Historia e desafios_da_escrita2

1.263 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.263
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
81
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
18
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Historia e desafios_da_escrita2

  1. 1. História e Desafios da Escrita Grupo: Danieli, Simone e Maria Daniela,Adam, Djan, Fábio e Rodrigo
  2. 2. História da EscritaAO LONGO DA HISTÓRIA APENAS TRÊSTRADIÇÕES DA ESCRITA FORAM PRESERVADAS •Afroasiática (Mesopotâmia, Egito e Levante e derivativas); l • Oeste da Ásia; • Oeste da América. Essas três tradições compartilham da Fonte Suméria
  3. 3. História da EscritaTRÊS SISTEMAS DE ESCRITA* Logografia ou “escrita da palavra” onde os grafemas ousinais de escrita representam palavras;* Silabografia ou “escrita silábica” em que os grafemastransmitem sílabas in-di-vi-du-ais;* Alfabeto onde os sinais chamados de “letras” representamconsoantes (alfabetos consonantais, como árabe e hebraico)ou consoantes e vogais individuais (alfabetos completoscomo grego e latim).
  4. 4. História da EscritaDiglossiaDo grego di que significa “dois” e glossa que significa “língua”. É quando a língua escrita de um povo é diferente da língua falada. E isso acontece por vários motivos: Língua Culta Vernáculo (Só esta língua) (linguagem pura de um país)Se torna objeto de transmissão É quando a língua pura, continuanuma sociedade que conhece a viva, mas a escrita vai se escrita correta e incorreta. modificando lentamente. Segundo, De Silva (1976), há outros fatores que atrasam a mudança da escrita: tradição, estética, devoção, controle social, alfabetismo limitado e vários outros.
  5. 5. História da Escrita Exemplos de DiglossiaAustrália: Escrevem “day” e dizem “die”, que na verdadesignifica dói;Índia: Cada hindu alfabetizado é bilíngüe, falando tanto alíngua da “biblioteca” quanto a língua do “mercado”;China: É como os hindus. É muito diferente a língua faladada escrita. Há “nível elevado” e “nível inferior”.País de Gales: O galês moderno padrão é apenas umalíngua literária usada na educação e em publicidades. Ogalês coloquial são as formas regionais da língua.
  6. 6. História da EscritaReformas ortográficas e de soletraçãoSeria ideal que uma escrita pudesse representar todas as locuções fonéticas.Na verdade, temos muitas diferenças usandomesmo sistema de escrita alfabética, como porexemplo (inglês e alemão) ou entre dialetos damesma língua (inglês britânico e inglêsamericano).
  7. 7. História da Escrita Mudanças nos sistemas de escrita “gradual e abrupta”Reforma Gradual: É quando alguém simplifica alguma aescrita e os outros copiam. As palavras vão se alterandoautomaticamente, inclusive sua pronúncia. Ex: Light(baixo nível alcoólico), recentemente mudado para lite;rôle é role, naïve ficou naive e coöperate, co-operateou cooperate.Reforma Abrupta: São aquelas feitas pelo governo (comsucesso) ou sociedades ou indivíduos particulares(geralmente sem sucesso). Ex: Reforma ortográfica.
  8. 8. História da Escrita Estenografia, símbolos e “Linguagem Visual”Estenografia ou taquigrafia: É uma prática antiga. É um método de escrever rápidousando símbolos ou abreviações para letras ou palavras.O alemão Gottfried Wilhelm Leibniz, filósofo e matemático, acreditava que erapossível elaborar uma escrita universal, dissociada de qualquer língua falada nomundo, assim como na matemática e na música.Símbolos: Estudo americano foi realizado e selecionou alguns símbolos paraidentificar objetos como: ônibus, táxi, mulher, homem. Uma escrita limitada, mascapaz de comunicar no mundo todo.Linguagem visual: As imagens e sua colocação padronizada no texto, de fato,ajudam a transmitir ideias complexas de modo mais simples do que a escritaconvencional. Hoje em dia, a linguagem é presente em toda parte do mundo, comopor exemplo: placas de trânsito, hodômetros, velocímetros, aferidor de gasolina,indicador de bateria, sinalizador de cinto de segurança, programação de rádio,indicador de temperatura, etc.
  9. 9. História da EscritaPictografia* Pictografia não-linguística para substituir a escritaque conhecemos.* Apresentação visual-textual.* A fraqueza da linguagem visual é ser frágil emtermos de detalhes e precisão.
  10. 10. História da EscritaO Futuro da Escrita* Eficiência e simplicidade não determinam o futurode uma escrita – prestígio e poder dos que a usam,sim.* As línguas evoluem naturalmente; sistema deescrita e escrituras não.* As escritas e seus sistemas são intencionalmenteemprestados, mudados e abandonados ,principalmente por razões sociais e psicológicas,que pouco têm a ver com fala ou ortografia.
  11. 11. História da EscritaPolítica*A política desempenhou um papel destacado nahistória da escrita;* Joseph Stalin;*A maior parte dos países tem uma lei exigindo quea data de produção dos programas apresentadosseja divulgada na rede de rádio e TV.
  12. 12. História da EscritaFuturo da Escrita
