SlideShare uma empresa Scribd logo
História das Artes Visuais e Contemporâneas



                                   ARTE
                                   DIGITAL
                                              Trabalho realizado por:
                                                  Agostinho Oliveira
                                                        Joel Oliveira
INTRODUÇÃO
 A internet começa a desenvolver-se, tornando-se um forte meio
  de comunicação. O universo virtual permite que os limites reais
  sejam ampliados para infinitas possibilidades de interferir e
  interagir neste espaço virtual. Surge, neste contexto, a Arte
  Digital.

 Ela estende-se em algumas variantes, tais como:
    Pintura Digital;
    Desenho Digital;
    Pixel Art;
    Vectorial;
    Etc…
ARTE DIGITAL – COMO SURGIU?
 A arte digital surgiu como uma consequência da evolução
  tecnológica dos computadores na segunda metade do século
  XX, quando, em 1960, foram inventados os circuitos
  integrados, que deram origem aos princípios da electrónica e da
  informática.

 Uma      revolução       tecnológica        foi    desencadeada
  mundialmente, devido à infinidade de possibilidades e aplicações
  que podem ser propostas, e envolveu diversos meios de
  pesquisas tecnológicas, científicas e artísticas. Ao mesmo
  tempo,   a    velocidade      com    que        os  equipamentos
  (hardwares), programas (softwares) e plataformas se
  desenvolveram, gerou o problema da obsolescência de
  máquinas, constituindo assim o desafio da preservação e
  conservação de acervos culturais e científicos.
ARTE DIGITAL – O QUE É?
 Arte digital ou arte de computador é aquela produzida em
  ambiente gráfico computacional. Utiliza-se processos digitais e
  virtuais, inclui experiências com net arte, web arte, videoarte, etc.
  Tem o objetivo de dar vida virtual às coisas e mostrar que a arte
  não é feita só à mão. Existem diversas categorias de arte digital
  que apresentaremos ao longo desta apresentação…
ARTE DIGITAL – ALGUNS EXEMPLOS
ARTE DIGITAL – PINTURA DIGITAL
 Pintura digital ou ilustração digital, trata-se da geração de
  trabalhos utilizando programas específicos para edição de
  imagem que simulam a pintura em óleo sobre tela. Muito embora
  existam possibilidades de aquarela, baixos-relevos, etc.
ARTE DIGITAL – DESENHO DIGITAL
 O desenho digital é elaborado por meio de ferramentas virtuais
  que simulam as utilizadas na Arte Tradicional. É o aspecto mais
  conhecido da Arte Digital, constantemente confundido com a
  mesma.
 Dentro desta categoria de arte digital, encaixam-se as Pinturas
  Digitais, gravura digital e os trabalhos de Oekaki. As pinturas
  nada mais são do que desenhos digitais feitos com maior
  atenção em relação a detalhes, sombras e luzes. É o equivalente
  digital às pinturas em quadros e telas.
ARTE DIGITAL – PIXEL ART
 Forma criada inteiramente por mapas de pixels, usando a mais
  simples das ferramentas digitais (conhecida como "Lápis"). Cada
  pixel é colocado num lugar específico com o objetivo de melhorar
  a representação iconográfica da imagem e completar a intenção
  original do artista. Os tão conhecidos e populares “emoticons”
  são trabalhos de pixel art. Esta técnica é também muito
  importante no desenvolvimento dos ícones e ferramentas das
  interfaces gráficas dos softwares.
ARTE DIGITAL – VECTORIAL
 As imagens são geradas por meio de vetores. Os softwares
  registram para cada entidade (objeto) uma informação
  matemática. Estes dados podem ser livremente acedidos e
  alterados a qualquer momento. Os gráficos vetoriais são
  normalmente mais versáteis pois permitem alteração nos
  desenhos produzidos, além do aumento de dimensões sem
  grande perda de qualidade.
ARTE DIGITAL – ILUSTRAÇÃO
 Estas ilustrações gráficas caracterizam-se por utilizar vetores
  para      definir    as     primitivas     geométricas.   As
  linhas, círculos, polígonos, etc são definidas por registros
  matemáticos. Este processo permite a alteração de cada
  entidade geométrica de forma independente.


