Cisco Live Magazine Ed. 7 (Português)

2.398 visualizações

Publicada em

Live Magazine Cisco
Edição 7

Publicada em: Tecnologia
0 comentários
2 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
2.398
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
111
Comentários
0
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Cisco Live Magazine Ed. 7 (Português)

  1. 1. > 3º trimestre 2012 | edição 7Tecnologiaé a solução Setor bancário aposta em tecnologias da informação e telecomunicações como forma de atender clientes cada vez mais refinados; mobilidade e internet banking são principais escolhasHSBC Colaboração Caso de sucessoBanco investe em vídeo Demanda por videoconferências Michael Pagee equipe de TI traça e expansão dos dispositivos terceiriza infraestruturaestratégia para ter alto nível móveis alavancam projetos de e expandede certificação Cisco comunicações unificadas no Brasil comunicações IP 1
  2. 2. 2
  3. 3. 1editorial sumário BOUTIQUES DE RELACIONAMENTO 04 Curtas D icas de preparação para os exames de certificação; Virada Digital cria rede de conhecimento e inovação; área de commercial da Cisco do Brasil tem nova diretora; Girl’s Day e Beehive integram iniciativas de s resultados da pesquisa anual da Febraban, sobre os investimentos dos O responsabilidade social bancos e instituições financeiras em novas tecnologias e na manutenção do parque de TI, nos mostram uma grande e constante migração das 08 Colaboração D ispositivos móveis e vídeo impulsionam comunicações unificadas transações para o meio eletrônico. A internet está em primeiro lugar, mas tam- bém, nessa área, a mobilidade dá sinais de crescimento, com o mobile banking. Esse novo comportamento social, que fez os bancos apresentarem inves- 10 Data centers L inha Cisco UCS reduz custos e abre caminho para as nuvens timentos e despesas de R$ 18 bilhões em 2011, com 42 milhões de corren- tistas usando a internet para acessar os serviços bancários, muda o perfil das 14 Serviços gerenciados Operadoras reagem à queda de receitas e lançam novas ofertas agências bancárias. As salas de autoatendimento estão maiores e refinadas, com ATMs mais ágeis e cada vez mais inteligentes. E na área interna, o re- lacionamento. Os caixas, em número diminuto, ainda têm demanda, porém 18 Bancos P ara atender demanda, instituições financeiras investem mais em TICs em dias concentrados e em menor volume do que há 10 anos, por exemplo. Como já previam os especialistas no setor financeiro há alguns anos, o 20 Qualificação E quipe de suporte IP do HSBC se concentra em certificações Cisco relacionamento interno para investimentos, esclarecimento de dúvidas, ob- tenção de crédito, e outros serviços, levam as agências a se transformarem em boutiques, área em que os bancos podem explorar seus diferenciais. Na 24 Nova voz V ideoconferência permite ao HSBC aumentar eficiência e reduzir custos reportagem de capa dessa edição, uma frase se alinha a todo esse contexto de alto investimento e nos chama a atenção: se considerarmos os serviços 26 Outsourcing e colaboração M ichael Page terceiriza infraestrutura e expande comunicações IP bancários como comodities, a disponibilidade dos serviços se torna um grande diferencial competitivo. É assim que um dos executivos do HSBC, ouvidos pela equipe de jornalistas 27 Velocidade ATG adota rede de baixa latência em ambiente de missão crítica da Cisco Live, define o atual cenário de oferta cada vez maior dos serviços pelos canais eletrônicos, algo que tenciona a rede corporativa dos bancos, 28 Futuro F abricação e pesquisa receberão R$ 1 bilhão da Cisco até 2014 a infraestrutura por onde trafegam bilhões de reais ao longo de cada ano. Robustez, escalabilidade e estabilidade são requisitos indispensáveis a qual- 30 Saúde I nformatização aumenta eficiência do setor quer infraestrutura de tecnologia da informação e comunicação (TIC) que um banco deseje implementar hoje. E não se pode ignorar a expansão das 34 Educação Analistas e professores debatem vantagens da tecnologia no ensino conferências em vídeo, também relatadas na reportagem de capa, e o acesso móvel. Enfim, vimos durante o Cisco Plus Brasil 2012, evento que reuniu toda a comunidade Cisco, em abril, no Rio de Janeiro, que, foco de alguns 36 Segurança Rede surge como posição privilegiada na guerra contra o cibercrime setores, como educação e saúde, nos investimentos em TIC, a infraestrutura que suporta os negócios no Brasil, independente do segmento, está em evi- 38 Suporte S mart Care agrega expertise de parceiros e dá segurança aos clientes dência e nós, aqui na Cisco, estamos prontos para apoiar parceiros e clientes em diferentes projetos alinhados às atuais e futuras demandas. 40 Artigo C resce importância do roteador na gestão da nuvem Abraços, Marco Barcellos cisco live magazine é uma publicação da Cisco do Brasil Equipe Responsável Diretor de Canais PRODUÇÃO Reportagem Asssessoria de Imprensa Gráfica Cisco do Brasil Eduardo Almeida Jackeline Carvalho In Press Porter Novelli Inergraf Comunicação Interativa Editora Marcelo Vieira Presidente Diretor de Marketing RP Rodrigo Abreu Marco Barcellos Arte Tiragem Jornalista Responsável Colaboração Especial Marcelo Max 5000 exemplares Diretor de Engenharia Conselho Editorial Jackeline Carvalho Carmen Lucia Nery (RJ) de Sistemas Adriana Bueno, Carolina Morawetz, MTB 12456 Marcelo Ehalt Isabela Polito, Isabella Micali, Jackeline Carvalho, Kiki Gama, Revisão Mariana Fonseca, Monica Lau e Diretora de Redação Comunicação Interativa Marco Barcellos Jackeline Carvalho 3
  4. 4. 1 curtas6 QUASE UM VESTIBULAR Ana Lúcia de Faria, arquiteta de soluções da Cisco do Brasil, dá dicas de como se preparar para os exames de certificação Cisco de tecnologia. “Eu, que trabalho na Cisco, sou cobrada por meus clientes”, diz ela, que se recorda de uma história. “Lembro que o primeiro cliente que visitei pela Cisco perguntou se eu tinha certificação. Isso marcou muito e me motivou a buscar a qualificação.” O segundo bom motivo para ter a certificação é a própria satisfação pessoal. E as dificuldades não devem M anter funcionais e redes, mas também às empresas desmotivar os interessados altamente eficientes que os empregam juntamente com em passar pelo processo de as redes internas das o mercado como um todo. certificação. Ana Lúcia tem algumas corporações, que não param Para Ana Lucia de Faria, arquiteta dicas. Estabelecer metas ajuda, de crescer, exige profissionais de soluções da Cisco do Brasil e pois sem elas o estudante é capacitados. Ao oferecer treinamento detentora de duas certificações tentado a dar mais atenção a outras para as mais recentes tecnologias, da empresa (Cisco Certified atividades. Formar um grupo de certificando a capacidade técnica e Internetwork Expert, ou CCIE, estudo também pode ser uma fornecendo recursos para em router switching e service boa solução. “É preciso esforço, um aprendizado contínuo, o provider), o programa traz duas mas compensa tanto em termos programa de certificações da Cisco grandes vantagens. A primeira é profissionais como pessoais”, auxilia não só os profissionais de o reconhecimento do mercado incentiva a arquiteta de soluções. • 6 VIRADA DIGITAL CRIA GRANDE REDE DE CONHECIMENTO E INOVAÇÃOU nir inovação e interatividade dias do evento, que terminou com a aplicada à educação. “Hoje os em busca de um proposta de tornar mais acessíveis alunos vivem conectados e é muito desenvolvimento cada vez conteúdos e tecnologias. “Eventos importante para o professor e para amais sustentável é o objetivo do como esse deveriam acontecer em escola se adequarem a essefestival Virada Digital, que aconteceu todas as cidades”, pondera Flávio novo perfil.”entre os dias 11 e 13 de maio em Provedel, da Networking Academy da Agora, o festival se transformaParaty, no Estado do Rio de Janeiro. Cisco e coordenador de uma oficina na Caravana Digital. Em novembroA Cisco foi uma das patrocinadoras de conectividade e montagem de de 2012, as cidades de São Paulo,do evento, que contou com painéis, computadores, oferecida durante Rio de Janeiro e Brasília terão umapalestras, conferências, seminários, o evento. edição extra do evento. Depois,debates, oficinas, demonstrações Ricardo Santos, responsável pelo a Caravana visitará mensalmentecientíficas, shows e ações especiais, desenvolvimento da vertical de cada uma das 12 cidadestudo gratuito. educação da Cisco do Brasil, proferiu brasileiras que sediarão os jogos Foram 74 atividades nos três uma palestra sobre a tecnologia da Copa do Mundo de 2014. • 4
