Religião – Racionalidade incoerente

256 visualizações

Publicada em

Esse texto trás uma vital reflexão sobre a condição religiosa em que vive grande parte da sociedade.

Publicada em: Ciências
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
256
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
4
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
3
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Religião – Racionalidade incoerente

  1. 1. Religião – Racionalidade incoerente. Nossa premissa intelectual como seres humanos é acharmos que para tudo nessa vida é preciso uma explicação. Vivemos em busca de um sentido, algo que nos faça compreender as coisas em nossa volta, Estamos sempre a questionar; como, onde, quando. E quando não possuímos estas definições às vezes o criamos e as compreendemos como verdades. Estas verdades, por sua vez, acabam entrando em nosso subconsciente e nos levando a convicções completamente equivocadas da realidade. O que vejo na religião (de forma geral) são teorias que geram dogmas e doutrinas a serem seguidas e aceitas como verdades absolutas. Estes ensinamentos, ou seja, a doutrina religiosa pode se mostrar muito perigosa quando se pensada do campo de vista sociológico. Isto pelo fato de que, ao mesmo tempo em que é muito mal compreendida, a religião também potencializa sobre a maior parte da sociedade, ideais deturpados sobre a condição da natureza humana. A religiosidade já foi e ainda é à causa, em muitos casos, de muitas mortes e muita injustiça. Durante muito tempo em minha vida me policiei sobre estes assuntos. Foi assim que acabei mudando a forma de enxergar as coisas e encontrei esta ótica de 360° que me
  2. 2. permite compreender o mundo de uma forma fantástica. Aprendi a amar mais a vida e refletir sempre sobre minha pessoa perante a existência. Passei a acreditar que todos nós devemos nos tornar independentes de nós mesmos. Assumir nossas atitudes e nos responsabilizarmos por tais ações. Devemos acreditar e aceitar que nós mesmos que estamos nas rédeas de nossas vidas. É superimportante também estarmos sempre á nos capacitar para a vida, nos dotando de conhecimento e intelectualidade. Sei que não é fácil uma pessoa assumir as próprias rédeas da vida, mas eu conseguir. Hoje tenho total convicção de que estou como matéria nesta vida e como vida nesta matéria. Não sei o que é a morte, mas até então, acredito que é apenas o fim da nossa existência cognitiva. Mas como já disse antes, acreditar não é saber não é verdade? Esta talvez seja a grande diferencia no saber ateísta e o saber teísta. Nós sabemos dizer que não “sabemos” e nos baseamos apenas nos modos de conhecimentos construídos a partir modo empírico conjugado ao modo cotidiano filosófico. Ou seja, sabemos que o conhecimento está diretamente ligado ao homem, à sua realidade. O conhecimento pretende idealizar o bem estar do ser humano, logo o conhecimento advém das relações do homem com o meio. O indivíduo deve procurar entender o meio partindo dos pressupostos
  3. 3. de interação do homem com os objetivos e sempre baseado partir de uma realidade. A grande questão é - O que estamos tomando como realidade? Qual nível de compreensão do universo o mundo mítico pode nos proporcionar como sociedade? Será que não estamos estacionados no tempo perante esta condição religiosa impregnada em nossa cultura? Certamente a forma de explicar e entender o conhecimento passa por várias vertentes como o conhecimento empírico (vulgar ou senso comum), conhecimento filosófico, conhecimento científico e até mesmo o conhecimento teológico. Porém, em nosso tempo, com todas estas vertentes do conhecimento uma coisa não se pode negar... Não teríamos muitas chances neste mundo se não fosse pelo conhecimento científico. Posição que é inteiramente contestada pela grande maioria das religiões, principalmente a religião cristã que sempre esteve contrapondo afirmações científicas incontestáveis pelo sentido da razão. Esta posição, de contrapor-se diante a veracidade das descobertas e afirmações científicas, levas estas religiões a agirem demagogicamente. Uma vez que, contrapor a verdade incita demagogia. A manifestação religiosa leva suas massas a exercer sobre toda a sociedade uma severa coerção, assim como resultado de uma ação social. Isto acontece através de
  4. 4. seus dogmas e suas doutrinas. Precisamos construir civilidade através de uma posição ideológica neutra que utiliza apenas a arma do conhecimento. Está ideologia é compreendida perfeitamente como uma visão laica de um mundo que não considera ou favorece como base da compreensão, divindades e mitos. O ateísmo é por essência, o exercício da racionalidade, e essa racionalidade acaba por nos permitir essa compreensão da existência. Não somos opositores aos Deuses, somos apenas incitadores da “verdade científica”. Somos pessoas que acreditam fielmente que somente as atitudes aqui na terra podem nos dar significados, e que estas atitudes tem que ser reguladas pelo senso da razão e baseadas no conhecimento empírico. Defendemos que é preciso mais escolas ao invés de igrejas e que Deuses não salvam pessoas, mas sim, pessoas salvam pessoas. Mas por fim, o mundo está ai pra nós conhecermos e devemos ir sempre além. Precisamos nos debruçar sobre as formas válidas do conhecimento. O que importa mesmo é aprender a investigar e ir sempre a busca de uma compreensão que faça ao menos um sentido particular. Mas claro que cada um tem um objetivo e um jeito diferente de ver e aceitar a vida. Sempre haverão manifestações religiosas e sempre haverá também o posicionamento ateísta. Mas o fundamental mesmo é analisar os fatos e
  5. 5. argumentos para que se possa se fazer juízo sobre as verdades. Poder entender que o mundo está repleto de falsas verdades e que estas se encontram quase sempre em verdades prontas, aquelas que nos são induzidas durante a nossa vivencia. Começa bem no início da nossa formação cognitiva e acabam nos tornando convictos de sua veracidade. “A essência do saber não está em somar verdades ou em subtrair incertezas e sim em compartilhar o conhecimento compreendido”. Por isso eu não estou aqui para ter a razão e sim para compartilhar a minha visão sobre religiosidade. Por Diego Góes 2013

×