Linguagem, língua e fala

2.188 visualizações

Publicada em

Slides com o resumo sobre a linguagem, a língua e a fala.

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
2.188
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
21
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
52
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Linguagem, língua e fala

  1. 1. Linguagem, língua e fala
  2. 2. Por que ler? “A informação está cada vez mais ao nosso alcance. Mas, a sabedoria, que é o tipo mais precioso de conhecimento, essa só pode ser encontrada nos grandes autores da literatura.” Harold Bloom
  3. 3. Segundo motivo: “O segundo motivo é que todo bom pensamento, como já diziam os filósofos e os psicólogos, depende da memória. Não é possível pensar sem lembrar – e são os livros que ainda preservam a maior parte da nossa herança cultural.” Harold Bloom
  4. 4. Terceiro motivo: “Finalmente, e este motivo está relacionado ao anterior, eu diria que uma democracia depende de pessoas capazes de pensar por si próprias. E ninguém faz isso sem ler.” Harold Bloom (Crítico literário norte-americano)
  5. 5. O que é literatura? • Manifestação artística; • Arte da palavra; • Recria a realidade a partir da visão de determinado autor (o artista), com base em seus sentimentos, seus pontos de vista e suas técnicas narrativas.
  6. 6. Importante!! Não se pode pensar ingenuamente que literatura é um “texto” publicado em um “livro”, porque sabemos que nem todo texto e nem todo livro publicado são de caráter literário. Segundo José de Nicola (autor do livro Literatura Brasileira: das origens aos nossos dias), o que torna um texto literário é a função poética da linguagem.
  7. 7. Texto Literário: • as palavras são carregadas de significado; • aspecto formal; • o seu conteúdo. • O que diferencia a literatura dos demais textos do “dia a dia” é o seu caráter ficcional.
  8. 8. Exemplos de textos literários: • Contos; • Poemas; • Romances; • Peças de teatro; • Novelas; • Crônicas e etc.
  9. 9. Textos não literários: • Notícias; • cartas comerciais; • Receitas culinárias; • Manuais de instrução; • Bula de remédio.
  10. 10. Texto I “Duas mulheres e três crianças que moram debaixo de um viaduto na zona sudoeste de SP vão conhecer o Iguatemi” (Folha de São Paulo, 25/12/1998. Cotidiano.)
  11. 11. COTIDIANO IMAGINÁRIO Roteiro turístico MOACYR SCLIAR "Apresentamos a seguir o roteiro de nossa excursão "Viagem a um mundo encantado', um excitante mergulho no maravilhoso universo do consumo. 9h - Início da excursão. Saída dos participantes do viaduto em que residem. O embarque será feito em ônibus comum, de linha. Não usaremos helicóptero e nem mesmo ônibus especial. Não se trata de economia; queremos evidenciar o contraste entre um velho e barulhento veículo e a moderna e elegante construção que é o objeto de nossa visita. 10h - Chegada ao shopping. Depois do deslumbramento inicial, o grupo adentrará o recinto, o que deverá ser feito de forma organizada, sem tumulto, de maneira a não chamar a atenção. Isto poderia resultar em incidentes desagradáveis.
  12. 12. 10-12h - Visita às lojas. Este é o ponto alto de nossa tour, e para ele chamamos a atenção de todos os participantes. Poderão observar os últimos lançamentos da moda primavera-verão, os computadores mais avançados, os eletrodomésticos mais modernos. Numa das vitrines será visualizado um relógio de pulso Bulgari custando aproximadamente US$ 10 mil. Os nossos guias, sempre bem informados, farão uma análise desta quantia. Mostrarão que ela equivale a cem salários mínimos e que portanto seriam necessários quase dez anos para adquirir tal relógio. Tais condições oportunizarão uma reflexão sobre a dimensão filosófica do tempo, muito necessária, a nosso ver -já que é objetivo da agência não apenas o turismo banal, mas sim um alargamento do horizonte cultural de nossos clientes. 12-14h - Normalmente, este horário será reservado ao almoço. Considerando, contudo, que o tempo é breve e custa caro (ver acima) propomos aos participantes um passeio pela área de alimentação, onde teremos uma visão abrangente do mundo do fast food. Lembramos que é proibido consumir os restos porventura deixados sobre a mesa ou mesmo caídos no chão. 14-16h - Continuação de nossa visita. Serão mostrados agora os locais de diversão. Os participantes poderão ver todos -repetimos, todos- os cartazes dos filmes em exibição. 16h - Embarque em ônibus de linha com destino ao ponto de partida, isto é, o viaduto. 17h - Nenhum acidente acontecendo, chegada ao viaduto e fim de nossos serviços."
