A prática educativa em ciclos e os desafios do mais educação resumido

2.150 visualizações

Publicada em

Apresentação no 1o. Ciclo de Palestras sobre o Programa Mais Educação nas Escolas da Rede Estadual de Mato Grosso - Profa. Dra. Andréa Rosana Fetzner

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
2.150
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
48
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
23
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide
  • Profa. Andréa Rosana Fetzner - Seminário de Práticas 4 - Pedagogia a distância - 2011.1
  • Profa. Andréa Rosana Fetzner - Seminário de Práticas 4 - Pedagogia a distância - 2011.1
  • A prática educativa em ciclos e os desafios do mais educação resumido

    1. 1. A prática educativa em Ciclos e os desafios do Mais Educação: polêmicas em torno do conhecimento escolar Profa. Dra. Andréa Rosana Fetzner http://arfetzner.blogspot.com/ [email_address] Andréa Rosana Fetzner http://arfetzner.blogspot.com/ Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro - UNIRIO GRUPO DE ESTUDOS E PESQUISAS EM EDUCAÇÃO E CURRÍCULO – GEPAC
    2. 2. Roteiro <ul><li>A organização em ciclos: fundamentos </li></ul><ul><li>Currículo e conhecimento escolar </li></ul><ul><li>Desigualdade social, avaliação e ciclos </li></ul><ul><li>E o Mais Educação com isto? </li></ul>Andréa Rosana Fetzner http://arfetzner.blogspot.com/
    3. 3. Enturmação dos alunos <ul><li>Série: conjunto de conteúdos previstos para cada ano civil. </li></ul><ul><ul><ul><li>Aprovação automática: o aluno não é RETIDO NA SÉRIE, mas avança para a série seguinte com “dependências”, “recuperações de conteúdos em determinadas matérias” ou outras modalidades afins. </li></ul></ul></ul><ul><li>Ciclos de formação: referência da enturmação na idade. </li></ul><ul><ul><ul><li>Promoção continuada: o aluno não é retido durante o ciclo de estudos, sendo atendido nas suas necessidades durante o ano escolar com “aulas de reforço”, planos didáticos de apoio, laboratórios, SIR. </li></ul></ul></ul><ul><li>Projetos de trabalho: enturmação sem referência em conteúdos anteriores ou idade, mas em interesses. </li></ul>Andréa Rosana Fetzner http://arfetzner.blogspot.com/
    4. 4. TIPOLOGIAS DE CICLO <ul><li>Ciclos de alfabetização – durante o período de construção da leitura e escrita não há reprovação escolar. (Década de 80) </li></ul><ul><li>Ciclos de aprendizagem – enturmação dos alunos ainda pelo conteúdo assimilado em um determinado tempo (ciclo). Ex.: ciclos nos Parâmetros Curriculares Nacionais (junção de séries). </li></ul><ul><li>Ciclos de formação – a enturmação é pela idade, o aluno avança com sua turma, mas recebe atendimento para dificuldades específicas. Ex.: São Paulo (Gestão Paulo Freire), Escola Plural (BH), Escola Cidadã (POA). </li></ul>Andréa Rosana Fetzner http://arfetzner.blogspot.com/
    5. 5. Qual a função social da escola? <ul><li>Perspectiva clássica </li></ul><ul><li>Perspectiva tradicional </li></ul><ul><li>Perspectivas críticas </li></ul><ul><li>Perspectivas pós-críticas </li></ul>Andréa Rosana Fetzner http://arfetzner.blogspot.com/
    6. 6. Escola e Fábrica Andréa Rosana Fetzner Uma mesma aula, conteúdo, tempo e intervenção, para todos, independente das condições de classe. A professora é a professora dos “conteúdos da série.” Pela repetição dos fazeres, aliena-se do produto de seu trabalho. Um conteúdo “universal” é dividido entre as séries do EF.