  13. 13. História da EscritaFuturo da Escrita* Certas tendências podem ser reconhecidas para um futuroda escrita. Embora muitas direções e orientações da escritase mantivessem no passado – linhas da direita para aesquerda no plano vertical de cima para baixo etc.* Essas serão as únicas convenções de escrita da Terra emalguns séculos, ainda que algumas escritas (como árabe ehebraico)venham a preservar sua tradição de escrita dadireita para a esquerda, enquanto forem escritas.
  14. 14. História da EscritaFuturo da Escrita* Maisimportante que isso para o futuro da escrita éo avanço do ALFABETO LATINO que começoucom as conquistas do Império Romano há dois milanos e agora se acelera como nunca antes.* As principais linguagens do Planeta: chinês,inglês, espanhol e português, faladas pelamaior parte da humanidade e fadadas asobreviverem nos próximos 400 anos.
  15. 15. História da Escrita Futuro da Escrita* Determinaram o futuro da escrita, o qualaparentemente, pelo menos no começo da era docomputador, será latino-alfabético.
  16. 16. História da Escrita Futuro da Escrita*O alfabeto latino certamente não é o auge,mas sem dúvida é a crista da escrita.*Muitas culturas poderão ter duas escritas nofuturo, usando a escrita tradicional paranecessidades locais e o alfabeto latino para o resto.
  17. 17. História da EscritaLinguagem Escrita * Com a influência do computador a vida humana está se centrando a textos eletrônicos e redes internacionais. * A linguagem escrita pode vir a ser mais proeminente no mundo todo do que a fala. * A escrita transcendeu a própria humanidade.
  18. 18. História da EscritaFuturo da Escrita / Voz*Algumas pessoas acreditam que não haverá lugarpara a escrita que é desafiada por sistemas de vozdos computadores.
  19. 19. História da EscritaFuturo da Escrita* Qualquer que seja a forma que a escrita tomeno futuro, ela permanecerá central àexperiência humana. Promovendo habilidadese registrando memórias.
  20. 20. O Desafio da EscritaLínguas e Leituras no mundo Digital• Unidade linguistica o Perda histórica o Desaparecimento da Identidade o Inglês como língua universal• Comunicação eletrônica o Massificando um língua universal o Criação de uma língua simbólica o Novo inglês "língua inventada" o Imperialismo Ortográfico o O autor vive em um mundo pré-tradução automática.
  21. 21. O Desafio da EscritaLínguas e Leituras no mundo Digital• Mudança no universo da leitura o Sai o códex e cria-se uma nova forma de organização (técnica) o O leitor não precisa confiar no autor (hipertexto) o Redefinição do papel do autor (Escrita coletiva)• As formas de publicação eletrônica o Computador (aberta) o E-book (Fechada)*
  22. 22. O Desafio da EscritaLínguas e Leituras no mundo Digital• "o mundo do futuro, em que não existe mais de uma única língua é também o mundo do esquecimento sem museus, sem bibliotecas, sem livros [...] o retorno a unidade linguística significa, assim, a perda da história o desaparecimento das identidades e, finalmente, a destruição aprovada" (p. 14);• "[...] A utopia de um mundo sem diferenças, sem desigualdades, sem passado, acaba em uma imagem de morte" (p.15).
  23. 23. O Desafio da EscritaLínguas e Leituras no mundo Digital• "[...] a revolução da textualidade digital constitui também uma mutação epistemológica, que transforma as modalidades de construção e crédito do discurso do saber" (p. 25).
  24. 24. O Desafio da EscritaMorte ou transfiguração do leitor• Pesquisadores x Revistas Científicas• Papel do Editor - A responsabilidade• Status do livro*• Recuo das publicações especializadas fora das revistas científicas**
  25. 25. O Desafio da EscritaMorte ou transfiguração do leitor• Novo analfatebo "o Analfabeto digital"• A questão do acesso, nisso o texto se prende ao passado, quando coloca o alto custo do meio eletrônico.
  26. 26. O Desafio da Escrita Morte ou transfiguração do leitorResumo:“A revolução do texto eletrônico é, de fato, ao mesmo tempo, uma revolução da técnica de produção dos textos, uma revolução do suporte do escrito e uma revolução das práticas de leitura”
  27. 27. O Desafio da Escrita Morte ou transfiguração do leitorEm consequência das mudanças de técnicas, de suporte e uso da escrita devemos repensar se aparato:1. Legal (propriedade)2. Qualitativo (Estético - Originalidade, singularidade, etc.)3. Administrativo (biblioteca)4. Catalogação
  28. 28. O Desafio da EscritaMorte ou transfiguração do leitor• Essa nova forma de escrever e de compartihar a escrita cria novos desafio:• Consequências da escrita eletrônica: a.Perda das referências comuns, levando a perda das identidades e exacerbação dos particularismo (extremismos) b.Ou o oposto massacre do individualismo e criação de uma cultura hegemonica universal. c. Construção coletiva dos saberes.
  29. 29. O Desafio da EscritaMorte ou transfiguração do leitor• Biblioteca do futuro* o Suporte ao registro impresso
  30. 30. O Desafio da EscritaMorte ou transfiguração do leitor• Benjamin*• Diagnóstico ambivalente da reprodução mecanizada.• "politização da estética"**
  31. 31. BIBLIOGRAFIACHARTIER, Roger. Desafios da escrita: tradução de Fulvia M. L. Moretto.São Paulo. Ed. UNESP, 2002;FISCHER, Steven Roger. História da escrita: tradução de Mirna Pinsky. SãoPaulo. Ed. UNESP,

×