SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 24
O conceito de Região na ciência geográfica
Joel Pereira Silva Neto
Yuri Anderson Rodrigues Da Silva
Mateus Roberto Silva Rego
Erick Chaves Pinheiro
CORRÊA, Roberto Lobato. Região e Organização do Espaço. Editora Ática, São
Paulo, 1987 – Série Princípio.
GOMES, Paulo C. da C. O conceito de região e sua discussão. In: CASTRO, Iná E.;
GOMES, Paulo C.; CORRÊA, Roberto L. Geografia: conceitos e temas. Rio de
Janeiro, Bertrand Brasil, 1995, p. 49-76.
Região – um conceito mais que geográfico
O conceito de Região não é exclusividade da Geografia;
Esse conceito tem implicação fundadora no campo da
discussão política, da dinâmica do Estado, da organização da
cultura e do estatuto da diversidade espacial; Também está
relacionado as projeções no espaço das noções de autonomia,
soberania, direito e de suas representações;
A geografia é um campo privilegiado da discussão da região,
sendo a mesma um dos seus conceitos-chave;
A palavra região deriva do latim Regere trazendo a noção de
administração ou regência diretamente ligada a centralização
do poder em um local e a extensão dele sobre uma área
A região geográfica abordada pelo paradigma possibilista é
elaborada na França no final do século XIX, por La blache.
Posteriormente se expande para a Alemanha e para os Estados
unidos no século XX. A preocupação do geografo esta em
evidenciar as individualidades e singularidades oriundas da
combinação entre elementos humanos e naturais ou seja a região
geográfica. Foi construída sobre as bases teóricas do empirismo
Apoiando-se, por um lado, nos resultados obtidos pelos geólogos e, por outro, em
sua formação essencialmente de historiador, Vidal concebe o espaço dos países
como sendo a combinação da história do solo e a história dos homens.
Partindo de quadros naturais – geologia, geomorfologia, vegetação relevo, clima,
hidrografia –, ele mostra como a geologia e o clima oferecem uma série de
possibilidades, cujo emprego depende dos homens, e que é o grupo humano que,
ao fazer uso da natureza, diferencia uma região “transformando a sua extensão
numa medalha cunhada como a esfinge de um povo” (VIDAL DE LA BLACHE,
1979, p.8). Para Vidal, cabe ao geógrafo explicar e compreender a lógica interna de
cada fragmento da superfície terrestre revelando sua individualidade, cuja réplica
exata não se encontra em nenhuma outra parte. É atribuição do geógrafo estudar a
organização de cada espaço diferenciado e individualizado.
Desde 1889, Vidal propõe uma primeira concepção das “divisões
fundamentais do solo francês”. Quinze anos de reflexão sobre o tema o
levam à elaboração de seu mais famoso livro Tableau de la géographie de
la France (Quadro da Geografia da França), em 1903, no qual ele apresenta
um espaço hierarquizado em graus diferenciados. No entanto, o ponto de
partida permanece sendo a “região natural”, apoiada na geologia, no
relevo ou no clima – Bassin parisien, Massif Central, Midi océanique.
Essas regiões se diversificam em unidades mais reduzidas e são
compreendidas segundo aspectos históricos, em função de elementos
políticos e de desenvolvimento econômico – as rotas – ou em função de
elementos oriundos do raio de influência de uma cidade.
Gomes (1995) conseguiu distinguir pelo menos três grandes domínios
nos quais a noção de região está presente:
1- No senso comum, o conceito de região está relacionado a dois
princípios: localização e extensão de um certo fenômeno -
referência a limites espaciais;
Emprega-se assim termos como região mais pobre; área montanhosa
e etc. como referência a uma espacialidade de domínio de
determinada característica que a distingue de outras;
2. A região tem também um sentido bastante conhecido
enquanto unidade administrativa - divisão regional como
hierarquia e o controle do Estado;
• Essa malha administrativa define competências e os limites
das autonomias dos poderes locais na gestão do território dos
Estados modernos;
• É preciso destacar que empresas e instituições utilizam os
recortes regionais para delimitação de circunscrições