 Um    dos exemplos práticos consiste em transformar uma
  fotografia em uma imagem vetorial, costuma-se chamar este
  processo de vetorização. Este processo perde nuances do
  original, tornando-se menos realista.
ARTE DIGITAL – MANIPULAÇÃO DE
IMAGENS

 E por fim, e sendo este o nosso tema de trabalho prático, é uma
  das principais áreas de expressão da arte digital. Consiste em
  manipular uma fotografia, sendo esta manipulação visível além
  de mudança de cores. Deve-se manter em mente que somente
  pode-se utilizar fotografias de “stock” para realizar manipulações
  que não infrinjam as leis de copyright autoral.
REFLEXÃO
 O grande encanto da arte digital é a interactividade em tempo
  real, da qual o público participa. O acto de interagir físicamente
  ou virtualmente com a obra permite o acesso a um universo
  lúdico.


 E foi desta forma que recaímos sobre o nosso objecto criativo.
  Apesar das limitações de condições de trabalho, partimos para os
  nossos sonhos e medos, e numa altura que se ouve falar de
  profecias de que o mundo iria acabar em breve, pensamos e
  quisemos retractar esse ou uma consequência desse momento
  catastrófico.
CONCLUSÃO
 É fascinante o poder artístico que a arte interactiva permite ao
  espectador… No mesmo minuto que alguém a cria e recria a
  obra, assim como nós fizemos, centenas de outros espectadores
  em diferentes lugares do planeta fazem o mesmo, cada um do
  seu jeito com as características da própria cultura, o que faz com
  que a obra torne-se viva, modificando-se a cada segundo.

 Tivemos pena do pouco tempo disponível para investir à fundo
  neste temática da Arte Digital, é um tema do qual ambos
  partilhamos interesse e curiosidade, e que sem dúvida alguma
  que esta é uma das nossas áreas preferidas a seguir no futuro e
  só temos a agradecer ao professor por nos dar esta
  oportunidade!
WEBGRAFIA

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Arte barroca slides 33
Arte barroca slides 33Arte barroca slides 33
Arte barroca slides 33
zildagomesk
 
Arte - Romantismo
Arte - RomantismoArte - Romantismo
Arte - Romantismo
Maiara Giordani
 
Cubismo
CubismoCubismo
História da arte
História da arteHistória da arte
História da arte
EwertonRodrigues26
 
Elementos Básicos da Linguagem Visual. Prof. Garcia Junior
Elementos Básicos da Linguagem Visual. Prof. Garcia JuniorElementos Básicos da Linguagem Visual. Prof. Garcia Junior
Elementos Básicos da Linguagem Visual. Prof. Garcia Junior
Secretaria de Educação do Maranhão e Imagética Consultoria e Design
 
Design
Design Design
Design
Piedade Alves
 
Ensino Médio- A Arte Contemporânea
Ensino Médio-  A  Arte ContemporâneaEnsino Médio-  A  Arte Contemporânea
Ensino Médio- A Arte Contemporânea
ArtesElisa
 
Arte Barroca
Arte BarrocaArte Barroca
Arte Barroca
Carlos Pinheiro
 
Arte digital
Arte digitalArte digital
Arte digital
Luis farvalho
 
Retrato e auto retrato
Retrato e auto retratoRetrato e auto retrato
Retrato e auto retrato
luciliapereira
 
Arte pre historia
Arte pre historiaArte pre historia
Arte pre historia
Aline Raposo
 
Técnicas de pintura e desenho
Técnicas de pintura e desenhoTécnicas de pintura e desenho
Técnicas de pintura e desenho
Isabella Silva
 
