COMENTÁRIOS DAS QUESTÕES DO ALCANCE;EXERCÍCIOS DE CLASSE1. (C8/H27) O humor da tira decorre da reação de uma das cobras co...
COMENTÁRIO:O humor da tirinha reside no fato de a amiguinha de Mafalda confundir a intenção do pronome SE. ParaMafalda, o ...
B) à iniciativa do cliente em se apresentar como funcionário do banco.C) ao fato de ambos terem nascido em Uberlândia (Min...
A linguagem da tira traz marcas de coloquialidade, como o emprego de VOCÊ e a forma verbalTINHA CONSERTADO.GABARITO: C8. (...
(CEGALLA, Domingos Paschoal. Novíssima gramática da língua portuguesa. SãoPaulo: Nacional, 1980)Comparando a explicação da...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

RESOLUÇÃO DO MÓDULO I - PROF. SINVAL FARIAS

3.154 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
3.154
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
21
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

RESOLUÇÃO DO MÓDULO I - PROF. SINVAL FARIAS

  1. 1. COMENTÁRIOS DAS QUESTÕES DO ALCANCE;EXERCÍCIOS DE CLASSE1. (C8/H27) O humor da tira decorre da reação de uma das cobras com relação ao usode pronome pessoal reto, em vez de pronome oblíquo. De acordo com a norma padrãoda língua, esse uso é inadequado, poisA) contraria o uso previsto para o registro oral da língua.B) contraria a marcação das funções sintáticas de sujeito e objeto.C) gera inadequação na concordância com o verbo.D) gera ambiguidade na leitura do texto.E) apresenta dupla marcação de sujeito.COMENTÁRIO:A questão mobiliza um conhecimento sobre a regra de colocação pronominal que está corretamenteexpressa na alternativa B que marca as possíveis funções sintáticas para os pronomes pessoais do casoreto e do caso oblíquo.GABARITO: B2. (C8/H27) Observando as falas das personagens, analise o emprego do pronome SE eo sentido que adquire no contexto. No contexto da narrativa, é correto afirmar que opronome SE,(A) em I, indica reflexividade e equivale a “a si mesmas”.(B) em II, indica reciprocidade e equivale a “a si mesma”.(C) em III, indica reciprocidade e equivale a “umas às outras”.(D) em I e III, indica reciprocidade e equivale a “umas às outras”.(E) em II e III, indica reflexividade e equivale a “a si mesma ” e "a si mesmas",respectivamente.
  2. 2. COMENTÁRIO:O humor da tirinha reside no fato de a amiguinha de Mafalda confundir a intenção do pronome SE. ParaMafalda, o uso do SE indica reciprocidade, mas, para a coleguinha, o SE seria indicador de reflexividade.GABARITO: E3. (C8/H27) Assinale a alternativa em que o termo destacado tem a mesma classificaçãomorfológica da palavra sublinhada na oração: Esses assuntos são chocantes.A) A fome é um instinto primário.B) Eles vivem com abundância de tais alimentos.C) Após duas guerras, a fome causou milhões de mortes.D) Foi Josué de Castro que denunciou a situação de fome.E) As emissões dos gases provocaram o aquecimento global.COMENTÁRIO:ESSES é pronome demonstrativo. É preciso recordar que TAL ou TAIS, quando equivalem a ESTE,ESTA, ESTES ou ESTAS, também serão demonstrativos. Sendo assim, a frase do item B, Eles vivemcom abundância de TAIS alimentos, poderia ser lida Eles vivem com abundância DESTES alimentos,indicando que TAIS classifica-se como demonstrativo.GABARITO: B4. (C8/H27) Assinale a alternativa que preenche corretamente, na seqüência, as lacunas doperíodo: Os cientistas solicitam a _________________ que _________________ à adoção dasmedidas que se encontram em __________________ mãos.A) V.Exa.; proceda; suas.B) Sua Exa.; procedei; suas.C) V.Exa.; procedei; vossas.D) Sua Exa.; proceda; vossas.E) V.Exa.; procedeis; vossas.COMENTÁRIO:Usa a forma VOSSA no pronome de tratamento para falar com a pessoa. Além disso, o pronome detratamento exige a 3ª pessoa, fazendo com que o verbo (proceda) e o pronome possessivo(suas), que sereferem ao pronome de tratamento, fiquem em 3ª pessoa.GABARITO: AGerente – Boa tarde. Em que eu posso ajudá-lo?Cliente – Estou interessado em financiamento para compra de veículo.Gerente – Nós dispomos de várias modalidades de crédito. O senhor é nosso cliente?Cliente – Sou Júlio César Fontoura, também sou funcionário do banco.Gerente – Julinho, é você, cara? Aqui é a Helena! Cê ta em Brasília? Pensei que vocêinda tivesse na agência de Uberlândia! Passa aqui pra gente conversar com calma.BORTONI-RICARDO, S. M. Educação em língua materna. São Paulo: Parábola,2004 (adaptado).5. (C8/H26) Na representação escrita da conversa telefônica entre a gerente do banco eo cliente, observa-se que a maneira de falar da gerente foi alterada de repente devidoA) à adequação de sua fala à conversa com um amigo, caracterizada pela informalidade.
