Geografia: da antiguidade aos dias atuais
Quanto ao objeto da geografia não há um consenso para defini-lo, já que vários
a...
é explicitamente metodológico este define o conceito de “sistema natural”ou área
dotada de individualidade,sua Geografia é...
Blachee Ratzel.Alfred Hettner buscou outro caminho para suas formulações que não
fosse nem Determinismo nem Possibilismo.V...
Este texto tem como objetivo apresentar as características mais marcante do
livro (Geografia a Pequena História Crítica) d...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Resenha de georgragia em andamento

531 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
531
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
13
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Resenha de georgragia em andamento

  1. 1. Geografia: da antiguidade aos dias atuais Quanto ao objeto da geografia não há um consenso para defini-lo, já que vários autores tem uma teoria diferente quanto a isso. Dizem ser a superfície terrestre o objeto principal. Há autores ainda que julgam ser a paisagem.Outra proposta apresenta a individualidade dos lugares. Estas propostas tem raízes nas perspectivas de autores da antiguidade Clássica como Heródoto eEstrabão.Numa outra definição apresenta como estudo da diferenciação de áreas. A autores que definem a geografia como estudo do espaço, ainda outros a apresentam como o estudo da interação entre o homem o meio a sociedade e a natureza. Depois da variedade de definições a respeito do objeto da geografia o que elas tem em comum é o fundamento positivista da Geografia Tradicional,que vivencia o empirismo e naturalismo. Outra característica positivistaé a não aceitação das diferenças de domínios entre as ciências humanas e asnaturais.J. Brunhes afirma que a casa tem maior importância que o morador e C. Vallaux concebe o homem como um agente transformador do relevo.Como podemos ver na afirmação Humboldt que” os homens se relacionam com os fenômenos celeste através da luz e da gravitação”. Ele põe a geografia desvinculadas das exigências do próprio positivismo que buscava a definição real do objeto de estudo.Com isso os trabalhos de pesquisa acabaram por constitui um temário geral. Expressando uma diversidade metodológica conflitante. O rótulo geografia se origina na antiguidade clássica, no pensamento grego Tales e Anaximandro, apontamalgumas perspectiva de geografia tais como a medição do espaço e forma da terra. Heródoto se interessava pela descrição dos lugares. Hipócrates observava a relação entre o homem e o meio. Não havia uma unidade de conteúdos e isso se manteve atéfinal do século XVIII, a apesar de já existirem obras sugestiva como a "síntese geográfica" de Claudio Ptolomeu e também Bernardo Varenius com sua "geografia generalis", mas só no final do século XVIII já se pode fala em conhecimento geográfico padronizado, temoscatálogos sistemáticos sobre os continentesetc. A isso Nélson Wenerk Sodré chama pré-história da geografia. Mas a sistematização do conhecimento geográfico ocorre no inicio do século XIX. E mais, outra fonte da sistematização,o Iluminismo. Rousseau,Montesquieu,Adam Smith e Malthus abordaram temas importantes, mascom a teoria do evolucionismo de Darwin e Lamarck a Geografia se fortalece.Écom Humboldt e Rítter que nasce verdadeiramente a Geografia na Alemanha. Ainda no século XIXe a Alemanha não aderiu ao capitalismo. Por sua especifidadea alemanha apresenta uma relevância especial à Geografia.Alemanha começa um movimento de unificação e abre temas importantes com relação a organização do espaço, e assim alimentará a sistematização geográfica ,surgindo assim a Geografia a partir das colocações de Alexander Von Humboldt e Karl Ritter.Humboldt entendia a Geografia como a parte terrestre a ciência do cosmos , abrindo espaço para a contemplação da universalização das coisas e sua interconexão, o seu método propõe um “empirísmo raciocinado”, intuição a partir da observação .Ritter
  2. 2. é explicitamente metodológico este define o conceito de “sistema natural”ou área dotada de individualidade,sua Geografia é um estudo dos lugares e a individualidade destes , seu método consiste em ir de observação em observação.E é destas propostas que se baseia toda Geografia Tradicional, com Ritter na regionalidade e Humboldt na globalidade e tudo nasceu na Alemanha. Friedrich Ratzel revigora a sistemática geográfica,e suas formulações se tornam instrumento de expansionismo do Estado alemão.Pois se adequavam ao ideal prussiano que defendia a conquista de novos territórios,levando-os a pensar o espaço e a fazer Geografia.Ele defende o objeto geográfico como o estudo da influência da natureza sobre o homem,a relação do homem com a natureza, o estado e o espaço, justifica a conquista para suprir a necessidade de espaço, com isso o conceito de “espaço vital” defende o expansionismo como algo inevitável, sua Geografia contempla o elemento humano, mas manteve a visão naturalista vendo o homem como um animal.Seus mais destacados representantes foram:E. Semple e E. Huntington, a primeira relaciona a religião com o relevo, o segundo dizia que condições hortís favoreciam desenvolvimento.A importância daspropostas de Ratzel é expor ao debate os temas políticos e econômicos e pondo o homem no centro das análises. Vidal de La Blache se opõe à Geografia de Ratzel e formula suas teorias de acordo com ideais franceses, foi apoiada pelo Estado para deslegitimar a reflexão geográfica alemã que defendia a ação imperialista.Vidal tinha uma proposta mais liberal,não aceitava a mistura de interesses políticos com pensamento geográfico e a “necessária neutralidade do discurso