hierárquicas administrativas, Ex. NRE; Jogos Escolares e etc.
3. Por fim a região está no domínio das “ciências em geral” nas
quais o seu emprego associa-se também a ideia de localização
de determinados fenômenos ou de um certo domínio;
• Ex. domínio de uma dada espécie; de um afloramento; de uma
dada propriedade da matemática; de um tipo climático;
• É possível perceber o seu emprego próximo de sua etimologia,
ou seja, área sob um certo domínio ou área definida por uma
regularidade de propriedades que a definem;
• O conceito de região está ligado à noção fundamental de
diferenciação de área;
• Na geografia, o uso da região é um pouco mais complexo, dada
as indefinições e a força de uso na linguagem comum;
• Umas das alternativas foi a adjetivação da noção de região
para diferencia-la do seu uso no senso comum;
• Há vários conceitos de região, e cada um tem um significado
próprio e se insere dentro de um dos paradigmas da
Geografia;
Região e Geografia Crítica
• Tem-se uma diferenciação causada por um desenvolvimento
distinto das sociedades: o aparecimento da divisão social do
trabalho, da propriedade da terra, dos meios e das técnicas
de produção, das classes sociais e suas lutas;
• Tudo isto se deu com enorme distância em termos espaço-
temporais, levando a uma diferenciação inter e intra grupos;
• Considera região sob uma
articulação dos modos de
produção;
• A região é uma dimensão
espacial das especificidades
sociais, em uma totalidade
espaço social;
• Região pode ser vista
como resultado do
desenvolvimento
desigual e combinado,
caracterizado pela sua
inserção na DIT e pela
associação da relação
de produção distintas;
• Calcado no materialismo e na dialética marxista, a região é
vista como “relações dialéticas entre formas espaciais e os
processos históricos que modelam os grupos sociais”, (Corrêa,
1995);
• Nessa concepção, o conceito de região é articulado à luz dos
modos de produção, através das conexões entre classes
sociais e acumulação capitalista, por meio das relações entre
Estado e a sociedade local;
• Região é considerada uma entidade concreta, resultado da
efetivação dos mecanismos de regionalização sobre um
quadro territorial já previamente ocupado;
• É a realização de um processo universal, em um quadro
territorial menor, onde combinam o modo dominante de
produção, o capitalismo, elemento uniformizador, e o
particular, as determinações já efetivadas, elemento de
diferenciação;
• A região é uma
dimensão espacial
das
especificidades
sociais em uma
totalidade
espaço-social;
• Diante desta “novidade”, muitos afirmaram que os novos
tempos anunciavam o fim das regiões pela homogeneização do
espaço - uniformização das relações sociais;
• Por outro lado, os movimentos regionais em geral, vistos como
movimentos de resistência à esta homogeneização, contam
com a simpatia e a adesão imediata de muitas pessoas.
• Este discurso permite várias análises: regionalismo =
preservação da elite local; globalização = manutenção das
diferenças sociais, pois não conseguiu suprimir a diversidade
espacial; e a criação de novas regiões (CEE, Nafta etc).
• Temário atual, Globalização - expressa
a ideia de uma economia unificada e
hegemônica, de uma sociedade que só
pode ser compreendida como um
processo de reprodução social global.
Aplicação do conceito de Região
• O estabelecimento de regiões
passa a ser uma técnica da
Geografia, um meio para
demonstração de uma hipótese e
não mais um produto final de
pesquisa;
• Regionalizar passa a ser a tarefa de dividir o espaço segundo
diferentes critérios que são devidamente explicitados e que
variam segundo as intenções explicativas de cada trabalho;
• As divisões não são definitivas, nem pretendem inscrever a
totalidade da diversidade espacial, elas devem simplesmente
contribuir para um certo entendimento de um problema;
• A variabilidade das divisões possíveis é quase infinita, pois
são muitas as possibilidades que trazem novas explicações;
• O conceito de região tem sido largamente empregado para
fins de ação e controle;
• A medida que a história do homem acontece, marcada pela
dinâmica da sociedade de classes e de suas lutas, o processo