  5. 5. comstor. muito mais benefícios em todas as soLuÇÕes cisco. BORDERLESS NETWORKS COLLABORATION DATA CENTER© Yuri Arcurs - Dreamstime EDUCAÇÃO SERVIÇOS CISCO SMB nossos serviços facilitam o seu dia a dia. Comstor - São Paulo (11) 5186-4343 Comstor - Rio de Janeiro (21) 3535-9343 q u e r o c i s c o @ c o m s t o r. c o m . b r Authorized Distributor w w w . c o m s t o r. c o m . b r PROGRAMAS • PROMOÇÕES • TREINAMENTOS • DISPONIBILIDADE • LOGÍSTICA 5
  6. 6. 1 curtas 6 Girl’s Day C omo parte das iniciativas de responsabilidade social da Cisco, a empresa participou do Girl’s Day, movimento global para incentivar as mulheres a atuarem no setor de tecnologia da informação e telecomunicações. A iniciativa é da ITU (International Telecommunication Union), organização das Nações Unidas para o setor de tecnologia da informação e comunicação. A Cisco do Brasil sediou, em seus escritórios no Rio de Janeiro e em São Paulo, dois dos vários eventos realizados no mundo. Participaram mais de vinte garotas de 15 a 18 anos de idade, alunas do Networking Academy em organizações não-governamentais como a Aldeias Infantis e a Fundação Despertar. Durante o evento, as meninas puderam interagir, por telepresença, com participantes do mesmo evento na Cisco de Portugal. A programação 6 TALENTO incluiu ainda palestras sobre mercado de trabalho em tecnologia, dicas para procurar emprego e a importância de se ter certificações para atuar no • A na Claudia Plihal assumiu setor, entre outros assuntos. recentemente a direção da área de commercial da Cisco no Brasil. Responsável pela 6 RETORNO SOCIAL atuação da fabricante no segmento U de pequenas e médias empresas, tilizar a tecnologia para informar e mudar a vida de pessoas de baixa a executiva tem como objetivo renda: esse é o objetivo da One Economy, organização global sem expandir a base de parceiros por fins lucrativos que lançou no Brasil, com o apoio da Cisco e de outros meio do programa Cisco Partner- parceiros, o Beehive Brasil (brasil.thebeehive.org). O site foi criado para conectar Led, que reforça a estratégia pessoas de baixa renda a conteúdos online como empregos, finanças, saúde, de atuação da Cisco com a educação, direitos civis e outras questões pertinentes a todo cidadão. colaboração dos canais. Beehive, que em português significa “colmeia”, é um projeto global A executiva responderá já lançado na África, Europa, México, Ásia e Oriente Médio. Desenhado diretamente ao presidente da para ajudar pessoas com pouca experiência na internet, o site facilita o Cisco no Brasil, Rodrigo Abreu, e encontro de informações que ajudarão as pessoas a se integrar melhor substitui Marco Sena, diretor de commercial para América Latina - na economia nacional. • que acumulava a função também no País. Ana Claudia trabalhou na Microsoft nos últimos 14 anos. Também ocupou posições como gerente de produtos, gerente de vendas para o mercado de médias empresas, entre outras. Antes da Microsoft, foi gerente de marketing de produto da Oracle. É graduada em Administração de Empresas e Ciência da Computação pela Universidade Presbiteriana Mackenzie e Marketing Estratégico pela ESPM. • 6
  7. 7. 7
  8. 8. 1 conect COLABORAÇÃO TEM GRANDE POTENCIAL DE CRESCIMENTO NO PAÍS Popularização de dispositivos inteligentes e do vídeo online impulsionam ferramentas de comunicação unificada e pautam rumos da CiscoU m mundo em que o núme- maior potencial de crescimento no ro de dispositivos móveis País”, segundo o presidente da Cisco é maior que o de habitan- do Brasil, Rodrigo Abreu. “Essa mi- tes deve ser realidade até gração vai acontecer muito rápido”, 2015. Infelizmente isso não significa definiu. que cada ser humano no planeta será Quatro grandes pilares sustentam dono de um smart device, e sim que a estratégia no segmento de colabo- os usuários avançados (os chamados ração da Cisco: visual, virtual, social “heavy users”) terão cinco ou seis e mobilidade. Esta última é, com a deles, entre laptops, tablets e smar- popularização dos dispositivos mó- tphones (incluindo aparelhos que veis, a mais consolidada no País. O ainda nem foram inventados). vídeo (incluído no primeiro pilar), Essa perspectiva impacta direta- por sua vez, é o que exercerá maior mente os rumos da Cisco, uma vez impacto sobre a infraestrutura das que todo esse aparato estará co- redes do futuro, tanto nas empresas nectado em rede, e através dele será como nas operadoras. 60% das companhias atualmente ava- possível acessar a web e as redes so- “O vídeo está se tornando a nova liam adotar ferramentas para unificar ciais, ver vídeos e, mais importante, voz”, disse o diretor de arquitetu- suas comunicações. Deste total, 31% colaborar e produzir. ras para a Cisco na América Latina, o farão através de ofertas via cloud A colaboração, aliás, foi um dos Carlos Torales, repetindo o lema que computing, ponderou o vice-presi- temas de destaque do Cisco Plus Bra- a empresa adotou nos últimos anos dente global para desenvolvimento sil 2012, realizado no Rio de Janeiro. para a divulgação de suas tecnologias de negócios da matriz americana da O “Colaboration Day”, período do de colaboração. “O mundo está geo- Cisco, Pat Romzek. “A virtualização evento dedicado exclusivamente politicamente diferente, muito mais permite entregar as mesmas soluções a discutir os rumos e soluções da conectado, e a economia está mu- de ambientes físicos via nuvem, com empresa para as comunicações uni- dando muito rápido. A colaboração benefícios financeiros, flexibilidade ficadas do futuro, definiu colabo- surge neste contexto como forma de e agilidade, e permitindo vantagens ração como “parte fundamental da aumentar a produtividade.” estratégicas para companhias cada estratégia da empresa, talvez com o Segundo o executivo, cerca de vez mais globais.” 8