científico”ele defendeu o homem como elemento ativo no ambiente e o que importava era a ação do homem sobre a paisagem,reprovando a ideia fatalista e mecanicista de Ratzel.La Blache é relativista e defende a contigenciação,surgindo uma nova visão geográfica, assim defende a Geografia como a relação homem-natureza,ele propôs uma relação de equilíbrio,a população e os recursos.Mas nas políticas colonialistas francesas que buscava a incorporação de novosterritório, vemos as ideias de La Blache como um prosseguimento das de Ratzel aqueleera relativista, possibilistae este determinista. As teorias de Vidal foram aceitas e gerou muitos discípulos com sua doutrina possibilista,assim se formou uma ampla rede de pesquisa por meio de suas formulações,e daí surgiram novos ramos da Geografia como:E.DemartonneGeografia Física, J. Brunhes Geografia Humana,e de outros autores,Geografia Agrária,Geografia Urbana,Geografia Econômica etc.de sua ideia de região saiu a Geografia Regional que propiciou a geração de um grande acervo de conhecimento global em suas mais variadas características já que privilegiavam os estudos locais, desse modo o desdobramento das propostas de La Blache foram muitos e variados. A Geografia racionalista(menos empirista) estar intimamente relacionada a A. Hettner e R. Hartshorne que privilegiou o raciocínio dedutivo e teve suas bases no neokantismo de Rickert e Windelband.Contrário ao positivismo comtiano de La
  3. 3. Blachee Ratzel.Alfred Hettner buscou outro caminho para suas formulações que não fosse nem Determinismo nem Possibilismo.Vai propor a análise pela “diferenciação de áreas”mas são pouco aceitas em sua época.Hartshorne defendia que o estudo geográfico não isolaria os elementos,e sim trataria suas inter-relações,ele não buscava um objeto de geografia concebendo-a como um “ponto de vista”,seus conceitos básicos foram :”área” e “integração”,defendeu que os fenômenos variam de lugar a lugar e que podem ocorrer fora ou dentro da área e que a análise deveria agrupar o maior número possível desses fenômenos a isso chamou de Geografia Idiográfica e a Geografia Nomotética com sua proposta generalizadora ainda que sendo parcial. O movimento de renovação da Geografia advém do rompimento da maior parte dos geógrafos com a Geografia Tradicional,instalando uma crise que começa lá pela década de cinquenta. A partir daí os geógrafos vão buscar novos métodos de pesquisas,dando vazão a um pensamento crítico,já que as condições econômicas e sociais mudaram muito,entrando na fase do monopólio,globalização,liberalismo,modificação da paisagem urbana,mecanização agrícola etc. Além de que próprio fundamentofilosófico da Geografia Tradicional havia ruído. A nova Geografia caminha pelos mais variados caminhos nem sempre homogêneos.Este movimento não possui uma unidade ébastante diversificado,sendo possível agrupá-las em:Geografia Pragmática e Geofrafia Crítica.que se definem pelo posicionamento social e /ou político de seus autores. A Geografia Pragmática não rompe com a estrutura tradicional,mas busca novas técnicas de metodologia que atendaaos novos desafios imposto à disciplina,muda sua forma mas não muda seu conteúdo é ela uma Geografia Tradicional renovada.E nessa atualização sai do positivismo, para neopositivismo ,passa de um empirismo de observação direta por um mais abstrato,com o uso da tecnologia cibernética, uso do computador.Numa tentativa de objetivação surge a Geografia Quantitativa(teórica) defendida por G. Dematteis,Geografia Sistêmica nas colocações de Brian Berri.Na Geografia Pragmática é comum termos como:teorias,formulas,técnicas, diagnósticosetc.Com isso, mais abstrato mais teórico. A Geografia Crítica tem seus fundamentos na Geografia Regional francesa ,surge como outra frente renovadora,com uma atitude crítica radical,estes defendem uma profunda transformação da realidade social,criticam até a estrutura acadêmica.Entre os mais radicais estar Yves Lacoste que percebe a Geografia em dois planos:a “Geografia dos Estados Maiores”e a “Geografia dos Professores”todas a serviço das classes dominantes e ao Estado.A Geografia Crítica assume um propósitopolítico claro,ela é pensada na teoria e na prática.Ela se torna uma Geografia de denúncia.Um grande destaque dentro desse movimento é,Pierre George.A Geografia Crítica trilha numerosos caminhos e todos importantes.Milton Santos apresenta propostas importantes na discursão do espaço social. Estabelece termos como,”rugosidades”,”inércia dinâmica” seu enfoque geral é as desigualdades.A Geografia Crítica tem como único traço em comum é o discurso crítico,em que buscam uma Geografia mais generosa e um espaço mais justo.
  4. 4. Este texto tem como objetivo apresentar as características mais marcante do livro (Geografia a Pequena História Crítica) de Antônio Carlos Robert Moraes, por ser uma obra de fácil leitura e compreensão, consegue proporcionar uma visão panorâmica de todos os postulados que fundamentaram as mais variadas frentes de atuação da geografia. E nisto ela é útil não só a docentes ou discentes mas àqueles que realmente desejam um claro e conciso aprofundamento nesta ciência. Por isso érecomendado como material básico de leitura teórica, afim de proporcionar um enriquecimento cultural e levar outros leitores a usufruir de um excelente livro didático rico em detalhes e informações. Mesmo que contenha algumas falhas, como insuficiência de descrição de alguns termos, o que é inevitável para uma ciência tão vasta como a Geografia. Enfim essa obra é um ótimo material introdutório no campo dessa disciplina, que com certeza fará com que se tenha uma rápida e firme base de conhecimento geral da Geografia.

×