    7. 7. Referências pedagógicas <ul><ul><li>DITADOS POPULARES: </li></ul></ul><ul><ul><li>Pau que nasce torto, morre torto. </li></ul></ul><ul><ul><li>Água mole em pedra dura, tanto bate até que fura. </li></ul></ul><ul><ul><li>No fio que corre o cedro, corre o machado. </li></ul></ul><ul><li>Autores: </li></ul><ul><ul><li>PIAGET </li></ul></ul><ul><ul><li>VYGOTSKI </li></ul></ul><ul><ul><li>WALLON </li></ul></ul><ul><ul><ul><li>Princípio ativo da construção do conhecimento; </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Mediação entre pares; </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Importância do grupo etário para o desenvolvimento. </li></ul></ul></ul>Andréa Rosana Fetzner
    8. 8. Currículo e conhecimento escolar <ul><li>Qual o lugar dos conhecimentos subalternos? </li></ul><ul><li>Freire: </li></ul><ul><ul><li>Realidade vivida </li></ul></ul><ul><ul><li>Realidade percebida </li></ul></ul><ul><ul><li>Realidade concebida </li></ul></ul>Andréa Rosana Fetzner Fonte: tecelandoarte.blogspot.com Fonte: terapia-verde.blogspot.com Fonte: abadafronteira.blogspot.com Fonte: nordesteweb.com Fonte: nordesteweb.com
    9. 9. “ Os livro estão emprestados” <ul><li>O livro acata orientações dos PCN (Parâmetros Curriculares Nacionais) em relação à concepção de língua/linguagem, orientações que já estão em andamento há mais de uma década. </li></ul><ul><li>Outros livros didáticos englobam a discussão da variação linguística com o intuito de ressaltar o papel e a importância da norma culta no mundo letrado. </li></ul><ul><li>Não há a defesa de que a norma culta não deva ser ensinada. Ao contrário, entende-se que esse é o papel da escola, garantir o domínio da norma culta para o acesso efetivo aos bens culturais, ou seja, garantir o pleno exercício da cidadania. </li></ul><ul><li>A linguística se constituiu como ciência há mais de um século. Como  qualquer outra ciência , não trabalha com a dicotomia certo/errado. Independentemente da inegável repercussão política que isso possa ter, esse é o posicionamento científico. Esse trabalho investigativo permitiu aos linguistas elaborar outras constatações que constituem hoje material essencial para a descrição e explicação de qualquer língua humana. </li></ul><ul><li>As línguas mudam no tempo , independentemente do nível de letramento de seus falantes, do avanço econômico e tecnológico de seu povo, do poder mais ou menos repressivo das Instituições. As línguas mudam. Isso não significa que ficam melhores ou piores. Elas simplesmente mudam. Formas linguísticas podem perder ou ganhar prestígio, podem desaparecer, novas formas podem ser criadas. Isso sempre foi assim. </li></ul><ul><li>Muitos dos usos hoje tão cultuados pelos puristas originaram-se do modo de falar de uma forma alegadamente inferior do Latim: exemplificando, as formas &quot;noscum&quot; e &quot;voscum&quot;, estigmatizadas por volta do século III, por fazerem parte do chamado &quot;latim vulgar&quot;, originaram respectivamente as formas &quot;conosco&quot; e &quot;convosco&quot;. </li></ul>Andréa Rosana Fetzner
    10. 10. A desigualdade na sociedade <ul><li>BRASIL: </li></ul><ul><li>10% mais ricos detêm 75% da renda nacional; </li></ul><ul><li>90% mais pobres compartilham 25%. </li></ul><ul><li>60 milhões de famílias: 5 mil famílias ficam com 45% da renda e riqueza nacional. </li></ul><ul><li>4 cidades concentram 80% de todas as famílias ricas no Brasil: </li></ul><ul><li>São Paulo, Rio de Janeiro, Brasília e Belo Horizonte. </li></ul><ul><li>Fonte: Le Monde Diplomatique Brasil (Out/2007) </li></ul><ul><li>MUNDO: </li></ul><ul><li>Número de pessoas com fome: 850 milhões em 2007; 925 milhões em 2008; </li></ul><ul><li>Necessidade de investimento: 30 bilhões por ano. </li></ul><ul><li>2% detêm mais da metade da riqueza mundial; 50% mais pobres, 1% (ONU, 2006). </li></ul>Fonte: www.fotoseach.com.br
