LIÇÃO 01 - EBD

547 visualizações

Publicada em

Publicada em: Espiritual
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
547
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
216
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
3
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

LIÇÃO 01 - EBD

  1. 1.   ​Igreja Evangélica Assembleia de Deus – Recife / PE  Superintendência das Escolas Bíblicas Dominicais  Pastor Presidente: Aílton José Alves  Av. Cruz Cabugá, 29 – Santo Amaro – CEP. 50040 – 000       Fone: 3084 1524    LIÇÃO 01 – O EVANGELHO SEGUNDO LUCAS ­ 2º TRIMESTRE 2015   (Lc 1.1­4)    INTRODUÇÃO  A lição do segundo trimestre de 2015 tem como título: ​Jesus, o Homem Perfeito – O Evangelho de Lucas, o                                        médico amado​, onde teremos a oportunidade de estudar treze lições baseadas no Evangelho de Lucas ­ o terceiro livro                                      do NT. Nesta primeira lição, traremos importantes informações sobre a autoria, propósito, destinatário, tema do livro,                                contexto e data. Destacaremos características específicas do evangelho segundo Lucas; e, por fim, pontuaremos os três                                aspectos da contribuição lucana para a Igreja de Cristo.      I – INFORMAÇÕES SOBRE O TERCEIRO EVANGELHO    1.1 Autoria. ​Embora o nome de Lucas não conste, explicitamente nas páginas do evangelho que leva o seu nome, as                                        evidências disponíveis tendem a concordar e confirmar a tradição. Clemente de Alexandria, Tertuliano, Orígenes (pais                              da igreja) o identificam como autor deste evangelho. ​Eusébio, historiador da igreja, escreveu: “Lucas, natural de                                Antioquia, médico de profissão, fora companheiro de Paulo por longo tempo e conhecia os demais apóstolos. Ele nos                                    deixou em dois livros divinamente inspirados, a saber o Evangelho e Atos” (EUSÉBIO, apud, HENDRIKSEN, 2003,                                p. 24). Ainda “de acordo com a tradição, Lucas era um gentio. O apóstolo Paulo parece confirmar isso quando                                      distingue Lucas daqueles que eram ​“da circuncisão” (Cl 4.11, 14). Isso faria de Lucas o único gentio que escreveu                                      livros da Escritura. Ele é responsável por uma porção significativa do Novo Testamento, tendo escrito tanto o                                  Evangelho quanto o livro de Atos (Lc 1.1­4; At 1.1­3). Muito pouco se sabe sobre Lucas. O apóstolo Paulo se refere a                                            Lucas como médico (Cl 4.14). Eusébio e Jerônimo o identificam como natural da Antioquia da Síria (o que pode                                      explicar por que muito do livro de Atos é centrado em Antioquia (At 11.19­ 27; 13.1­3; 14.26; 15.22­23,30­35;                                    18.22­23). Lucas foi companheiro constante do apóstolo Paulo, ao menos no tempo entre a visão sobre a Macedônia                                    (At 16.9­10) até a época do martírio do apóstolo (II Tm 4.11)” (MACARTHUR, 2011, p. 5 – acréscimo nosso).    1.2 Propósito do Autor e destinatário. Parece que muitas pessoas haviam escrito a respeito de Jesus e sua vida                                      admirável, talvez de maneiras incompletas e contraditórias; e Lucas desejava suprir uma narrativa em ordem e digna de                                    confiança para Teófilo (cujo nome significa literalmente ​“que ama a Deus”​) (Lc 1.1­4). “Essa designação, que pode                                  ser um apelido ou um pseudônimo, é acompanhada por um tratamento formal ​“excelentíssimo” ​possivelmente                            significando que “Teófilo” fosse um renomado dignitário romano, talvez um dos que haviam se voltado para Cristo                                  “da casa de César” (Fp 4.22)” (MACARTHUR, 2011, p. 6). O fato de Lucas ter dado o mesmo título a Teófilo que                                            deu depois a Félix (At 23.26; 24.3) e Festo (At 26.25), indica que Teófilo era uma personagem de posição e influência.                                          “É possível também que Teófilo não fosse o único destinatário porque Lucas pode ter tido o interesse de suprir um                                        evangelho em ordem e completo para leitores não judeus. E Lucas também desejava ​apresentar um Salvador universal,                                  um grande e compassivo Médico, Mestre e Profeta, que viera aliviar os sofrimentos humanos e salvar as almas dos                                      homens” (CHAMPLIN, 2004, vol. 3, pp. 909,910 – acréscimo nosso). “Orígenes afirmava que o Evangelho de Lucas                                  foi escrito “por amor aos conversos gentílicos” (HENDRIKSEN, 2003, p. 36).      1.3 Tema do livro. “Enquanto João trata da divindade dAquele que tornou­se homem, Lucas ressalta a humanidade                                  dAquele que é divino. A frase chave é o ​“Filho do homem” ​(Lc 5.23; 6.5,22; 7.34; 9.22,26,44,56,58). O versículo                                      chave é: ​“O Filho do homem veio para buscar e salvar o que se havia perdido” ​(Lc 19.10). É com esse intento, de                                              destacar Jesus como Filho do homem, que Lucas narra os eventos, salientando a humanidade de Jesus. Sua genealogia                                    é traçada até Adão (Lc 3.23­38). É esse Evangelho que registra mais detalhadamente os eventos na vida de Sua mãe, do                                          Seu nascimento, da Sua infância e da Sua mocidade. São as parábolas de Lucas que têm mais cor humana. Contudo                                        Lucas não se esquece, de forma alguma, da superabundante glória da divindade e da majestade de Jesus Cristo (Lc                                      1.32­35)” (BOYER, 2011, vol. 02, p. 16 – acréscimo nosso).    1.4 ​Contexto e Data. ​O lugar da composição deste evangelho tem de ser deixado na área das hipóteses, porquanto não                                        temos qualquer evidência certa a esse respeito. “Embora a tradição antiga associe Lucas a Antioquia da Síria, não,                                    poderíamos afirmar que, só por isso, Lucas ali escreveu o seu evangelho. As cidades de Roma, Éfeso e Corinto também                                        têm sido sugeridas. Quanto a data alguns crêem que há evidências que indicam que esse evangelho foi escrito após a                                        destruição de Jerusalém, o que também é verdade quanto ao evangelho de Mateus, o que o situaria entre 70 e 80 d.C.,                                           
  2. 2. como data de sua autoria. Todavia, pode ter precedido a esse acontecimento; e, nesse caso, poderia ser situado entre 60                                        e 70 d.C. Lucas teve contatos constantes com Marcos (Cl 4.10,14; Fm 24; At 12.12,25; 13.13; 15.37,41; II Tm                                      4.11­13), pelo que teve acesso ao seu evangelho, provavelmente pouco tempo depois de haver sido completado”                                (CHAMPLIN, 2004, vol. 3, p. 909 – acréscimo nosso).   II – CARACTERÍSTICAS ESPECÍFICAS DO EVANGELHO CONFORME LUCAS    CARACTERÍSTICA S  REFERÊNCIAS  O evangelho   detalhista  O Evangelho segundo Lucas é a narrativa mais completa da vida de Jesus que veio até nós proveniente                                    da era apostólica. Teve a intenção de ser uma descrição minuciosa do curso da vida do Salvador. É ele                                      quem descreve o nascimento e a infância de Jesus Cristo e de Seu precursor (Lc 1.5­25; 2.26­45).  O evangelho   da oração  Lucas disse mais sobre a oração do que qualquer outro Evangelista. Ele mostra Jesus em oração nos momentos mais importantes da sua vida. Somente Lucas nos relata as parábolas do ​“Amigo importuno” (Lc 11.5-13), do ​“Juiz Iníquo” (Lc 18.1-8), e do “Fariseu e o Publicano”​(Lc 18.9-14) que visam estimular a prática da oração. O evangelho que  ressalta as mulheres  Lucas em seu Evangelho dá um lugar muito especial à mulher. O relato do nascimento é dado do                                    ponto de vista de Maria (Lc 2.26,27). Em Lucas nós lemos a respeito de Isabel, de Ana, da viúva de                                        Naim, da mulher que lavou os pés do Jesus na casa do Simão o fariseu (Lc 1.5,6; 7.12,37). É Lucas o                                          que nos faz vívida a imagem de Marta e Maria e de Maria Madalena (Lc 10.38­40; 24.10).   O evangelho   do louvor  Neste evangelho a frase louvando ​a Deus aparece com mais frequência que em todo o resto do Novo                                    Testamento. Este louvor alcança seu ponto culminante nos três grandes hinos que Lucas registrou:                            o ​Cântico de Maria “​Magnificat​” ​(Lc 1.46­55), o ​Cântico de Zacarias “​Benedictus​” ​(Lc 1.68­79); e o                                Cântico de Simeão​ “​Nunc Dimittis​”​ ​(Lc 2.29­32).   