Web 2.0 - Colaboração acima de tudo!

2.632 visualizações

Publicada em

Apresentação sobre web 2.0, desenvolvida por alunos da Universidade Federal de Sergipe para a disciplina de Gestão da Informação.
Este trabalho tem o intuito de ser uma referência de consulta rápida sobre este vasto tema, comentando sobre conceitos, tecnologias, serviços e a aplicação da web 2.0 nas organizações.

Publicada em: Tecnologia
0 comentários
4 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
2.632
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
56
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
78
Comentários
0
Gostaram
4
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Web 2.0 - Colaboração acima de tudo!

  1. 1. BEM VINDO A UM NOVO MUNDO Login : Senha : Esqueci a Senha ENTRAR
  2. 2. Universidade Federal de Sergipe Departamento de Computação Sistemas de Informação Andreza Reis, Diego Armando, Diego Mota, Felipe Vieira Web 2.0 Colaboração acima de tudo!
  3. 3. <ul><li>É uma segunda geração de serviços online e é caracterizada por ampliar as formas de publicação, compartilhamento e organização de informações, além de aumentar os espaços para a interação entre os participantes do processo.
  4. 4. Apesar do termo designar uma nova versão para Web, ele não está associado as suas especificações técnicas, mas a forma como ela é vista por usuários e desenvolvedores. </li></ul>Introdução
  5. 5. Histórico <ul><li>O termo Web 2.0 foi usado pela primeira vez em Outubro de 2004 pela O’Reilly Media e pela MediaLive International como nome de uma série de conferências sobre o tema. Foi uma constatação de que as empresas que conseguiram sobreviver a crise da bolha possuíam características entre si, criando diversos conceitos agrupados que formam a WEB 2.0. </li></ul>
  6. 6. Tim O’Reilly, em dezembro de 2006, definiu em seu blog que Web 2.0 é: Conceito “ A mudança para uma internet como plataforma, e um entendimento das regras para oferecer sucesso nesta nova plataforma. Entre outras, a regra mais importante é desenvolver aplicativos que aproveitem os efeitos de rede para se tornarem melhores, quanto mais são usados pelas pessoas, aproveitando a inteligência coletiva”.
  7. 7. Padrões de design Web 2.0 Algumas regras que ajudam a defini-la.
  8. 8. A Web como plataforma <ul><li>Sites deixam de ter características estáticas e se tornam aplicativos no servidor. Passam a ter as funcionalidades de software que rodam no desktop de um PC. </li></ul>
  9. 9. Google Docs
  10. 10. Beta Perpétuo <ul><li>Tradicionalmente, os sites evoluem seguindo versões. Versão 1.0, 2.0, 3.0, etc.. Os softwares estão sempre em evolução, nunca se chega a uma versão final. E pelo fato do aplicativo estar em rede, o feedback de usuários e o constante teste de funcionalidades torna-se um processo sem interrupção por versões. Ficando assim, os sites, em Beta Perpétuo , denotando uma evolução sem fim, algo que está em constante desenvolvimento. </li></ul>
  11. 11. Beta Perpétuo
  12. 12. Cooperação, não controle <ul><li>Com a WEB 2.0, sites deixaram de ser meros replicadores de informação de outros meios de comunicação como jornais, revistas, televisão etc. O próprio usuário passou a ser “o dono” da informação. Ele mesmo a edita, seleciona, classifica e censura. São notícias, vídeos, fotos, comentários e outros tantos tipos de conteúdos gerados por qualquer um que se proponha a mostrar ao mundo o seu ponto de vista, seja um amador ou profissional. </li></ul>
  13. 13. Vc no g1
  14. 14. Efeitos de rede <ul><li>É da natureza humana se relacionar, formar grupos, com pessoas que possuam fins/objetivos/desejos em comum. Usuários tendem a chamar amigos para trocar informações e estes amigos entram em contatos com mais e mais pessoas, aumentando assim o acesso a um serviço em comum. </li></ul>
  15. 15. MySpace
  16. 16. Usuários agregam valor <ul><li>A proposta inicial dos sites dessa nova fase da internet tem mudado, os usuários que navegam pelo site tem agora a liberdade de editar o conteúdo ali presente, gerando um anseio de compartilhar. Distribuir… seja conhecimento, fotos, música, questionamentos, respostas, linhas de código, notícias, programas etc. Tudo! A idéia é difundir “um bem” e/ou “o bem” pela web. Esta ideologia colaborativa agrega maior valor ao site, fazendo com que mais pessoas colaborem. </li></ul>
  17. 17. Wikipedia