de regionalização torna-se mais complexo;
• No modo de produção capitalista o processo de
regionalização se acentua – simultaneidade dos processos de
diferenciação e integração;
• A Região crítica não tem nada
de harmoniosa como a vidalina,
não é única mas particular, ou
seja, é a especificação de uma
totalidade da qual faz parte
através de uma articulação que
é ao mesmo tempo funcional e
espacial;
• No capitalismo, as regiões de planejamento são unidades
territoriais através das quais um discurso da recuperação e
desenvolvimento é aplicado;
• Trata-se na verdade do emprego, em um dado território, de
uma ideologia que tenta restabelecer o equilíbrio rompido
com o processo de desenvolvimento;
• Este discurso esquece, que no capitalismo as desigualdades
regionais constituem, mais do que em outros modos de
produção, um elemento fundamental de organização social;
 Há também o emprego de processos de recuperação, de
maneira que a região sob intervenção planejadora passar a
ficar sob maior controle do capital; Diante da diversidade
global-fragmentadora do mundo contemporâneo pode-se
sugerir que a regionalização, deve utilizar diferentes
critérios, ou critérios mais flexíveis, “adaptáveis” aos
distintos espaços objetos de nosso estudo;
 A utilização de um determinado critério de “coesão”, para
regionalizar deve ser aplicado através de escalas
diferentes – o que não implicaria, obrigatoriamente, o
“fechamento”, ou melhor, a contiguidade das regiões.
III) foi na Geografia que
as discussões atingiram
maior importância, já que
região é um conceito-
chave desta ciência.
Com relação a região Gomes (1995) chega a três grandes
conclusões:
I) permitiu o surgimento das discussões políticas sobre a
dinâmica do Estado, a organização da cultura e o estatuto da
diversidade espacial;
II) permitiu a incorporação da dimensão espacial nas
discussões relativas à política, cultura e economia, e no que
se refere às noções de autonomia, soberania, direitos, etc; e
A internacionalização do capital, em seu novo período técnico-
científico, mostrou a debilidade do antigo conceito de região. A aceleração
da acumulação de capital tornou mais seletivas suas ações no espaço. O
edifício regional estável e coeso dá lugar à instabilidade e às frequentes
mudanças em sua forma e seu conteúdo. As relações internas estão mais
condicionadas pelas demandas externas, o que não elimina a região, mas
gera mudanças em seu conteúdo. “Mas o que faz a região não é a
longevidade do edifício, mas a coerência funcional, que a distingue das
outras entidades, vizinhas ou não. O fato de ter vida curta não muda a
definição do recorte territorial” (SANTOS, 1997:197).
Graças ao domínio da fluidez e da velocidade de circulação das
mercadorias e das informações – características do mundo globalizado –,
alguns declamaram o fim das especificidades regionais, irrelevantes diante
da homogeneidade imposta globalmente.
No entanto, Milton Santos relembra que, ao contrário do que parece, a
região se torna ainda mais importante no mundo contemporâneo. Na
realidade, o que se passa é o contrário da homogeneização. A velocidade
dos fluxos e a instantaneidade dos eventos reforçam a conformação da
região, fazem com que os espaços se tornem especializados, normatizados
a partir das necessidades globais da produção, da circulação, da
distribuição e do consumo.
As regiões deixam de ser sede de seu próprio poder, de sua própria
gestão. Fruto de uma solidariedade orgânica, elas passam a se constituir
por meio de uma solidariedade organizacional. No antigo conceito de
região, a base era a solidariedade orgânica entre seus habitantes, que
estabeleciam uma relação longeva com seu lugar e se organizavam
segundo as necessidades da própria região. Atualmente, ela é definida pela
solidariedade que se constitui dentro dela, mas a partir de uma
organização
que vem de fora. A solidariedade, então, deixa de ser orgânica – originária
da própria vida da região e das variáveis constitutivas dela – e se
transforma em solidariedade organizacional (SANTOS, 2003).
Região: um conceito geografico

