A

•A arte eletrônica é aquela cujas
ferramentas e suporte estão no
computador, na computação
gráfica, samples digitais, c...
Interação de Ferramentas em
ambientes físicos
•
•

Civilização do Virtual
Civilização do Virtual

• Civilização do Virtual
Um dos pioneiros da arte eletrônica
em rede é Douglas Davis que, em
1976, criou a performance "Seven
Thoughts" utilizando ...
•“A arte exprime sempre o imaginário de sua época. A
modernidade configura-se a partir da autonomia de
diversos campos do ...
•“O autor e o público se misturam de forma
simbiótica.”
•A troca de informações e a comunicação torna-se o
ideal da modern...
Ciber-arte
•Conceito que expressa-se artisticamente a
partir de máquinas e suas tecnologias, sendo a
interação do
artista ...
Arte do Futuro
Arte Eletrónica e Cibercultura
•“A arte eletrônica (e não só a que se utiliza diretamente
das imagens digitais) ela se des...
Conclusão
“Mesmo que no futuro todos os media sejam
digitais, os media clássicos e a arte analógica
não vão desaparecer, m...
Jose Taveira- nr 50935
História das Artes Visuais e Contemporâneas

ARTE
DIGITAL
INTRODUÇÃO
 A internet começa a desenvolver-se, tornando-se um forte meio

de comunicação. O universo virtual permite que...
ARTE DIGITAL – COMO SURGIU?
 A arte digital surgiu como uma consequência da evolução

tecnológica dos computadores na seg...
ARTE DIGITAL – O QUE É?
 Arte digital ou arte de computador é aquela produzida em

ambiente gráfico computacional. Utiliz...
ARTE DIGITAL – ALGUNS EXEMPLOS
ARTE DIGITAL – PINTURA DIGITAL
 Pintura digital ou ilustração digital, trata-se da geração de

trabalhos utilizando progr...
ARTE DIGITAL – DESENHO DIGITAL
 O desenho digital é elaborado por meio de ferramentas virtuais

que simulam as utilizadas...
ARTE DIGITAL – PIXEL ART
 Forma criada inteiramente por mapas de pixels, usando a mais

simples das ferramentas digitais ...
ARTE DIGITAL – VECTORIAL
 As imagens são geradas por meio de vetores. Os softwares

registram para cada entidade (objeto)...
ARTE DIGITAL – ILUSTRAÇÃO
 Estas ilustrações gráficas caracterizam-se por utilizar vetores

para definir as primitivas ge...
ARTE DIGITAL – MANIPULAÇÃO DE
IMAGENS
 E por fim, e sendo este o nosso tema de trabalho prático, é uma

das principais ár...
REFLEXÃO
 O grande encanto da arte digital é a interactividade em tempo

real, da qual o público participa. O acto de int...
CONCLUSÃO
 É fascinante o poder artístico que a arte interactiva permite ao

espectador… No mesmo minuto que alguém a cri...
WEBGRAFIA
Fluxus
O que foi o “Fluxus”?
Fluxus foi um movimento artístico de cariz
libertário, bem como visual e musical, sendo
caracterizad...
“Há muito, muito, muito tempo atrás, quando o
mundo ainda era jovem – por volta do ano de 1958
– artistas, compositores e ...
“Porque é que a chávena de café, o beijo pela
manhã e as botas molhadas têm que
obrigatoriamente pertencer a algo maior e
...
Artistas
George Maciunas
George Brecht
Nam June Paik
Bem Vautier
Yoko Ono
Robert Watts
Ken Friedman
La Monte Young
Joseph ...
Fluxus não tem:
•
•
•
•
•
•

Financiamento elevado
Sinceridade
Ideia de Arte
Sentido
Humanidade
Mensagem
“A ideia é uma máquina que cria arte”
Nam June Paik
Nam June Paik foi pioneiro na arte com video. O
seu trabalho era principalmente escultura,
altamente técnico e pretendia e...
• Trabalho elaborado por
José Costa 54396
Sandro Nascimento 51502
José Taveira 50935
Arte eletrónica
Arte eletrónica
Arte eletrónica
Arte eletrónica
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Arte eletrónica

301 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
301
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
17
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
4
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Arte eletrónica