  13. 13. O texto I foi publicado no caderno Cotidiano de um jornal paulista e é título de uma notícia sobre assuntos referentes a cidade. Levante hipóteses: a) O que as duas mulheres e as três crianças foram fazer no shopping? b) Por que esse fato teria virado notícia de jornal?
  14. 14. O escritor Moacyr Scliar se inspirou nessa notícia para criar sua crônica, o texto II. O texto, contudo, apresenta características diferentes das de uma crônica típica. a) Com que tipo de texto a crônica de Scliar se assemelha? b) Quem fala no texto e quem supostamente são os seus interlocutores? c) Que tipo de situação o cronista inventa a partir da notícia? d) O texto de Moacyr Scliar retrata uma situação real ou uma realidade ficcional? Por quê?
  15. 15. • Quem fala no texto II faz referência à excursão desta forma: “’Viagem a um mundo encantado’, um excitante mergulho no maravilhoso universo do consumo”. Considerando-se a condição dos visitantes, qual é, então, a principal contradição existente no texto?
  16. 16. Releia estes trechos do trecho II: • “. Numa das vitrines será visualizado um relógio de pulso Bulgari custando aproximadamente US$ 10 mil. [...] Tais condições oportunizarão uma reflexão sobre a dimensão filosófica do tempo”; • “Considerando, contudo, que o tempo é breve e custa caro (ver acima) propomos aos participantes um passeio pela área de alimentação”; • “Os participantes poderão ver todos -repetimos, todos- os cartazes dos filmes em exibição.”
  17. 17. Que tipo de procedimento do escritor os trechos revelam? a) Analítico e crítico; b) Irônico e crítico; c) Argumentativo e poético; d) Descritivo e crítico.
  18. 18. Os dois textos abordam o mesmo tema, mas são bastante diferentes entre si. Essas diferenças se devem à finalidade e ao gênero de cada um dos textos. a) Qual dos dois textos apresenta uma linguagem objetiva, utilitária e informativa? b) Em qual deles a linguagem é propositalmente organizada com o fim de criar duplo sentido? c) Qual dos textos tem a finalidade de informar? Qual tem a finalidade de entreter, divertir ou sensibilizar o leitor a partir de um tema relacionado a uma situação real? d) Considerando as reflexões que você fez sobre a linguagem dos textos em estudo, responda: Qual deles é um texto literário? Por quê?
  19. 19. Linguagem: • A linguagem é todo sistema verbal e não verbal pré- estabelecido que nos permite a realização da comunicação. Características do sistema verbal e não verbal: a) Verbal: o destaque na comunicação são as palavras. (A língua) b) Não verbal: não considera as palavras, mas outros sinais. Como exemplo de linguagem não verbal são os sinais de trânsito, gestos faciais, gestos corporais, etc.
  20. 20. Exemplos de linguagem não verbal:
  21. 21. Linguagem Digital: • Com o aparecimento da informática, surgiu esta nova linguagem, que consiste na combinação de números. • Permite armazenas e transmitir informações em meios eletrônicos.
  22. 22. Língua: • “É um sistema gramatical pertencente a um grupo de indivíduos” Celso Cunha • “Expressão da consciência de coletividade” Celso Cunha • É uma forma de linguagem. A língua é baseada em palavras, ou seja, signos, por meio do qual as pessoas se comunicam e interagem entre si. • Como exemplo, duas falas estrangeiras são línguas diferentes.
  23. 23. Para dominar uma língua não precisamos apenas conhecer o seu vocabulário, mas também ter domínio de suas leis combinatórias. • Exemplo: • Aumento segunda-feira na tem novo próxima gasolina. • Gasolina tem novo aumento na próxima segunda-feira.
  24. 24. Logo: • A língua é um código formado por signos (palavras) e leis combinatórias por meio do qual as pessoas se comunicam e interagem entre si.
  25. 25. Discurso • É a língua no ato, na execução individual. • A realização verbal do processo da comunicação. • É onde se manifesta a língua. (Celso Cunha)