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

01 geopolítica
01 geopolítica01 geopolítica
01 geopolítica
edsonluz
 
A regionalização e as divisões regionais no brasil
A regionalização e as divisões regionais no brasilA regionalização e as divisões regionais no brasil
A regionalização e as divisões regionais no brasil
Professor
 
Regionalização do espaço mundial
Regionalização do espaço mundialRegionalização do espaço mundial
Regionalização do espaço mundial
LUIS ABREU
 
Aula 1 - geografia 1
Aula 1 - geografia 1Aula 1 - geografia 1
Aula 1 - geografia 1
Palloma Luana
 

Mais procurados (20)

Território e Poder
Território e PoderTerritório e Poder
Território e Poder
 
O lugar e a paisagem 6º ano 2015
O lugar e a paisagem 6º ano 2015O lugar e a paisagem 6º ano 2015
O lugar e a paisagem 6º ano 2015
 
Categorias de análise da geografia
Categorias de análise da geografiaCategorias de análise da geografia
Categorias de análise da geografia
 
Fuso Horário
Fuso HorárioFuso Horário
Fuso Horário
 
Orientação no Espaço Geografico
Orientação no Espaço GeograficoOrientação no Espaço Geografico
Orientação no Espaço Geografico
 
Evolução do pensamento geográfico
Evolução do pensamento geográficoEvolução do pensamento geográfico
Evolução do pensamento geográfico
 
01 geopolítica
01 geopolítica01 geopolítica
01 geopolítica
 
A regionalização e as divisões regionais no brasil
A regionalização e as divisões regionais no brasilA regionalização e as divisões regionais no brasil
A regionalização e as divisões regionais no brasil
 
Coordenadas Geograficas
Coordenadas GeograficasCoordenadas Geograficas
Coordenadas Geograficas
 
Região
RegiãoRegião
Região
 
O conceito de região e sua discussão na Geografia
O conceito de região e sua discussão na GeografiaO conceito de região e sua discussão na Geografia
O conceito de região e sua discussão na Geografia
 
Introdução A Geografia
Introdução A GeografiaIntrodução A Geografia
Introdução A Geografia
 
Espaço geográfico
Espaço geográficoEspaço geográfico
Espaço geográfico
 
Conceitos geograficos
Conceitos geograficosConceitos geograficos
Conceitos geograficos
 
Tipos de mapas
Tipos de mapasTipos de mapas
Tipos de mapas
 
Fundamentos da geografia (conceitos básicos)
Fundamentos da geografia (conceitos básicos)Fundamentos da geografia (conceitos básicos)
Fundamentos da geografia (conceitos básicos)
 
Regionalização do espaço mundial
Regionalização do espaço mundialRegionalização do espaço mundial
Regionalização do espaço mundial
 
Aula 1 - geografia 1
Aula 1 - geografia 1Aula 1 - geografia 1
Aula 1 - geografia 1
 
geografia-3-ano-medio.docx
geografia-3-ano-medio.docxgeografia-3-ano-medio.docx
geografia-3-ano-medio.docx
 
Cartografia
CartografiaCartografia
Cartografia
 

Semelhante a Região: um conceito geografico

Organização e produção do espaço brasileiro
Organização e produção do espaço brasileiroOrganização e produção do espaço brasileiro
Organização e produção do espaço brasileiro
Girleno Oliveira
 
Metodologia da Geografia: Espaço
Metodologia da Geografia: EspaçoMetodologia da Geografia: Espaço
Metodologia da Geografia: Espaço
Phelipe Gonçalves
 
Planejamento prof. roberto
Planejamento prof. robertoPlanejamento prof. roberto
Planejamento prof. roberto
robertobraz
 