  9. 9. 6 Cerca de 60% das companhias atualmente avaliam adotar ferramentas para unificar suas comunicações No caso da Editora Abril, a neces- lo, para uso inclusive dos jornalistas. sidade de mais robustez para suportar Eles utilizam a tecnologia para fazer a criação de novos serviços e reduzir reuniões e entrevistas remotas. “O custos pautou a renovação da infra- jornalista consegue fazer entrevistas estrutura de comunicação da em- por telefone, mas em alguns casos presa. As demandas, oriundas tanto nada substitui o ‘olho no olho’”, ex- de jornalistas como de funcionários plicou o gestor. Há ainda oito salas administrativos, incluíam o uso da de videoconferência que integram os nuvem, a necessidade de agregar dis- escritórios paulistas da empresa. A positivos pessoais na rede corporati- interoperabilidade dos sistemas foi va com segurança (consumerização), fator fundamental, pois eles são uti- mobilidade e o uso intenso de vídeo. lizados para reuniões com parceiros “Nossas preocupações incluíam não da editora, que muitas têm instaladas só a entrega da tecnologia, mas tam- soluções de outros fabricantes. bém o ajuste de todo o ecossistema em torno dela”, explicou Gerson Fer- Globo reira, gestor da área de TI da editora. Já a TV Globo optou pela implanta- Padronização foi a palavra chave ção de um sistema de telefonia IP em do processo. A empresa optou pela toda a Central Globo de Produção utilização de soluções Cisco pela (ou CGP, também conhecida como possibilidade de implantar uma ar- Projac). Trata-se de um projeto longo, quitetura ponta a ponta, ou seja, que que começou em 2007 e que deve não oferecia riscos de integração terminar apenas em 2012. O proces- entre as diferentes soluções. Como so de migração para o novo padrão resultado, só a plataforma de voz so- de voz começou na filial da Globo bre IP permitiu reduções de custos em São Paulo. As vantagens obser-Casos de sucesso com telecomunicações na casa de vadas foram tamanhas que o projeto Nada mais apropriado para falar so- 40%. Também foram implantadas so- migrou para o Rio de Janeiro. Tudobre comunicações unificadas do que luções de WiFi, LAN, WAN e, claro, com tecnologia Cisco.apresentar histórias de uso da tecno- segurança. “Cerca de 44% dos fun- São 2.800 ramais integrados, quelogia em empresas do ramo de mí- cionários já usavam dispositivos pes- abrem portas para outros serviçosdia. Durante o “Colaboration Day”, soais para trabalhar, isso em março como videochamada, videoconferên-a Editora Abril, com sede na capital de 2011”, disse Ferreira, justificando cia, colaboração, serviços virtualiza-paulista, e a TV Globo, com sede no a necessidade de soluções de defesa dos... “Assim a telefonia passa a serRio de Janeiro e filiais espalhadas por em uma rede de acessos tão voláteis. um serviço adicional, mais um itemtodo o Brasil, compartilharam suas Também foram implantadas solu- no desktop, o que facilita a gestão eexperiências na implantação de novas ções de telepresença nos escritórios gera economias”, concluiu Claudioinfraestruturas de comunicação utili- da Editora Abril no Rio de Janeiro e Rangel, gestor de tecnologia e su-zando padrões IP (internet protocol). em Brasília, além da sede em São Pau- porte da TV Globo. • 9
  10. 10. 1 conect UMA CENTRAL DE DADOS MAIS SIMPLES E BARATALinha UCS da Cisco se baseia em arquitetura unificada quereduz custos de propriedade e prepara empresas para umfuturo virtualizadoC oração, do latim cordis. sam primeiro voltar sua atenção para atenção especial. Com o movimento Em tradução livre centro, os centros de dados (data centers), rumo à nuvem, esses equipamentos núcleo. É um dos múscu- agentes críticos para a transformação serão o centro das infraestruturas los mais importantes do das organizações, que precisam ser de TI da maioria das corporações do corpo humano, uma vez que dele cada vez mais dinâmicas e eficientes. futuro. Atualmente, boa parte delas depende a circulação sanguínea e a Ao encontro dessa ideia, a estratégia possui infraestruturas legadas que, alimentação de todas as células do da Cisco para o segmento se baseia apesar de entregarem desempenho organismo. Nas redes de dados atu- em oferecer uma arquitetura fim a fim e qualidade, geram altos custos de ais, o data center é o coração que de padrões abertos, que simplifica e operação e complexidade. Além dis- alimenta uma infinidade de terminais otimiza o desempenho, reduzindo so, com os consumidores se moven- conectados (fixos, móveis, virtuali- custos de propriedade e aumentando do cada vez mais para os ambientes zados etc). a produtividade. virtualizados, surge a necessidade de Para atender às atuais e futuras de- Durante o Cisco Plus 2012, no Rio combinar legado e novas tecnologias. mandas por dados, as empresas preci- de Janeiro, os data centers receberam “As ofertas de TI como serviço exi- 10
  11. 11. Conheça Cloud Embratel, a melhor formade obter recursos tecnológicos de formaimediata, dinâmica, segura e escalável.Simplificamos a gestão de TI para acelerar Cloud Embratel permite: Otimizar custos associados à administraçãoa competitividade de sua empresa. Contamos e operação de recursos tecnológicos e informáticos.com uma ampla e sólida capacidade tecnológica, Aumentar a produtividade de sua equipe, dando-lhes acesso a ferramentas de trabalho de qualquer localbaseada em uma estrutura de Data Center robusta, ou dispositivo a partir de uma conexão de internet.segura, facilmente adaptável e escalável de acordo Melhorar sua capacidade de resposta ao mercado, ajustando a capacidade e volume dos recursoscom a sua necessidade, com uma cobertura local necessários quando necessitar. Focar metas e objetivos próprios do seu negócio,que pode se estender a toda região. ao economizar tempo e recursos.Para mais informações, entre emcontato com o seu Gerente de Contasou acesse www.embratel.com.br/cloud 11
  12. 12. 1 conect 6 O UCS proporcionou, segundo a Cisco, economia de Não por acaso, em pouco maiscustos e benefícios significativos de negócios em todas as de dois anos desde o lançamento, o Sistema de Computação Unifica-indústrias e cenários do (UCS) tem captado a atenção de gerentes de data centers e CIOs de gem prontidão para missão crítica de hardware e software de ecossistemas todo mundo. Em fevereiro de 2012, aplicativos, velocidade nas configu- dos parceiros com maior flexibili- o Cisco UCS totalizou mais de 10 mil rações ‘self-service’ e economia, ou dade. clientes no mundo, incluindo 3 mil na seja, uma nova abordagem”, explicou Sobrepondo-se a isso, uma cartei- Europa e centenas na América Latina. Matt Erickson, gerente de desenvol- ra completa de serviços de ciclo de O UCS proporcionou, segundo a vimento de negócios e parceiros da vida para produtos de data center Cisco, economia de custos e bene- Cisco das Américas. “O que sugeri- permitem assistência de especialistas fícios significativos de negócios em mos é uma combinação do que há de em otimização, implantação e plane- todas as indústrias e cenários. Des- melhor nos dois mundos.” jamento da infraestrutura de TI, ser- de o início de sua distribuição, em A estratégia de data center da viços estratégicos de TI, arquitetura, julho de 2009, a solução unificada empresa se baseia em oferecer uma suporte técnico e gerenciamento de conquistou 53 recordes mundiais de arquitetura unificada de padrões operações. benchmarks de desempenho, além abertos (x86), que considera três A infraestrutura única, inteligente de dezenas de prêmios da indústria grandes pilares: fabric, computação e unificada, reduz as complexidades pela inovação. e gerenciamento unificados. “O foco do sistema ao mesmo tempo em que Parte do sucesso se explica pelo deixa de, simplesmente, estar sobre o otimiza para processos de virtua- trabalho da Cisco junto a fabricantes as tecnologias e passa para as reais lização, que exigem muita memória líderes da indústria de infraestrutura necessidades de cada negócio”, pon- e capacidade de I/O. Assim, o custo de software, incluindo BMC, CA, derou Erickson. do ambiente, ao longo de sua vida, é Citrix, EMC, Hitachi Data Systems, Fornecer conectividade com alta ve- bastante reduzido e cai, em sua tota- Microsoft, NetApp, Oracle, Red Hat, locidade e disponibilidade, com segu- rança e qualidade de experiência para lidade, 50% com a adoção da arqui- tetura da Cisco, segundo Erickson. SAP e VMware. • os aplicativos de data center, é o papel da infraestrutura e dos serviços de rede UCS integrados. Os sistemas de computa- O portfolio da empresa, dentro da ção, por sua vez, integram rede de aces- já tradicional linha UCS, inclui servi- so, armazenamento e gerenciamento dores blade e em rack, interconexões desses componentes em uma estrutura em fabric e o UCS Management, que escalável para aplicativos físicos e vir- gerencia todos os componentes do tualizados. O gerenciamento unificado sistema e configurações através de aumenta o ciclo de vida e a automação uma política unificada. Recursos simplifica a implantação e as operações como o Cisco Intelligent Automa- no data center. tion for Cloud (que inclui um portal self-service para configurações de Alta performance IaaS, incluindo catálogo, orquestra- Além disso, o Cisco Unified Data ção, governança, automação, ciclo Center oferece suporte às soluções de vida dos componentes etc) com- Cisco Hosted Collaboration. Os pa- plementam as soluções voltadas para drões abertos e as APIs permitem a nuvem e focadas em redução de integrar e gerenciar as soluções de custos e complexidade. 12