O que é a arte
O que é a arteO que é a arte
O que é a arte
Ana Barreiros
 
61 idade média resumo [modo de compatibilidade]
61 idade média resumo [modo de compatibilidade]61 idade média resumo [modo de compatibilidade]
61 idade média resumo [modo de compatibilidade]
Denise Lugli
 
ARTES: Renascimento
ARTES: RenascimentoARTES: Renascimento
ARTES: Renascimento
BlogSJuniinho
 
Aula História da Arte_Introdução à história da arte segundo Gombrich
Aula História da Arte_Introdução à história da arte segundo GombrichAula História da Arte_Introdução à história da arte segundo Gombrich
Aula História da Arte_Introdução à história da arte segundo Gombrich
Lila Donato
 
Desenho e Ilustração
Desenho e IlustraçãoDesenho e Ilustração
Desenho e Ilustração
Gui Souza A
 
Op Art
Op ArtOp Art
Elementos visuais
Elementos visuaisElementos visuais
Elementos visuais
Viviane Marques
 
Comunicação visual
Comunicação visualComunicação visual
Comunicação visual
Paula Caldeira
 

Mais procurados (20)

Arte barroca slides 33
Arte barroca slides 33Arte barroca slides 33
Arte barroca slides 33
 
Arte - Romantismo
Arte - RomantismoArte - Romantismo
Arte - Romantismo
 
Cubismo
CubismoCubismo
Cubismo
 
História da arte
História da arteHistória da arte
História da arte
 
Elementos Básicos da Linguagem Visual. Prof. Garcia Junior
Elementos Básicos da Linguagem Visual. Prof. Garcia JuniorElementos Básicos da Linguagem Visual. Prof. Garcia Junior
Elementos Básicos da Linguagem Visual. Prof. Garcia Junior
 
Design
Design Design
Design
 
Ensino Médio- A Arte Contemporânea
Ensino Médio-  A  Arte ContemporâneaEnsino Médio-  A  Arte Contemporânea
Ensino Médio- A Arte Contemporânea
 
Arte Barroca
Arte BarrocaArte Barroca
Arte Barroca
 
Arte digital
Arte digitalArte digital
Arte digital
 
Retrato e auto retrato
Retrato e auto retratoRetrato e auto retrato
Retrato e auto retrato
 
Arte pre historia
Arte pre historiaArte pre historia
Arte pre historia
 
Técnicas de pintura e desenho
Técnicas de pintura e desenhoTécnicas de pintura e desenho
Técnicas de pintura e desenho
 
O que é a arte
O que é a arteO que é a arte
O que é a arte
 
61 idade média resumo [modo de compatibilidade]
61 idade média resumo [modo de compatibilidade]61 idade média resumo [modo de compatibilidade]
61 idade média resumo [modo de compatibilidade]
 
ARTES: Renascimento
ARTES: RenascimentoARTES: Renascimento
ARTES: Renascimento
 
Aula História da Arte_Introdução à história da arte segundo Gombrich
Aula História da Arte_Introdução à história da arte segundo GombrichAula História da Arte_Introdução à história da arte segundo Gombrich
Aula História da Arte_Introdução à história da arte segundo Gombrich
 
Desenho e Ilustração
Desenho e IlustraçãoDesenho e Ilustração
Desenho e Ilustração
 
Op Art
Op ArtOp Art
Op Art
 
Elementos visuais
Elementos visuaisElementos visuais
Elementos visuais
 
Comunicação visual
Comunicação visualComunicação visual
Comunicação visual
 

Destaque

Arte Digital
Arte DigitalArte Digital
Arte Digital
Luís Ramos
 
Arte Digital
Arte DigitalArte Digital
Arte Digital
Naryta
 
Arte Digital
Arte DigitalArte Digital
Arte Digital
ppgmkt
 
Arte Digital
Arte Digital Arte Digital
Arte Digital
Andrea Salcedo
 
Arte digital
Arte digitalArte digital
Arte digital
fabiosigre
 
Introdução a arte digital
Introdução a arte digitalIntrodução a arte digital
Introdução a arte digital
Odair Cavichioli
 