662965 textos de apoio td 1
662965 textos de apoio td 1662965 textos de apoio td 1
662965 textos de apoio td 1
cic
 
Corrêa, roberto lobato regi o e organizaç-o espacial
Corrêa, roberto lobato   regi o e organizaç-o espacialCorrêa, roberto lobato   regi o e organizaç-o espacial
Corrêa, roberto lobato regi o e organizaç-o espacial
pedro vergasta
 
Os geografos no ordenamento e gestão do territprio dominios de intervencao
Os geografos no ordenamento e gestão do territprio dominios de intervencaoOs geografos no ordenamento e gestão do territprio dominios de intervencao
Os geografos no ordenamento e gestão do territprio dominios de intervencao
Paulo Orlando
 

Semelhante a Região: um conceito geografico (20)

Organização e produção do espaço brasileiro
Organização e produção do espaço brasileiroOrganização e produção do espaço brasileiro
Organização e produção do espaço brasileiro
 
fichamento antonia ieda regionalização.docx
fichamento antonia ieda regionalização.docxfichamento antonia ieda regionalização.docx
fichamento antonia ieda regionalização.docx
 
RESENHA Região e organização espacial
RESENHA Região e organização espacialRESENHA Região e organização espacial
RESENHA Região e organização espacial
 
Tres brasis lobato_correa
Tres brasis lobato_correaTres brasis lobato_correa
Tres brasis lobato_correa
 
Metodologia da Geografia: Espaço
Metodologia da Geografia: EspaçoMetodologia da Geografia: Espaço
Metodologia da Geografia: Espaço
 
Geografia para o ensino fundamental partir dos PCN
Geografia para o ensino fundamental partir dos PCNGeografia para o ensino fundamental partir dos PCN
Geografia para o ensino fundamental partir dos PCN
 
conceito de territorio.pdf
conceito de territorio.pdfconceito de territorio.pdf
conceito de territorio.pdf
 
A Geografia e os seus conceitos chaves
A Geografia e os seus conceitos chavesA Geografia e os seus conceitos chaves
A Geografia e os seus conceitos chaves
 
Sistematização e Correntes Geográficas
Sistematização e Correntes GeográficasSistematização e Correntes Geográficas
Sistematização e Correntes Geográficas
 
Aula i
Aula iAula i
Aula i
 
Paisagem.pptx
Paisagem.pptxPaisagem.pptx
Paisagem.pptx
 
Planejamento prof. roberto
Planejamento prof. robertoPlanejamento prof. roberto
Planejamento prof. roberto
 
662965 textos de apoio td 1
662965 textos de apoio td 1662965 textos de apoio td 1
662965 textos de apoio td 1
 
2007 pires territorio_e_desenvolvimento-interacoes_2
2007 pires territorio_e_desenvolvimento-interacoes_22007 pires territorio_e_desenvolvimento-interacoes_2
2007 pires territorio_e_desenvolvimento-interacoes_2
 
Corrêa, roberto lobato regi o e organizaç-o espacial
Corrêa, roberto lobato   regi o e organizaç-o espacialCorrêa, roberto lobato   regi o e organizaç-o espacial
Corrêa, roberto lobato regi o e organizaç-o espacial
 
ATIVIDADE 1º ANO ENSINO MEDIO.docx
ATIVIDADE 1º ANO ENSINO MEDIO.docxATIVIDADE 1º ANO ENSINO MEDIO.docx
ATIVIDADE 1º ANO ENSINO MEDIO.docx
 
Fundamentos metodologicos ensino_historia
Fundamentos metodologicos ensino_historiaFundamentos metodologicos ensino_historia
Fundamentos metodologicos ensino_historia
 
Regiao
RegiaoRegiao
Regiao
 
Paisagem
PaisagemPaisagem
Paisagem
 
Os geografos no ordenamento e gestão do territprio dominios de intervencao
Os geografos no ordenamento e gestão do territprio dominios de intervencaoOs geografos no ordenamento e gestão do territprio dominios de intervencao
Os geografos no ordenamento e gestão do territprio dominios de intervencao
 