  1. 1. A •A arte eletrônica é aquela cujas ferramentas e suporte estão no computador, na computação gráfica, samples digitais, camara de vídeo e digital. A Internet é o principal veiculo da arte electrónica, apesar de já ser exposta em ambientes físicos, com em exposições específicas.
  2. 2. Interação de Ferramentas em ambientes físicos
  3. 3. • • Civilização do Virtual Civilização do Virtual • Civilização do Virtual
  4. 4. Um dos pioneiros da arte eletrônica em rede é Douglas Davis que, em 1976, criou a performance "Seven Thoughts" utilizando satélites. Em 1977, o projeto "Sattelite Ars Project" (Galloway e Rabinowitz) liga os dois lados da América. Nesse mesmo ano Paik, Beuys e Davois apresentam o "Performance Television" via satélite, no Documenta VI em Kassel, Alemanha. Em todas essas performances são enfatizadas a utilização do novo espaço eletrônico, do tempo real e da interatividade. Os mesmos Galloway e Rabinowitz vão, em 1980, criar "Hole in Space" interligando câmeras e monitores de TV em L.A. e N.Y. por satélites.
  5. 5. •“A arte exprime sempre o imaginário de sua época. A modernidade configura-se a partir da autonomia de diversos campos do saber como ciência, arte, moral.” •Atualmente o fenómeno artístico distanciou-se do ecletismo do século XIX e procurou a racionalização. •Os valores artísticos deixam de focar o mundo fantástico e gira em torno da realidade (“sintetizando os valores económicos, tecnológicos e epistemológicos do maquinismo da modernidade”). •“As novas possibilidades tecnológicas começam a interessar os artistas contemporâneos (fotografia, cinema televisão e vídeo).”
  6. 6. •“O autor e o público se misturam de forma simbiótica.” •A troca de informações e a comunicação torna-se o ideal da modernidade.
  7. 7. Ciber-arte •Conceito que expressa-se artisticamente a partir de máquinas e suas tecnologias, sendo a interação do artista com ferramentas de alta tecnologia, este tipo de arte começa a aparecer em todas as diferentes manifestações da intenção artística ou do belo. A partir da década de 70 as novas tecnologias começam a ser adaptadas para o artista. A criação de um arte aberta começa a tomar forma.
  8. 8. Arte do Futuro
  9. 9. Arte Eletrónica e Cibercultura •“A arte eletrônica (e não só a que se utiliza diretamente das imagens digitais) ela se desloca da representação para a simulação. A ciber-arte, em todas as suas expressões atua sob o paradigma do digital. A sociedade do espetáculo representou o mundo através da cultura de massa mediática (jornal, TV, rádio, show, teatro, etc).” •A ciber-arte transita entre o espaço físico e o ciberespaço.
  10. 10. Conclusão “Mesmo que no futuro todos os media sejam digitais, os media clássicos e a arte analógica não vão desaparecer, mas passar por transformações profundas e passar para arte eletrónica com o tempo...”
  11. 11. Jose Taveira- nr 50935
  12. 12. História das Artes Visuais e Contemporâneas ARTE DIGITAL
  13. 13. INTRODUÇÃO  A internet começa a desenvolver-se, tornando-se um forte meio de comunicação. O universo virtual permite que os limites reais sejam ampliados para infinitas possibilidades de interferir e interagir neste espaço virtual. Surge, neste contexto, a Arte Digital.  Ela estende-se em algumas variantes, tais como:  Pintura Digital;  Desenho Digital;  Pixel Art;  Vectorial;  Etc…
  14. 14. ARTE DIGITAL – COMO SURGIU?  A arte digital surgiu como uma consequência da evolução tecnológica dos computadores na segunda metade do século XX, quando, em 1960, foram inventados os circuitos integrados, que deram origem aos princípios da electrónica e da informática.  Uma revolução tecnológica foi desencadeada mundialmente, devido à infinidade de possibilidades e aplicações que podem ser propostas, e envolveu diversos meios de pesquisas tecnológicas, científicas e artísticas. Ao mesmo tempo, a velocidade com que os equipamentos (hardwares), programas (softwares) e plataformas se desenvolveram, gerou o problema da obsolescência de máquinas, constituindo assim o desafio da preservação e conservação de acervos culturais e científicos.
  15. 15. ARTE DIGITAL – O QUE É?  Arte digital ou arte de computador é aquela produzida em ambiente gráfico computacional. Utiliza-se processos digitais e virtuais, inclui experiências com net arte, web arte, videoarte, etc. Tem o objetivo de dar vida virtual às coisas e mostrar que a arte não é feita só à mão. Existem diversas categorias de arte digital que apresentaremos ao longo desta apresentação…
  16. 16. ARTE DIGITAL – ALGUNS EXEMPLOS
  17. 17. ARTE DIGITAL – PINTURA DIGITAL  Pintura digital ou ilustração digital, trata-se da geração de trabalhos utilizando programas específicos para edição de imagem que simulam a pintura em óleo sobre tela. Muito embora existam possibilidades de aquarela, baixos-relevos, etc.