Pdf interactivo arte digital
Pdf interactivo arte digitalPdf interactivo arte digital
Pdf interactivo arte digital
dunia elvir
 
Arte Digital
Arte DigitalArte Digital
Arte Digital
clarice.rsilveira
 
CLC Questões
CLC QuestõesCLC Questões
CLC Questões
Alfredo Garcia
 
Arte e Cultura do Audiovisual
Arte e Cultura do AudiovisualArte e Cultura do Audiovisual
Arte e Cultura do Audiovisual
Elizabeth Fantauzzi
 
Aula 02 arte digital
Aula 02 arte digitalAula 02 arte digital
Aula 02 arte digital
Venise Melo
 
Plano de ensino desenho digital
Plano de ensino desenho digitalPlano de ensino desenho digital
Plano de ensino desenho digital
Venise Melo
 
Arte digital - Laurence Gartel
Arte digital - Laurence GartelArte digital - Laurence Gartel
Arte digital - Laurence Gartel
Catarina Vaz
 
15 320 produktkatalog_rz_6_72dpi3
15 320 produktkatalog_rz_6_72dpi315 320 produktkatalog_rz_6_72dpi3
15 320 produktkatalog_rz_6_72dpi3
beenkerkollegen
 
Arte Digital
Arte DigitalArte Digital
Arte Digital
Victoria A
 
Arte digital, un nuevo lenguaje que a partir de 1995 adopta el pintor Osmar S...
Arte digital, un nuevo lenguaje que a partir de 1995 adopta el pintor Osmar S...Arte digital, un nuevo lenguaje que a partir de 1995 adopta el pintor Osmar S...
Arte digital, un nuevo lenguaje que a partir de 1995 adopta el pintor Osmar S...
Osmar Santos
 
Fotos intervenidas a comienzos de la década del 2000
Fotos intervenidas a comienzos de la década del 2000Fotos intervenidas a comienzos de la década del 2000
Fotos intervenidas a comienzos de la década del 2000
Osmar Santos
 
Arte No Computador 2
Arte No Computador 2Arte No Computador 2
Arte No Computador 2
Isiszoca
 
Desenho digital plano ensino
Desenho digital plano ensinoDesenho digital plano ensino
Desenho digital plano ensino
Venise Melo
 
Arte digital
Arte digitalArte digital
Arte digital
alexis46
 

Destaque (20)

Arte Digital
Arte DigitalArte Digital
Arte Digital
 
Arte Digital
Arte DigitalArte Digital
Arte Digital
 
Arte Digital
Arte DigitalArte Digital
Arte Digital
 
Arte Digital
Arte Digital Arte Digital
Arte Digital
 
Arte digital
Arte digitalArte digital
Arte digital
 
Introdução a arte digital
Introdução a arte digitalIntrodução a arte digital
Introdução a arte digital
 
Pdf interactivo arte digital
Pdf interactivo arte digitalPdf interactivo arte digital
Pdf interactivo arte digital
 
Arte Digital
Arte DigitalArte Digital
Arte Digital
 
CLC Questões
CLC QuestõesCLC Questões
CLC Questões
 
Arte e Cultura do Audiovisual
Arte e Cultura do AudiovisualArte e Cultura do Audiovisual
Arte e Cultura do Audiovisual
 
Aula 02 arte digital
Aula 02 arte digitalAula 02 arte digital
Aula 02 arte digital
 
Plano de ensino desenho digital
Plano de ensino desenho digitalPlano de ensino desenho digital
Plano de ensino desenho digital
 
Arte digital - Laurence Gartel
Arte digital - Laurence GartelArte digital - Laurence Gartel
Arte digital - Laurence Gartel
 