Região: um conceito geografico

  • 1. O conceito de Região na ciência geográfica Joel Pereira Silva Neto Yuri Anderson Rodrigues Da Silva Mateus Roberto Silva Rego Erick Chaves Pinheiro CORRÊA, Roberto Lobato. Região e Organização do Espaço. Editora Ática, São Paulo, 1987 – Série Princípio. GOMES, Paulo C. da C. O conceito de região e sua discussão. In: CASTRO, Iná E.; GOMES, Paulo C.; CORRÊA, Roberto L. Geografia: conceitos e temas. Rio de Janeiro, Bertrand Brasil, 1995, p. 49-76.
  • 2. Região – um conceito mais que geográfico O conceito de Região não é exclusividade da Geografia; Esse conceito tem implicação fundadora no campo da discussão política, da dinâmica do Estado, da organização da cultura e do estatuto da diversidade espacial; Também está relacionado as projeções no espaço das noções de autonomia, soberania, direito e de suas representações; A geografia é um campo privilegiado da discussão da região, sendo a mesma um dos seus conceitos-chave;
  • 3. A palavra região deriva do latim Regere trazendo a noção de administração ou regência diretamente ligada a centralização do poder em um local e a extensão dele sobre uma área
  • 4. A região geográfica abordada pelo paradigma possibilista é elaborada na França no final do século XIX, por La blache. Posteriormente se expande para a Alemanha e para os Estados unidos no século XX. A preocupação do geografo esta em evidenciar as individualidades e singularidades oriundas da combinação entre elementos humanos e naturais ou seja a região geográfica. Foi construída sobre as bases teóricas do empirismo
  • 5. Apoiando-se, por um lado, nos resultados obtidos pelos geólogos e, por outro, em sua formação essencialmente de historiador, Vidal concebe o espaço dos países como sendo a combinação da história do solo e a história dos homens. Partindo de quadros naturais – geologia, geomorfologia, vegetação relevo, clima, hidrografia –, ele mostra como a geologia e o clima oferecem uma série de possibilidades, cujo emprego depende dos homens, e que é o grupo humano que, ao fazer uso da natureza, diferencia uma região “transformando a sua extensão numa medalha cunhada como a esfinge de um povo” (VIDAL DE LA BLACHE, 1979, p.8). Para Vidal, cabe ao geógrafo explicar e compreender a lógica interna de cada fragmento da superfície terrestre revelando sua individualidade, cuja réplica exata não se encontra em nenhuma outra parte. É atribuição do geógrafo estudar a organização de cada espaço diferenciado e individualizado.
  • 6. Desde 1889, Vidal propõe uma primeira concepção das “divisões fundamentais do solo francês”. Quinze anos de reflexão sobre o tema o levam à elaboração de seu mais famoso livro Tableau de la géographie de la France (Quadro da Geografia da França), em 1903, no qual ele apresenta um espaço hierarquizado em graus diferenciados. No entanto, o ponto de partida permanece sendo a “região natural”, apoiada na geologia, no relevo ou no clima – Bassin parisien, Massif Central, Midi océanique. Essas regiões se diversificam em unidades mais reduzidas e são compreendidas segundo aspectos históricos, em função de elementos políticos e de desenvolvimento econômico – as rotas – ou em função de elementos oriundos do raio de influência de uma cidade.
  • 7.
  • 8. Gomes (1995) conseguiu distinguir pelo menos três grandes domínios nos quais a noção de região está presente: 1- No senso comum, o conceito de região está relacionado a dois princípios: localização e extensão de um certo fenômeno - referência a limites espaciais; Emprega-se assim termos como região mais pobre; área montanhosa e etc. como referência a uma espacialidade de domínio de determinada característica que a distingue de outras;
  • 9. 2. A região tem também um sentido bastante conhecido enquanto unidade administrativa - divisão regional como hierarquia e o controle do Estado;