  13. 13. 13
  14. 14. 1 conect TELCOS LANÇAM OFERTAS DE SERVIÇOS GERENCIADOS Queda da receita dos serviços de voz leva operadoras a estruturarem ambientes baseados em cloud computingN os primeiros meses de alternativa das operadoras é investir te”. Segundo ele, os gestores de TI 2012, algumas operadoras em ofertas que gerem valor às corpo- buscam alinhar o uso da tecnologia de Telecom anunciaram rações e, consequentemente, sejam com resultados de negócios. planos e ofertas de serviços mais rentáveis às telcos. “Os merca- Citando dois exemplos de clientes de cloud computing, como forma de dos de cloud computing e managed que obtiveram sucesso com a con- materializar suas soluções de servi- service são os mais fortes dentro da tração de serviços de aceleração, ços gerenciados. Os alvos principais Telefônica Empresas, justamente por ele comenta: “uma rede varejista são as áreas de infraestrutura e segu- este perfil”. conseguiu ampliar em cinco vezes rança e o modelo de negócio se apoia A aceleração das conexões e a o número de validações de cartões na penetração da banda larga fixa e segurança são as ofertas que essas de crédito. Outro caso foi de uma móvel, principalmente para quando empresas já têm formatadas, inclusive multinacional de logística que tinha o cliente é uma pequena ou média com propostas customizadas para sido multada duas vezes no Porto empresa. cada demanda de negócio. A Embra- de Santos (litoral de São Paulo), por Com a estagnação de voz, Carlos tel, segundo André Arruda, gerente atraso na liberação da nota fiscal; e Ferreira, consultor de marketing da de produto, registra “êxito nesta ini- com a aceleração conseguiu zerar o Telefônica Vivo, argumenta que a ciativa já há 2 anos, aproximadamen- problema.” 14
  15. 15. Excelência em Treinamentos. Agora, Excelência em Consultoria. O grupo TELECON, associado a CTT Corporation na área de treinamento completa 28 anos, sendo líder de mercado na America Latina no segmento de Educação Tecnológica e possuindo sólidas parcerias com os fabricantes Cisco Systems e VMware. Com o objetivo de apoiar o Mercado de Canais, o grupo TELECON amplia suas atividades, com a atuação no segmento de Consultoria, através de sua nova unidade de negócios, a TELECON Services. Anos de experiência como Learning Partner e um time de profissionais certificados e altamente especializados estão a disposição para apoiar e desenvolver o seu negócio. Os serviços oferecidos pela Telecon Services serão exclusivos para Canais. Área de atuação em ConsultoriaRouting and Switching Wireless Segurança Data Center Telefonia IP Gerenciamento deTecnologias de Acesso Unified Computing Virtualização IP Contact Center Redes Serviços oferecidos na Consultoria Pré-vendas Pós-vendas Planejamento estratégico Implementação de Soluções Levantamento de necessidades Homologação de projeto piloto Desenho de projetos Reprodução em larga escala Definição da arquitetura Operação Assistida Validação de projetos Suporte Remoto Elaboração de Propostas Técnicas Monitoramento de Redes Auditoria de Redes Alocação de Profissionais Solicite sua cotação: (11) 2113-4888 services@telecon.com.br 15
  16. 16. 1 conect A Telefônica/Vivo anunciou uma oferta de serviços de infraestrutura de TI na nuvem (IaaS). Em parceria com VCE (Virtual Computing En- vironment, joint venture formada por Cisco, EMC, Intel e VMware), e batizada de Vivo Cloud Plus, a oferta também reforça o entrada da operadora no segmento de soluções de TI na nuvem. Trata-se do primeiro produto da empresa lançado sob a marca unifi- cano de cloud services alcance US$ da Vivo no País, os investimentos inin- cada da Vivo. Os serviços já existem 5 bilhões até 2013. terruptos feitos nos últimos 10 anos e na Europa desde o segundo semestre Para a oferta na América Latina, a forma de trabalhar totalmente seg- de 2011, e o desempenho positivo a Telefônica/Vivo utiliza cinco data mentada, na qual cada cliente conta naquela região estimulou o lança- centers na região, instalados no com uma área de vendas, comercial e mento na América Latina, em cinco países simultaneamente. “O cliente consegue contratar, de 6 Executivos de TI de médias e grandes empresas acreditam forma 100% modular e flexível, capa- que cloud não é mais uma novidade tecnológica, mas um cidade de processamento, backup e modelo que terá crescimento constante nos próximos anos armazenamento para crescer ou dimi- nuir operações na nuvem, conforme a necessidade”, explica o diretor exe- cutivo da Telefônica/Vivo, Maurício Brasil, Argentina, Chile, Colômbia pós-venda 100% especializada, são os Azevedo. “A rede não é simplesmente e Peru. “Os serviços na nuvem de- diferenciais de nossa oferta de cloud parte adicional de um produto, mas vem alavancar a adoção de serviços no País”, defende Azevedo. integrante dele. Esse produto engloba terceirizados da infraestrutura de TI, A Telefônica/Vivo possui uma rede, infra e gestão.” que é nossa especialidade”, explica estratégia global para serviços de Azevedo. cloud, tendo criado uma área espe- Alta demanda Para Rodrigo Abreu, presidente da cífica para o desenvolvimento dessas Os serviços são endereçados ao Cisco do Brasil, as operadoras têm soluções. A parceria com a Cisco e a mercado corporativo, cuja demanda um papel fundamental na oferta de VCE tem o objetivo de prover uma por procesamento na nuvem é cres- serviços em nuvem, pois elas detêm arquitetura única para os países em cente. Uma pesquisa do IDC Brasil um ativo fundamental: a rede. “É na- que a companhia está presente. No com 325 executivos de TI de médias tural que exista essa integração”, diz. Brasil, a operadora estima que os ser- e grandes empresas aponta que 98% A oferta de infraestrutura como ser- viços na nuvem respondam por 1/3 acreditam que cloud não é mais uma viço da operadora é composta por um do crescimento de serviços de TI em novidade tecnológica, mas um mo- portfolio voltado a empresas de todos 2012. Na América Latina, o segmen- delo que terá crescimento constante os portes, especialmente as médias to atende a mais de 2 mil empresas nos próximos anos. A própria Cisco e grandes. “A capilaridade nacional e, entre as mil maiores, 30% utilizam estima que o mercado latino ameri- combinada das redes da Telefônica e soluções de TI e conectividade. • 16