15 320 produktkatalog_rz_6_72dpi3
15 320 produktkatalog_rz_6_72dpi315 320 produktkatalog_rz_6_72dpi3
15 320 produktkatalog_rz_6_72dpi3
 
Arte Digital
Arte DigitalArte Digital
Arte Digital
 
Arte digital, un nuevo lenguaje que a partir de 1995 adopta el pintor Osmar S...
Arte digital, un nuevo lenguaje que a partir de 1995 adopta el pintor Osmar S...Arte digital, un nuevo lenguaje que a partir de 1995 adopta el pintor Osmar S...
Arte digital, un nuevo lenguaje que a partir de 1995 adopta el pintor Osmar S...
 
Fotos intervenidas a comienzos de la década del 2000
Fotos intervenidas a comienzos de la década del 2000Fotos intervenidas a comienzos de la década del 2000
Fotos intervenidas a comienzos de la década del 2000
 
Arte No Computador 2
Arte No Computador 2Arte No Computador 2
Arte No Computador 2
 
Desenho digital plano ensino
Desenho digital plano ensinoDesenho digital plano ensino
Desenho digital plano ensino
 
Arte digital
Arte digitalArte digital
Arte digital
 

Semelhante a Arte digital

Arte digital
Arte digitalArte digital
Arte digital
Joel
 
arte digital
arte digitalarte digital
arte digital
José Costa
 
Arte eletrã³nica final
Arte eletrã³nica finalArte eletrã³nica final
Arte eletrã³nica final
Sandro Nascimento
 
Arte eletrónica
Arte eletrónicaArte eletrónica
Arte eletrónica
José Taveira
 
Trabalho de história das artes contemporâneas-Arte Eletrónica, digital e Fluxus
Trabalho de história das artes contemporâneas-Arte Eletrónica, digital e FluxusTrabalho de história das artes contemporâneas-Arte Eletrónica, digital e Fluxus
Trabalho de história das artes contemporâneas-Arte Eletrónica, digital e Fluxus
luisevan
 
Trabalho de história das artes contemporâneas
Trabalho de história das artes contemporâneasTrabalho de história das artes contemporâneas
Trabalho de história das artes contemporâneas
luisevan
 
Trabalho de história das artes contemporâneas- Arte Eletrónica, Digital e Fluxus
Trabalho de história das artes contemporâneas- Arte Eletrónica, Digital e FluxusTrabalho de história das artes contemporâneas- Arte Eletrónica, Digital e Fluxus
Trabalho de história das artes contemporâneas- Arte Eletrónica, Digital e Fluxus
luisevan
 
Trabalho de história das artes contemporâneas
Trabalho de história das artes contemporâneasTrabalho de história das artes contemporâneas
Trabalho de história das artes contemporâneas
luisevan
 
Fluxus grupo
Fluxus grupoFluxus grupo
Fluxus grupo
Joao Rocha
 
Arte digital
Arte digitalArte digital
Arte digital
André Costa
 
Arte digital pp
Arte digital ppArte digital pp
Arte digital pp
França Nunes
 
Arte
ArteArte
Artedigitalfinal
ArtedigitalfinalArtedigitalfinal
Artedigitalfinal
Luís Rocha
 
Artedigitalfinal
ArtedigitalfinalArtedigitalfinal
Artedigitalfinal
Tiago Fonseca
 
Arte digital
Arte digitalArte digital
Arte digital
TatianaMachadoCM
 
Arte digital
Arte digitalArte digital
Arte digital
BernardoSilva2013
 
Arte Digital
Arte DigitalArte Digital
Arte Digital
BernardoSilva2013
 
Aula 03 net art
Aula 03 net artAula 03 net art
Aula 03 net art
Venise Melo
 
Trabalho 2
Trabalho 2Trabalho 2
Clc 5 – cultura, comunicação e media 1
Clc 5 – cultura, comunicação e media 1Clc 5 – cultura, comunicação e media 1
Clc 5 – cultura, comunicação e media 1
suzymusa
 

