relatório competencia organizacional

243 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
243
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

relatório competencia organizacional

  1. 1.   Diagnóstico  de  Competências  Organizacionais  para  o  Turismo   2                                             Relatório           ANÁLISE  DO  DIAGNÓSTICO  DE  COMPETÊNCIAS  ORGANIZACIONAIS  DOS  MUNICÍPIOS   PARTICIPANTES  DO  CURSO  DE  GESTÃO  DE  POLÍTICAS  PÚBLICAS  DO  TURISMO       Sergio  Fialho      
  2. 2.   Diagnóstico  de  Competências  Organizacionais  para  o  Turismo   3     ANÁLISE  DO  DIAGNÓSTICO  DE  COMPETÊNCIAS  ORGANIZACIONAIS  DOS  MUNICÍPIOS   PARTICIPANTES  DO  CURSO  DE  GESTÃO  DE  POLÍTICAS  PÚBLICAS  DO  TURISMO       1.  Contexto  e  metodologia     No   contexto   do   processo   de   formação   da   Rede   de   Inovação   em   Gestão   do   Turismo,   o   Diagnóstico   de   Competências   Organizacionais   tem   um   duplo   objetivo:   fornecer   um   diagnóstico   geral   das   competências   (econômicas,   de   infraestrutura   e   de   gestão)   dos   municípios  para  a  promoção  e  gestão  do  turismo  no  seu  território  e  auxiliar  o  processo  de   elaboração  dos  Planos  de  Gestão  do  Turismo  de  cada  município  participante.     Responderam   ao   questionário   50   municípios   (61%),   de   um   total   de   82   municípios   que   participam   da   Rede.   Foi   realizada   extensão   do   prazo   original   para   preenchimento   (o   formulário,   que   foi   disponibilizado   no   ambiente   virtual   desde   março   de   2014),   que,   juntamente  com  os  esforços  da  equipe  de  tutoria  virtual  e  dos  coordenadores  nos  encontros   presenciais,  ampliou  de  30  para  50  os  municípios  respondentes.     O  foco  do  Diagnóstico  Organizacional,  de  traçar  um  perfil  geral  da  situação  dos  municípios  na   perspectiva   da   promoção   e   gestão   do   turismo,   foi   desenvolvido   na   análise   de     quatro   (4)   grandes  temas,  que  integraram  as  45  questões  do  formulário  de  pesquisa:     1. Características  gerais  dos  municípios  e  de  sua  gestão   2. Inserção  dos  municípios  na  mídia  e  na  Internet   3. Infraestrutura  municipal  para  o  Turismo   4. Gestão  do  Turismo     Os  municípios  que  responderam  ao  questionário  distribuem-­‐se  por  todas  as  zonas  turísticas   do  Estado,        da  seguinte  maneira:     Tabela  1  –  Municípios  respondentes  por  Zona  Turística     ZONAS  TURÍSTICAS   No   Baía  de  Todos-­‐os-­‐Santos   10   Caminhos  do  Jiquiriçá   3   Caminhos  do  Oeste   6   Caminhos  do  Sertão   5   Caminhos  do  Sudoeste   1   Chapada  Diamantina   7   Costa  das  Baleias   3   Costa  do  Cacau   2   Costa  do  Dendê   3   Costa  do  Descobrimento   2   Costa  dos  Coqueiros   4   Lagos  e  Canyons  do  São  Francisco   1   Vale  do  São  Francisco   1   Não  Responderam  esta  questão   2   TOTAL   50  
  3. 3.   Diagnóstico  de  Competências  Organizacionais  para  o  Turismo   4       2.  Características  gerais  do  município  e  de  sua  gestão  corporativa     As   atividades   econômicas   predominantes   no   conjunto   dos   municípios   são   (cada   município   indicou  até  3  atividades  econômicas  principais):     Tabela  2  –  Atividades  Econômicas  Principais     SETOR  DE  ATIVIDADE   No   %   Agricultura,  Pesca  e  Pecuária   41   82   Indústria  (inclui  artesanatos)   14   28   Comércio  e  Serviços  (exclusive  Turismo  e  Prefeitura   27   54   Prefeitura   2   4   Turismo   19   38     A   agricultura,   a   pesca   e   a   pecuária   são   a   principal   fonte   de   atividade   econômica   dos   municípios  turísticos  (82%  dos  municípios  respondentes),  seguido  pelo  comércio  e  serviços   (54%)  e  em  terceiro  lugar,  pela  atividade  turística  (38%),  revelando  o  papel  importante  do   Turismo,  ao  criar  alternativas  econômicas  modernas  em  um  contexto  geral  onde  predominam   atividades  do  setor  primário.     O  orçamento  total  para  2014  dos  32  municípios  que  informaram  atinge  cerca  de  5  bilhões   de   reais,   com   um   valor   médio   de   R$   154   milhões.   Este   valor   médio,   no   entanto,   deve   ser   considerado  com  prudência,  uma  vez  que  existe  grande  variação  de  poder  orçamentário  entre   os  municípios  (o  desvio  padrão  atinge  mais  de  2  vezes  o  valor  médio).     A   maior   parte   dos   municípios   (59,46%)   indica   que   as   transferências   tributárias   formam   a   maior  parte  da  receita  corrente,  o  que  indica  baixa  sustentabilidade  econômica:                     Deve  ser  observado  que  os  gráficos  e  tabelas  apresentados  contabilizam  apenas  os  municípios   com  respostas  válidas  para  a  questão.  