  17. 17. Melhorar O atendimento ao clienteAumentar A geração de receitaAprimorar A eficiência das agênciasCom o software de otimização da força de trabalho criadoespecificamente para atender as necessidades das instituições financeiras,você pode maximizar o desempenho operacional das agências:  Atribuir os recursos certos na hora certa  Cumprir com os prazos alcançando alta qualidade no atendimento ao cliente  Aumento nas vendas dos produtos e serviços  Visibilidade em processos administrativos para garantir as melhores práticas  Aumento na eficiência operacional para reduzir custos  Descubra como as soluções de Serviços Financeiros de Varejo da Verint® podem ajudar no alcance da excelência operacional em suas agências. Visite ou ligue sacbrasil@verint.com • +55 (11) 2933-9150. © Copyright Verint Systems Inc. 2012. All Rights Reserved Worldwide. 17
  18. 18. 1 capa BANCOS INTENSIFICAM INVESTIMENTOS EM TIC Para acompanhar o aumento do consumo e os avanços do poder aquisitivo da população, instituições aumentam aportes em novas tecnologias para atedimento eletrônico. Mobile banking é um dos destaquesO s brasileiros estão mais e elaborado pela Federação Brasileira Os investimentos e despesas em mais ativos nos relacio- dos Bancos (Febraban), em parceria tecnologia dos bancos no Brasil ti- namentos com os bancos. com a consultoria Booz Company. veram um crescimento de 11% em Uma das provas dessa as- O estudo também identificou aumen- 2011, atingindo R$ 18 bilhões. O censão é o aumento de 7% no número to nas transações feitas pelo internet montante consolida o setor como o de agências em operação no País entre banking e por dispositivos móveis principal usuário de TI do Brasil, de 2010 e 2011, de acordo com estudo – smartphones e tablets. acordo com a pesquisa. 18
  19. 19. 6 Investimentos e despesas em tecnologia dos bancossomaram R$ 18 bilhões em 2011 Um dos destaques do estudo é o au- melhantes aos observados em outros dade Conectada”. Este ano, o eventomento de 49% das operações bancárias países. Em 2010, o Brasil tinha 9,1 deve receber 19 mil representantesfeitas por meio de dispositivos mó- terminais para cada 10 mil habitantes, dos bancos, demais instituições finan-veis – mobile banking –, como smar- com 4.295 transações por mês. Nos ceiras e de empresas de TI, e registrartphones e tablets. De acordo com o Estados Unidos, são 13,8 terminais, até 1,9 mil congressistas (mantendo olevantamento, existem 3,3 milhões de com 2.303 transações por mês. perfil internacional de seu congresso).correntistas no Brasil com acesso aos Essas e outras informações serão Entre os mais importantes congressosserviços bancários por dispositivos apresentadas e debatidas durante o de bancos e a maior exposição demóveis. Em 2010, eram 2,2 milhões. Ciab Febraban 2012, que acontece TIC do País, o evento deve ter cerca As estimativas da Febraban apon-tam que até 2018 as transações em São Paulo, com o tema “A Socie- de 200 expositores. •por dispositivos móveis serão tãoexpressivas quanto as feitas pela in-ternet fixa. Os dados mostram que, 6 Espaço Inovação:em 2011, 42 milhões de correntistas oportunidade para as startupsusaram a internet para acessar os ser-viços bancários, 11% a mais que em Em sua oitava edição, o Espaço Inovação, iniciativa conjunta da Federação2010 (38 milhões). Em 2002, os cor- Brasileira de Bancos (Febraban) e do Instituto de Tecnologia de Softwarerentistas que tinham acesso à internet (ITS), contará com o apoio da Cisco do Brasil durante o CIAB 2012. Anão passavam de 9 milhões. Segundo iniciativa busca identificar, entre as startups brasileiras, soluções quea Febraban, a média de crescimento contribuam para a modernização do setor bancário e financeiro, melhorandoanual foi de 18%. qualidade do atendimento e aumentando a segurança, entre outros fatores. Foram realizadas 66,4 bilhões detransações bancárias, 12% a mais do “O objetivo é agregar valor aos serviços financeiros no Brasil”, explicaque em 2010. Destas, 15,7 bilhões fo- Descartes de Souza Teixeira, presidente do conselho do ITS e coordenadorram via internet, número 25% maior do comitê de seleção. “Temos escolhido empresas e soluções tão boasque em 2010. No caso do autoatendi- que muitas delas hoje são fornecedoras do setor bancário, algumas commento nos terminais, foram registrados estandes próprios dentro do CIAB.”9 bilhões de acessos, representando umcrescimento de 14% sobre 2010, quan- O Espaço, pondera Teixeira, contribui muito para a inovação do setor. Provado houve 8,6 bilhões de transações. disso é que a Febraban continua com a iniciativa ano após ano. É o maior O número de terminais de autoaten- estande coletivo do evento, com 24 soluções expostas, e também o maisdimento (ATM) chegou a 182 mil, con- visitado – em 2011 foram mais de 4 mil interessados. “O Espaço é a grandetra 179 mil em 2010. O estudo aponta, vedete do CIAB”.ainda, que a taxa de penetração dosATM no Brasil já chegou a níveis se- Mobilidade e segurança prometem ser os grandes destaques da edição deste ano. E a expectativa de sucesso é grande. “O comitê avaliou que a qualidade das soluções deste ano é maior que a dos anos anteriores”,6 42 milhões de correntistas comemora Teixeira. “Os visitantes irão se encantar com o que nossausaram a internet para moçada anda fazendo.”acessar os serviços bancários 19
  20. 20. 1 capaCLIENTE OUPARCEIRO, EIS AQUESTÃO? Equipe brasileira de suporte a rede IP do HSBC é a única no Grupo no mundo a ter 100% dos profissionais com certificação Cisco CCNAO empenho e o alto inves- de todas as certificações e instrutor do Gerenciando mais de 7 mil dispo- timento dos parceiros Programa Cisco Networking Academy. sitivos de rede no Brasil todo, Souza da Cisco no treinamen- diz que a equipe não tem oportuni- to e certificação de seus dade de errar, “por isso temos que profissionais, nas várias categorias fazer certo e na melhor configuração tecnológicas da fabricante, é algo possível da primeira vez, para permi- comum. Inusitado, no entanto, é ver tir estabilidade e disponibilidade”. um cliente com a mesma dedicação, Para ele, o fato dos serviços ban- e mais, com um número de profis- cários serem considerados uma com- sionais certificados equivalente a modity torna a disponibilidade dos um parceiro Silver. Este é o perfil da serviços um grande diferencial com- equipe de rede IP do HSBC Brasil, petitivo. Como as pessoas estão cada responsável por toda a rede do Ban- vez mais dependentes dos cartões e os co, e cujo padrão mundial é Cisco. bancos oferecem cada vez mais servi- As 16 pessoas do grupo lidam ços pelos canais eletrônicos, há uma diariamente com projetos, instala- maior pressão por disponibilidade da ção, configuração e gerenciamento rede, segundo o executivo. “Brinco de roteadores, switches e de todos que na rede do HSBC não passa bit, os dispositivos de rede presentes na passa dinheiro”, conta Souza. infraestrutura. A certificação, indi- O plano de certificação dos pro- ca Marcos Souza, gerente de área “Já temos duas pessoas fissionais foi previsto para três anos de rede IP, é importante porque se com certificação CCNP, e começou em 2011. A meta inicial traduz em inovação, melhor servi- que exige três provas. era que 100% das pessoas tivessem a ço e maior disponibilidade para os certificação CCNA (Cisco Certified clientes do Banco. Em 2013 vamos ter pelo Network Associate), a segunda certi- “Temos switches no core da rede menos duas pessoas ficação da pirâmide, já que em 2010 com uptime de mais de 4 anos, e só com CCIE e todo o foi criada uma nova certificação de chegamos a este nível de estabilidade entrada, a Certificação CCENT (Cer- restante da equipe com em função da capacitação da equipe, tified Entry Networking Technician). ou seja, algo que chamo de fazer certo certificação CCNP” Três empresas estão envolvidas no da primeira vez”, afirma Souza, dono — marcos souza, do hsbc projeto: o HSBC, a Dimention Data 20
