Urina rotina

1.652 visualizações

Publicada em

Exame de urina, caracteristicas, estudo.

Publicada em: Saúde e medicina
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.652
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
3
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Urina rotina

  1. 1. Faculdades Integradas Pitágoras Curso de Medicina Adalton Meireles Cínthia Corrêa Jessica Fargnoli Karide Ladeia Luara Paiva Maria Fernanda Sales Poliana Diniz Waldomiro Junior Relatório: Exame de Urina tipo I Montes Claros 2014
  2. 2. INTRODUÇÃO O exame de urina é usado como método diagnóstico complementar desde o século II. Trata-se de um exame indolor e de simples coleta, o que o torna muito menos penoso para os pacientes do que as análises de sangue, que só podem ser colhidas através de agulhas. O exame sumário da urina pode nos fornecer pistas importantes sobre doenças sistêmicas, principalmente as doenças dos rins. (PINHEIRO, 2014). Como via de excreção, a urina "traduz" o estado fisiológico do organismo, baseando-se nas suas características de quantidade, aspecto físico, presença ou não de elementos anormais e sua composição bioquímica. (BIOMEDICINABRASIL, 2014) O exame de urina é um dos exames complementares coadjuvantes mais utilizados na clínica. A análise da urina pode ser feita quanto à quantidade; densidade; pH; aspecto físico (cor, transparência, cheiro, etc.); presença ou não de elementos e sedimentos anormais e de germes; composição bioquímica e pesquisa microscópica. (ROSSINI, 2013). Muitas substâncias são encontradas regularmente na urina, em taxas fisiológicas normais, mas podem estar aumentadas em determinadas condições patológicas, entre as quais se conta a glicose, a ureia, a creatina, o ácido úrico, o sódio, o cloreto, o potássio, o cálcio, o magnésio, a amônia, o fosfato e o sulfato. (CARDOSO, 2011) Por ser fornecer muitas informações sobre as principais funções metabólicas do organismo e por ser de rápida obtenção e fácil coleta e análise, o exame de urina é muito requisitado em laboratórios, pois não só detecta doenças renais, mas também o início assintomático de doenças metabólicas, como o diabetes mellitus e hepatopatias. A obtenção da amostra de urina é fácil e rápida, comumente o laboratório pede ao paciente a primeira urina da manhã (no caso para exame de urina tipo 1), sempre feita uma assepsia antes da coleta para evitar contaminações.(ROSSINI, 2013).
  3. 3. METODOLOGIA O EAS é o exame de urina mais simples, feito através da coleta de 40-50 ml de urina em um pequeno pote de plástico. Normalmente é solicitado que se use a primeira urina da manhã, desprezando o primeiro jato. Esta pequena quantidade de urina desprezada serve para eliminar as impurezas que possam estar na uretra (canal urinário que traz a urina da bexiga). Após a eliminação do primeiro jato, enche-se o recipiente com o resto da urina. A primeira urina da manhã é a mais usada, mas não é obrigatório. A urina pode ser coletada em qualquer período do dia. A amostra de urina deve ser colhida idealmente no próprio laboratório, pois quanto mais fresca estiver, mais confiáveis são os seus resultados. Um intervalo de mais de duas horas entre a coleta e a avaliação pode invalidar o resultado, principalmente se a urina não tiver sido mantida sob refrigeração. O EAS é divido em duas partes. A primeira é feita através de reações químicas e a segunda por visualização de gotas da urina pelo microscópio. Na primeira parte mergulha-se uma fita na urina, chamada de dipstick. Cada fita possuiu vários quadradinhos coloridos compostos por substâncias químicas que reagem com determinados elementos da urina. Esta parte é tão simples que pode ser feita no próprio consultório médico. Após 1 minuto, compara-se a cores dos quadradinhos com uma tabela de referência que costuma vir na embalagem das próprias fitas do EAS. Através destas reações e com o complemento do exame microscópico, podemos detectar a presença e a quantidade dos seguintes dados da urina: – Densidade. – pH. – Glicose. – Proteínas. – Hemácias (sangue). – Leucócitos.