  4. 4.   Diagnóstico  de  Competências  Organizacionais  para  o  Turismo   5       Do  ponto  de  vista  da  gestão  orçamentária  e  financeira,  as  informações  prestadas  revelam   que   cerca   de   70%   dos   municípios   não   dispõem   de   indicadores   para   medir   a   qualidade   do   gasto   público,   ainda   que   cerca   de   76%   indiquem   haver   algum   tipo   de   análise   de   custo-­‐ benefício  especificamente  quanto  aos  investimentos  municipais:                                       Existe  um  esforço  de  arrecadação  do  contencioso  e  de  controle  da  arrecadação  em  79%  dos   municípios,  mas  46%  não  implementaram  sistema  de  conta  única  para  controle  do  seu  fluxo   financeiro.                                        
  5. 5.   Diagnóstico  de  Competências  Organizacionais  para  o  Turismo   6       No  plano  dos  recursos   humanos,  a  heterogeneidade  entre  os  municípios  (valor  do  desvio   padrão  quase  igual  ao  valor  da  média)  impede  considerações  baseadas  em  valores  absolutos.     Importante  registrar  que:     a) 81%  dos  recursos  humanos  totais  das  prefeituras  respondentes  são  estatutários;   b) 12%  são  ocupantes  de  cargos  comissionados;   c) 7%  são  celetistas.     Vale   registrar   que,   em   média,   para   cada   7   funcionários   efetivos,   existe   um   cargo   comissionado,   o   que   indica   um   excesso   de   funcionários   não-­‐permanentes   nos   quadros   municipais.     Mais   de   65%   dos   municípios   pesquisados   não   tem   planos   de   carreira   para   os   servidores   públicos.  É  relevante  ressaltar  que  cerca  de  35%  dos  municípios  já  tem  esses  planos,  o  que   possibilita   a   difusão   dessas   experiências   para   os   demais,   através   da   Rede   de   Inovação   na   Gestão  do  Turismo.                     Um   outro   conjunto   de   indicadores   examinam   aspectos   do   processo   de   participação   de   funcionários  e  cidadãos  na  gestão  municipal.     Nesse   sentido,   65,91%   dos   municípios   não   desenvolvem   ações   específicas   para   envolvimento   e   comprometimento   dos   seus   servidores   públicos   com   a   gestão,   o   que   caracteriza   timidez   no   processo   de   mobilização   dos   recursos   humanos   para   a   eficácia   das   políticas  municipais.       Como   no   caso   anterior,   porém,   é   importante   valorizar   o   fato   de   que   cerca   de   35%   dos   municípios   implementam   essas   ações   específicas,   e   essa   experiência   pode   –   e   deve   –   ser   disseminada  entre  os  municípios  que  ainda  não  dispõe  de  políticas  desse  tipo.                            
  6. 6.   Diagnóstico  de  Competências  Organizacionais  para  o  Turismo   7         A   primeira   condição   para   que   ocorra   participação   dos   cidadãos   na   gestão   municipal   é   a   transparência  de  informações  sobre  os  investimentos  realizados  e  seus  resultados.     Nesse  plano,  71%  dos  municípios  declaram  que  divulgam  essas  informações.  É  importante   porém,  em  oportunidade  futura,  verificar  as  formas  e  a  sistematicidade  com  que  ocorre  essa   divulgação,  que  em  princípio  significa  um  elevado  nível  de  transparência  das  gestões.                         Finalmente,  verificou-­‐se  que  creca  de  57%  dos  municípios  não  dispõem  de  balcões  integrados   para   atendimento   ao   cidadão,   que   existem   em   43%   dos   municípios.   Pela   relevância   dessa   ferramenta  de  modernização  do  atendimento  ao  cidadão,  que  se  reflete  inclusive  em  melhor   atendimento   ao   turista,   registra-­‐se   aqui   a   possibilidade   de   criar   ações   de   difusão   dessa   experiência,  através  da  Rede  de  Inovação  para  a  Gestão  do  Turismo,  para  os  municípios  que   ainda  não  implantaram.                                        
  7. 7.   Diagnóstico  de  Competências  Organizacionais  para  o  Turismo   8           3.  Inserção  dos  municípios  na  mídia  e  na  Internet     Considerando   o   caráter   estratégico   da   inserção   dos   municípios   na   rede   de   comunicações   convencional   e   especialmente   na   Internet,   este   tópico   dimensiona   esta   inserção   através   de   quatro  (4)  indicadores.     Enquanto  metade  (50%)  dos  municípios  tem  acesso  a  uma  retransmissora  regional  de  TV,  e   84%  dispõe  de  uma  rádio  local,  é  significativo  observar  que  80%  dos  municípios  tem  acesso  à   Internet   através   de   banda   larga,   essencial   para   os   fluxos   de   comunicação   de   interesse   turístico,  uma  vez  que  envolvem  frequentemente  imagens  e  vídeos,  o  que  requer  acessos  à   Internet  de  grande  capacidade.     Por  outro  lado,  é  crítico  observar  que  20%  dos  municípios  turísticos  que  responderam  a  essa   questão  não  dispõem  de  acesso  à  Internet  por  banda  larga,  o  que  certamente  limita  qualquer   estratégia  de  inserir-­‐se  no  fluxo  de  comunicações  que  se  expande  nas  redes  digitais.                                   Na  medida  em  que  93%  dos  municípios  pesquisados  revela  dispor  de  acesso  permanente  à   Internet,   e   80%   dispõem   de   banda   larga,   podemos   concluir   que   13%   dos   municípios   tem   acessos   de   baixa   velocidade   (apesar   de   permanentes)   e   que,   portanto,   7%   não   dispõe   de   acesso  permanente  à  Internet  no  município.                    