  21. 21. (integradora) e a Cisco, as duas últi- 6 Três empresas estão envolvidas no projeto: o HSBC,mas fornecendo os vouchers para as a Dimention Data (integradora) e a Cisco, as duas últimasprovas. Já em 2011, 100% da equi- fornecendo os vouchers para as provaspe de rede IP do banco conseguiu acertificação CCNA, exigência que é o único banco no Brasil a oferecer atitudes, novas ideias e várias inovaçõesagora é porta de entrada inclusive acesso a internet WiFi nos aeroportos que têm sido consistentemente reco-para os estagiários. “Nosso trabalho onde possui sala VIP, compartilhando nhecidas pelos Programas internos,exige esse conhecimento... Temos a infraestrutura WiFi da Infraero. como é o caso do Destaque HTS, umque nivelar por cima ...”, cita Souza. Hoje o nível de certificação das reconhecimento trimestral pelas boas Ele conta que a meta para 2012 é pessoas orienta o plano de treina- ideias e atitudes que fizeram a diferençater ao menos um CCIE (Certified In- mento da equipe, e é considerado na em IT. “Nossa equipe já coleciona 17ternetwork Expert) e diz que o grupo avaliação de desempenho, que sensi- premiações”, orgulha-se Souza.já trilha este caminho. Já temos duas biliza o bônus. A equipe do HSBC se Uma das ideias premiadas se chamapessoas com certificação CCNP, que equipara a um Silver Partner da Cis- “HSBC e a Mina de Ouro na Terraexige três provas. Em 2013 vamos co e busca novas certificações para do Sol”, uma solução de ativação deter pelo menos duas pessoas com conquistar perfil de Gold Partner até um Posto de Atendimento BancárioCCIE e todo o restante da equipe 2013. “Não somos uma empresa de usando VPN Internet no meio decom certificação CCNP. tecnologia, somos um banco e tudo uma mineradora, onde nenhuma ope- Esse esforço trouxe ganhos inte- é feito com esforço pessoal e fora do radora de Telecom fornecia recursos.ressantes – diversas pessoas que fize- horário de trabalho”, ressalta Sou- Outro projeto vencedor foi a recicla-ram CCNA (routing) estão buscando za. “Há também uma iniciativa de gem dos cabos de rede retirados dasoutras especialidades. “Já temos pes- mentoring, onde quem atingiu uma instalações do banco por uma em-soas com duplo CCNA como rou- certificação maior tem, por função presa parceira. “Muito mais do queting + wirelless, routing + seguran- ajudar os demais”, acrescenta. o conhecimento que gera reconhe-ça”, confirma Souza, contando que Em função dessa agitação gerada cimento, temos hoje uma poderosao movimento já produz resultados pelas certificações, o executivo conta ferramenta de motivação, inovaçãotambém em outras equipes, comoo time de suporte de segundo nível, que a equipe conseguiu fomentar novas e gestão”, finaliza Souza. •em que já existem dois profissionaiscom CCNA. “Agora estamos levandoa ideia para o time de primeiro nível e 6 Conheças as certificações Ciscoesperamos ter pelo menos um CCNAaté o final do ano”, revela. EXPERT Outro ganho importantíssimo CCIE (Cisco Certified Internetwork Expert)é a inovação. O HSBC, de acordo Capacitação: Roteamento e comutação; Comutação WAN; Discagem ISP;com Souza, foi a primeira e única Integração SNA/IP; Projetoinstituição financeira do Brasil aparticipar do Projeto de Troca de PROFESSIONALTráfego do Comitê Gestor da Inter- CCNP (Cisco Certified Network Professional)net Brasil (PTT-BR), uma espécie de CCDP (Cisco Certified Design Professional)zona franca de troca de tráfego de Capacitação: Roteamento e comutação; Comutação WANinternet, por onde é escoado 20% ASSOCIATEo tráfego de internet o banco “com CCNA (Cisco Certified Network Associate)excelente desempenho e economias CCDA (Cisco Certified Design Associate)significativas”, afirma. Capacitação: Roteamento e comutação; Comutação WAN (apenas CCNA) Outra solução inovadora: “o HSBC 21
  22. 22. 22
  23. 23. 23
  24. 24. 1capa NAS ONDAS DO VÍDEO, HSBC GANHA EFICIÊNCIA Instituição renova infraestrutura e expande uso de videoconferência em processos internos M aior cliente da plataforma de rápido crescimento. Já as salas de vi- iniciativa tem proporcionado saltos de colaboração Cisco WebEx deoconferência estão instaladas nas eficiência e produtividade”, acrescenta. no mundo, o HSCB tem en- unidades do banco que concentram Para propiciar a adoção das pla- contrado no uso de siste- maior número de usuários e onde taformas de vídeo, a equipe de TI mas para transmissão de imagens uma estão aqueles que precisam de inte- do HSBC precisou promover um solução para aumento de eficiencia e ração com o resto da empresa. upgrade da infraestrutura e apro- ganho de produtividade. Assim, a ope- veitou para integrar os serviços em ração banco brasileira da instituição Treinamento uma mesma rede. Assim, o ambiente dedicou o ano de 2011 à atualização A transmissão de vídeo também fun- anterior, dedicado ao transporte de e expanção das salas de videoconfe- ciona como plataforma de treinamento vídeo, foi totalmente substuído por rência para 63 pontos, com endpoints dos funcionários das agências. O ambien- uma rede IP. “A rede V35 não exis- de vídeo espalhados pelo País. O mo- te estabelece o conceito de nivelamento te mais há muito tempo. Foi criada vimento alterou o comportamento de e padronização dos serviços do banco quando o banco implantou seu pri- todos os profissionais, que mudaram através da promoção de boas práticas. meiro sistema de videoconferência, hábitos de deslocamento e registra- “O objetivo é identificar boas prá- mas há 4 ou 5 anos foi migrada para ram maior agilidade na comunicação ticas em um determinado segmento e IP, porém com equipamentos que interna. repassá-las aos demais”, pontua Leon. apresentavam limitações em relação “A interação por vídeo parece ser “Junto com o serviço de coaching, a a QoS e à velocidade de banda, o que mais efetiva. Hoje, nossos usuários degradava a qualidade”, lembra Leon. têm intensificado a procura por um Na atualização tecnológica, os sistema de videopresença”, resume usuários ganharam não só um novo Angel Leon, gerente de área de co- padrão de imagem, agora em HD, laboração do HSBC, a satisfação do como tiveram a velocidade de co- público interno com a nova infraes- nexão aumentada para o padrão de trutura oferecida no Brasil. 512 Kbps e algumas salas para até 2 As salas de videoconferência, se- Mbps, além do uso de telepresença. gundo ele, não são exatamente uma novidade para o HSBC, lembrando, Telepresença que utiliza o recurso há mais de 15 Nos próximos meses, o HSBC deve anos. Mas a adoção de sistemas pes- ter instalada também uma sala de tele- soais de vídeo chama a atenção no presença no condomínio de São Paulo, comportamento atual. “A partir de semelhante às que já existem nas ope- notebooks e desktops, os usuários “A interação por vídeo rações no resto do mundo. podem tanto fazer conferências ponto Angel Leon informa que “a atualiza- a ponto, como ligações telefônicas, ou parece ser mais efetiva. ção da infraestrutura abriu caminho mesmo usar o sistema multiponto”, Hoje, nossos usuários para o vídeo em HD, o compartilha- indica o gestor. têm intensificado a mento de serviço e da infraestrutura”. Hoje, um grupo de aproxima- Segundo ele, o banco agora dispensa procura por um sistema damente 750 usuários de nível ge- conexões ISDN (Integrated Services rencial faz uso intenso do sistema, de videopresença” Digital Network) para se comunicar e a tendência, segundo Leon, é de — angel leon, do hsbc com outras empresas ou instituições. • 24
  25. 25. 25