    11. 11. Gimeno Sacristán e Pérez Gómez (1998): <ul><li>a orientação homogeneizadora da escola não suprime senão que confirma - e além disso legitima - as diferenças sociais, transformando-as em outras de caráter individual. </li></ul>Andréa Rosana Fetzner
    12. 12. ALGORITMOS <ul><li>74 </li></ul><ul><li>+ 59 </li></ul><ul><li>123 </li></ul><ul><li>74 </li></ul><ul><li>+ 59 </li></ul><ul><li>1213 </li></ul><ul><li>74 </li></ul><ul><li>+ 59 </li></ul><ul><li>115 </li></ul><ul><li>74 </li></ul><ul><li>+59 </li></ul><ul><li>169 </li></ul>Andréa Rosana Fetzner http://arfetzner.blogspot.com/ Fonte: KAMII e RABIOGLIO, Revista Pátio, número 41, p. 48
    13. 13. Ciclos e Resolução nº 7/2010, CNE/CEB – Art. 30: <ul><li>Inciso III – a continuidade da aprendizagem, tendo em conta a complexidade do processo de alfabetização e os prejuízos que a repetência pode causar no Ensino Fundamental como um todo e particularmente, na passagem do primeiro para o segundo ano de escolaridade e deste para o terceiro. </li></ul><ul><li>§ 1º – Mesmo quando o sistema de ensino ou a escola, no uso de sua autonomia, fizerem opção pelo regime seriado, será necessário considerar os três anos iniciais do Ensino Fundamental como um bloco pedagógico ou um ciclo sequencial não passível de interrupção, voltado para ampliar a todos os alunos as oportunidades de sistematização e aprofundamento das aprendizagens básicas, imprescindíveis para o prosseguimento dos estudos. (CNE/CEB, 2010, grifos nossos) </li></ul>
    14. 14. Organização dos espaços tempos escolares: <ul><li>Identificação de práticas docentes cicladas: </li></ul><ul><ul><li>planejamento coletivo entre os anos escolares; </li></ul></ul><ul><ul><li>organização dos tempos escolares de forma contínua; </li></ul></ul><ul><ul><li>espaços de aprendizagem diferenciados voltados para dar conta das necessidades de aprendizagem dos alunos; </li></ul></ul><ul><ul><li>incentivo das trocas de experiências entre alunos com saberes diferentes; </li></ul></ul><ul><ul><li>práticas avaliativas coletivas e direcionadas para o conjunto da escola. </li></ul></ul>Andréa Rosana Fetzner http://arfetzner.blogspot.com/
    15. 15. Diferenças, segundo as professoras e professores, entre a proposta de ciclos e a prática em ciclos: <ul><li>Currículo seriado; </li></ul><ul><li>Livro didático seriado; </li></ul><ul><li>Práticas avaliativas centradas em provas e testes. </li></ul>Andréa Rosana Fetzner http://arfetzner.blogspot.com/
    16. 16. Como o Mais Educação pode contribuir? <ul><li>Potencialização do entendimento do conhecimento escolar de forma mais ampla. </li></ul><ul><li>Possibilidades de integrar o projeto e suas atividades às aulas comuns. </li></ul>Andréa Rosana Fetzner Encontros Curso de Extensão – Novembro 2010
    17. 17. Os Ciclos e alguns de seus mitos Andréa Rosana Fetzner http://arfetzner.blogspot.com/
    18. 18. Mito do livro didático Andréa Rosana Fetzner
    19. 19. O mito da não-avaliação. Andréa Rosana Fetzner Andréa Rosana Fetzner http://arfetzner.blogspot.com/
    20. 20. <ul><li>Professora Andréa Rosana Fetzner </li></ul><ul><li>Blog http://arfetzner.blogspot.com/ </li></ul><ul><li>E-mail: akrug@uol.com.br </li></ul><ul><li>Desenhos: lcp51@uol.com.br </li></ul><ul><li>Livros da professora: </li></ul>Andréa Rosana Fetzner

    ×