  • 10. • Essa malha administrativa define competências e os limites das autonomias dos poderes locais na gestão do território dos Estados modernos; • É preciso destacar que empresas e instituições utilizam os recortes regionais para delimitação de circunscrições hierárquicas administrativas, Ex. NRE; Jogos Escolares e etc. 3. Por fim a região está no domínio das “ciências em geral” nas quais o seu emprego associa-se também a ideia de localização de determinados fenômenos ou de um certo domínio; • Ex. domínio de uma dada espécie; de um afloramento; de uma dada propriedade da matemática; de um tipo climático; • É possível perceber o seu emprego próximo de sua etimologia, ou seja, área sob um certo domínio ou área definida por uma regularidade de propriedades que a definem;
  • 11. • O conceito de região está ligado à noção fundamental de diferenciação de área; • Na geografia, o uso da região é um pouco mais complexo, dada as indefinições e a força de uso na linguagem comum; • Umas das alternativas foi a adjetivação da noção de região para diferencia-la do seu uso no senso comum; • Há vários conceitos de região, e cada um tem um significado próprio e se insere dentro de um dos paradigmas da Geografia;
  • 12. Região e Geografia Crítica • Tem-se uma diferenciação causada por um desenvolvimento distinto das sociedades: o aparecimento da divisão social do trabalho, da propriedade da terra, dos meios e das técnicas de produção, das classes sociais e suas lutas; • Tudo isto se deu com enorme distância em termos espaço- temporais, levando a uma diferenciação inter e intra grupos; • Considera região sob uma articulação dos modos de produção; • A região é uma dimensão espacial das especificidades sociais, em uma totalidade espaço social;
  • 13. • Região pode ser vista como resultado do desenvolvimento desigual e combinado, caracterizado pela sua inserção na DIT e pela associação da relação de produção distintas; • Calcado no materialismo e na dialética marxista, a região é vista como “relações dialéticas entre formas espaciais e os processos históricos que modelam os grupos sociais”, (Corrêa, 1995); • Nessa concepção, o conceito de região é articulado à luz dos modos de produção, através das conexões entre classes sociais e acumulação capitalista, por meio das relações entre Estado e a sociedade local;
  • 14. • Região é considerada uma entidade concreta, resultado da efetivação dos mecanismos de regionalização sobre um quadro territorial já previamente ocupado; • É a realização de um processo universal, em um quadro territorial menor, onde combinam o modo dominante de produção, o capitalismo, elemento uniformizador, e o particular, as determinações já efetivadas, elemento de diferenciação; • A região é uma dimensão espacial das especificidades sociais em uma totalidade espaço-social;
  • 15. • Diante desta “novidade”, muitos afirmaram que os novos tempos anunciavam o fim das regiões pela homogeneização do espaço - uniformização das relações sociais; • Por outro lado, os movimentos regionais em geral, vistos como movimentos de resistência à esta homogeneização, contam com a simpatia e a adesão imediata de muitas pessoas. • Este discurso permite várias análises: regionalismo = preservação da elite local; globalização = manutenção das diferenças sociais, pois não conseguiu suprimir a diversidade espacial; e a criação de novas regiões (CEE, Nafta etc). • Temário atual, Globalização - expressa a ideia de uma economia unificada e hegemônica, de uma sociedade que só pode ser compreendida como um processo de reprodução social global.
  • 16. Aplicação do conceito de Região • O estabelecimento de regiões passa a ser uma técnica da Geografia, um meio para demonstração de uma hipótese e não mais um produto final de pesquisa; • Regionalizar passa a ser a tarefa de dividir o espaço segundo diferentes critérios que são devidamente explicitados e que variam segundo as intenções explicativas de cada trabalho; • As divisões não são definitivas, nem pretendem inscrever a totalidade da diversidade espacial, elas devem simplesmente contribuir para um certo entendimento de um problema; • A variabilidade das divisões possíveis é quase infinita, pois são muitas as possibilidades que trazem novas explicações;