  4. 4. – Cetonas. – Urobilinogênio e bilirrubina. – Nitrito. – Cristais. – Células epiteliais e cilindros. Os resultados do dipstick são qualitativos e não quantitativos, isto é, a fita identifica a presença dessas substâncias citadas acima, mas a quantificação é apenas aproximada. O resultado é normalmente fornecido em uma graduação de 1 a 4 cruzes. RESULTADOS E DISCURSÃO EAS (urina tipo I): No teste a olho nu ou físico foi identificada a cor amarelo claro, aspecto límpido de cheiro sui generis, o que caracteriza uma amostra de urina normal. A urina normal é composta em maior proporção de água, possui coloração variável entre o incolor e o amarelo (dependente da dieta, atividades físicas e principalmente da ingestão de água), e carreia substâncias de excreção, resultantes do metabolismo do organismo, por isso é importante que o paciente informe se fez uso de alguma substância ou medicamento no período anterior a realização do o exame de urina. No teste químico feito com fita reagente, é possível identificar a densidade, PH, glicose, proteína, acetona, bilirrubina, urobilinogênio, leucócitos, hemoglobina e nitrito. O pH na fita reagente possui a cor salmão, no resultado da paciente apresentou a cor salmão claro, estimando um pH 6,5 que é considerado normal. A densidade na fita é indicada pela cor verde escuro, no resultado apresentou uma coloração verde oliva, isso estima quantitativamente a densidade em 1,025, considerada normal. A proteína é indicada pela cor amarela, no resultado permaneceu a mesma cor indicando a ausência de proteínas na urina, ou seja, aspecto normal. A glicose é representada pela cor verde piscina, no resultado a cor permaneceu inalterada, indicando glicose normal. A cetona é indicada pela cor rosa, que também permaneceu inalterada. O sangue é representado pela cor amarela permanecendo inalterada no resultado. A bilirubina, o urobilinogênio, o nitrito e o leucócito também permaneceram inalterados, indicando resultado normal para a amostra analisada.
  5. 5. COR ---- amarelo citrino ASPECTO ---- levemente turva DENSIDADE ---- 1.025 (normal varia entre 1005 e 1030) PH ---- 6,5 (normal varia entre 5,5 a 7.5) EXAME QUÍMICO Glicose ---- ausente Proteínas ---- ausente Cetona ---- ausente Bilirrubina ---- ausente Urobilinogênio ---- ausente Leucócitos ---- +- 15 Hemoglobina ---- ausente Nitrito ---- negativo MICROSCOPIA DO SEDIMENTO (sedimentoscopia) Células epiteliais ---- raras Leucócitos ---- 2 por campo Hemácias ---- 1 por campo Muco ---- presente Bactérias ---- microbiota aumentada Cristais ---- ausentes Cilindros ---- ausentes Na sedimentoscopia, o resultado indicou microbiota aumentada, uma quantidade maior de leucócitos do que o esperado, mas dentro da normalidade, raras hemácias e raras células epiteliais, indicando uma urina de aspectos normais e comprovando o que já havia sido informado acima.
  6. 6. CONCLUSÃO: A análise do exame de urina é importante para a vida profissional de um médico. O material (urina) colhida deve ser armazenada e processada adequadamente, além disso o exame requer equipamentos calibrados e matéria-prima específica e profissionais qualificados para a realização do exame. A uroanálise é rápida, simples e contribui para o diagnostico de diversas patologias. A correta análise da lâmina trará informações importantes para que o médico possa fazer o diagnostico preciso e proporcionar o melhor tratamento para o paciente. A respeito da paciente estudada, ela apresentava sintomatologia de infecção urinária baixa, quantidade de leucócitos um pouco aumentados, mas dentro da normalidade e microbiota aumentada. Assim, a conduta para maiores investigações foi o encaminhamento da paciente para a realização de cultura da urina.
  7. 7. REFERENCIAS BIOMEDICINA BRASIL. Urina tipo 1. Disponível em: http://www.biomedicinabrasil.com/2014/05/urina-tipo-1.html. Acesso em: 11 de Nov. 2014. CARDOSO, Isabel. Eas exame de urina. São Paulo, 2011. PINHEIRO, Pedro. Exame de urina I: leucócitos nitritos, hemoglobina. 2014. ROSSINI, Kamila. Relatório sobre urinário tipo 1. São Paulo, 2013.

×