O evangelho   das parábolas  (1) Os dois devedores (Lc 7.41­43), ​(2) O bom samaritano (Lc 10.25­37), ​(3) O amigo importuno (Lc                                  11.5­8), ​(4) O rico insensato (Lc 12.116­21), ​(5) Os servos vigilantes (Lc 12.35­40), ​(6) O mordomo                                (Lc 12.42­48), ​(7) A figueira estéril (Lc 13.6­9), ​(8) A grande ceia (Lc 14.16­224), ​(9) A construção                                  de uma torre (Lc 14.28­33), ​(10) A moeda perdida (Lc 15.8­10), ​(11) O filho perdido (Lc 15.11­32),                                  (12) O administrador infiel (Lc 16.1.13), ​(13) O senhor e seu servo (Lc 17.7­10), ​(15) A viúva                                  importuna (Lc 18.1­8), ​(16)​ O fariseu e o publicano (Lc 18.10­14), ​(17)​ As dez minas (Lc 19.12­27).  O evangelho   universal  A característica mais proeminente de Lucas é que seu evangelho é universal. Jesus é para todos os                                  homens sem distinção. O reino dos céus está aberto para os samaritanos (Lc 9.51­56). Ele mostra                                Jesus falando dos gentios a quem os judeus ortodoxos consideravam impuros, citando à viúva da                              Sarepta e a Naamã o sírio como exemplos de fé (Lc 4.25­27). Elogia o centurião romano por sua fé                                      (Lc 7.9). E, ainda destaca as palavras do Mestre a cerca da inclusão dos gentios no Reino de Deus (Lc                                        13.29).    III – A CONTRIBUIÇÃO LUCANA SOB DIVERSOS ASPECTOS    3.1 Lucas como escritor. ​“Como historiador Lucas é um escritor extremamente cuidadoso. Os primeiros quatro                              versículos proclama que seu trabalho é o produto de uma investigação esmerada” (BARCLAY, p. 5 – acréscimo                                  nosso). ​Ao escrever este evangelho ele fala que: ​(1) o evangelho é um fato não um mito ou uma lenda (Lc 1.1­b); ​(2)                                              diz também que fez uma pesquisa de campo, entrevistando as testemunhas oculares (Lc 2.2­a); ​(3) discorre ainda a                                    história de forma ordenada, não sem nexo (Lc 3.1­a); e ​(4) tinha a finalidade de dar fundamentação histórica a fé cristã                                          (Lc 1.4).    3.3 Lucas como médico. ​Paulo se refere a Lucas como médico (Cl 4.14). Sem dúvida, Ele teria sido uma verdadeira                                        ajuda para o apóstolo em suas aflições, algumas das quais eram de caráter físico. O interesse de Lucas por questões                                        médicas é evidente pelo grande destaque que ele dá ao ministério de curas de Jesus (Lc 4.38­40; 5.15­25; 6.17­19;                                      7.11­15; 8.43­47, 49­56; 9.2,6,11; 13.11­13; 14.2­4; 17.12­14; 22.50­51). Vejamos ainda o recorte que Lucas dá aos                                detalhes das enfermidades: Lucas 4.38 com Mateus 8.14 e Marcos 1.30 (a natureza ou grau da febre da sogra de                                        Pedro); Lucas 5.12 com Mateus 8.2 e Marcos 1.40 (a lepra); e Lucas 8.43 com Marcos 5.26 (a mulher e os médicos).    3.3 Lucas como missionário. ​Lucas, mais do que qualquer outro dos evangelistas, destacou o âmbito universal do                                  convite do evangelho. Ele retratou Jesus como Filho do Homem, rejeitado por Israel, e então oferecido ao mundo.                                    Lucas repetidamente conta relatos de gentios, samaritanos e outros personagens tidos como indignos que encontraram                              graça aos olhos de Jesus (Lc 7.36­50; 19.1­10; 23.43).   
  3. 3. CONCLUSÃO  Ao estudarmos o evangelho conforme Lucas, aprendemos que Deus ama judeus e gentios e que Cristo é o                                    Salvador de todo aquele que crê independente de cor, raça, sexo, condição social. Esta é a principal verdade que Lucas                                        desejou dizer a Teófilo e ao mundo.      REFERÊNCIAS  ● BOYER, Orlando. ​Espada Cortante​. CPAD.   ● CHAMPLIN, R. N. ​Dicionário de Bíblia, Teologia e Filosofia.​ HAGNOS.  ● HENDRIKSEN, William. ​Comentário do Novo Testamento​.​ ​ CULTURA CRISTÃ.  ● MACARTHUR, John. ​Lucas:​ ​Jesus – o Salvador do Mundo​. CULTURA CRISTÃ.  ● STAMPS, Donald C. ​Bíblia de Estudo Pentecostal.​  CPAD. 

×