  8. 8.   Diagnóstico  de  Competências  Organizacionais  para  o  Turismo   9       A  inserção  dos  municípios  na  Internet  foi  medida  por  dois  indicadores:  a  existência  de  site   institucional  atualizado  da  Prefeitura  e  a  existência  de  site  do  Município  dedicado  à  promoção   do  turismo.     Enquanto  86%  dos  municípios  pesquisados  declaram  dispor  de  site  institucional  atualizado   da  Prefeitura,  apenas  26%  tem  site  dedicado  à  promoção  do  turismo.                                     Mais  uma  vez,  a  difusão  da  experiência  e  do  conhecimento  dos  municípios  que  já  avançaram   na  estruturação  de  um  site  dedicado  ao  turismo  é  uma  iniciativa  de  grande  relevância  para   que  todos  deem  esse  passo  fundamental  para  a  inserção  do  município  no  contexto  global  da   Internet,  o  que  pode  ser  realizado  através  da  Rede  de  Inovação  da  Gestão  do  Turismo.      
  9. 9.   Diagnóstico  de  Competências  Organizacionais  para  o  Turismo   10       4.  Infraestrutura  municipal  para  o  Turismo     Este   tópico   tem   como   objetivo   apresentar   indicadores   que   dimensionem   a   infraestrutura   básica   para   o   turismo   nos   municípios   (hospedagem   e   agencias   de   turismo   e   viagens),   caracterizem   os   tipos   de   atrativos   turísticos   considerados   mais   relevantes   e   informe   sobre   tipos  de  investimento  em  andamento  que  possam  ter  reflexos  na  dinâmica  local  do  turismo.    
  10. 10.   Diagnóstico  de  Competências  Organizacionais  para  o  Turismo   11       O  gráfico  acima  demonstra  a  dominância  das  Pousadas  (90%  dos  municípios)  Hotéis  (70%   dos  municípios)    na  infraestrutura  de  hospedagem,  seguidos  pelos  Flat/Apart-­‐hotéis  (40%)  e   Motéis  (35%).     Mas  também  revela  o  papel  desempenhado  pela  Hospedagem  Familiar  (30%  dos  municípios)   e   Pensões   (28%),   uma   alternativa   de   baixo   custo   importante   para   a   democratização   do   turismo   (especialmente   o   turismo   jovem,   que   forma   o   turista   longevo),   que   deve   merecer   atenção  especial  das  políticas  estaduais  de  turismo.     Em   relação   as   agencias   de   viagem   e   de   turismo   existentes   nos   municípios,   a   pesquisa   identificou  a  existência  de  143  empresas  nos  43  municípios  que  responderam  a  esta  questão,   resultando  em  uma  média  de  3,3  agencias  por  município.    A  média,  no  entanto,  é  um  indicador   enganoso,   pois   resulta   de   uma   forte   heterogeneidade   na   distribuição   das   agencias   pelos   municípios   (desvio   padrão   de   6,3,   o   dobro   do   valor   da   média),   existindo   um   grupo   de   3   municípios  (6%  dos  municípios)  com  52%  do  total  de  agencias,  sendo  as  demais  agencias  (68,   ou  48%  do  total)  distribuídas  por  94%  dos  demais  municípios.     Sendo   natural   a   heterogeneidade,   em   função   dos   diferentes   portes   econômicos   dos   municípios,  no  entanto  os  dados  revelam  uma  irrisória  e  muitas  vezes  inexistente  presença  de   agencias   em   grande   parte   dos   municípios.   A   média   de   agencias   no   conjunto   de   94%   dos   municípios,  é  de  1,44  agencias,  sendo  que  em  21  municípios  turísticos  não  opera  nenhuma   agencia  de  turismo  ou  de  viagens.     Os   gestores   foram   convidados   a   indicar   livremente   até   5   atrativos   turísticos   que   considerassem  mais  importantes  no  seu  município.  Com  base  nessas  indicações,  os  atrativos   foram  agregados  em  um  conjunto  de  tipos  de  atrativos,  conforme  Tabela  3.     Tabela  3  –  Tipos  de  atrativos  turístico  mais  considerados  mais  importantes   (percentual  do  total  dos  municípios  respondentes)     TIPOS  DE  ATRATIVOS   %   Sítios  naturais  (praias,  rios  cachoeiras,  etc.)   78   Estruturas  e  Eventos  (recreativos  e  de  negócios)   68   Estruturas  e  Eventos  (artísticos  e  culturais)   38   Patrimônio  Histórico   36   Trilhas  e  Roteiros  Turísticos   12      As   informações   revelam   um   turismo   que   se   movimenta   em   grande   medida   baseado   em   atrativos   naturais   e   recreativos,   tipos   que   alcançam   respectivamente   78%   e   68%   das   indicações  dos  gestores.     Os   tipos   de   atrativos   que   exprimem   um   turismo   mais   sofisticado   (cultura,   patrimônio),   receberam   apenas   indicações   de   38%   (cultura   e   arte)   e   36%   (patrimônio   histórico)   dos   municípios  consultados  através  seus  gestores.  Trata-­‐se  de  um  dado  importante,  na  medida  em   que   esses   tipos   de   atrativos   possuem   um   diferencial   competitivo   mais   sólido,   e   atraem   turistas  de  maior  capacidade  de  consumo.      