  18. 18. ARTE DIGITAL – DESENHO DIGITAL  O desenho digital é elaborado por meio de ferramentas virtuais que simulam as utilizadas na Arte Tradicional. É o aspecto mais conhecido da Arte Digital, constantemente confundido com a mesma.  Dentro desta categoria de arte digital, encaixam-se as Pinturas Digitais, gravura digital e os trabalhos de Oekaki. As pinturas nada mais são do que desenhos digitais feitos com maior atenção em relação a detalhes, sombras e luzes. É o equivalente digital às pinturas em quadros e telas.
  19. 19. ARTE DIGITAL – PIXEL ART  Forma criada inteiramente por mapas de pixels, usando a mais simples das ferramentas digitais (conhecida como "Lápis"). Cada pixel é colocado num lugar específico com o objetivo de melhorar a representação iconográfica da imagem e completar a intenção original do artista. Os tão conhecidos e populares “emoticons” são trabalhos de pixel art. Esta técnica é também muito importante no desenvolvimento dos ícones e ferramentas das interfaces gráficas dos softwares.
  20. 20. ARTE DIGITAL – VECTORIAL  As imagens são geradas por meio de vetores. Os softwares registram para cada entidade (objeto) uma informação matemática. Estes dados podem ser livremente acedidos e alterados a qualquer momento. Os gráficos vetoriais são normalmente mais versáteis pois permitem alteração nos desenhos produzidos, além do aumento de dimensões sem grande perda de qualidade.
  21. 21. ARTE DIGITAL – ILUSTRAÇÃO  Estas ilustrações gráficas caracterizam-se por utilizar vetores para definir as primitivas geométricas. As linhas, círculos, polígonos, etc são definidas por registros matemáticos. Este processo permite a alteração de cada entidade geométrica de forma independente.  Um dos exemplos práticos consiste em transformar uma fotografia em uma imagem vetorial, costuma-se chamar este processo de vetorização. Este processo perde nuances do original, tornando-se menos realista.
  22. 22. ARTE DIGITAL – MANIPULAÇÃO DE IMAGENS  E por fim, e sendo este o nosso tema de trabalho prático, é uma das principais áreas de expressão da arte digital. Consiste em manipular uma fotografia, sendo esta manipulação visível além de mudança de cores. Deve-se manter em mente que somente pode-se utilizar fotografias de “stock” para realizar manipulações que não infrinjam as leis de copyright autoral.
  23. 23. REFLEXÃO  O grande encanto da arte digital é a interactividade em tempo real, da qual o público participa. O acto de interagir físicamente ou virtualmente com a obra permite o acesso a um universo lúdico.  E foi desta forma que recaímos sobre o nosso objecto criativo. Apesar das limitações de condições de trabalho, partimos para os nossos sonhos e medos, e numa altura que se ouve falar de profecias de que o mundo iria acabar em breve, pensamos e quisemos retractar esse ou uma consequência desse momento catastrófico.
  24. 24. CONCLUSÃO  É fascinante o poder artístico que a arte interactiva permite ao espectador… No mesmo minuto que alguém a cria e recria a obra, assim como nós fizemos, centenas de outros espectadores em diferentes lugares do planeta fazem o mesmo, cada um do seu jeito com as características da própria cultura, o que faz com que a obra torne-se viva, modificando-se a cada segundo.  Tivemos pena do pouco tempo disponível para investir à fundo neste temática da Arte Digital, é um tema do qual ambos partilhamos interesse e curiosidade, e que sem dúvida alguma que esta é uma das nossas áreas preferidas a seguir no futuro e só temos a agradecer ao professor por nos dar esta oportunidade!
  25. 25. WEBGRAFIA
  26. 26. Fluxus
  27. 27. O que foi o “Fluxus”? Fluxus foi um movimento artístico de cariz libertário, bem como visual e musical, sendo caracterizado pela mescla de diferentes artes. Teve o seu momento mais activo entre a década de 1960 e a década de 1970, declarando-se contra o objecto artístico tradicional como mercadoria e proclamou-se como sendo antiarte.
  28. 28. “Há muito, muito, muito tempo atrás, quando o mundo ainda era jovem – por volta do ano de 1958 – artistas, compositores e outras pessoas que queriam fazer algo bonito começaram a olhar o mundo de uma maneira que era considerava nova (para eles) - “Bem! Uma chávena de café pode ser mais bonita que uma escultura de requinte! Um beijo pela manhã pode ter mais drama que um drama realizado pelo Sr.Lamechas! O chapinhar das minhas botas numa poça de lama pode soar melhor que o som do melhor orgão!””
  29. 29. “Porque é que a chávena de café, o beijo pela manhã e as botas molhadas têm que obrigatoriamente pertencer a algo maior e melhor? Porque é que não os posso usar simplesmente por aquilo que são?” E assim nasceu o Fluxus
  30. 30. Artistas George Maciunas George Brecht Nam June Paik Bem Vautier Yoko Ono Robert Watts Ken Friedman La Monte Young Joseph Beuys John Cage
  31. 31. Fluxus não tem: • • • • • • Financiamento elevado Sinceridade Ideia de Arte Sentido Humanidade Mensagem
  32. 32. “A ideia é uma máquina que cria arte”
  33. 33. Nam June Paik
  34. 34. Nam June Paik foi pioneiro na arte com video. O seu trabalho era principalmente escultura, altamente técnico e pretendia explorar a nossa atracção e obsessão pelos media.
  35. 35. • Trabalho elaborado por José Costa 54396 Sandro Nascimento 51502 José Taveira 50935

×