Semelhante a Arte digital (20)

Arte digital
Arte digitalArte digital
Arte digital
 
arte digital
arte digitalarte digital
arte digital
 
Arte eletrã³nica final
Arte eletrã³nica finalArte eletrã³nica final
Arte eletrã³nica final
 
Arte eletrónica
Arte eletrónicaArte eletrónica
Arte eletrónica
 
Trabalho de história das artes contemporâneas-Arte Eletrónica, digital e Fluxus
Trabalho de história das artes contemporâneas-Arte Eletrónica, digital e FluxusTrabalho de história das artes contemporâneas-Arte Eletrónica, digital e Fluxus
Trabalho de história das artes contemporâneas-Arte Eletrónica, digital e Fluxus
 
Trabalho de história das artes contemporâneas
Trabalho de história das artes contemporâneasTrabalho de história das artes contemporâneas
Trabalho de história das artes contemporâneas
 
Trabalho de história das artes contemporâneas- Arte Eletrónica, Digital e Fluxus
Trabalho de história das artes contemporâneas- Arte Eletrónica, Digital e FluxusTrabalho de história das artes contemporâneas- Arte Eletrónica, Digital e Fluxus
Trabalho de história das artes contemporâneas- Arte Eletrónica, Digital e Fluxus
 
Trabalho de história das artes contemporâneas
Trabalho de história das artes contemporâneasTrabalho de história das artes contemporâneas
Trabalho de história das artes contemporâneas
 
Fluxus grupo
Fluxus grupoFluxus grupo
Fluxus grupo
 
Arte digital
Arte digitalArte digital
Arte digital
 
Arte digital pp
Arte digital ppArte digital pp
Arte digital pp
 
Arte
ArteArte
Arte
 
Artedigitalfinal
ArtedigitalfinalArtedigitalfinal
Artedigitalfinal
 
Artedigitalfinal
ArtedigitalfinalArtedigitalfinal
Artedigitalfinal
 
Arte digital
Arte digitalArte digital
Arte digital
 
Arte digital
Arte digitalArte digital
Arte digital
 
Arte Digital
Arte DigitalArte Digital
Arte Digital
 
Aula 03 net art
Aula 03 net artAula 03 net art
Aula 03 net art
 
Trabalho 2
Trabalho 2Trabalho 2
Trabalho 2
 
Clc 5 – cultura, comunicação e media 1
Clc 5 – cultura, comunicação e media 1Clc 5 – cultura, comunicação e media 1
Clc 5 – cultura, comunicação e media 1
 

Mais de Agostinho

Ai - Relatório
Ai - RelatórioAi - Relatório
Ai - Relatório
Agostinho
 
Mapa de rodagem
Mapa de rodagemMapa de rodagem
Mapa de rodagem
Agostinho
 
Storyboard
StoryboardStoryboard
Storyboard
Agostinho
 
Guião de intenção
Guião de intençãoGuião de intenção
Guião de intenção
Agostinho
 
Guião técnico
Guião técnicoGuião técnico
Guião técnico
Agostinho
 
Michael Bay
Michael BayMichael Bay
Michael Bay
Agostinho
 
Expressionismo
ExpressionismoExpressionismo
Expressionismo
Agostinho
 
Regra dos terços - Fotografia
Regra dos terços - FotografiaRegra dos terços - Fotografia
Regra dos terços - Fotografia
Agostinho
 
Forças de Atrito
Forças de AtritoForças de Atrito
Forças de Atrito
Agostinho
 

Mais de Agostinho (10)