  11. 11.   Diagnóstico  de  Competências  Organizacionais  para  o  Turismo   12     Deve   ser   notado   também   a   tímida   presença   da   citação   de   trilhas   e   passeios   estruturados   (12%),   indicando   baixa   profissionalização   da   atividade   turística,   ainda   que   o   formato   da   questão  proposta  aos  gestores  possa  ter  resultado  em  subdimensionamento  desta  categoria.     É  interessante  observar  os  indicadores  quando  os  gestores  foram  solicitados  a  indicar  quais   tipos  de  atrativos  deveriam  ser  priorizados  em  função  de  terem  potencial  turístico  importante   (Tabela  4).     Tabela  4  –  Tipos  de  atrativos  turístico  mais  considerados  mais  importantes  (A)   X   Tipos  de  atrativos  considerados  de  maior  potencial  (B)   (percentual  do  total  dos  municípios  respondentes)     TIPOS  DE  ATRATIVOS  E  POTENCIAIS   A   %   B   %   Sítios  naturais  (praias,  rios  cachoeiras,  etc.)   78   50   Estruturas  e  Eventos  (recreativos  e  de  negócios)   68   58   Estruturas  e  Eventos  (artísticos  e  culturais)   38   52   Patrimônio  Histórico   36   14   Trilhas  e  Roteiros  Turísticos   12   46       Duas   mudanças   de   posicionamento   (entre   o   que   existe   hoje   como   atrativo   e   o   que   se   considera   com   maior   potencial   futuro)   são   notáveis:   um   significativo   crescimento   do   posicionamento  por  Eventos  e  Estruturas  relacionadas  a  cultura  e  a  arte  (em  detrimento  da   diminuição   relativa   dos   sítios   naturais   e   das   estruturas   e   eventos   recreativos)   e   pela   estruturação   de   trilhas   e   roteiros   turísticos,   tudo   indicando   uma   certa   consciência   da   importância  da  dimensão  cultural  e,  especialmente,  da  maior  profissionalização  da  atividade   turística.     A   significativa   queda   do   posicionamento   em   relação   ao   Patrimônio   Histórico   exige   uma   pesquisa   mais   especifica   e   de   maior   fôlego,   que   possibilitem   maior   interlocução   com   os   gestores  pesquisados.    
  12. 12.   Diagnóstico  de  Competências  Organizacionais  para  o  Turismo   13         No  plano  dos  investimentos  previstos  ou  em  implantação  nos  municípios  que,  a  critério  dos   gestores,  apresentam  relevância  para  a  dinâmica  do  turismo  local,  as  indicações  livremente   indicadas  foram  agregadas  em  3  grandes  categorias  conforme  a  finalidade  dos  investimentos:   em   gestão   do   turismo,   em   infraestrutura   urbana   geral   e   na   infraestrutura   turística   propriamente  dita  (estruturas,  serviços  e  eventos).     Tabela  5  –  Tipos  de  investimentos  planejados/em  implantação   (valores  absolutos  e  percentuais  sobre  o  total  de  municípios  respondentes)       Duas  observações  relevantes  podem  se  feitas  a  partir  do  exame  da  Tabela  5.       De  um  lado,  o  baixo  investimento  previsto  (apenas  24%  dos  municípios)  na  qualificação  da   gestão   turística   (capacitação   de   servidores,   informação   para   o   cidadão,   construção   dos   instrumentos   de   planejamento   e   gestão   do   turismo,   implementação   e   aperfeiçoamento   das   instâncias  de  gestão),  demonstrando  talvez  uma  percepção  limitada  da  importância  de  uma   gestão  qualificada  do  turismo  inclusive  para  assegurar  a  qualidade  dos  investimentos.     De   um   outro   lado,   a   relevância   do   investimento   (54%   dos   municípios)   na   infraestrutura   urbana   geral   (saneamento,   urbanização,   implementação   de   equipamentos   urbanos   de   uso   geral),   bem   próxima   do   previsto   para   os   investimentos   na   infraestrutura   especificamente   turística  (relatado  por  66%  dos  municípios),  provavelmente  indicando  as  enormes  carências   de  infraestrutura  urbana  geral  que  caracterizam  os  municípios  turísticos  do  Estado,  o  que  tem   repercussão  inevitável  na  capacidade  de  atrair  e  reter  fluxos  turísticos.                                       TIPOS  DE  INVESTIMENTO  POR  FINALIDADE     N   %   em  Gestão  do  Turismo  (qualificação,  fortalecimento  das  estruturas  de  gestão)   12   24   na  Infraestrutura  Urbana  geral  (saneamento,  urbanização,  equipamentos  urbanos)   27   54   na  Infraestrutura  Turística  (sinalização,  equipamentos  específicos,  eventos)   33   66  
