpretativephenomenological analysis, J. Bus. Venturing (2010)Grilo, I.; Thurik, R. Determinants of entrepreneurship in Europe. DiscussionPapers on Entrepreneurship, Growth and Public Policy. July 2004.Carr, J. C.; Sequeira, J. M. Prior family business exposure asintergenerational influence and entrepreneurial intent: A Theory of PlannedBehavior approach. Journal of Business Research. Dec 2006, p.1090–1098.Ucbasaran D., Westhead P., Wright M., Flores M.; The nature ofentrepreneurial experience, business failure andcomparative optimism.Journal of Business Venturing. v. 25 (2010) p. 541–555Vale, V. G.; Wilkinson, J.; Amâncio , R. Empreendedorismo, inovação e
    21. 21. Obrigado!Gleison Lopes Fonseca gleisonlf@gmail.comThaís Mitleton thaismitleton@yahoo.com.brFlávio Augusto José flavioaugustojose@gmail.comNelson Stefanelli nelsonstefanelli@gmail.com

    ×