  26. 26. 1 voz do cliente MICHAEL PAGE TERCEIRIZA SUPORTE A SISTEMAS E REDES IP Com prazo de três anos, contrato selado América Latina, a escolha se deu pelo com a Dimension Data inclui mais de 700 bom e longo relacionamento já existen- equipamentos como telefones, roteadores, te entre as duas empresas. “A Dimension Data implementou toda a infraestrutura switches e call managers de telefonia IP, videoconferência e redes com tecnologia Cisco nos escritórios la- tino americanos da Michael Page. Sem- pre tivemos um ótimo relacionamento com seus profissionais que possuem um perfil qualificado e que atende às nossas necessidades. Isso motivou o fe- chamento deste novo contrato”, afirma. Com o acordo, a Dimension Data será responsável por toda a manutenção do parque de equipamentos Cisco existen- te na Michael Page América Latina. A estrutura compreende 700 telefones, roteadores, switches e call managers que serão cobertos por uma garantia da Dimension Data. O projeto envolve também equipamentos de videoconfe- rência e servidores Cisco. Para Cardoso, os benefícios do contrato para o departamento de TI da Michael Page vão além da redução de custos para a manutenção dos equi- pamentos. “O core business da Michael Page não é telefonia, nem tecnologia da informação. Ao mantermos este serviço com um parceiro qualificado, permitimos que nossos profissionais A Michael Page, empresa desenvolvimento, suporte e geren- de TI desenvolvam atividades mais global dedicada à área ciamento de infraestruturas de TI estratégicas para o negócio”, ressalta. de recrutamento e sele- – para desenvolver um projeto que Além do Brasil, a Michael Page tem ção de executivos para envolve o suporte a toda a estrutura operações na Argentina, México, Chile, empresas de grande e médio porte, de telefonia IP, redes e videoconfe- Colômbia, Uruguai e Peru e todos os optou pela Dimension Data - mul- rência da empresa em seus 24 escri- escritórios da empresa contam com tinacional focada em serviços de tórios na América Latina. infraestrutura de telefonia IP, videocon- tecnologia da informação e prove- De acordo com Leonardo Cardoso, ferência e redes com tecnologia Cisco dora de soluções de planejamento, gerente de TI da Michael Page para a implementada pela Dimension Data. • 26
  27. 27. TRADING ADOTA REDE DEBAIXA LATÊNCIA EM AMBIENTEDE MISSÃO CRÍTICAAmericos Trading Group renova rede de negociação paramelhorar oferta de serviços na América LatinaE m 2012, de forma visioná- tornaram-se premissas fundamentais no switches de última geração HFT – Ne- ria, a ATG (Americas Tra- negócio da ATG. xus; e de roteadores de grande porte. ding Group) – empresa que O grande desafio foi entender os Foi implantada uma rede em alta dis- fornece serviços e soluções objetivos de negócio da empresa com ponibilidade distribuída em dois datade e-commerce para investidores foco em seus clientes finais, para ofertar centers distintos em São Paulo, sendono mercado de capitais – decidiu uma solução de acordo com essas ex- um deles dentro da própria Bolsa, bemposicionar-se em um novo nicho de pectativas e necessidades, e levando em como a construção da infraestrutura domercado, sendo pioneira na presta- consideração o pouco tempo para rea- escritório da matriz.ção de serviços de alto valor agre- lização do projeto – cerca de 4 meses. Posteriormente, a mesma arquitetu-gado no Brasil. Para tanto, investiu O objetivo do projeto foi desenhar ra foi replicada para os data centersmassivamente em inovação e, den- a estrutura tecnológica junto com os do México e Chile, aumentando ain-tre as soluções, desenvolveu uma executivos da ATG, possibilitando que da mais a abrangência do negócio naplataforma de produtos e serviços a empresa oferecesse seus produtos em América Latina.multibroker de Electronic Trading. uma estrutura tecnológica de ponta. As medições e resultados obtidos com A iniciativa conta com uma rede de Como resultado viria o reconhecimento o projeto apontam para diminuição drás-negociação de baixíssima latência, algo- da organização como o principal player tica no tempo de processamento totalritmos proprietários de execução, tela de roteamento de ordens em HFT da (round-trip) das ordens ao patamar dede negociação, dentre outros produtos. América Latina, criando um ambiente de microssegundos (menor nível de latência baixíssima latência para clientes institu- possível com as tecnologias atuais).Objetivos cionais da Europa e dos Estados Unidos. Os beneficiados com o projeto são Com a adoção cada vez maior de A solução, desenhada pela Proof os clientes da ATG, que ganharam comsistemas com tecnologia HFT – High em conjunto com o time da ATG, foi acesso confiável e extremamente rápidoFrequency Trading – maior velocida- baseada na tecnologia Cisco. Para e hoje podem contar com a rede maisde e maior resiliência (disponibilidade) o projeto, foram utilizadas as linhas de • eficiente de trading da América Latina. 27
  28. 28. 1 inovação A BOLA DOS dutivo Básico) e, portanto, concede incentivo fiscal a equipamentos com grande percentual de nacionalização. INVESTIMENTOS Outra parcela do orçamento de R$ 1 bilhão será aplicada em inovação, trans- ESTÁ EM JOGO formação e desenvolvimento socioeco- nômico. Rodrigo Abreu, presidente da operação local, anunciou as seguintes iniciativas: 1 - Abertura de um centro Com aporte de R$ 1 bilhão até 2014, Cisco de inovação da Cisco no Rio de Janei- ro; 2 - Investimentos em um fundo de traz fabricação de roteadores e switches Venture Capital focado na tecnologia para o Brasil, em SP; abrirá centro de da informação e comunicação e eco- nomia digital no Brasil; 3 - Expansão pesquisas no Rio de Janeiro; investirá em da produção local; 4 - Acordos de pro- um fundo de Venture Capital; e priedade intelectual e parcerias com empresas e entidades brasileiras para o desenvolverá acordos de propriedade codesenvolvimento de inovações para intelectual e parcerias com empresas e melhor atender ao mercado. A Cisco espera que esses investi- entidades brasileiras mentos gerem cerca de 800 empregos no Brasil, direta ou indiretamente, A Cisco mundial está de bem linha que já foi expandida duas vezes, via seu ecossistema de parceiros e, com o Brasil. Foi com esta segundo presidente da companhia principalmente, que criem uma pla- sensação que usuários e no País, Rodrigo Abreu. Desta vez, taforma para a inovação e empre- parceiros da fabricante vi- o projeto inclui a fabricação local endedorismo de alta tecnologia no venciaram os três dias do Cisco Plus alguns best-sellers nas linhas de swi- País. “Os investimentos representam Brasil 2012, evento no qual se deba- tches e roteadores. o comprometimento da Cisco com tem principalmente, tendências tec- O projeto está em linha com as re- as principais prioridades brasileiras nológicas e oportunidades de negó- gras da lei de informática, que define de inovação e sua presença de longo cios. A operação brasileira da empresa o conceito de PPB (Processo Pro- prazo por aqui”, determinou Abreu. chegou à maioridade (completou 18 anos) e, com isso, trouxe algumas con- quistas para o País, sumarizadas em R$ 1 bilhão de investimentos a partir deste ano até 2014. Os executivos locais tanto tentaram que conseguiram aprovação para a instalação de uma fábrica local de swi- tches e roteadores. São Paulo sediará a iniciativa, que começa a funcionar já neste ano, utilizando a infraestrutu- ra da sua parceira global Flextronix. A previsão é que os primeiros equi- pamentos estejam no mercado já no último trimestre do ano. Os investimentos em produção da Cisco no Brasil foram inaugurados Cisco Plus Brazil 2012 contou com a presença do Ministro das Comunicações, em 2011, com a fabricação de set- Paulo Bernardo, do Governador do Estado do Rio de Janeiro, Sergio Cabral, e do top boxes em Manaus (Amazonas), Prefeito da Cidade do Rio de Janeiro, Eduardo Paes 28