  13. 13.   Diagnóstico  de  Competências  Organizacionais  para  o  Turismo   14         5.  Gestão  do  Turismo       Este  tópico  engloba  um  conjunto  de  aspectos  relacionados  as  condições  organizacionais  e  os   instrumentos  de  gestão  do  turismo.     O  primeiro  indicador,  quiçá  o  mais  relevante,  é  a  prioridade  concedida  ao  Turismo  na  divisão   do   orçamento   municipal.   Apesar   dos   município   terem   revelado,   ao   longo   da   pesquisa,   dificuldades   para   obter   os   dados   orçamentários   com   precisão,   os   números   indicam   uma   situação  de  baixa  prioridade,  com  apenas  1%  do  orçamento,  em  média,  sendo  alocado  para  as   ações  públicas  no  setor.     Considerando   os   28   municípios   cujos   dados   se   mostraram   mais   consistentes,   os   valores   obtidos  são:     Tabela  6  –  Orçamento  Global  e  Orçamento  para  o  Turismo    (valores  absolutos  –  N;    valores  percentuais  -­‐  %)     Considerando   se   tratar   de   municípios   turísticos,   o   percentual   de   1,3%   se   apresenta   como   irrisório,  um  alerta  para  uma  possível  contradição  entre  o  desejo  de  inserir-­‐se  no  mercado  do   turismo   e   o   nível   de   investimento   que   se   realiza.   Mas   serão   necessárias   pesquisas   mais   específicas  para  determinar  o  orçamento  possível  para  o  turismo  no  contexto  de  múltiplas   demandas   econômicas,   sociais   e   urbanas   que   o   município   deve   atender,   às   vezes   por   imposição  legal.     No  plano  dos  recursos  humanos,  a  pesquisa  contabilizou,  para  46  municípios  que  prestaram   informação   sobre   esta   questão,   um   total   de   250   servidores   vinculados   diretamente   às   atividades  do  setor  de  turismo  na  estrutura  da  Prefeitura,  o  que  resulta  em  uma  média  de  5,4   servidores   por   município.   Mas   uma   vez,   a   heterogeneidade   do   porte   dos   municípios   compromete  esta  média,  o  que  se  demonstra  por  um  desvio  padrão  de  6,0,  superior  à  própria   média.       Do  total  de  servidores  (250),  100  deles  (40%)  estão  vinculados  a  apenas  5  municípios  (em  um   total   de   46   municípios),   enquanto   os   demais   150   servidores   (60%   do   total)   se   distribuem   entre  os  municípios  restantes  (89%  do  total)  numa  média  de  3,6  servidores  por  município.  O   cenário   de   heterogeneidade   fica   ainda   mais   claro   quando   observamos   que   32%   dos   municípios,   entre   os   46   respondentes   desta   questão,   tem   2   ou   menos   de   2   servidores   nos   órgãos  responsáveis  pela  gestão  do  turismo.               ORÇAMENTO  MUNICIPAL     N   %   Valor  Total  do  Orçamento  Municipal   R$  4.441.047.551,40   100,0%   Valor  do  Orçamento  alocado  às  ações  do  Turismo   R$  57.309.643,48   1,3%  
  14. 14.   Diagnóstico  de  Competências  Organizacionais  para  o  Turismo   15     A  infraestrutura  de  informática  nos  órgãos  municipais  de  turismo  foi  averiguada  também  pela   pesquisa,  através  dos  indicadores  de  disponibilidade  de  computadores,  impressoras,  scanners   e  sistemas  informatizados.     Com   pode   ser   verificado   nos   gráficos   abaixo,   se   existe   uma   razoável   disponibilidade   do   hardware  (65%  tem  computadores  suficientes,  55%  tem  impressoras  e  57%  tem  scanners),  o   mesmo  não    ocorre  com  talvez  o  item  mais  importante,  que  é  a  disponibilidade  de  sistemas   informatizados  de  apoio  à  gestão  do  turismo,  quando  apenas  25%  dos  municípios  indicam   dispor.     Pela  relevância,  e  pela  possiblidade  de  adoção  de  soluções  comuns  a  todos  os  municípios  (os   procedimentos   de   gestão   do   turismo,   em   termos   informacionais,   são   fortemente   similares   para   as   diversas   prefeituras),   é   importante   analisar   a   possiblidade   de   contratar   o   desenvolvimento,   ou   adquirir   software   já   existente,   voltado   para   gerenciar   todas   as   informações   básicas   necessárias   a   uma   moderna   gestão   pública   do   setor.   Uma   estratégia   desse   tipo   implica   em   custos   unitários   bastante   reduzidos,   e   significará   um   avanço   em   qualidade  das  informações  disponibilizadas  aos  gestores.              