  18. 18. Web 1.0 X Web 2.0 Web 1.0 - Primeira geração de internet comercial. Seu triunfo era a grande quantidade de informações disponíveis. - O conteúdo era pouco interativo. Era um espaço mais voltado para leitura. - O usuário ficava como espectador da ação que se passava na página ao qual ele visitava - Os aplicativos da web 1.0 eram fechados Web 2.0 <ul><li>Foi utilizado para descrever a segunda geração da Word Wide Web – tendência que reforça o conceito de troca de informações e colaboração dos internautas com sites e serviços virtuais.
  19. 19. Permitir que os usuários gerem conteúdos, criem comunidades e interajam.
  20. 20. Possibilitam a construção coletiva do conhecimento
  21. 21. Possuem os programas abertos, ou seja, uma parte do programa pode ser utilizado por qualquer pessoa para se fazer outro programa. </li></ul>
  22. 22. Web 1.0 X Web 2.0
  23. 23. Vantagens e Desvantagens Tudo tem um lado bom e outro ruim.
  24. 24. Vantagens maior facilidade de criação melhor categorização Partilha de conteúdo personalização acesso remoto
  25. 25. Desvantagens Falta de Privacidade Maior Exposição Excesso ou Falta de Informações Confidencialidade Veracidade das Informações Tendência a passar mais tempo online Deterioração das relações pessoais e reais.
  26. 26. Tecnologias O que existe por trás da Web 2.0.
  27. 27. Tecnologias da Web 2.0 Arquitetura SOA Divulgação RSS AJAX <ul>XHTML, CSS DOM XML, XSLT XMLHttpRequest JavaScript </ul>“ Família” XML <ul>XML WSDL SOAP UDDI </ul>
  28. 28. XML <?xml version=&quot;1.0&quot;?> <rdf:RDF xmlns:rdf=&quot;http://www.w3.org/1999/02/22-rdf-syntax-ns#&quot; xmlns=&quot;http://purl.org/rss/1.0/&quot;> <channel rdf:about=&quot;http://www.exemplo.com.br/rss.cfm&quot;> <title>Exemplo de publicação RSS</title> <link>http://www.exemplo.com.br</link> <description> O XML (Extensible Markup Language) é um formato universal para leitura de dados </description> <language>pt-br</language> <copyright>Copyright: (C) iMasters.com.br </copyright> <image rdf:resource=&quot;http://www.exemplo.com.br/logo.gif&quot;/> <textinput rdf:resource=&quot;http://www.exemplo.com.br&quot; /> <image rdf:about=&quot;www.exemplo.com.br/logo.gif&quot;> <title>Exemplo</title> <url>http://www.exemplo.com.br/</url> <link>http://www.exemplo.com.br/logo.gif</link> </image> <item> <title>Novo RSS 2.0</title> <link>http://www.exemplo.com.br/news.cfm?id=123</link> <description>É lançado a nova versão do RSS</description> </item> <item> <title>iMasters com nova cara</title> <link>http://www.exemplo.com.br/news.cfm?id=654</link> <description>O site imasters.com.br está de cara nova...</description> </item> </channel> </rdf:RDF>
  29. 29. <html> <head> </head> <body> <form> <fieldset> <legend> CADASTRO </legend> <label for=&quot;nome&quot;>Nome:</label> <input type=&quot;text&quot; name=&quot;nome&quot; id=&quot;nome&quot; /> <label for=&quot;tipo&quot;>Tipo:</label> <input type=&quot;text&quot; name=&quot;tipo&quot; id=&quot;tipo&quot; /> <label for=&quot;data&quot;>Data:</label> <input type=&quot;text&quot; name=&quot;data&quot; id=&quot;data&quot; /> <input type=&quot;submit&quot; value=&quot;enviar&quot; class=&quot;botao&quot; /> </fieldset> </form> </body> </html> <style> form fieldset { float: left; margin-right: 7px; width: 40%; border: solid black 1px; padding: 3%; margin-bottom: 10px; } form legend { padding: 6px; margin: 10px; border: solid black 1px; font-size: 90%; font-weight: bold; background-color: #e8e8e8; } </style> XHTML CSS
  30. 30. XSLT <?xml version=&quot;1.0&quot; encoding=&quot;UTF-8&quot; ?> <xsl:stylesheet version=&quot;1.0&quot; xmlns:xsl=&quot;http://www.w3.org/1999/XSL/Transform&quot;> <xsl:template match=&quot;/&quot;> <html> <body> <table border=&quot;1&quot; color=&quot;#ff3300&quot;> <xsl:for-each select=&quot;//Estado&quot;> <tr> <td><xsl:value-of select=&quot;name&quot;/></td> <td><xsl:value-of select=&quot;capital&quot;/></td> </tr> </xsl:for-each> </table> </body> </html> </xsl:template> </xsl:stylesheet> <?xml version=&quot;1.0&quot; encoding=&quot;utf-8&quot; ?> <Estados> <Estado ref=&quot;MG&quot;> <name>Minas Gerais</name> <capital>Belo Horizonte</capital> </Estado> <Estado ref=&quot;SP&quot;> <name>São Paulo</name> <capital>São Paulo</capital> </Estado> </Estados>
  31. 31. WSDL
  32. 32. Aplicações e Serviços O que temos a disposição?
  33. 34. Blogs A Sun Microsystems, a Microsoft, a Macromedia, a HP, o Google e a IBM são exemplos de empresas que utilizam blogs como forma de comunicação organizacional.