  29. 29. Apoio político Edition 3000 e do licenciamento da Os anúncios foram feitos durante a tecnologia Cisco Unified Communi-cerimônia de abertura do Cisco Plus cations para determinados telefonesBrazil 2012, no Rio de Janeiro, evento e gateways IP da Intelbras.que contou com a presença do Ministro A Cisco e a Intelbras disponibili-das Comunicações, Paulo Bernardo, zarão o Cisco Business Edition 3000do Governador do Estado do Rio de utilizando mais de 10.000 canais par-Janeiro, Sergio Cabral, e do Prefeito da ceiros da Intelbras no Brasil. As em-Cidade do Rio de Janeiro, Eduardo Paes. presas de médio porte - com até 300 Sobre o Centro de Inovação da usuários – poderão desfrutar dosCisco no Rio, Abreu informou que o benefícios de um sistema eficiente deplano é desenvolver novas soluções de Comunicações Unificadas, com fun-tecnologia especialmente adaptadas cionalidades profissionais que podemàs necessidades brasileiras. A principal “Os investimentos suportar um crescimento futuro.atividade do centro será integrar o representam o Também foi anunciado um acordo deportfolio Cisco com tecnologias pro- Programa de Transformação de Forçaduzidas por empresas locais, criando comprometimento da de Trabalho (WTP na sigla em inglês)soluções que atendam às necessidades Cisco com as principais e um memorando de entendimento dedo mercado brasileiro. prioridades brasileiras parceria com o SENAC-RJ (Serviço Inicialmente, o Centro de Inovação Nacional de Aprendizagem Comercial),se concentrará no desenvolvimento de inovação e sua que beneficiará mais de 1.000 estudan-de soluções para o desenvolvimento presença de longo tes do Rio de Janeiro, interessados emurbano (Smart+Connected Commu- prazo por aqui” iniciar uma carreira em rede.nities), esportes e entretenimento, — Rodrigo Abreu, A importante área de Pesquisa esegurança pública, educação e saúde. da Cisco do Brasil Desenvolvimento, o Planetary SkinÁreas adicionais de solução serão Institute, uma organização globalintegradas em 2013, incluindo Óleo independente de pesquisa e desen- Gás e Smart Grid/rede elétrica. de empresas pequenas e médias de alto volvimento e sem fins lucrativos, ini- crescimento nos setores de tecnologia, cialmente incubada pela Cisco e pelaFundo de investimento mídia digital e telecomunicações. NASA, desenvolveu diversos acordos Já o Fundo de Venture Capital para com instituições brasileiras líderesTIC e Economia Digital terá como prio- Transferência tecnológica na área de PD no governo, na árearidade o incentivo ao desenvolvimento A Cisco também está buscando acadêmica e no setor privado parade novas empresas brasileiras de tec- oportunidades para desenvolver o desenvolvimento em parceria denologia e empreendedorismo no país. acordos com empresas e entidades plataformas de decisão, sobre gestão O plano da fabricante é investir até locais, para atender áreas-chave do de riscos e de recursos, que são funda-R$ 50 milhões, além do aporte de mercado brasileiro e para incentivar o mentais para a manutenção da posiçãoinvestidores locais, que se tornarão desenvolvimento de tecnologia local, de destaque internacional do Brasilparceiros no veículo de investimento ao mesmo tempo em que fortalece em desenvolvimento sustentável.a ser administrado pelo gestor de fun- o setor brasileiro de TIC. Abreu finalizou dizendo que a Ciscodos escolhido. O mercado brasileiro Recentemente, foi anunciado um continuará a expandir suas iniciativas dede tecnologia de informação e comu- acordo de propriedade intelectual com responsabilidade social corporativa nonicação tem um enorme potencial a Intelbras para atender ao crescente País, particularmente com o programaeconômico e de inovação. mercado de telefonia por IP (Internet Cisco Networking Academy, que conta Ao reconhecer esse potencial, a inten- Protocol) Protocolo de Internet no Brasil. com cerca de 25.000 estudantes anual-ção da Cisco é acelerar a introdução de As empresas estão trabalhando em mente no Brasil, em mais de 250 centrosnovas tecnologias e fornecer vantagem conjunto para ajudar os negócios bra- acadêmicos. O programa estabeleceucompetitiva com investimentos pionei- sileiros de pequeno e médio porte parcerias com diversas instituições públi-ros em inovações tecnológicas emer- a atingir a colaboração pelo uso do cas e privadas para continuar a expansãogentes, apoiando o desenvolvimento recém-anunciado Cisco Business do número de estudantes no país. • 29
  30. 30. 1 inovação INFORMATIZAÇÃO DA SAÚDE AUMENTA EFICIÊNCIA DO SETOR Hospitais, clínicas e laboratórios investem na integração da informação, mas ainda pecam na segurança dos dados, concluem especialistas durante o evento Cisco Plus Brasil 2012. Avanços da Rede D´Or, com a consolidação de informações e adoção da tecnologia IP também foram destacados A segurança da informação rança na saúde é muito debatido em numa pontuação mais alta, a norma foi um dos temas de maior países como o Reino Unido, EUA e 27799. Foram avaliadas questões li- destaque durante o Cisco Austrália, que têm legislações espe- gadas aos processos de segurança Plus Brazil 2012. O Forum cíficas. No Brasil, a Associação Bra- e, também, relativas aos sistemas de Vertical de Saúde, que aconteceu no sileira de Normas Técnicas (ABNT) já prontuário eletrônico. terceiro dia do evento, apresentou traduziu a Norma 27001, genérica, e a Gottberg explica que a implanta- não só a carência dos hospitais nessa Norma 27799, específica para área de ção de prontuários eletrônicos, que área, como, também, os avanços da saúde. O que se nota é que a crescente ganhou força nos últimos cinco anos, telemedicina e outros serviços que informatização dos prontuários vem muda o paradigma de segurança nos exploram os recursos da tecnologia trazendo novos desafios ao setor. hospitais. Antes, os dados ficavam da informação e comunicação. Gottberg comenta, ainda, quea atu- guardados em prontuários físicos A pesquisa assinada pela Escola ação da Cisco no segmento tem como e a garantia de sua confiabilidade e Paulista de Medicina e conduzida objetivo ajudar os hospitais a melhor confidencialidade era dos médicos por Heitor Gottberg, atualmente ge- definir e implementar a gestão da segu- e enfermeiros. Com o prontuário rente de negócios para healthcare da rança da informação, por meio de um eletrônico, os dados ficam arma- Cisco, sobre Gestão da Segurança da portfolio e uma arquitetura completa, zenados em servidores e é preciso Informação em Hospitais, apontou que vai desde a segurança de borda, avaliar como os hospitais estão se que as unidades brasileiras de saúde para evitar ataques, até a segurança preparando para garantir o mesmo ainda têm muito que evoluir nesta interna, por meio de aplicativos que ga- grau de confiabilidade. área. O objetivo era identificar quão rantem que nenhuma informação será Esse, aliás, é um dos três pilares nos protegidos estão os prontuários dos retirada da empresa sem permissão. quais a pesquisa foi baseada: confi- pacientes. Para isso, definiu-se um A pesquisa foi realizada em 2009, dencialidade, integridade e disponi- “padrão ouro” que foi aplicado a um através de um questionário que me- bilidade, com 11 capítulos dedicados grupo seleto de hospitais. dia a aderência dos hospitais às re- às normas, incluindo temas como po- Segundo Gottberg, o tema da segu- comendações das normas 27001, e, lítica, contratos de confidencialidade 30

×