  15. 15.   Diagnóstico  de  Competências  Organizacionais  para  o  Turismo   16         Para  o  planejamento  do  Turismo  no  município,  uma  condição  essencial  é  o  conhecimento  do   mercado:  fluxos  turísticos,  receitas  potenciais  e  demanda.  Perguntados,  a  franca  maioria  dos   municípios   (72%)   disseram   não   realizar   pesquisa   nesse   sentido,   o   que   seguramente   tem   consequências  negativas  sobre  a  precisão  e  orientação  das  políticas  e  projetos  públicos  para  o   turismo.                   Estudos  técnicos  e  profissionais,  sobre  o  mercado  de  turismo  para  a  Bahia,  são  recursos  vitais   para  a  melhoria  do  planejamento  e  da  gestão  do  turismo  nos  municípios.       A  construção  de  uma   cultura   local   com   foco   no   turismo   é  uma  condição  estruturante  de   médio  e  longo  prazo  para  que  se  promova  um  ambiente  empreendedor  capaz  de  apreender   experiências  bem  sucedidas  de  outros  locais,  compreender  as  vocações  locais  e  articular  ações   entre  governo,  sociedade  e  mercado  para  explorar  sistematicamente  e  de  forma  planejada  as   dinâmicas  oportunidades  do  setor.     Para  a  construção  dessa  cultura,  são  imprescindíveis  ações  de  educação  e  capacitação  no  seio   dos  servidores  públicos  e  da  comunidade  em  geral.     No   plano   dos   servidores   públicos,   metade   dos   municípios   respondentes   à   questão   desenvolvem  ações  de  capacitação,  sendo  visível  a  necessidade  de  ampliar  essas  ações  para  o   conjunto  dos  municípios.     São   desejáveis,   nesse   contexto,   a   verticalização   das   ações   de   capacitação   de   gestores   do   turismo,   do   atual   Curso   de   extensão   em   Gestão   de   Políticas   Públicas   de   Turismo   para   um   curso  de  especialização,  e  a  extensão  das  ações  de  capacitação  para  o  conjunto  de  gestores   setoriais  dos  municípios,  e  para  os  servidores  mais  diretamente  envolvidos  com  os  serviços   direta  ou  indiretamente  ligados  ao  turismo.  A  Rede  de  Inovação  em  Gestão,  com  a  experiência   e  os  recursos  técnicos,  que  concentra,  pode  ser  uma  ferramenta  importante  neste  sentido.                          
  16. 16.   Diagnóstico  de  Competências  Organizacionais  para  o  Turismo   17           No  plano  da  comunidade  em  geral,  os  esforços  de  formação  de  uma  cultura  local  com  ênfase   no   turismo   apresentam-­‐se   como   bastante   limitados:   81%   dos   municípios   não   realizam   nenhum  programa  educacional  abrangente  para  a  população  em  geral,  e  69%  dos  municípios   não  dispõem  de  qualquer  material  educativo  que  possa  difundir  estímulos,  ideias  e  conceitos   para  a  população,  como  se  pode  ver  nos  gráficos  abaixo.                                          
  17. 17.   Diagnóstico  de  Competências  Organizacionais  para  o  Turismo   18         No   que   se   refere   aos   instrumentos   e   processos   mais   críticos   para   a   gestão   municipal   do   turismo,   a   pesquisa   examinou   a   legislação,   a   governança   e   o   planejamento,   incluindo   a   existência  de  inventário  dos  recursos  turísticos.     Cerca   de   67%   dos   municípios   não   dispõem   de   uma   Lei   Municipal   do   Turismo,   ferramenta  regulatória  essencial  para  estabelecer  os  marcos  de  referencia  para  a  atividade   pública,  privada  e  social  dos  que  atuam  no  mercado  do  turismo  no  município                   O   conhecimento   das   leis   de   turismo   existentes   em   33%   dos   municípios,   e   da   experiência   acumulada   com   sua   implementação,   poderá   ser   um   fator   precioso   para   que   os   municípios,   com   maior   rapidez   e   maturidade,   implementem   as   suas   legislações   locais.   Mais   uma   vez,   a   Rede   de   Inovação   pode   prestar   suporte   em   elevado   padrão   técnico   a   essa   atividade   de   cooperação  e  aprendizagem  requerida  para  o  desenvolvimento  do  turismo  no  Estado.       O  instrumento  essencial  para  a  governança  local  das  políticas  e  ações  do  turismo  é  o  Conselho   Municipal  do  Turismo.   Em  58%  dos  municípios  existe  um  Conselho  de  Turismo  ou  órgão  equivalente,  mas  em  apenas   26%  dos  municípios  o  Conselho  está  em  funcionamento,  ou  seja,  em  32%  dos  municípios  o   Conselho  não  funciona.                                            