  3. 3. B) à iniciativa do cliente em se apresentar como funcionário do banco.C) ao fato de ambos terem nascido em Uberlândia (Minas Gerais).D) à intimidade forçada pelo cliente ao fornecer seu nome completo.E) ao seu interesse profissional em financiar o veículo de Júlio.COMENTÁRIO:A gerente altera o nível de formalidade de sua fala, passando a utilizar-se de uma variante mais coloquial,a partir do momento que descobre que o cliente trata-se de um amigo.GABARITO: A6. (C8/H27) Numere a segunda coluna pela primeira:( 1 ) Este alimento ( ) está com quem se fala.( 2 ) Esse alimento ( ) está com quem fala.( 3 ) Aquele alimento ( ) está longe dos dois.( ) está com você.Assinale a seqüência correta.A) 1, 2, 3, 1.B) 2, 3, 2, 1.C) 2, 2, 1, 3.D) 1, 1, 3, 2.E) 2, 1, 3, 2.COMENTÁRIO:ESTE: indica proximidade do falante.ESSE: indica proximidade do ouvinte.AQUELE: indica alo distante do falante e do ouvinte.GABARITO: EBROWNE, C. Hagar, o horrível. Jornal O GLOBO,Segundo Caderno. 20 fev. 2009.7. (C8/H26) A linguagem da tirinha revelaA o uso de expressões linguísticas e vocabulário próprios de épocas antigas.B o uso de expressões linguísticas inseridas no registro mais formal da língua.C o caráter coloquial expresso pelo uso do tempo verbal no segundo quadrinho.D o uso de um vocabulário específico para situações comunicativas de emergência.E a intenção comunicativa dos personagens: a de estabelecer a hierarquia entre eles.COMENTÁRIO:
  4. 4. A linguagem da tira traz marcas de coloquialidade, como o emprego de VOCÊ e a forma verbalTINHA CONSERTADO.GABARITO: C8. (C8/H27) Assinale a alternativa em que a palavra onde funciona como pronome relativo:a) Não sei onde eles estão.b) "Onde estás que não respondes?"c) A instituição onde estudo é a UFC.d) Ele me deixou onde está a catedral.e) Pergunto onde ele conheceu esta teoria.COMENTÁRIO:ONDE, para ser pronome relativo, deve referir-se ao termo antecedente, podendo, ainda, sersubstituído pela expressão EM QUE, o que acontece no item C.GABARITO: C9. (C8/H27) Assinale a alternativa em que o termo em destaque é um pronome que estásubstituindo o agente da ação verbal.A) Josué de Castro afirmou que, no Brasil, a fome é endêmica.B) A fome e a bomba atômica são os dois maiores descobrimentos a que Josué de Castro serefere.C) A fome, que provocou a morte de 12 milhões de pessoas, passou a ser encaradaobjetivamente.D) A informação é de que a fome e a bomba atômica são assuntos chocantes em uma sociedaderacionalista.E) Josué de Castro disse que os dois maiores descobrimentos do século XX terão sido a fome ea bomba atômica.COMENTÁRIO:Todo pronome relativo refere-se a um termo antecedente. Deve-se também entender que oagente da ação e o praticante da ação. Assim, o pronome relativo que retoma o agente da açãoestá no item C, pois QUE refere-se à FOME, que pratica a ação de provocar a morte de 12milhões de pessoas.GABARITO: C10. (C8/H27) O uso do pronome átono no início das frases é destacado por um poeta epor um gramático nos textos abaixo.PronominaisDê-me um cigarroDiz a gramáticaDo professor e do alunoE do mulato sabidoMas o bom negro e o bom brancoda Nação BrasileiraDizem todos os diasDeixa disso camaradaMe dá um cigarro(ANDRADE, Oswald de. Seleção de textos. São Paulo: Nova Cultural, 1988)“Iniciar a frase com pronome átono só é lícito na conversação familiar,despreocupada, ou na língua escrita quando se deseja reproduzir a fala dospersonagens (...).”
  5. 5. (CEGALLA, Domingos Paschoal. Novíssima gramática da língua portuguesa. SãoPaulo: Nacional, 1980)Comparando a explicação dada pelos autores sobre essa regra, pode-se afirmar queambos:(A) condenam essa regra gramatical.(B) acreditam que apenas os esclarecidos sabem essa regra.(C) criticam a presença de regras na gramática.(D) afirmam que não há regras para uso de pronomes.(E) relativizam essa regra gramatical.COMENTÁRIO:A alternativa E é correta, pois, no poema, o professor e o mulato sabido (figuras a quemse atribuiria, pela própria descrição, uma utilização mais forma da língua) dizem “Dê-me um cigarro”. Já o bom negro e o bom branco dizem “todos os dias” (o que enfatiza aidéia de ser uma forma de expressão cotidiana, comum) “Me dá um cigarro”. O usoformal existe, mas, no dia a dia, não se aplica com freqüência. O gramático, de maneiramais formal, diz algo parecido. É possível, em uma conversação cotidiana, iniciar afrase com o pronome oblíquo átono sem que isso seja considerado “erro”. Enfim, ambosos textos expõem que é possível fugir dessa regra gramatical, dependendo da situaçãode comunicação.GABARITO: E

×