Ai - Relatório
Ai - RelatórioAi - Relatório
Ai - Relatório
 
Mapa de rodagem
Mapa de rodagemMapa de rodagem
Mapa de rodagem
 
Storyboard
StoryboardStoryboard
Storyboard
 
Guião de intenção
Guião de intençãoGuião de intenção
Guião de intenção
 
Guião técnico
Guião técnicoGuião técnico
Guião técnico
 
Michael Bay
Michael BayMichael Bay
Michael Bay
 
Surrealismo
SurrealismoSurrealismo
Surrealismo
 
Expressionismo
ExpressionismoExpressionismo
Expressionismo
 
Regra dos terços - Fotografia
Regra dos terços - FotografiaRegra dos terços - Fotografia
Regra dos terços - Fotografia
 
Forças de Atrito
Forças de AtritoForças de Atrito
Forças de Atrito
 

Último

Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdfOficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
beathrizalves131
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
felipescherner
 
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Mary Alvarenga
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
Sandra Pratas
 
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdfoficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
marcos oliveira
 
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e CaminhosAprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Leonel Morgado
 
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptxA perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
marcos oliveira
 
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Falcão Brasil
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
shirleisousa9166
 
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptxLicao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
jetroescola
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
marcos oliveira
 
Painel para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
Painel  para comemerorar odia dos avós grátis.pdfPainel  para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
Painel para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
marcos oliveira
 
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. WeaverAs Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
C4io99
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Luzia Gabriele
 
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Ideais do Ministério jovem Adventista pdf
Ideais do Ministério jovem Adventista pdfIdeais do Ministério jovem Adventista pdf
Ideais do Ministério jovem Adventista pdf
Anesio2
 

Último (20)

Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdfOficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
 
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
 
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdfoficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
 
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e CaminhosAprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
 
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptxA perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
 
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
 
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
 
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptxLicao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
 
Painel para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
Painel  para comemerorar odia dos avós grátis.pdfPainel  para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
Painel para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
 
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
 
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. WeaverAs Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
 
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
 
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
 
Ideais do Ministério jovem Adventista pdf
Ideais do Ministério jovem Adventista pdfIdeais do Ministério jovem Adventista pdf
Ideais do Ministério jovem Adventista pdf
 