  18. 18.   Diagnóstico  de  Competências  Organizacionais  para  o  Turismo   19         Em  síntese,  nos  municípios  pesquisados,  não   existe   Conselho   Municipal   de   Turismo   em   42%  dos  municípios  e  em  32%  o  Conselho  existe  mas  não  funciona,  compondo  74%  de   municípios  sem  o  funcionamento  desse  órgão.       Trata-­‐se   de   uma   situação   grave,   na   medida   em   que   o   funcionamento   do   Conselho   é   absolutamente  essencial  para  a  articulação  dos  interesses  e  ações  entre  o  governo  local,  as   empresas  e  a  sociedade  civil,  articulação  que  por  sua  vez  é  uma  condição  irrecusável  para  a   formulação  de  políticas  integradas  e  para  a  mobilização  efetiva  da  comunidade  local  em  prol   do  Turismo.       Do  lado  governamental,  o  instrumento  básico  para  a  gestão  do  Turismo  é  o  Plano  Municipal   de   Turismo,   que   sinaliza   para   as   empresas   e   a   sociedade   as   metas   e   ações   públicas,   e   que   orienta  os  diversos  órgãos  públicos  municipais  na  execução  dessas  ações.     O  resultado  desta  pesquisa,  considerando  os  47  municípios  que  responderam  a  esta  questão   (entre  os  50  que  responderam  o  questionário),  é  também  bastante  grave,  pois  constata  que   mais   de   70%   desses   municípios   não   dispõem   de   Plano   de   Turismo,   nem   mesmo   de   qualquer  outro  instrumento  de  planejamento  estratégico  para  o  turismo.                     A   pesquisa   também   identifica   que   o   principal   e   indispensável   instrumento   para   o   planejamento   do   turismo,   o   Inventário   Turístico,   não   existe   em   73%   dos   municípios   pesquisados.  Este  fato  completa  um  cenário  desafiador  para  o  Sistema  Estadual  de  Turismo  e   para   a   SETUR,   na   medida   em   que   o   desenvolvimento   do   turismo   do   Estado   depende   fundamentalmente  do  protagonismo  dos  municípios  no  planejamento  e  gestão  das  ações.                
  19. 19.   Diagnóstico  de  Competências  Organizacionais  para  o  Turismo   20       6.  Conclusões     Abrangendo  50  municípios  turísticos,  61%  de  um  total  de  82  municípios  que  participam  da   Rede   de   Inovação   em   Gestão   do   Turismo   e   do   Curso   de   Politicas   Públicas   de   Gestão   do   Turismo,  esta  pesquisa  traz  informações  de  grande  relevância  para  uma  avaliação  da  situação   da  gestão  do  turismo  nos  municípios  baianos.     Com  base  na  análise  realizada  neste  documento,  podemos  concluir  que:     a) A  base  econômica  dos  municípios  turísticos  pesquisados  é  em  geral  precária,  com  forte   domínio  das  atividades  no  setor  primário  e  no  comércio  (82%  e  54%  dos  municípios  tem   essas  como  suas  atividades  econômicas  principais),  e  forte  dependência  das  transferências   tributárias   (60%   dos   municípios),   o   que   ressalta   o   papel   estratégico   da   oportunidade   representada  pelo  Turismo  para  o  desenvolvimento  econômico  e  social  local;       b) Existe   uma   escassa   presença   do   turismo   municipal   na   Internet,   uma   vez   que   70%   dos   municípios  não  dispõe  sequer  de  um  site  dedicada  à  promoção  do  turismo,  que  seria  o   passo  inicial  para  uma  inserção  do  município  no  mercado  global,  que  cada  vez  mais  realiza   suas   operações   de   promoção,   venda   e   suporte   de   produtos   turísticos   através   da   rede   global.   Observe-­‐se   que   não   parece   existir   dificuldade   técnica   para   este   primeiro   passo,   uma  vez  que  86%  dos  municípios  dispõem  de  sites  institucionais  na  Internet;       c) Em  relação  à  infraestrutura  turística  básica  (hospedagem),  a  análise  realizada  recomenda   atenção   aos   formatos   de   baixo   custo   (pensões   e   hospedagem   familiar),   que,   em   alinhamento  com  tendência  internacional,  mobilizam  pequenos  empreendimentos  locais,   são   porta   de   entrada   para   investimentos   maiores   com   base   local,   e   oferecem   uma   alternativa  de  baixo  custo,  com  potencial  impacto  sobre  o  turismo  de  setores  médios  de   renda,  especialmente  sobre  o  turismo  de  jovens;       d) Observa-­‐se  um  deslocamento,  entre  o  perfil  dos  atrativos  turísticos  atualmente  existentes   nos   municípios   e   o   perfil   dos   atrativos   considerados   de   potencial   estratégico   pelos   gestores.   