  34. 36. RSS <ul><li>RSS (Rich Site Summary) é um formato de entrega regular de conteúdo WEB. O usuário não precisa procurar atualizações ou notícias, pelo contrário, elas é que te procuram.
  35. 37. O link e o resumo daquela notícia (ou a notícia na íntegra) é armazenado em um arquivo.
  36. 38. Programas agregadores de feeds.
  37. 39. FeedBurner site que possui várias ferramentas para ajudar a otimizar e divulgar o RSS de sites ou blogs. </li></ul>
  38. 41. Mashup <ul><li>Utilizar serviços ou acessar dados já existentes sem que haja a necessidade de recriar.
  39. 42. Apontador – mashup brasileiro em que o usuário pode obter informações sobre determinados estabelecimentos.
  40. 43. Digg Map - mostra, em tempo real, as últimas notícias do digg em um mapa. </li></ul>
  41. 44. Mashup <ul><li>Wiki Crimes
  42. 45. Netvibies – desktop on-line, baseado em ajax, que pode conter canais RSS , imagens do Flickr, bookmarks do Del.icio.us.
  43. 46. PageFlakes – principal concorrente do Netvibies.
  44. 47. O lançamento da API do Google Maps impulsionou a invasão de mashups. </li></ul>
  45. 49. Redes Sociais <ul><li>My Space – é possível hospedar arquivos MP3, conseqüentemente focou-se na parte musical, servindo com divulgação de bandas.
  46. 50. Facebook – no início foi criada só para os alunos de Harvard, atualmente pessoas com idade maior que 13 anos podem fazer parte desta rede social que contém o recurso de criação de widgets .
  47. 51. Orkut – rede social mais utilizada o Brasil. </li></ul>
  48. 52. Redes Sociais <ul><li>Linkedin – foco na parte profissional, a qual o usuário possui uma rede de contatos profissionais, facilitando a busca de referências e indicações para emprego.
  49. 53. A presença em comunidades tornou-se fundamental para uma empresa que deseja conquistar tanto futuros consumidores como reforçar a marca nos que estão em idade de consumo ativo . </li></ul>
  50. 55. Social Bookmarking <ul><li>Novo modelo de busca de conteúdos na web.
  51. 56. Forma única e eficaz de partilhar informação e encontrar sites da Web que sejam interessantes para si.
  52. 57. Folksonomia – é uma nova maneira de indexar informações, permite a cada usuário classificar as mesmas com tags e compartilhar estas entre usuários do sistema. </li></ul>
  53. 58. Social Bookmarking <ul><li>O del.icio.us é o mais popular serviço de bookmarking social.
  54. 59. O digg é parecido com o del.icio.us, adicionando um processo democrático à filtragem de informação.
  55. 60. A medida que a Web 2.0 evolui para a Web Semântica, o bookmarking social lidera em aproximar-nos de uma experiência de pesquisa mais pessoal e marcante. </li></ul>
  56. 61. Web 2.0 no Brasil
  57. 62. Web 2.0 no Mundo
  58. 63. A utilização da web 2.0 como um diferencial competitivo nas organizações: Estudo de caso aplicado ao SENAI-SE.
  59. 64. Estrutura da Web 2.0
  60. 65. Relação entre as Empresas e a Web 2.0 A Web 2.0 com seu modelo de interação e participação é um fenômeno em massa. Devido a isso a Booz Allen Hamilton tentou descobrir as seguintes informações: <ul><li>Web 2.0 e sua relevância em relação a idade
  61. 66. Web 2.0 e a privacidade online
  62. 67. Web 2.0 e a utilização da computação ubíqua
  63. 68. Web 2.0 e a influência em opiniões e decisões de compras </li></ul>
  64. 69. Relação entre as Empresas e a Web 2.0 As empresas que não responderem a esta tendência estarão si colocando em risco.
  65. 70. Organizações + Web 2.0 Agora nós temos a Enterprise 2.0!
  66. 71. Benefícios da Web 2.0 em uma organização <ul><li>Torna mais eficaz as aplicações empresariais
  67. 72. As redes sociais podem ser aproveitadas para a geração de conhecimento e aumentar o apoio e satisfação dos colaboradores.
  68. 73. Tags Semântica, agilizaram as buscas de informações e produtos
  69. 74. Comunidades servirão de feedback
  70. 75. Blogs poderão ser usado como uma publicidade positiva
  71. 76. O marketing web trará ótimos retornos </li></ul>
  72. 77. Benefícios da Web 2.0 em uma organização <ul><li>Sistemas leves
  73. 78. Fácil usabilidade
  74. 79. Rápida adoção
  75. 80. Fácil integração
  76. 81. Rápido desenvolvimento </li></ul>
  77. 82. Estudo de caso: Cenário hipotético aplicado ao SENAI-SE.
  78. 83. Missão “ Contribuir para o desenvolvimento industrial do Estado de Sergipe, através da educação para o trabalho e da cidadania, assistência técnica e tecnológica, geração, adequação e difusão de novas tecnologias, buscando auto-sustentação”.
  79. 84. Visão &quot;Ser um referencial de excelência para a Região Nordeste&quot;.
  80. 85. Serviços

×