Arte digital

  • 1. História das Artes Visuais e Contemporâneas ARTE DIGITAL Trabalho realizado por: Agostinho Oliveira Joel Oliveira
  • 2. INTRODUÇÃO  A internet começa a desenvolver-se, tornando-se um forte meio de comunicação. O universo virtual permite que os limites reais sejam ampliados para infinitas possibilidades de interferir e interagir neste espaço virtual. Surge, neste contexto, a Arte Digital.  Ela estende-se em algumas variantes, tais como:  Pintura Digital;  Desenho Digital;  Pixel Art;  Vectorial;  Etc…
  • 3. ARTE DIGITAL – COMO SURGIU?  A arte digital surgiu como uma consequência da evolução tecnológica dos computadores na segunda metade do século XX, quando, em 1960, foram inventados os circuitos integrados, que deram origem aos princípios da electrónica e da informática.  Uma revolução tecnológica foi desencadeada mundialmente, devido à infinidade de possibilidades e aplicações que podem ser propostas, e envolveu diversos meios de pesquisas tecnológicas, científicas e artísticas. Ao mesmo tempo, a velocidade com que os equipamentos (hardwares), programas (softwares) e plataformas se desenvolveram, gerou o problema da obsolescência de máquinas, constituindo assim o desafio da preservação e conservação de acervos culturais e científicos.
  • 4. ARTE DIGITAL – O QUE É?  Arte digital ou arte de computador é aquela produzida em ambiente gráfico computacional. Utiliza-se processos digitais e virtuais, inclui experiências com net arte, web arte, videoarte, etc. Tem o objetivo de dar vida virtual às coisas e mostrar que a arte não é feita só à mão. Existem diversas categorias de arte digital que apresentaremos ao longo desta apresentação…
  • 5. ARTE DIGITAL – ALGUNS EXEMPLOS
  • 6. ARTE DIGITAL – PINTURA DIGITAL  Pintura digital ou ilustração digital, trata-se da geração de trabalhos utilizando programas específicos para edição de imagem que simulam a pintura em óleo sobre tela. Muito embora existam possibilidades de aquarela, baixos-relevos, etc.
  • 7. ARTE DIGITAL – DESENHO DIGITAL  O desenho digital é elaborado por meio de ferramentas virtuais que simulam as utilizadas na Arte Tradicional. É o aspecto mais conhecido da Arte Digital, constantemente confundido com a mesma.  Dentro desta categoria de arte digital, encaixam-se as Pinturas Digitais, gravura digital e os trabalhos de Oekaki. As pinturas nada mais são do que desenhos digitais feitos com maior atenção em relação a detalhes, sombras e luzes. É o equivalente digital às pinturas em quadros e telas.
  • 8. ARTE DIGITAL – PIXEL ART  Forma criada inteiramente por mapas de pixels, usando a mais simples das ferramentas digitais (conhecida como "Lápis"). Cada pixel é colocado num lugar específico com o objetivo de melhorar a representação iconográfica da imagem e completar a intenção original do artista. Os tão conhecidos e populares “emoticons” são trabalhos de pixel art. Esta técnica é também muito importante no desenvolvimento dos ícones e ferramentas das interfaces gráficas dos softwares.
  • 9. ARTE DIGITAL – VECTORIAL  As imagens são geradas por meio de vetores. Os softwares registram para cada entidade (objeto) uma informação matemática. Estes dados podem ser livremente acedidos e alterados a qualquer momento. Os gráficos vetoriais são normalmente mais versáteis pois permitem alteração nos desenhos produzidos, além do aumento de dimensões sem grande perda de qualidade.
  • 10. ARTE DIGITAL – ILUSTRAÇÃO  Estas ilustrações gráficas caracterizam-se por utilizar vetores para definir as primitivas geométricas. As linhas, círculos, polígonos, etc são definidas por registros matemáticos. Este processo permite a alteração de cada entidade geométrica de forma independente.  Um dos exemplos práticos consiste em transformar uma fotografia em uma imagem vetorial, costuma-se chamar este processo de vetorização. Este processo perde nuances do original, tornando-se menos realista.
  • 11. ARTE DIGITAL – MANIPULAÇÃO DE IMAGENS  E por fim, e sendo este o nosso tema de trabalho prático, é uma das principais áreas de expressão da arte digital. Consiste em manipular uma fotografia, sendo esta manipulação visível além de mudança de cores. Deve-se manter em mente que somente pode-se utilizar fotografias de “stock” para realizar manipulações que não infrinjam as leis de copyright autoral.
  • 12. REFLEXÃO  O grande encanto da arte digital é a interactividade em tempo real, da qual o público participa. O acto de interagir físicamente ou virtualmente com a obra permite o acesso a um universo lúdico.  E foi desta forma que recaímos sobre o nosso objecto criativo. Apesar das limitações de condições de trabalho, partimos para os nossos sonhos e medos, e numa altura que se ouve falar de profecias de que o mundo iria acabar em breve, pensamos e quisemos retractar esse ou uma consequência desse momento catastrófico.
  • 13. CONCLUSÃO  É fascinante o poder artístico que a arte interactiva permite ao espectador… No mesmo minuto que alguém a cria e recria a obra, assim como nós fizemos, centenas de outros espectadores em diferentes lugares do planeta fazem o mesmo, cada um do seu jeito com as características da própria cultura, o que faz com que a obra torne-se viva, modificando-se a cada segundo.  Tivemos pena do pouco tempo disponível para investir à fundo neste temática da Arte Digital, é um tema do qual ambos partilhamos interesse e curiosidade, e que sem dúvida alguma que esta é uma das nossas áreas preferidas a seguir no futuro e só temos a agradecer ao professor por nos dar esta oportunidade!