Esse   deslocamento   se   dá   no   sentido   de   atribuir   maior   ênfase   aos   atrativos   baseados  na  cultura  e  arte  local  (que  expressam  a  busca  de  diferenciais  competitivos  mais   sustentáveis,  em  relação  aos  atrativos  naturais),  e  na  estruturação  de  trilhas  e  roteiros,   (que   aponta   para   uma   organização   mais   profissional   e   moderna   da   oferta   do   produto   turístico;       e) A   pesquisa   registra   ainda   uma   baixa   perspectiva   relativa   ao   investimento   planejado   na   qualificação  das  estruturas  e  na  implementação  dos  instrumentos  municipais  de  gestão  do   turismo,  contemplado  por  apenas  24%  de  municípios,  enquanto  os  investimentos  citados   como  mais  relevantes  pelos  gestores  são  os  investimentos  em  infraestrutura  urbana  (54%   dos  municípios)  e  na  infraestrutura  especificamente  turística  (66%).  Esse  cenário  sugere   baixa   consciência   do   caráter   estratégico   do   investimento   em   planejamento   e   gestão   do   turismo,   que   na   realidade   é   uma   condição   incontornável   para   uma   infraestrutura   e   serviços   de   qualidade.   Sugere   também   a   emergência,   no   campo   do   turismo,   das   deficiências  de  infraestrutura  urbana  geral,  e  a  necessidade  de  inclui-­‐las  no  planejamento   do  turismo,  uma  vez  que  tem  impactos  significativo  na  atração  e  retenção  dos  turistas  no   município;      
  20. 20.   Diagnóstico  de  Competências  Organizacionais  para  o  Turismo   21       f) Mas   certamente   a   conclusão   mais   importante   desta   pesquisa   seja   a   precariedade   dos   indicadores  relacionados  à  gestão  municipal  do  turismo:       i) Baixa   prioridade   do   orçamento   próprio   municipal   alocado   aos   órgãos   públicos   de   turismo,   que   representa   apenas,   em   média,   como   visto   entre   os   municípios   pesquisados,  cerca  de  1,3%  do  orçamento  municipal;       ii) Diminuto   efetivo   de   servidores   alocados   ao   turismo   (vinculados   ao   órgão   de   gestão   municipal  de  turismo),  revelado  na  análise  precedente,  onde  32%  dos  municípios  tem   de  zero  a  2  servidores  dedicados;       iii) Fortes   limitações   no   que   se   refere   ao   planejamento   do   turismo,   com   70%   dos   municípios  sem  um  Plano  Municipal  de  Turismo  e  73%  sem  dispor  de  um  inventário   de  seus  atrativos,  recursos  e  infraestrutura  para  o  turismo;       iv) Ausência   de   mecanismos   de   governança   que   integre   as   forças   locais   (governo,   sociedade  e  empresas)  e  institua  processos  ordenados  e  transparentes  de  definição  e   gestão  das  políticas  de  turismo:  em  74%  dos  municípios  não  funciona  um  Conselho  de   Turismo,  apesar  de  58%  dos  municípios  declararem  te-­‐lo  criado  formalmente.     Atuando   neste   cenário   de   intensa   precariedade,   a   implementação   da   Rede   de   Inovação   em   Gestão  do  Turismo  e  do  Curso  de  Gestão  de  Politicas  Públicas  no  Turismo  revelou  o  potencial   da  parceria  entre  a  SETUR  e  a  UFBA  no  sentido  do  desenvolvimento  de  maior  capacidade  de   gestão  municipal  no  setor,  ponto  estratégico  para  qualquer  propósito  de  desenvolvimento  do   turismo  no  Estado  da  Bahia.     Essa  contribuição  tem  se  dado  através  da  mobilização  de  um  conjunto  de  recursos  acadêmicos   e  tecnológicos  que  vem  se  demonstrando  altamente  eficazes  como  meio  de  disseminação  de   conhecimentos   especializados   e,   especialmente,   como   meio   de   mobilização,   articulação   e   cooperação  entre  as  equipes  municipais  dispersas  pelo  largo  território  da  Bahia.     Nesse   contexto,   os   resultados   da   pesquisa   confirmam   as   razões   que   motivaram   a   implementação  da  Rede  e  do  Curso,  e  recomendam  a  continuidade  e  a  expansão  do  Programa,   com  os  seguintes  focos:     1. Implementação  do  Curso  de  Especialização  em  Gestão  Pública  do  Turismo  no  formato   EAD,   dando   continuidade   à   qualificação   especializada   dos   gestores   municipais   do   turismo  iniciada  pelo  Curso  de  extensão  ora  em  finalização;       2. Consolidação   e   intensificação   da   atividade   da   Rede,   promovendo   a   cooperação   sistemática  entre  as  equipes  municipais,  especialmente  para  o  compartilhamento  das   experiências   bem   sucedidas   em   gestão   (especialmente   quanto   à   elaboração   da   Lei   Municipal  do  Turismo,  à  elaboração  do  Inventário  e  do  Plano  Municipal  de  Turismo,  e  à   implementação   do   Conselho   Municipal).   Esse   compartilhamento,   viabilizado   a   mais   baixo   custo   pelos   mecanismos   virtuais   da   Rede,   viabilizará   a   transferência   de   conhecimentos   e   experiências   dos   municípios   que   já   tem   essas   competências   organizacionais  para  aqueles  –  ainda  a  grande  maioria  –  que  ainda  não  dominam  esses   instrumentos  essenciais.    
  21. 21.     Diagnóstico  de  Competências  Organizacionais  para  o  Turismo          

×