  • 17. • O conceito de região tem sido largamente empregado para fins de ação e controle; • A medida que a história do homem acontece, marcada pela dinâmica da sociedade de classes e de suas lutas, o processo de regionalização torna-se mais complexo; • No modo de produção capitalista o processo de regionalização se acentua – simultaneidade dos processos de diferenciação e integração; • A Região crítica não tem nada de harmoniosa como a vidalina, não é única mas particular, ou seja, é a especificação de uma totalidade da qual faz parte através de uma articulação que é ao mesmo tempo funcional e espacial;
  • 18. • No capitalismo, as regiões de planejamento são unidades territoriais através das quais um discurso da recuperação e desenvolvimento é aplicado; • Trata-se na verdade do emprego, em um dado território, de uma ideologia que tenta restabelecer o equilíbrio rompido com o processo de desenvolvimento; • Este discurso esquece, que no capitalismo as desigualdades regionais constituem, mais do que em outros modos de produção, um elemento fundamental de organização social;
  • 19.  Há também o emprego de processos de recuperação, de maneira que a região sob intervenção planejadora passar a ficar sob maior controle do capital; Diante da diversidade global-fragmentadora do mundo contemporâneo pode-se sugerir que a regionalização, deve utilizar diferentes critérios, ou critérios mais flexíveis, “adaptáveis” aos distintos espaços objetos de nosso estudo;  A utilização de um determinado critério de “coesão”, para regionalizar deve ser aplicado através de escalas diferentes – o que não implicaria, obrigatoriamente, o “fechamento”, ou melhor, a contiguidade das regiões.
  • 20. III) foi na Geografia que as discussões atingiram maior importância, já que região é um conceito- chave desta ciência. Com relação a região Gomes (1995) chega a três grandes conclusões: I) permitiu o surgimento das discussões políticas sobre a dinâmica do Estado, a organização da cultura e o estatuto da diversidade espacial; II) permitiu a incorporação da dimensão espacial nas discussões relativas à política, cultura e economia, e no que se refere às noções de autonomia, soberania, direitos, etc; e
  • 21. A internacionalização do capital, em seu novo período técnico- científico, mostrou a debilidade do antigo conceito de região. A aceleração da acumulação de capital tornou mais seletivas suas ações no espaço. O edifício regional estável e coeso dá lugar à instabilidade e às frequentes mudanças em sua forma e seu conteúdo. As relações internas estão mais condicionadas pelas demandas externas, o que não elimina a região, mas gera mudanças em seu conteúdo. “Mas o que faz a região não é a longevidade do edifício, mas a coerência funcional, que a distingue das outras entidades, vizinhas ou não. O fato de ter vida curta não muda a definição do recorte territorial” (SANTOS, 1997:197).
  • 22. Graças ao domínio da fluidez e da velocidade de circulação das mercadorias e das informações – características do mundo globalizado –, alguns declamaram o fim das especificidades regionais, irrelevantes diante da homogeneidade imposta globalmente. No entanto, Milton Santos relembra que, ao contrário do que parece, a região se torna ainda mais importante no mundo contemporâneo. Na realidade, o que se passa é o contrário da homogeneização. A velocidade dos fluxos e a instantaneidade dos eventos reforçam a conformação da região, fazem com que os espaços se tornem especializados, normatizados a partir das necessidades globais da produção, da circulação, da distribuição e do consumo.
  • 23. As regiões deixam de ser sede de seu próprio poder, de sua própria gestão. Fruto de uma solidariedade orgânica, elas passam a se constituir por meio de uma solidariedade organizacional. No antigo conceito de região, a base era a solidariedade orgânica entre seus habitantes, que estabeleciam uma relação longeva com seu lugar e se organizavam segundo as necessidades da própria região. Atualmente, ela é definida pela solidariedade que se constitui dentro dela, mas a partir de uma organização que vem de fora. A solidariedade, então, deixa de ser orgânica – originária da própria vida da região e das variáveis constitutivas dela – e se transforma em solidariedade organizacional (SANTOS, 2003).