  26. 26. Fala: • É a utilização oral da língua pelo indivíduo. • É um ato individual, pois cada indivíduo, para a manifestação da fala, pode escolher os elementos da língua que lhe convém, conforme seu gosto e sua necessidade, de acordo com a situação, o contexto, sua personalidade, o ambiente sociocultural em que vive, etc.
  27. 27. Níveis da fala: • Nível coloquial-popular: é uma fala mais utilizada na rotina das pessoas, constantes nas situações informais. É mais usada na fala espontânea, a maioria dos indivíduos não se preocupam com a forma culta da língua ao falar em um ambiente não formal. Exemplo: “Xaxado, já imaginô se nois dois fosse astrornata?”. Chico Bento e a Turma do Xaxado.
  28. 28. • Nível formal-culto: existe nesse nível preocupação com a forma correta das regras gramaticais da nossa língua. Geralmente utilizada em situações formais. Há cautela com o vocabulário e obediência com a norma culta da língua. Exemplo: “A busca para compreender o cérebro humano acaba de dar um passo importante. Um estudo publicado na revista americana "Science" apresentou o primeiro modelo computacional do cérebro capaz de simular comportamentos humanos complexos, como realizar somas e completar séries de números”. Folha de São Paulo, 16 de dezembro de 2012, Ciência.
  29. 29. Língua Falada e Língua Escrita • A língua falada é mais espontânea, abrange a comunicação linguística em toda sua totalidade. Além disso, é acompanhada pelo tom de voz, algumas vezes por mímicas, incluindo-se fisionomias. • A língua escrita não é apenas a representação da língua falada, mas sim um sistema mais disciplinado e rígido, uma vez que não conta com o jogo fisionômico, as mímicas e o tom de voz do falante.
  30. 30. No Brasil, por exemplo, todos falam a língua portuguesa, mas existem usos diferentes da língua devido a diversos fatores. Dentre eles, destacam-se: • Fatores regionais: é possível notar a diferença do português falado por um habitante da região nordeste e outro da região sudeste do Brasil. Dentro de uma mesma região, também há variações no uso da língua. No estado do Bahia, por exemplo, há diferenças entre a língua utilizada por um cidadão que vive na capital e aquela utilizada por um cidadão do interior do estado.
  31. 31. • Fatores culturais: o grau de escolarização e a formação cultural de um indivíduo também são fatores que colaboram para os diferentes usos da língua. Uma pessoa escolarizada utiliza a língua de uma maneira diferente da pessoa que não teve acesso à escola.
  32. 32. • Fatores contextuais: nosso modo de falar varia de acordo com a situação em que nos encontramos: quando conversamos com nossos amigos, não usamos os termos que usaríamos se estivéssemos discursando em uma solenidade de formatura.
  33. 33. • Fatores profissionais: o exercício de algumas atividades requer o domínio de certas formas de língua chamadas línguas técnicas. Abundantes em termos específicos, essas formas têm uso praticamente restrito ao intercâmbio técnico de engenheiros, químicos, profissionais da área de direito e da informática, biólogos, médicos, linguistas e outros especialistas.
  34. 34. • Fatores naturais: o uso da língua pelos falantes sofre influência de fatores naturais, como idade e sexo. Uma criança não utiliza a língua da mesma maneira que um adulto, daí falar-se em linguagem infantil e linguagem adulta.
  35. 35. Signo: • elemento representativo que possui duas partes indissolúveis: significado e significante.
  36. 36. • Significado - é o conceito, a ideia transmitida pelo signo, a parte abstrata do signo. • Significante - é a imagem sonora, a forma, a parte concreta do signo, suas letras e seus fonemas.
  37. 37. Significação das Palavras
  38. 38. • Referências Bibliográficas: AZEVEDO, Benedita. Site: www.recantodasletras.com.br CEREJA, William R. e MAGALHÃES, Thereza C. Gramática Reflexiva –texto, semântica e interação. São Paulo: Atual, 1999. Chico Bento e a Turma do Xaxado. Site: www.historiaequadrinhos.com.br. CUNHA, Celso & CINTRA, Lindley. Nova Gramática do Português Contemporâneo. Rio de Janeiro: Lexikon, 6ª ed..2013. Jornal Folha de São Paulo. Ciência. 16/12/12. SÓ PORTUGUÊS. Site: http://www.soportugues.com.br

×